SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Padre António Vieira
Quem foi Padre
António Vieira?
"Os portugueses
têm um pequeno
país para berço
e o mundo todo
para morrerem. "
Introdução
Com este trabalho pretendesse introduzir o estudo do Sermão
de Santo António aos Peixes, descobrindo referências
cronológicas da sua vida e a importância que este teve na época
em que viveu e que tem nos dias de hoje.
Biografia:
• António Vieira viveu durante grande parte do século XVIII. Foi um
religioso, escritor e orador português da Companhia de Jesus. Tinha
origem alentejana e sua mãe tinha descendências africanas. Este era o
mais velho de quatro filhos. Viveu no Brasil imensos anos mas viajava para
Portugal e outros países europeus sempre que necessário. Destacou-se
como missionário nas terras brasileiras sendo uma das personagens mais
influentes do século nos assuntos de política. Defendeu
incondicionalmente os direitos humanos dos povos indígenas do Brasil
(índios), combatendo e acabando com a sua exploração e escravização. Era
conhecido por muitos como “Paiaçu”, que traduzindo de tupi para
português significa Grande Pai/Padre. Defendeu também os judeus,
provocou com deixasse de haver distinção entre cristãos-novos e cristãos-
velhos, aboliu a escravatura e criticou a própria Inquisição. Este foi
acusado de traição por defender os índios e os judeus convertidos (novos-
cristãos). Os sermões que escreveu possuem referências importantes ao
barroco brasileiro.
Biografia:
Vida de Padre António Vieira
• Padre António Vieira nasceu a 6 de fevereiro de 1608
em Lisboa. Aos seis anos (1614), emigrou para a Baía,
no Brasil, com a sua família. Estudou no Colégio dos
Jesuítas da Baía onde teve um ensino rígido. Com
quinze anos, fugiu dos pais para ingressar na
Companhia de Jesus. A 5 de maio desse ano (1623),
inicia um noviciado. Passados três anos, tomava uma
posição importante na Companhia. Aos dezoito anos
foi convidado para escrever a anua, isto é, escrever o
relatório anual dos feitos do colégio, em latim, que
seria enviado para o papa de Roma. Em 1633, com
vinte e cinco anos, iniciou-se oficialmente como
pregador. Tornou-se sacerdote, passando a exercer a
função de pregador em algumas aldeias baianas
durante cinco anos. Os sermões desta altura tinham
como temas principais a religião, política e os
problemas da época. Em 1641, partiu para Portugal
acompanhando o filho do vice-rei do Brasil com a
intenção da colónia aderir ao novo rei e à restauração.
Vida de Padre António Vieira
• «A vida é uma
lâmpada acesa, vidro
e fogo. Vidro que com
um sopro se faz e
fogo que com um
sopro se apaga.»
Vida de Padre António Vieira
• Este tornou-se amigo fiel de D. João IV e ainda inicia a sua carreira pública e política. Iniciou,
em 1646, várias missões diplomáticas oficiais (tentou negociar com chefes políticos e
comunidades judaicas a fim de cativá-los para a fundação de companhias comerciais
portuguesas) por toda a Europa. Em 1649, formou uma política com novos ideais constituídas
pelos cristãos-novos de todo mundo. No ano de 1653, regressa ao Brasil como missionário no
estado de Maranhão, após vários conflitos na companhia de Jesus, que quase lhe valeram a
expulsão. Torna-se ativo no secular antagonismo entre jesuítas e colonos com o propósito de
utilizar mão-de-obra indígena.
Vida de Padre António Vieira
• A 13 de junho de 1654, prega o Sermão de Santo António e parte ilegalmente para
Lisboa. Volta ao Brasil, em 1655, com a lei que beneficiava a autoridade dos jesuítas
