SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Escola E.B 2,3 Campo de Besteiros Título do trabalho:  A Revolução do 25 de Abril   Professor:  Jorge Almeida Data:  2009-06-03  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Introdução Neste trabalho vamos falar da Revolução de 25 de Abril de 1974, vamos responder a algumas questões tais como: -  O que foi o 25 de Abril? -  Quais foram as principais causas?  -  Quais os principais intervenientes? -  Como foi levado a cabo? -  Que consequências trouxe para o Pais?
A revolução de 25 de Abril
Porquê Cravos? Conta-se que se usaram cravos porque uma senhora num Hotel viu um soldado com uma arma e colocou-lhe um cravo na ponta da arma.
Antes do dia 25 de Abril de 1974, o nosso país vivia mergulhado na tristeza e no medo. Durante mais de 40 anos, quem governou Portugal até esse dia foi Salazar e, logo a seguir, Marcelo Caetano. Foi a ditadura. Não havia democracia, não se realizavam eleições livres e ficavam sempre os mesmos a mandar. As pessoas não tinham liberdade para dizer o que pensavam sobre o governo. Havia a PIDE, uma polícia política que vigiava, prendia e torturava quem tivesse ideias contrárias às do governo.  O que foi o 25 De Abril ?
Com o 25 de Abril, mudou muita coisa no nosso país: acabou a ditadura e começou a democracia. O povo português passou a ter liberdade porque aconteceu uma revolução,  a Revolução dos Cravos . O povo saiu à rua para comemorar a festa da Democracia, com os soldados que nos libertaram da Ditadura. Toda a gente se abraçava. Os soldados colocaram cravos nos canos das suas espingardas, simbolizando uma mudança pacífica de regime. Muitos distribuíam cravos vermelhos.  As pessoas gritavam  «O POVO UNIDO, JAMAIS SERÁ VENCIDO».
No dia 25 de Abril foi comemorado os 35 anos da Revolução dos Cravos que pôs fim ao período salazarista com a derrubada de Marcello Caetano. Portugal, hoje membro da União Europeia, era um país atrasado em relação ao continente. Angola, Moçambique e Guiné estavam em guerra de libertação da matriz desde os anos 60, além do desprestígio causado pelas conquistas de Goa, Damão e Diu pela Índia. Portugal era integrante da ONU e da OTAN, mesmo assim era condenado pelos seus aliados, inclusive, pela sua política colonialista e ditatorial.
Timor Leste e Macau tiveram percursos diferentes. Depois de muitos anos de luta armada e fortes pressões internacionais, a Indonésia concordou com a realização de um referendo para decidir o futuro de Timor Leste. Neste os timorenses votaram pela independência, ou seja não integração na Indonésia. Macau voltou  a ser território chinês em Dezembro de 1999, conforme o acordo estabelecido entre Portugal e a China.
Primeira página do  Jornal Diário de Notícias. Libertação de presos políticos Capitão Salgueiro Maia,  que chefiou os chefes militares.
General António de Spínola lendo o programa do MFA . Prisão de agentes da PIDE/DGS
A Junta de Salvação Nacional nomeou o general  Spínola  para exercer o cargo de  Presidente da República  até às eleições presidenciais. Spínola, por sua vez, indicou o professor e advogado  Adelino da Palma Carlos  para  chefe do governo provisório. O 1.º de Maio de 1974
O Regresso da Liberdade ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Cinco novos países africanos De acordo com o programa do Movimento das Forças Armadas, deveria procura-se uma solução negociada para a guerra colonial.  Logo em  Julho de 1974, o General Spínola, reconheceu o direito à independência dos povos africanos.   As negociações realizadas entre os representantes do governo Português e os representantes dos movimentos de luta pela independência das colónias permitiram que se fizesse a  descolonização:  o governo dos territórios africanos foi entregue a esses movimentos, tendo os militares portugueses regressado a Portugal, bem como muitos militares de civis (fig.1) Formaram-se , assim, cinco novos  países  independentes (fig.2) Angola e Moçambique apesar de terem conseguido a independência, não conseguiram alcançar a paz.
Poder Central
