SlideShare uma empresa Scribd logo
O ESTADO NOVO
E O
25 DE ABRIL
O ESTADO NOVO
Estado Novo é o nome do regime político autoritário do
Estado que vigorou em Portugal durante 41 anos sem
interrupção, desde 1933, com a aprovação de uma nova
Constituição, até 1974, quando foi derrubado pela
Revolução do 25 de Abril.
A Constituição de 1933 determinava 4 órgãos de
soberania: o Presidente da República, a Assembleia
Nacional ( Parlamento), o Governo e os Tribunais.
A Assembleia Nacional deixou de ter o poder de nomear e
de demitir o Presidente da República. Em contrapartida, o
Governo passou a ser o órgão de soberania com mais
poder e a decretar a maioria das leis.
CHEFES DO ESTADO NOVO
Oliveira Salazar,
Chefe do Estado Novo
entre 1933 e 1968.
Américo Tomás,
Presidente da
República entre 1958
e 1974.
Marcelo Caetano,
Chefe do Estado
Novo entre 1968 e
1974.
O equilíbrio financeiro As obras públicas
Salazar, em poucos anos, conseguiu
que o Estado acumulasse algumas
reservas de dinheiro e não precisasse
de recorrer a empréstimos
estrangeiros.
Este equilíbrio financeiro foi
possível porque Salazar:
 Aumentou as receitas do Estado
através de impostos.
 Diminuiu as despesas com a
educação, saúde e assistência social.
Parte das reservas de ouro do Estado
foi aplicada na construção de
obras públicas:
 novas estradas e pontes (ponte
Salazar sobre o Tejo);
 novos edifícios públicos –
tribunais, estações dos correios,
quartéis, bibliotecas;
 escolas primárias, liceus e
universidades;
 grandes barragens hidroelétricas;
 hospitais.
A política de desenvolvimento do país
A política de desenvolvimento do país
As obras públicas construídas neste período facilitaram o
crescimento do turismo e de algumas importantes
indústrias (têxteis, conservas, siderurgia).
No entanto, esse crescimento não foi o suficiente para
transformar Portugal num país moderno e desenvolvido.
Nas cidades e no campo o desemprego mantinha-se. E
muitos portugueses emigraram, principalmente para
França e Alemanha.
A PROPAGANDA AO ESTADO NOVO
Para garantir e manter o apoio da
população portuguesa foi
organizado um sistema de
propaganda ao Estado Novo:
Livros obrigatórios;
Mocidade Portuguesa (7 aos
14 anos) – para desenvolver o
espírito de obediência ao
Estado Novo e o culto do dever
militar.
 Antes do 25 de abril de 1974, em Portugal, não havia liberdade de
expressão, existia censura, as pessoas não podiam dizer o que
pensavam nem exprimir a sua opinião.
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
As pessoas não podiam escrever o que queriam, nem ler, ver e ouvir o
que desejavam, tanto nos jornais, rádio ou televisão! Era tudo
escolhido pela censura, conhecida como o "lápis-azul", que limitava a
liberdade de expressão.
 Qualquer pessoa que falasse mal do regime ou fosse contra o
colonialismo dos países africanos era imediatamente presa pela PIDE,
uma polícia política que vigiava, prendia e torturava quem tivesse
ideias contrárias às do governo.
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
 Não havia Liberdade nem Democracia.
 Portugal estava envolvido na guerra colonial em Angola, na Guiné e
em Moçambique.
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
PRISÕES para presos políticos:
Caxias
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
Peniche
Tarrafal (Cabo Verde)
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
Aljube (Lisboa)
A cadeia do Aljube foi usada pela polícia política
para interrogatórios, recorrendo aí a diversos
métodos de tortura – espancamentos, privação
de sono e «estátua» – numa sala do último
andar, calafetada com cobertores, para que os
gritos das vítimas não fossem ouvidos – a «sala
dos reposteiros». Os protestos da vizinhança
obrigaram a polícia a pôr termo a essas práticas
no Aljube.
Com a consolidação do regime, torna-se uma
prisão para presos incomunicáveis, sujeitos a
interrogatório.
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
Álvaro Cunhal Octávio Pato Mário Soares
•ALGUNS NOMES DE PRESOS POLÍTICOS E PERSEGUIDOS
PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
Nomes de alguns cantores e poetas que lutaram contra o
fascismo
José Afonso José Mário Branco Sérgio Godinho
António Gedeão Manuel Alegre Sophia de Mello Breyner Andresen
A revolução!!!
FACTORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA A
REVOLUÇÃO
Como tudo aconteceu
 Os militares já fartos de tantos conflitos e da falta de liberdade que se
fazia sentir, criaram o MFA, Movimento das Forças Armadas, que
tinha como missão, acabar com este governo.
 Combinaram que, na madrugada do dia 25 de abril 1974,
derrubariam o regime orientado por Marcelo Caetano (que seguiu as
pisadas de Salazar, após a morte deste), logo depois de ouvirem na
rádio duas "senhas" (sinais) que indicavam o momento certo para
avançarem.
 As senhas foram canções: a primeira foi "E depois do adeus", de Paulo
de Carvalho e a segunda foi "Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso.
Como tudo aconteceu
 Às 22h55m - Com a transmissão da canção "E Depois do Adeus",
pelos Emissores Associados de Lisboa, no dia 24 de Abril de 1974, era
dada a ordem para as tropas se prepararem e estarem a postos.
E depois do adeus, canção
cantada por Paulo de Carvalho
no Festival da Canção de 1974.
Como tudo aconteceu
00:20min
- Transmissão da
canção “Grândola Vila
Morena” na rádio
Renascença!
4:20min É difundido pelo Rádio Clube
Português, o primeiro comunicado
ao país do Movimento das Forças
Armadas (MFA).
13:30min As forças para-militares leais ao
regime, começam a render-se. A
Legião Portuguesa é a primeira.
14:00min Inicia-se o cerco ao Quartel
do Carmo.
No exterior, no Largo do Carmo e nas
ruas vizinhas, juntam-se milhares de
pessoas. Cerco do quartel do Carmo
Como tudo aconteceu
16:30min Termina o prazo inicial para a rendição. Este é
anunciado por megafone pelo Capitão Salgueiro
Maia.
O Quartel do Carmo iça a bandeira branca.
19:30min Marcelo Caetano rende-se!
20:00min Alguns elementos da PIDE disparam sobre manifestantes
que começavam a afluir à sua sede, na Rua António
Maria Cardoso, fazendo 4 mortos e 45 feridos.
O cravo…
 Devido à iniciativa de uma mulher, o cravo vermelho tornou-se num dos
símbolos do 25 de abril, ficando esta ação militar mundialmente conhecida
como a Revolução dos Cravos.
 Celeste Caeiro, bengaleira no restaurante “Sirine”, na rua Braamcamp, começou
a distribuir cravos vermelhos pelos soldados que depressa os colocaram nos
canos das suas espingardas…
Salgueiro Maia
Liderou as forças revolucionárias
durante a Revolução dos Cravos
Otelo Saraiva de Carvalho
Estratega da revolução
FIGURAS DE ABRIL
FIGURAS DE ABRIL
 António de Spínola
 A 25 de Abril de 1974, como representante do Movimento das Forças Armadas,
recebeu do Presidente do Conselho de Ministros, Marcello Caetano, a rendição
do Governo (que se refugiara no Quartel do Carmo). Isto permitiu-lhe assumir
assim os seus poderes públicos, apesar de essa não ter sido a intenção original
do MFA.
 Instituída a Junta de Salvação Nacional (que passou a deter as principais
funções de condução do Estado após o golpe), à qual presidia, foi escolhido
pelos seus camaradas para exercer o cargo de Presidente da República, cargo
que ocupará de 15 de Maio de 1974 até à sua renúncia em 30 de Setembro do
mesmo ano, altura em que foi substituído pelo general Costa Gomes.
Conclusão
O 25 de abril foi uma ação militar que pôs fim ao regime
que oprimia o país há quase cinco décadas. Era o caminho
de regresso à Liberdade e à Democracia.
O levantamento militar derrubou num só dia, o regime
político que vigorava em Portugal desde 1926, sem grandes
resistências das forças leais ao governo.
Esta revolução devolveu a liberdade ao povo português.
Revolução dos Cravos: 25 de Abril 1974 - Noticiários RTP
Trabalho realizado por: Fontes:
Afonso Sarnadas
N.º 1, 6.º A
Google
Wikipédia
Youtube
História e Geografia de
Portugal do 6.º ano
O ESTADO NOVO E O 25 DE ABRIL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Ana Paiva
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
João Camacho
 
