SlideShare uma empresa Scribd logo
Tópicos de análise do espaço social em Memorial do Convento
O espaço social do Memorial concentra-se em torno de dois locais - LISBOA e MAFRA - e procura recriar a
sociedade portuguesa - cortesã e popular - dos primeiros decénios do século XVIII, focando aspectos como
a Inquisição, as festividades, a corte, a escravatura, as injustiças, a feitiçaria, os autos-de-fé, os rituais religiosos e
cortesãos, as epidemias, etc.
1. LISBOA
Citando Auxília Ramos e Zaida Braga, responsáveis intelectuais pela colecção RESUMOS, da Porto
Editora, «Lisboa aparece descrita através de uma série de sensações auditivas (pregões, vozes alteradas, toques dos
sinos, das trombetas, rufos de tambores, salvas de tiros anunciando a chegada ou a partida das naus, o som
monocórdico das rezas, das ladainhas e da sineta dos frades mendicantes) que constroem a imagem de uma cidade -
apesar de, na voz do narrador, parecer 'tão quieta' - em constante movimento.» (pág. 23).
Em Lisboa, são vários os ambientes que constroem a visão epocal da capital do reino:
1.1. O Paço
- A subserviência e o vazio dos gestos repetidos e inúteis por parte do enxame de cortesãos que rodeiam o rei e a
rainha;
- Os aspectos caricaturais que definem a relação conjugal dos monarcas (o cerimonial, a ausência de afectividade,
intimidade, amor, etc.).
1.2. O Entrudo e a Procissão da Quaresma
- A religião enquanto pretexto para a prática deexcessos e desvarios (a satisfação deprazeres carnais) e
brincadeirascarnavalescas(as pessoascomeme bebem em demasia,dão «umbigadas pelas esquinas», atiramágua
à cara umas das outras,batem nos mais desprevenidos,tocam gaitas,espojam-senas ruas...);
- A penitência física dos pecados da carne(o jejum e o açoite - pág. 28) e a mortificação da alma (o jejume o açoite -
pág. 28) e a mortificação da alma apóso desregramento do Entrudo (é tempo de «mortificar a alma para que o
corpo finja arrepender-se...»);
- As manifestações de fé caracterizadas pela histeria,pelo sadomasoquismo epelo primitivismo:as pessoas
arranham-se,arrastam-sepelo chão,puxamos cabelos,esbofeteiam-se, autoflagelam-separa gáudio das mulheres
e amantes que assistemà procissão a partirdas janelas;
- Os comportamentos das mulheres que reclamammais violência evigor na «actuação» do seu «servidor» e obtêm
prazer dos actos de autoflagelação dos penitentes (sadismo:obtenção de prazer a partir do sofrimento de outrem);
- A alteração dos comportamentos femininos:as mulheres, nesta época, são livres depercorrer sozinhas as ruase
de frequentar as igrejas,comportamento que facilita o adultério;
- A alteração periódicada mentalidademachista masculina:os homens «fecham» os olhos» aos
comportamentos femininos;
- A sensualidadeeo misticismo.
Findos o Entrudo e a Quaresma, a velha ordem é restabelecida ea mulher regressa à sua reclusão caseira,
ocupando-sedos trabalhos domésticos,e à submissão,enquanto o homem retoma a sua autoridade(pp. 32-33).
1.3. As histórias de milagres e de crimes
- As superstições e a crendice;
- A superficialidade;
- A libertinagem.
1.4. Os autos-de-fé
O auto-de-fé é apresentado como um «dia de alegria geral», dado que as pessoas saem,em massa,à rua,
ansiando por assistir aos suplícios - incluindo a morte - a que são submetidos os condenados, e que envolve uma
sériede rituais:
 as mulheres apresentam um comportamento similar ao manifestado durantea procissão da Quaresma:
exibem-se às janelas,cuidadosamente arranjadas,eassistemao desfiledos condenados;
 o povo, eufórico, grita impropérios aos condenados quedesfilam;
