SlideShare uma empresa Scribd logo
25 de Abril de 1974
Revolução dos Cravos
Vera Azevedo – 20
Vitor Peixoto - 22
9º F
Escola
Secundária
Padre
Benjamim
Salgado
Neste trabalho, realizado na disciplina de História, iremos abordar
um dos mais importantes acontecimentos da história portuguesa, o 25 de Abril
de 1974, denominado entre o povo como a Revolução dos Cravos. A Revolução
de 25 de Abril de 1974, que ficou conhecida como a Revolução dos
Cravos, derrubou o regime autoritário iniciado por Salazar quarenta e oito anos
antes e abriu o caminho para a democracia em Portugal.
Esperemos que o trabalho seja do agrado de todos os visualizadores.
Introdução
Fig. 1 – Pintura mural na Chamusca, Coruche
Apesar do seu carácter fechado e repressivo, o regime corporativo fora
profundamente afetado pela década de 1960. Depois da campanha oposicionista do
general Humberto Delgado (assassinado pela polícia política em 1965), a contestação
social e política atingira níveis nunca vistos, ultrapassando os círculos intelectuais e
alastrando aos meios operários e ao movimento estudantil. À medida que se
avançava na década, a Guerra Colonial entretanto iniciada (1961) tornava-se o alvo
especial da oposição - consumia os esforços e as vidas do país e revelava-se como um
combate longo, sangrento e inútil.
Fig. 2 – Soldados portugueses nas matas de Angola
Contestação
doRegime
A solução acabou por vir do lado de quem fazia a guerra: os militares.
No ano de 1973, um dos mais mortíferos da Guerra Colonial, nascia uma conspiração
de oficiais de patente intermédia, descontentes com a duração e as condições do
conflito. Começava o Movimento das Forças Armadas (MFA). Este movimento
politizou-se rapidamente, concluindo pela inevitabilidade do derrube do regime em
Portugal para se poder chegar à paz em África.
Fig. 3 – Símbolo do Movimento das Forças Armadas
Derrubedo
Regime
Depois de um golpe falhado nas Caldas da Rainha, o MFA decidiu
avançar: o major Otelo Saraiva de Carvalho elaborou o plano militar e, na
madrugada de 25 de Abril, a operação “Fim-regime” tomou conta dos pontos
estratégicos da cidade de Lisboa, em especial do aeroporto, da rádio e da televisão.
Lideradas pelo capitão Salgueiro Maia, as forças revoltosas cercaram e tomaram o
quartel do Carmo, onde se refugiara o chefe do governo, Marcelo Caetano. A
revolução foi pacífica, com apenas 4 mortos. Rapidamente, o golpe de estado militar
foi aclamado nas ruas pela população portuguesa, cansada da guerra e da
ditadura, transformando-se o movimento numa imensa explosão social e numa
revolução pacífica, que ficou conhecida no estrangeiro como a “Revolução dos
Cravos”.
Fig. 4 – Salgueiro Maia, a figura principal da Revolução
Derrubedo
Regime
Os cravos nas espingardas têm uma explicação muito óbvia. Após o
comunicado para as pessoas refugiarem em casa, uma florista, tendo os seus cravos
recém-encomendados, parados, decidiu distribuí-los pela população, esta aderiu
efusivamente e rapidamente os cravos chegaram aos soldados, que os puseram nas
pontas das espingardas. A imagem dos cravos passou e ficou famosa, tendo dado o
nome à Revolução de Abril.
Porquêos
Cravos?
Fig. 5 – Espingarda com cravo
Eram 4:26 da madrugada de 25 de Abril de 1974, quando o MFA emite o
seu primeiro comunicado à população, numa emissão do RCP:
“Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas. As Forças
Armadas portuguesas apelam a todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido
de recolherem a suas casas, nas quais se devem conservar com a máxima calma.
Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente
assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos o bom senso dos
comandos das forças militarizadas, no sentido de serem evitados quaisquer
