SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Amor & Filosofia



          Professora: Euza Raquel
“O homem solitário ou é uma besta ou
                          um deus.”
                           Aristóteles

“O verdadeiro revolucionário é guiado
  por grandes sentimentos de amor.”
                  Ernesto Che Guevara
O que é o Amor?
Reflexão Inicial:
Por que falar do amor?

Não basta amar?

Amor e Afetividade na Filosofia
Amor Complementar
        x
 Amor Suplementar
“Porque eu te amo, tu não
precisas de mim. Porque tu me
amas, eu não de ti. No amor, jamais
nos deixamos nos completar.
Somos, um para o outro,
deliciosamente desnecessários.”
                Roberto Freire
ALEGORIA: ALMA GÊMEA
                     O BANQUETE - Platão


                     Teoria da Alma Gêmea
             Expressa pelo personagem Aristófanes


                  Linguagem Poético-imagética


              No início dos tempos os homens eram
            seres completos, de duas cabeças, quatro
             pernas, quatro braços. Por sua rebeldia,
             Zeus resolveu castigá-los e cindiu-os ao
            meio com sua espada. Os homens caíram
            na terra novamente e, desesperados, cada
             um saiu à procura da sua outra metade,
                     sem a qual não viveriam.
Amor
 &
Paixão
AMOR E PAIXÃO
Para Platão, o homem é constituído por três almas, uma pela qual
compreendemos (racional), outra pela qual nos irritamos (irascível)
e outra pela qual "desejamos os prazeres da comida, da reprodução
e todos os outros da mesma família" (concupiscível). O homem
sábio é aquele que fortalece a razão, alma superior, e não se deixa
arrastar pela força das paixões.


Já não é assim que pensa o holandês Spinoza (séc. XVII), para quem
a razão não é superior aos afetos, nem cabe a ela controlá-los. As
afecções do corpo e sentimentos da alma são forças de existir e agir
e jamais serão vencidas por uma ideia ou por uma vontade, mas
apenas por outros afetos mais fortes e poderosos do que eles.
Amor é Conhecimento?
PAIXÃO                                     PATHOS
      sofrer, suportar, deixar-se levar por.
Alguns Tipos de Amor

•Amor Platônico;
•Amor Cristão;
•Amor Erótico;
•Amizade.
As Três Espécies de Amor

        EROS

       PHILIA

      ÁGAPE
EROS
       Caráter fortemente
           passional


        Amor que sofre, se
       desespera: é carente.


        Amor que brota do
            desejo.
EROS
Amor Platônico

Amor Romântico

O Amor Platônico é filosófico porque
nos faz ver que a verdade da nossa
natureza é procurar.
PHILIA
        Philia quer dizer Amizade
     Amor mais do que Amizade entre
                amigos;
    Amor companheiro: não é de falta.


      Relação Amorosa com amizade,
    cumplicidade, respeito mútuo, estar
    perto, estar ao lado. Compromisso a
                longo prazo.
PHILIA
Há uma superação       do   egoísmo   e   certa   doação
desinteressada.


Uma entrega de si mesmo, mas ainda temos aqui um prazer
pessoal, a alegria do companheirismo, a ajuda mútua, o
gosto pela presença e existência do outro.


Amor pelas pessoas mais próximas e com quem temos
afinidades.
ÁGAPE
        Amor que transcende todo beneficio
                     próprio.


              Amor Cristão, Caridade.


        Amor universal por todas as pessoas.


          Amor que não busca vantagem.


         Capacidade de amar aos próprios
                    inimigos.
A Forma mais Abrangente de
         Amor.


   Nosso Amor cotidiano


       Solidariedade


        Compaixão
Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não
percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho
                                 deles.
         A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que
permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor
tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
         E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem
morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos
os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são
meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências…
         A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
         Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes
dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão
lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação
de                             meus                             amigos.
         Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os admiro, adoro, os
amo, embora não declare.
                                                     Vinícius de Moraes
Bem que existe no mundo, aqui e ali, uma espécie
de continuação do amor, na qual a cobiçosa ânsia
que duas pessoas têm uma pela outra deu lugar a
um novo desejo e cobiça, a uma elevada sede
conjunta de um ideal acima delas: Mas quem
conhece tal amor? Quem o experimentou? Seu
verdadeiro nome é amizade.