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
Vanda Pereira Bregieiro
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
Ana Paiva
 
4.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 19744.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 1974
Sónia Azevedo
 
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Escola Secundaria luis de freitas Branco
 
O 25 de abril relato dos acontecimentos
O 25 de abril   relato dos acontecimentosO 25 de abril   relato dos acontecimentos
O 25 de abril relato dos acontecimentos
Escola Secundaria luis de freitas Branco
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abril
Carla Teixeira
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
Jorge Almeida
 
O 25 De Abril
O 25 De AbrilO 25 De Abril
2º ciclo , 25 Abril
2º ciclo ,  25 Abril2º ciclo ,  25 Abril
2º ciclo , 25 Abril
guest4550a6
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
Sílvia Mendonça
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
franciscaf
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
AnaGomes40
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Vitor Peixoto
 
25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa
beelvas
 
A Revolução do 25 de abril
A Revolução do 25 de abrilA Revolução do 25 de abril
A Revolução do 25 de abril
Escola Sec. de São João da Talha
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
I.Braz Slideshares
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 

Mais procurados (20)

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
 
4.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 19744.4. o 25 de abril de 1974
4.4. o 25 de abril de 1974
 
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
Foi há 36 anos: a revolução do 25 de Abril de 1974
 
O 25 de abril relato dos acontecimentos
O 25 de abril   relato dos acontecimentosO 25 de abril   relato dos acontecimentos
O 25 de abril relato dos acontecimentos
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abril
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
O 25 De Abril
O 25 De AbrilO 25 De Abril
O 25 De Abril
 
2º ciclo , 25 Abril
2º ciclo ,  25 Abril2º ciclo ,  25 Abril
2º ciclo , 25 Abril
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa
 
A Revolução do 25 de abril
A Revolução do 25 de abrilA Revolução do 25 de abril
A Revolução do 25 de abril
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 

Semelhante a Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01

A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
pief2
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
João Lima
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
adelaide1970
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Paula Morgado
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
catariinandrade
 
25 de abril 7çºb
25 de abril 7çºb25 de abril 7çºb
25 de abril 7çºb
cristinapirex
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
MINV
 
25 abril
25 abril 25 abril
25 abril
guest6613ae
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
Anonymous99K
 
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosYoublisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Lurdes Trindade
 
12º revolução do 25 de abril
12º   revolução do 25 de abril12º   revolução do 25 de abril
12º revolução do 25 de abril
Escola Secundaria luis de freitas Branco
 
8 b grp08_trab1
8 b grp08_trab18 b grp08_trab1
8 b grp08_trab1
pedrofrancisco10
 
Capitaes de abril demo at pt
Capitaes de abril   demo at ptCapitaes de abril   demo at pt
Capitaes de abril demo at pt
tomascm1
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
oalvarinho
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril_de_1974
25 de abril_de_197425 de abril_de_1974
25 de abril_de_1974
elsamariana
 
25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx
JoaoVaz26
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
João Lima
 
Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08
pedrofrancisco10
 

Semelhante a Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01 (20)

A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
25 de abril 7çºb
25 de abril 7çºb25 de abril 7çºb
25 de abril 7çºb
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
25 abril
25 abril 25 abril
25 abril
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosYoublisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
 
12º revolução do 25 de abril
12º   revolução do 25 de abril12º   revolução do 25 de abril
12º revolução do 25 de abril
 
8 b grp08_trab1
8 b grp08_trab18 b grp08_trab1
8 b grp08_trab1
 
Capitaes de abril demo at pt
Capitaes de abril   demo at ptCapitaes de abril   demo at pt
Capitaes de abril demo at pt
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril_de_1974
25 de abril_de_197425 de abril_de_1974
25 de abril_de_1974
 
25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08
 

Mais de becastanheiradepera

Be política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecçãoBe política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecção
becastanheiradepera
 
Plano ativ.2015-16
Plano ativ.2015-16Plano ativ.2015-16
Plano ativ.2015-16
becastanheiradepera
 
