SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
DRENOS
DRENOS

    É definido como um material
     colocado no interior de uma ferida ou
     cavidade, visando permitir a saída de
     fluídos ou ar que estão ou podem
     estar ali presentes.
OBJETIVOS DOS DRENOS
   Permitem a saída de ar e secreções
    (sangue, soro, linfa, fluido
    intestinais)
   Evita infecções profundas nas
    incisões,
   São introduzidos quando existe ou
    se espera coleção anormal de
    secreção.
EFEITO DO ACÚMULO DE LÍQUIDOS:
 O líquido pode :
  Meio de cultura
  Aumenta pressão local, interfere no
   fluxo local
  Comprime áreas adjacentes,
  Causa irritação e necrose tecidual
   (bile, pus, suco pancreático e urina)
ESCOLHA DOS DRENOS
 Sua escolha é realizada pelo médico,
   que :
  Avalia o tipo de líquido a ser
   drenado;
  Cavidade a ser colocada o dreno;
  O tempo de duração do dreno.
LOCALIZAÇÃO DO DRENOS:
 Sua localização é geralmente em :
  locais que não toleram o acúmulo de
   líquido,
  Regiões vascularizadas,
  Feridas infectadas,
  Regiões que sofreram grande
   dissecção do tecido superficial.
TIPOS DE DRENOS
    Laminares Modelo Penrose: de material
     látex, nos tamanhos P, M, G.
    Tubulares Modelo Keer, Malecot, Nelaton,
     Pettzer, Dreno de Torax e Mediastino: de
     material siliconizado, látex,
     emborrachado, nos tamanhos de números
     pares, que indicam quanto maior o
     número maior o calibre.
    Lamino-Tubulares:É uma variação feita
     através da utilização de um dreno
     laminar(penrose) com um dreno tubular
     no seu interior.
LOCALIZAÇÃO DOS DRENOS

 Podem ser localizados no:
  Interior das feridas operatórias;
  Interior de deiscência operatória;
  Interior de feridas infectadas;
  Interior de abscessos;
  Interior de órgãos ocos.
LOCALIZAÇÃO DOS DRENOS:

  Os drenos vão realizar uma forma de
  comunicação entre órgãos internos e
  o ambiente;
  exemplo:
  nefrostomia, gastrostomia, etc.
DRENOS
FIXAÇÃO DO DRENO

 Os Drenos são fixados na pele com:
  Linhas de sutura;
  Grampos de fixação;
  Alfinete de fixação.
ATENÇÃO:

  Drenos atuam como corpo estranho:
   formam tecido de granulação à sua
   volta
  A granulação auxilia na diminuição do
   risco de saída do drenos, que deve
   permanecer de 7 a 10 dias.
  Saída precoce de um dreno pode
   causar extravasamento de secreção
   cáustica no tecido interno e externo.
DRENAGEM:
 O Débito de drenagem pode:
  Depender do local de inserção do
   dreno,
  De acordo ao procedimento
   realizado,
 Atenção:
    Diminuição da drenagem por dias ou
     semanas, pode indicar a retirada do
     dreno,atenção para sinais de obstrução.
PROCESSO DE DRENAGEM

    Natural:realizado através do dreno e sua
     esteriorização com o meio externo;
    Gravitacional:realizado através de
     coletores com sistema fechado que
     devem ser disponibilizado sempre em
     altura inferior ao da inserção do dreno;
    Succional:realizado através de coletores
     com sistema fechado com capacidade de
     sucção que devem permanecer na altura
     da lesão.
SELEÇÃO SISTEMA DE DRENAGEM

O Sistema pode ser simples ou sistema
  fechado a escolha depende da:
 Necessidades do local da operação,
 Atividade do paciente,
 Da capacidade de completar a
  cicatrização.
DRENAGEM SIMPLES

  Dreno de laminar tipo penrose: pode
   ficar sob um curativo oclusivo;
  Coloca-se um grampo ou alfinete para
   evitar a movimentação ou tração do
   dreno;
  O reposicionamento do dreno é de
   responsabilidade médica.
SISTEMA FECHADO

  Sistema deve estar permeável,
  Avaliar drenagem pela sonda e ao
   redor desta,
  Diminuição súbita da drenagem
   indica obstrução
  Quando conectado à sucção a
   pressão prescrita deve ser mantida
   constante e realizado pelo médico.
SISTEMA DE SUCÇÃO

  Hemovac /jackson-pratt: exercem
   pressão baixa constante,
  Aparelho deve estar : comprimido
   completamente para realizar a
   sucção;
  São conhecidos como de auto
   sucção.
TIPOS DE DRENAGEM

  Serosa
  Sanguinolenta
  Purulenta
  Serosanguinolenta
  Purosanguinolenta
  Seropurulenta
  Biliosa
  Fecaloide
ASSISTÊNCIA GERAL COM DRENAGEM