 os religiosos seguemuma organização clara:primeiro os dominicanos,deseguida os inquisidores;
 os sentenciados transportamcírios nas suasmãos evestem-se de acordo com a condenação com que
foram contemplados;
 os condenados são castigados deacordo coma gravidadeda sua culpa,dos seus «crimes»:uns são
açoitados,outros são degredados,outros são garroteados e outros queimados vivos;
 os que assistemà queima dos condenados à fogueira dançamdiante da mesma;
 o rei, os infantes e as infantas celebramo final do auto-de-fé com um magnífico jantar na Inquisição.
Em suma, os autos-de-fé representam:
 a representação religiosaepolítica;
 o fanatismo;
 o carácter sanguinário dasdiversas classes,patente no celebrar e festejar a morte;
 a procura de emoções fortes que preencham o vazio da existência;
 a futilidade,a vaidadee os jogos de sedução femininos (a preocupação com as toilettes, os sinaizinhosno
rosto, as borbulhas encobertas...).
1.5. Os baptizados e os funerais régios:
 o luxo e a ostentação;
 a vida e a morte como espectáculos.
1.6. A elevação a cardeal do inquisidor D. Nuno da Cunha: o luxo e a ostentação.
1.7. A vida conventual:
 a libertinageme a devassidão;
 o desrespeito pelas normas religiosas (por exemplo,o celibato).
1.8. As touradas:
 A descrição pormenorizada do evento:
» a organização ea decoração da praça,profusa e ricamente enfeitada com palanques,mastros combandeirinhas,
colunas comfrisos ecornijasdouradas,grandes figuraspintadasdevárias cores eouro, um mastro com uma
bandeira que exibe a figura de Santo António;
» os espectadores que ocupam as bancadas eos terraços;
» os aguadores que molham a praça;
» os reis e as altezas,que assistemà tourada a partir das janelasdo paço;
» os cavalos,bem aparelhados;
» o sanguee a morte como forma de espectáculo e divertimento (a tortura dos touros, o sangue, as feridas,
as «tripas»);
» o delírio e a excitação (mais uma vez!) de homens e mulheres perante aquele espectáculo de sangue, sofrimento e
morte;
» a prática das mantas defogo sobreos touros,que estralejamà medida que os touros correm o terreiro,
enlouquecidos de dor;
» o espectáculo de tortura dos coelhos e das pombas,encerrados em bonecos de barro pintados,contra os quais
investem os touros.
1.9. A procissão do Corpo de Deus:
 Os preparativos para a procissão, que ocorrem de véspera:
» o Terreiro do Paço:as figuras,a coluna,os medalhões e as pirâmides;
» as ruas toldadas:os mastros decorados comseda e ouro e medalhões dourados com o Sacramento, o brasão do
patriarca eos brasões do Senado da Câmara; a Rua Nova com as colunas dos arcosrevestidas desedas ede
damascos;
» as janelasdecoradascomcortinas esanefas dedamasco carmesime franjas douradas;
» a vigilânciados escravospretos e dos quadrilheirospara evitar o assalto a tanta riqueza;
» a pavimentação das ruas entre o Rossio e o Terreiro do Paço com areia vermelha e ervas;
» a exposição e o despiquedas damas às janelascompenteados artísticos eexcessiva maquilhagem,e a
consequente produção de glosas emsua honra;
» as brincadeirasdos rapazes pelasruas eos «solaus e chocolate» dentro das casas,durantea noite.
 A procissão:
» o desfiledas bandeiras dos ofícios,ricaeexcessivamente decoradas (damasco brocado,bordaduras deouro,
cordões de ouro e seda, etc.);
» as fanfarras detrombetas e tambores;
» a representação de S. Jorge;
» o desfiledas diferentes irmandades,distinguíveispelascores das capas;
» o desfiledas comunidades religiosas;
» a multidão do clero das paróquias;
» a participação do rei,que segura uma vala do pálio;
» os pensamentos do patriarca eos pensamentos do rei revelados pelo narrador.
