SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 77
VVigiandoigiando
osos
pensamentospensamentos
““Vigiai e orai, para que não entreis emVigiai e orai, para que não entreis em
tentação, pois o espírito está pronto,tentação, pois o espírito está pronto,
mas a carne émas a carne é fraca.fraca.””
((Mt 26,41; Mc 14,38)
Moisés: ação
Deuteronômio 5,18: “Não cometa adultério.”
(=Êxodo 20,14)
Consequência:
Levítico 20,10: “O homem que cometer adul-
tério com a mulher do seu próximo se torna-
rá réu de morte, tanto ele como a sua cúm-
plice.”
Moisés: ação
Deuteronômio 5,18: “Não cometa adultério.”
(=Êxodo 20,14)
Consequência:
Levítico 20,10: “O homem que cometer adul-
tério com a mulher do seu próximo se torna-
rá réu de morte, tanto ele como a sua cúm-
plice.”
Moisés: ação
Deuteronômio 5,18: “Não cometa adultério.”
(=Êxodo 20,14)
Consequência:
Levítico 20,10: “O homem que cometer adul-
tério com a mulher do seu próximo se torna-
rá réu de morte, tanto ele como a sua cúm-
plice.”
Jesus: pensamento
Mateus 5,27: “Vocês ouviram o que foi dito:
'Não cometa adultério'. Eu, porém, lhes digo:
todo aquele que olha para uma mulher e de-
seja possuí-la, já cometeu adultério com ela
no coração.”
Sugestão:
Mateus 5,29-30: “Se o olho direito leva você
a pecar, arranque-o e jogue-o fora! É melhor
perder um membro, do que o seu corpo todo
ser jogado no inferno. Se a mão direita leva
você a pecar, corte-a e jogue-a fora! É me-
lhor perder um membro do que o seu corpo
todo ir para o inferno”.
Jesus: pensamento
Mateus 5,27: “Vocês ouviram o que foi dito:
'Não cometa adultério'. Eu, porém, lhes digo:
todo aquele que olha para uma mulher e de-
seja possuí-la, já cometeu adultério com ela
no coração.”
Sugestão:
Mateus 5,29-30: “Se o olho direito leva você
a pecar, arranque-o e jogue-o fora! É melhor
perder um membro, do que o seu corpo todo
ser jogado no inferno. Se a mão direita leva
você a pecar, corte-a e jogue-a fora! É me-
lhor perder um membro do que o seu corpo
todo ir para o inferno.”
Os fariseus e os doutores da Lei e a questão
da tradição religiosa de “se lavar as mãos”:
Mateus 15,10-19: “[…] Jesus […] disse: 'Escu-
tem e compreendam. Não é o que entra na
boca que torna o homem impuro, mas o que
sai da boca, […] Vocês não compreendem que
tudo o que entra na boca passa pelo estômago
e acaba indo para a privada? Ao contrário, as
coisas que saem da boca vêm do coração e
essas é que tornam o homem impuro. Pois ...
Pensamentos
qualidades x consequências
“O pensamento é criador. Assim como o pen-
samento do Eterno projeta sem cessar no
espaço os germens dos seres e dos mundos,
assim também o do escritor, do orador, do
poeta, do artista, faz brotar incessante flo-
rescência de ideias, de obras, de concepções,
que vão influenciar, impressionar para o bem
ou para o mal, segundo sua natureza, a mul-
tidão humana.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do
destino e da dor)
Léon Denis (1846-1927) foi um filósofo, mé-
dium e um dos principais continuadores do
Espiritismo após a morte de Allan Kardec, ao
lado de Gabriel Delanne e Camille Flammarion.
(WIKIPÉDIA).
“Reconhece-se que um pensamento é mau:
- quando se afasta da caridade, que constitui
a base da verdadeira moral;
- quando tem por princípio o orgulho, a vai-
dade, ou o egoísmo;
- quando a sua realização pode causar qual-
quer prejuízo a outrem;
- quando, enfim, nos induz a fazer aos
outros o que não quereríamos que nos
fizessem.”
(KARDEC, ESE, cap. XXVIII, item 20)
“Sendo o perispírito um dos elementos cons-
titutivos do homem, desempenha um papel
importante em todos os fenômenos psicoló-
gicos e, até um certo ponto, nos fenômenos
fisiológicos e patológicos. Quando as ciên-
cias médicas tiverem em conta a influência
do elemento espiritual na economia, terão
dado um grande passo, e horizontes inteira-
mente novos se abrirão diante delas; muitas
causas de enfermidades serão então explica-
das e poderosos meios de combatê-las se-
rão encontrados.” (KARDEC, Obras Póstumas)
Patológico: que revela doença; mórbido, doentio
(HOUAISS)
“O perispírito não se acha encerrado nos limi
tes do corpo, como numa caixa. Pela sua na-
tureza fluídica, ele é expansível, irradia para
o exterior e forma, em torno do corpo, uma
espécie de atmosfera que o pensamento e a
força de vontade podem dilatar mais ou me-
nos. Daí se segue que pessoas há que, sem
estarem em contato corporal, podem achar-
se em contato pelos seus perispíritos e per-
mutar a seu mau grado impressões e, algu-
mas vezes, pensamentos, por meio da intui-
ção.” (KARDEC, Obras Póstumas)
Aura
“O fluido perispirítico é imponderável, como
a luz, a eletricidade e o calórico. […].
Torna-se, porém, visível a quem se ache no
estado de sonambulismo lúcido e, mesmo,
no estado de vigília, às pessoas dotadas de
dupla vista. […] ele se apresenta sob a forma
de feixes luminosos, muito semelhante à luz
elétrica difundida no vácuo. […] No estado
ordinário, denota matizes diversos, conforme
os indivíduos que o emitem: ora vermelho
fraco, ora azulado, ou acinzentado, qual
ligei- ra bruma. As mais das vezes, espalha
sobre os corpos circunjacentes uma
coloração ama-relada, mais ou menos forte.”
(KARDEC, Obras Póstumas)
“O pensamento […] Não atua somente em
torno de nós, influenciando nossos seme-
lhantes para o bem ou para o mal; atua prin-
cipalmente em nós; gera nossas palavras,
nossas ações e, com ele, construímos, dia a
dia, o edifício grandioso ou miserável de nos-
sa vida presente e futura. Modelamos nossa
alma e seu invólucro com os nossos pensa-
mentos; estes produzem formas, imagens
que se imprimem na matéria sutil, de que o
corpo fluídico é composto. […].” (LÉON DENIS, O
problema do ser, do destino e da dor)
Em O perispírito e suas modelações, a certa
altura, lemos:
“Afirmamos ainda que neste corpo [perispíri-
to] se encontra a gênese patológica das mais
variadas enfermidades, que são drenadas
para o físico, graças ao favorecimento de
uma sintonia com os micro-organismos pato-
gênicos, gerada por seu adensamento. […].”
(LUIZ GONZAGA PINHEIRO, O perispírito e suas mode-
lações, p. 131)
Patológico: que revela doença; mórbido, doentio.
(HOUAISS).
Patogênico: que provoca ou pode provocar, direta ou
indiretamente, uma doença. (HOUAISS).
“Atuando esses fluidos [espirituais] (*) sobre
o perispírito, este, a seu turno, reage sobre o
organismo material com que se acha em con-
tacto molecular. Se os eflúvios são de boa
natu reza, o corpo ressente uma impressão
salutar; se são maus, a impressão é penosa.
Se são permanentes e enérgicos, os eflúvios
maus po dem ocasionar desordens físicas; não
é outra a causa de certas enfermidades.”
(KARDEC, A Gêne-se, Cap. XIV, item 18)
Eflúvio: emanação de um fluido, exalação. (AURÉLIO)
(*) Não é rigorosamente exata a qualificação de flui-
dos espirituais, […] Pode-se dizer que são a matéria do
mundo espiritual, razão por que são chamados fluidos
espirituais. (KARDEC, A Gênese, Cap. XIV, item 5)
“[…] são muitos os efeitos
perniciosos no corpo, causa-
dos pelos pensamentos em
desalinho, pelas emoções
desgovernadas, pela mente
pessimista e inquieta na apa
relhagem celular.
Determinadas emoções for-
tes – medo, cólera, agressi-
vidade, ciúme – provocam
alta descarga de adrenalina
na corrente sanguínea, gra-
ças às glândulas suprarre-
nais.
§]=>
Por sua vez, essa ação emocional reagindo
no físico, nele produz aumento da taxa de
açúcar, mais forte contração muscular, face
à volumosa irrigação do sangue e sua capaci-
dade de coagulação mais rápida.
A repetição do fenômeno provoca várias do-
enças como a diabetes, a artrite, a hiperten-
são... Assim, cada enfermidade física traz um
