SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
2° ANO ENSINO MÉDIO.

PROCESSOS DE INDEPENDÊNCIA
       NA AMÉRICA.
• Entre 1607 e 1733, as Treze Colônias tiveram
  como base de ocupação do território a iniciativa
  privada.
• População bastante diferenciada:
   – Grupos religiosos buscando liberdade de culto (os
     peregrinos);
   – Órfãos, mulheres, homens pobres...
• Território com clima e geografia distintos.
   – As colônias de povoamento e de exploração não
     refletiram um projeto especifico de ocupação do
     território pela Inglaterra.
EDUCAÇÃO:
 UMA PREOCUPAÇÃO DOS COLONOS!
• Desenvolvimento Cultural:
• Principalmente pelo fato do interesse nos
  protestantes em ler a bíblia.
• Leis regulamentavam a oferta da educação
  (Massachussetts, 1647).
• A educação formal superava as colônias Ibéricas.
• As         inúmeras           variações       do
  protestantismo, também contribuíram para o
  desenvolvimento de um pensamento autônomo
  nas colônias.
• Norte: Liberdade econômica!
  – Em função do clima, dificilmente poderiam
    produzir produtos para o comércio exterior.
  – Apostou no comércio interno e na produção
    familiar.
  – Fabricação de navios e sua utilização no comércio
    triangular (Antilhas – África – América).
• Sul:
  – Com clima mais quente, a produção de produtos
    tropicais foi favorecida.
• Quando a metrópole passou a tentar manter uma ação
  mais efetiva de controle colonial, com leis, taxas e
  impostos, os colonos questionaram o cerceamento de
  suas liberdades e a possibilidade de escravização da
  América pela Inglaterra.

   – As colônias eram uma forma de ajustar os altos custos por
     causa de envolvimento em conflitos com outras nações
     européias no fim do séc. XVII e o séc. XVIII
      • a Guerra dos Sete Anos (1756 – 1763)

   – Desenvolvimento da indústria inglesa e a necessidade de
     matérias-primas e mercado consumidor.
• As     medidas      impostas   pela Coroa
  representavam        a submissão a formas
  autoritárias de governo e eram investidas
  contra a liberdade.

• Para os ingleses, a reação dos colonos foi
  exagerada, considerando que as taxações
  impostas às colônias se revertiam em
  benefícios para as mesmas.
• Como o Sul era ligado ao mercado externo de
  gêneros tropicais, as elites resistiam à separação
  com medo de um conflito em que escravizados e
  pobres entendessem que os ideais de liberdade
  se aplicavam a eles.

  – Essas diferenças se intensificaram com a Guerra Civil
    (1861-1865).

• O movimento ganhou força com a aplicação de
  medidas consideradas destrutivas à colônia.
Principais leis impostas a Inglaterra às
              Treze Colônias:

• Em 1764, a chamada Lei do Açúcar :
  – obrigava os colonos a pagar uma taxa adicional sob
    qualquer carregamento de açúcar que não
    pertencesse às colônias britânicas.
• 1765 a Lei do Selo:
  – exigia a compra de um selo presente em todos os
    documentos que circulassem pelo território.
• Já em 1773, a Lei do Chá:
  – obrigava a colônia a consumir somente o chá oriundo
    das embarcações britânicas.
MOVIMENTO SEPARATISTA:
• Ações:
  – Boicote aos produtos ingleses;
  – Não cumprimento das leis metropolitanas;
  – Reações por meios da imprensa;
  – Assembleias.
MOVIMENTO SEPARATISTA:
• Em dezembro de 1773, organizaram uma revolta contra o
  monopólio do chá que ficou conhecida como Boston Tea Party.
   – Intransigente aos protestos coloniais, a Inglaterra decidiu fechar o porto
     de Boston (local da revolta) e impor as chamadas Leis Intoleráveis.

• No ano seguinte, reunidos no Primeiro Congresso da Filadélfia,
  os colonos redigiram um documento exigindo o fim das exigências
  metropolitanas.
   – Ao mesmo tempo que prestavam lealdade ao rei, os colonos
     protestavam contra as medidas da colônia.

