SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
UNIDADE 3: Ficha de Trabalho n. º 5

Agrupamento de Escolas n.º 1 de Serpa
ESCOLA BÁSICA DE PIAS

9.º Ano de Escolaridade

Português
Ano Letivo 2012/2013 | abril de 2013
9.º A | 9.º B

Ficha de trabalho – Domínio da Leitura

Episódio da Tempestade e Chegada à Índia (Canto VI, est. 70 – 94)
Uma vez terminada a narrativa de Vasco da Gama, a armada deixa Melinde.
Ao aperceber-se que os portugueses estão quase a chegar à Índia, Baco pede ajuda a Neptuno,
que convoca um consílio dos deuses marinhos. Estes decidem apoiar Baco e soltar os ventos para
fazer naufragar a armada portuguesa.

Início da tempestade (est. 70 a 72)
1. Identifica os três indícios de aproximação da tempestade presentes na estância 70.
2. Na estância 71, a violência da tempestade é referida através de três recursos estilísticos: a adjetivação, a
personificação e a hipérbole. Transcreve a expressão / o(s) verso(s) em que estes recursos são utilizados.
3. Explicita a razão da aflição dos marinheiros presente na estância 72.

Intensificação da tempestade (est. 73 a 79)
4. Para cada uma das estâncias referidas na coluna A existem duas afirmações (coluna B); uma é
verdadeira, outra é falsa. Identifica e corrige a falsa, indicando os versos que te permitiram fazê-lo.
Coluna A
Estância 73

1.

Estância 75

2.
1.

Estância 76

2.
1.
2.

Estância 78

1.
2.

Coluna B
Os soldados que foram dar à bomba para retirar a água que estava a entrar na
nau fizeram-no sem dificuldades.
Era muito difícil governar a nau
A aflição dos marinheiros da nau «em que vai Paulo da Gama» é traduzida através
da utilização de uma perífrase.
O «mestre» da «nau de Coelho» mostrou-se imprevidente.
O movimento das naus é traduzido através da utilização conjunta de uma antítese
e de uma hipérbole.
A violência da ventania é realçada pela referência aos cinco ventos da mitologia
clássica.
A expressão «o grão ferreiro sórdido» (v. 3) concretiza uma personificação.
Entre os versos 5 e 8, o narrador estabelece uma comparação entre os raios que
eram vistos durante a tempestade que afligia os portugueses e os raios
arremessados por Júpiter durante o dilúvio da mitologia clássica.
UNIDADE 3: Ficha de trabalho n.º 5 | Página 1 de 2
Súplica de Vasco da Gama (est. 80 a 83)
5. A quem se dirige a súplica de Vasco da Gama e qual é o seu objetivo?
6. Caracteriza psicologicamente Vasco da Gama com base na informação recolhida na estância 80.
6.1. Mostra como a utilização da antítese nesta estância contribui para explicar o seu estado
psicológico.
7. Identifica aqueles que são louvados por Vasco da Gama na estância 83.

Continuação da tempestade e intervenção de Vénus (est. 84 a 91)
8. Vénus decide seduzir os ventos para que abrandem a violência da tempestade e a terminem.
Identifica as várias ações que desenvolve nesse sentido.
9. Explica o sentido do último verso da estância 91.

Chegada dos portugueses à Índia (est. 92 a 94)
10.Quase a chegar à Índia, os portugueses estão já livres da tempestade, por influência de Vénus.
Identifica os versos que referem o facto de o mar estar agora calmo e as consequências da nova
situação.
11.Explicita as atitudes de Vasco da Gama logo que se apercebeu que tinha a Índia à vista.

12.Identifica os dois planos de Os Lusíadas quer se interligam neste episódio.
13.Esclarece em que medida o episódio da Tempestade enaltece o valor dos portugueses na viagem até à
Índia.

UNIDADE 3: Ficha de trabalho n.º 5 | Página 2 de 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
sin3stesia
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do ResteloDespedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
sin3stesia
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
sin3stesia
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Lurdes
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
Quezia Neves
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
Inês Santos
 

Mais procurados (20)

A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do ResteloDespedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
A tempestade
A tempestadeA tempestade
A tempestade
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 

Semelhante a Ficha de trabalho - episódio da Tempestade

Semelhante a Ficha de trabalho - episódio da Tempestade (9)

Atempestade lusiadas
Atempestade lusiadasAtempestade lusiadas
Atempestade lusiadas
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
 
Prova Aferição Português - 8.º ano - 2017
Prova Aferição Português - 8.º ano - 2017Prova Aferição Português - 8.º ano - 2017
Prova Aferição Português - 8.º ano - 2017
 
Teste nuno pt
Teste nuno ptTeste nuno pt
Teste nuno pt
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Teste de preparação 1 correção
Teste de preparação 1   correçãoTeste de preparação 1   correção
Teste de preparação 1 correção
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 

