SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Escola E.B 2,3 de Campo de Besteiros




                      25          de Abril

                     A revolução dos cravos
Introdução

A «Revolução dos Cravos» é assim que é conhecida, foi um golpe de estado em que os
protagonistas foram os militares. Este movimento, não aprovado por todos derrubou num
só dia, sem grande resistência das forças leais ao governo (que cederam perante a revolta
das forças armadas) o regime político – Ditadura - que vigorava em Portugal desde 1926.
Este grande acontecimento que decidiu o futuro de Portugal, ficou também conhecido
pelos portugueses como 25 de Abril, foi conduzido em 1974 pelos oficiais intermédios da
hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte eram capitães que tinham participado na
Guerra Colonial e inteiramente apoiado e acompanhado pelos cidadãos portugueses.
Neste trabalho vão ser tratados vários assuntos relacionados com este movimento:
                                                          Antecedentes;

                                                          Todos os passos da revolução;

                                                          Símbolos;

                                                          Organizadores ( entre outros ).


         Nota: É do nosso interesse que gostem do nosso trabalho e, que, seja um
         bom instrumento para aumentar o vosso conhecimento histórico.
Revolução dos Cravos
         Antecedentes
Ideologias defendidas pelo Estado Novo, liderado por Marcelo
     Caetano mas liderado até 1968 por Oliveira Salazar.

        Guerra Colonial, sucessivas mortes dos
         militares lusos e Portugal a ficar cada
         vez mais isolado a nível internacional



      A insatisfação da população era cada vez maior
                                                              A censura
   devido à crise económica provocada pelo aumento do
    preço do petróleo e consequente aumento do custo
                          de vida



     O exército via-se desprestigiado por não conseguir
   derrotar os guerrilheiros africanos, enquanto milhares
    de jovens fugiam para o estrangeiro, recusando-se a
                     participar na guerra.


                           A Guerra do Ultramar, um dos precedentes para
                           a revolução
 Não   havia liberdade;

 Não havia democracia;

 Não havia paz;

 Não se podia sair livremente do país;
Para resolver os problemas, um grupo de capitães começou a
preparar um movimento conspirativo para pôr fim ao Estado Novo.




                        E aconteceu o tão esperado……
1974
As reuniões e a clandestinidade


A primeira reunião clandestina de capitães foi realizada em Bissau,
em 21 de Agosto de 1973.




Uma nova reunião, em 9 de Setembro de 1973 no Monte Sobral
(Alcáçovas) dá origem ao Movimento das Forças Armadas.




No dia 5 de Março de 1974 é aprovado o primeiro documento do
movimento: "Os Militares, as Forças Armadas e a Nação". Este
documento é posto a circular clandestinamente.
Principais Intervenientes

         Capitão Salgueiro Maia                                       António de Spínola




Capitão escolhido para comandar as forças da Escola         Foi demitido pelo governo por ter recusado a entrada
Prática de Cavalaria. A sua principal função, e também a    numa cerimónia de favor ao regime. Ao fim do dia, depois
mais importante, era ocupar o Terreiro do Paço. Salgueiro   de Marcelo Caetano se ter rendido, este não quis dar o
Maia moveu, mais tarde, parte das suas forças para o        poder aos capitães, fazendo a exigência de o dar a um
Quartel do Carmo onde se encontrava o chefe do              superior foi assim escolhido o General Spínola pelo MFA.
governo, Marcelo Caetano.                                   Tornou-se presidente da Junta de Salvação Nacional..
Outros Intervenientes

   General Gomes da Costa


   Otelo Saraiva de Carvalho


   Vasco Lourenço


   Melo Antunes
Principais forças do MFA (Movimento das Forças Armadas)


•Regimento de Engenharia N.º 1         •Regimento de Artilharia Antiaérea
(RE1), Lisboa                          Fixa (RAAF), Lisboa