sobre os índios. Passado um ano, redige a carta Esperanças de Portugal, Quinto Império
do Mundo, defendendo as trovas de Bandarra e prevendo a ressurreição de D. João IV.
Esta carta foi a base do processo que o Santo Ofício levantou contra ele, visto que
constava as suas opiniões profanas. Com cinquenta e três anos de vida, é, juntamente
com todos os jesuítas, expulso de Maranhão. Padre António Vieira é desterrado no
Porto. (1663) Após dois anos, entra na prisão do tribunal do Santo Ofício em Coimbra.
• Citando a sua sentença: “ (…) seja privado para sempre de voz ativa e
passiva e do poder de pregar, e recluso no colégio ou casa de sua religião
que o Santo Ofício lhe ordenar, e de onde, sem ordem sua não sairá.”
Vida de Padre António Vieira
• Um tempo depois, foi perdoado e recomeçou com as suas pregações em Lisboa. Em 1669,
embarcou para Roma, onde obteve bastante êxito. Realizou uma campanha de
desmascaramento, contra o tribunal do Santo Ofício, lutando a favor das missões no Brasil.
Com setenta e um anos, é publicado o primeiro volume dos seus Sermões. Entre 1681 e
1688, retorna para a Baía, já que não encontrava um bom ambiente em terras portuguesas.
Lá é nomeado Visitador da Província do Brasil. Morre, aos oitenta e nove anos, na Baía, após
ter revisto o décimo terceiro volume dos Sermões, sem conseguir finalizar a obra Clavis
Prophetarum
Obras
Obras
• As obras de Padre António Vieira podem ser divididas em profecias, cartas
e sermões. Este escreveu cerca de quinhentas cartas que relatam assuntos
acerca da relação entre Portugal e Holanda, sobre a inquisição e os judeus
convertidos (cristãos-novos) e cerca de duzentos sermões, com o estilo
barroco brasileiro presente. Algumas das suas obras são:
• - Sermão da Sexagésima
- Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra Holanda
- Sermão de Santo António aos peixes
- Carta nº 16
• Sermão da Sexagésima
• “(…) Quando Cristo mandou pregar os Apóstolos pelo Mundo, disse-lhes
desta maneira: Euntes in mundum universum, praedicate omni creaturae:
«Ide, e pregai a toda a criatura». Como assim, Senhor?! Os animais não
são criaturas?! As árvores não criaturas?! As pedras não são criaturas?!
Pois hão os Apóstolos de pregar às pedras?! Hão-de pregar aos troncos?!
Hão-de pregar aos animais?! Sim, diz S.Gregório, depois de Santo
Agostinho. Porque como os Apóstolos iam pregar a todas as nações do
Mundo, muitas delas bárbaras e incultas, haviam de achar os homens
degenerados em todas as espécies de criaturas: haviam de achas homens,
haviam de achar homens brutos, haviam de achar homens troncos,
haviam de achar homens pedras. (…)”
Obras
• Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra Holanda
• “Com estas palavras piedosamente resolutas, mais protestando, que orando, dá
fim o Profeta Rei ao Salmo quarenta e três. Salmo, que desde o princípio até o fim,
não parece senão cortado para os tempos e ocasião presente. O Doutor Máximo
S. Jerónimo, e depois dele os outros expositores, dizem que se entende à letra de
qualquer reino ou província católica, destruída e assolada por inimigos da Fé. Mas
entre todos os reinos do Mundo a nenhum lhe quadra melhor que ao nosso Reino
de Portugal; e entre todas as províncias de Portugal a nenhuma vem mais ao justo
que à miserável província do Brasil. Vamos lendo todo o Salmo, e em todas as
cláusulas dele veremos retratadas as da nossa fortuna: o que fomos e o que
somos. Deus, auribus nostris audivimus, Patres nostri annuntiaverunt nobis, opus,