componente psíquico, emocional ou espiritual
correspondente. […].” (JOANNA DE ÂNGELIS. Auto-
descobrimento - uma busca interior)
Às vezes temos notícia de pessoas que foram
diagnosticadas com doença grave e cujo
prog nóstico é de pouco tempo de vida;
porém, elas conseguem dar a “volta por
cima”, viven do além da expectativa de seu
médico; algu-mas chegam até mesmo à cura
completa.
Essa “volta por cima” nada mais é que a fir-
me vontade de viver, que primeiro repercute
positivamente no perispírito, para depois re-
fletir no corpo físico, restituindo-lhe a saúde.
Às vezes temos notícia de pessoas que foram
diagnosticadas com doença grave e cujo
prog nóstico é de pouco tempo de vida;
porém, elas conseguem dar a “volta por
cima”, viven do além da expectativa de seu
médico; algu-mas chegam até mesmo à cura
completa.
Essa “volta por cima” nada mais é que a fir-
me vontade de viver, que primeiro repercute
positivamente no perispírito, para depois re-
fletir no corpo físico, restituindo-lhe a saúde.
Ao lado dessas, vemos as que desistiram da
vida, por isso partem para o plano espiritual
mais rápido do que desejavam, nota-se que
algumas nem tinham uma doença grave.
“O pensamento é o atributo característico do
ser espiritual; […] A vontade […] é o pensa-
mento chegado a um certo grau de energia;
é o pensamento transformado em força mo-
triz. É pela vontade que o espírito imprime,
aos membros e ao corpo, os movimentos
num sentido determinado. Mas se ele tem a
força de agir sobre os órgãos materiais, o
quanto essa força deve ser maior sobre os
elementos fluídicos que nos cercam!” (KARDEC,
Revista Espírita 1864)
O Espírito como “máquina pensante”O Espírito como “máquina pensante”
“A alma humana percorre seu
caminho cercada de uma
atmosfera brilhante ou turva,
povoada pelas criações de
seu pensamento. É isso, na
vida do Além, sua glória ou
sua vergonha.” (LÉON DENIS, O
problema do ser, do destino e da dor)
“[…] As diferentes atmosferas individuais se
entrecruzam e misturam, sem jamais se con-
fundirem, exatamente como as ondas sono-
ras que simultaneamente abalam o ar. Pode-
se, por conseguinte, dizer que cada indivíduo
é centro de uma onda fluídica, cuja extensão
se acha em relação com a força da vontade,
do mesmo modo que cada ponto vibrante é
centro de uma onda sonora, cuja extensão
está na razão propulsora do fluido, como o
choque é a causa da vibração do ar e a pro-
pulsora das ondas sonoras.” (KARDEC, Obras Pós-
tumas)
“O pensamento do encarnado atua sobre os
fluidos espirituais, como o dos desencarnados,
e se transmite de Espírito a Espírito pelas mes
mas vias e, conforme seja bom ou mau, sa-
neia ou vicia os fluidos ambientes.” (KARDEC, A
Gênese, Cap. XIV, item 18)
“[…] Se estamos na esfera de atividade de
um indivíduo, a sua presença nos é, algumas
vezes, revelada pela impressão agradável ou
desagradável que sentimos de seu fluido! Se
estamos no meio de pessoas das quais não
partilhamos os sentimentos, das quais os flui
dos não se harmonizam com o nosso, uma
reação penosa nos oprime, e ali nos encon-
tramos como uma nota dissonante num con-
certo! Se vários indivíduos estão, ao contrá-
rio, reunidos numa comunidade de objetivos
e de intenções, os sentimentos de cada um
se exaltam em proporção mesmo da massa
das forças reagentes.” (KARDEC, Obras Póstumas)
“A raiva é choque violento
que abala profundamente o
ser humano, deixando rastros
de desalento e de infelicida-
de.” (JOANNA DE ÂNGELIS, Conflitos
existenciais)
Raiva: 2 acesso de fúria; cólera, ira; (HOUAISS)
“A raiva é um sentimento que
se exterioriza toda vez que o
ego sente-se ferido, liberando
esse abominável adversário
que destrói a paz no indivíduo.
Instala-se inesperadamente,
em face de qualquer conflito
expresso ou oculto, desferindo
golpes violentos de injúria e
de agressividade.” (JOANNA DE
ÂNGELIS, Conflitos existenciais)
Infográfico
Site do
jornal
O Tempo
de BH
“A raiva produz uma elevada descarga de
adrenalina e cortisol, no sistema circulatório,
alcançando o sistema nervoso central, que se
agita, produzindo ansiedade e mantendo o
sangue na parte superior do corpo, no que
resultam diversos prejuízos para as organiza-
ções física, emocional e psíquica.
Repetindo-se com frequência, produz o endu
recimento das artérias e prodispõe a vários
distúrbios orgânicos…” (JOANNA DE ÂNGELIS, Con-
flitos Existenciais)
Isso confirma o que nós, os espíritas, já bem o
sabemos faz algum tempo, desde a publicação
de A Gênese (1868), corroborado por instru-
ções posteriores, tais como:
m 1945)
Isso confirma o que nós, os espíritas, já bem o
sabemos faz algum tempo, desde a publicação
de A Gênese (1868), corroborado por instru-
ções posteriores, tais como:
“O desequilíbrio da mente podeO desequilíbrio da mente pode
determinar a perturbação geral dasdeterminar a perturbação geral das
células orgânicas. As intoxicações dacélulas orgânicas. As intoxicações da
alma determinam as moléstias doalma determinam as moléstias do
corpo.corpo.”
(Instrutor ALEXANDRE
em Missionários da Luz,
publicado em 1945)
459. Influem os Espíritos em nossos pensa-
mentos e em nossos atos?
“Muito mais do que imaginais. Influem a tal
ponto que, de ordinário, são eles que vos di-
rigem.” (KARDEC, O Livro dos Espíritos).
“Recebemos a inspiração dos Espíritos que
nos influenciam para o bem ou para o mal.
[…] Aplica-se a todas as circunstâncias da vi-
da, nas resoluções que devemos tomar.
[…].” (KARDEC, O Livro dos Médiuns, cap. XV, item 182)
“Assim também na vida comum, a alma en-
tra em ressonância com as correntes mentais
em que respiram as almas que se lhe asse-
melham.
Assimilamos os pensamentos daqueles que
pensam como pensamos.
É que sentindo, mentalizando, falando ou
agindo, sintonizamo–nos com as emoções e
ideias de todas as pessoas, encarnadas ou
desencarnadas, da nossa faixa de simpatia.”
(EMMANUEL, Pensamento e Vida, cap. 8).]
Ressonância: processo de transferência de energia de um
sistema, que oscila numa frequência própria, para outro que
oscila com a mesma frequência. (HOUAISS).
“[…] Se não sabemos ou não
queremos orientar nossas
aspirações, nossas vibrações
fluídicas, na direção dos se-
res superiores, e captar sua
assistência, ficamos à mercê
das influências más que nos
rodeiam, as quais, em mui-
tos casos, têm conduzido o
[…] imprudente às mais cru-
éis decepções.” (LÉON DENIS,
No Invisível)
“Se se considera agora que os pensamentos
atraem os pensamentos da mesma natureza,
que os fluidos atraem os fluidos similares,
compreende-se que cada indivíduo conduz
consigo um cortejo de Espíritos simpáticos,
bons ou maus, e que assim o ar está satura-
do de fluidos em relação com os pensamen-
tos predominantes. Se os maus pensamentos
estão em minoria, eles não impedirão as
boas influências de se produzirem, mas as
paralisam. Se eles dominam, enfraquecem a
irradiação fluídica dos bons Espíritos, ou
mesmo por vezes, impedem os bons fluídos
de penetrar nesse meio, como o nevoeiro
enfraquece ou detém os raios do sol.” (KAR-
DEC, Revista Espírita 1867)
Bons pensamentos
=
boas companhias
Maus pensamentos
=
más companhias
Lei de afinidade: semelhante atrai semelhanteLei de afinidade: semelhante atrai semelhante
“A fiscalização dos pensamentos implica a fis
calização dos atos, porque, se uns são bons,
os outros sê-lo-ão igualmente, e todo o nos-
so procedimento achar-se-á regulado por
uma concatenação harmônica. Todavia, se
nossos atos são bons e nossos pensamentos
maus, apenas haverá uma falsa aparência do
bem e continuaremos a trazer em nós um
foco malfazejo, cujas influências, mais cedo
ou mais tarde, derramar-se-ão fatalmente
sobre nossa vida.” (LÉON DENIS, O problema do ser,
do destino e da dor)
