SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Ano Lectivo:
                                 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PIAS                                  2009/2010
                         Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias
                                                                                                   9º Ano
                                    Língua Portuguesa
                           1ª Ficha de Avaliação Sumativa                                     30 Outubro 2009

Nome: ____________________________________
      ______________________________________________________________                Turma: _____     N.º: _____

         • Não é permitido o uso de corrector.
         • Todas as questões deverão ser respondidas na folha de respostas (folha de teste), com caneta
           azul ou preta. As questões cuja resposta for dada no enunciado não serão alvo de correcção.
                                                  GRUPO I
A. Lê, com atenção, o texto A, extraído do conto “A Aia”, de Eça de Queirós. Posteriormente, responde aos
   itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são dadas.
                                                   TEXTO A
         A rainha chorou magnificamente o rei. Chorou ainda desoladamente o esposo, que era formoso
      e alegre. Mas, sobretudo, chorou ansiosamente o pai, que assim deixava o filhinho desamparado, no
      meio de tantos inimigos da sua frágil vida e do reino que seria seu, sem um braço que o defendesse,
      forte pela força e forte pelo amor.
 5       Desses inimigos o mais temeroso era seu tio, irmão bastardo do rei, homem depravado e bravio;
      consumido de cobiças grosseiras, desejando só a realeza por causa dos seus tesoiros, e que havia
      anos vivia num castelo sobre os montes, com uma horda de rebeldes, à maneira de um lobo que, de
      atalaia no seu fojo, espera a presa. Ai! a presa agora era aquela criancinha, rei de mama, senhor de
      tantas províncias, e que dormia no seu berço com seu guizo de oiro fechado na mão!
                                                     com
10       Ao lado dele, outro menino dormia noutro berço. Mas era um escravozinho, filho da bela e
      robusta escrava que amamentava o príncipe. Ambos tinham nascido na mesma noite de Verão. O
      mesmo seio os criara. Quando a rainha, antes de adormecer, vinha beijar o principezinho, que tinha
      o cabelo louro e fino, beijava também, por amor dele, o escravozinho, que tinha o cabelo negro e
      crespo. Os olhos de ambos reluziam como pedras preciosas. Somente, o berço de um era magnífico
15    de marfim entre brocados, e o berço de outro, pobre e de verga. A leal escrava, porém, a ambos
            arfim
      cercava de carinho igual, porque, se um era o seu filho, o outro seria o seu rei.
         Nascida naquela casa real, ela tinha a paixão, a religião dos seus senhores. Nenhum pranto
      correra mais sentidamente do que o seu pelo rei morto à beira do grande rio. Pertencia, porém, a
      uma raça que acredita que a vida da terra se continua no céu. O rei seu amo, decerto, já estaria
20    agora reinando em outro reino, para além das nuvens, abundante também em searas e cidades. O
                                                                abundante
      seu cavalo de batalha, as suas armas, os seus pajens tinham subido com ele às alturas. Os seus
      vassalos, que fossem morrendo, prontamente iriam, nesse reino celeste, retomar em torno dele a
      sua vassalagem. E ela, um dia, por seu turno, remontaria num raio de lua a habitar o palácio do seu
                                    ia,
      senhor, e a fiar de novo o linho das suas túnicas, e a acender de novo a caçoleta dos seus perfumes;
25    seria no céu como fora na terra, e feliz na sua servidão.