quod operatus es in diebus eorum, et in diebus antiquis. Ouvimos (começa o
profeta) a nossos pais, lemos nas nossas histórias e ainda os mais velhos viram, em
parte, com seus olhos as obras maravilhosas, as proezas, as vitórias, as conquistas,
que por meio dos portugueses obrou em tempos passados vossa omnipotência,
Senhor. Manus tua gentes disperdit, et plantasti eos; afflixisti populos et expulisti
eos. “
Obras
•
• Sermão de Santo António aos peixes
• “Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os Pregadores, sois o sal da
terra: e chama-lhe sal da terra, porque quer que façam na terra, o que faz
o sal. O efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão
corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal,
qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou porque o sal não
salga, ou porque a terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e
os Pregadores não pregam a verdadeira doutrina; ou porque a terra se não
deixa salgar, e os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhe dão, a não
querem receber. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores dizem uma
coisa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes
querem antes imitar o que eles fazem, que fazer o que dizem. Ou é porque
o sal não salga, e os Pregadores se pregam a si e não a Cristo; ou porque a
terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo, servem a
seus apetites. Não é tudo isto verdade? Ainda mal. (...)”
Obras
• Carta nº 16
• “Ao Padre Francisco de Morais Do Maranhão, a 6-V-1653
• Enfim, amigo, pôde mais Deus que os homens, e prevaleceram todos os
decretos divinos a todas as traças e disposições humanas. A primeira vez
vinha contra a vontade de El-rei; desta segunda vim até contra a minha,
para que nesta obra não houvesse vontade mais que a de Deus. Seja ele
bendito, que tanto caso faz de quem tão pouco vale, e, tanto ama a quem
tanto mal lho merece. Ajudai-me, amigo, a lhe dar infinitas graças, e a
pedir a sua divina bondade ma dê, para que ao menos neste último
quartel da vida lhe não seja ingrato, como fui tanto em toda. Ah! Quem
pudera desfazer o passado, e tornar atrás o tempo e alcançar o impossível,
que o que foi não houvera sido! Mas já que isto não pode ser, Deus meu,
ao menos seja o futuro emenda do passado, e o que há de ser emenda do
que foi. Estes são, amigo, hoje todos os meus cuidados, sem haver em
mim outro gosto mais que chorar o que tive, e conhecer quão falsamente
se dá este nome aos que, sobre tantos outros pesares, ou hão de ter na
vida o do arrependimento ou na eternidade o do castigo.”
Obras
• “ As obras de
um herói,
postas a uma
luz escura da
razão e da
vontade, são
borrões que
ofendem; à
melhor luz do
entendimento
são primores
que admiram.”
Obras
• Podemos concluir no final deste trabalho que Padre António Vieira foi um homem
importantíssimo no século XVIII e que este ainda é valorizado e admirado nos dias
de hoje. Fernando Pessoa chamava-o de Imperador da Língua Portuguesa devido à
riqueza e qualidade das suas obras. Para além de todas as obras que escreveu,
Padre António Vieira provocou um grande impacte no mundo devido aos seus
feitos. Este defendeu os povos indígenas do Brasil, percorrendo fronteiras para
conseguir com que a lei acerca dos escravos mudasse e também defendeu os
judeus convertidos, mais conhecidos por cristãos-novos, que eram perseguidos
pela Inquisição.
Conclusão
Trabalho Realizado por:
• Lorredana Oliveira Pereira
4c nº403311

