SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Básica 2,3 ciclos de Campo de Besteiros
                    História




                                           Cristina Marques nº4 9ºA
                                                    2007/2008
Introdução --------------------------------------1
o
    A agonia do estado novo -------------------2
o
    A revolução de Abril (25 de Abril de 1974) --------3
o
    As medidas tomadas após a revolução –4
o
    Independencia das colónias ----------------5
o
    O difícil caminho da democracia ----------6
o
    As novas instituições democráticas -------7
o
    As consequências da revolução ------------8
o
    Anexos --------------------------------------------9
o
    Conclusão ----------------------------------------10
o
    Bibliografia --------------------------------------11
o
A 25 de Abril os militares do MFA(movimento das

    forças armadas) ocuparam os postos-chave do
    governo e da informação e provocaram a queda do
    regime. Foi grande a alegria popular que
    presenteou os soldados com cravos vermelhos que
    simbolicamente colocavam nas espingardas.
    Dava-se início ao regime democrático.
    Escolhi este tema porque acho que é um assunto

    muito importante, pois, o 25 de abril foi um
    acontecimento muito significativo para o país.

                                           Pág.1
Apesar de Marcelo Caetano ter tomado

    algumas medidas bem aceites pela população,
    o regime entrou em agonia.
    O exército via-se desprestigiado por não

    conseguir derrotar os guerrilheiros africanos
    (milhares de jovens fugiam para o estrangeiro).
    Por outro lado, a insatisfação da população era

    cada vez maior, porque os militares
    continuavam a morrer em África devido à crise
    económica.
                                          Pág.2
A 25 de Abril de 1974 uma revolta militar dirigida pelo

    Movimento das forças Armadas (MFA), conseguiu derrubar o
    governo e voltou a estabelecer em Portugal um regime de
    liberdade. Sem grande resistência das forças leais ao governo,
    todos os objectivos foram conquistados ao longo do dia.
    Começando por ocupar pontos fulcrais- órgãos de comunicação

    social, Comando Militar de Lisboa e o Aeroporto – a revolução
    que se iniciara com a sigla «Grândola,Vila Morena», canção de
    Zeca Afonso, vai-se entranhando pelo país afora.
    Desde as primeiras horas que o movimento recebeu um completo

    apoio popular.
    Marcelo Caetano e membros do governo protegem-se no Quartel

    do Carmo onde acabam por se render, entregando o poder ao
    general Spínola, para “que o poder não caísse na rua”.

                                                         Pág.3
Na madrugada do dia 26 de Abril, o general Spínola, deu a

    conhecer aos portugueses o Programa do M.F.A., que tinha
    três objectivos: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver.
    A democratização da sociedade portuguesa iniciou-se com

    as seguintes medidas:
    Extinção da Polícia Política, da Legião Portuguesa e da

    Mocidade Portuguesa;
    Abolição da censura e reconhecimento da liberdade de

    expressão e pensamento;
    Libertação dos presos políticos;

    Lançamento de uma política ultramarina que conduzisse à

    paz.
    O general Spínola (Presidente da República) indicou o Prof.

    Adelino da Palma Carlos para chefe do Governo Provisório.

                                                     Pág.4
Em 1974 realizaram-se as negociações com os

    representantes dos Movimentos de Libertação
    tendo em vista a descolonização.
    Na Guiné, Moçambique, São Tomé e Príncipe e

    Angola foi proclamada a independência.
    Timor foi invadido e anexado pela Indonésia

    em 1975. Os Timorenses votaram pela não
    integração na Indonésia.
    Timor em 2002 tornou-se independente.


    Macau voltou a ser território chinês em 1999.