1. Para cada uma das afirmações que se seguem (      (1.1. a 1.8.) escreve a letra correspondente a Verdadeira
                                                                 )
   (V) ou Falsa (F), de acordo com o sentido do texto.
   1.1. A repetição da forma verbal “chorou”, no 1º parágrafo, enfatiza a dor da Rainha.
                                                                                    ainha.
   1.2. A expressão “o mais temeroso era seu tio” (l. 5) realça o temor que o Tio Bastardo sentia.
                                                                                     astardo
   1.3. O Tio Bastardo ambicionava mais o poder do que a fortuna do reino.
               astardo
   1.4. Na frase “Ai! a presa agora era aquela criancinha” o narrador é objectivo.
   1.5. O guizo de oiro é um dos elementos que permite caracterizar socialmente o Príncipe.
   1.6. A comparação “os olhos de ambos reluziam como pedras preciosas” (l. 15
                          os                                                         15-16) valoriza o brilho dos
        olhos do Escravozinho e do PPrincipezinho.
   1.7. A escrava gostava de igual modo do Escravozinho e do Principezinho, embora por motivos diferentes.
                                                                   rincipezinho,
   1.8. A Aia chorou sentidamente a morte do rei por ambos terem a mesma religião.
           ia
 Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 1
2. Responde, agora, de forma completa às questões que te são colocadas. Salvo indicação em contrário,
   constrói frases completas e utiliza as tuas próprias palavras.
     2.1. A morte do Rei tem duas consequências: uma de ordem sentimental e outra de ordem política. Relê o
          primeiro parágrafo e explicita-as, justificando a tua resposta.
     2.2. Indica recurso estilístico utilizado na expressão “vivia (…) à maneira de um lobo que, de atalaia no seu
          fojo, espera a presa” (l. 7-8).
          2.2.1. Explica de que forma esse recurso estilístico acentua o contraste existente entre as figuras do
                 Tio e do Principezinho.
     2.3. Relê o último parágrafo do excerto transcrito.
          2.3.1. Para a Aia, o Rei era a representação terrena da divindade. Transcreve a frase que, nesse
                 parágrafo, transmite essa ideia.
          2.3.2. De que forma a concepção que a Aia tem da morte se relaciona com o facto de ela entregar o
                 seu próprio filho à morte e, posteriormente, se suicidar?


B. Lê, com atenção, o texto B, um segundo excerto do conto “A Aia”, de Eça de Queirós.

                                                     TEXTO B
           Mas como? Que bolsas de ouro podem pagar um filho? Então um velho de casta nobre lembrou
       que ela fosse levada ao tesouro real e escolhesse de entre essas riquezas, que eram como as maiores
       dos tesouros da Índia, todas as que o seu desejo apetecesse...
           A rainha tomou a mão da serva. E, sem que a sua face de mármore perdesse a rigidez, com um
5      andar de morta, como um sonho, ela foi assim conduzida para a câmara dos tesouros. Senhores,
       aias, homens de armas, seguiam, num respeito tão comovido, que apenas se ouvia o roçar das
       sandálias nas lajes. As espessas portas do tesouro rodaram lentamente. E, quando um servo
       destrancou as janelas, a luz da madrugada, já clara e rósea, entrando pelos gradeamentos de ferro,
       acendeu um maravilhoso e faiscante incêndio de ouro e pedrarias! Do chão de rocha até às sombrias
10     abóbadas, por toda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos de oiro, as armas
       marchetadas, os montões de diamantes, as pilhas de moedas, os longos fios de pérolas, todas as
       riquezas daquele reino, acumuladas por cem réis durante vinte séculos. Um longo – ah! – lento e
       maravilhado, passou por sobre a turba que emudecera. Depois houve um silêncio ansioso. E no meio
       da câmara, envolta na refulgência preciosa, a ama não se movia... Apenas os seus olhos, brilhantes e
15     secos, se tinham erguido para aquele céu que, além das grades, se tingia de rosa e de oiro. Era lá,
       nesse céu fresco de madrugada, que estava agora o seu menino. Estava lá, e já o Sol se erguia, e era
       tarde, e o seu menino chorava decerto, e procurava o seu peito!... E então a ama sorriu e estendeu a
       mão. Todos seguiam, sem respirar, aquele lento mover da sua mão aberta. Que jóia maravilhosa, que
       fio de diamantes, que punhado de rubis ia ela escolher?
20         A ama estendia a mão, e sobre um escabelo ao lado, entre um molho de armas, agarrou um
       punhal. Era um punhal de um velho rei, todo cravejado de esmeraldas, e que valia uma província.
           Agarrara o punhal, e, com ele apertado fortemente na mão, apontando para o céu, onde subiam
       os primeiros raios do Sol, encarou a rainha, a multidão, e gritou:
           – Salvei o meu príncipe, e agora... vou dar de mamar ao meu filho!
25         E cravou o punhal no coração.


1. Selecciona, em cada item (1.1. a 1.5.), a alternativa que permite obter a afirmação adequada ao sentido
   do texto. Escreve o número do item e a letra correspondente a cada alternativa que escolheres.