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira   A VocaçãOPadre AntóNio Vieira   A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Sandra Alves
 
A Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraA Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António Vieira
Sandra Alves
 
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Ricardo Cordeiro
 
Santo afonso-de-ligorio-a-selva
Santo afonso-de-ligorio-a-selvaSanto afonso-de-ligorio-a-selva
Santo afonso-de-ligorio-a-selva
Warley Costa
 
A bênção apostólica
A bênção apostólicaA bênção apostólica
A bênção apostólica
Profetico Atos
 
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historiaOs jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
REFORMADOR PROTESTANTE
 

Mais procurados (20)

Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira   A VocaçãOPadre AntóNio Vieira   A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
 
Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)
 
Teste2
Teste2Teste2
Teste2
 
Padre António Vieira
Padre António VieiraPadre António Vieira
Padre António Vieira
 
A Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraA Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António Vieira
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
As mulheres e o vinho_Lição_original com textos_1312015
As mulheres e o vinho_Lição_original com textos_1312015As mulheres e o vinho_Lição_original com textos_1312015
As mulheres e o vinho_Lição_original com textos_1312015
 
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
 
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
 
Santo afonso-de-ligorio-a-selva
Santo afonso-de-ligorio-a-selvaSanto afonso-de-ligorio-a-selva
Santo afonso-de-ligorio-a-selva
 
1 panorama-biblico1
1 panorama-biblico11 panorama-biblico1
1 panorama-biblico1
 
3º Trim. 2013 - Lição 12 - A reciprocidade do amor cristão
3º Trim. 2013 - Lição 12 - A reciprocidade do amor cristão3º Trim. 2013 - Lição 12 - A reciprocidade do amor cristão
3º Trim. 2013 - Lição 12 - A reciprocidade do amor cristão
 
Padre Ant..
Padre Ant..Padre Ant..
Padre Ant..
 
Parábola do Mau Rico
Parábola do Mau RicoParábola do Mau Rico
Parábola do Mau Rico
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
A bênção apostólica
A bênção apostólicaA bênção apostólica
A bênção apostólica
 
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historiaOs jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
 
5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas5. vida conventual e festas religiosas
5. vida conventual e festas religiosas
 
comentário biblico-1 coríntios (moody)
comentário biblico-1 coríntios (moody)comentário biblico-1 coríntios (moody)
comentário biblico-1 coríntios (moody)
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 

Semelhante a 15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02

Chama do Carmo_216
Chama do Carmo_216Chama do Carmo_216
Chama do Carmo_216
Frei João
 
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
Marcos Gimenes Salun
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
carvalho31
 
Jb news informativo nr. 2168
Jb news   informativo nr. 2168Jb news   informativo nr. 2168
Jb news informativo nr. 2168
JB News
 
Pav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E DiplomataPav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E Diplomata
Sandra Alves
 
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Jeronimo Nunes
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
pazcomsg
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
pazcomsg
 
Chama do Carmo_ 223
Chama do Carmo_ 223Chama do Carmo_ 223
Chama do Carmo_ 223
Frei João
 

Semelhante a 15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02 (20)

P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptxTrovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
 
Barroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptxBarroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptx
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Chama do Carmo_216
Chama do Carmo_216Chama do Carmo_216
Chama do Carmo_216
 
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
 
Aula barroco 1ano
Aula barroco 1anoAula barroco 1ano
Aula barroco 1ano
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
Jb news informativo nr. 2168
Jb news   informativo nr. 2168Jb news   informativo nr. 2168
Jb news informativo nr. 2168
 
Pav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E DiplomataPav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E Diplomata
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
 
02. barroco pre
02. barroco pre02. barroco pre
02. barroco pre
 
02. barroco pre
02. barroco pre02. barroco pre
02. barroco pre
 
Jornal A Família Católica, 18 edição. novembro 2014
Jornal A Família Católica, 18 edição. novembro 2014Jornal A Família Católica, 18 edição. novembro 2014
Jornal A Família Católica, 18 edição. novembro 2014
 
Chama do Carmo_ 223
Chama do Carmo_ 223Chama do Carmo_ 223
Chama do Carmo_ 223
 
Portugues padre
Portugues padrePortugues padre
Portugues padre
 

Mais de Casimiro Nogueira Neto (12)

Dicionário de tupi antigo
Dicionário de tupi antigoDicionário de tupi antigo
Dicionário de tupi antigo
 
Dicionário mundukurú
Dicionário mundukurúDicionário mundukurú
Dicionário mundukurú
 
Sermão do espírito santo
Sermão do espírito santoSermão do espírito santo
Sermão do espírito santo
 
