SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOQUÍMICA DA URINA
A formação da urina é uma das principais funções do sistema
urinário. Quando é formada, a urina normal consiste em sódio,
cloreto, potássio, cálcio, magnésio, sulfato, bicarbonato, ácido
úrico, íons amônio, creatinina e urobilinogênio. Alguns leucócitos e
eritrócitos (no homem, alguns espermatozoides) podem passar para
a urina em seu trajeto do rim para a uretra.
O exame de urina de rotina tem muitas funções. Ele pode ser
usado para avaliar os pacientes quanto a doenças renais e do trato
urinário e pode ajudar a detectar doenças metabólicas ou
sistêmicas.
O exame de urina compreende:
a. exame físico;
b. exame químico;
c. exame microscópico;
d. identificação de cálculos;
e. exame bacteriológico.
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 1
EXAME FÍSICO
VOLUME
Cerca de 1200 mL de sangue circulam nos rins por minuto, são
filtrados e aproximadamente 1 mL de urina é formado por minuto.
Cerca de 150 L do filtrado glomerular são reabsorvidos pelos
túbulos, em 24 h. A determinação do volume se faz em cilindros
graduados.
 Adulto normal: em 24 h – 1000 a 1500 mL.
 Crianças: a diurese é > do que em adulto.
Nas seguintes condições o volume urinário é aumentado
(POLIÚRIA)
⇒ diabetes mellitus e insipidus;
⇒ rim contraído;
⇒ frio;
⇒ emoções, ingestão excessiva de líquidos.
Nota-se diminuição do volume urinário (OLIGÚRIA) nos seguintes
casos:
 nefrite aguda;
 doenças cardíacas e pulmonares;
 febre;
 diarréia;
 vômito;
 choque;
 desidratação, infarto hemorrágico do rim.
COR
A cor da urina é variável e depende da maior ou menor
concentração:
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 2
 de pigmentos urinários;
 de medicamentos;
 de certos alimentos;
 elementos patológicos.
Normalmente, tem coloração entre o amarelo-citrino e o amarelo-
avermelhado. O urocromo é o principal responsável pela cor
amarela, e a uroeritrina, pela vermelha.
Em condições patológicas, a urina pode exibir diversas colorações.
 As cores vermelha, castanha e negra devem ser identificadas
como benzina-positiva ou benzina-negativa; as positivas são de
urina que contém hemoglobina, hemácias ou mioglobina.
 A hematúria de origem glomerular (glomerulonefrite aguda)
não apresenta coágulos, enquanto que, em outros tipos de
hematúria, como no traumatismo ou tumor, eles
freqüentemente estão presentes.
 A urina com aspecto leitoso pode resultar da presença de pus ou
grande quantidade de cristais de fosfato, identificação se faz
através do exame de sedimento.
Cor que a urina pode assumir em diversas condições
Cor Causa Provável
Amarelo-citrino Urocromo (normal)
Alaranjada Urina concentrada
Esverdeada Bilirrubina-bileverdina
Vermelha Hemoglobina, mioglobina, hemácias, beterraba
Verde ou azul Azul-de-metileno, infecção por Pseudomonas
Castanha a negra Melanina, metildopa, envenenamento por fenol
Leitosa opaca Lipidúria, piúria
ASPECTO
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 3
Em geral, a urina recentemente emitida é límpida. Deixada em
repouso por algum tempo, pode haver pequeno depósito
(constituído por leucócitos, células epiteliais, muco) denominado
nubécula. Esta é mais acentuada em urina de mulher.
As substâncias que mais freqüentemente turvam a urina são:
a) fostatos amorfos;
b) uratos amorfos;
c) pus;
d) germes.
ODOR
O cheiro característico da urina recentemente emitida (cheiro sui
generis) tem sido atribuído a ácidos orgânicos voláteis que ela
contém. Com o envelhecimento, o cheiro se torna amoniacal. Sob a
influência de alguns medicamentos, a urina adquire odor particular.
REAÇÃO (pH URINÁRIO)
O pH urinário reflete a capacidade dos rins em manter a
concentração dos íons hidrogênio no plasma e nos LEC. No
metabolismo normal há formação de ácidos não voláteis (ácido
sulfúrico, fosfórico, clorídrico, pirúvico, lático, cítrico, corpos
cetônicos), que serão excretados pelos rins com cátions, cujo o
mais importante é o sódio.
A urina recém emitida tem um pH normal próximo de 6,0. Este
valor tende a aumentar pela ação das bactérias sobre a uréia
formando amônia, quando a análise não é feita logo após a micção.
Assim, uma urina de pH alcalino quase sempre indica uma
conservação e/ou manipulação inadequadas.
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 4
No entanto, uma amostra fresca com pH alcalino pode
significar uma infecção urinária, que pode ser confirmada pela
presença de bactérias, piócitos e testes químicos (nitrito e leucócito
esterase).
A determinação do pH da urina é útil também para a identificação
de cristais no sedimento urinário.
 Urinas ácidas:
o cristais de oxalato de cálcio;
o ácido úrico;
o urato amorfo.
 Urina alcalinas:
o cristais de fosfato amorfo;
o fosfato triplo;
o carbonato de cálcio.
Urinas ácidas - pode ser encontrada nas seguintes
condições:
 Conseqüência de uma dieta rica em proteínas e por algumas
frutas;
 Diabetes mellitus, inanição, doenças respiratórias,
anormalidades de secreção e reabsorção de ácidos e bases pelas
células tubulares;
 No tratamento de determinados cálculos urinários pelo uso de
cloreto de amônio, metionina, fosfatos ácidos, etc...
Urinas alcalinas - pode ser encontrada em:
 Conseqüência de uma dieta rica em frutas e vegetais diversos;
 Alcalose metabólica, hiperventilação respiratória e após
vômito;
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 5
 No tratamento de determinados cálculos urinários pelo uso
bicarbonato de sódio, citrato de potássio e acetozalamida.
Medida de pH – as tiras reativas utilizam um sistema triplo
indicador, variando de pH de 5-9.
DENSIDADE
A densidade normal da urina varia de 1,010 a 1,030 g/cm³ e ela
indica a concentração de sólidos totais dissolvidos na urina. A
densidade urinária varia com o volume e com a quantidade de
solutos excretados (principalmente, cloreto de sódio e uréia). Deste
modo, a densidade é um bom indicador do estado de
hidratação/desidratação do paciente.
Alterações no valor da densidade da urina podem ser encontradas
em:
 Densidade alta pela presença de glicose: diabetes mellitus;
 Densidade baixa pela excreção de grandes volumes urinários:
diabetes insipidus;
 Densidade baixa pela perda da capacidade de concentração
urinária: doenças renais.
Medida da densidade: tiras reativas
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 6
EXAME QUÍMICO
PROTEÍNAS
Normalmente, ocorre uma excreção de proteínas na urina, numa
faixa de ~ 150 mg/24 horas, dependendo do volume urinário. Essas
proteínas são originárias do plasma e também do trato urinário.
Proteínas plasmáticas de peso molecular inferior a 50 a 60 kDa são
normalmente filtradas nos glomérulos e reabsorvidas nos túbulos
renais. A albumina de peso molecular em torno de 67 kDa também
sofre uma pequena filtração e a maior parte é reabsorvida.
Desta forma, existem dois fatores que contribuem para a excreção