  Local do dreno
  Tipo de dreno
  Tipo de drenagem
  Tipo de líquido drenado
  Volume de líquido drenado
  Permeabilidade do dreno em 24h.
  Inserção do dreno
  Tração do dreno conforme prescrição
   médica.
ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

  Anote o local do dreno;
  Tipo de dreno;
  Tipo de secreção drenada;
  Volume de secreção drenada;
  Tipo de coletor;
  Se executar mobilização do dreno,
   descreva quanto e qual item da
   prescrição médica.
ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

  EXEMPLO Nº1
 10.00H.Mantém dreno tipo laminar em
   QSD com débito sanguinolento em
   bolsa coletora de 50 ml,desprezado e
   trocado bolsa coletora, realizado
   tração do dreno de 2cm conforme
   P.M. item 10 e proteção de pele peri
   dreno com tintura de Benjoim.Enfª
   Sandra COREn00000
ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

  EXEMPLO Nº 2
 18.00H Mantém dreno tubular tipo Keer
   em QSD com débito bilioso em
   coletor gravitacional sistema fechado,
   desprezado 150 ml, realizado curativo
   aberto com solução fisiológica em
   inserção do dreno de aspecto
   hiperemiado com discreta algia em
   EAV nota 3.Enf.Sandra COREn00000
ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

  EXEMPLO Nº 3
 22.00H.Mantém dreno tubular em região
   de mastectomia esquerda com
   secreção sanguinolenta em dreno de
   sucção com sistema fechado, débito
   de 30 ml.Enf Sandra COREn00000
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA


    Swearingen,P.L. Atlas Fotográfico de Procedimentos de
     Enfermagem.3ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

    Meeker, M.H.;Rothrock, J.C. Alexander: Cuidados de
     Enfermagem Cirúrgico. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara
     Koogan, 1995.

    Nettina, S.M. Prática de Enfermagem. 6ª ed.Rio de Janeiro:
     Guanabara Koogan,1998.

    Pohl,F.F.;Petroianu A. Tubos,Sondas    e Drenos.Rio    de
     Janeiro: Guanabara Koogan,2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Quézia Barcelar
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Manual sobre drenos
Manual sobre drenosManual sobre drenos
Manual sobre drenos
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Dreno jp (jackson pratt)
Dreno jp (jackson pratt)Dreno jp (jackson pratt)
Dreno jp (jackson pratt)
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Administração de Sonda Vesical
Administração de Sonda VesicalAdministração de Sonda Vesical
Administração de Sonda Vesical
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Drenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondasDrenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondas
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 

Semelhante a Aula Drenos[1]

Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
IgorMartinsMartins
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
IgorMartinsMartins
 
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdfAssistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
YuriFargom1
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
AnthonySantos74
 
Procedimentos Especiais
Procedimentos EspeciaisProcedimentos Especiais
Procedimentos Especiais
resenfe2013
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
Pelo Siro
 

Semelhante a Aula Drenos[1] (20)

aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptxaula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
 
Tubos, sondas e drenos
Tubos, sondas e drenosTubos, sondas e drenos
Tubos, sondas e drenos
 
E Nf 01
E Nf 01E Nf 01
E Nf 01
 
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptxDRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 15.1 Cuidados com Drenos.pptx
Aula 15.1  Cuidados com Drenos.pptxAula 15.1  Cuidados com Drenos.pptx
Aula 15.1 Cuidados com Drenos.pptx
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdfAssistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
 
DRENAGEM TORAX.ppt
DRENAGEM TORAX.pptDRENAGEM TORAX.ppt
DRENAGEM TORAX.ppt
 
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdfTE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
 
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicaçãoDrenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
 
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
 
Procedimentos Especiais
Procedimentos EspeciaisProcedimentos Especiais
Procedimentos Especiais
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
 

Aula Drenos[1]