confrontos com as Forças Armadas. Tal confronto, além de desnecessário, só poderá
conduzir a sérios prejuízos individuais que enlutariam e criariam divisões entre os
portugueses, o que há que evitar a todo o custo. Não obstante a expressa
preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português,
apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua
acorrência aos hospitais a fim de prestar a sua eventual colaboração, que se deseja,
sinceramente, desnecessária.”
OPrimeiro
Comunicado
http://www.youtube.com/watch?v=zmPAlc9h1GQ&feature=related
“COMUNICADO DAS FORÇAS ARMADAS”
Organismo constituído pelo MFA, após a revolução do 25 de Abril de
1974, com o poder e a legitimidade exclusiva de executar o programa.
A junta era composta por sete membros. Presidida pelo general António
de Spínola, integrava Rosa Coutinho, Pinheiro de Azevedo, Costa Gomes, Jaime
Silvério Marques, Galvão de Melo e Diogo Neto. A agitação e o descontrolo do
processo revolucionário comprometeram as linhas programáticas originais propostas
pela junta, situação agravada com a tentativa de golpe militar de António de
Spínola em 11 de Março de 1975, vindo a fixar-se como dogma o modelo socialista.
O socialismo revolucionário assumiu-se, então, como linha inspiradora da nova
Constituição, por opção do MFA, decisão confirmada por Costa Gomes, então
presidente da República, na abertura da Assembleia Constituinte.
JuntaSalvação
Nacional
http://www.youtube.com/watch?v=hiUWYGu1Qco
“Portugal. Proclamação da Junta de Salvação Nacional
A nacionalização da banca e dos seguros e oinício da ocupação de terras
no Alentejo, foram as medidas da ala esquerdista do MFA. Atravessava-se o célebre
«Verão Quente de 75», em que as divergências sobre as opções dos governos e do
Conselho da Revolução acenderam mesmo o rastilho dos atentados políticos.
No entanto, a movimentação social e sindical ao longo do período
revolucionário, apesar da crescente hegemonia dos comunistas, foi muito
diversificada e complexa, não podendo ser reduzida à ação destes últimos. Tudo isto
se refletiu no acidentado processo que levou à redação da Constituição de 1976.
Pouco depois, tinham lugar as primeiras eleições legislativas livres para a Assembleia
da República, tendo saído vencedor o PS, liderado por Mário Soares. Acabava-se o
ciclo dos governos provisórios e entrava-se numa via de normalização democrática.
Socialismoeregresso
àdemocracia
Fig. 6 – Símbolo do mais importante
partido comunista português
A Revolução dos Cravos, normalmente conhecida como 25 de Abril, foi
conduzido pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), composto por oficiais
intermédios da hierarquia militar, na sua maior parte capitães que tinham
participado na Guerra Colonial e que foram apoiados por oficiais
milicianos, estudantes recrutados, muitos deles universitários. Este movimento nasceu
por volta de 1973, baseado inicialmente em reivindicações corporativistas como a luta
pelo prestígio das forças armadas, acabando por se estender ao regime político em
vigor. Sem apoios militares, e com a adesão em massa da população ao golpe de
estado, a resistência do regime foi praticamente inexistente, registando-se apenas
quatro mortos em Lisboa pelas balas da PIDE. Implantara-se assim a democracia.
Conclusão
Fig. 7 – Felicidade nas ruas de Lisboa
http://www.educacao.te.pt/professores/index.jsp?p=167&idDossier=50&idDossierCapitu
lo=193&idDossierPagina=426
https://www.google.pt/imghp?hl=pt-BR&tab=wi
http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_dos_Cravos
http://www.youtube.com
http://www.notapositiva.com/pt/trbestbs/historia/08_revolucao_dos_cravos.htm
Bibliografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
ceufaias
 