•Escola Prática de Administração       •10º Grupo de Comandos, Lisboa
Militar (EPAM), Lisboa
                                       •Escola Prática de Infantaria (EPI),
•Batalhão de Caçadores N.º 5 (BC       Mafra
5), Lisboa
                                       •Escola Prática de Cavalaria (EPC),
•Regimento de Artilharia Ligeira N.º   Santarém
1 (RAL1), Lisboa
                                       •Escola Prática de Artilharia (EPA),
•Carreira de Tiro da Serra da          Vendas Novas
Carregueira (CTSC), Lisboa
                                       •Regimento de Cavalaria N.º 3 (RC3),
•Regimento de Infantaria N.º 1         Estremoz
(RI1), Lisboa
                                       •Centro de Instrução de Operações
•Centro de Instrução de Artilharia     Especiais (CIOE), Lamego
Antiaérea e de Costa (CIAAC),
Lisboa                                 •Agrupamento do Norte
São consideradas forças inimigas:




Guarda Nacional Republicana (GNR)



Polícia de Segurança Pública (PSP)



Direcção-Geral de Segurança (PIDE/DGS)




Legião Portuguesa (LP)
 Graças ao apoio prestado pela
população, o MFA teve um grande
sucesso e precisão.

 Este movimento foi calmo, não
havendo quase nenhum derrame de
sangue.
As cores e os símbolos do 25 de Abril: as armas e os cravos
O cravo vermelho tornou-se no símbolo da Revolução de Abril de
1974. Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas
ruas, apoiando os soldados revoltosos; alguém (existem várias
versões, sobre quem terá sido, mas uma delas é que uma florista
contratada para levar cravos para a abertura de um hotel, foi
vista por um soldado que pôs um cravo na espingarda, e em
seguida todos o fizeram), começou a distribuir cravos vermelhos
pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das
espingardas."
Cronologia «Revolução dos Cravos»
                                 Abril de 1974

                                               Dia 25 – 00h20 A canção « Grândola Vila
                                               Morena », de José Afonso, é transmitida na
                                               rádio. Foi a confirmação para o início das
                                               operações.




Dia 24 – 22h55 A canção « E Depois do
Adeus », de Paulo de Carvalho, passa na
rádio. Foi o primeiro sinal para o início da
acção militar.
Cronologia «Revolução dos Cravos»
                         Abril de 1974Dia 25

03h00 – 04h00 Ficam em poder do MFA a           11h00 Salgueiro Maia, que comandava as
Emissora Nacional, o Rádio Clube Português, a   forças da Escola Prática de Cavalaria, sai do
RTP e os quartéis-generais das Regiões          Terreiro do Paço em direcção ao Largo do
Militares de Lisboa e do Porto.                 Carmo, sede do comando geral da GNR e
                                                onde Marcelo Caetano se encontra
                                                refugiado.




 05h30 Militares da Escola Prática de             14h00 Iniciam-se as conversações entre o
 Cavalaria ocupam o Terreiro do Paço, em          General Spínola e Marcelo
 Lisboa.                                          Caetano, através de intermediários.
Cronologia «Revolução dos Cravos»
                       Abril de 1974Dia 25
19h30 Marcelo Caetano e alguns dos seus      21h00 Rendição da PIDE/DGS (sede).
ministros abandonam o Quartel do Carmo
numa viatura blindada; a Baixa de Lisboa é
invadida por milhares de pessoas que
vitoriam as Forças Armadas.
Fracasso da «Primavera Marcelista»


     Ausência de
                            O descontentamento dos oficiais das Forças
    democracia em
                            Armadas gera um “Movimento de Oficiais”.
       Portugal


          Revolução de 25 de Abril de 1974




Derrube do Governo               Constituição da Junta
de Marcelo Caetano               de Salvação Nacional


                                   Deu a conhecer o
                                   Programa do MFA

                                  Três objectivos
                                  principais:
                                  -Democratizar
                                  -Descolonizar
                                  -Desenvolver
As primeiras medidas revolucionárias


A democratização da sociedade portuguesa iniciou-se na madrugada do dia 26
  de Abril, o General Spínola, em nome da Junta de Salvação Nacional, deu a
              conhecer através da televisão, o Programa do MFA :



                                  Programa do
                                  MFA
                     - extinção da Polícia Política, da Legião
                     Portuguesa e da Mocidade Portuguesa;


                     - abolição da censura e reconhecimento
                     da liberdade de expressão e de
                     pensamento;



                     - libertação dos presos políticos.
Na Constituição de 1976 garantiu-se:


 A liberdade de expressão, de opinião, de reunião e de associação;

 A igualdade de todos perante a lei;

 O direito à greve e à organização sindical;