Agricultura 090713152329-phpapp01
Agricultura 090713152329-phpapp01Agricultura 090713152329-phpapp01
Agricultura 090713152329-phpapp01
 
Hidroponicos
HidroponicosHidroponicos
Hidroponicos
 
Manual+de+hirdoponia+sic
Manual+de+hirdoponia+sicManual+de+hirdoponia+sic
Manual+de+hirdoponia+sic
 
Microhuertas
MicrohuertasMicrohuertas
Microhuertas
 
Periodo pre colonial_indios_brasileiros
Periodo pre colonial_indios_brasileirosPeriodo pre colonial_indios_brasileiros
Periodo pre colonial_indios_brasileiros
 
Indios brasileiros
Indios brasileirosIndios brasileiros
Indios brasileiros
 
Fernando pessoa mensagem
Fernando pessoa   mensagemFernando pessoa   mensagem
Fernando pessoa mensagem
 
6693591 bomba-de-agua-manual
6693591 bomba-de-agua-manual6693591 bomba-de-agua-manual
6693591 bomba-de-agua-manual
 
A reproduo do_caranguejo
A reproduo do_caranguejoA reproduo do_caranguejo
A reproduo do_caranguejo
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 

15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02

  • 1. Padre António Vieira Quem foi Padre António Vieira? "Os portugueses têm um pequeno país para berço e o mundo todo para morrerem. "
  • 2. Introdução Com este trabalho pretendesse introduzir o estudo do Sermão de Santo António aos Peixes, descobrindo referências cronológicas da sua vida e a importância que este teve na época em que viveu e que tem nos dias de hoje.
  • 3. Biografia: • António Vieira viveu durante grande parte do século XVIII. Foi um religioso, escritor e orador português da Companhia de Jesus. Tinha origem alentejana e sua mãe tinha descendências africanas. Este era o mais velho de quatro filhos. Viveu no Brasil imensos anos mas viajava para Portugal e outros países europeus sempre que necessário. Destacou-se como missionário nas terras brasileiras sendo uma das personagens mais influentes do século nos assuntos de política. Defendeu incondicionalmente os direitos humanos dos povos indígenas do Brasil (índios), combatendo e acabando com a sua exploração e escravização. Era conhecido por muitos como “Paiaçu”, que traduzindo de tupi para português significa Grande Pai/Padre. Defendeu também os judeus, provocou com deixasse de haver distinção entre cristãos-novos e cristãos- velhos, aboliu a escravatura e criticou a própria Inquisição. Este foi acusado de traição por defender os índios e os judeus convertidos (novos- cristãos). Os sermões que escreveu possuem referências importantes ao barroco brasileiro.
  • 5. Vida de Padre António Vieira • Padre António Vieira nasceu a 6 de fevereiro de 1608 em Lisboa. Aos seis anos (1614), emigrou para a Baía, no Brasil, com a sua família. Estudou no Colégio dos Jesuítas da Baía onde teve um ensino rígido. Com quinze anos, fugiu dos pais para ingressar na Companhia de Jesus. A 5 de maio desse ano (1623), inicia um noviciado. Passados três anos, tomava uma posição importante na Companhia. Aos dezoito anos foi convidado para escrever a anua, isto é, escrever o relatório anual dos feitos do colégio, em latim, que seria enviado para o papa de Roma. Em 1633, com vinte e cinco anos, iniciou-se oficialmente como pregador. Tornou-se sacerdote, passando a exercer a função de pregador em algumas aldeias baianas durante cinco anos. Os sermões desta altura tinham como temas principais a religião, política e os problemas da época. Em 1641, partiu para Portugal acompanhando o filho do vice-rei do Brasil com a intenção da colónia aderir ao novo rei e à restauração.
  • 6. Vida de Padre António Vieira • «A vida é uma lâmpada acesa, vidro e fogo. Vidro que com um sopro se faz e fogo que com um sopro se apaga.»
