SlideShare uma empresa Scribd logo
Prece
Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade.
Mas a chama, que a vida em nós criou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguê-la ainda.
Dá sopro, a aragem – ou desgraça ou ânsia-,
Com que a chama do esforço se remoça,
E outra vez conquistemos a DistânciaDo mar ou outra, mas que seja nossa!

Introdução:
«Prece» é o último poema da segunda parte de «Mensagem» «Mar Português» - sendo que o poema que o precede é «A Última Nau».
O tema central é a invocação de Pessoa a Deus pedindo-lhe ajuda para
reacender a Alma Lusitana para que de novo "conquistemos a Distância".

Definição:
Prece é um ato religioso pelo qual nos dirigimos a Deus para
suplicar algum benefício, ou para adorá-lo; reza, oração.

Aspetos Formais:
Constatamos que o poema é constituído por três estrofes, de
quatro versos (quadras). Quanto à métrica os versos são
predominantemente decassilábicos. Predomina o ritmo ternário,
conferindo ao poema o tom alto e sublimado próprio do poema épico. A
rima é cruzada, segundo o esquema abab, cdcd, efef. As sonoridades
nasais sugerem uma certa nostalgia e tristeza.

Análise da primeira estrofe:
A expressão «a noite veio», implica a existência prévia do dia e a
passagem deste a noite. Se o dia foi o tempo de grandeza, a noite será o
tempo de abatimento, tristeza e destruição. No passado situam-se a
tormenta («tanta foi a tormenta») e o sonho («a vontade!»). A frase
exclamativa presente no segundo verso confere ao discurso grande
emotividade.
As dificuldades foram muitas, mas a atitude assumida pelo povo
«nós» (sujeito poético mais o povo português) foi de vontade para as
ultrapassar. O desalento é o sentimento assumido pelo sujeito poético e
que deve ser também assumido pelos outros. Resta o silêncio e a
saudade, após a conquista do mar. Estamos portanto diante de um
Portugal marcado pela insensibilidade «pelo silêncio hostil», pelo apego
às coisas materiais, sem capacidade de sonhar «a alma é vil»em
contraste com um passado de «tormenta e vontade».

Análise da segunda estrofe:
A segunda estrofe introduzida pela conjunção adversativa «mas»
opõe-se à primeira estrofe, que termina com a afirmação do desalento e
da conformaçãoda situação presente em que apenas resta «o mar
universal e a saudade».
Em «A mão do vento», a metáfora e a personificação demonstram
a ideia de que pode erguer-se novamente a chama (a esperança),
porque enquanto há vida,(«aindanão é finda»), há esperança. Esta e o
sonho podem ainda ganhar força, tal como o fogo quase extinto pode
ser reavivado por um sopro, a Alma portuguesa pode ainda levantar-se.
A repetição do «ainda» reforça a ideia de que nada está perdido e
de que com uma atitude diferente (a ação do vento) tudo se pode
alterar. Na expressão «o frio morto»o adjetivo morto poderá ter um
sentido conotativo de ocultar vida renovada, como a Fénix que surge
das cinzas.

Análise da terceira estrofe:
Na terceira estrofe, como indica o título, o sujeito poético, em tom
de súplica, pede que um «sopro» divino ajude a atear a «chama do
esforço», ainda que se tenha de pagar com «desgraça» ou suportar o
peso da «ânsia».
Os dois últimos versos deste poema recordam-nos os do poema
«Infante»: «Cumpriu-se o mar, e o Império se desfez! Senhor, falta
cumprir-se Portugal!». A Distância é o caminho para o conhecimento:
em primeiro lugar do mar na primeira viagem que indica o império
material e agora outra (a nova viagem), que indica o império espiritual.
No último verso, reforça-se assim a ideia de que é necessário procurar a
identidade e o prestígio nacionais perdidos. Estes dois versos traduzem
a crença num futuro risonho.

O discurso na primeira pessoa:
O poema apresenta um discurso na primeira pessoa do plural.
Que é visível, por exemplo, nas expressões: «Restam-nos» (v.3), «nós»
(v.5); «conquistemos» (v.11) e «nossa» (v.12).
O discurso é na primeira pessoa porque se refere ao povo
português. O desejo/sentimento do poeta, em jeito de súplica, não é só
dele, mas deve ser de todos nós portugueses.