aumentada de proteínas na urina:
1. o aumento da permeabilidade da membrana glomerular e
2. a diminuição da reabsorção tubular.
Proteinúria - pesquisa positiva de proteínas na urina. A proteinúria
pode ser assim classificada:
1. Proteinúria pré-renal – são proteinúrias de origem não renal.
Podem ocorrer nas seguintes situações:
a. Produção excessiva de proteínas de baixo peso molecular
(hemoglobina, mioglobina, algumas Igs, etc) que são
filtradas no glomérulo;
Exemplo: Síntese da ptn de Bence-Jones no mieloma
múltiplo e sua excreção na urina.
b. Aumento da pressão hidrostática renal com conseqüente
aumento da pressão sangüínea forçando a filtração de
proteínas na membrana glomerular.
Exemplo: hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, etc.
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 7
2. Proteinúria Glomerular – é um tipo de proteinúria que ocorre
nas doenças glomerulares, glomerulonefrite e síndrome
nefrótica de origem infecciosa, tóxica, imunológica ou por
problemas vasculares. Nessas doenças a proteinúria está
sempre presente e quanto maior a perda de proteínas mais
grave a lesão renal.
3. Proteinúria Tubular - é um tipo de proteinúria que ocorre nas
lesões tubulares em que há perdas de proteínas na urina de
grau leve a moderado. Geralmente, a proteinúria tubular
ocorre nas seguintes doenças: pielonefrite, necrose tubular
aguda, rim policístico, intoxicações por metais pesados, etc.
4. Proteinúria das Vias Renais Baixas – é um tipo de proteinúria
de grau leva encontrada nos casos de uretrite e cistite em
conseqüência de uma exudação através das mucosas.
5. Proteinúria Assintomática – são proteinúria de grau leve que
pode ocorrer transitoriamente em pessoas normais em
conseqüência de excesso de exercícios, após um banho frio,
em estados febris, proteinúria ortostática por postura
inadequada.
GLICOSE
A glicose é reabsorvida totalmente por transporte ativo nos túbulos
renais, respeitanto o limiar renal de 160 a 180 mg/dL.
A glicosúria, portanto, somente ocorrerá quando a taxa de glicose
sangüínea ultrapassar o valor de seu limiar renal de reabsorção.
Assim, a pesquisa de glicose na urina é útil para diagnosticar e
monitorar Diabetes Mellitus.
Interferências nos resultados:
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 8
a) Falso positivo: são raros, podendo ocorrer quando da
exposição da tira ao ar ultrapassar o tempo de leitura, em
casos de contaminação da urina com peróxidos, oxidantes;
b) Falso negativo: presença de elevadas concentrações de ácido
ascórbico, aspirina, corpos cetônicos, levodopa, que podem
inibir a reação enzimática.
SANGUE
O sangue pode ser excretado na urina na forma de hemácias
íntegras (hematúria) ou de hemoglobina (hemoglobinúria). Quando
eliminado em grandes quantidades, a hematúria pode ser
observada a olho nu (urina vermelha e opaca). Já a hemoglobinúria
excessiva apresenta uma cor vermelha e transparente. Na
sedimentoscopia, a hematúria será comprovada pela presença de
hemácias íntegras. Por outro lado, no caso de hemoglobinúria por
distúrbios hemolíticos ou por lise das hemácias no trato urinário a
presença de hemácias não será observada. Assim, o método
químico é mais preciso para evidenciar a presença de sangue na
urina, servindo a sedimentoscopia para diferencia a hematúria da
hemoglobinúria.
Interferências nos resultados:
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 9
a) Falso positivo: contaminação menstrual, presença de
detergentes oxidantes nos frascos de coleta da urina,
peroxidade bacteriana (E. coli);
b) Falso negativo: níveis elevados de ácido ascórbico, quantidade
excessiva de nitrito na amostra e em situações de perdas
grandes de proteínas.
NITRITO
A pesquisa de nitrito na urina tem a finalidade de detectar
precocemente infecções bacterianas do trato urinário, uma vez que
as bactérias Gram-negativas, quando presentes na amostra a ser
analisada, transformam o nitrato (componente normal
da urina) em nitrito. A prova do nitrito é empregada
para diagnóstico precoce da cistite e pielonefrite, sendo
utilizada na terapia com antibióticos, na monitoração
de pacientes com alto risco de infecção do trato
urinário (diabéticos, gestantes) e na seleção de
amostras para urocultura. Um teste de nitrito negativo
não elimina uma possível infecção, pois algumas
bactérias na reduzem o nitrato a nitrito (Streptococcus
faecalis).
Bactérias que reduzem nitrato para nitrito:
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 10
Escherichia coli, Klebsiela enterobacter, Proteus, Pseudomonas.
Interferências nos resultados:
c) Falso positivo: contaminação bacteriana por coleta e/ou
armazenamento inadequado da amostra. Interferência da cor
e de certos pigmentos e medicamentos presentes na urina;
d) Falso negativo: níveis elevados de ácido ascórbico, urina com
pH inferior a 6, inibição do metabolismo bacteriano por
antibióticos.
LEUCÓCITOS
A pesquisa de leucócitos na urina é muito útil para diagnosticar
processo infecciosa do trato urinário, podendo ser realizada tanto
pela análise química quanto pela sedimentoscopia. A pesquisa
química apresenta a vantagem de detectar os leucócitos que foram
destruídos na urina e que não seriam observados no exame
microscópico.
Normalmente, a urina emitida contém 5 leucócitos por campo,
microscópio com aumento de 400X. Um aumento na excreção
urinária pode ocorrer na glomerulonefrite aguda, pielonefrite,
cistite, uretrite, tumores e cálculos renais.
Interferências nos resultados:
a) Falso positivo: contaminação agente oxidantes fortes no frasco
de coleta ou na amostra;
b) Falso negativo: Presença de grandes quantidades de glicose e
proteínas na amostra. Amostras de densidade alta,
medicamentos diversos (tetraciclina, cefalotina, cefalexina,
gentamicina) e outra substâncias alterando a cor normal da
urina.
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 11
SEDIMENTOSCOPIA
A sedimentoscopia é o exame microscópico do sedimento urinário,
compreendendo a observação, identificação e quantificação de todo
o material insolúvel presente na amostra (leucócitos, hemácias,
células epiteliais, cilindros, cristais, flora bacteriana, muco,
leveduras, parasitas, espermatozoides, artefatos).
A sedimentoscopia urinária é de suma importância para o
diagnóstico, prognóstico e constatação de cura de diversas
patologias renais porque fornece informações sobre a integridade
anatômica dos rins.
1. HEMÁCIAS
a. Valor de referência: 0 a 2 hemácias por campo;
b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X e tirar a
média;
c. Significado clínico: considera-se como hematúria quando
há perda de mais de 5 hemácias por campo no sedimento
urinário. As principais causas de hematúria são:
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 12
i. Causas pré-renais: coagulopatias, terapia
anticoagulantes, hemoglobinopatias, anemia