     1.1. O uso da interrogação no início do excerto…
          A. …coloca em dúvida que a Aia merecesse uma recompensa.
          B. …coloca em causa a recompensa que poderia pagar um filho.
          C. …revela que a multidão condenava a atitude da Aia.




 Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 2
1.2. A expressão “a sua face de mármore”(l. 4) refere-se…
       A. …à Rainha.
       B. …à Aia.
       C. …à Morta.


  1.3. A expressão “respeito tão comovido” (l. 6)…
       A. …introduz a comparação com “o roçar das sandálias nas lajes”.
       B. …reflecte a comoção da multidão por ter acesso à câmara dos tesouros.
       C. …reflecte a gratidão perante o acto heróico da Aia.

  1.4. A frase “E então a ama sorriu e estendeu a mão.” (l. 17-18) indica que…
       A. …a Aia estava feliz por entrar na câmara dos tesouros e poder escolher uma jóia.
       B. …a Aia encontrou a solução para o seu drama.
       C. …a Aia estava feliz por ela e o seu filho serem o centro das atenções.

  1.5. As personagens mais relevantes do excerto transcrito são…
       A. …a Aia e a Rainha.
       B. …a Aia, o Escravozinho e a Rainha.
       C. …a Aia, a Rainha e o “velho de casta nobre”.


2. Responde de forma completa às questões que te são colocadas. Salvo indicação em contrário, constrói
   frases completas e utiliza as tuas próprias palavras.

  2.1. Localiza o excerto na acção do conto.

  2.2. Como sabes, a Aia é a personagem principal do conto. Considerando o texto B, caracteriza-a:
       2.2.1. fisicamente.
       2.2.2. psicologicamente.

  2.3. Indica três referências temporais presentes no excerto.

  2.4. Transcreve do texto um exemplo de dupla adjectivação.

  2.5. Identifica os recursos estilísticos presentes nos segmentos textuais transcritos nos itens 2.5.1 e 2.5.2 e
       conclui acerca do seu valor expressivo.
       2.5.1. “escolhesse de entre essas riquezas, que eram como as maiores dos tesouros da Índia” (l. 2-3);
       2.5.2. “Do chão de rocha até às sombrias abóbadas, por toda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam
              os escudos de oiro, as armas marchetadas, os montões de diamantes, as pilhas de moedas, os
              longos fios de pérolas, todas as riquezas daquele reino” (l. 9-12);


C. As sequências narrativas apresentadas resumem as acções compreendidas entre os textos A e B. Ordena-
   os de acordo com o sentido do conto “A Aia”.
       I.    Comunicação da morte do Tio Bastardo e da do “Principezinho”
       II.   Invasão da câmara pela Rainha, gritando.
       III. Medo que reinava no palácio.
       IV. Pressentimento da Aia de que algo terrível iria acontecer.
       V.    Rapto do “Principezinho”.
       VI. Tomada de consciência, pela Rainha, do acto heróico da Aia.
       VII. Troca das crianças.
 Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 3
GRUPO II
A. Lê as frases que se seguem:

      Frase 1: O rei era jovem e valente.
      Frase 2: A rainha e a Aia choraram o rei.
      Frase 3: Heroicamente, a Aia entregou o filho à horda do crudelíssimo Tio Bastardo.
      Frase 4: -Senhora, o Principezinho sobreviveu!

   1. Indica a função sintáctica do segmento sublinhado em cada frase.
   2. Atenta na frase 3 e transcreve:
      2.1. um nome comum concreto;
      2.2. um nome colectivo;
      2.3. um advérbio;
      2.4. dois adjectivos, indicando os respectivos graus.

B. Psicologicamente, a Rainha é caracterizada através dos adjectivos “solitária”, “triste”, “angustiada”,
   “surpreendida” e “grata”.
   1. Indica o nome correspondente a cada um dos adjectivos acima:
      1.1. “solitária”;
      1.2. “triste”;
      1.3. “angustiada”;
      1.4. “surpreendida”;
      1.5. “grata”.
   2. Constrói uma frase em que utilizes o adjectivo “angustiada” no grau superlativo relativo de
      superioridade.