Plano ativ.2014/2015
Plano ativ.2014/2015Plano ativ.2014/2015
Plano ativ.2014/2015
becastanheiradepera
 
Painéis informativos da expo
Painéis informativos da expoPainéis informativos da expo
Painéis informativos da expo
becastanheiradepera
 
Cartaz exposição a escola
Cartaz exposição a escolaCartaz exposição a escola
Cartaz exposição a escola
becastanheiradepera
 
Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2
Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2
Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2
becastanheiradepera
 
Boletim de maio 2016
Boletim de maio 2016 Boletim de maio 2016
Boletim de maio 2016
becastanheiradepera
 
Cartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetiveCartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetive
becastanheiradepera
 
Uma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula GuimarãesUma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula Guimarães
becastanheiradepera
 
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula GuimarãesUma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
becastanheiradepera
 
Cartas do concurso be dia dos namorados
Cartas do concurso be dia dos namoradosCartas do concurso be dia dos namorados
Cartas do concurso be dia dos namorados
becastanheiradepera
 
Cartaz da semana da leitura 2016
Cartaz da semana da leitura 2016Cartaz da semana da leitura 2016
Cartaz da semana da leitura 2016
becastanheiradepera
 
Boletim de março 2016
Boletim de março 2016Boletim de março 2016
Boletim de março 2016
becastanheiradepera
 
Cartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetiveCartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetive
becastanheiradepera
 
Cartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetiveCartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetive
becastanheiradepera
 
Boletim de fevereiro 2016
Boletim de fevereiro 2016Boletim de fevereiro 2016
Boletim de fevereiro 2016
becastanheiradepera
 
Boletim de janeiro 2016
Boletim de janeiro 2016Boletim de janeiro 2016
Boletim de janeiro 2016
becastanheiradepera
 
Bullying
BullyingBullying
Letra e musica som das cores
Letra e musica som das coresLetra e musica som das cores
Letra e musica som das cores
becastanheiradepera
 
Boletim de dezembro 2015
Boletim de dezembro 2015Boletim de dezembro 2015
Boletim de dezembro 2015
becastanheiradepera
 

Mais de becastanheiradepera (20)

Be política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecçãoBe política de desenvolvimento da colecção
Be política de desenvolvimento da colecção
 
Plano ativ.2015-16
Plano ativ.2015-16Plano ativ.2015-16
Plano ativ.2015-16
 
Plano ativ.2014/2015
Plano ativ.2014/2015Plano ativ.2014/2015
Plano ativ.2014/2015
 
Painéis informativos da expo
Painéis informativos da expoPainéis informativos da expo
Painéis informativos da expo
 
Cartaz exposição a escola
Cartaz exposição a escolaCartaz exposição a escola
Cartaz exposição a escola
 
Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2
Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2
Pass atempo 2016_regulamento_imagem_final_2
 
Boletim de maio 2016
Boletim de maio 2016 Boletim de maio 2016
Boletim de maio 2016
 
Cartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetiveCartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetive
 
Uma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula GuimarãesUma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos (BD), de Paula Guimarães
 
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula GuimarãesUma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
Uma Aventura na Terra dos Direitos, de Paula Guimarães
 
Cartas do concurso be dia dos namorados
Cartas do concurso be dia dos namoradosCartas do concurso be dia dos namorados
Cartas do concurso be dia dos namorados
 
Cartaz da semana da leitura 2016
Cartaz da semana da leitura 2016Cartaz da semana da leitura 2016
Cartaz da semana da leitura 2016
 
Boletim de março 2016
Boletim de março 2016Boletim de março 2016
Boletim de março 2016
 
Cartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetiveCartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetive
 
Cartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetiveCartaz de cinedetetive
Cartaz de cinedetetive
 
Boletim de fevereiro 2016
Boletim de fevereiro 2016Boletim de fevereiro 2016
Boletim de fevereiro 2016
 
Boletim de janeiro 2016
Boletim de janeiro 2016Boletim de janeiro 2016
Boletim de janeiro 2016
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Letra e musica som das cores
Letra e musica som das coresLetra e musica som das cores
Letra e musica som das cores
 
Boletim de dezembro 2015
Boletim de dezembro 2015Boletim de dezembro 2015
Boletim de dezembro 2015
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01