• No Segundo Congresso da Filadélfia, ocorrido em 4 de julho de
  1776, os colonos resolveram romper definitivamente com a
  Inglaterra, proclamando a sua Independência.

• Não reconhecendo as resoluções do Congresso da Filadélfia, a
  Inglaterra entrou em conflito contras as 13 colônias.
   – Esses confrontos marcaram a chamada Guerra de Independência das
     Treze colônias. Apoiados pelos franceses, inimigos históricos da
     Inglaterra, as Treze Colônias venceram a guerra, tendo sua
     independência reconhecida em 1783 pelo tratado de Paris.
A Festa do Chá de Boston (em inglês: Boston Tea Party) foi uma ação de protesto
executada pelos colonos ingleses na América contra o governo britânico, no qual
destruíram muitos caixotes de chá pertencentes à Companhia Britânica das Índias
Orientais atirando-os às águas do Porto de Boston. O incidente ocorreu em 16 de
Dezembro de 1773.
EUA independente:
 • Adotando um sistema político republicano e
 federalista, os Estados Unidos promulgaram sua carta
 constitucional em 1787.
• Os ideais de liberdade e
  prosperidade defendidos pelos
  fundadores da república norte-
  americana não refletiam a situação
  dispares dos estados do Norte e do
  Sul.

   – Tais diferenças acabaram por
     promover um conflito interno, que
     ficou conhecido como Guerra de
     Secessão.
EUA independente:
• Nos recém-criados Estados Unidos da
  América, a elite iniciava um trabalho de
  construção de símbolos e de uma identidade
  para o novo país republicano.

• Para a maioria pobre da população branca, os
  escravizados e os indígenas, a independência
  não representou melhoria concreta.
PROCESSOS DE INDEPENDÊNCIA
  NA AMÉRICA ESPANHOLA.
CONTEXTO
• Mudanças no século XVIII
   – Crescimento Demográfico;
   – Crescimento na Produção;
   – Crescimento do comércio internacional.

• Portugal e Espanha não dominavam mais o comércio
  colonial, Inglaterra e França participavam ativamente
  deste comércio.

   – Junto dos produtos, vinham ideias que fomentavam a
     busca de emancipação política dos vice-reinos coloniais.
CONTEXTO EUROPEU
• Política expansionista de Napoleão Bonaparte:
   – Debilidade do governo espanhol.
   – Entre 1808 e 1813, a Espanha esteve ocupada pela
     França, no trono estava José Bonaparte, irmão de
     Napoleão.

• Capitalismo Industrial X Sistema Colonial:
   – Trabalho assalariado X trabalho escravo.
   – O capitalismo industrial confrontava as barreiras impostas
     pelo colonialismo;
   – Para que os donos de pudessem ampliar a venda de seus
     produtos para regiões distantes, era necessário a
     existência de mercados livres.
CRISE DO SISTEMA COLONIAL
• Resultado de uma série de fatores decorrentes do
  próprio processo de colonização.
   – Ascensão de classes sociais no nível econômico, refletindo
     na política.

• Um sociedade com interesses comerciais diferentes
  da metrópole.
   – Relações comerciais começam a entrar em choque com as
     barreiras criadas pelo exclusivo colonial.

• Influência da ideias iluministas.
   – A independência não significou o fim do trabalho escravo
     ou o fim do latifúndio, mas a ascensão e a consolidação
     política de uma elite colonial (Criollos).
LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA
• Por meio de várias revoltas emancipacionistas,
  ocorridas entre 1810 e 1828, diversas áreas da América
  espanhola foram conquistando sua independência
  política.