 O direito à educação;

 O direito ao voto;

 O direito ao trabalho, à segurança social e à protecção da saúde.
Conclusão


O «Estado Novo» foi, para muitos civis e militares, um
período de medo e horror principalmente para as famílias
que viam os seus filhos irem para a guerra onde eram
mortos.
Graças ao Movimento das Forças Armadas (MFA), planeado
a fim de derrubar um governo de ideologia fascista
existente no nosso país, e planeado de forma clandestina,
Portugal viu a luz do futuro do qual estava à espera há
muito tempo. Este acontecimento mudou a vida de todos
os portugueses e até as nossas, pois, se não tivesse
acontecido este dia, nós, talvez nasceríamos em plena
ditadura.
Bibliografia/ Webgrafia


 OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco,
CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula, Novo História 9,
Texto Editores, Lisboa, 2008.

 www.sis.pt/pt/historia/democrac.php?print=sim

http://images.google.pt/images?hl=pt-
PT&um=1&sa=1&q=pide+dgs&aq=0&oq=PIDE
Trabalho realizado por:

      9ºC




           Ano lectivo 2008/2009
A Revolução de 25 de Abril de 1974

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de AbrilO antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de AbrilJorge Coelho
 
25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravosbecastanheiradepera
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abrilcattonia
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoPaula Morgado
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilCéu Silva
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
Guerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial PortuguesaGuerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial PortuguesaJorge Almeida
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novocattonia
 
5 de Outubro de 1910
5 de Outubro de 19105 de Outubro de 1910
5 de Outubro de 1910Jorge Almeida
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesacattonia
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilceufaias
 

Mais procurados (20)

O antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de AbrilO antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de Abril
 
25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abril
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 
Guerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial PortuguesaGuerra Colonial Portuguesa
Guerra Colonial Portuguesa
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
O estado novo
O estado novoO estado novo
O estado novo
 
5 de Outubro de 1910
5 de Outubro de 19105 de Outubro de 1910
5 de Outubro de 1910
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Guerra Colonial
Guerra ColonialGuerra Colonial
Guerra Colonial
 
Marcelismo
MarcelismoMarcelismo
Marcelismo
 
Estado Novo 1
Estado Novo 1Estado Novo 1
Estado Novo 1
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 

Destaque

Teste 25 de abril
Teste 25 de abrilTeste 25 de abril
Teste 25 de abrilAna Pereira
 
25de abril de 1974
25de abril de 197425de abril de 1974
25de abril de 1974cruchinho
 
Teste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correção
Teste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correçãoTeste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correção
Teste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correçãoAna Pereira
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesasjdlimaaear
 
Teste hgp 3 correção
Teste hgp 3   correçãoTeste hgp 3   correção
Teste hgp 3 correçãoAna Pereira
 
O 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livrosO 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livrosfrancisco abreu
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalinoborgia
 
1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos LiberaisSandra Sousa
 
Ficha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º Ano
Ficha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º AnoFicha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º Ano
Ficha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º AnoNuno Trabulo
 
Objectivos teste 6ºf_abril
Objectivos teste 6ºf_abrilObjectivos teste 6ºf_abril
Objectivos teste 6ºf_abrilgueste101e92
 
Teste estado novo 25 abril
Teste estado novo 25 abrilTeste estado novo 25 abril
Teste estado novo 25 abrilSilvia Oliveira
 
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
 Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete VozesMariana Moura
 
Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02
Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02
Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02Pablo Caldas
 
00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_a00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_aVítor Santos
 
Exercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º AnoExercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º AnoVera Sezões
 

Destaque (20)

Teste 25 de abril
Teste 25 de abrilTeste 25 de abril
Teste 25 de abril
 
Teste 25 abril
Teste 25 abrilTeste 25 abril
Teste 25 abril
 
25de abril de 1974
25de abril de 197425de abril de 1974
25de abril de 1974
 
Teste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correção
Teste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correçãoTeste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correção
Teste hgp o golpe militar de 28 de maio o estado novo_correção
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
Teste hgp 3 correção
Teste hgp 3   correçãoTeste hgp 3   correção
Teste hgp 3 correção
 
O 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livrosO 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livros
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
Friso CronolóGico
Friso CronolóGicoFriso CronolóGico
Friso CronolóGico
 