Marcelismo
MarcelismoMarcelismo
Marcelismo
Frederico
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
gofontoura
 
O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974
diuguitofelgas
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
Carlos Vieira
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20
00199600
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
I.Braz Slideshares
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
Jorge Almeida
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Laboratório de História
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Susana Simões
 
O Estado novo
O Estado novoO Estado novo
O Estado novo
carol slides
 
A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30
Maria Barroso
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - Resumos
Maria Rebelo
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
Carlos Vieira
 
25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos
becastanheiradepera
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 

Mais procurados (20)

O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
Marcelismo
MarcelismoMarcelismo
Marcelismo
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
O Estado novo
O Estado novoO Estado novo
O Estado novo
 
A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - Resumos
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
 
25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 

Destaque

1 apresentação
1 apresentação1 apresentação
1 apresentação
BIBFJ
 
Presidentes da republica
Presidentes da republicaPresidentes da republica
Presidentes da republica
susanabeicudo
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Lorredana Pereira
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
Sónia Cruz
 
4.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 19744.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 1974
Sónia Azevedo
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
Jorge Almeida
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
João Camacho
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
Joana Algodão Doce
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 

Destaque (11)

1 apresentação
1 apresentação1 apresentação
1 apresentação
 
Presidentes da republica
Presidentes da republicaPresidentes da republica
Presidentes da republica
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
4.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 19744.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 

Semelhante a 25 de abril de 1974

Capitães avril
Capitães avrilCapitães avril
Capitães avril
Sara Pérez
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
MINV
 
25 abril
25 abril 25 abril
25 abril
guest6613ae
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
AnaGomes40
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
Paula Morgado
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
isabel_boia
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
isabel_boia
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
Sílvia Mendonça
 
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Escola Secundaria luis de freitas Branco
 
12º revolução do 25 de abril
12º   revolução do 25 de abril12º   revolução do 25 de abril
12º revolução do 25 de abril
Escola Secundaria luis de freitas Branco
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
oalvarinho
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abril
Carla Teixeira
 
Capitães de abril
Capitães de abrilCapitães de abril
Capitães de abril
tomascm1
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
becastanheiradepera
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Paula Morgado
 
Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravos
Dg Guimarães
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
João Lima
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Paula Morgado
 
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
AnaRitaFreitas7
 

Semelhante a 25 de abril de 1974 (20)

Capitães avril
Capitães avrilCapitães avril
Capitães avril
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
25 abril
25 abril 25 abril
25 abril
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
 
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
 
12º revolução do 25 de abril
12º   revolução do 25 de abril12º   revolução do 25 de abril
12º revolução do 25 de abril
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abril
 
Capitães de abril
Capitães de abrilCapitães de abril
Capitães de abril
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravos
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
 
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
 

Mais de Vitor Peixoto

Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Vitor Peixoto
 
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Vitor Peixoto
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
Vitor Peixoto
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
Vitor Peixoto
 
S. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da GalafuraS. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da Galafura
Vitor Peixoto
 
Novas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xxNovas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xx
Vitor Peixoto
 
Organização mundial de saúde
Organização mundial de saúdeOrganização mundial de saúde
Organização mundial de saúde
Vitor Peixoto
 
Absorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiaçãoAbsorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiação
Vitor Peixoto
 
Violação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanosViolação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanos
Vitor Peixoto
 
Cultura londrina
Cultura londrinaCultura londrina
Cultura londrina
Vitor Peixoto
 
Sentido da vida
Sentido da vidaSentido da vida
Sentido da vida
Vitor Peixoto
 
Confucionismo
ConfucionismoConfucionismo
Confucionismo
Vitor Peixoto
 
Alcoolismo
AlcoolismoAlcoolismo
Alcoolismo
Vitor Peixoto
 
Bilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - AzevinhoBilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - AzevinhoVitor Peixoto
 
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaA Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
Vitor Peixoto
 

Mais de Vitor Peixoto (15)

Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
 
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
S. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da GalafuraS. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da Galafura
 