As marcas da presença do recetor:
No poema existem marcas que demonstram a presença de um
recetor ao qual o sujeito poético se dirige fazendo um pedido. E essas
marcas são as palavras: «Senhor» (v.1) e «Dá» (v.9).

A formulação do pedido:
Fernando Pessoa apresenta este pedido como uma súplica, sob a
forma de vento, como é notado nas expressões «Dá sopro» e «a
aragem», como forma de reavivar uma chama aparentemente apagada.
Esta súplica é feita para que uma mão divina ajude a erguer novamente
um clarão que restou. E será esta pequena aragem que fará toda a
diferença. Irá consistir assim num reaprender de ideias e de conquistas.

Os tempos verbais predominantes nessas estrofes:
Ao longo do poema predominam tempos verbais no presente do
indicativo e no futuro, mas também se faz referência a marcas passadas.
Estão presentes em expressões como «a noite veio e a alma é vil» /
«Tanta foi a tormenta»; «Resta-nos hoje»; «que a vida em nós criou»;
«pode erguê-la»; «E outra vez conquistemos…». É assim entendido
como algo que se necessita hoje e que se espera que suceda amanhã
bem como algo de revolucionário que se apresente ao nosso ser.

A expressividade da repetição do termo «ainda»:
O termo «ainda» que aparece repetido ao longo da segunda
estrofe remete-nos para uma sensação de esperança, de glória
vindoura. Este termo remete-nos para a possibilidade de ter um pouco
de esperança para erguer o quinto império, ou seja, nem tudo está
perdido e com empenho e dedicação tudo se conseguirá.

O prenúncio do quinto império:
Na terceira estrofeé visível uma referência ao quinto império:
«Com que a chama do esforço se remoça, / E outra vez conquistemos a
Distância - / Do mar ou outra, mas que seja nossa!». Esta é o prenúncio
de que se irá reerguer o glorioso Portugal (quinto império), e com «a
chama do esforço», com o esforço da cultura, não das armas (estas já
não levam a lado algum),tudo se conseguirá

A expressividade dos recursos estilísticos utilizados:
O sujeito poético inicia o poema com uma apóstrofe ao “Senhor”,
umchamamento aorecetor a quem é destinado o discurso – Deus ou D.
Sebastião divinizado.
Em “A mão do vento”, a personificação simboliza a ideia de que
uma mão divina vai fazer com que a chama se reacenda.
Também é visível o emprego de substantivos abstratos,
nomeadamente, «tormenta», «vontade», «silêncio», «saudade»,
«desgraça», «ânsia», «esforço».
Adjetivação como «alma é vil» e «silêncio hostil».
A repetição da palavra «ainda» reforça a ideia de que nada está
perdido e de que com uma atitude diferente (a ação do vento) tudo se
pode alterar.

Justificação para a localização do poema na obra pessoana:
O poema «Prece» está localizado na parte final do «Mar
Português» de «Mensagem», pois nele se encerra o ciclo de tentativa de
transmitir a palavra com uma invocação do poeta à intervenção divina.
Pessoa afirma que os portugueses venceram tantos obstáculos que hoje
perderam a valia. No entanto, tal como um sopro pode reavivar um fogo
extinto, também a Alma Portuguesa pode levantar-se para que seja de
novo grande entre as Nações («E outra vez conquistemos a Distância»).
Então este poema é ideal para encerrar esta parte da «Mensagem».
Sendo «Mar Português» a visão mística da história, Pessoa quer mostrar
que «o mar é nosso», que os Portugueses foram os primeiros a
conquista-lo e que ele é o caminho para a perfeição.

A simbologia da «noite»:
Neste poema, a «noite» pode ser vista sobre dois distintos pontos
de vista:
- As trevas, devido à situação em que a nação se encontra, porque
mesmo com o seu futuro por decidir, esta continua na sombra e na
obscuridade.
- A preparação do dia donde virá a luz da vida, ou seja, a preparação
daquilo que será o glorioso futuro de Portugal, o seu domínio cultural e
a reconstrução da sua essência do seu império.