Principais intervenientes  Otelo Saraiva de Carvalho   Foi capitão em Angola de 1961 a 1963 e também na Guiné entre 1970 e 1973, sendo um dos principais dinamizadores do movimento de contestação ao Dec. Lei nº 353/73, que deu origem ao Movimento dos Capitães e ao MFA. Era o responsável pelo sector operacional da Comissão Coordenadora do MFA e foi ele quem dirigiu as operações do 25 de Abril, a partir do posto de comando clandestino instalado no Quartel da Pontinha.  Graduado em Brigadeiro, é nomeado Comandante da COPCON e Comandante da região militar de Lisboa a 13 de Julho de 1975.
Salgueiro  Maia   Militar de méritos reconhecidos, dotado de uma inteligência superior e de uma coragem e lealdade invulgares, dele se diz "ter sido o melhor de entre os melhores dos corajosos e generosos Militares de Abril". Faleceu em Santarém, a 3 de Abril de 1992, vítima de cancro.
Vasco Correia Lourenço   Ingressou na Academia Militar em 1960. Pertenceu à Arma de Infantaria. Combateu na Guerra Colonial, tendo cumprido uma comissão militar na Guiné de 1969 a 71. No dia 25 de Abril de 1974 era capitão nos Açores. Membro activo do Movimento dos Capitães, pertenceu à Comissão política do MFA. Nesta condição foi nomeado para o Conselho de Estado.
Melo Antunes   Capitão em 1961, passa a major em 1972. Co-autor e principal redactor do programa do MFA, pertenceu à sua comissão coordenadora depois de 25 de Abril de 1974. Foi várias vezes ministro nos governos provisórios. Negociou a independência da Guiné-Bissau e fez parte do Conselho dos Vinte, órgão do MFA antes do período constitucional, do Conselho da Revolução, e do Conselho de Estado. Notabilizou-se ainda por ter participado activamente na elaboração do Programa de Acção Política e Económica (Dez. de 1974) e do Documento dos Nove , conhecido como documento Melo Antunes.
António de Spínola   Na Guiné-Bissau, experimenta uma orientação inovadora como comandante-chefe e governador (1968-1973) : notabilizou-se aqui pela política de tentativa de integração social que empreendeu. Como vice-chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (1974), foi exonerado devido à publicação do livro “Portugal e o Futuro”, em que punha em causa a política colonial do governo de Marcelo Caetano. Após o golpe militar de 25 de Abril de 1974, a Junta de Salvação Nacional elegeu-o para Presidente da República (1974), tendo-se demitido em Setembro desse ano.
Marcelo Caetano   Era comissário nacional da Mocidade Portuguesa, ministro das Colónias e presidente da Câmara Corporativa. Em 1968 devido a doença súbita de Salazar, ocupou o cargo de ministro da Presidência do Conselho até à revolução de 25 de Abril de 1974. Deixou vasta obra publicada, não só no âmbito do direito administrativo e corporativo, como no da investigação histórica. Morreu exilado no Brasil em 1980.
Depois de pensarem e conversarem, os militares resolveram que o dia da liberdade seria a 25 de Abril.  Foi o seguinte: no dia 24 de Abril, às 22h55, a Rádio Renascença transmitiu a canção de Paulo de Carvalho: « E Depois do   Adeus » o que não despertou qualquer suspeita. Mas, na verdade, era o sinal combinado, que significava:  tudo a postos, preparem-se!   À meia noite e vinte cinco minutos do dia 25 a Rádio voltou a transmitir outro sinal: a canção « Grândola, Vila Morena » de Zeca Afonso. Este sinal tinha como significado que era a hora, de  os soldados avançarem . E assim os soldados surpreenderam tudo e todos quando entraram em Lisboa.  Como foi levada a Cabo?
QUE CONSEQUÊNCIAS TROUXE PARA O PAÍS?  O país teve que tomar medidas, isto é, foram criados novos partidos políticos, o que deu origem a alguma instabilidade política .
Conclusão Gostámos muito de realizar este trabalho, foi muito instrutivo e aprendemos muito com a sua realização. Espero que tenham gostado e aprendido tanto com ele como nós.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoPaula Morgado
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilCéu Silva
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3Jorge Almeida
 
O antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de AbrilO antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de AbrilJorge Coelho
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaInês e Beatriz
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novocattonia
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilceufaias
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado NovoCarlos Vieira
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novobandeirolas
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2Jorge Almeida
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoRui Nobre
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilI.Braz Slideshares
 

Mais procurados (20)

Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abril
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
O antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de AbrilO antes e o depois do 25 de Abril
O antes e o depois do 25 de Abril
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 
Apresentação A Primavera Marcelista
Apresentação A Primavera MarcelistaApresentação A Primavera Marcelista
Apresentação A Primavera Marcelista
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Guerra Colonial
Guerra ColonialGuerra Colonial
Guerra Colonial
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 

Semelhante a A Revolução de 25 de Abril de 1974

A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abriloalvarinho
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01becastanheiradepera
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilAEDFL
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)adelaide1970
 
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosYoublisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosLurdes Trindade
 
Capitaes de abril demo at pt
Capitaes de abril   demo at ptCapitaes de abril   demo at pt
Capitaes de abril demo at pttomascm1
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abrilpief2
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de AbrilMINV
 
25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]Ana Sêco
 
25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptxJoaoVaz26
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilisabel_boia
 

Semelhante a A Revolução de 25 de Abril de 1974 (20)

A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Capitães avril
Capitães avrilCapitães avril
Capitães avril
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abril
 
8 b grp08_trab1
8 b grp08_trab18 b grp08_trab1
8 b grp08_trab1
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
 
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosYoublisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08
 
Capitaes de abril demo at pt
Capitaes de abril   demo at ptCapitaes de abril   demo at pt
Capitaes de abril demo at pt
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
25 abril
25 abril 25 abril
25 abril
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
25 De Abril
25 De Abril25 De Abril
25 De Abril
 
25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
 
25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx25 De Abril De 1974.pptx
25 De Abril De 1974.pptx
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 

Mais de Jorge Almeida

Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novoJorge Almeida
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseuJorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilJorge Almeida
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilJorge Almeida
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]Jorge Almeida
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaJorge Almeida
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpJorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaJorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaJorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaVisita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaJorge Almeida
 
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"Jorge Almeida
 
Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...
Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...
Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...Jorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 
Visita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a LisboaVisita de estudo a Lisboa
Visita de estudo a Lisboa
 
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
Cartaz "Diálogos sobre a sexualidade"
 
Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...
Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...
Cartaz (verde) de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 d...
 