                                         Pág.5
Em 28 de Setembro, o general António de Spínola

    foi substituído pelo general Costa Gomes.
    A 11 de Março de 1975, os apoiantes do general

    Spínola tentaram uma revolta, esta levou ao exílio
    de vários civis e militares, entre eles o próprio
    Spínola.
    O Governo Provisório, chefiado por Vasco

    Gonçalves, decretou a nacionalização dos bancos,
    companhias de seguros e grandes empresas. No
    Alentejo e parte do Ribatejo deu-se inicio à
    Reforma Agrária.
                                            Pág.6
No Verão de 1975, o chamado «Verão Quente»

    verificaram-se ataques violentos às sedes dos
    partidos de esquerda e direita, o controlo de meios
    de comunicação pelos comunistas e também
    numerosas greves. Formou-se o V Governo
    Provisório chefiado por Vasco Gonçalves e
    dominado pelos comunistas.
     Vasco Gonçalves, em 1975, foi substituído pelo

    almirante Pinheiro de Azevedo. No mesmo ano
    tentou um golpe, mas foi detido pelos militares
    moderados.
    Em 25 de Abril de 1975, realizaram-se as eleições

    para a Assembleia Constituinte tendo a nova
    Constituição Democrática.
                                              Pág.6.1
A Constituição de 1976 garantiu a todos os

    portugueses os «direitos e liberdades individuais»
    salientando-se:
    Igualdade de todos perante a lei;


    Liberdade de expressão, de opinião, de reunião e

    de associação;
    O direito à greve e à organização sindical;


    O direito ao trabalho, à segurança social e à

    protecção da saúde;
    Direito à educação;


    Direito ao voto.

                                             Pág.7
Os órgãos de soberania são:


    Presidência da República;


    Assembleia da República;


    Governo;


    Tribunais.


    A Constituição de 1976 consagrou a

    descentralização política, e assim, foi garantida
    a existência do poder local.
    Criaram-se ainda as Regiões Autónomas da

    Madeira e dos Açores.
                                            Pág.7.1
A revolução também levou a graves problemas

    económicos na Europa e também em Portugal
    como:
     o aumento do desemprego;


    o crescimento dívida externa;


    o crescimento da inflação.





                                      Pág.8
Canção Grândola Vila
Morena de Zeca Afonso




                        Pág.9
Apesar da revolução de 25 de abril de 1974 ter

    tido várias consequências para o país, também
    foi importante, pois o golpe de estado militar
    derrubou, num só dia, o regime que vigorava
    em Portugal.
    Considera-se que esta revolução trouxe a

    liberdade ao povo português.
    Espero ter alcançado todos os meus objectivos.





                                            Pág.10
O Essencial para o básico, 2.ª edição, Edições ASA;


    OLIVEIRA, Ana Rodrigues, CANTANHEDE,

    Franscisco, CATARINO, Isabel, MENDONÇA,
    Olávia e TORRÃO, Paula, História 9, Texto
    Editores;
    Diciopédia 2005 da Porto Editora;


    Internet: http:/ /www.google.pt/search?hl=pt-

    PT&q=%27revolu%C3%A7%C3%A3o+25+de+Abri
    l+de+1974&meta.

                                              Pág.11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Jorge Almeida
 
25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravosbecastanheiradepera
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novocattonia
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974Jorge Almeida
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoEscoladocs
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugalTeresa Maia
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilCarlos Vieira
 
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militarPortugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militarAnaM187
 
Guerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial PortuguesaGuerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial PortuguesaJorge Almeida
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abrilcattonia
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.home
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalistahome
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesacattonia
 

Mais procurados (20)

Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974
 
25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugal
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militarPortugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
 
Guerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial PortuguesaGuerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial Portuguesa
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Prisões Políticas Do Estado Novo
Prisões Políticas Do Estado NovoPrisões Políticas Do Estado Novo
Prisões Políticas Do Estado Novo
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 

Destaque

C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilI.Braz Slideshares
 
Portugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abrilPortugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abrilmaria40
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974racatta
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução de  25 de abril de 1974 A Revolução de  25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974 bandeirolas
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2Jorge Almeida
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonsoPaula Morgado
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoPaula Morgado
 
A construção da democracia em portugal
A construção da democracia em portugalA construção da democracia em portugal
A construção da democracia em portugalAlberto Correira
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaAnaGomes40
 
A censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de AbrilA censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de AbrilJoão Camacho
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaCarlos Henrique Tavares
 

Destaque (17)

C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
Portugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abrilPortugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abril
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução de  25 de abril de 1974 A Revolução de  25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
 