 O simbolismo da procissão:
» o luxo e a ostentação;
» a sobreposição do profano ao sagrado;
» a libertinageme a vida dissoluta do rei;
» a histeria eo fanatismo (as pessoas batemem si própriaseaos outros).
1.10. O cortejo de casamento:
 O casamento da realeza;
 A vida feminina;
 O luxo e a ostentação desmedidos;
 O contrastedesse luxo com a fome e a miséria do povo, que luta pela sobrevivência ese entrega a
comportamentos imorais;
 O estado deplorável dos caminhos.
Em suma, Lisboa é apresentada como um espaço infecto, alimentado pelo ódio (aos judeus e aos cristãos-
novos), pela corrupção moral dos religiosos,pelo poder repressivo e hipócrita do Santo Ofício e pelo poder
autocrático do rei.
2. MAFRA
«... e a vila (...) é Mafra, que dizem os eruditos ser isso mesmo o que quer dizer, mas um dia se hão-de rectificar
os sentidos e naquele nome será lido, letra por letra, mortos, assados, fundidos, roubados, arrastados...» (pág. 306).
2.1. O recrutamento dos trabalhadores para os trabalhos do convento:
 a servidão e a escravatura populares (os homens são obrigados,na maioriados casos,à força de armas, ou
voluntariamente, na mira de um salário ede alimentação certa,a abandonar as suascasasea construir o convento,
vivendo em barracões,executando um trabalho desmedido e roídos de doenças venéreas):
» as condições precáriasesub-humanas de vida;
» o recrutamento à força,com armas e violência física;
» os abusos de poder;
» o desrespeito pela dignidadedas mulheres e dos filhos abandonados;
» os procedimentos próprios da escravatura;
» a fome, o frio e a miséria;
» a humilhação ea desumanização do homem.
2.2. O início da construção do convento:
 as condições de vida e de trabalho infra-humanas;
 o trabalho incessantee mecanizado;
 a analogia entreo trabalho do homem e da formiga,enquanto denúncia da desumanização eda violência
do trabalho a que aquele está sujeito.
2.3. As condições de vida e de alojamento:
 a precariedadee a falta de higiene no alojamento,onde são visíveis os parasitasea falta de arejamento do
espaço;
 a miséria dos trabalhadores edos soldados;
 a violência decomportamentos;
 a prostituição;
 os hábitos insalubres:as doenças sexualmentetransmissíveis;
 a falta de segurança no trabalho.
2.4. As condições laborais:
 os homens são apresentados como bestas de carga;
 o sacrifício dos animais;
 a elevação dos trabalhadoresà categoria deheróis,através da descrição do martírio e do sacri fício a que
estão sujeitos duranteos trabalhos deconstrução do convento e que está simbolizadano episódio da epopeia da
pedra (pp. 247-274).
2.5. Os momentos de lazer:
Em Mafra, escasseiamos momentos de lazer, facto que contrasta com o que se passa em Lisboa,onde, como
vimos,abundam os espectáculos (alémdos acima descritos - touradas,por exemplo -, temos os pátios de comédias,
as cantarinas,os representantes e a ópera - pp. 226-273).Aos trabalhadores do convento restam-lhes o «fait-
divers» e o contar de históriasao serão como forma de evasão,nomeadamente a história deManuel Milho.
2.6. A sagração da basílica:
 a ostentação e o luxo com a presença do rei, do infante D. António, do patriarca,dos fidalgos,dos criados
da casa real,dos coches e dos cavalossumptuosos;
 a mobilização passivado povo, estimada em setenta a oitenta mil pessoas;
 o ritual excessivamente hierarquizado;
 o deslumbramento dos participantes;
 a extensão inusitadados oito dias defesta.
Fonte: http://portugues-fcr.blogspot.pt/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
Artes Hildalene
Artes HildaleneArtes Hildalene
Artes Hildalene
Pré-Enem Seduc
 
Cenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de Faro
Cenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de FaroCenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de Faro
Cenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de Faro
José Mesquita
 
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de SilvesSubsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
José Mesquita
 
Heresia dos indios
Heresia dos indiosHeresia dos indios
Heresia dos indios
Cacau Nascimento
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo
Guia Politicamente Incorreto da História do MundoGuia Politicamente Incorreto da História do Mundo
Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo
Fabiano Araujo de Souza
 
Arcadismo i
Arcadismo iArcadismo i
Arcadismo i
Nádia França
 
Florbela Espanca na vila de Olhão
Florbela Espanca na vila de OlhãoFlorbela Espanca na vila de Olhão
Florbela Espanca na vila de Olhão
J. C. Vilhena Mesquita
 
Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
Nádia França
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Portugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimentalPortugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimental
Maria Luísa de Castro Soares
 
12 um céptico
12   um céptico12   um céptico
12 um céptico
Fatoze
 
As primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no Algarve
As primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no AlgarveAs primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no Algarve
As primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no Algarve
José Mesquita
 
PresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura Material
PresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura MaterialPresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura Material
PresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura Material
guest5eb864
 
Revista de Portugal n.º 16
Revista de Portugal n.º 16Revista de Portugal n.º 16
Revista de Portugal n.º 16
queirosiana
 
«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?
«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?
«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?
José Mesquita
 
Correio127
Correio127Correio127
Correio127
grupointerartes
 
Os mistérios dos antigos maias samael aun weor
Os mistérios dos antigos maias   samael aun weorOs mistérios dos antigos maias   samael aun weor
Os mistérios dos antigos maias samael aun weor
Francisco de Morais
 
O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal
 O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal
O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal
Maria Luísa de Castro Soares
 

Mais procurados (20)

A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Artes Hildalene
Artes HildaleneArtes Hildalene
Artes Hildalene
 
Cenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de Faro
Cenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de FaroCenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de Faro
Cenótáfio do bispo D. António Pereira da Silva na Sé de Faro
 
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de SilvesSubsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
 
Heresia dos indios
Heresia dos indiosHeresia dos indios
Heresia dos indios
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo
Guia Politicamente Incorreto da História do MundoGuia Politicamente Incorreto da História do Mundo
Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo
 
Arcadismo i
Arcadismo iArcadismo i
Arcadismo i
 
Florbela Espanca na vila de Olhão
Florbela Espanca na vila de OlhãoFlorbela Espanca na vila de Olhão
Florbela Espanca na vila de Olhão
 
Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Portugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimentalPortugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimental
 
12 um céptico
12   um céptico12   um céptico
12 um céptico
 
As primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no Algarve
As primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no AlgarveAs primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no Algarve
As primicias jornalísticas de mestre Aquilino Ribeiro no Algarve
 
PresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura Material
PresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura MaterialPresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura Material
PresençA Negra Na Lapa Paraná E Cultura Material
 
Revista de Portugal n.º 16
Revista de Portugal n.º 16Revista de Portugal n.º 16
Revista de Portugal n.º 16
 
«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?
«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?
«Chronica do Algarve» terá sido o primeiro jornal algarvio?
 
Correio127
Correio127Correio127
Correio127
 
Os mistérios dos antigos maias samael aun weor
Os mistérios dos antigos maias   samael aun weorOs mistérios dos antigos maias   samael aun weor
Os mistérios dos antigos maias samael aun weor
 
O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal
 O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal
O Labirinto da Saudade de Eduardo Lourenço: um modo de repensar Portugal
 

Destaque

Mensagem
MensagemMensagem
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Ana Isabel Falé
 
Programa da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º anoPrograma da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º ano
Dina Baptista
 
Fernado Pessoa -Heteronímia
Fernado Pessoa -HeteronímiaFernado Pessoa -Heteronímia
Fernado Pessoa -Heteronímia
Dina Baptista
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
lenaeira
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
Vinicius Lutz
 
Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)
guestcb31cc
 
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
Higor Lopes Gonçalves
 
Alberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorAlberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática Amor
Tânia Patrícia
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
euequesei
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
Leonardo C. Arinelli
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
fromgaliza
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Ricardo Santos
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
JulianaOmendes
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
Maria da Paz
 

Destaque (19)

Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Programa da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º anoPrograma da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º ano
 
Fernado Pessoa -Heteronímia
Fernado Pessoa -HeteronímiaFernado Pessoa -Heteronímia
Fernado Pessoa -Heteronímia
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
 
Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)
 
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Alberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorAlberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática Amor
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
 

Semelhante a Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento

Memorial do convento espaço social e a crítica
Memorial do convento   espaço social e a críticaMemorial do convento   espaço social e a crítica
Memorial do convento espaço social e a crítica
António Teixeira
 
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De AndradeO Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
Pre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclidesPre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclides
sandrahelenalmeida
 
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
Carla Freitas
 
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente   HumanismoC:\Fakepath\Gil Vicente   Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
Eneida da Rosa
 
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMABARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
Thiago Lucius Alvarez Amaral
 
História Básica da Magia
História Básica da MagiaHistória Básica da Magia
História Básica da Magia
Pedro Henrique
 
7 tabuletas e visões d'ópio
7   tabuletas e visões d'ópio7   tabuletas e visões d'ópio
7 tabuletas e visões d'ópio
Grupo Educacional Ávila
 
Panorama Do Teatro Ocidental Im
Panorama Do Teatro Ocidental ImPanorama Do Teatro Ocidental Im
Panorama Do Teatro Ocidental Im
Claudia Venturi
 
Caderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de OrdensCaderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de Ordens
Laboratório de História
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
CamilaOliveira83116
 
Realismo x naturalismo.pptx
Realismo x naturalismo.pptxRealismo x naturalismo.pptx
Realismo x naturalismo.pptx
JulianaLiriss1
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
HogwartsSchoolHouseCup
 
Relações de Gênero
Relações de GêneroRelações de Gênero
Relações de Gênero
Privada
 
I D A D E M D I Aok
I D A D E M D I AokI D A D E M D I Aok
I D A D E M D I Aok
José Miguel Dos Santos
 
Os Maias de A a Z
Os Maias de A a ZOs Maias de A a Z
Os Maias de A a Z
lumigopereira
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Nivaldo Marques
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
espanhol1979a
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 

Semelhante a Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento (20)

Memorial do convento espaço social e a crítica
Memorial do convento   espaço social e a críticaMemorial do convento   espaço social e a crítica
Memorial do convento espaço social e a crítica
 
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De AndradeO Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
 
Pre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclidesPre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclides
 
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
 
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente   HumanismoC:\Fakepath\Gil Vicente   Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
 
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMABARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
 
História Básica da Magia
História Básica da MagiaHistória Básica da Magia
História Básica da Magia
 
7 tabuletas e visões d'ópio
7   tabuletas e visões d'ópio7   tabuletas e visões d'ópio
7 tabuletas e visões d'ópio
 
Panorama Do Teatro Ocidental Im
Panorama Do Teatro Ocidental ImPanorama Do Teatro Ocidental Im
Panorama Do Teatro Ocidental Im
 
Caderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de OrdensCaderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de Ordens
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
Realismo x naturalismo.pptx
Realismo x naturalismo.pptxRealismo x naturalismo.pptx
Realismo x naturalismo.pptx
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
 
Relações de Gênero
Relações de GêneroRelações de Gênero
Relações de Gênero
 
I D A D E M D I Aok
I D A D E M D I AokI D A D E M D I Aok
I D A D E M D I Aok
 
Os Maias de A a Z
Os Maias de A a ZOs Maias de A a Z
Os Maias de A a Z
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
Idademdi Aok
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
 

Mais de Ana Isabel Falé

Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18
Ana Isabel Falé
 
Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18 Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18
Ana Isabel Falé
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
Ana Isabel Falé
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
Ana Isabel Falé
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
Ana Isabel Falé
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família Indicadores da Família
Indicadores da Família
Ana Isabel Falé
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família   Indicadores da Família
Indicadores da Família
Ana Isabel Falé
 
Indicadores da Família
Indicadores da FamíliaIndicadores da Família
Indicadores da Família
Ana Isabel Falé
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Ana Isabel Falé
 
Critérios valorativos
Critérios valorativosCritérios valorativos
Critérios valorativos
Ana Isabel Falé
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
Ana Isabel Falé
 
Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917
Ana Isabel Falé
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchers
Ana Isabel Falé
 