  • 1. O ESTADO NOVO E O 25 DE ABRIL
  • 2. O ESTADO NOVO Estado Novo é o nome do regime político autoritário do Estado que vigorou em Portugal durante 41 anos sem interrupção, desde 1933, com a aprovação de uma nova Constituição, até 1974, quando foi derrubado pela Revolução do 25 de Abril. A Constituição de 1933 determinava 4 órgãos de soberania: o Presidente da República, a Assembleia Nacional ( Parlamento), o Governo e os Tribunais. A Assembleia Nacional deixou de ter o poder de nomear e de demitir o Presidente da República. Em contrapartida, o Governo passou a ser o órgão de soberania com mais poder e a decretar a maioria das leis.
  • 3. CHEFES DO ESTADO NOVO Oliveira Salazar, Chefe do Estado Novo entre 1933 e 1968. Américo Tomás, Presidente da República entre 1958 e 1974. Marcelo Caetano, Chefe do Estado Novo entre 1968 e 1974.
  • 4. O equilíbrio financeiro As obras públicas Salazar, em poucos anos, conseguiu que o Estado acumulasse algumas reservas de dinheiro e não precisasse de recorrer a empréstimos estrangeiros. Este equilíbrio financeiro foi possível porque Salazar:  Aumentou as receitas do Estado através de impostos.  Diminuiu as despesas com a educação, saúde e assistência social. Parte das reservas de ouro do Estado foi aplicada na construção de obras públicas:  novas estradas e pontes (ponte Salazar sobre o Tejo);  novos edifícios públicos – tribunais, estações dos correios, quartéis, bibliotecas;  escolas primárias, liceus e universidades;  grandes barragens hidroelétricas;  hospitais. A política de desenvolvimento do país
  • 5. A política de desenvolvimento do país As obras públicas construídas neste período facilitaram o crescimento do turismo e de algumas importantes indústrias (têxteis, conservas, siderurgia). No entanto, esse crescimento não foi o suficiente para transformar Portugal num país moderno e desenvolvido. Nas cidades e no campo o desemprego mantinha-se. E muitos portugueses emigraram, principalmente para França e Alemanha.
  • 6. A PROPAGANDA AO ESTADO NOVO Para garantir e manter o apoio da população portuguesa foi organizado um sistema de propaganda ao Estado Novo: Livros obrigatórios; Mocidade Portuguesa (7 aos 14 anos) – para desenvolver o espírito de obediência ao Estado Novo e o culto do dever militar.
  • 7.  Antes do 25 de abril de 1974, em Portugal, não havia liberdade de expressão, existia censura, as pessoas não podiam dizer o que pensavam nem exprimir a sua opinião. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
  • 8. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL As pessoas não podiam escrever o que queriam, nem ler, ver e ouvir o que desejavam, tanto nos jornais, rádio ou televisão! Era tudo escolhido pela censura, conhecida como o "lápis-azul", que limitava a liberdade de expressão.  Qualquer pessoa que falasse mal do regime ou fosse contra o colonialismo dos países africanos era imediatamente presa pela PIDE, uma polícia política que vigiava, prendia e torturava quem tivesse ideias contrárias às do governo.
  • 9. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL  Não havia Liberdade nem Democracia.  Portugal estava envolvido na guerra colonial em Angola, na Guiné e em Moçambique.
  • 10. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL PRISÕES para presos políticos: Caxias
  • 11. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL Peniche
  • 12. Tarrafal (Cabo Verde) PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL
  • 13. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL Aljube (Lisboa) A cadeia do Aljube foi usada pela polícia política para interrogatórios, recorrendo aí a diversos métodos de tortura – espancamentos, privação de sono e «estátua» – numa sala do último andar, calafetada com cobertores, para que os gritos das vítimas não fossem ouvidos – a «sala dos reposteiros». Os protestos da vizinhança obrigaram a polícia a pôr termo a essas práticas no Aljube. Com a consolidação do regime, torna-se uma prisão para presos incomunicáveis, sujeitos a interrogatório.