• México (1821)
   – Desde 1810, os padres Miguel Hidalgo e, posteriormente,
     José Morellos lideraram tropas de camponeses pobres que
     lutavam por mudanças sociais e pela independência
     política.
   – 1821 o general Agostinho Itúrbide (militar que combatia os
     rebeldes) traiu o governo espanhol e se proclamou
     imperador. Em 1823 foi derrubado por republicanos.
LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA
• Do México, a luta pela independência se
  espalhou pela América Central. No final desse
  processo, formaram-se na região as Províncias
  Unidas                    Centro-Americanas
  que, posteriormente, fragmentaram-se em
  diversos países:
  – Guatemala, Honduras, Costa Rica, El Salvador.
LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA
• AMÉRICA DO SUL:
  – Simón Bolivar (1778-1830):
     • Sonhou com uma nação forte e soberana na
       AméricaLatina.
     • Junto do venezuelano Antônio José de Sucre,
       liderou o movimento e organizou um exército
       popular.
     • Considerado o libertador da Venezuela, da
       Colômbia, do Equador, da Bolívia e do Peru
       (junto com San Martín).
  – San Martín (1778-1850):
     • Comandou um exército contra as forças
       espanholas, obtendo importantes vitórias nas
       regiões sul e central da América do Sul.
     • É considerado o libertador da Argentina, do
       Chile e do Peru.
LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA
• Haiti (1825).
• Colônia francesa produtora de açúcar.
• Exceção ao processo de independência pelo
  seu caráter de luta étnica.
  – Em 1791 eclodiu a revolução.
  – Liderança de Toussaint Louverture e Jean-Jaques
    Dessalines.
  – As lutas de independência foram lideradas pelos
    escravos (disputa que opôs negros e brancos).
LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA

      • Movimentos revolucionários
        => Fragmentação do território em
          inúmeros países.
      • Países (in)dependentes!!
        – Pois agora dependiam das
          nações industrializadas.
        – O poder passou para as elites
          locais coloniais.
América Portuguesa:
Processo de Independência.
A Família Real no Brasil
• A vinda ocorreu em virtude da luta entre França e
  Inglaterra.
  – Como não conseguiu vencer os ingleses pelas
    armas, decretou o Bloqueio Continental (1806).

• O Bloqueio deixou Portugal numa situação
  delicada, pois dependia economicamente da
  Inglaterra.
  – A saída acabou sendo a transferência da Família Real
    para o Brasil.
Cândido Portinari – Painel: A Chegada da Família Real Portuguesa à Bahia (1953).
Administração Joanina no Brasil:
• Em 28 de Janeiro de 1808, D. João VI decretou
  a abertura dos portos às nações amigas.
  – Independência econômica do Brasil em relação a
    Portugal.
  – Grande alívio para a economia inglesa (sufocada
    pelo Bloqueio Continental).
• 1810 -> D. João VI assinou o Tratado de
  Aliança e Amizade, Comércio e Navegação.
Tratado de Aliança e Amizade,
     Comércio e Navegação (1810).
• Plena liberdade religiosa para os ingleses aqui
  residentes;
• Ingleses seriam julgados por juízes ingleses;
• O Governo português se comprometia em abolir
  gradualmente a escravidão;

• Novas taxas alfandegárias:
   – Produtos ingleses pagariam 15%
   sobre os seus produtos;
   – Portugueses pagariam 16%;
   – Demais nacionalidades 24%.
Administração Joanina no Brasil:
• Criou:
  –    a Imprensa Régia,
  –   Academia Real Militar,
  –   A Biblioteca Pública,
  –   O Banco do Brasil,
  –   O Jardim Botânico,
  –   Trouxe uma Missão Artística liderada pelo pintor
      francês Debret (1816),
       • Buscava “civilizar” a colônia.
  – Em 1815 elevou o Brasil a condição de Reino Unido.
       • Buscando fortalecer a presença de Portugal no Congresso de
         Viena.
  – Invadiu a Guiana Francesa e anexou a Província
    Cisplatina.
Revolução Pernambucana (1817).
• Causas:
   – Decadência econômica de Pernambuco.
        • Seca em 1816 e queda na produção do algodão e na exportação de açúcar.
   – Altos impostos (destinados a Corte portuguesa no Rio de Janeiro).
   – Privilégio aos comerciantes portugueses.