Fernando Martinho
Fernando MartinhoFernando Martinho
Fernando Martinho
Ana Isabel Falé
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
Ana Isabel Falé
 
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
Ana Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correção
Ana Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivas
Ana Isabel Falé
 
Fcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoalFcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoal
Ana Isabel Falé
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionais
Ana Isabel Falé
 

Mais de Ana Isabel Falé (20)

Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18
 
Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18 Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família Indicadores da Família
Indicadores da Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família   Indicadores da Família
Indicadores da Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da FamíliaIndicadores da Família
Indicadores da Família
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
 
Critérios valorativos
Critérios valorativosCritérios valorativos
Critérios valorativos
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
 
Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchers
 
Fernando Martinho
Fernando MartinhoFernando Martinho
Fernando Martinho
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
 
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correção
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivas
 
Fcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoalFcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoal
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionais
 

Último

cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento

  • 1. Tópicos de análise do espaço social em Memorial do Convento O espaço social do Memorial concentra-se em torno de dois locais - LISBOA e MAFRA - e procura recriar a sociedade portuguesa - cortesã e popular - dos primeiros decénios do século XVIII, focando aspectos como a Inquisição, as festividades, a corte, a escravatura, as injustiças, a feitiçaria, os autos-de-fé, os rituais religiosos e cortesãos, as epidemias, etc. 1. LISBOA Citando Auxília Ramos e Zaida Braga, responsáveis intelectuais pela colecção RESUMOS, da Porto Editora, «Lisboa aparece descrita através de uma série de sensações auditivas (pregões, vozes alteradas, toques dos sinos, das trombetas, rufos de tambores, salvas de tiros anunciando a chegada ou a partida das naus, o som monocórdico das rezas, das ladainhas e da sineta dos frades mendicantes) que constroem a imagem de uma cidade - apesar de, na voz do narrador, parecer 'tão quieta' - em constante movimento.» (pág. 23). Em Lisboa, são vários os ambientes que constroem a visão epocal da capital do reino: 1.1. O Paço - A subserviência e o vazio dos gestos repetidos e inúteis por parte do enxame de cortesãos que rodeiam o rei e a rainha; - Os aspectos caricaturais que definem a relação conjugal dos monarcas (o cerimonial, a ausência de afectividade, intimidade, amor, etc.). 1.2. O Entrudo e a Procissão da Quaresma - A religião enquanto pretexto para a prática deexcessos e desvarios (a satisfação deprazeres carnais) e brincadeirascarnavalescas(as pessoascomeme bebem em demasia,dão «umbigadas pelas esquinas», atiramágua à cara umas das outras,batem nos mais desprevenidos,tocam gaitas,espojam-senas ruas...); - A penitência física dos pecados da carne(o jejum e o açoite - pág. 28) e a mortificação da alma (o jejume o açoite - pág. 28) e a mortificação da alma apóso desregramento do Entrudo (é tempo de «mortificar a alma para que o corpo finja arrepender-se...»); - As manifestações de fé caracterizadas pela histeria,pelo sadomasoquismo epelo primitivismo:as pessoas arranham-se,arrastam-sepelo chão,puxamos cabelos,esbofeteiam-se, autoflagelam-separa gáudio das mulheres e amantes que assistemà procissão a partirdas janelas; - Os comportamentos das mulheres que reclamammais violência evigor na «actuação» do seu «servidor» e obtêm prazer dos actos de autoflagelação dos penitentes (sadismo:obtenção de prazer a partir do sofrimento de outrem); - A alteração dos comportamentos femininos:as mulheres, nesta época, são livres depercorrer sozinhas as ruase de frequentar as igrejas,comportamento que facilita o adultério;