               Friedrich Nietzsche. Gaia Ciência,   14.
O Amor líquido

     Zygmunt Bauman
Amor líquido
A fragilidade dos laços humanos num mundo confuso, em
constante mudança, em que as pessoas são incapazes de
                 formar vínculos fortes.
  (instabilidade, imprevisível, irregular e inapreensível)


   “Não se pode aprender a amar, tal como não se pode
aprender a morrer. E não se pode aprender a arte ilusória
de evitar suas garras e ficar fora do seu caminho. Chegado
o momento, o amor e a morte atacarão. Quando acontecer,
               vai pegar você desprevenido.”
Bauman:
 “...numa cultura consumista como a nossa,
que favorece o produto para uso imediato, o
prazer passageiro, a satisfação instantânea,
      resultados que não exijam esforços
prolongados, receitas testadas, garantias de
    seguro total e devolução do dinheiro. A
  promessa de aprender a arte de amar é a
 oferta de construir a experiência amorosa à
    semelhança de outras mercadorias...”
Amor líquido
             Amor                   Desejo

 Vontade de cuidar, de       Impulso de destruição.
  preservar.                  Consumir.
 Possuir.                    A realização do desejo
 O amor cresce com a          coincide com a aniquilação
  aquisição do objeto.         do objeto.
 Autoperpetuação.            Autodestruição.
PARA REFLETIR:




O que esperar do ser humano quando mesmo o mais nobre
              sentimento está banalizado?
Dicas:
Livros:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
iranildespm
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
Euza Raquel
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
carlosbidu
 

Mais procurados (20)

Mito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de PlatãoMito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de Platão
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEMAula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEM
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Aula 06 filosofia escolástica
Aula 06   filosofia escolásticaAula 06   filosofia escolástica
Aula 06 filosofia escolástica
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 

Destaque

Trabalho de filosofia - Amor
Trabalho de filosofia - AmorTrabalho de filosofia - Amor
Trabalho de filosofia - Amor
Isabel Cabral
 
Tipos De Amor Lisa10ºA
Tipos De Amor Lisa10ºATipos De Amor Lisa10ºA
Tipos De Amor Lisa10ºA
biracruz
 

Destaque (20)

Sentido do Amor na filosofia
Sentido do Amor na filosofiaSentido do Amor na filosofia
Sentido do Amor na filosofia
 
Trabalho de filosofia - Amor
Trabalho de filosofia - AmorTrabalho de filosofia - Amor
Trabalho de filosofia - Amor
 
O que é o amor
O que é o amorO que é o amor
O que é o amor
 
Tipos de amor
Tipos de amorTipos de amor
Tipos de amor
 
O amor é
O amor éO amor é
O amor é
 
O amor
O amorO amor
O amor
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
O Banquete, Platão
O Banquete, PlatãoO Banquete, Platão
O Banquete, Platão
 
Tipos De Amor Lisa10ºA
Tipos De Amor Lisa10ºATipos De Amor Lisa10ºA
Tipos De Amor Lisa10ºA
 
♥ Amor ♥ Amor ♥
♥ Amor ♥ Amor ♥♥ Amor ♥ Amor ♥
♥ Amor ♥ Amor ♥
 
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
O banquete
O banqueteO banquete
O banquete
 
O amor
O amorO amor
O amor
 
Eros E Psique
Eros E PsiqueEros E Psique
Eros E Psique
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Distintos tipos-de-amor
Distintos tipos-de-amorDistintos tipos-de-amor
Distintos tipos-de-amor
 
A importância do Amor
 				A importância do Amor 				A importância do Amor
A importância do Amor
 