Concatenação: Conjunto de coisas ou ações coordena-
das ou em sucessão. (AURÉLIO)
Malfazejo: que traz prejuízo; nocivo, daninho, maléfico.
(HOUAISS)
“Evitemos as discussões ruidosas, as pala-
vras vãs, as leituras frívolas. Sejamos sóbri-
os em relação aos jornais, […] Apliquemo-
nos a obras mais substanciais, a tudo o que
pode esclarecer-nos a respeito das leis pro-
fundas da vida e facilitar nossa evolução. Pou
co a pouco, edificar-se-ão em nós uma inteli-
gência e uma consciência mais fortes e nosso
corpo fluídico iluminar-se-á com os reflexos
de um pensamento elevado e puro.” (LÉON
DENIS, O problema do ser, do destino e da dor)
“A prece é uma invocação, mediante a qual o
homem entra, pelo pensamento, em comuni-
cação com o ser a quem se dirige. Pode ter
por objeto um pedido, um agradecimento, ou
uma glorificação. Podemos orar por nós mes-
mos ou por outrem, pelos vivos ou pelos
mortos. As preces feitas a Deus escutam-nas
os Espíritos incumbidos da execução de suas
vontades; as que se dirigem aos bons Espíri-
tos são reportadas a Deus. Quando alguém
ora a outros seres que não a Deus, fá-lo re-
correndo a intermediários, a intercessores,
porquanto nada sucede sem a vontade de
Deus.” (KARDEC, ESE, Cap. XXVII, item 9)
“Se meditarmos em assuntos elevados, na
sabedoria, no dever, no sacrifício, nosso ser
impregna–se, pouco a pouco, das qualidades
de nosso pensamento. É por isso que a prece
improvisada, ardente, o impulso da alma pa-
ra as potências infinitas, tem tanta virtude.
[…] A oração, a comunhão pelo pensamento
com o universo espiritual e divino é o esforço
da alma para a beleza e para a verdade eter-
nas; é a entrada, por um instante, nas esfe-
ras da vida real e superior, aquela que não
tem termo.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do des-
tino e da dor)
“Em nós mesmos está a causa primária do
mal e os maus Espíritos mais não fazem do
que aproveitar os nossos pendores viciosos,
em que nos entretêm para nos tentarem.
Cada imperfeição é uma porta aberta à influ-
ência deles, ao passo que são impotentes e
renunciam a toda tentativa contra os seres
perfeitos. É inútil tudo o que possamos fazer
para afastá-los, se não lhes opusermos deci-
dida e inabalável vontade de permanecer no
bem e absoluta renúncia ao mal. […].”
(KARDEC, ESE, cap. XXVIII, item 3)
“Unicamente pelo fato da presença dos encarnados
numa assembleia, os fluidos ambientes serão, pois,
salubres ou insalubres, segundo os pensamentos
dominantes sejam bons ou maus. Quem traz consi-
go pensamentos de ódio, de inveja, de ciúme, de
orgulho, de egoísmo, de animosidade, de cupidez,
de falsidade, de hipocrisia, de maledicência, de ma-
levolência, em uma palavra, pensamentos hauridos
na fonte das más paixões, espalha ao seu redor eflú
vios fluídicos malsãos, que reagem sobre aqueles
que o cercam. Numa assembleia, ao contrário, onde
todos não trouxessem senão sentimentos de bon-
dade, de caridade, de humildade, de devotamento
desinteressado, de benevolência e de amor ao pró-
ximo, o ar estará impregnado de emanações saudá-
veis no meio das quais sente-se viver mais como-
damente.” (KARDEC, Revista Espírita 1867)
“As vibrações de nosso pensamento, projetadas
com intensidade volitiva, se propagam ao longe e
podem influenciar organismos em afinidade com o
nosso, e depois, suscitando uma espécie de rico-
chete, voltar ao ponto de emissão. Assim, duas
almas, vinculadas pelas ondulações de um mes-
mo ritmo psíquico, podem sentir e vibrar em unís-
sono. Às vezes, um diálogo misterioso se trava,
de perto ou de longe; permutam-se pensamen-
tos, demasiado sutis para que possam ser
expres-sos por palavras; imagens, temas de
conversa-ção, chamados, flutuam ou voam na
atmosfera fluídica entre essas almas que, apesar
da distân-cia, se sentem unidas, penetradas de
um mesmo sentimento, e fazem irradiar de uma a
outra os eflúvios de sua personalidade psíquica.”
(LÉON DENIS, No invisível)
Felipenses 4,8: “Finalmente, irmãos, tudo o
que é verdadeiro, tudo o que é respeitável,
tudo o que é justo, tudo o que é puro tudo o
que é amável, tudo o que é de boa fama, se
alguma virtude há e se algum louvor existe,
seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”
Referência bibliográfica:
DENIS, L. No Invisível. Rio de Janeiro: FEB, 1987.
DENIS, L. O problema do ser, do destino e da dor. Rio de Janeiro: FEB,
1989.
FRANCO, D. P. Autodescobrimento - uma busca interior. Salvador: LEAL,
2006.
FRANCO, D. P. Conflitos Existenciais. Salvador: LEAL, 2007.
KARDEC, A. A Gênese. Rio de Janeiro: FEB, 2007e.
KARDEC, A. Obras Póstumas. Rio de Janeiro: FEB, 2006a.
KARDEC, A. O Evangelho segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2007c.
KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2007a.
KARDEC, A. O que é o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2001.
KARDEC, A. O Livro dos médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 2007b.
KARDEC, A. Revista Espírita 1862. Araras, SP: IDE, 1993g.
KARDEC, A. Revista Espírita 1864. Araras, SP: IDE, 1993h.
KARDEC, A. Revista Espírita 1867. Araras, SP: IDE, 1999.
PINHEIRO, L. G. O perispírito e suas modelações. Capivari, SP: EME, 2009.
XAVIER, F. C. Missionários da Luz. Rio de Janeiro: FEB, 1986.
XAVIER, F. C. Pensamento e vida. Rio de Janeiro: FEB, 2009.
SODRÉ, R. Momento de fúria (texto e imagens) in
http://www.otempo.com.br/polopoly_fs/1.851728.1401023495!
image/image.jpg
Léon Denis: http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%A9on_Denis
Imagens:
Capa:
http://www.eldiario.net/noticias/2014/2014_06/nt140602/f_2014-06-
02_28.jpg
Não maratás (adaptado):
http://images.slideplayer.com.br/3/1464558/slides/slide_11.jpg
Coração:
http://www.drmauropassos.com.br/~drmauro1/images/Espiritualidade
%20e%20doenas%20cardiovasculares.jpg
Conserve a mente limpa: http://sphotos-h.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-
ash3/p480x480/946878_537934202919783_501572144_n.jpg
Pensamento ondas:
http://thegodguy.files.wordpress.com/2011/03/brain-waves-web.jpg
Buda: http://www.frasesecitacoes.com.br/wp-
content/uploads/2013/10/frase-buda-somos-o-que-pensamos.jpg
Energias boas e ruins:
http://www.espirito.org.br/portal/palestras/carlos-
parchen/pensamento/pensamento-4.gif
Homem Trino: http://espiritismofacil.com.br/wp-
content/uploads/2014/08/Peri.jpg
Máquina pensante: http://t2.gstatic.com/images?
q=tbn:ANd9GcTyCPWL_GVtdEUvCvn3p2ZF5NJJ46nvFv0qRlkFuDSP4MQ6
9D6M
Gandhi: http://www.netmundi.org/pensamentos/wp-
content/uploads/2012/02/mahatma_gandhi7.jpg
Aura: http://www.crystalsandreikihealing.com/wp-
content/uploads/2014/01/aurabasic.jpg?a69762
Curas:
https://www.facebook.com/Cura.Espiritual.2014/photos/a.27527979263
5247.1073741827.275259859303907/417589018404323/?type=1
Pensamento é laço: http://luzdoespiritismo.com/wp-
content/uploads/2014/08/O-pensamento-%C3%A9-o-la%C3%A7o-que-
nos-une-aos-Esp%C3%Adritos.png
Pensamentos e companhias: http://1.bp.blogspot.com/-
F0kluI9doAc/TaMyfAxDs2I/AAAAAAAAC3w/MbYKPQ32Noo/s320/pensam
ento%2525bons.JPG e http://1.bp.blogspot.com/--
Snp8DY02VA/TaMyfHGfXQI/AAAAAAAAC3o/WA1ZUxVZW6Q/s320/pensa
mentos%2525maus.JPG
A prece: http://www.luzdoespiritismo.com
Fantoche (adaptado): http://api.ning.com/files/hXj4gw9-
MpPz9Ob8G1qpqmAzLylqfXib-
FvKuWcS4pcF53xBeqKNJnFf*HrtJ3z8jcqJ6uGlEN6MzcdSfE4bu-
XjgjRFyvqR/cartazseminarioalirio.jpg?width=750; frase:
http://pensador.uol.com.br/frases_de_james_hunter/
Devemos: http://pt.slideshare.net/gracinha45/o-pensamento-saneia-
ou-vicia-o-ambiente?qid=c14db823-393e-43fe-b249-
bbaa784f851e&v=qf1&b=&from_search=1
Site:
www.paulosnetos.net
Email:
paulosnetos@gmail.com
Versão 8
Vigiando o pensamento-1,5h