  • 2. - A alteração periódicada mentalidademachista masculina:os homens «fecham» os olhos» aos comportamentos femininos; - A sensualidadeeo misticismo. Findos o Entrudo e a Quaresma, a velha ordem é restabelecida ea mulher regressa à sua reclusão caseira, ocupando-sedos trabalhos domésticos,e à submissão,enquanto o homem retoma a sua autoridade(pp. 32-33). 1.3. As histórias de milagres e de crimes - As superstições e a crendice; - A superficialidade; - A libertinagem. 1.4. Os autos-de-fé O auto-de-fé é apresentado como um «dia de alegria geral», dado que as pessoas saem,em massa,à rua, ansiando por assistir aos suplícios - incluindo a morte - a que são submetidos os condenados, e que envolve uma sériede rituais:  as mulheres apresentam um comportamento similar ao manifestado durantea procissão da Quaresma: exibem-se às janelas,cuidadosamente arranjadas,eassistemao desfiledos condenados;  o povo, eufórico, grita impropérios aos condenados quedesfilam;  os religiosos seguemuma organização clara:primeiro os dominicanos,deseguida os inquisidores;  os sentenciados transportamcírios nas suasmãos evestem-se de acordo com a condenação com que foram contemplados;  os condenados são castigados deacordo coma gravidadeda sua culpa,dos seus «crimes»:uns são açoitados,outros são degredados,outros são garroteados e outros queimados vivos;  os que assistemà queima dos condenados à fogueira dançamdiante da mesma;  o rei, os infantes e as infantas celebramo final do auto-de-fé com um magnífico jantar na Inquisição. Em suma, os autos-de-fé representam:  a representação religiosaepolítica;  o fanatismo;  o carácter sanguinário dasdiversas classes,patente no celebrar e festejar a morte;  a procura de emoções fortes que preencham o vazio da existência;  a futilidade,a vaidadee os jogos de sedução femininos (a preocupação com as toilettes, os sinaizinhosno rosto, as borbulhas encobertas...). 1.5. Os baptizados e os funerais régios:  o luxo e a ostentação;  a vida e a morte como espectáculos. 1.6. A elevação a cardeal do inquisidor D. Nuno da Cunha: o luxo e a ostentação. 1.7. A vida conventual:  a libertinageme a devassidão;  o desrespeito pelas normas religiosas (por exemplo,o celibato). 1.8. As touradas:  A descrição pormenorizada do evento:
  • 3. » a organização ea decoração da praça,profusa e ricamente enfeitada com palanques,mastros combandeirinhas, colunas comfrisos ecornijasdouradas,grandes figuraspintadasdevárias cores eouro, um mastro com uma bandeira que exibe a figura de Santo António; » os espectadores que ocupam as bancadas eos terraços; » os aguadores que molham a praça; » os reis e as altezas,que assistemà tourada a partir das janelasdo paço; » os cavalos,bem aparelhados; » o sanguee a morte como forma de espectáculo e divertimento (a tortura dos touros, o sangue, as feridas, as «tripas»); » o delírio e a excitação (mais uma vez!) de homens e mulheres perante aquele espectáculo de sangue, sofrimento e morte; » a prática das mantas defogo sobreos touros,que estralejamà medida que os touros correm o terreiro, enlouquecidos de dor; » o espectáculo de tortura dos coelhos e das pombas,encerrados em bonecos de barro pintados,contra os quais investem os touros. 1.9. A procissão do Corpo de Deus:  Os preparativos para a procissão, que ocorrem de véspera: » o Terreiro do Paço:as figuras,a coluna,os medalhões e as pirâmides; » as ruas toldadas:os mastros decorados comseda e ouro e medalhões dourados com o Sacramento, o brasão do patriarca eos brasões do Senado da Câmara; a Rua Nova com as colunas dos arcosrevestidas desedas ede damascos; » as janelasdecoradascomcortinas esanefas dedamasco carmesime franjas douradas; » a vigilânciados escravospretos e dos quadrilheirospara evitar o assalto a tanta riqueza; » a pavimentação das ruas entre o Rossio e o Terreiro do Paço com areia vermelha e ervas; » a exposição e o despiquedas damas às janelascompenteados artísticos eexcessiva maquilhagem,e a consequente produção de glosas emsua honra; » as brincadeirasdos rapazes pelasruas eos «solaus e chocolate» dentro das casas,durantea noite.  