• Rebeldes tomam o poder por dois meses.
   –   Proclamação a República de Pernambuco.
   –   Liberdade de expressão e religiosa.
   –   Permanência da escravidão.
   –   Buscaram apoio de províncias vizinhas, dos EUA, Inglaterra e
       Argentina.
• Influência da Maçonaria.
• Repressão impiedosa da Coroa, instalada no Rio de Janeiro.
1820 -> Revolução do Porto
• Burguesia influenciada        pelas    ideias   liberais   da
  Revolução Francesa;

• Foi instalada uma monarquia constitucional baseada
  nas Cortes Constituintes;
   – Funcionavam como um parlamento.
   – Obrigavam D. João VI a voltar a Portugal e a jurar lealdade
     à Constituição recém-promulgada.

• Eram claras a intenções do novo governo lusitano em
  recolonizar o Brasil e também a volta de D. Pedro à
  Europa.
Dia do Fico!
• Formou-se em torno de D. Pedro um grupo de
  políticos que defendiam a manutenção do
  status do Brasil de Reino Unido a Portugal.
• Em 09 de janeiro de 1822, D. Pedro anuncia a
  decisão de ficar no Brasil.
PANORAMA POLÍTICO
• José Bonifácio de Andrade da Silva.
   – Principal pai ideológico da
   independência do Brasil.
   – Considerado o Patriarca da
   Independência.

• Partido Português:
   – Conservador, pretendia restabelecer o monopólio português.
• Partido Brasileiro
   – Apoiava a independência com a manutenção de D. Pedro no
     poder.
• Partido Liberal:
   – Formado pelas camadas médias urbanas, defendiam a
     implantação de uma república democrática (ou até a
     possibilidade de uma monarquia constitucional).
A INDEPENDÊNCIA
• Em Março de 1822, Sessão das Cortes de Lisboa.
   – Os deputados brasileiros não tinham força necessária para
     impedir as medidas aprovadas em relação ao Brasil

• Em 3 de junho de 1822, D. Pedro recusou fidelidade à
  Constituição portuguesa e convocou a primeira
  Assembleia Constituinte brasileira.
• Em 1° de Agosto, ele declarou inimigas as tropas
  portugueses que desembarcassem no Brasil.

• Manifesto das Nações Amigas:
   – justificava o rompimento com as cortes de Lisboa e
     garantindo a independência do país, como reino irmão de
     Portuga
A INDEPENDÊNCIA
• Resposta portuguesa: Anulam a convocação da
  Assembleia Constituinte brasileira,
   – Ameaçam a enviar tropas,
   – Exigem o retorno do príncipe Regente.
• AO RECEBER TAIS EXIGÊNCIAS, EM 07 DE SETEMBRO
  DE 1822 PROCLAMA A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL.
   – 12 de outubro -> aclamado Imperador;
   – 1° de dezembro -> foi coroado e recebeu o título de D.
     Pedro I.
• O reconhecimento oficial da independência pelo
  governo português só veio em 1825, quando D. João VI
  assinou o Tratado de Paz e Aliança entre Portugal e
  Brasil.
Independência do Brasil, de François-René Moreaux (1844)
Grito do Ipiranga – Pedro Américo, 1888.
NOVO PAÍS, POUCAS MUDANÇAS
• Sociedade       permaneceu     dividida   entre
  latifundiários, camadas médias urbanas, homens
  livres pobres e escravizados.

• A subordinação econômica à Inglaterra.

• Exportação, com base na grande propriedade
  rural, monocultura e escravista, mantiveram-se
  como modelo econômico durante o Império.
História
Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup
    BLOG: profhistdaniel.blogspot.com
         @danielbronstrup

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Isaquel Silva
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaMarcos Oliveira
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesaJanayna Lira
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.Privada
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Nefer19
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo ReinadoDaniel Alves Bronstrup
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)Nefer19
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918Daniel Alves Bronstrup
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haitihistoriando
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da repúblicaFabiana Tonsis
 
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra MundialImperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra MundialDouglas Barraqui
 

Mais procurados (20)

Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra MundialImperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
 

Semelhante a 2° ano - Processos de Independência na América

2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx
2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx
2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptxRobsonCamposdeAbreu
 
Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911fioravanti_silvia
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA Isabel Aguiar
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colôniasProfessoresColeguium
 
Crise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonialCrise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonialUelder Santos
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3DiedNuenf
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaNelia Salles Nantes
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasFatima Freitas
 