O Banquete
O BanqueteO Banquete
O Banquete
 

Semelhante a Amor e filosofia

A linguagem dos afetos 10 02_14
A  linguagem dos afetos 10 02_14A  linguagem dos afetos 10 02_14
A linguagem dos afetos 10 02_14
Pedro Dias
 
Gikovate (1)
Gikovate (1)Gikovate (1)
Gikovate (1)
Iru Silva
 
Sawabona
SawabonaSawabona
Sawabona
Gosha
 
Amor incondicional
Amor incondicionalAmor incondicional
Amor incondicional
Luis Eduardo
 
Amor naysla e sarah
Amor   naysla e sarahAmor   naysla e sarah
Amor naysla e sarah
Joel Barbosa
 
Aula iv gëneros textuais e intertextualidade
Aula iv gëneros textuais e  intertextualidadeAula iv gëneros textuais e  intertextualidade
Aula iv gëneros textuais e intertextualidade
Agassis Rodrigues
 

Semelhante a Amor e filosofia (20)

O tema do amor na literatura
O tema do amor na literaturaO tema do amor na literatura
O tema do amor na literatura
 
A amizade e o amor
A amizade e o amorA amizade e o amor
A amizade e o amor
 
A linguagem dos afetos 10 02_14
A  linguagem dos afetos 10 02_14A  linguagem dos afetos 10 02_14
A linguagem dos afetos 10 02_14
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Amor e luz
Amor e luzAmor e luz
Amor e luz
 
Diferenças entre amor e paixão
Diferenças entre amor e paixãoDiferenças entre amor e paixão
Diferenças entre amor e paixão
 
Gikovate (1)
Gikovate (1)Gikovate (1)
Gikovate (1)
 
Sawabona
SawabonaSawabona
Sawabona
 
Amor e Filosofia.ppt
Amor e Filosofia.pptAmor e Filosofia.ppt
Amor e Filosofia.ppt
 
Lesões afetivas
Lesões afetivas Lesões afetivas
Lesões afetivas
 
Perspectiva Humanista
Perspectiva Humanista Perspectiva Humanista
Perspectiva Humanista
 
Amizade
AmizadeAmizade
Amizade
 
Amor incondicional
Amor incondicionalAmor incondicional
Amor incondicional
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Nos dominios da afetividade.
Nos dominios da afetividade.Nos dominios da afetividade.
Nos dominios da afetividade.
 
Material de revisão
Material de revisãoMaterial de revisão
Material de revisão
 
Amor naysla e sarah
Amor   naysla e sarahAmor   naysla e sarah
Amor naysla e sarah
 
Ame
AmeAme
Ame
 
Aula iv gëneros textuais e intertextualidade
Aula iv gëneros textuais e  intertextualidadeAula iv gëneros textuais e  intertextualidade
Aula iv gëneros textuais e intertextualidade
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 