falciforme;
ii. Doenças renais glomerulares: glomerulonefrites
agudas e crônicas, nefrite por lúpus eritrematoso,
hematúria familiar benigna;
iii. Doenças renais não glomerulares: pielonefrite,
tumores, traumatismos, rim poliscístico, etc;
iv. Causas pós-renais: cálculo urinários, cistites, prostites,
uretrites, hipertrofia prostática.
2. LEUCÓCITOS
a. Valor de referência: até 5 leucócitos por campo;
b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X e tirar a
média;
c. Significado clínico: considera-se como piúria quando são
encontrados no sedimento urinário mais de 5 leucócitos
por campo. As principais causas de piúria são:
i. glomerulonefrite;
ii. infecções do trato urogenital;
iii. cistite;
iv. pielonefrite;
v. prostatite;
vi. uretrite;
vii. inflamações diversas;
viii. lúpus eritrematoso;
ix. tumores, etc.
3. CÉLULAS EPITELIAIS
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 13
a. Valor de referência: normalmente podem ser encontradas
no sedimento urinário algumas células epiteliais;
b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X e tirar a
média;
c. Significado clínico: vários tipos de células epiteliais são
frequentemente encontradas no sedimento devido à
descamação normal das células
velhas que recobrem o epitélio
do trato urinário e genital.
Algumas células epiteliais
eliminadas na urina podem
indicar processo inflamatório ou
doenças renais.
4. CILINDROS
a. Valor de referência: de 0 a 2 cilindros hialinos por campo
com aumento de 100X;
b. Exame: contar 10 campos com aumento de 100X,
identificando os diversos tipos de cilindro no aumento de 400X
e tirar a média;
c. Significado clínico: os cilindros com o próprio nome
indica, são formações cilíndricas moldadas na luz dos túbulos
renais (distal e coletor) devido a uma maior acidez urinária
nestes locais. O principal componente dos cilindros é uma
proteína de Tamm-Horsfall, mucoproteína secretada pelas
células tubulares. A formação dos cilindros ocorre pela
precipitação da proteína de Tamm-Horsfall dentro do túbulo
renal, podendo a precipitação ocorrer aglutinação de
elementos presentes na luz tubular, como hemácias,
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 14
leucócitos, células epiteliais, originando os diversos tipos de
cilindros:
i. Cilindros hialinos - é o mais freqüente na urina,
sendo constituído quase totalmente pela proteína de
Hamm-Hoorsfall. A presença de cilindros hialinos acima de 2
por campo pode ser devida a:
• Glomerulonefrite, pielonefrite, doença renal
crônica,, insuficiência cardíaca, estresse, exercício físico
intenso, desidratação, exposição ao calor;
ii. Cilindros hemáticos - é freqüente nos casos de
sangramento no interior dos néfrons, indica:
• lesão glomerular (glomerulonefrite) ou tubular;
iii. Cilindros de leucócitos (leucocitários) - indica:
• infecção ou inflamação no interior dos néfrons,
como ocorre na pielonefrite, glomerulonefrite e em outras
doenças renais;
iv. Cilindros epiteliais - raros, cuja formação é devido à
destruição ou descamação ocorrida nos túbulos, indicando
uma doença renal grave. Podem estar presentes na:
• glomerulonefrite, pielonefrite, nas infecções
viróticas e nas intoxicações e exposições a agentes
nefrotóxicos (mercúrio, etilenoglicol);
v. Cilindros mistos - constituído pela matéria protéica
contendo mais de um tipo de elemento células aprisionado,
como por exemplo, hemácias e leucócitos. Quando presentes
devem ser classificados pelo elemento predominante.
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 15
5. CRISTAIS – A presença de cristais na urina é muito
comum, mas de um modo geral, o significado clínico é limitado.
São formados pela precipitação de sais da urina submetidos a
variações de pH, temperatura ou concentração. A investigação
de cristais é importante para a investigação de doenças
hepáticas, alterações metabólicas, etc.
a. Valor de referência: presença de cristais de urato
amorfo, oxalato de cálcio (urina ácida), fosfato amorfo,
fosfato triplo (urina alcalina);
b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X,
identificar cada tipo de cristal e tirar a média.
6. MUCO – corresponde ao material protéico produzido pelas
glândulas e células epiteliais do sistema urogenital,
normalmente não tem significado clínico.
7. FLORA BACTERIANA
A urina recém emitida não contém bactérias, devendo ser coletada
em condições estéreis para evitar a proliferação bacteriana. A
presença de bactérias na urina (bacterinúria) juntamente com
leucócitos e testes positivos de nitrito e leucócito esterase é uma
indicação de processos infecciosos.
Contaminantes:
Levedura (Candida albicans)
Parasitas (Trichomonas vaginalis)
Espermatozóides
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 16
COMPOSTOS NITROGENADOS NÃO PROTÉICOS
Os compostos nitrogenados não protéicos (NNP) são metabólitos
formados no organismo a partir do catabolismo das proteínas,
ácidos nucléicos e aminoácidos. Dentre os metabólitos NNP do
organismo, os principais são a uréia, a creatinina e o ácido úrico.
Principais Compostos NNP do sangue:
Compostos NNP % do total de NNP
1 – Uréia 45%
2 - Aminoácidos 20%
3 - Ácido Úrico 20%
4 – Creatinina 5%
5 – Creatina 1-2%
6 - Amônia 0,2%
URÉIA – é o principal composto nitrogenado NNP do sangue, sendo
formada no fígado a partir da amônia e gás carbônico, através do
ciclo da uréia.
CREATININA – é formada nos músculos a partir da creatina e da
creatinofosfato (Creatina-P).
ÁCIDO ÚRICO – as fontes de ácido úrico estão presentes nos
ácidos nucléicos e em outros compostos metabolicamente
importantes, como ATP, AMP.
CLAREAMENTO DE CREATININA
Clareamento ou depuração de uma substância corresponde ao
volume de plasma que é filtrado nos glomérulos por minuto, sendo
a substância totalmente excretada na urina (não é reabsorvida e
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 17
nem secretada). Assim sendo, a prova serve para avaliar a filtração
glomerular.
A velocidade de filtração glomerular (VFG) é o volume de plasma
filtrado (V) pelos glomérulos por unidade de tempo(t).
VFG = V + t
Quando a creatinina plasmática é elevada, a velocidade de filtração
glomerular (clareamento) é diminuída, indicando um dano renal.
A fórmula para o clareamento da creatinina é:
U = mg/dL de creatinina na urina.
V = volume de urina em mL.
S = mg/dL de creatinina no sangue.
t = tempo em minutos em que foi coletada a urina = horas x 60.
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 18
ClCr = U x V : S x
t
Clareamento de Creatinina = mL de plasma clareado por
minuto
Profa
Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Urinario
Sistema UrinarioSistema Urinario
Sistema Urinario
Andrea Lemos
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
Hematologia completa
Hematologia   completaHematologia   completa
Hematologia completa
Jucie Vasconcelos
 