2˚ano independência eua cap28
2˚ano  independência eua cap282˚ano  independência eua cap28
2˚ano independência eua cap28Kerol Brombal
 
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xixAula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xixJonatas Carlos
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaNelia Salles Nantes
 
Independência das treze colônias inglesas
Independência das treze colônias inglesasIndependência das treze colônias inglesas
Independência das treze colônias inglesasLeonardo Caputo
 
A independência americana
A independência americanaA independência americana
A independência americanaBeatriz Dantas
 

Semelhante a 2° ano - Processos de Independência na América (20)

2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx
2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx
2ano-processosdeindependncianaamrica-120604203954-phpapp01.pptx
 
Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911Historiadaamerica2185200917911
Historiadaamerica2185200917911
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colônias
 
Crise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonialCrise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonial
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3
 
Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7
 
Independências americanas
Independências americanasIndependências americanas
Independências americanas
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
2˚ano independência eua cap28
2˚ano  independência eua cap282˚ano  independência eua cap28
2˚ano independência eua cap28
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xixAula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
23092016112747239.pdf
23092016112747239.pdf23092016112747239.pdf
23092016112747239.pdf
 
Independência das treze colônias inglesas
Independência das treze colônias inglesasIndependência das treze colônias inglesas
Independência das treze colônias inglesas
 
A independência americana
A independência americanaA independência americana
A independência americana
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup

3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasilDaniel Alves Bronstrup
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinadoDaniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e RevoltasDaniel Alves Bronstrup
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIXDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.Daniel Alves Bronstrup
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.Daniel Alves Bronstrup
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev InglesaDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.Daniel Alves Bronstrup
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup (20)