                                                GRUPO III

Escolhe um dos temas apresentados e desenvolve-o num texto entre 160 e 220 palavras.

Tema 1: Mantendo o primeiro parágrafo do conto “A Aia”, elabora uma outra história cujo título seja “O Reino
       da Terrível Rainha”.

         1º parágrafo do conto “A Aia”:
            Era uma vez um rei, moço e valente, senhor de um reino abundante em cidades e searas, que
         partira a batalhar por terras distantes, deixando solitária e triste a sua rainha e um filhinho, que
         ainda vivia no seu berço, dentro das suas faixas.


Tema 2: A Aia suicidou-se. Como reagiram a rainha e a multidão ao seu suicídio? Imagina a continuação do
      conto.




                                                                                  Bom Trabalho!

 Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualpaulacpfs
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)apfandradeg
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índiasin3stesia
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castroQuezia Neves
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Ficha de orações subordinadas
Ficha de orações subordinadasFicha de orações subordinadas
Ficha de orações subordinadaszedobarco3
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernoVanda Marques
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
O consílio dos deuses
O consílio dos deusesO consílio dos deuses
O consílio dos deusesannapaulasilva
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoquintaldasletras
 
Ficha 3 funções sintáticas
Ficha 3 funções sintáticasFicha 3 funções sintáticas
Ficha 3 funções sintáticasDelfinaDias2
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativafercariagomes
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 

Mais procurados (20)

Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
A Aia
A AiaA Aia
A Aia
 
Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetual
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Ficha de orações subordinadas
Ficha de orações subordinadasFicha de orações subordinadas
Ficha de orações subordinadas
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
O consílio dos deuses
O consílio dos deusesO consílio dos deuses
O consílio dos deuses
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Ficha 3 funções sintáticas
Ficha 3 funções sintáticasFicha 3 funções sintáticas
Ficha 3 funções sintáticas
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 

Destaque

Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia AMLDRP
 
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownFicha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownAMLDRP
 
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios laiana_
 
Pt7cdr solucoes testes
Pt7cdr solucoes testesPt7cdr solucoes testes
Pt7cdr solucoes testes7f14_15
 
A palavra mágica correção pp 214 215
A palavra mágica correção pp 214   215A palavra mágica correção pp 214   215
A palavra mágica correção pp 214 215ElisabeteMarques
 
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsJoão Pedro Costa
 
Fiche informative sur les loisirs
Fiche informative sur les loisirsFiche informative sur les loisirs
Fiche informative sur les loisirsmarie1961
 
O rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leitura
O rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leituraO rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leitura
O rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leituraJWM V.
 
Frase ativa e frase passiva
Frase ativa e frase passivaFrase ativa e frase passiva
Frase ativa e frase passivatessvalente
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9Susana Sobrenome
 
A sesta de terça feira análise e resumo
A sesta de terça feira análise e resumoA sesta de terça feira análise e resumo
A sesta de terça feira análise e resumoSchool help
 

Destaque (15)

Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia
 
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brownFicha de leitura: a conspiração - dan brown
Ficha de leitura: a conspiração - dan brown
 
Teste o tesouro[1][1]
Teste o tesouro[1][1]Teste o tesouro[1][1]
Teste o tesouro[1][1]
 
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
 
Pt7cdr solucoes testes
Pt7cdr solucoes testesPt7cdr solucoes testes
Pt7cdr solucoes testes
 
A palavra mágica
A palavra mágicaA palavra mágica
A palavra mágica
 
Revisão 9ºano
Revisão 9ºanoRevisão 9ºano
Revisão 9ºano
 
A palavra mágica correção pp 214 215
A palavra mágica correção pp 214   215A palavra mágica correção pp 214   215
A palavra mágica correção pp 214 215
 
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
 
Fiche informative sur les loisirs
Fiche informative sur les loisirsFiche informative sur les loisirs
Fiche informative sur les loisirs
 
O rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leitura
O rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leituraO rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leitura
O rapaz-do-pijama-às-riscas-ficha-de-leitura
 
Frase ativa e frase passiva
Frase ativa e frase passivaFrase ativa e frase passiva
Frase ativa e frase passiva
 