Novas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xxNovas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xx
 
Organização mundial de saúde
Organização mundial de saúdeOrganização mundial de saúde
Organização mundial de saúde
 
Absorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiaçãoAbsorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiação
 
Violação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanosViolação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanos
 
Cultura londrina
Cultura londrinaCultura londrina
Cultura londrina
 
Sentido da vida
Sentido da vidaSentido da vida
Sentido da vida
 
Confucionismo
ConfucionismoConfucionismo
Confucionismo
 
Alcoolismo
AlcoolismoAlcoolismo
Alcoolismo
 
Bilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - AzevinhoBilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
 
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaA Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
 

Último

LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 

Último (20)

LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 

25 de abril de 1974

  • 1. 25 de Abril de 1974 Revolução dos Cravos Vera Azevedo – 20 Vitor Peixoto - 22 9º F Escola Secundária Padre Benjamim Salgado
  • 2. Neste trabalho, realizado na disciplina de História, iremos abordar um dos mais importantes acontecimentos da história portuguesa, o 25 de Abril de 1974, denominado entre o povo como a Revolução dos Cravos. A Revolução de 25 de Abril de 1974, que ficou conhecida como a Revolução dos Cravos, derrubou o regime autoritário iniciado por Salazar quarenta e oito anos antes e abriu o caminho para a democracia em Portugal. Esperemos que o trabalho seja do agrado de todos os visualizadores. Introdução Fig. 1 – Pintura mural na Chamusca, Coruche
  • 3. Apesar do seu carácter fechado e repressivo, o regime corporativo fora profundamente afetado pela década de 1960. Depois da campanha oposicionista do general Humberto Delgado (assassinado pela polícia política em 1965), a contestação social e política atingira níveis nunca vistos, ultrapassando os círculos intelectuais e alastrando aos meios operários e ao movimento estudantil. À medida que se avançava na década, a Guerra Colonial entretanto iniciada (1961) tornava-se o alvo especial da oposição - consumia os esforços e as vidas do país e revelava-se como um combate longo, sangrento e inútil. Fig. 2 – Soldados portugueses nas matas de Angola Contestação doRegime
  • 4. A solução acabou por vir do lado de quem fazia a guerra: os militares. No ano de 1973, um dos mais mortíferos da Guerra Colonial, nascia uma conspiração de oficiais de patente intermédia, descontentes com a duração e as condições do conflito. Começava o Movimento das Forças Armadas (MFA). Este movimento politizou-se rapidamente, concluindo pela inevitabilidade do derrube do regime em Portugal para se poder chegar à paz em África. Fig. 3 – Símbolo do Movimento das Forças Armadas Derrubedo Regime
  • 5. Depois de um golpe falhado nas Caldas da Rainha, o MFA decidiu avançar: o major Otelo Saraiva de Carvalho elaborou o plano militar e, na madrugada de 25 de Abril, a operação “Fim-regime” tomou conta dos pontos estratégicos da cidade de Lisboa, em especial do aeroporto, da rádio e da televisão. Lideradas pelo capitão Salgueiro Maia, as forças revoltosas cercaram e tomaram o quartel do Carmo, onde se refugiara o chefe do governo, Marcelo Caetano. A revolução foi pacífica, com apenas 4 mortos. Rapidamente, o golpe de estado militar foi aclamado nas ruas pela população portuguesa, cansada da guerra e da ditadura, transformando-se o movimento numa imensa explosão social e numa revolução pacífica, que ficou conhecida no estrangeiro como a “Revolução dos Cravos”. Fig. 4 – Salgueiro Maia, a figura principal da Revolução Derrubedo Regime
