História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil

3.894 visualizações

Publicada em

Aula ministrada no curso de História Eclesiástica do Seminário Teológico Shalom. A presente aula visa apresentar o início do processo missionário protestante na América Latina e no Brasil.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.894
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.718
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
121
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Igreja II: Aula 11: Protestantismo na AL e Brasil

  1. 1. Protestantismo na América Latina A luta por espaço História Eclesiástica II Pr. André dos Santos Falcão Nascimento Blog: http://prfalcao.blogspot.com Email: goldhawk@globo.com Seminário Teológico Shalom
  2. 2. Religiosidade latina - primórdios América Espanhola (Franciscanos): Facilidade de conversão “externa” dos povos indígenas, por já terem abandonado sua fé original para adotar a fé asteca. Pluralidade religiosa era inconcebível na cultura indígena e na espanhola, gerando conversões em massa. Apoio real ao trabalho de “evangelização”. Reunião de índios conversos em mosteiros, protegendo- os dos ímpetos dos conquistadores. Missionários-conquistadores, que extraíam o ouro e o enviavam para financiar as guerras espanholas.
  3. 3. Religiosidade latina - primórdios América Portuguesa (Jesuítas): Dificuldade de conversão por falta de estrutura imperial sedentária (tribos espalhadas territorialmente). População indígena menor. Interesse estatal menor de dar poder à igreja local (somente dez dioceses fundadas em 300 anos, contra 84 fundadas nos EUA em 100 anos. Poder civil breca liberdade de superiores eclesiásticos de fiscalizar e disciplinar. Fomento (do poder civil) do espírito realista entre clérigos regulares, gerando conflito com superiores eclesiásticos. Criação de conflitos entre bispo e seus próprios assistentes.
  4. 4. Religiosidade latina – características no séc. XIX Forte associação Igreja-Estado (direito de Padroado – direito dos reis ibéricos de construir igrejas, nomear bispos e padres, aprovados depois pelo papa). Formalismo religioso que buscava evitar a aparência de protestantismo ou novos cristãos (sincretismo religioso – religiões afro apropriando-se de imagens de santos para representar seus deuses). Surgimento do Catolicismo Popular, com crenças e práticas de religiões indígenas e africanas adicionadas às práticas clássicas. Expulsão dos Jesuítas em 1759 pelo Marquês de Pombal gera crise educacional para o clero e povo – crise superada pela formação de clero nos seminários de Salvador, Rio de Janeiro e Olinda. Padroado mantido por governos nacionais mesmo após as revoltas de independência. Apoio romano contra o movimento, na busca por manter o suporte espanhol no continente, gerou insatisfações e crise entre a população.
  5. 5. Religiosidade latina – dificuldades aos protestantes Paraguai: 1870: Catolicismo é religião oficial, apesar de haver liberdade para outros cultos. Peru: 1860: Catolicismo é única religião tolerada. Exercício de outras é proibido. Chile: 1823: Cidadania permitida apenas a católicos romanos. Brasil: Tolerância e liberdade religiosa imposta pelos britânicos, que fecham tratado em 1810 para ter direito de possuir capelas para que seu povo pudesse prestar culto. Primeiro prédio anglicano é construído no Rio de Janeiro em 1819. Imigrantes protestantes da Alemanha e EUA têm liberdade de culto, mas brasileiros não podem deixar de ser católicos.
  6. 6. Abertura religiosa brasileira (separação Igreja-Estado) Franco-maçonaria: Movimento surgido em Londres em 1717, chega ao Brasil em 1799 e se estabelece firmemente em Niterói em 1812 e no Rio de Janeiro, em 1815. Seu propósito inicial era a independência do Brasil. Apesar de condenada pelos papas Clemente XII (1738) e Leão XIII (1884), o movimento se fez sólido no Brasil na luta contra a monarquia. Positivismo: Movimento filosófico de Augusto Comte (1798-1857) que abandona a visão da causa dos fenômenos para pensar nas leis que os regem. Socialmente, pregava ênfase na família, ideal da liberdade individual e personalidade, junto com importância atribuída à boa moral. No Brasil, adotou um viés de partido religioso e político, alcançando apenas as altas camadas da sociedade.