História comum
História comumHistória comum
História comum
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
 
A sesta de terça feira análise e resumo
A sesta de terça feira análise e resumoA sesta de terça feira análise e resumo
A sesta de terça feira análise e resumo
 

Semelhante a 1ª Ficha De AvaliaçãO

Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205ElisabeteMarques
 
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docxFicha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docxBeatriz Gomes
 
A aia conto e question
A aia conto e questionA aia conto e question
A aia conto e questionostrapaula
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ana Paula
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ana Paula
 
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene LisboaOs príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene LisboaPaula Carvalho
 
Fi a aia muito bom
Fi a aia muito bomFi a aia muito bom
Fi a aia muito bomostrapaula
 
Eça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdfEça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdfBeatriz Gomes
 
Aia actividades-de-compreensao-e-analise
 Aia actividades-de-compreensao-e-analise Aia actividades-de-compreensao-e-analise
Aia actividades-de-compreensao-e-analiseostrapaula
 
A aia resumo com analise mt bom
A aia resumo com analise mt bomA aia resumo com analise mt bom
A aia resumo com analise mt bomostrapaula
 
A aia ficha de trabalho blog vanda
A aia ficha de trabalho blog vandaA aia ficha de trabalho blog vanda
A aia ficha de trabalho blog vandaostrapaula
 
Resumo da obra literária a Aia - Português 9º ano
Resumo da obra literária a Aia - Português 9º anoResumo da obra literária a Aia - Português 9º ano
Resumo da obra literária a Aia - Português 9º anoAnaMargaridaParreira1
 

Semelhante a 1ª Ficha De AvaliaçãO (20)

1ª Ficha Formativa
1ª Ficha Formativa1ª Ficha Formativa
1ª Ficha Formativa
 
Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205
 
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docxFicha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
 
A aia conto e question
A aia conto e questionA aia conto e question
A aia conto e question
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene LisboaOs príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
 
Fi a aia muito bom
Fi a aia muito bomFi a aia muito bom
Fi a aia muito bom
 
Eça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdfEça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdf
 
Aia actividades-de-compreensao-e-analise
 Aia actividades-de-compreensao-e-analise Aia actividades-de-compreensao-e-analise
Aia actividades-de-compreensao-e-analise
 
Exame Nacional 2008
Exame Nacional 2008Exame Nacional 2008
Exame Nacional 2008
 
Amadis de Gaula
Amadis de GaulaAmadis de Gaula
Amadis de Gaula
 
A aia resumo com analise mt bom
A aia resumo com analise mt bomA aia resumo com analise mt bom
A aia resumo com analise mt bom
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
A aia ficha de trabalho blog vanda
A aia ficha de trabalho blog vandaA aia ficha de trabalho blog vanda
A aia ficha de trabalho blog vanda
 
A_narrativa
A_narrativaA_narrativa
A_narrativa
 
Resumo da obra literária a Aia - Português 9º ano
Resumo da obra literária a Aia - Português 9º anoResumo da obra literária a Aia - Português 9º ano
Resumo da obra literária a Aia - Português 9º ano
 
A Aia
A AiaA Aia
A Aia
 
SHAKESPEARE, W. Macbeth.PDF
SHAKESPEARE, W. Macbeth.PDFSHAKESPEARE, W. Macbeth.PDF
SHAKESPEARE, W. Macbeth.PDF
 

Mais de Susana Sobrenome

Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesSusana Sobrenome
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaSusana Sobrenome
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoSusana Sobrenome
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoSusana Sobrenome
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaSusana Sobrenome
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseSusana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Susana Sobrenome
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroSusana Sobrenome
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaSusana Sobrenome
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?Susana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeSusana Sobrenome
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoSusana Sobrenome
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasSusana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9anoSusana Sobrenome
 

Mais de Susana Sobrenome (20)

Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
 
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da TempestadeFicha de trabalho - episódio da Tempestade
Ficha de trabalho - episódio da Tempestade
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
 
9ano_HLP
9ano_HLP9ano_HLP
9ano_HLP
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 

