Cap 4 - Filosofia Helenística

20.817 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Cap 4 - Filosofia Helenística

  1. 1. Prof. José Ferreira Júnior
  2. 2.  Período Helenístico caracterizou-se por um processo de integração entre a cultura grega clássica e a cultura dos povos orientais conquistados. A produção filosófica do período helenístico corresponde basicamente à continuação das atividades das escolas platônicas (Academia) e aristotélicas (Liceu), dirigidas, respectivamente, pelos discípulos dos dois grandes mestres, Platão e Aristóteles.
  3. 3. •Substitui-se a vida pública pela vida privada como centro das reflexões filosóficas.•As preocupações coletivas cedem lugar às preocupações individuais.As principais correntes filosóficas desse período vão tratar da intimidade, da vida interior do homem.  Com o declínio da participação do cidadão nos destinos da cidade, a reflexão política também se enfraqueceu.  Substitui-se a vida pública pela vida privada como centro das reflexões filosóficas.  As preocupações coletivas cedem lugar às preocupações individuais.  As principais correntes filosóficas desse período vão tratar da intimidade, da vida interior do homem.
  4. 4.  Também conhecido como PIRRONISMO Fundador: Pirro de Elida. Os céticos admitiam que a realidade existia, mas afirmavam que o ser humano não teria nenhum instrumento para atingir a verdade de qualquer coisa. A filosofia deveria ser uma negação do saber, não uma busca. Segundo ele, nenhum conhecimento é seguro, tudo é incerto.
  5. 5.  Defendia que se deve contentar com as aparências das coisas, desfrutar o imediato captado pelos sentidos e viver feliz e em paz, em vez de se lançar à busca de uma verdade plena, pois seria impossível ao homem saber se as coisas são efetivamente como aparecem. Para atingir a felicidade o indivíduo deveria dirigir uma indiferença absoluta aos costumes e aos acontecimentos da vida.
  6. 6.  É a corrente filosófica de maior influência de seu tempo. Fundada por Zenão de Cicio, localidade da ilha de Chipre. Defendiam que toda realidade existente é uma realidade racional. O que chamamos de Deus nada mais é do que a fonte dos princípios que regem a realidade.
  7. 7.  Somos deste mundo e ao morrer, nos dissolvemos neste mundo. Não dispomos de poderes para alterar, substancialmente, a ordem universal do mundo. Mas pela filosofia podemos compreender esta ordem universal e viver segundo ela. Zenão propõe o dever da compreensão como o melhor caminho pra a felicidade.
  8. 8.  Ser livre é viver segundo nossa própria natureza que, por sua vez, integra a natureza do mundo. No plano ético, os estóicos defendiam uma atitude de austeridade física e moral, baseada em virtudes como a resistência ante o sofrimento, a coragem ante o perigo, a indiferença ante as riquezas materiais. O ideal perseguido era um estado de plena serenidade para lidar com os sobressaltos da existência, fundado na aceitação e compreensão dos “princípios universais” que regem toda a vida.
  9. 9.  Do grego kynicos, significa “como um cão”. Designa a corrente dos filósofos que se propuseram a viver como os cães da cidade, sem qualquer propriedade ou conforto. Levavam ao extremo a filosofia de Sócrates, segundo a qual o homem deve procurar CONHECER A SI MESMO e DESPREZAR TODOS OS BENS MATERIAIS. Diógenes questionava os valores e as convenções sociais e procurava viver estritamente conforme os princípios que considerava moralmente corretos.
  10. 10.  Fundado por Epicuro. Propunha que o ser humano deve buscar o prazer pois, segundo ele, o prazer é o princípio e o fim de uma vida feliz. Distinguia 2 grandes grupos de prazeres:  1º Grupo  prazeres mais douradouros, que encantam o espírito, como por exemplo: a boa conversação, a contemplação das artes, a audição da música etc.  2ª Grupo  prazeres mais imediatos, muitos dos quais movidos pela explosão das paixões e que, ao final, poderiam resultar em dor e sofrimento.
  11. 11.  Para desfrutar os grandes prazeres do intelecto precisamos aprender a dominar os prazeres exagerados da paixão: os medos, os apegos, a cobiça, a inveja. Os epicuristas buscavam a ATARAXIA, termo grego usado pra designar o estado de ausência da dor, quietude, serenidade e impertubabilidade da alma. O epicurismo defende uma administração racional e equilibrada do prazer, evitando ceder aos desejos insaciáveis que, inevitavelmente, terminam no sofrimento.
  12. 12.  Nos séculos posteriores ao florescimento das escolas filosóficas, não se desenvolveram correntes de pensamento que possam ser consideradas realmente originais. Nesse período, que vai de meados do século III a.C. até o início da Idade Média, os filósofos que surgiram repetiam as idéias dos antigos. O surgimento do cristianismo, no século I, trouxe à filosofia novas questões.
  13. 13.  O cristianismo ganhou numerosos adeptos entre os povos do antigo mundo helenístico, trazendo novas formas de ver o mundo. Ao mesmo tempo, no século I a.C. surgiu uma potência militar que superou a dominação macedônia: o Império Romano, que absorveu muito da cultura grega, inclusive sua filosofia. Entre os século I a.C. e III d.C., assistimos a um ressurgimento do platonismo mesclado com idéias aristotélicas, que veio a influenciar a filosofia dos pensadores cristãos durante a Idade Média.
  14. 14.  CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4 ed. São Paulo: Ática, 2012. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à Filosofia. São Paulo; Ática, 1993. COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: história e grandes temas. 16 ed. reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2006.

×