Amor e filosofia

  • 1. Amor & Filosofia Professora: Euza Raquel
  • 2. “O homem solitário ou é uma besta ou um deus.” Aristóteles “O verdadeiro revolucionário é guiado por grandes sentimentos de amor.” Ernesto Che Guevara
  • 3. O que é o Amor?
  • 4. Reflexão Inicial: Por que falar do amor? Não basta amar? Amor e Afetividade na Filosofia
  • 5.
  • 6. Amor Complementar x Amor Suplementar
  • 7.
  • 8. “Porque eu te amo, tu não precisas de mim. Porque tu me amas, eu não de ti. No amor, jamais nos deixamos nos completar. Somos, um para o outro, deliciosamente desnecessários.” Roberto Freire
  • 9. ALEGORIA: ALMA GÊMEA O BANQUETE - Platão Teoria da Alma Gêmea Expressa pelo personagem Aristófanes Linguagem Poético-imagética No início dos tempos os homens eram seres completos, de duas cabeças, quatro pernas, quatro braços. Por sua rebeldia, Zeus resolveu castigá-los e cindiu-os ao meio com sua espada. Os homens caíram na terra novamente e, desesperados, cada um saiu à procura da sua outra metade, sem a qual não viveriam.
  • 11.
  • 12. AMOR E PAIXÃO Para Platão, o homem é constituído por três almas, uma pela qual compreendemos (racional), outra pela qual nos irritamos (irascível) e outra pela qual "desejamos os prazeres da comida, da reprodução e todos os outros da mesma família" (concupiscível). O homem sábio é aquele que fortalece a razão, alma superior, e não se deixa arrastar pela força das paixões. Já não é assim que pensa o holandês Spinoza (séc. XVII), para quem a razão não é superior aos afetos, nem cabe a ela controlá-los. As afecções do corpo e sentimentos da alma são forças de existir e agir e jamais serão vencidas por uma ideia ou por uma vontade, mas apenas por outros afetos mais fortes e poderosos do que eles.
  • 14.
  • 15. PAIXÃO PATHOS sofrer, suportar, deixar-se levar por.
  • 16. Alguns Tipos de Amor •Amor Platônico; •Amor Cristão; •Amor Erótico; •Amizade.
  • 17. As Três Espécies de Amor EROS PHILIA ÁGAPE
  • 18. EROS Caráter fortemente passional Amor que sofre, se desespera: é carente. Amor que brota do desejo.
  • 19. EROS Amor Platônico Amor Romântico O Amor Platônico é filosófico porque nos faz ver que a verdade da nossa natureza é procurar.
  • 20. PHILIA Philia quer dizer Amizade Amor mais do que Amizade entre amigos; Amor companheiro: não é de falta. Relação Amorosa com amizade, cumplicidade, respeito mútuo, estar perto, estar ao lado. Compromisso a longo prazo.
  • 21. PHILIA Há uma superação do egoísmo e certa doação desinteressada. Uma entrega de si mesmo, mas ainda temos aqui um prazer pessoal, a alegria do companheirismo, a ajuda mútua, o gosto pela presença e existência do outro. Amor pelas pessoas mais próximas e com quem temos afinidades.
  • 22. ÁGAPE Amor que transcende todo beneficio próprio. Amor Cristão, Caridade. Amor universal por todas as pessoas. Amor que não busca vantagem. Capacidade de amar aos próprios inimigos.
  • 23. A Forma mais Abrangente de Amor. Nosso Amor cotidiano Solidariedade Compaixão
  • 24. Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências… A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os admiro, adoro, os amo, embora não declare. Vinícius de Moraes
  • 25. Bem que existe no mundo, aqui e ali, uma espécie de continuação do amor, na qual a cobiçosa ânsia que duas pessoas têm uma pela outra deu lugar a um novo desejo e cobiça, a uma elevada sede conjunta de um ideal acima delas: Mas quem conhece tal amor? Quem o experimentou? Seu verdadeiro nome é amizade. Friedrich Nietzsche. Gaia Ciência, 14.
  • 26. O Amor líquido Zygmunt Bauman
  • 27. Amor líquido A fragilidade dos laços humanos num mundo confuso, em constante mudança, em que as pessoas são incapazes de formar vínculos fortes. (instabilidade, imprevisível, irregular e inapreensível) “Não se pode aprender a amar, tal como não se pode aprender a morrer. E não se pode aprender a arte ilusória de evitar suas garras e ficar fora do seu caminho. Chegado o momento, o amor e a morte atacarão. Quando acontecer, vai pegar você desprevenido.”
  • 28. Bauman: “...numa cultura consumista como a nossa, que favorece o produto para uso imediato, o prazer passageiro, a satisfação instantânea, resultados que não exijam esforços prolongados, receitas testadas, garantias de seguro total e devolução do dinheiro. A promessa de aprender a arte de amar é a oferta de construir a experiência amorosa à semelhança de outras mercadorias...”
  • 29. Amor líquido Amor Desejo  Vontade de cuidar, de  Impulso de destruição. preservar.  Consumir.  Possuir.  A realização do desejo  O amor cresce com a coincide com a aniquilação aquisição do objeto. do objeto.  Autoperpetuação.  Autodestruição.
  • 30. PARA REFLETIR: O que esperar do ser humano quando mesmo o mais nobre sentimento está banalizado?