1ª Ficha De AvaliaçãO

  • 1. Ano Lectivo: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PIAS 2009/2010 Escola Básica Integrada com Jardim de Infância de Pias 9º Ano Língua Portuguesa 1ª Ficha de Avaliação Sumativa 30 Outubro 2009 Nome: ____________________________________ ______________________________________________________________ Turma: _____ N.º: _____ • Não é permitido o uso de corrector. • Todas as questões deverão ser respondidas na folha de respostas (folha de teste), com caneta azul ou preta. As questões cuja resposta for dada no enunciado não serão alvo de correcção. GRUPO I A. Lê, com atenção, o texto A, extraído do conto “A Aia”, de Eça de Queirós. Posteriormente, responde aos itens que se lhe seguem, de acordo com as orientações que te são dadas. TEXTO A A rainha chorou magnificamente o rei. Chorou ainda desoladamente o esposo, que era formoso e alegre. Mas, sobretudo, chorou ansiosamente o pai, que assim deixava o filhinho desamparado, no meio de tantos inimigos da sua frágil vida e do reino que seria seu, sem um braço que o defendesse, forte pela força e forte pelo amor. 5 Desses inimigos o mais temeroso era seu tio, irmão bastardo do rei, homem depravado e bravio; consumido de cobiças grosseiras, desejando só a realeza por causa dos seus tesoiros, e que havia anos vivia num castelo sobre os montes, com uma horda de rebeldes, à maneira de um lobo que, de atalaia no seu fojo, espera a presa. Ai! a presa agora era aquela criancinha, rei de mama, senhor de tantas províncias, e que dormia no seu berço com seu guizo de oiro fechado na mão! com 10 Ao lado dele, outro menino dormia noutro berço. Mas era um escravozinho, filho da bela e robusta escrava que amamentava o príncipe. Ambos tinham nascido na mesma noite de Verão. O mesmo seio os criara. Quando a rainha, antes de adormecer, vinha beijar o principezinho, que tinha o cabelo louro e fino, beijava também, por amor dele, o escravozinho, que tinha o cabelo negro e crespo. Os olhos de ambos reluziam como pedras preciosas. Somente, o berço de um era magnífico 15 de marfim entre brocados, e o berço de outro, pobre e de verga. A leal escrava, porém, a ambos arfim cercava de carinho igual, porque, se um era o seu filho, o outro seria o seu rei. Nascida naquela casa real, ela tinha a paixão, a religião dos seus senhores. Nenhum pranto correra mais sentidamente do que o seu pelo rei morto à beira do grande rio. Pertencia, porém, a uma raça que acredita que a vida da terra se continua no céu. O rei seu amo, decerto, já estaria 20 agora reinando em outro reino, para além das nuvens, abundante também em searas e cidades. O abundante seu cavalo de batalha, as suas armas, os seus pajens tinham subido com ele às alturas. Os seus vassalos, que fossem morrendo, prontamente iriam, nesse reino celeste, retomar em torno dele a sua vassalagem. E ela, um dia, por seu turno, remontaria num raio de lua a habitar o palácio do seu ia, senhor, e a fiar de novo o linho das suas túnicas, e a acender de novo a caçoleta dos seus perfumes; 25 seria no céu como fora na terra, e feliz na sua servidão. 1. Para cada uma das afirmações que se seguem ( (1.1. a 1.8.) escreve a letra correspondente a Verdadeira ) (V) ou Falsa (F), de acordo com o sentido do texto. 1.1. A repetição da forma verbal “chorou”, no 1º parágrafo, enfatiza a dor da Rainha. ainha. 1.2. A expressão “o mais temeroso era seu tio” (l. 5) realça o temor que o Tio Bastardo sentia. astardo 1.3. O Tio Bastardo ambicionava mais o poder do que a fortuna do reino. astardo 1.4. Na frase “Ai! a presa agora era aquela criancinha” o narrador é objectivo. 1.5. O guizo de oiro é um dos elementos que permite caracterizar socialmente o Príncipe. 1.6. A comparação “os olhos de ambos reluziam como pedras preciosas” (l. 15 os 15-16) valoriza o brilho dos olhos do Escravozinho e do PPrincipezinho. 1.7. A escrava gostava de igual modo do Escravozinho e do Principezinho, embora por motivos diferentes. rincipezinho, 1.8. A Aia chorou sentidamente a morte do rei por ambos terem a mesma religião. ia Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 1