  • 6. Os cravos nas espingardas têm uma explicação muito óbvia. Após o comunicado para as pessoas refugiarem em casa, uma florista, tendo os seus cravos recém-encomendados, parados, decidiu distribuí-los pela população, esta aderiu efusivamente e rapidamente os cravos chegaram aos soldados, que os puseram nas pontas das espingardas. A imagem dos cravos passou e ficou famosa, tendo dado o nome à Revolução de Abril. Porquêos Cravos? Fig. 5 – Espingarda com cravo
  • 7. Eram 4:26 da madrugada de 25 de Abril de 1974, quando o MFA emite o seu primeiro comunicado à população, numa emissão do RCP: “Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas. As Forças Armadas portuguesas apelam a todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de recolherem a suas casas, nas quais se devem conservar com a máxima calma. Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos o bom senso dos comandos das forças militarizadas, no sentido de serem evitados quaisquer confrontos com as Forças Armadas. Tal confronto, além de desnecessário, só poderá conduzir a sérios prejuízos individuais que enlutariam e criariam divisões entre os portugueses, o que há que evitar a todo o custo. Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua acorrência aos hospitais a fim de prestar a sua eventual colaboração, que se deseja, sinceramente, desnecessária.” OPrimeiro Comunicado http://www.youtube.com/watch?v=zmPAlc9h1GQ&feature=related “COMUNICADO DAS FORÇAS ARMADAS”
  • 8. Organismo constituído pelo MFA, após a revolução do 25 de Abril de 1974, com o poder e a legitimidade exclusiva de executar o programa. A junta era composta por sete membros. Presidida pelo general António de Spínola, integrava Rosa Coutinho, Pinheiro de Azevedo, Costa Gomes, Jaime Silvério Marques, Galvão de Melo e Diogo Neto. A agitação e o descontrolo do processo revolucionário comprometeram as linhas programáticas originais propostas pela junta, situação agravada com a tentativa de golpe militar de António de Spínola em 11 de Março de 1975, vindo a fixar-se como dogma o modelo socialista. O socialismo revolucionário assumiu-se, então, como linha inspiradora da nova Constituição, por opção do MFA, decisão confirmada por Costa Gomes, então presidente da República, na abertura da Assembleia Constituinte. JuntaSalvação Nacional http://www.youtube.com/watch?v=hiUWYGu1Qco “Portugal. Proclamação da Junta de Salvação Nacional
  • 9. A nacionalização da banca e dos seguros e oinício da ocupação de terras no Alentejo, foram as medidas da ala esquerdista do MFA. Atravessava-se o célebre «Verão Quente de 75», em que as divergências sobre as opções dos governos e do Conselho da Revolução acenderam mesmo o rastilho dos atentados políticos. No entanto, a movimentação social e sindical ao longo do período revolucionário, apesar da crescente hegemonia dos comunistas, foi muito diversificada e complexa, não podendo ser reduzida à ação destes últimos. Tudo isto se refletiu no acidentado processo que levou à redação da Constituição de 1976. Pouco depois, tinham lugar as primeiras eleições legislativas livres para a Assembleia da República, tendo saído vencedor o PS, liderado por Mário Soares. Acabava-se o ciclo dos governos provisórios e entrava-se numa via de normalização democrática. Socialismoeregresso àdemocracia Fig. 6 – Símbolo do mais importante partido comunista português
  • 10. A Revolução dos Cravos, normalmente conhecida como 25 de Abril, foi conduzido pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), composto por oficiais intermédios da hierarquia militar, na sua maior parte capitães que tinham participado na Guerra Colonial e que foram apoiados por oficiais milicianos, estudantes recrutados, muitos deles universitários. Este movimento nasceu por volta de 1973, baseado inicialmente em reivindicações corporativistas como a luta pelo prestígio das forças armadas, acabando por se estender ao regime político em vigor. Sem apoios militares, e com a adesão em massa da população ao golpe de estado, a resistência do regime foi praticamente inexistente, registando-se apenas quatro mortos em Lisboa pelas balas da PIDE. Implantara-se assim a democracia. Conclusão Fig. 7 – Felicidade nas ruas de Lisboa