A construção da democracia em portugal
A construção da democracia em portugalA construção da democracia em portugal
A construção da democracia em portugal
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 Abril
25 Abril25 Abril
25 Abril
 
MFA
MFAMFA
MFA
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
 
A censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de AbrilA censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de Abril
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
 

Semelhante a 25 de Abril de 1974

Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974Ivo Madureira
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilceufaias
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravosDg Guimarães
 
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512sergiocastroae6349
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilCarla Teixeira
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abrilR C
 
Trabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alvesTrabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alvesAna Paiva
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)adelaide1970
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abriloalvarinho
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01becastanheiradepera
 
25 de abril
25 de abril 25 de abril
25 de abril Jojo Cruz
 
Renato 25 de abril
Renato 25 de abrilRenato 25 de abril
Renato 25 de abriliosi2012
 
Renato 25 de abril
Renato 25 de abrilRenato 25 de abril
Renato 25 de abriliosi2012
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slidesoliviaguerra
 

Semelhante a 25 de Abril de 1974 (20)

25 De Abril
25 De Abril25 De Abril
25 De Abril
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravos
 
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abril
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abril
 
Trabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alvesTrabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alves
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
 
Mihaela e bernardo
Mihaela e bernardoMihaela e bernardo
Mihaela e bernardo
 
25 de abril
25 de abril 25 de abril
25 de abril
 
Renato 25 de abril
Renato 25 de abrilRenato 25 de abril
Renato 25 de abril
 
Renato 25 de abril
Renato 25 de abrilRenato 25 de abril
Renato 25 de abril
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 De A Bril
25 De A Bril25 De A Bril
25 De A Bril
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 

Mais de Jorge Almeida

Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novoJorge Almeida
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseuJorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilJorge Almeida
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilJorge Almeida
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]Jorge Almeida
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaJorge Almeida
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3Jorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaJorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaJorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaVisita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaJorge Almeida
 
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"Jorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 
Visita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaVisita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a Lisboa
 