  • 2. 2. Responde, agora, de forma completa às questões que te são colocadas. Salvo indicação em contrário, constrói frases completas e utiliza as tuas próprias palavras. 2.1. A morte do Rei tem duas consequências: uma de ordem sentimental e outra de ordem política. Relê o primeiro parágrafo e explicita-as, justificando a tua resposta. 2.2. Indica recurso estilístico utilizado na expressão “vivia (…) à maneira de um lobo que, de atalaia no seu fojo, espera a presa” (l. 7-8). 2.2.1. Explica de que forma esse recurso estilístico acentua o contraste existente entre as figuras do Tio e do Principezinho. 2.3. Relê o último parágrafo do excerto transcrito. 2.3.1. Para a Aia, o Rei era a representação terrena da divindade. Transcreve a frase que, nesse parágrafo, transmite essa ideia. 2.3.2. De que forma a concepção que a Aia tem da morte se relaciona com o facto de ela entregar o seu próprio filho à morte e, posteriormente, se suicidar? B. Lê, com atenção, o texto B, um segundo excerto do conto “A Aia”, de Eça de Queirós. TEXTO B Mas como? Que bolsas de ouro podem pagar um filho? Então um velho de casta nobre lembrou que ela fosse levada ao tesouro real e escolhesse de entre essas riquezas, que eram como as maiores dos tesouros da Índia, todas as que o seu desejo apetecesse... A rainha tomou a mão da serva. E, sem que a sua face de mármore perdesse a rigidez, com um 5 andar de morta, como um sonho, ela foi assim conduzida para a câmara dos tesouros. Senhores, aias, homens de armas, seguiam, num respeito tão comovido, que apenas se ouvia o roçar das sandálias nas lajes. As espessas portas do tesouro rodaram lentamente. E, quando um servo destrancou as janelas, a luz da madrugada, já clara e rósea, entrando pelos gradeamentos de ferro, acendeu um maravilhoso e faiscante incêndio de ouro e pedrarias! Do chão de rocha até às sombrias 10 abóbadas, por toda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos de oiro, as armas marchetadas, os montões de diamantes, as pilhas de moedas, os longos fios de pérolas, todas as riquezas daquele reino, acumuladas por cem réis durante vinte séculos. Um longo – ah! – lento e maravilhado, passou por sobre a turba que emudecera. Depois houve um silêncio ansioso. E no meio da câmara, envolta na refulgência preciosa, a ama não se movia... Apenas os seus olhos, brilhantes e 15 secos, se tinham erguido para aquele céu que, além das grades, se tingia de rosa e de oiro. Era lá, nesse céu fresco de madrugada, que estava agora o seu menino. Estava lá, e já o Sol se erguia, e era tarde, e o seu menino chorava decerto, e procurava o seu peito!... E então a ama sorriu e estendeu a mão. Todos seguiam, sem respirar, aquele lento mover da sua mão aberta. Que jóia maravilhosa, que fio de diamantes, que punhado de rubis ia ela escolher? 20 A ama estendia a mão, e sobre um escabelo ao lado, entre um molho de armas, agarrou um punhal. Era um punhal de um velho rei, todo cravejado de esmeraldas, e que valia uma província. Agarrara o punhal, e, com ele apertado fortemente na mão, apontando para o céu, onde subiam os primeiros raios do Sol, encarou a rainha, a multidão, e gritou: – Salvei o meu príncipe, e agora... vou dar de mamar ao meu filho! 25 E cravou o punhal no coração. 1. Selecciona, em cada item (1.1. a 1.5.), a alternativa que permite obter a afirmação adequada ao sentido do texto. Escreve o número do item e a letra correspondente a cada alternativa que escolheres. 1.1. O uso da interrogação no início do excerto… A. …coloca em dúvida que a Aia merecesse uma recompensa. B. …coloca em causa a recompensa que poderia pagar um filho. C. …revela que a multidão condenava a atitude da Aia. Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 2