  • 7. Vida de Padre António Vieira • Este tornou-se amigo fiel de D. João IV e ainda inicia a sua carreira pública e política. Iniciou, em 1646, várias missões diplomáticas oficiais (tentou negociar com chefes políticos e comunidades judaicas a fim de cativá-los para a fundação de companhias comerciais portuguesas) por toda a Europa. Em 1649, formou uma política com novos ideais constituídas pelos cristãos-novos de todo mundo. No ano de 1653, regressa ao Brasil como missionário no estado de Maranhão, após vários conflitos na companhia de Jesus, que quase lhe valeram a expulsão. Torna-se ativo no secular antagonismo entre jesuítas e colonos com o propósito de utilizar mão-de-obra indígena.
  • 8. Vida de Padre António Vieira • A 13 de junho de 1654, prega o Sermão de Santo António e parte ilegalmente para Lisboa. Volta ao Brasil, em 1655, com a lei que beneficiava a autoridade dos jesuítas sobre os índios. Passado um ano, redige a carta Esperanças de Portugal, Quinto Império do Mundo, defendendo as trovas de Bandarra e prevendo a ressurreição de D. João IV. Esta carta foi a base do processo que o Santo Ofício levantou contra ele, visto que constava as suas opiniões profanas. Com cinquenta e três anos de vida, é, juntamente com todos os jesuítas, expulso de Maranhão. Padre António Vieira é desterrado no Porto. (1663) Após dois anos, entra na prisão do tribunal do Santo Ofício em Coimbra. • Citando a sua sentença: “ (…) seja privado para sempre de voz ativa e passiva e do poder de pregar, e recluso no colégio ou casa de sua religião que o Santo Ofício lhe ordenar, e de onde, sem ordem sua não sairá.”
  • 9. Vida de Padre António Vieira • Um tempo depois, foi perdoado e recomeçou com as suas pregações em Lisboa. Em 1669, embarcou para Roma, onde obteve bastante êxito. Realizou uma campanha de desmascaramento, contra o tribunal do Santo Ofício, lutando a favor das missões no Brasil. Com setenta e um anos, é publicado o primeiro volume dos seus Sermões. Entre 1681 e 1688, retorna para a Baía, já que não encontrava um bom ambiente em terras portuguesas. Lá é nomeado Visitador da Província do Brasil. Morre, aos oitenta e nove anos, na Baía, após ter revisto o décimo terceiro volume dos Sermões, sem conseguir finalizar a obra Clavis Prophetarum
  • 10.
  • 11. Obras
  • 12. Obras • As obras de Padre António Vieira podem ser divididas em profecias, cartas e sermões. Este escreveu cerca de quinhentas cartas que relatam assuntos acerca da relação entre Portugal e Holanda, sobre a inquisição e os judeus convertidos (cristãos-novos) e cerca de duzentos sermões, com o estilo barroco brasileiro presente. Algumas das suas obras são: • - Sermão da Sexagésima - Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra Holanda - Sermão de Santo António aos peixes - Carta nº 16
  • 13. • Sermão da Sexagésima • “(…) Quando Cristo mandou pregar os Apóstolos pelo Mundo, disse-lhes desta maneira: Euntes in mundum universum, praedicate omni creaturae: «Ide, e pregai a toda a criatura». Como assim, Senhor?! Os animais não são criaturas?! As árvores não criaturas?! As pedras não são criaturas?! Pois hão os Apóstolos de pregar às pedras?! Hão-de pregar aos troncos?! Hão-de pregar aos animais?! Sim, diz S.Gregório, depois de Santo Agostinho. Porque como os Apóstolos iam pregar a todas as nações do Mundo, muitas delas bárbaras e incultas, haviam de achar os homens degenerados em todas as espécies de criaturas: haviam de achas homens, haviam de achar homens brutos, haviam de achar homens troncos, haviam de achar homens pedras. (…)” Obras