A procissão: » o desfiledas bandeiras dos ofícios,ricaeexcessivamente decoradas (damasco brocado,bordaduras deouro, cordões de ouro e seda, etc.); » as fanfarras detrombetas e tambores; » a representação de S. Jorge; » o desfiledas diferentes irmandades,distinguíveispelascores das capas; » o desfiledas comunidades religiosas; » a multidão do clero das paróquias; » a participação do rei,que segura uma vala do pálio; » os pensamentos do patriarca eos pensamentos do rei revelados pelo narrador.  O simbolismo da procissão: » o luxo e a ostentação; » a sobreposição do profano ao sagrado; » a libertinageme a vida dissoluta do rei; » a histeria eo fanatismo (as pessoas batemem si própriaseaos outros). 1.10. O cortejo de casamento:  O casamento da realeza;  A vida feminina;  O luxo e a ostentação desmedidos;
  • 4.  O contrastedesse luxo com a fome e a miséria do povo, que luta pela sobrevivência ese entrega a comportamentos imorais;  O estado deplorável dos caminhos. Em suma, Lisboa é apresentada como um espaço infecto, alimentado pelo ódio (aos judeus e aos cristãos- novos), pela corrupção moral dos religiosos,pelo poder repressivo e hipócrita do Santo Ofício e pelo poder autocrático do rei. 2. MAFRA «... e a vila (...) é Mafra, que dizem os eruditos ser isso mesmo o que quer dizer, mas um dia se hão-de rectificar os sentidos e naquele nome será lido, letra por letra, mortos, assados, fundidos, roubados, arrastados...» (pág. 306). 2.1. O recrutamento dos trabalhadores para os trabalhos do convento:  a servidão e a escravatura populares (os homens são obrigados,na maioriados casos,à força de armas, ou voluntariamente, na mira de um salário ede alimentação certa,a abandonar as suascasasea construir o convento, vivendo em barracões,executando um trabalho desmedido e roídos de doenças venéreas): » as condições precáriasesub-humanas de vida; » o recrutamento à força,com armas e violência física; » os abusos de poder; » o desrespeito pela dignidadedas mulheres e dos filhos abandonados; » os procedimentos próprios da escravatura; » a fome, o frio e a miséria; » a humilhação ea desumanização do homem. 2.2. O início da construção do convento:  as condições de vida e de trabalho infra-humanas;  o trabalho incessantee mecanizado;  a analogia entreo trabalho do homem e da formiga,enquanto denúncia da desumanização eda violência do trabalho a que aquele está sujeito. 2.3. As condições de vida e de alojamento:  a precariedadee a falta de higiene no alojamento,onde são visíveis os parasitasea falta de arejamento do espaço;  a miséria dos trabalhadores edos soldados;  a violência decomportamentos;  a prostituição;  os hábitos insalubres:as doenças sexualmentetransmissíveis;  a falta de segurança no trabalho. 2.4. As condições laborais:  os homens são apresentados como bestas de carga;  o sacrifício dos animais;  a elevação dos trabalhadoresà categoria deheróis,através da descrição do martírio e do sacri fício a que estão sujeitos duranteos trabalhos deconstrução do convento e que está simbolizadano episódio da epopeia da pedra (pp. 247-274). 2.5. Os momentos de lazer: Em Mafra, escasseiamos momentos de lazer, facto que contrasta com o que se passa em Lisboa,onde, como vimos,abundam os espectáculos (alémdos acima descritos - touradas,por exemplo -, temos os pátios de comédias, as cantarinas,os representantes e a ópera - pp. 226-273).Aos trabalhadores do convento restam-lhes o «fait- divers» e o contar de históriasao serão como forma de evasão,nomeadamente a história deManuel Milho. 2.6. A sagração da basílica:
  • 5.  a ostentação e o luxo com a presença do rei, do infante D. António, do patriarca,dos fidalgos,dos criados da casa real,dos coches e dos cavalossumptuosos;  a mobilização passivado povo, estimada em setenta a oitenta mil pessoas;  o ritual excessivamente hierarquizado;  o deslumbramento dos participantes;  a extensão inusitadados oito dias defesta. Fonte: http://portugues-fcr.blogspot.pt/