Símbolo: Cinzas
Podemos ver as cinzas como uma imagem da nação em ruínas,
vestígio do que em tempos foi, mas no entanto a sua essência
permanece a mesma, só que adormecida e esquecida. As cinzas são o
que sobrou do corpo (da nação), mas não deixou de o ser, permanece.
Até que ganhe uma nova alma e das cinzas renasça, como a fénix, o ser
que existia com todo o seu esplendor, glória e essência.
Podemos dizer que mesmo estando Portugal adormecido, «em
cinzas», basta estas voarem, ou seja os portugueses sonharem e
acreditarem no sonho para que delas nasça um Portugal ainda maior do
que o deu origem às cinzas. Um Portugal onde impere a cultura, a
sabedoria, os valores/os ideais justos, a perfeição e a humanidade.

Semelhanças/diferenças do poema pessoano face à epopeia
camoniana:
Camões elogia um herói passado, pois estava numa altura em que
o país entrava em decadência de valores e pretendia tornar o povo
português um herói universal. Por outro lado, Pessoa quer divulgar a
língua e cultura portuguesas e tenta prever um futuro grandioso. No
entanto, para que Portugal alcance esta glória e se expanda pelo
mundo, ambos pedem ajuda divina, suplicando a Deus que auxilie
Portugal na conquista do mar, ou no caso de Pessoa de outra
«Distância- / Do mar ou outra, mas que seja nossa!».

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
António Fernandes
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
FilipaFonseca
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Bruno Freitas
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
guest3fc89a1
 

Mais procurados (20)

Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 

Semelhante a Fernando Pessoa Prece

"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
VniaRodrigues30
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
luisprista
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
AndreiaFilipa63
 
Análise dos poemas
Análise dos poemas Análise dos poemas
Análise dos poemas
Goncalo1904
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
luisprista
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
MartaROQUES1
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
luisprista
 
Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de Fernando Pessoa Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de fernando pessoa
Mensagem de fernando pessoaMensagem de fernando pessoa
Mensagem
MensagemMensagem
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
luisprista
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
António Teixeira
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
AlexandreRodrigues232310
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
luisprista
 

Semelhante a Fernando Pessoa Prece (20)

"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
 
Análise dos poemas
Análise dos poemas Análise dos poemas
Análise dos poemas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
 
Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de Fernando Pessoa Mensagem de Fernando Pessoa
Mensagem de Fernando Pessoa
 
Mensagem de fernando pessoa
Mensagem de fernando pessoaMensagem de fernando pessoa
Mensagem de fernando pessoa
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Fernando Pessoa Prece