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
 

2° ano - Processos de Independência na América

  • 1. 2° ANO ENSINO MÉDIO. PROCESSOS DE INDEPENDÊNCIA NA AMÉRICA.
  • 2. • Entre 1607 e 1733, as Treze Colônias tiveram como base de ocupação do território a iniciativa privada. • População bastante diferenciada: – Grupos religiosos buscando liberdade de culto (os peregrinos); – Órfãos, mulheres, homens pobres... • Território com clima e geografia distintos. – As colônias de povoamento e de exploração não refletiram um projeto especifico de ocupação do território pela Inglaterra.
  • 3.
  • 4. EDUCAÇÃO: UMA PREOCUPAÇÃO DOS COLONOS! • Desenvolvimento Cultural: • Principalmente pelo fato do interesse nos protestantes em ler a bíblia. • Leis regulamentavam a oferta da educação (Massachussetts, 1647). • A educação formal superava as colônias Ibéricas. • As inúmeras variações do protestantismo, também contribuíram para o desenvolvimento de um pensamento autônomo nas colônias.
  • 5. • Norte: Liberdade econômica! – Em função do clima, dificilmente poderiam produzir produtos para o comércio exterior. – Apostou no comércio interno e na produção familiar. – Fabricação de navios e sua utilização no comércio triangular (Antilhas – África – América). • Sul: – Com clima mais quente, a produção de produtos tropicais foi favorecida.
  • 6. • Quando a metrópole passou a tentar manter uma ação mais efetiva de controle colonial, com leis, taxas e impostos, os colonos questionaram o cerceamento de suas liberdades e a possibilidade de escravização da América pela Inglaterra. – As colônias eram uma forma de ajustar os altos custos por causa de envolvimento em conflitos com outras nações européias no fim do séc. XVII e o séc. XVIII • a Guerra dos Sete Anos (1756 – 1763) – Desenvolvimento da indústria inglesa e a necessidade de matérias-primas e mercado consumidor.
  • 7. • As medidas impostas pela Coroa representavam a submissão a formas autoritárias de governo e eram investidas contra a liberdade. • Para os ingleses, a reação dos colonos foi exagerada, considerando que as taxações impostas às colônias se revertiam em benefícios para as mesmas.
  • 8. • Como o Sul era ligado ao mercado externo de gêneros tropicais, as elites resistiam à separação com medo de um conflito em que escravizados e pobres entendessem que os ideais de liberdade se aplicavam a eles. – Essas diferenças se intensificaram com a Guerra Civil (1861-1865). • O movimento ganhou força com a aplicação de medidas consideradas destrutivas à colônia.
  • 9. Principais leis impostas a Inglaterra às Treze Colônias: • Em 1764, a chamada Lei do Açúcar : – obrigava os colonos a pagar uma taxa adicional sob qualquer carregamento de açúcar que não pertencesse às colônias britânicas. • 1765 a Lei do Selo: – exigia a compra de um selo presente em todos os documentos que circulassem pelo território. • Já em 1773, a Lei do Chá: – obrigava a colônia a consumir somente o chá oriundo das embarcações britânicas.
  • 10. MOVIMENTO SEPARATISTA: • Ações: – Boicote aos produtos ingleses; – Não cumprimento das leis metropolitanas; – Reações por meios da imprensa; – Assembleias.
  • 11. MOVIMENTO SEPARATISTA: • Em dezembro de 1773, organizaram uma revolta contra o monopólio do chá que ficou conhecida como Boston Tea Party. – Intransigente aos protestos coloniais, a Inglaterra decidiu fechar o porto de Boston (local da revolta) e impor as chamadas Leis Intoleráveis. • No ano seguinte, reunidos no Primeiro Congresso da Filadélfia, os colonos redigiram um documento exigindo o fim das exigências metropolitanas. – Ao mesmo tempo que prestavam lealdade ao rei, os colonos protestavam contra as medidas da colônia. • No Segundo Congresso da Filadélfia, ocorrido em 4 de julho de 1776, os colonos resolveram romper definitivamente com a Inglaterra, proclamando a sua Independência. • Não reconhecendo as resoluções do Congresso da Filadélfia, a Inglaterra entrou em conflito contras as 13 colônias. – Esses confrontos marcaram a chamada Guerra de Independência das Treze colônias. Apoiados pelos franceses, inimigos históricos da Inglaterra, as Treze Colônias venceram a guerra, tendo sua independência reconhecida em 1783 pelo tratado de Paris.
  • 12. A Festa do Chá de Boston (em inglês: Boston Tea Party) foi uma ação de protesto executada pelos colonos ingleses na América contra o governo britânico, no qual destruíram muitos caixotes de chá pertencentes à Companhia Britânica das Índias Orientais atirando-os às águas do Porto de Boston. O incidente ocorreu em 16 de Dezembro de 1773.