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
 

Último

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 

25 de Abril de 1974

  • 1. Escola Básica 2,3 ciclos de Campo de Besteiros História Cristina Marques nº4 9ºA 2007/2008
  • 2. Introdução --------------------------------------1 o A agonia do estado novo -------------------2 o A revolução de Abril (25 de Abril de 1974) --------3 o As medidas tomadas após a revolução –4 o Independencia das colónias ----------------5 o O difícil caminho da democracia ----------6 o As novas instituições democráticas -------7 o As consequências da revolução ------------8 o Anexos --------------------------------------------9 o Conclusão ----------------------------------------10 o Bibliografia --------------------------------------11 o
  • 3. A 25 de Abril os militares do MFA(movimento das  forças armadas) ocuparam os postos-chave do governo e da informação e provocaram a queda do regime. Foi grande a alegria popular que presenteou os soldados com cravos vermelhos que simbolicamente colocavam nas espingardas. Dava-se início ao regime democrático. Escolhi este tema porque acho que é um assunto  muito importante, pois, o 25 de abril foi um acontecimento muito significativo para o país. Pág.1
  • 4. Apesar de Marcelo Caetano ter tomado  algumas medidas bem aceites pela população, o regime entrou em agonia. O exército via-se desprestigiado por não  conseguir derrotar os guerrilheiros africanos (milhares de jovens fugiam para o estrangeiro). Por outro lado, a insatisfação da população era  cada vez maior, porque os militares continuavam a morrer em África devido à crise económica. Pág.2
  • 5. A 25 de Abril de 1974 uma revolta militar dirigida pelo  Movimento das forças Armadas (MFA), conseguiu derrubar o governo e voltou a estabelecer em Portugal um regime de liberdade. Sem grande resistência das forças leais ao governo, todos os objectivos foram conquistados ao longo do dia. Começando por ocupar pontos fulcrais- órgãos de comunicação  social, Comando Militar de Lisboa e o Aeroporto – a revolução que se iniciara com a sigla «Grândola,Vila Morena», canção de Zeca Afonso, vai-se entranhando pelo país afora. Desde as primeiras horas que o movimento recebeu um completo  apoio popular. Marcelo Caetano e membros do governo protegem-se no Quartel  do Carmo onde acabam por se render, entregando o poder ao general Spínola, para “que o poder não caísse na rua”. Pág.3
  • 6. Na madrugada do dia 26 de Abril, o general Spínola, deu a  conhecer aos portugueses o Programa do M.F.A., que tinha três objectivos: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver. A democratização da sociedade portuguesa iniciou-se com  as seguintes medidas: Extinção da Polícia Política, da Legião Portuguesa e da  Mocidade Portuguesa; Abolição da censura e reconhecimento da liberdade de  expressão e pensamento; Libertação dos presos políticos;  Lançamento de uma política ultramarina que conduzisse à  paz. O general Spínola (Presidente da República) indicou o Prof.  Adelino da Palma Carlos para chefe do Governo Provisório. Pág.4
  • 7. Em 1974 realizaram-se as negociações com os  representantes dos Movimentos de Libertação tendo em vista a descolonização. Na Guiné, Moçambique, São Tomé e Príncipe e  Angola foi proclamada a independência. Timor foi invadido e anexado pela Indonésia  em 1975. Os Timorenses votaram pela não integração na Indonésia. Timor em 2002 tornou-se independente.  Macau voltou a ser território chinês em 1999.  Pág.5
  • 8. Em 28 de Setembro, o general António de Spínola  foi substituído pelo general Costa Gomes. A 11 de Março de 1975, os apoiantes do general  Spínola tentaram uma revolta, esta levou ao exílio de vários civis e militares, entre eles o próprio Spínola. O Governo Provisório, chefiado por Vasco  Gonçalves, decretou a nacionalização dos bancos, companhias de seguros e grandes empresas. No Alentejo e parte do Ribatejo deu-se inicio à Reforma Agrária. Pág.6
  • 9. No Verão de 1975, o chamado «Verão Quente»  verificaram-se ataques violentos às sedes dos partidos de esquerda e direita, o controlo de meios de comunicação pelos comunistas e também numerosas greves. Formou-se o V Governo Provisório chefiado por Vasco Gonçalves e dominado pelos comunistas. Vasco Gonçalves, em 1975, foi substituído pelo  almirante Pinheiro de Azevedo. No mesmo ano tentou um golpe, mas foi detido pelos militares moderados. Em 25 de Abril de 1975, realizaram-se as eleições  para a Assembleia Constituinte tendo a nova Constituição Democrática. Pág.6.1
  • 10. A Constituição de 1976 garantiu a todos os  portugueses os «direitos e liberdades individuais» salientando-se: Igualdade de todos perante a lei;  Liberdade de expressão, de opinião, de reunião e  de associação; O direito à greve e à organização sindical;  O direito ao trabalho, à segurança social e à  protecção da saúde; Direito à educação;  Direito ao voto.  Pág.7
  • 11. Os órgãos de soberania são:  Presidência da República;  Assembleia da República;  Governo;  Tribunais.  A Constituição de 1976 consagrou a  descentralização política, e assim, foi garantida a existência do poder local. Criaram-se ainda as Regiões Autónomas da  Madeira e dos Açores. Pág.7.1
  • 12. A revolução também levou a graves problemas  económicos na Europa e também em Portugal como: o aumento do desemprego;  o crescimento dívida externa;  o crescimento da inflação.  Pág.8
  • 13. Canção Grândola Vila Morena de Zeca Afonso Pág.9
  • 14. Apesar da revolução de 25 de abril de 1974 ter  tido várias consequências para o país, também foi importante, pois o golpe de estado militar derrubou, num só dia, o regime que vigorava em Portugal. Considera-se que esta revolução trouxe a  liberdade ao povo português. Espero ter alcançado todos os meus objectivos.  Pág.10
  • 15. O Essencial para o básico, 2.ª edição, Edições ASA;  OLIVEIRA, Ana Rodrigues, CANTANHEDE,  Franscisco, CATARINO, Isabel, MENDONÇA, Olávia e TORRÃO, Paula, História 9, Texto Editores; Diciopédia 2005 da Porto Editora;  Internet: http:/ /www.google.pt/search?hl=pt-  PT&q=%27revolu%C3%A7%C3%A3o+25+de+Abri l+de+1974&meta. Pág.11