  • 14. • Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra Holanda • “Com estas palavras piedosamente resolutas, mais protestando, que orando, dá fim o Profeta Rei ao Salmo quarenta e três. Salmo, que desde o princípio até o fim, não parece senão cortado para os tempos e ocasião presente. O Doutor Máximo S. Jerónimo, e depois dele os outros expositores, dizem que se entende à letra de qualquer reino ou província católica, destruída e assolada por inimigos da Fé. Mas entre todos os reinos do Mundo a nenhum lhe quadra melhor que ao nosso Reino de Portugal; e entre todas as províncias de Portugal a nenhuma vem mais ao justo que à miserável província do Brasil. Vamos lendo todo o Salmo, e em todas as cláusulas dele veremos retratadas as da nossa fortuna: o que fomos e o que somos. Deus, auribus nostris audivimus, Patres nostri annuntiaverunt nobis, opus, quod operatus es in diebus eorum, et in diebus antiquis. Ouvimos (começa o profeta) a nossos pais, lemos nas nossas histórias e ainda os mais velhos viram, em parte, com seus olhos as obras maravilhosas, as proezas, as vitórias, as conquistas, que por meio dos portugueses obrou em tempos passados vossa omnipotência, Senhor. Manus tua gentes disperdit, et plantasti eos; afflixisti populos et expulisti eos. “ Obras
  • 15. • • Sermão de Santo António aos peixes • “Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os Pregadores, sois o sal da terra: e chama-lhe sal da terra, porque quer que façam na terra, o que faz o sal. O efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou porque o sal não salga, ou porque a terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores não pregam a verdadeira doutrina; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhe dão, a não querem receber. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores dizem uma coisa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que eles fazem, que fazer o que dizem. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores se pregam a si e não a Cristo; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo, servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade? Ainda mal. (...)” Obras
  • 16. • Carta nº 16 • “Ao Padre Francisco de Morais Do Maranhão, a 6-V-1653 • Enfim, amigo, pôde mais Deus que os homens, e prevaleceram todos os decretos divinos a todas as traças e disposições humanas. A primeira vez vinha contra a vontade de El-rei; desta segunda vim até contra a minha, para que nesta obra não houvesse vontade mais que a de Deus. Seja ele bendito, que tanto caso faz de quem tão pouco vale, e, tanto ama a quem tanto mal lho merece. Ajudai-me, amigo, a lhe dar infinitas graças, e a pedir a sua divina bondade ma dê, para que ao menos neste último quartel da vida lhe não seja ingrato, como fui tanto em toda. Ah! Quem pudera desfazer o passado, e tornar atrás o tempo e alcançar o impossível, que o que foi não houvera sido! Mas já que isto não pode ser, Deus meu, ao menos seja o futuro emenda do passado, e o que há de ser emenda do que foi. Estes são, amigo, hoje todos os meus cuidados, sem haver em mim outro gosto mais que chorar o que tive, e conhecer quão falsamente se dá este nome aos que, sobre tantos outros pesares, ou hão de ter na vida o do arrependimento ou na eternidade o do castigo.” Obras
  • 17. • “ As obras de um herói, postas a uma luz escura da razão e da vontade, são borrões que ofendem; à melhor luz do entendimento são primores que admiram.” Obras
  • 18. • Podemos concluir no final deste trabalho que Padre António Vieira foi um homem importantíssimo no século XVIII e que este ainda é valorizado e admirado nos dias de hoje. Fernando Pessoa chamava-o de Imperador da Língua Portuguesa devido à riqueza e qualidade das suas obras. Para além de todas as obras que escreveu, Padre António Vieira provocou um grande impacte no mundo devido aos seus feitos. Este defendeu os povos indígenas do Brasil, percorrendo fronteiras para conseguir com que a lei acerca dos escravos mudasse e também defendeu os judeus convertidos, mais conhecidos por cristãos-novos, que eram perseguidos pela Inquisição. Conclusão
  • 19. Trabalho Realizado por: • Lorredana Oliveira Pereira 4c nº403311