  • 3. 1.2. A expressão “a sua face de mármore”(l. 4) refere-se… A. …à Rainha. B. …à Aia. C. …à Morta. 1.3. A expressão “respeito tão comovido” (l. 6)… A. …introduz a comparação com “o roçar das sandálias nas lajes”. B. …reflecte a comoção da multidão por ter acesso à câmara dos tesouros. C. …reflecte a gratidão perante o acto heróico da Aia. 1.4. A frase “E então a ama sorriu e estendeu a mão.” (l. 17-18) indica que… A. …a Aia estava feliz por entrar na câmara dos tesouros e poder escolher uma jóia. B. …a Aia encontrou a solução para o seu drama. C. …a Aia estava feliz por ela e o seu filho serem o centro das atenções. 1.5. As personagens mais relevantes do excerto transcrito são… A. …a Aia e a Rainha. B. …a Aia, o Escravozinho e a Rainha. C. …a Aia, a Rainha e o “velho de casta nobre”. 2. Responde de forma completa às questões que te são colocadas. Salvo indicação em contrário, constrói frases completas e utiliza as tuas próprias palavras. 2.1. Localiza o excerto na acção do conto. 2.2. Como sabes, a Aia é a personagem principal do conto. Considerando o texto B, caracteriza-a: 2.2.1. fisicamente. 2.2.2. psicologicamente. 2.3. Indica três referências temporais presentes no excerto. 2.4. Transcreve do texto um exemplo de dupla adjectivação. 2.5. Identifica os recursos estilísticos presentes nos segmentos textuais transcritos nos itens 2.5.1 e 2.5.2 e conclui acerca do seu valor expressivo. 2.5.1. “escolhesse de entre essas riquezas, que eram como as maiores dos tesouros da Índia” (l. 2-3); 2.5.2. “Do chão de rocha até às sombrias abóbadas, por toda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos de oiro, as armas marchetadas, os montões de diamantes, as pilhas de moedas, os longos fios de pérolas, todas as riquezas daquele reino” (l. 9-12); C. As sequências narrativas apresentadas resumem as acções compreendidas entre os textos A e B. Ordena- os de acordo com o sentido do conto “A Aia”. I. Comunicação da morte do Tio Bastardo e da do “Principezinho” II. Invasão da câmara pela Rainha, gritando. III. Medo que reinava no palácio. IV. Pressentimento da Aia de que algo terrível iria acontecer. V. Rapto do “Principezinho”. VI. Tomada de consciência, pela Rainha, do acto heróico da Aia. VII. Troca das crianças. Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 3
  • 4. GRUPO II A. Lê as frases que se seguem: Frase 1: O rei era jovem e valente. Frase 2: A rainha e a Aia choraram o rei. Frase 3: Heroicamente, a Aia entregou o filho à horda do crudelíssimo Tio Bastardo. Frase 4: -Senhora, o Principezinho sobreviveu! 1. Indica a função sintáctica do segmento sublinhado em cada frase. 2. Atenta na frase 3 e transcreve: 2.1. um nome comum concreto; 2.2. um nome colectivo; 2.3. um advérbio; 2.4. dois adjectivos, indicando os respectivos graus. B. Psicologicamente, a Rainha é caracterizada através dos adjectivos “solitária”, “triste”, “angustiada”, “surpreendida” e “grata”. 1. Indica o nome correspondente a cada um dos adjectivos acima: 1.1. “solitária”; 1.2. “triste”; 1.3. “angustiada”; 1.4. “surpreendida”; 1.5. “grata”. 2. Constrói uma frase em que utilizes o adjectivo “angustiada” no grau superlativo relativo de superioridade. GRUPO III Escolhe um dos temas apresentados e desenvolve-o num texto entre 160 e 220 palavras. Tema 1: Mantendo o primeiro parágrafo do conto “A Aia”, elabora uma outra história cujo título seja “O Reino da Terrível Rainha”. 1º parágrafo do conto “A Aia”: Era uma vez um rei, moço e valente, senhor de um reino abundante em cidades e searas, que partira a batalhar por terras distantes, deixando solitária e triste a sua rainha e um filhinho, que ainda vivia no seu berço, dentro das suas faixas. Tema 2: A Aia suicidou-se. Como reagiram a rainha e a multidão ao seu suicídio? Imagina a continuação do conto. Bom Trabalho! Versão A ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. 4