Ficha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º Ano
Ficha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º AnoFicha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º Ano
Ficha de Trabalho - 25 de Abril - 2.º Ano
 
Objectivos teste 6ºf_abril
Objectivos teste 6ºf_abrilObjectivos teste 6ºf_abril
Objectivos teste 6ºf_abril
 
Teste estado novo 25 abril
Teste estado novo 25 abrilTeste estado novo 25 abril
Teste estado novo 25 abril
 
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
 Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
 
Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02
Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02
Inglês Básico 1 | Exercícios aula 02
 
Ingles4em
Ingles4emIngles4em
Ingles4em
 
00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_a00 revisões módulos_3_4_6_história_a
00 revisões módulos_3_4_6_história_a
 
Exercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º AnoExercícios de História - 8º Ano
Exercícios de História - 8º Ano
 

Semelhante a A Revolução de 25 de Abril de 1974

O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonsoPaula Morgado
 
A revolução de 25 de abril de 1974
A  revolução de 25 de abril de 1974A  revolução de 25 de abril de 1974
A revolução de 25 de abril de 1974bandeirolas
 
25 de abril de 74
25 de abril de 7425 de abril de 74
25 de abril de 74Professor
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abriloalvarinho
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução  de 25 de abril de 1974 A Revolução  de 25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974 bandeirolas
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974 A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974 bandeirolas
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução de  25 de abril de 1974 A Revolução de  25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974 bandeirolas
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01becastanheiradepera
 
25 De Abril 1974 B
25 De Abril 1974 B25 De Abril 1974 B
25 De Abril 1974 Bjassis
 
Dia 25 de abril
Dia 25 de abrilDia 25 de abril
Dia 25 de abrilRicardo122
 
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974AnaRitaFreitas7
 
Boletim bib 25 abril ael
Boletim bib 25 abril aelBoletim bib 25 abril ael
Boletim bib 25 abril aelAELPB
 
O dia-25-de-abril-de-1974-3528
O dia-25-de-abril-de-1974-3528O dia-25-de-abril-de-1974-3528
O dia-25-de-abril-de-1974-3528António Bento
 
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp0225deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02dasc987654321
 

Semelhante a A Revolução de 25 de Abril de 1974 (20)

Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
 
12º revolução do 25 de abril
12º   revolução do 25 de abril12º   revolução do 25 de abril
12º revolução do 25 de abril
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
A revolução de 25 de abril de 1974
A  revolução de 25 de abril de 1974A  revolução de 25 de abril de 1974
A revolução de 25 de abril de 1974
 
25 de abril de 74
25 de abril de 7425 de abril de 74
25 de abril de 74
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução  de 25 de abril de 1974 A Revolução  de 25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974 A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução de  25 de abril de 1974 A Revolução de  25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 De Abril 1974 B
25 De Abril 1974 B25 De Abril 1974 B
25 De Abril 1974 B
 
Dia 25 de abril
Dia 25 de abrilDia 25 de abril
Dia 25 de abril
 
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Boletim bib 25 abril ael
Boletim bib 25 abril aelBoletim bib 25 abril ael
Boletim bib 25 abril ael
 
O dia-25-de-abril-de-1974-3528
O dia-25-de-abril-de-1974-3528O dia-25-de-abril-de-1974-3528
O dia-25-de-abril-de-1974-3528
 
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp0225deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
 

Mais de Jorge Almeida

Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novoJorge Almeida
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseuJorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilJorge Almeida
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2Jorge Almeida
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]Jorge Almeida
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaJorge Almeida
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3Jorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaJorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaJorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaVisita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaJorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 
Visita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaVisita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a Lisboa
 

Último

Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 

Último (20)

Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 

A Revolução de 25 de Abril de 1974

  • 1. Escola E.B 2,3 de Campo de Besteiros 25 de Abril A revolução dos cravos
  • 2. Introdução A «Revolução dos Cravos» é assim que é conhecida, foi um golpe de estado em que os protagonistas foram os militares. Este movimento, não aprovado por todos derrubou num só dia, sem grande resistência das forças leais ao governo (que cederam perante a revolta das forças armadas) o regime político – Ditadura - que vigorava em Portugal desde 1926. Este grande acontecimento que decidiu o futuro de Portugal, ficou também conhecido pelos portugueses como 25 de Abril, foi conduzido em 1974 pelos oficiais intermédios da hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte eram capitães que tinham participado na Guerra Colonial e inteiramente apoiado e acompanhado pelos cidadãos portugueses. Neste trabalho vão ser tratados vários assuntos relacionados com este movimento: Antecedentes; Todos os passos da revolução; Símbolos; Organizadores ( entre outros ). Nota: É do nosso interesse que gostem do nosso trabalho e, que, seja um bom instrumento para aumentar o vosso conhecimento histórico.
  • 3. Revolução dos Cravos Antecedentes
  • 4. Ideologias defendidas pelo Estado Novo, liderado por Marcelo Caetano mas liderado até 1968 por Oliveira Salazar. Guerra Colonial, sucessivas mortes dos militares lusos e Portugal a ficar cada vez mais isolado a nível internacional A insatisfação da população era cada vez maior A censura devido à crise económica provocada pelo aumento do preço do petróleo e consequente aumento do custo de vida O exército via-se desprestigiado por não conseguir derrotar os guerrilheiros africanos, enquanto milhares de jovens fugiam para o estrangeiro, recusando-se a participar na guerra. A Guerra do Ultramar, um dos precedentes para a revolução
  • 5.  Não havia liberdade;  Não havia democracia;  Não havia paz;  Não se podia sair livremente do país;
  • 6. Para resolver os problemas, um grupo de capitães começou a preparar um movimento conspirativo para pôr fim ao Estado Novo. E aconteceu o tão esperado……
  • 8. As reuniões e a clandestinidade A primeira reunião clandestina de capitães foi realizada em Bissau, em 21 de Agosto de 1973. Uma nova reunião, em 9 de Setembro de 1973 no Monte Sobral (Alcáçovas) dá origem ao Movimento das Forças Armadas. No dia 5 de Março de 1974 é aprovado o primeiro documento do movimento: "Os Militares, as Forças Armadas e a Nação". Este documento é posto a circular clandestinamente.
  • 9. Principais Intervenientes Capitão Salgueiro Maia António de Spínola Capitão escolhido para comandar as forças da Escola Foi demitido pelo governo por ter recusado a entrada Prática de Cavalaria. A sua principal função, e também a numa cerimónia de favor ao regime. Ao fim do dia, depois mais importante, era ocupar o Terreiro do Paço. Salgueiro de Marcelo Caetano se ter rendido, este não quis dar o Maia moveu, mais tarde, parte das suas forças para o poder aos capitães, fazendo a exigência de o dar a um Quartel do Carmo onde se encontrava o chefe do superior foi assim escolhido o General Spínola pelo MFA. governo, Marcelo Caetano. Tornou-se presidente da Junta de Salvação Nacional..
  • 10. Outros Intervenientes General Gomes da Costa Otelo Saraiva de Carvalho Vasco Lourenço Melo Antunes
  • 11. Principais forças do MFA (Movimento das Forças Armadas) •Regimento de Engenharia N.º 1 •Regimento de Artilharia Antiaérea (RE1), Lisboa Fixa (RAAF), Lisboa •Escola Prática de Administração •10º Grupo de Comandos, Lisboa Militar (EPAM), Lisboa •Escola Prática de Infantaria (EPI), •Batalhão de Caçadores N.º 5 (BC Mafra 5), Lisboa •Escola Prática de Cavalaria (EPC), •Regimento de Artilharia Ligeira N.º Santarém 1 (RAL1), Lisboa •Escola Prática de Artilharia (EPA), •Carreira de Tiro da Serra da Vendas Novas Carregueira (CTSC), Lisboa •Regimento de Cavalaria N.º 3 (RC3), •Regimento de Infantaria N.º 1 Estremoz (RI1), Lisboa •Centro de Instrução de Operações •Centro de Instrução de Artilharia Especiais (CIOE), Lamego Antiaérea e de Costa (CIAAC), Lisboa •Agrupamento do Norte