Último

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

A Revolução de 25 de Abril de 1974

  • 1.
  • 2. Introdução Neste trabalho vamos falar da Revolução de 25 de Abril de 1974, vamos responder a algumas questões tais como: - O que foi o 25 de Abril? - Quais foram as principais causas? - Quais os principais intervenientes? - Como foi levado a cabo? - Que consequências trouxe para o Pais?
  • 3. A revolução de 25 de Abril
  • 4. Porquê Cravos? Conta-se que se usaram cravos porque uma senhora num Hotel viu um soldado com uma arma e colocou-lhe um cravo na ponta da arma.
  • 5. Antes do dia 25 de Abril de 1974, o nosso país vivia mergulhado na tristeza e no medo. Durante mais de 40 anos, quem governou Portugal até esse dia foi Salazar e, logo a seguir, Marcelo Caetano. Foi a ditadura. Não havia democracia, não se realizavam eleições livres e ficavam sempre os mesmos a mandar. As pessoas não tinham liberdade para dizer o que pensavam sobre o governo. Havia a PIDE, uma polícia política que vigiava, prendia e torturava quem tivesse ideias contrárias às do governo. O que foi o 25 De Abril ?
  • 6. Com o 25 de Abril, mudou muita coisa no nosso país: acabou a ditadura e começou a democracia. O povo português passou a ter liberdade porque aconteceu uma revolução, a Revolução dos Cravos . O povo saiu à rua para comemorar a festa da Democracia, com os soldados que nos libertaram da Ditadura. Toda a gente se abraçava. Os soldados colocaram cravos nos canos das suas espingardas, simbolizando uma mudança pacífica de regime. Muitos distribuíam cravos vermelhos. As pessoas gritavam «O POVO UNIDO, JAMAIS SERÁ VENCIDO».
  • 7. No dia 25 de Abril foi comemorado os 35 anos da Revolução dos Cravos que pôs fim ao período salazarista com a derrubada de Marcello Caetano. Portugal, hoje membro da União Europeia, era um país atrasado em relação ao continente. Angola, Moçambique e Guiné estavam em guerra de libertação da matriz desde os anos 60, além do desprestígio causado pelas conquistas de Goa, Damão e Diu pela Índia. Portugal era integrante da ONU e da OTAN, mesmo assim era condenado pelos seus aliados, inclusive, pela sua política colonialista e ditatorial.
  • 8. Timor Leste e Macau tiveram percursos diferentes. Depois de muitos anos de luta armada e fortes pressões internacionais, a Indonésia concordou com a realização de um referendo para decidir o futuro de Timor Leste. Neste os timorenses votaram pela independência, ou seja não integração na Indonésia. Macau voltou a ser território chinês em Dezembro de 1999, conforme o acordo estabelecido entre Portugal e a China.
  • 9. Primeira página do Jornal Diário de Notícias. Libertação de presos políticos Capitão Salgueiro Maia, que chefiou os chefes militares.
  • 10. General António de Spínola lendo o programa do MFA . Prisão de agentes da PIDE/DGS
  • 11. A Junta de Salvação Nacional nomeou o general Spínola para exercer o cargo de Presidente da República até às eleições presidenciais. Spínola, por sua vez, indicou o professor e advogado Adelino da Palma Carlos para chefe do governo provisório. O 1.º de Maio de 1974
  • 12.
  • 13. Cinco novos países africanos De acordo com o programa do Movimento das Forças Armadas, deveria procura-se uma solução negociada para a guerra colonial. Logo em Julho de 1974, o General Spínola, reconheceu o direito à independência dos povos africanos. As negociações realizadas entre os representantes do governo Português e os representantes dos movimentos de luta pela independência das colónias permitiram que se fizesse a descolonização: o governo dos territórios africanos foi entregue a esses movimentos, tendo os militares portugueses regressado a Portugal, bem como muitos militares de civis (fig.1) Formaram-se , assim, cinco novos países independentes (fig.2) Angola e Moçambique apesar de terem conseguido a independência, não conseguiram alcançar a paz.
  • 15. Principais intervenientes Otelo Saraiva de Carvalho Foi capitão em Angola de 1961 a 1963 e também na Guiné entre 1970 e 1973, sendo um dos principais dinamizadores do movimento de contestação ao Dec. Lei nº 353/73, que deu origem ao Movimento dos Capitães e ao MFA. Era o responsável pelo sector operacional da Comissão Coordenadora do MFA e foi ele quem dirigiu as operações do 25 de Abril, a partir do posto de comando clandestino instalado no Quartel da Pontinha. Graduado em Brigadeiro, é nomeado Comandante da COPCON e Comandante da região militar de Lisboa a 13 de Julho de 1975.
  • 16. Salgueiro Maia Militar de méritos reconhecidos, dotado de uma inteligência superior e de uma coragem e lealdade invulgares, dele se diz "ter sido o melhor de entre os melhores dos corajosos e generosos Militares de Abril". Faleceu em Santarém, a 3 de Abril de 1992, vítima de cancro.
  • 17. Vasco Correia Lourenço Ingressou na Academia Militar em 1960. Pertenceu à Arma de Infantaria. Combateu na Guerra Colonial, tendo cumprido uma comissão militar na Guiné de 1969 a 71. No dia 25 de Abril de 1974 era capitão nos Açores. Membro activo do Movimento dos Capitães, pertenceu à Comissão política do MFA. Nesta condição foi nomeado para o Conselho de Estado.
  • 18. Melo Antunes Capitão em 1961, passa a major em 1972. Co-autor e principal redactor do programa do MFA, pertenceu à sua comissão coordenadora depois de 25 de Abril de 1974. Foi várias vezes ministro nos governos provisórios. Negociou a independência da Guiné-Bissau e fez parte do Conselho dos Vinte, órgão do MFA antes do período constitucional, do Conselho da Revolução, e do Conselho de Estado. Notabilizou-se ainda por ter participado activamente na elaboração do Programa de Acção Política e Económica (Dez. de 1974) e do Documento dos Nove , conhecido como documento Melo Antunes.
  • 19. António de Spínola Na Guiné-Bissau, experimenta uma orientação inovadora como comandante-chefe e governador (1968-1973) : notabilizou-se aqui pela política de tentativa de integração social que empreendeu. Como vice-chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (1974), foi exonerado devido à publicação do livro “Portugal e o Futuro”, em que punha em causa a política colonial do governo de Marcelo Caetano. Após o golpe militar de 25 de Abril de 1974, a Junta de Salvação Nacional elegeu-o para Presidente da República (1974), tendo-se demitido em Setembro desse ano.
  • 20. Marcelo Caetano Era comissário nacional da Mocidade Portuguesa, ministro das Colónias e presidente da Câmara Corporativa. Em 1968 devido a doença súbita de Salazar, ocupou o cargo de ministro da Presidência do Conselho até à revolução de 25 de Abril de 1974. Deixou vasta obra publicada, não só no âmbito do direito administrativo e corporativo, como no da investigação histórica. Morreu exilado no Brasil em 1980.
  • 21. Depois de pensarem e conversarem, os militares resolveram que o dia da liberdade seria a 25 de Abril. Foi o seguinte: no dia 24 de Abril, às 22h55, a Rádio Renascença transmitiu a canção de Paulo de Carvalho: « E Depois do Adeus » o que não despertou qualquer suspeita. Mas, na verdade, era o sinal combinado, que significava: tudo a postos, preparem-se! À meia noite e vinte cinco minutos do dia 25 a Rádio voltou a transmitir outro sinal: a canção « Grândola, Vila Morena » de Zeca Afonso. Este sinal tinha como significado que era a hora, de os soldados avançarem . E assim os soldados surpreenderam tudo e todos quando entraram em Lisboa. Como foi levada a Cabo?
  • 22. QUE CONSEQUÊNCIAS TROUXE PARA O PAÍS? O país teve que tomar medidas, isto é, foram criados novos partidos políticos, o que deu origem a alguma instabilidade política .
  • 23. Conclusão Gostámos muito de realizar este trabalho, foi muito instrutivo e aprendemos muito com a sua realização. Espero que tenham gostado e aprendido tanto com ele como nós.