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualgrupodepaisceb
 
Influencias espirituais
Influencias espirituaisInfluencias espirituais
Influencias espirituaisLisete B.
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismojcevadro
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaCeiClarencio
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almasClaudio Macedo
 
Cap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slide
Cap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slideCap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slide
Cap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slideAlex Peccini CRC
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispiritoduadv
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicohome
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoLouis Oliver
 
Obstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoObstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoShantappa Jewur
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicosjcevadro
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritosBruno Cechinel Filho
 

Mais procurados (20)

AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
 
Mediunidade de cura
Mediunidade de curaMediunidade de cura
Mediunidade de cura
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 
Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016
 
Influencias espirituais
Influencias espirituaisInfluencias espirituais
Influencias espirituais
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
 
Cap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slide
Cap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slideCap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slide
Cap XVIII Muitos os chamados, poucos os escolhidos_slide
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
Ideoplastia
IdeoplastiaIdeoplastia
Ideoplastia
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
 
Obstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoObstaculos a reprodução
Obstaculos a reprodução
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
 
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuaisMediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
 

Destaque

Estudo mensal orai e vigiai
Estudo mensal orai e vigiaiEstudo mensal orai e vigiai
Estudo mensal orai e vigiaiFórum Espírita
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Divulgador do Espiritismo
 
Slide perispírito
Slide  perispíritoSlide  perispírito
Slide perispíritobonattinho
 
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De RosaRosana De Rosa
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10Graça Maciel
 
Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12Graça Maciel
 
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do UniversoAula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do Universocontatodoutrina2013
 