Atlas da urina
Atlas da urinaAtlas da urina
Atlas da urina
junoeli
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Claudia Beatriz Barreto
 
Aula transaminases
Aula transaminases Aula transaminases
Aula transaminases
ivaldoufrj
 
Sistema renal
Sistema renalSistema renal
Sistema renal
Julyana Albuquerque
 
1 9ºano o sangue
1 9ºano o sangue1 9ºano o sangue
1 9ºano o sangue
Maria Rocha R
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
Estude Mais
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário
Simone Alvarenga
 
Exames Bioquímicos
Exames BioquímicosExames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
Camila Ferreira
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
Euripedes Barbosa
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
Hamilton Nobrega
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
Estela Costa
 
Sistema Urinario
Sistema UrinarioSistema Urinario
Sistema Urinario
ANDRÉA FERREIRA
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urinário
victorpre
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
Juliana Lima
 

Mais procurados (20)

Sistema Urinario
Sistema UrinarioSistema Urinario
Sistema Urinario
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Hematologia completa
Hematologia   completaHematologia   completa
Hematologia completa
 
Atlas da urina
Atlas da urinaAtlas da urina
Atlas da urina
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Aula transaminases
Aula transaminases Aula transaminases
Aula transaminases
 
Sistema renal
Sistema renalSistema renal
Sistema renal
 
1 9ºano o sangue
1 9ºano o sangue1 9ºano o sangue
1 9ºano o sangue
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário
 
Exames Bioquímicos
Exames BioquímicosExames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
 
Sistema Urinario
Sistema UrinarioSistema Urinario
Sistema Urinario
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urinário
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
 

Destaque

Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
rim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-mota
rim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-motarim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-mota
rim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-mota
Tamara Garcia
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Ivys Antônio
 
Amônia
AmôniaAmônia
Produção de amônia
Produção de amôniaProdução de amônia
Produção de amônia
Juliani Limoni
 
Roteiro urinálise
Roteiro urináliseRoteiro urinálise
Roteiro urinálise
Carolvet88
 
Urinalise 1
Urinalise 1Urinalise 1
Urinalise 1
Rosimeire Areias
 
Ejemplos de cristales
Ejemplos de cristalesEjemplos de cristales
Ejemplos de cristales
JuanGutierrezpino
 
A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1
Aninha Felix Vieira Dias
 
Atlas de uroanálise
Atlas de uroanáliseAtlas de uroanálise
Atlas de uroanálise
TAMARACOUT
 

Destaque (10)

Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
 
rim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-mota
rim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-motarim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-mota
rim-e-funcao-renal-vol-16-bioq-clin-princ-e-interp-valter-mota
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
 