Mais de Susana Sobrenome

Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
Susana Sobrenome
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Susana Sobrenome
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
Susana Sobrenome
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
Susana Sobrenome
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
Susana Sobrenome
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Susana Sobrenome
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Susana Sobrenome
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Susana Sobrenome
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
Susana Sobrenome
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Susana Sobrenome
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
Susana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
Susana Sobrenome
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
Susana Sobrenome
 
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaFT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
Susana Sobrenome
 

Mais de Susana Sobrenome (20)

Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua PortuguesaVamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
Vamos praticar - HLP - Origem da Língua Portuguesa
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
FT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construçãoFT - Despedida em Belém - Item de construção
FT - Despedida em Belém - Item de construção
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
 
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de CastroFicha informativa - Episódio de Inês de Castro
Ficha informativa - Episódio de Inês de Castro
 
"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?"Que" integrante ou relativo?
"Que" integrante ou relativo?
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
2009/2010_6ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
 
9ano_HLP
9ano_HLP9ano_HLP
9ano_HLP
 
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutóriaFT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
FT_Auto da Barca do Inferno_Cena introdutória
 
7A_7B_Discurso indirecto
7A_7B_Discurso indirecto7A_7B_Discurso indirecto
7A_7B_Discurso indirecto
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Ficha de trabalho - episódio da Tempestade

  • 1. UNIDADE 3: Ficha de Trabalho n. º 5 Agrupamento de Escolas n.º 1 de Serpa ESCOLA BÁSICA DE PIAS 9.º Ano de Escolaridade Português Ano Letivo 2012/2013 | abril de 2013 9.º A | 9.º B Ficha de trabalho – Domínio da Leitura Episódio da Tempestade e Chegada à Índia (Canto VI, est. 70 – 94) Uma vez terminada a narrativa de Vasco da Gama, a armada deixa Melinde. Ao aperceber-se que os portugueses estão quase a chegar à Índia, Baco pede ajuda a Neptuno, que convoca um consílio dos deuses marinhos. Estes decidem apoiar Baco e soltar os ventos para fazer naufragar a armada portuguesa. Início da tempestade (est. 70 a 72) 1. Identifica os três indícios de aproximação da tempestade presentes na estância 70. 2. Na estância 71, a violência da tempestade é referida através de três recursos estilísticos: a adjetivação, a personificação e a hipérbole. Transcreve a expressão / o(s) verso(s) em que estes recursos são utilizados. 3. Explicita a razão da aflição dos marinheiros presente na estância 72. Intensificação da tempestade (est. 73 a 79) 4. Para cada uma das estâncias referidas na coluna A existem duas afirmações (coluna B); uma é verdadeira, outra é falsa. Identifica e corrige a falsa, indicando os versos que te permitiram fazê-lo. Coluna A Estância 73 1. Estância 75 2. 1. Estância 76 2. 1. 2. Estância 78 1. 2. Coluna B Os soldados que foram dar à bomba para retirar a água que estava a entrar na nau fizeram-no sem dificuldades. Era muito difícil governar a nau A aflição dos marinheiros da nau «em que vai Paulo da Gama» é traduzida através da utilização de uma perífrase. O «mestre» da «nau de Coelho» mostrou-se imprevidente. O movimento das naus é traduzido através da utilização conjunta de uma antítese e de uma hipérbole. A violência da ventania é realçada pela referência aos cinco ventos da mitologia clássica. A expressão «o grão ferreiro sórdido» (v. 3) concretiza uma personificação. Entre os versos 5 e 8, o narrador estabelece uma comparação entre os raios que eram vistos durante a tempestade que afligia os portugueses e os raios arremessados por Júpiter durante o dilúvio da mitologia clássica. UNIDADE 3: Ficha de trabalho n.º 5 | Página 1 de 2
  • 2. Súplica de Vasco da Gama (est. 80 a 83) 5. A quem se dirige a súplica de Vasco da Gama e qual é o seu objetivo? 6. Caracteriza psicologicamente Vasco da Gama com base na informação recolhida na estância 80. 6.1. Mostra como a utilização da antítese nesta estância contribui para explicar o seu estado psicológico. 7. Identifica aqueles que são louvados por Vasco da Gama na estância 83. Continuação da tempestade e intervenção de Vénus (est. 84 a 91) 8. Vénus decide seduzir os ventos para que abrandem a violência da tempestade e a terminem. Identifica as várias ações que desenvolve nesse sentido. 9. Explica o sentido do último verso da estância 91. Chegada dos portugueses à Índia (est. 92 a 94) 10.Quase a chegar à Índia, os portugueses estão já livres da tempestade, por influência de Vénus. Identifica os versos que referem o facto de o mar estar agora calmo e as consequências da nova situação. 11.Explicita as atitudes de Vasco da Gama logo que se apercebeu que tinha a Índia à vista. 12.Identifica os dois planos de Os Lusíadas quer se interligam neste episódio. 13.Esclarece em que medida o episódio da Tempestade enaltece o valor dos portugueses na viagem até à Índia. UNIDADE 3: Ficha de trabalho n.º 5 | Página 2 de 2