  • 1. Prece Senhor, a noite veio e a alma é vil. Tanta foi a tormenta e a vontade! Restam-nos hoje, no silêncio hostil, O mar universal e a saudade. Mas a chama, que a vida em nós criou, Se ainda há vida ainda não é finda. O frio morto em cinzas a ocultou: A mão do vento pode erguê-la ainda. Dá sopro, a aragem – ou desgraça ou ânsia-, Com que a chama do esforço se remoça, E outra vez conquistemos a DistânciaDo mar ou outra, mas que seja nossa! Introdução: «Prece» é o último poema da segunda parte de «Mensagem» «Mar Português» - sendo que o poema que o precede é «A Última Nau». O tema central é a invocação de Pessoa a Deus pedindo-lhe ajuda para reacender a Alma Lusitana para que de novo "conquistemos a Distância". Definição: Prece é um ato religioso pelo qual nos dirigimos a Deus para suplicar algum benefício, ou para adorá-lo; reza, oração. Aspetos Formais: Constatamos que o poema é constituído por três estrofes, de quatro versos (quadras). Quanto à métrica os versos são predominantemente decassilábicos. Predomina o ritmo ternário,
  • 2. conferindo ao poema o tom alto e sublimado próprio do poema épico. A rima é cruzada, segundo o esquema abab, cdcd, efef. As sonoridades nasais sugerem uma certa nostalgia e tristeza. Análise da primeira estrofe: A expressão «a noite veio», implica a existência prévia do dia e a passagem deste a noite. Se o dia foi o tempo de grandeza, a noite será o tempo de abatimento, tristeza e destruição. No passado situam-se a tormenta («tanta foi a tormenta») e o sonho («a vontade!»). A frase exclamativa presente no segundo verso confere ao discurso grande emotividade. As dificuldades foram muitas, mas a atitude assumida pelo povo «nós» (sujeito poético mais o povo português) foi de vontade para as ultrapassar. O desalento é o sentimento assumido pelo sujeito poético e que deve ser também assumido pelos outros. Resta o silêncio e a saudade, após a conquista do mar. Estamos portanto diante de um Portugal marcado pela insensibilidade «pelo silêncio hostil», pelo apego às coisas materiais, sem capacidade de sonhar «a alma é vil»em contraste com um passado de «tormenta e vontade». Análise da segunda estrofe: A segunda estrofe introduzida pela conjunção adversativa «mas» opõe-se à primeira estrofe, que termina com a afirmação do desalento e da conformaçãoda situação presente em que apenas resta «o mar universal e a saudade». Em «A mão do vento», a metáfora e a personificação demonstram a ideia de que pode erguer-se novamente a chama (a esperança), porque enquanto há vida,(«aindanão é finda»), há esperança. Esta e o sonho podem ainda ganhar força, tal como o fogo quase extinto pode ser reavivado por um sopro, a Alma portuguesa pode ainda levantar-se.
  • 3. A repetição do «ainda» reforça a ideia de que nada está perdido e de que com uma atitude diferente (a ação do vento) tudo se pode alterar. Na expressão «o frio morto»o adjetivo morto poderá ter um sentido conotativo de ocultar vida renovada, como a Fénix que surge das cinzas. Análise da terceira estrofe: Na terceira estrofe, como indica o título, o sujeito poético, em tom de súplica, pede que um «sopro» divino ajude a atear a «chama do esforço», ainda que se tenha de pagar com «desgraça» ou suportar o peso da «ânsia». Os dois últimos versos deste poema recordam-nos os do poema «Infante»: «Cumpriu-se o mar, e o Império se desfez! Senhor, falta cumprir-se Portugal!». A Distância é o caminho para o conhecimento: em primeiro lugar do mar na primeira viagem que indica o império material e agora outra (a nova viagem), que indica o império espiritual. No último verso, reforça-se assim a ideia de que é necessário procurar a identidade e o prestígio nacionais perdidos. Estes dois versos traduzem a crença num futuro risonho. O discurso na primeira pessoa: O poema apresenta um discurso na primeira pessoa do plural. Que é visível, por exemplo, nas expressões: «Restam-nos» (v.3), «nós» (v.5); «conquistemos» (v.11) e «nossa» (v.12). O discurso é na primeira pessoa porque se refere ao povo português. O desejo/sentimento do poeta, em jeito de súplica, não é só dele, mas deve ser de todos nós portugueses. As marcas da presença do recetor:
  • 4. No poema existem marcas que demonstram a presença de um recetor ao qual o sujeito poético se dirige fazendo um pedido. E essas marcas são as palavras: «Senhor» (v.1) e «Dá» (v.9). A formulação do pedido: Fernando Pessoa apresenta este pedido como uma súplica, sob a forma de vento, como é notado nas expressões «Dá sopro» e «a aragem», como forma de reavivar uma chama aparentemente apagada. Esta súplica é feita para que uma mão divina ajude a erguer novamente um clarão que restou. E será esta pequena aragem que fará toda a diferença. Irá consistir assim num reaprender de ideias e de conquistas. Os tempos verbais predominantes nessas estrofes: Ao longo do poema predominam tempos verbais no presente do indicativo e no futuro, mas também se faz referência a marcas passadas. Estão presentes em expressões como «a noite veio e a alma é vil» / «Tanta foi a tormenta»; «Resta-nos hoje»; «que a vida em nós criou»; «pode erguê-la»; «E outra vez conquistemos…». É assim entendido como algo que se necessita hoje e que se espera que suceda amanhã bem como algo de revolucionário que se apresente ao nosso ser. A expressividade da repetição do termo «ainda»: O termo «ainda» que aparece repetido ao longo da segunda estrofe remete-nos para uma sensação de esperança, de glória vindoura. Este termo remete-nos para a possibilidade de ter um pouco de esperança para erguer o quinto império, ou seja, nem tudo está perdido e com empenho e dedicação tudo se conseguirá. O prenúncio do quinto império: Na terceira estrofeé visível uma referência ao quinto império: «Com que a chama do esforço se remoça, / E outra vez conquistemos a
  • 5. Distância - / Do mar ou outra, mas que seja nossa!». Esta é o prenúncio de que se irá reerguer o glorioso Portugal (quinto império), e com «a chama do esforço», com o esforço da cultura, não das armas (estas já não levam a lado algum),tudo se conseguirá A expressividade dos recursos estilísticos utilizados: O sujeito poético inicia o poema com uma apóstrofe ao “Senhor”, umchamamento aorecetor a quem é destinado o discurso – Deus ou D. Sebastião divinizado. Em “A mão do vento”, a personificação simboliza a ideia de que uma mão divina vai fazer com que a chama se reacenda. Também é visível o emprego de substantivos abstratos, nomeadamente, «tormenta», «vontade», «silêncio», «saudade», «desgraça», «ânsia», «esforço». Adjetivação como «alma é vil» e «silêncio hostil». A repetição da palavra «ainda» reforça a ideia de que nada está perdido e de que com uma atitude diferente (a ação do vento) tudo se pode alterar. Justificação para a localização do poema na obra pessoana: O poema «Prece» está localizado na parte final do «Mar Português» de «Mensagem», pois nele se encerra o ciclo de tentativa de transmitir a palavra com uma invocação do poeta à intervenção divina. Pessoa afirma que os portugueses venceram tantos obstáculos que hoje perderam a valia. No entanto, tal como um sopro pode reavivar um fogo extinto, também a Alma Portuguesa pode levantar-se para que seja de novo grande entre as Nações («E outra vez conquistemos a Distância»). Então este poema é ideal para encerrar esta parte da «Mensagem». Sendo «Mar Português» a visão mística da história, Pessoa quer mostrar que «o mar é nosso», que os Portugueses foram os primeiros a
  • 6. conquista-lo e que ele é o caminho para a perfeição. A simbologia da «noite»: Neste poema, a «noite» pode ser vista sobre dois distintos pontos de vista: - As trevas, devido à situação em que a nação se encontra, porque mesmo com o seu futuro por decidir, esta continua na sombra e na obscuridade. - A preparação do dia donde virá a luz da vida, ou seja, a preparação daquilo que será o glorioso futuro de Portugal, o seu domínio cultural e a reconstrução da sua essência do seu império. Símbolo: Cinzas Podemos ver as cinzas como uma imagem da nação em ruínas, vestígio do que em tempos foi, mas no entanto a sua essência permanece a mesma, só que adormecida e esquecida. As cinzas são o que sobrou do corpo (da nação), mas não deixou de o ser, permanece. Até que ganhe uma nova alma e das cinzas renasça, como a fénix, o ser que existia com todo o seu esplendor, glória e essência. Podemos dizer que mesmo estando Portugal adormecido, «em cinzas», basta estas voarem, ou seja os portugueses sonharem e acreditarem no sonho para que delas nasça um Portugal ainda maior do que o deu origem às cinzas. Um Portugal onde impere a cultura, a sabedoria, os valores/os ideais justos, a perfeição e a humanidade. Semelhanças/diferenças do poema pessoano face à epopeia camoniana: Camões elogia um herói passado, pois estava numa altura em que o país entrava em decadência de valores e pretendia tornar o povo português um herói universal. Por outro lado, Pessoa quer divulgar a língua e cultura portuguesas e tenta prever um futuro grandioso. No
  • 7. entanto, para que Portugal alcance esta glória e se expanda pelo mundo, ambos pedem ajuda divina, suplicando a Deus que auxilie Portugal na conquista do mar, ou no caso de Pessoa de outra «Distância- / Do mar ou outra, mas que seja nossa!».