Amônia
AmôniaAmônia
Amônia
 
Produção de amônia
Produção de amôniaProdução de amônia
Produção de amônia
 
Roteiro urinálise
Roteiro urináliseRoteiro urinálise
Roteiro urinálise
 
Urinalise 1
Urinalise 1Urinalise 1
Urinalise 1
 
Ejemplos de cristales
Ejemplos de cristalesEjemplos de cristales
Ejemplos de cristales
 
A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1
 
Atlas de uroanálise
Atlas de uroanáliseAtlas de uroanálise
Atlas de uroanálise
 

Semelhante a 38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02

dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptxdokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
gabrielabouchuid
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
VeridyanaValverde1
 
URINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptxURINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptx
AndriellyFernandadeS
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Coleta e preparo da urina
Coleta e preparo da urinaColeta e preparo da urina
Coleta e preparo da urina
Jéssica Barbosa
 
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
Rodrigo Vargas
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
Brendda Carvalho
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
Brendda Carvalho
 
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação  da Função renal.pptxAula 7 - Avaliação  da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
KarolSilva622082
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
ReginaReiniger
 
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISFISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
Lorena Aragão
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto
 
Anatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renalAnatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renal
Luis Antonio Cezar Junior
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
Hugo Fialho
 
Slides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdfSlides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdf
BrunoMatson1
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
Tatiane Vicente
 
URINA II.pptx
URINA II.pptxURINA II.pptx
URINA II.pptx
MendesMalude
 
Litíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizadaLitíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizada
Jorge Kevin N. Negreiros
 
exames laboratoriais.pdf
exames laboratoriais.pdfexames laboratoriais.pdf
exames laboratoriais.pdf
AnnaCarolinaCastro2
 
4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx
AdrianoCosta696471
 

Semelhante a 38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02 (20)

dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptxdokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 
URINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptxURINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptx
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
 
Coleta e preparo da urina
Coleta e preparo da urinaColeta e preparo da urina
Coleta e preparo da urina
 
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
 
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação  da Função renal.pptxAula 7 - Avaliação  da Função renal.pptx
Aula 7 - Avaliação da Função renal.pptx
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISFISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Anatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renalAnatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renal
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
 
Slides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdfSlides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdf
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
 
URINA II.pptx
URINA II.pptxURINA II.pptx
URINA II.pptx
 
Litíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizadaLitíase urinária atualizada
Litíase urinária atualizada
 
exames laboratoriais.pdf
exames laboratoriais.pdfexames laboratoriais.pdf
exames laboratoriais.pdf
 
4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx
 

Mais de Maria Jaqueline Mesquita

99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
Maria Jaqueline Mesquita
 
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
Maria Jaqueline Mesquita
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
Maria Jaqueline Mesquita
 
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-163231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
Maria Jaqueline Mesquita
 
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
Maria Jaqueline Mesquita
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
Maria Jaqueline Mesquita
 
48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos
Maria Jaqueline Mesquita
 
29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
Maria Jaqueline Mesquita
 
27629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-127629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal
Maria Jaqueline Mesquita
 
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-18669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
2364097 microbiologia
2364097 microbiologia2364097 microbiologia
2364097 microbiologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro
Maria Jaqueline Mesquita
 
711 254
711 254711 254
63 riscos
63 riscos63 riscos

Mais de Maria Jaqueline Mesquita (20)

99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
 
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
 
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-163231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
 
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
 
48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos
 
29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
 
27629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-127629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-1
 
26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia
 
14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal
 
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-18669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
 
2364097 microbiologia
2364097 microbiologia2364097 microbiologia
2364097 microbiologia
 