  • 2. DRENOS  É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes.
  • 3. OBJETIVOS DOS DRENOS  Permitem a saída de ar e secreções (sangue, soro, linfa, fluido intestinais)  Evita infecções profundas nas incisões,  São introduzidos quando existe ou se espera coleção anormal de secreção.
  • 4. EFEITO DO ACÚMULO DE LÍQUIDOS: O líquido pode :  Meio de cultura  Aumenta pressão local, interfere no fluxo local  Comprime áreas adjacentes,  Causa irritação e necrose tecidual (bile, pus, suco pancreático e urina)
  • 5. ESCOLHA DOS DRENOS Sua escolha é realizada pelo médico, que :  Avalia o tipo de líquido a ser drenado;  Cavidade a ser colocada o dreno;  O tempo de duração do dreno.
  • 6. LOCALIZAÇÃO DO DRENOS: Sua localização é geralmente em :  locais que não toleram o acúmulo de líquido,  Regiões vascularizadas,  Feridas infectadas,  Regiões que sofreram grande dissecção do tecido superficial.
  • 7. TIPOS DE DRENOS  Laminares Modelo Penrose: de material látex, nos tamanhos P, M, G.  Tubulares Modelo Keer, Malecot, Nelaton, Pettzer, Dreno de Torax e Mediastino: de material siliconizado, látex, emborrachado, nos tamanhos de números pares, que indicam quanto maior o número maior o calibre.  Lamino-Tubulares:É uma variação feita através da utilização de um dreno laminar(penrose) com um dreno tubular no seu interior.
  • 8. LOCALIZAÇÃO DOS DRENOS Podem ser localizados no:  Interior das feridas operatórias;  Interior de deiscência operatória;  Interior de feridas infectadas;  Interior de abscessos;  Interior de órgãos ocos.
  • 9. LOCALIZAÇÃO DOS DRENOS: Os drenos vão realizar uma forma de comunicação entre órgãos internos e o ambiente; exemplo: nefrostomia, gastrostomia, etc.
  • 11. FIXAÇÃO DO DRENO Os Drenos são fixados na pele com:  Linhas de sutura;  Grampos de fixação;  Alfinete de fixação.
  • 12. ATENÇÃO:  Drenos atuam como corpo estranho: formam tecido de granulação à sua volta  A granulação auxilia na diminuição do risco de saída do drenos, que deve permanecer de 7 a 10 dias.  Saída precoce de um dreno pode causar extravasamento de secreção cáustica no tecido interno e externo.
  • 13. DRENAGEM: O Débito de drenagem pode:  Depender do local de inserção do dreno,  De acordo ao procedimento realizado, Atenção:  Diminuição da drenagem por dias ou semanas, pode indicar a retirada do dreno,atenção para sinais de obstrução.
  • 14. PROCESSO DE DRENAGEM  Natural:realizado através do dreno e sua esteriorização com o meio externo;  Gravitacional:realizado através de coletores com sistema fechado que devem ser disponibilizado sempre em altura inferior ao da inserção do dreno;  Succional:realizado através de coletores com sistema fechado com capacidade de sucção que devem permanecer na altura da lesão.
  • 15. SELEÇÃO SISTEMA DE DRENAGEM O Sistema pode ser simples ou sistema fechado a escolha depende da:  Necessidades do local da operação,  Atividade do paciente,  Da capacidade de completar a cicatrização.
  • 16. DRENAGEM SIMPLES  Dreno de laminar tipo penrose: pode ficar sob um curativo oclusivo;  Coloca-se um grampo ou alfinete para evitar a movimentação ou tração do dreno;  O reposicionamento do dreno é de responsabilidade médica.
  • 17. SISTEMA FECHADO  Sistema deve estar permeável,  Avaliar drenagem pela sonda e ao redor desta,  Diminuição súbita da drenagem indica obstrução  Quando conectado à sucção a pressão prescrita deve ser mantida constante e realizado pelo médico.
  • 18. SISTEMA DE SUCÇÃO  Hemovac /jackson-pratt: exercem pressão baixa constante,  Aparelho deve estar : comprimido completamente para realizar a sucção;  São conhecidos como de auto sucção.
  • 19. TIPOS DE DRENAGEM  Serosa  Sanguinolenta  Purulenta  Serosanguinolenta  Purosanguinolenta  Seropurulenta  Biliosa  Fecaloide
  • 20. ASSISTÊNCIA GERAL COM DRENAGEM  Local do dreno  Tipo de dreno  Tipo de drenagem  Tipo de líquido drenado  Volume de líquido drenado  Permeabilidade do dreno em 24h.  Inserção do dreno  Tração do dreno conforme prescrição médica.
  • 21. ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM  Anote o local do dreno;  Tipo de dreno;  Tipo de secreção drenada;  Volume de secreção drenada;  Tipo de coletor;  Se executar mobilização do dreno, descreva quanto e qual item da prescrição médica.
  • 22. ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM  EXEMPLO Nº1 10.00H.Mantém dreno tipo laminar em QSD com débito sanguinolento em bolsa coletora de 50 ml,desprezado e trocado bolsa coletora, realizado tração do dreno de 2cm conforme P.M. item 10 e proteção de pele peri dreno com tintura de Benjoim.Enfª Sandra COREn00000
  • 23. ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM  EXEMPLO Nº 2 18.00H Mantém dreno tubular tipo Keer em QSD com débito bilioso em coletor gravitacional sistema fechado, desprezado 150 ml, realizado curativo aberto com solução fisiológica em inserção do dreno de aspecto hiperemiado com discreta algia em EAV nota 3.Enf.Sandra COREn00000
  • 24. ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM  EXEMPLO Nº 3 22.00H.Mantém dreno tubular em região de mastectomia esquerda com secreção sanguinolenta em dreno de sucção com sistema fechado, débito de 30 ml.Enf Sandra COREn00000
  • 25. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA  Swearingen,P.L. Atlas Fotográfico de Procedimentos de Enfermagem.3ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.  Meeker, M.H.;Rothrock, J.C. Alexander: Cuidados de Enfermagem Cirúrgico. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995.  Nettina, S.M. Prática de Enfermagem. 6ª ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1998.  Pohl,F.F.;Petroianu A. Tubos,Sondas e Drenos.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2000.