  • 12. São consideradas forças inimigas: Guarda Nacional Republicana (GNR) Polícia de Segurança Pública (PSP) Direcção-Geral de Segurança (PIDE/DGS) Legião Portuguesa (LP)
  • 13.  Graças ao apoio prestado pela população, o MFA teve um grande sucesso e precisão.  Este movimento foi calmo, não havendo quase nenhum derrame de sangue.
  • 14. As cores e os símbolos do 25 de Abril: as armas e os cravos
  • 15. O cravo vermelho tornou-se no símbolo da Revolução de Abril de 1974. Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, apoiando os soldados revoltosos; alguém (existem várias versões, sobre quem terá sido, mas uma delas é que uma florista contratada para levar cravos para a abertura de um hotel, foi vista por um soldado que pôs um cravo na espingarda, e em seguida todos o fizeram), começou a distribuir cravos vermelhos pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das espingardas."
  • 16. Cronologia «Revolução dos Cravos» Abril de 1974 Dia 25 – 00h20 A canção « Grândola Vila Morena », de José Afonso, é transmitida na rádio. Foi a confirmação para o início das operações. Dia 24 – 22h55 A canção « E Depois do Adeus », de Paulo de Carvalho, passa na rádio. Foi o primeiro sinal para o início da acção militar.
  • 17. Cronologia «Revolução dos Cravos» Abril de 1974Dia 25 03h00 – 04h00 Ficam em poder do MFA a 11h00 Salgueiro Maia, que comandava as Emissora Nacional, o Rádio Clube Português, a forças da Escola Prática de Cavalaria, sai do RTP e os quartéis-generais das Regiões Terreiro do Paço em direcção ao Largo do Militares de Lisboa e do Porto. Carmo, sede do comando geral da GNR e onde Marcelo Caetano se encontra refugiado. 05h30 Militares da Escola Prática de 14h00 Iniciam-se as conversações entre o Cavalaria ocupam o Terreiro do Paço, em General Spínola e Marcelo Lisboa. Caetano, através de intermediários.
  • 18. Cronologia «Revolução dos Cravos» Abril de 1974Dia 25 19h30 Marcelo Caetano e alguns dos seus 21h00 Rendição da PIDE/DGS (sede). ministros abandonam o Quartel do Carmo numa viatura blindada; a Baixa de Lisboa é invadida por milhares de pessoas que vitoriam as Forças Armadas.
  • 19. Fracasso da «Primavera Marcelista» Ausência de O descontentamento dos oficiais das Forças democracia em Armadas gera um “Movimento de Oficiais”. Portugal Revolução de 25 de Abril de 1974 Derrube do Governo Constituição da Junta de Marcelo Caetano de Salvação Nacional Deu a conhecer o Programa do MFA Três objectivos principais: -Democratizar -Descolonizar -Desenvolver
  • 20. As primeiras medidas revolucionárias A democratização da sociedade portuguesa iniciou-se na madrugada do dia 26 de Abril, o General Spínola, em nome da Junta de Salvação Nacional, deu a conhecer através da televisão, o Programa do MFA : Programa do MFA - extinção da Polícia Política, da Legião Portuguesa e da Mocidade Portuguesa; - abolição da censura e reconhecimento da liberdade de expressão e de pensamento; - libertação dos presos políticos.
  • 21.
  • 22. Na Constituição de 1976 garantiu-se:  A liberdade de expressão, de opinião, de reunião e de associação;  A igualdade de todos perante a lei;  O direito à greve e à organização sindical;  O direito à educação;  O direito ao voto;  O direito ao trabalho, à segurança social e à protecção da saúde.
  • 23. Conclusão O «Estado Novo» foi, para muitos civis e militares, um período de medo e horror principalmente para as famílias que viam os seus filhos irem para a guerra onde eram mortos. Graças ao Movimento das Forças Armadas (MFA), planeado a fim de derrubar um governo de ideologia fascista existente no nosso país, e planeado de forma clandestina, Portugal viu a luz do futuro do qual estava à espera há muito tempo. Este acontecimento mudou a vida de todos os portugueses e até as nossas, pois, se não tivesse acontecido este dia, nós, talvez nasceríamos em plena ditadura.
  • 24. Bibliografia/ Webgrafia  OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula, Novo História 9, Texto Editores, Lisboa, 2008.  www.sis.pt/pt/historia/democrac.php?print=sim http://images.google.pt/images?hl=pt- PT&um=1&sa=1&q=pide+dgs&aq=0&oq=PIDE
  • 25. Trabalho realizado por: 9ºC Ano lectivo 2008/2009