113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro
 
711 254
711 254711 254
711 254
 
63 riscos
63 riscos63 riscos
63 riscos
 

38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02

  • 1. BIOQUÍMICA DA URINA A formação da urina é uma das principais funções do sistema urinário. Quando é formada, a urina normal consiste em sódio, cloreto, potássio, cálcio, magnésio, sulfato, bicarbonato, ácido úrico, íons amônio, creatinina e urobilinogênio. Alguns leucócitos e eritrócitos (no homem, alguns espermatozoides) podem passar para a urina em seu trajeto do rim para a uretra. O exame de urina de rotina tem muitas funções. Ele pode ser usado para avaliar os pacientes quanto a doenças renais e do trato urinário e pode ajudar a detectar doenças metabólicas ou sistêmicas. O exame de urina compreende: a. exame físico; b. exame químico; c. exame microscópico; d. identificação de cálculos; e. exame bacteriológico. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 1
  • 2. EXAME FÍSICO VOLUME Cerca de 1200 mL de sangue circulam nos rins por minuto, são filtrados e aproximadamente 1 mL de urina é formado por minuto. Cerca de 150 L do filtrado glomerular são reabsorvidos pelos túbulos, em 24 h. A determinação do volume se faz em cilindros graduados.  Adulto normal: em 24 h – 1000 a 1500 mL.  Crianças: a diurese é > do que em adulto. Nas seguintes condições o volume urinário é aumentado (POLIÚRIA) ⇒ diabetes mellitus e insipidus; ⇒ rim contraído; ⇒ frio; ⇒ emoções, ingestão excessiva de líquidos. Nota-se diminuição do volume urinário (OLIGÚRIA) nos seguintes casos:  nefrite aguda;  doenças cardíacas e pulmonares;  febre;  diarréia;  vômito;  choque;  desidratação, infarto hemorrágico do rim. COR A cor da urina é variável e depende da maior ou menor concentração: Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 2
  • 3.  de pigmentos urinários;  de medicamentos;  de certos alimentos;  elementos patológicos. Normalmente, tem coloração entre o amarelo-citrino e o amarelo- avermelhado. O urocromo é o principal responsável pela cor amarela, e a uroeritrina, pela vermelha. Em condições patológicas, a urina pode exibir diversas colorações.  As cores vermelha, castanha e negra devem ser identificadas como benzina-positiva ou benzina-negativa; as positivas são de urina que contém hemoglobina, hemácias ou mioglobina.  A hematúria de origem glomerular (glomerulonefrite aguda) não apresenta coágulos, enquanto que, em outros tipos de hematúria, como no traumatismo ou tumor, eles freqüentemente estão presentes.  A urina com aspecto leitoso pode resultar da presença de pus ou grande quantidade de cristais de fosfato, identificação se faz através do exame de sedimento. Cor que a urina pode assumir em diversas condições Cor Causa Provável Amarelo-citrino Urocromo (normal) Alaranjada Urina concentrada Esverdeada Bilirrubina-bileverdina Vermelha Hemoglobina, mioglobina, hemácias, beterraba Verde ou azul Azul-de-metileno, infecção por Pseudomonas Castanha a negra Melanina, metildopa, envenenamento por fenol Leitosa opaca Lipidúria, piúria ASPECTO Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 3
  • 4. Em geral, a urina recentemente emitida é límpida. Deixada em repouso por algum tempo, pode haver pequeno depósito (constituído por leucócitos, células epiteliais, muco) denominado nubécula. Esta é mais acentuada em urina de mulher. As substâncias que mais freqüentemente turvam a urina são: a) fostatos amorfos; b) uratos amorfos; c) pus; d) germes. ODOR O cheiro característico da urina recentemente emitida (cheiro sui generis) tem sido atribuído a ácidos orgânicos voláteis que ela contém. Com o envelhecimento, o cheiro se torna amoniacal. Sob a influência de alguns medicamentos, a urina adquire odor particular. REAÇÃO (pH URINÁRIO) O pH urinário reflete a capacidade dos rins em manter a concentração dos íons hidrogênio no plasma e nos LEC. No metabolismo normal há formação de ácidos não voláteis (ácido sulfúrico, fosfórico, clorídrico, pirúvico, lático, cítrico, corpos cetônicos), que serão excretados pelos rins com cátions, cujo o mais importante é o sódio. A urina recém emitida tem um pH normal próximo de 6,0. Este valor tende a aumentar pela ação das bactérias sobre a uréia formando amônia, quando a análise não é feita logo após a micção. Assim, uma urina de pH alcalino quase sempre indica uma conservação e/ou manipulação inadequadas. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 4
  • 5. No entanto, uma amostra fresca com pH alcalino pode significar uma infecção urinária, que pode ser confirmada pela presença de bactérias, piócitos e testes químicos (nitrito e leucócito esterase). A determinação do pH da urina é útil também para a identificação de cristais no sedimento urinário.  Urinas ácidas: o cristais de oxalato de cálcio; o ácido úrico; o urato amorfo.  Urina alcalinas: o cristais de fosfato amorfo; o fosfato triplo; o carbonato de cálcio. Urinas ácidas - pode ser encontrada nas seguintes condições:  Conseqüência de uma dieta rica em proteínas e por algumas frutas;  Diabetes mellitus, inanição, doenças respiratórias, anormalidades de secreção e reabsorção de ácidos e bases pelas células tubulares;  No tratamento de determinados cálculos urinários pelo uso de cloreto de amônio, metionina, fosfatos ácidos, etc... Urinas alcalinas - pode ser encontrada em:  Conseqüência de uma dieta rica em frutas e vegetais diversos;  Alcalose metabólica, hiperventilação respiratória e após vômito; Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 5
  • 6.  No tratamento de determinados cálculos urinários pelo uso bicarbonato de sódio, citrato de potássio e acetozalamida. Medida de pH – as tiras reativas utilizam um sistema triplo indicador, variando de pH de 5-9. DENSIDADE A densidade normal da urina varia de 1,010 a 1,030 g/cm³ e ela indica a concentração de sólidos totais dissolvidos na urina. A densidade urinária varia com o volume e com a quantidade de solutos excretados (principalmente, cloreto de sódio e uréia). Deste modo, a densidade é um bom indicador do estado de hidratação/desidratação do paciente. Alterações no valor da densidade da urina podem ser encontradas em:  Densidade alta pela presença de glicose: diabetes mellitus;  Densidade baixa pela excreção de grandes volumes urinários: diabetes insipidus;  Densidade baixa pela perda da capacidade de concentração urinária: doenças renais. Medida da densidade: tiras reativas Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 6