Inimigos desencarnados
Inimigos desencarnadosInimigos desencarnados
Inimigos desencarnadosGraça Maciel
 
refletindo sobre a obsess�o
refletindo sobre a obsess�orefletindo sobre a obsess�o
refletindo sobre a obsess�oAri Carrasco
 
Objetivos da reencarnação - n.22
Objetivos da reencarnação - n.22Objetivos da reencarnação - n.22
Objetivos da reencarnação - n.22Graça Maciel
 
Os inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritas
Os inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritasOs inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritas
Os inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritasGraça Maciel
 
O espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidadeO espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidadeGraça Maciel
 

Destaque (20)

Estudo mensal orai e vigiai
Estudo mensal orai e vigiaiEstudo mensal orai e vigiai
Estudo mensal orai e vigiai
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
 
Vigiai e Orai
Vigiai e OraiVigiai e Orai
Vigiai e Orai
 
A CASA MENTAL
A CASA MENTALA CASA MENTAL
A CASA MENTAL
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
Slide perispírito
Slide  perispíritoSlide  perispírito
Slide perispírito
 
Ambiente mental
Ambiente mental Ambiente mental
Ambiente mental
 
Palestra Prece
Palestra PrecePalestra Prece
Palestra Prece
 
Formas pensamento
Formas pensamentoFormas pensamento
Formas pensamento
 
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
2012-5-6-Palestra-A Importância do Perdão-Rosana De Rosa
 
Cm 21 - cérebro espiritual
Cm  21 - cérebro espiritualCm  21 - cérebro espiritual
Cm 21 - cérebro espiritual
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10
 
Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12
 
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do UniversoAula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
 
Inimigos desencarnados
Inimigos desencarnadosInimigos desencarnados
Inimigos desencarnados
 
refletindo sobre a obsess�o
refletindo sobre a obsess�orefletindo sobre a obsess�o
refletindo sobre a obsess�o
 
Objetivos da reencarnação - n.22
Objetivos da reencarnação - n.22Objetivos da reencarnação - n.22
Objetivos da reencarnação - n.22
 
Os inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritas
Os inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritasOs inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritas
Os inimigos desencarnados e sua ação contra os grupos espíritas
 
O espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidadeO espiritismo e a regeneração da humanidade
O espiritismo e a regeneração da humanidade
 

Semelhante a Vigiando o pensamento-1,5h

Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivadosTerceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivadosCeiClarencio
 
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Euzebio Raimundo da Silva
 
opoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdfopoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdfDarcyPaschoal1
 
O Perispírito
O PerispíritoO Perispírito
O Perispíritohamletcrs
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Ceile Bernardo
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintoniajcevadro
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritoshome
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Cynthia Castro
 
DEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORA
DEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORADEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORA
DEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORAJorge Luiz dos Santos
 
Perispírito-1,5h
Perispírito-1,5hPerispírito-1,5h
Perispírito-1,5hhome
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaJorge Luiz dos Santos
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Cynthia Castro
 
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadosFluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadoscarlos freire
 
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas   1,5hInfluência dos espíritos em nossas vidas   1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5hhome
 
Espírito , Materia e Fluidos - Kardec - Espiritismo
Espírito , Materia e Fluidos - Kardec - EspiritismoEspírito , Materia e Fluidos - Kardec - Espiritismo
Espírito , Materia e Fluidos - Kardec - Espiritismossusere70e46
 
Fluído Cósmico (Universal)
Fluído Cósmico (Universal)Fluído Cósmico (Universal)
Fluído Cósmico (Universal)Antonino Silva
 

Semelhante a Vigiando o pensamento-1,5h (20)

Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivadosTerceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
 
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
 
opoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdfopoderdopensamento-160914205819.pdf
opoderdopensamento-160914205819.pdf
 
O Poder do Pensamento
O Poder do PensamentoO Poder do Pensamento
O Poder do Pensamento
 
O Perispírito
O PerispíritoO Perispírito
O Perispírito
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
TERAPIAS ESPIRITUAIS
TERAPIAS ESPIRITUAISTERAPIAS ESPIRITUAIS
TERAPIAS ESPIRITUAIS
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
 
DEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORA
DEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORADEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORA
DEFICIÊNCIA FÍSICA: OPORTUNIDADE REPARADORA
 
Perispírito-1,5h
Perispírito-1,5hPerispírito-1,5h
Perispírito-1,5h
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
 
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadosFluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
 
O poder do pensamento
O poder do pensamentoO poder do pensamento
O poder do pensamento
 
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas   1,5hInfluência dos espíritos em nossas vidas   1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5h
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
Espírito , Materia e Fluidos - Kardec - Espiritismo
Espírito , Materia e Fluidos - Kardec - EspiritismoEspírito , Materia e Fluidos - Kardec - Espiritismo
Espírito , Materia e Fluidos - Kardec - Espiritismo
 
Fluído Cósmico (Universal)
Fluído Cósmico (Universal)Fluído Cósmico (Universal)
Fluído Cósmico (Universal)
 

Mais de home

Anjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíbliaAnjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíbliahome
 
Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da almahome
 
O Espírito 1,5h
O Espírito 1,5hO Espírito 1,5h
O Espírito 1,5hhome
 
Espiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5hEspiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5hhome
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hhome
 
Diferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0hDiferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0hhome
 
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5hHomossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5hhome
 
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hAs colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hhome
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hshome
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hhome
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obrahome
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciênciahome
 
Alma dos animais 1,5h
Alma dos animais   1,5hAlma dos animais   1,5h
Alma dos animais 1,5hhome
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhohome
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedadehome
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoraçãohome
 
Da Lei de Reprodução
Da Lei de ReproduçãoDa Lei de Reprodução
Da Lei de Reproduçãohome
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservaçãohome
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãohome
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hhome
 

Mais de home (20)

Anjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíbliaAnjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíblia
 
Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da alma
 
O Espírito 1,5h
O Espírito 1,5hO Espírito 1,5h
O Espírito 1,5h
 
Espiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5hEspiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5h
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Diferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0hDiferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0h
 
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5hHomossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5h
 
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hAs colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obra
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciência
 
Alma dos animais 1,5h
Alma dos animais   1,5hAlma dos animais   1,5h
Alma dos animais 1,5h
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olho
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoração
 
Da Lei de Reprodução
Da Lei de ReproduçãoDa Lei de Reprodução
Da Lei de Reprodução
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservação
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
 

Último

Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfnestorsouza36
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 

Último (8)

Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 

Vigiando o pensamento-1,5h

  • 2. ““Vigiai e orai, para que não entreis emVigiai e orai, para que não entreis em tentação, pois o espírito está pronto,tentação, pois o espírito está pronto, mas a carne émas a carne é fraca.fraca.”” ((Mt 26,41; Mc 14,38)
  • 3. Moisés: ação Deuteronômio 5,18: “Não cometa adultério.” (=Êxodo 20,14) Consequência: Levítico 20,10: “O homem que cometer adul- tério com a mulher do seu próximo se torna- rá réu de morte, tanto ele como a sua cúm- plice.”
  • 4. Moisés: ação Deuteronômio 5,18: “Não cometa adultério.” (=Êxodo 20,14) Consequência: Levítico 20,10: “O homem que cometer adul- tério com a mulher do seu próximo se torna- rá réu de morte, tanto ele como a sua cúm- plice.”
  • 5. Moisés: ação Deuteronômio 5,18: “Não cometa adultério.” (=Êxodo 20,14) Consequência: Levítico 20,10: “O homem que cometer adul- tério com a mulher do seu próximo se torna- rá réu de morte, tanto ele como a sua cúm- plice.”
  • 6. Jesus: pensamento Mateus 5,27: “Vocês ouviram o que foi dito: 'Não cometa adultério'. Eu, porém, lhes digo: todo aquele que olha para uma mulher e de- seja possuí-la, já cometeu adultério com ela no coração.” Sugestão: Mateus 5,29-30: “Se o olho direito leva você a pecar, arranque-o e jogue-o fora! É melhor perder um membro, do que o seu corpo todo ser jogado no inferno. Se a mão direita leva você a pecar, corte-a e jogue-a fora! É me- lhor perder um membro do que o seu corpo todo ir para o inferno”.
  • 7. Jesus: pensamento Mateus 5,27: “Vocês ouviram o que foi dito: 'Não cometa adultério'. Eu, porém, lhes digo: todo aquele que olha para uma mulher e de- seja possuí-la, já cometeu adultério com ela no coração.” Sugestão: Mateus 5,29-30: “Se o olho direito leva você a pecar, arranque-o e jogue-o fora! É melhor perder um membro, do que o seu corpo todo ser jogado no inferno. Se a mão direita leva você a pecar, corte-a e jogue-a fora! É me- lhor perder um membro do que o seu corpo todo ir para o inferno.”
  • 8. Os fariseus e os doutores da Lei e a questão da tradição religiosa de “se lavar as mãos”: Mateus 15,10-19: “[…] Jesus […] disse: 'Escu- tem e compreendam. Não é o que entra na boca que torna o homem impuro, mas o que sai da boca, […] Vocês não compreendem que tudo o que entra na boca passa pelo estômago e acaba indo para a privada? Ao contrário, as coisas que saem da boca vêm do coração e essas é que tornam o homem impuro. Pois ...
  • 9.
  • 10.
  • 12.
  • 13. “O pensamento é criador. Assim como o pen- samento do Eterno projeta sem cessar no espaço os germens dos seres e dos mundos, assim também o do escritor, do orador, do poeta, do artista, faz brotar incessante flo- rescência de ideias, de obras, de concepções, que vão influenciar, impressionar para o bem ou para o mal, segundo sua natureza, a mul- tidão humana.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do destino e da dor) Léon Denis (1846-1927) foi um filósofo, mé- dium e um dos principais continuadores do Espiritismo após a morte de Allan Kardec, ao lado de Gabriel Delanne e Camille Flammarion. (WIKIPÉDIA).
  • 14.
  • 15.
  • 16. “Reconhece-se que um pensamento é mau: - quando se afasta da caridade, que constitui a base da verdadeira moral; - quando tem por princípio o orgulho, a vai- dade, ou o egoísmo; - quando a sua realização pode causar qual- quer prejuízo a outrem; - quando, enfim, nos induz a fazer aos outros o que não quereríamos que nos fizessem.” (KARDEC, ESE, cap. XXVIII, item 20)
  • 17.
  • 18. “Sendo o perispírito um dos elementos cons- titutivos do homem, desempenha um papel importante em todos os fenômenos psicoló- gicos e, até um certo ponto, nos fenômenos fisiológicos e patológicos. Quando as ciên- cias médicas tiverem em conta a influência do elemento espiritual na economia, terão dado um grande passo, e horizontes inteira- mente novos se abrirão diante delas; muitas causas de enfermidades serão então explica- das e poderosos meios de combatê-las se- rão encontrados.” (KARDEC, Obras Póstumas) Patológico: que revela doença; mórbido, doentio (HOUAISS)
  • 19. “O perispírito não se acha encerrado nos limi tes do corpo, como numa caixa. Pela sua na- tureza fluídica, ele é expansível, irradia para o exterior e forma, em torno do corpo, uma espécie de atmosfera que o pensamento e a força de vontade podem dilatar mais ou me- nos. Daí se segue que pessoas há que, sem estarem em contato corporal, podem achar- se em contato pelos seus perispíritos e per- mutar a seu mau grado impressões e, algu- mas vezes, pensamentos, por meio da intui- ção.” (KARDEC, Obras Póstumas)
  • 20. Aura
  • 21. “O fluido perispirítico é imponderável, como a luz, a eletricidade e o calórico. […]. Torna-se, porém, visível a quem se ache no estado de sonambulismo lúcido e, mesmo, no estado de vigília, às pessoas dotadas de dupla vista. […] ele se apresenta sob a forma de feixes luminosos, muito semelhante à luz elétrica difundida no vácuo. […] No estado ordinário, denota matizes diversos, conforme os indivíduos que o emitem: ora vermelho fraco, ora azulado, ou acinzentado, qual ligei- ra bruma. As mais das vezes, espalha sobre os corpos circunjacentes uma coloração ama-relada, mais ou menos forte.” (KARDEC, Obras Póstumas)
  • 22. “O pensamento […] Não atua somente em torno de nós, influenciando nossos seme- lhantes para o bem ou para o mal; atua prin- cipalmente em nós; gera nossas palavras, nossas ações e, com ele, construímos, dia a dia, o edifício grandioso ou miserável de nos- sa vida presente e futura. Modelamos nossa alma e seu invólucro com os nossos pensa- mentos; estes produzem formas, imagens que se imprimem na matéria sutil, de que o corpo fluídico é composto. […].” (LÉON DENIS, O problema do ser, do destino e da dor)
  • 23.
  • 24. Em O perispírito e suas modelações, a certa altura, lemos: “Afirmamos ainda que neste corpo [perispíri- to] se encontra a gênese patológica das mais variadas enfermidades, que são drenadas para o físico, graças ao favorecimento de uma sintonia com os micro-organismos pato- gênicos, gerada por seu adensamento. […].” (LUIZ GONZAGA PINHEIRO, O perispírito e suas mode- lações, p. 131) Patológico: que revela doença; mórbido, doentio. (HOUAISS). Patogênico: que provoca ou pode provocar, direta ou indiretamente, uma doença. (HOUAISS).
  • 25. “Atuando esses fluidos [espirituais] (*) sobre o perispírito, este, a seu turno, reage sobre o organismo material com que se acha em con- tacto molecular. Se os eflúvios são de boa natu reza, o corpo ressente uma impressão salutar; se são maus, a impressão é penosa. Se são permanentes e enérgicos, os eflúvios maus po dem ocasionar desordens físicas; não é outra a causa de certas enfermidades.” (KARDEC, A Gêne-se, Cap. XIV, item 18) Eflúvio: emanação de um fluido, exalação. (AURÉLIO) (*) Não é rigorosamente exata a qualificação de flui- dos espirituais, […] Pode-se dizer que são a matéria do mundo espiritual, razão por que são chamados fluidos espirituais. (KARDEC, A Gênese, Cap. XIV, item 5)