  • 13. EUA independente: • Adotando um sistema político republicano e federalista, os Estados Unidos promulgaram sua carta constitucional em 1787. • Os ideais de liberdade e prosperidade defendidos pelos fundadores da república norte- americana não refletiam a situação dispares dos estados do Norte e do Sul. – Tais diferenças acabaram por promover um conflito interno, que ficou conhecido como Guerra de Secessão.
  • 14. EUA independente: • Nos recém-criados Estados Unidos da América, a elite iniciava um trabalho de construção de símbolos e de uma identidade para o novo país republicano. • Para a maioria pobre da população branca, os escravizados e os indígenas, a independência não representou melhoria concreta.
  • 15. PROCESSOS DE INDEPENDÊNCIA NA AMÉRICA ESPANHOLA.
  • 16. CONTEXTO • Mudanças no século XVIII – Crescimento Demográfico; – Crescimento na Produção; – Crescimento do comércio internacional. • Portugal e Espanha não dominavam mais o comércio colonial, Inglaterra e França participavam ativamente deste comércio. – Junto dos produtos, vinham ideias que fomentavam a busca de emancipação política dos vice-reinos coloniais.
  • 17. CONTEXTO EUROPEU • Política expansionista de Napoleão Bonaparte: – Debilidade do governo espanhol. – Entre 1808 e 1813, a Espanha esteve ocupada pela França, no trono estava José Bonaparte, irmão de Napoleão. • Capitalismo Industrial X Sistema Colonial: – Trabalho assalariado X trabalho escravo. – O capitalismo industrial confrontava as barreiras impostas pelo colonialismo; – Para que os donos de pudessem ampliar a venda de seus produtos para regiões distantes, era necessário a existência de mercados livres.
  • 18. CRISE DO SISTEMA COLONIAL • Resultado de uma série de fatores decorrentes do próprio processo de colonização. – Ascensão de classes sociais no nível econômico, refletindo na política. • Um sociedade com interesses comerciais diferentes da metrópole. – Relações comerciais começam a entrar em choque com as barreiras criadas pelo exclusivo colonial. • Influência da ideias iluministas. – A independência não significou o fim do trabalho escravo ou o fim do latifúndio, mas a ascensão e a consolidação política de uma elite colonial (Criollos).
  • 19.
  • 20. LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA • Por meio de várias revoltas emancipacionistas, ocorridas entre 1810 e 1828, diversas áreas da América espanhola foram conquistando sua independência política. • México (1821) – Desde 1810, os padres Miguel Hidalgo e, posteriormente, José Morellos lideraram tropas de camponeses pobres que lutavam por mudanças sociais e pela independência política. – 1821 o general Agostinho Itúrbide (militar que combatia os rebeldes) traiu o governo espanhol e se proclamou imperador. Em 1823 foi derrubado por republicanos.
  • 21. LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA • Do México, a luta pela independência se espalhou pela América Central. No final desse processo, formaram-se na região as Províncias Unidas Centro-Americanas que, posteriormente, fragmentaram-se em diversos países: – Guatemala, Honduras, Costa Rica, El Salvador.
  • 22. LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA • AMÉRICA DO SUL: – Simón Bolivar (1778-1830): • Sonhou com uma nação forte e soberana na AméricaLatina. • Junto do venezuelano Antônio José de Sucre, liderou o movimento e organizou um exército popular. • Considerado o libertador da Venezuela, da Colômbia, do Equador, da Bolívia e do Peru (junto com San Martín). – San Martín (1778-1850): • Comandou um exército contra as forças espanholas, obtendo importantes vitórias nas regiões sul e central da América do Sul. • É considerado o libertador da Argentina, do Chile e do Peru.
  • 23. LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA • Haiti (1825). • Colônia francesa produtora de açúcar. • Exceção ao processo de independência pelo seu caráter de luta étnica. – Em 1791 eclodiu a revolução. – Liderança de Toussaint Louverture e Jean-Jaques Dessalines. – As lutas de independência foram lideradas pelos escravos (disputa que opôs negros e brancos).
  • 24. LUTAS PELA INDEPENDÊNCIA • Movimentos revolucionários => Fragmentação do território em inúmeros países. • Países (in)dependentes!! – Pois agora dependiam das nações industrializadas. – O poder passou para as elites locais coloniais.
  • 26. A Família Real no Brasil • A vinda ocorreu em virtude da luta entre França e Inglaterra. – Como não conseguiu vencer os ingleses pelas armas, decretou o Bloqueio Continental (1806). • O Bloqueio deixou Portugal numa situação delicada, pois dependia economicamente da Inglaterra. – A saída acabou sendo a transferência da Família Real para o Brasil.