  • 7. EXAME QUÍMICO PROTEÍNAS Normalmente, ocorre uma excreção de proteínas na urina, numa faixa de ~ 150 mg/24 horas, dependendo do volume urinário. Essas proteínas são originárias do plasma e também do trato urinário. Proteínas plasmáticas de peso molecular inferior a 50 a 60 kDa são normalmente filtradas nos glomérulos e reabsorvidas nos túbulos renais. A albumina de peso molecular em torno de 67 kDa também sofre uma pequena filtração e a maior parte é reabsorvida. Desta forma, existem dois fatores que contribuem para a excreção aumentada de proteínas na urina: 1. o aumento da permeabilidade da membrana glomerular e 2. a diminuição da reabsorção tubular. Proteinúria - pesquisa positiva de proteínas na urina. A proteinúria pode ser assim classificada: 1. Proteinúria pré-renal – são proteinúrias de origem não renal. Podem ocorrer nas seguintes situações: a. Produção excessiva de proteínas de baixo peso molecular (hemoglobina, mioglobina, algumas Igs, etc) que são filtradas no glomérulo; Exemplo: Síntese da ptn de Bence-Jones no mieloma múltiplo e sua excreção na urina. b. Aumento da pressão hidrostática renal com conseqüente aumento da pressão sangüínea forçando a filtração de proteínas na membrana glomerular. Exemplo: hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, etc. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 7
  • 8. 2. Proteinúria Glomerular – é um tipo de proteinúria que ocorre nas doenças glomerulares, glomerulonefrite e síndrome nefrótica de origem infecciosa, tóxica, imunológica ou por problemas vasculares. Nessas doenças a proteinúria está sempre presente e quanto maior a perda de proteínas mais grave a lesão renal. 3. Proteinúria Tubular - é um tipo de proteinúria que ocorre nas lesões tubulares em que há perdas de proteínas na urina de grau leve a moderado. Geralmente, a proteinúria tubular ocorre nas seguintes doenças: pielonefrite, necrose tubular aguda, rim policístico, intoxicações por metais pesados, etc. 4. Proteinúria das Vias Renais Baixas – é um tipo de proteinúria de grau leva encontrada nos casos de uretrite e cistite em conseqüência de uma exudação através das mucosas. 5. Proteinúria Assintomática – são proteinúria de grau leve que pode ocorrer transitoriamente em pessoas normais em conseqüência de excesso de exercícios, após um banho frio, em estados febris, proteinúria ortostática por postura inadequada. GLICOSE A glicose é reabsorvida totalmente por transporte ativo nos túbulos renais, respeitanto o limiar renal de 160 a 180 mg/dL. A glicosúria, portanto, somente ocorrerá quando a taxa de glicose sangüínea ultrapassar o valor de seu limiar renal de reabsorção. Assim, a pesquisa de glicose na urina é útil para diagnosticar e monitorar Diabetes Mellitus. Interferências nos resultados: Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 8
  • 9. a) Falso positivo: são raros, podendo ocorrer quando da exposição da tira ao ar ultrapassar o tempo de leitura, em casos de contaminação da urina com peróxidos, oxidantes; b) Falso negativo: presença de elevadas concentrações de ácido ascórbico, aspirina, corpos cetônicos, levodopa, que podem inibir a reação enzimática. SANGUE O sangue pode ser excretado na urina na forma de hemácias íntegras (hematúria) ou de hemoglobina (hemoglobinúria). Quando eliminado em grandes quantidades, a hematúria pode ser observada a olho nu (urina vermelha e opaca). Já a hemoglobinúria excessiva apresenta uma cor vermelha e transparente. Na sedimentoscopia, a hematúria será comprovada pela presença de hemácias íntegras. Por outro lado, no caso de hemoglobinúria por distúrbios hemolíticos ou por lise das hemácias no trato urinário a presença de hemácias não será observada. Assim, o método químico é mais preciso para evidenciar a presença de sangue na urina, servindo a sedimentoscopia para diferencia a hematúria da hemoglobinúria. Interferências nos resultados: Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 9
  • 10. a) Falso positivo: contaminação menstrual, presença de detergentes oxidantes nos frascos de coleta da urina, peroxidade bacteriana (E. coli); b) Falso negativo: níveis elevados de ácido ascórbico, quantidade excessiva de nitrito na amostra e em situações de perdas grandes de proteínas. NITRITO A pesquisa de nitrito na urina tem a finalidade de detectar precocemente infecções bacterianas do trato urinário, uma vez que as bactérias Gram-negativas, quando presentes na amostra a ser analisada, transformam o nitrato (componente normal da urina) em nitrito. A prova do nitrito é empregada para diagnóstico precoce da cistite e pielonefrite, sendo utilizada na terapia com antibióticos, na monitoração de pacientes com alto risco de infecção do trato urinário (diabéticos, gestantes) e na seleção de amostras para urocultura. Um teste de nitrito negativo não elimina uma possível infecção, pois algumas bactérias na reduzem o nitrato a nitrito (Streptococcus faecalis). Bactérias que reduzem nitrato para nitrito: Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 10
  • 11. Escherichia coli, Klebsiela enterobacter, Proteus, Pseudomonas. Interferências nos resultados: c) Falso positivo: contaminação bacteriana por coleta e/ou armazenamento inadequado da amostra. Interferência da cor e de certos pigmentos e medicamentos presentes na urina; d) Falso negativo: níveis elevados de ácido ascórbico, urina com pH inferior a 6, inibição do metabolismo bacteriano por antibióticos. LEUCÓCITOS A pesquisa de leucócitos na urina é muito útil para diagnosticar processo infecciosa do trato urinário, podendo ser realizada tanto pela análise química quanto pela sedimentoscopia. A pesquisa química apresenta a vantagem de detectar os leucócitos que foram destruídos na urina e que não seriam observados no exame microscópico. Normalmente, a urina emitida contém 5 leucócitos por campo, microscópio com aumento de 400X. Um aumento na excreção urinária pode ocorrer na glomerulonefrite aguda, pielonefrite, cistite, uretrite, tumores e cálculos renais. Interferências nos resultados: a) Falso positivo: contaminação agente oxidantes fortes no frasco de coleta ou na amostra; b) Falso negativo: Presença de grandes quantidades de glicose e proteínas na amostra. Amostras de densidade alta, medicamentos diversos (tetraciclina, cefalotina, cefalexina, gentamicina) e outra substâncias alterando a cor normal da urina. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 11
  • 12. SEDIMENTOSCOPIA A sedimentoscopia é o exame microscópico do sedimento urinário, compreendendo a observação, identificação e quantificação de todo o material insolúvel presente na amostra (leucócitos, hemácias, células epiteliais, cilindros, cristais, flora bacteriana, muco, leveduras, parasitas, espermatozoides, artefatos). A sedimentoscopia urinária é de suma importância para o diagnóstico, prognóstico e constatação de cura de diversas patologias renais porque fornece informações sobre a integridade anatômica dos rins. 1. HEMÁCIAS a. Valor de referência: 0 a 2 hemácias por campo; b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X e tirar a média; c. Significado clínico: considera-se como hematúria quando há perda de mais de 5 hemácias por campo no sedimento urinário. As principais causas de hematúria são: Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 12