  • 26. “[…] são muitos os efeitos perniciosos no corpo, causa- dos pelos pensamentos em desalinho, pelas emoções desgovernadas, pela mente pessimista e inquieta na apa relhagem celular. Determinadas emoções for- tes – medo, cólera, agressi- vidade, ciúme – provocam alta descarga de adrenalina na corrente sanguínea, gra- ças às glândulas suprarre- nais. §]=>
  • 27. Por sua vez, essa ação emocional reagindo no físico, nele produz aumento da taxa de açúcar, mais forte contração muscular, face à volumosa irrigação do sangue e sua capaci- dade de coagulação mais rápida. A repetição do fenômeno provoca várias do- enças como a diabetes, a artrite, a hiperten- são... Assim, cada enfermidade física traz um componente psíquico, emocional ou espiritual correspondente. […].” (JOANNA DE ÂNGELIS. Auto- descobrimento - uma busca interior)
  • 28. Às vezes temos notícia de pessoas que foram diagnosticadas com doença grave e cujo prog nóstico é de pouco tempo de vida; porém, elas conseguem dar a “volta por cima”, viven do além da expectativa de seu médico; algu-mas chegam até mesmo à cura completa. Essa “volta por cima” nada mais é que a fir- me vontade de viver, que primeiro repercute positivamente no perispírito, para depois re- fletir no corpo físico, restituindo-lhe a saúde.
  • 29. Às vezes temos notícia de pessoas que foram diagnosticadas com doença grave e cujo prog nóstico é de pouco tempo de vida; porém, elas conseguem dar a “volta por cima”, viven do além da expectativa de seu médico; algu-mas chegam até mesmo à cura completa. Essa “volta por cima” nada mais é que a fir- me vontade de viver, que primeiro repercute positivamente no perispírito, para depois re- fletir no corpo físico, restituindo-lhe a saúde. Ao lado dessas, vemos as que desistiram da vida, por isso partem para o plano espiritual mais rápido do que desejavam, nota-se que algumas nem tinham uma doença grave.
  • 30. “O pensamento é o atributo característico do ser espiritual; […] A vontade […] é o pensa- mento chegado a um certo grau de energia; é o pensamento transformado em força mo- triz. É pela vontade que o espírito imprime, aos membros e ao corpo, os movimentos num sentido determinado. Mas se ele tem a força de agir sobre os órgãos materiais, o quanto essa força deve ser maior sobre os elementos fluídicos que nos cercam!” (KARDEC, Revista Espírita 1864)
  • 31. O Espírito como “máquina pensante”O Espírito como “máquina pensante”
  • 32.
  • 33. “A alma humana percorre seu caminho cercada de uma atmosfera brilhante ou turva, povoada pelas criações de seu pensamento. É isso, na vida do Além, sua glória ou sua vergonha.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do destino e da dor)
  • 34. “[…] As diferentes atmosferas individuais se entrecruzam e misturam, sem jamais se con- fundirem, exatamente como as ondas sono- ras que simultaneamente abalam o ar. Pode- se, por conseguinte, dizer que cada indivíduo é centro de uma onda fluídica, cuja extensão se acha em relação com a força da vontade, do mesmo modo que cada ponto vibrante é centro de uma onda sonora, cuja extensão está na razão propulsora do fluido, como o choque é a causa da vibração do ar e a pro- pulsora das ondas sonoras.” (KARDEC, Obras Pós- tumas)
  • 35. “O pensamento do encarnado atua sobre os fluidos espirituais, como o dos desencarnados, e se transmite de Espírito a Espírito pelas mes mas vias e, conforme seja bom ou mau, sa- neia ou vicia os fluidos ambientes.” (KARDEC, A Gênese, Cap. XIV, item 18)
  • 36. “[…] Se estamos na esfera de atividade de um indivíduo, a sua presença nos é, algumas vezes, revelada pela impressão agradável ou desagradável que sentimos de seu fluido! Se estamos no meio de pessoas das quais não partilhamos os sentimentos, das quais os flui dos não se harmonizam com o nosso, uma reação penosa nos oprime, e ali nos encon- tramos como uma nota dissonante num con- certo! Se vários indivíduos estão, ao contrá- rio, reunidos numa comunidade de objetivos e de intenções, os sentimentos de cada um se exaltam em proporção mesmo da massa das forças reagentes.” (KARDEC, Obras Póstumas)
  • 37. “A raiva é choque violento que abala profundamente o ser humano, deixando rastros de desalento e de infelicida- de.” (JOANNA DE ÂNGELIS, Conflitos existenciais) Raiva: 2 acesso de fúria; cólera, ira; (HOUAISS)
  • 38. “A raiva é um sentimento que se exterioriza toda vez que o ego sente-se ferido, liberando esse abominável adversário que destrói a paz no indivíduo. Instala-se inesperadamente, em face de qualquer conflito expresso ou oculto, desferindo golpes violentos de injúria e de agressividade.” (JOANNA DE ÂNGELIS, Conflitos existenciais)
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51. “A raiva produz uma elevada descarga de adrenalina e cortisol, no sistema circulatório, alcançando o sistema nervoso central, que se agita, produzindo ansiedade e mantendo o sangue na parte superior do corpo, no que resultam diversos prejuízos para as organiza- ções física, emocional e psíquica. Repetindo-se com frequência, produz o endu recimento das artérias e prodispõe a vários distúrbios orgânicos…” (JOANNA DE ÂNGELIS, Con- flitos Existenciais)
  • 52. Isso confirma o que nós, os espíritas, já bem o sabemos faz algum tempo, desde a publicação de A Gênese (1868), corroborado por instru- ções posteriores, tais como: m 1945)
  • 53. Isso confirma o que nós, os espíritas, já bem o sabemos faz algum tempo, desde a publicação de A Gênese (1868), corroborado por instru- ções posteriores, tais como: “O desequilíbrio da mente podeO desequilíbrio da mente pode determinar a perturbação geral dasdeterminar a perturbação geral das células orgânicas. As intoxicações dacélulas orgânicas. As intoxicações da alma determinam as moléstias doalma determinam as moléstias do corpo.corpo.” (Instrutor ALEXANDRE em Missionários da Luz, publicado em 1945)
  • 54.
  • 55. 459. Influem os Espíritos em nossos pensa- mentos e em nossos atos? “Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto que, de ordinário, são eles que vos di- rigem.” (KARDEC, O Livro dos Espíritos). “Recebemos a inspiração dos Espíritos que nos influenciam para o bem ou para o mal. […] Aplica-se a todas as circunstâncias da vi- da, nas resoluções que devemos tomar. […].” (KARDEC, O Livro dos Médiuns, cap. XV, item 182)
  • 56.
  • 57. “Assim também na vida comum, a alma en- tra em ressonância com as correntes mentais em que respiram as almas que se lhe asse- melham. Assimilamos os pensamentos daqueles que pensam como pensamos. É que sentindo, mentalizando, falando ou agindo, sintonizamo–nos com as emoções e ideias de todas as pessoas, encarnadas ou desencarnadas, da nossa faixa de simpatia.” (EMMANUEL, Pensamento e Vida, cap. 8).] Ressonância: processo de transferência de energia de um sistema, que oscila numa frequência própria, para outro que oscila com a mesma frequência. (HOUAISS).