  7. 7. Protestantismo na América Latina – Iniciativas coloniais Villegaignon e os huguenotes (1555-1567): Nicolas Durand de Villegaignon, vice-almirante da marinha francesa, com apoio do governo, funda uma colônia no Rio de Janeiro. Tinha propósito originalmente comercial, mas os huguenotes que vêm com ele buscam refúgio da perseguição religiosa na França e possivelmente missionário. Havia huguenotes (incluindo 12 pastores comissionados por Calvino) e católicos na viagem. A heterogeneidade religiosa, a negação de mulheres na colônia e problemas administrativos geraram crises que levaram a uma perseguição interna de Villegaignon aos huguenotes, por estes não se conformarem à sua vontade e religião católica. Villegaignon abandonou a colônia em 1559, deixando o grupo indefeso ao ataque da frota portuguesa, que dizimou o grupo 8 anos depois, “em nome de Deus e da pátria”. Levou à redação de uma Confissão de Fé de 17 artigos (Confessio Fluminense), escrito em apenas 12 horas, em 1558, em resposta aos ataques de Villegaignon.
  8. 8. Protestantismo na América Latina – Iniciativas coloniais Calvinistas holandeses (1630-1654): Fundam em Pernambuco em 1630 uma colônia protestante, crescendo rapidamente e dominando a região do Maranhão ao Sergipe já em 1641. Escolas e missionários foram colocados em pontos estratégicos, abertos pelo exército apoiado por pastores, que atendiam às suas necessidades e às do povo. Vários ameríndios foram alcançados, mas poucos se converteram. Um número ainda menor de locais aceitou o evangelho calvinista. A presença dos holandeses unificou portugueses e crioulos na resistência. Com a capitulação de Taborda, em 1654, a colônia caiu e o país se fechou ao evangelho por mais 150 anos. O primeiro sínodo Reformado da América aconteceu no Nordeste, em 1635, com oito pastores e cinco anciãos dirigentes. Foram nove assembleias anuais, de 1636 a 1644. A primeira decisão judicial sobre o divórcio se deu durante este governo.
  9. 9. Protestantismo na América Latina – Iniciativas coloniais Colônia Welser na Venezuela (1529-1550): Os Welser, banqueiros na Alemanha, mantinham boas relações com Carlos V, que concedeu a eles o direito de explorar e comandar a região da Venezuela. As primeiras famílias alemãs chegaram ao que é hoje Maracaibo em 1530. A intenção dos Welser não era a colonização, porém, e sim a exploração do mercado escravo e descobrir um possível eldorado no interior que os faria ricos. Alega-se que a colônia se tornou inteiramente luterana em 1532, mas é teoria, pois a colônia desapareceu em 1550 sem deixar descendentes espirituais naquele país. Outros locais onde protestantes teriam ingressado nos sécs. XVI e XVII: México, Peru e Nicarágua. Todos foram rapidamente banidos pelo Santo Ofício (Inquisição), instalado na Cidade do México e em Lima em 1569. Também se sabe de grupos morávios em São Tomé e Suriname, metodistas no Caribe Inglês e anglicanos e morávios na costa atlântica da América Central (Honduras e Nicarágua).
  10. 10. Protestantismo na América Latina – Abertura Dois fatores foram de suma importância para o rompimento do monopólio católico-romano na América Latina: Abertura forçada dos portos brasileiros para a Grã-Bretanha, em 1810, em cujo tratado foi permitida a construção de casas de adoração para estrangeiros, desde que não tivessem a aparência de igreja (a cruz foi proibida na parte externa dos templos, por exemplo). Esta abertura gerou algumas liberdades na Constituição de 1823, como liberdade de culto e cemitérios protestantes. O proselitismo foi mantido proibido. Apesar da liberação, o anglicanismo não teve grande alcance no Brasil, mantendo-se entre a comunidade inglesa. Somente no final do século, com a missão episcopal, o quadro começou a mudar.
  11. 11. Protestantismo na América Latina – Abertura Nomeação do pastor batista James (Diego) Thomson como diretor da educação primária na Argentina. Thomson chegou no país em 1818 com o objetivo de fundar escolas usando o método pedagógico de Lancaster: Fazer uso dos melhores alunos para ensinar os principiantes e utilizar passagens das Escrituras como textos para ensinar gramática e alfabetizar. Thomson chegou em um conturbado período, após a guerra de independência, quando o clero conservador fugira, deixando um grupo mais liberal no país. Em 1819, Thomson é nomeador diretor da educação primária no país, dando a ele liberdade para estabelecer escolas lancasterianas em Buenos Aires e Montevidéu. A sua fama o levou a trabalhar em vários países, como Chile e Peru. Contudo, a grande ligação entre Igreja e Estado nos países da AL frustraram seus planos, com Chile e Peru tornando a educação religiosa católica obrigatória. No Peru, por exemplo, até escolas não católicas foram obrigadas a ensinar o catolicismo.
  12. 12. Próxima aula Implantação do protestantismo na América Latina (p. 409-426 do livro) Tópicos da Igreja no séc. XX
  13. 13. Fontes Texto base: CAIRNS, Earle E. O Cristianismo através dos séculos: uma história da igreja cristã. 3 ed. Trad. Israel Belo de Azevedo e Valdemar Kroker. São Paulo: Vida Nova, 2008. Textos auxiliares: DREHER, Martin N. Coleção História da Igreja, 4 vols. 4 ed. São Leopoldo: Sinodal, 1996. GONZALEZ, Justo L. História ilustrada do cristianismo. 10 vols. São Paulo: Vida Nova, 1983

×