  • 14. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL Álvaro Cunhal Octávio Pato Mário Soares •ALGUNS NOMES DE PRESOS POLÍTICOS E PERSEGUIDOS
  • 15. PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL Nomes de alguns cantores e poetas que lutaram contra o fascismo José Afonso José Mário Branco Sérgio Godinho António Gedeão Manuel Alegre Sophia de Mello Breyner Andresen
  • 17. FACTORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA A REVOLUÇÃO
  • 18. Como tudo aconteceu  Os militares já fartos de tantos conflitos e da falta de liberdade que se fazia sentir, criaram o MFA, Movimento das Forças Armadas, que tinha como missão, acabar com este governo.  Combinaram que, na madrugada do dia 25 de abril 1974, derrubariam o regime orientado por Marcelo Caetano (que seguiu as pisadas de Salazar, após a morte deste), logo depois de ouvirem na rádio duas "senhas" (sinais) que indicavam o momento certo para avançarem.  As senhas foram canções: a primeira foi "E depois do adeus", de Paulo de Carvalho e a segunda foi "Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso.
  • 19. Como tudo aconteceu  Às 22h55m - Com a transmissão da canção "E Depois do Adeus", pelos Emissores Associados de Lisboa, no dia 24 de Abril de 1974, era dada a ordem para as tropas se prepararem e estarem a postos. E depois do adeus, canção cantada por Paulo de Carvalho no Festival da Canção de 1974.
  • 20. Como tudo aconteceu 00:20min - Transmissão da canção “Grândola Vila Morena” na rádio Renascença! 4:20min É difundido pelo Rádio Clube Português, o primeiro comunicado ao país do Movimento das Forças Armadas (MFA). 13:30min As forças para-militares leais ao regime, começam a render-se. A Legião Portuguesa é a primeira. 14:00min Inicia-se o cerco ao Quartel do Carmo. No exterior, no Largo do Carmo e nas ruas vizinhas, juntam-se milhares de pessoas. Cerco do quartel do Carmo
  • 21. Como tudo aconteceu 16:30min Termina o prazo inicial para a rendição. Este é anunciado por megafone pelo Capitão Salgueiro Maia. O Quartel do Carmo iça a bandeira branca. 19:30min Marcelo Caetano rende-se! 20:00min Alguns elementos da PIDE disparam sobre manifestantes que começavam a afluir à sua sede, na Rua António Maria Cardoso, fazendo 4 mortos e 45 feridos.
  • 22. O cravo…  Devido à iniciativa de uma mulher, o cravo vermelho tornou-se num dos símbolos do 25 de abril, ficando esta ação militar mundialmente conhecida como a Revolução dos Cravos.  Celeste Caeiro, bengaleira no restaurante “Sirine”, na rua Braamcamp, começou a distribuir cravos vermelhos pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das suas espingardas…
  • 23. Salgueiro Maia Liderou as forças revolucionárias durante a Revolução dos Cravos Otelo Saraiva de Carvalho Estratega da revolução FIGURAS DE ABRIL
  • 24. FIGURAS DE ABRIL  António de Spínola  A 25 de Abril de 1974, como representante do Movimento das Forças Armadas, recebeu do Presidente do Conselho de Ministros, Marcello Caetano, a rendição do Governo (que se refugiara no Quartel do Carmo). Isto permitiu-lhe assumir assim os seus poderes públicos, apesar de essa não ter sido a intenção original do MFA.  Instituída a Junta de Salvação Nacional (que passou a deter as principais funções de condução do Estado após o golpe), à qual presidia, foi escolhido pelos seus camaradas para exercer o cargo de Presidente da República, cargo que ocupará de 15 de Maio de 1974 até à sua renúncia em 30 de Setembro do mesmo ano, altura em que foi substituído pelo general Costa Gomes.
  • 25. Conclusão O 25 de abril foi uma ação militar que pôs fim ao regime que oprimia o país há quase cinco décadas. Era o caminho de regresso à Liberdade e à Democracia. O levantamento militar derrubou num só dia, o regime político que vigorava em Portugal desde 1926, sem grandes resistências das forças leais ao governo. Esta revolução devolveu a liberdade ao povo português. Revolução dos Cravos: 25 de Abril 1974 - Noticiários RTP
  • 26. Trabalho realizado por: Fontes: Afonso Sarnadas N.º 1, 6.º A Google Wikipédia Youtube História e Geografia de Portugal do 6.º ano O ESTADO NOVO E O 25 DE ABRIL