  • 27. Cândido Portinari – Painel: A Chegada da Família Real Portuguesa à Bahia (1953).
  • 28. Administração Joanina no Brasil: • Em 28 de Janeiro de 1808, D. João VI decretou a abertura dos portos às nações amigas. – Independência econômica do Brasil em relação a Portugal. – Grande alívio para a economia inglesa (sufocada pelo Bloqueio Continental). • 1810 -> D. João VI assinou o Tratado de Aliança e Amizade, Comércio e Navegação.
  • 29. Tratado de Aliança e Amizade, Comércio e Navegação (1810). • Plena liberdade religiosa para os ingleses aqui residentes; • Ingleses seriam julgados por juízes ingleses; • O Governo português se comprometia em abolir gradualmente a escravidão; • Novas taxas alfandegárias: – Produtos ingleses pagariam 15% sobre os seus produtos; – Portugueses pagariam 16%; – Demais nacionalidades 24%.
  • 30. Administração Joanina no Brasil: • Criou: – a Imprensa Régia, – Academia Real Militar, – A Biblioteca Pública, – O Banco do Brasil, – O Jardim Botânico, – Trouxe uma Missão Artística liderada pelo pintor francês Debret (1816), • Buscava “civilizar” a colônia. – Em 1815 elevou o Brasil a condição de Reino Unido. • Buscando fortalecer a presença de Portugal no Congresso de Viena. – Invadiu a Guiana Francesa e anexou a Província Cisplatina.
  • 31. Revolução Pernambucana (1817). • Causas: – Decadência econômica de Pernambuco. • Seca em 1816 e queda na produção do algodão e na exportação de açúcar. – Altos impostos (destinados a Corte portuguesa no Rio de Janeiro). – Privilégio aos comerciantes portugueses. • Rebeldes tomam o poder por dois meses. – Proclamação a República de Pernambuco. – Liberdade de expressão e religiosa. – Permanência da escravidão. – Buscaram apoio de províncias vizinhas, dos EUA, Inglaterra e Argentina. • Influência da Maçonaria. • Repressão impiedosa da Coroa, instalada no Rio de Janeiro.
  • 32. 1820 -> Revolução do Porto • Burguesia influenciada pelas ideias liberais da Revolução Francesa; • Foi instalada uma monarquia constitucional baseada nas Cortes Constituintes; – Funcionavam como um parlamento. – Obrigavam D. João VI a voltar a Portugal e a jurar lealdade à Constituição recém-promulgada. • Eram claras a intenções do novo governo lusitano em recolonizar o Brasil e também a volta de D. Pedro à Europa.
  • 33. Dia do Fico! • Formou-se em torno de D. Pedro um grupo de políticos que defendiam a manutenção do status do Brasil de Reino Unido a Portugal. • Em 09 de janeiro de 1822, D. Pedro anuncia a decisão de ficar no Brasil.
  • 34. PANORAMA POLÍTICO • José Bonifácio de Andrade da Silva. – Principal pai ideológico da independência do Brasil. – Considerado o Patriarca da Independência. • Partido Português: – Conservador, pretendia restabelecer o monopólio português. • Partido Brasileiro – Apoiava a independência com a manutenção de D. Pedro no poder. • Partido Liberal: – Formado pelas camadas médias urbanas, defendiam a implantação de uma república democrática (ou até a possibilidade de uma monarquia constitucional).
  • 35. A INDEPENDÊNCIA • Em Março de 1822, Sessão das Cortes de Lisboa. – Os deputados brasileiros não tinham força necessária para impedir as medidas aprovadas em relação ao Brasil • Em 3 de junho de 1822, D. Pedro recusou fidelidade à Constituição portuguesa e convocou a primeira Assembleia Constituinte brasileira. • Em 1° de Agosto, ele declarou inimigas as tropas portugueses que desembarcassem no Brasil. • Manifesto das Nações Amigas: – justificava o rompimento com as cortes de Lisboa e garantindo a independência do país, como reino irmão de Portuga
  • 36. A INDEPENDÊNCIA • Resposta portuguesa: Anulam a convocação da Assembleia Constituinte brasileira, – Ameaçam a enviar tropas, – Exigem o retorno do príncipe Regente. • AO RECEBER TAIS EXIGÊNCIAS, EM 07 DE SETEMBRO DE 1822 PROCLAMA A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. – 12 de outubro -> aclamado Imperador; – 1° de dezembro -> foi coroado e recebeu o título de D. Pedro I. • O reconhecimento oficial da independência pelo governo português só veio em 1825, quando D. João VI assinou o Tratado de Paz e Aliança entre Portugal e Brasil.
  • 37. Independência do Brasil, de François-René Moreaux (1844)
  • 38. Grito do Ipiranga – Pedro Américo, 1888.
  • 39. NOVO PAÍS, POUCAS MUDANÇAS • Sociedade permaneceu dividida entre latifundiários, camadas médias urbanas, homens livres pobres e escravizados. • A subordinação econômica à Inglaterra. • Exportação, com base na grande propriedade rural, monocultura e escravista, mantiveram-se como modelo econômico durante o Império.
  • 40. História Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup BLOG: profhistdaniel.blogspot.com @danielbronstrup