  • 13. i. Causas pré-renais: coagulopatias, terapia anticoagulantes, hemoglobinopatias, anemia falciforme; ii. Doenças renais glomerulares: glomerulonefrites agudas e crônicas, nefrite por lúpus eritrematoso, hematúria familiar benigna; iii. Doenças renais não glomerulares: pielonefrite, tumores, traumatismos, rim poliscístico, etc; iv. Causas pós-renais: cálculo urinários, cistites, prostites, uretrites, hipertrofia prostática. 2. LEUCÓCITOS a. Valor de referência: até 5 leucócitos por campo; b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X e tirar a média; c. Significado clínico: considera-se como piúria quando são encontrados no sedimento urinário mais de 5 leucócitos por campo. As principais causas de piúria são: i. glomerulonefrite; ii. infecções do trato urogenital; iii. cistite; iv. pielonefrite; v. prostatite; vi. uretrite; vii. inflamações diversas; viii. lúpus eritrematoso; ix. tumores, etc. 3. CÉLULAS EPITELIAIS Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 13
  • 14. a. Valor de referência: normalmente podem ser encontradas no sedimento urinário algumas células epiteliais; b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X e tirar a média; c. Significado clínico: vários tipos de células epiteliais são frequentemente encontradas no sedimento devido à descamação normal das células velhas que recobrem o epitélio do trato urinário e genital. Algumas células epiteliais eliminadas na urina podem indicar processo inflamatório ou doenças renais. 4. CILINDROS a. Valor de referência: de 0 a 2 cilindros hialinos por campo com aumento de 100X; b. Exame: contar 10 campos com aumento de 100X, identificando os diversos tipos de cilindro no aumento de 400X e tirar a média; c. Significado clínico: os cilindros com o próprio nome indica, são formações cilíndricas moldadas na luz dos túbulos renais (distal e coletor) devido a uma maior acidez urinária nestes locais. O principal componente dos cilindros é uma proteína de Tamm-Horsfall, mucoproteína secretada pelas células tubulares. A formação dos cilindros ocorre pela precipitação da proteína de Tamm-Horsfall dentro do túbulo renal, podendo a precipitação ocorrer aglutinação de elementos presentes na luz tubular, como hemácias, Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 14
  • 15. leucócitos, células epiteliais, originando os diversos tipos de cilindros: i. Cilindros hialinos - é o mais freqüente na urina, sendo constituído quase totalmente pela proteína de Hamm-Hoorsfall. A presença de cilindros hialinos acima de 2 por campo pode ser devida a: • Glomerulonefrite, pielonefrite, doença renal crônica,, insuficiência cardíaca, estresse, exercício físico intenso, desidratação, exposição ao calor; ii. Cilindros hemáticos - é freqüente nos casos de sangramento no interior dos néfrons, indica: • lesão glomerular (glomerulonefrite) ou tubular; iii. Cilindros de leucócitos (leucocitários) - indica: • infecção ou inflamação no interior dos néfrons, como ocorre na pielonefrite, glomerulonefrite e em outras doenças renais; iv. Cilindros epiteliais - raros, cuja formação é devido à destruição ou descamação ocorrida nos túbulos, indicando uma doença renal grave. Podem estar presentes na: • glomerulonefrite, pielonefrite, nas infecções viróticas e nas intoxicações e exposições a agentes nefrotóxicos (mercúrio, etilenoglicol); v. Cilindros mistos - constituído pela matéria protéica contendo mais de um tipo de elemento células aprisionado, como por exemplo, hemácias e leucócitos. Quando presentes devem ser classificados pelo elemento predominante. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 15
  • 16. 5. CRISTAIS – A presença de cristais na urina é muito comum, mas de um modo geral, o significado clínico é limitado. São formados pela precipitação de sais da urina submetidos a variações de pH, temperatura ou concentração. A investigação de cristais é importante para a investigação de doenças hepáticas, alterações metabólicas, etc. a. Valor de referência: presença de cristais de urato amorfo, oxalato de cálcio (urina ácida), fosfato amorfo, fosfato triplo (urina alcalina); b. Exame: contar 10 campos com aumento de 400X, identificar cada tipo de cristal e tirar a média. 6. MUCO – corresponde ao material protéico produzido pelas glândulas e células epiteliais do sistema urogenital, normalmente não tem significado clínico. 7. FLORA BACTERIANA A urina recém emitida não contém bactérias, devendo ser coletada em condições estéreis para evitar a proliferação bacteriana. A presença de bactérias na urina (bacterinúria) juntamente com leucócitos e testes positivos de nitrito e leucócito esterase é uma indicação de processos infecciosos. Contaminantes: Levedura (Candida albicans) Parasitas (Trichomonas vaginalis) Espermatozóides Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 16
  • 17. COMPOSTOS NITROGENADOS NÃO PROTÉICOS Os compostos nitrogenados não protéicos (NNP) são metabólitos formados no organismo a partir do catabolismo das proteínas, ácidos nucléicos e aminoácidos. Dentre os metabólitos NNP do organismo, os principais são a uréia, a creatinina e o ácido úrico. Principais Compostos NNP do sangue: Compostos NNP % do total de NNP 1 – Uréia 45% 2 - Aminoácidos 20% 3 - Ácido Úrico 20% 4 – Creatinina 5% 5 – Creatina 1-2% 6 - Amônia 0,2% URÉIA – é o principal composto nitrogenado NNP do sangue, sendo formada no fígado a partir da amônia e gás carbônico, através do ciclo da uréia. CREATININA – é formada nos músculos a partir da creatina e da creatinofosfato (Creatina-P). ÁCIDO ÚRICO – as fontes de ácido úrico estão presentes nos ácidos nucléicos e em outros compostos metabolicamente importantes, como ATP, AMP. CLAREAMENTO DE CREATININA Clareamento ou depuração de uma substância corresponde ao volume de plasma que é filtrado nos glomérulos por minuto, sendo a substância totalmente excretada na urina (não é reabsorvida e Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 17
  • 18. nem secretada). Assim sendo, a prova serve para avaliar a filtração glomerular. A velocidade de filtração glomerular (VFG) é o volume de plasma filtrado (V) pelos glomérulos por unidade de tempo(t). VFG = V + t Quando a creatinina plasmática é elevada, a velocidade de filtração glomerular (clareamento) é diminuída, indicando um dano renal. A fórmula para o clareamento da creatinina é: U = mg/dL de creatinina na urina. V = volume de urina em mL. S = mg/dL de creatinina no sangue. t = tempo em minutos em que foi coletada a urina = horas x 60. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 18 ClCr = U x V : S x t Clareamento de Creatinina = mL de plasma clareado por minuto
  • 19. Profa Cleide A F. Rezende - Bioquímica Clínica - Urina 19