  • 58. “[…] Se não sabemos ou não queremos orientar nossas aspirações, nossas vibrações fluídicas, na direção dos se- res superiores, e captar sua assistência, ficamos à mercê das influências más que nos rodeiam, as quais, em mui- tos casos, têm conduzido o […] imprudente às mais cru- éis decepções.” (LÉON DENIS, No Invisível)
  • 59. “Se se considera agora que os pensamentos atraem os pensamentos da mesma natureza, que os fluidos atraem os fluidos similares, compreende-se que cada indivíduo conduz consigo um cortejo de Espíritos simpáticos, bons ou maus, e que assim o ar está satura- do de fluidos em relação com os pensamen- tos predominantes. Se os maus pensamentos estão em minoria, eles não impedirão as boas influências de se produzirem, mas as paralisam. Se eles dominam, enfraquecem a irradiação fluídica dos bons Espíritos, ou mesmo por vezes, impedem os bons fluídos de penetrar nesse meio, como o nevoeiro enfraquece ou detém os raios do sol.” (KAR- DEC, Revista Espírita 1867)
  • 60. Bons pensamentos = boas companhias Maus pensamentos = más companhias Lei de afinidade: semelhante atrai semelhanteLei de afinidade: semelhante atrai semelhante
  • 61. “A fiscalização dos pensamentos implica a fis calização dos atos, porque, se uns são bons, os outros sê-lo-ão igualmente, e todo o nos- so procedimento achar-se-á regulado por uma concatenação harmônica. Todavia, se nossos atos são bons e nossos pensamentos maus, apenas haverá uma falsa aparência do bem e continuaremos a trazer em nós um foco malfazejo, cujas influências, mais cedo ou mais tarde, derramar-se-ão fatalmente sobre nossa vida.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do destino e da dor) Concatenação: Conjunto de coisas ou ações coordena- das ou em sucessão. (AURÉLIO) Malfazejo: que traz prejuízo; nocivo, daninho, maléfico. (HOUAISS)
  • 62. “Evitemos as discussões ruidosas, as pala- vras vãs, as leituras frívolas. Sejamos sóbri- os em relação aos jornais, […] Apliquemo- nos a obras mais substanciais, a tudo o que pode esclarecer-nos a respeito das leis pro- fundas da vida e facilitar nossa evolução. Pou co a pouco, edificar-se-ão em nós uma inteli- gência e uma consciência mais fortes e nosso corpo fluídico iluminar-se-á com os reflexos de um pensamento elevado e puro.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do destino e da dor)
  • 63.
  • 64. “A prece é uma invocação, mediante a qual o homem entra, pelo pensamento, em comuni- cação com o ser a quem se dirige. Pode ter por objeto um pedido, um agradecimento, ou uma glorificação. Podemos orar por nós mes- mos ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos. As preces feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução de suas vontades; as que se dirigem aos bons Espíri- tos são reportadas a Deus. Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, fá-lo re- correndo a intermediários, a intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade de Deus.” (KARDEC, ESE, Cap. XXVII, item 9)
  • 65. “Se meditarmos em assuntos elevados, na sabedoria, no dever, no sacrifício, nosso ser impregna–se, pouco a pouco, das qualidades de nosso pensamento. É por isso que a prece improvisada, ardente, o impulso da alma pa- ra as potências infinitas, tem tanta virtude. […] A oração, a comunhão pelo pensamento com o universo espiritual e divino é o esforço da alma para a beleza e para a verdade eter- nas; é a entrada, por um instante, nas esfe- ras da vida real e superior, aquela que não tem termo.” (LÉON DENIS, O problema do ser, do des- tino e da dor)
  • 66. “Em nós mesmos está a causa primária do mal e os maus Espíritos mais não fazem do que aproveitar os nossos pendores viciosos, em que nos entretêm para nos tentarem. Cada imperfeição é uma porta aberta à influ- ência deles, ao passo que são impotentes e renunciam a toda tentativa contra os seres perfeitos. É inútil tudo o que possamos fazer para afastá-los, se não lhes opusermos deci- dida e inabalável vontade de permanecer no bem e absoluta renúncia ao mal. […].” (KARDEC, ESE, cap. XXVIII, item 3)
  • 67. “Unicamente pelo fato da presença dos encarnados numa assembleia, os fluidos ambientes serão, pois, salubres ou insalubres, segundo os pensamentos dominantes sejam bons ou maus. Quem traz consi- go pensamentos de ódio, de inveja, de ciúme, de orgulho, de egoísmo, de animosidade, de cupidez, de falsidade, de hipocrisia, de maledicência, de ma- levolência, em uma palavra, pensamentos hauridos na fonte das más paixões, espalha ao seu redor eflú vios fluídicos malsãos, que reagem sobre aqueles que o cercam. Numa assembleia, ao contrário, onde todos não trouxessem senão sentimentos de bon- dade, de caridade, de humildade, de devotamento desinteressado, de benevolência e de amor ao pró- ximo, o ar estará impregnado de emanações saudá- veis no meio das quais sente-se viver mais como- damente.” (KARDEC, Revista Espírita 1867)
  • 68. “As vibrações de nosso pensamento, projetadas com intensidade volitiva, se propagam ao longe e podem influenciar organismos em afinidade com o nosso, e depois, suscitando uma espécie de rico- chete, voltar ao ponto de emissão. Assim, duas almas, vinculadas pelas ondulações de um mes- mo ritmo psíquico, podem sentir e vibrar em unís- sono. Às vezes, um diálogo misterioso se trava, de perto ou de longe; permutam-se pensamen- tos, demasiado sutis para que possam ser expres-sos por palavras; imagens, temas de conversa-ção, chamados, flutuam ou voam na atmosfera fluídica entre essas almas que, apesar da distân-cia, se sentem unidas, penetradas de um mesmo sentimento, e fazem irradiar de uma a outra os eflúvios de sua personalidade psíquica.” (LÉON DENIS, No invisível)
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72. Felipenses 4,8: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”
  • 73. Referência bibliográfica: DENIS, L. No Invisível. Rio de Janeiro: FEB, 1987. DENIS, L. O problema do ser, do destino e da dor. Rio de Janeiro: FEB, 1989. FRANCO, D. P. Autodescobrimento - uma busca interior. Salvador: LEAL, 2006. FRANCO, D. P. Conflitos Existenciais. Salvador: LEAL, 2007. KARDEC, A. A Gênese. Rio de Janeiro: FEB, 2007e. KARDEC, A. Obras Póstumas. Rio de Janeiro: FEB, 2006a. KARDEC, A. O Evangelho segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2007c. KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2007a. KARDEC, A. O que é o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2001. KARDEC, A. O Livro dos médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 2007b. KARDEC, A. Revista Espírita 1862. Araras, SP: IDE, 1993g. KARDEC, A. Revista Espírita 1864. Araras, SP: IDE, 1993h. KARDEC, A. Revista Espírita 1867. Araras, SP: IDE, 1999. PINHEIRO, L. G. O perispírito e suas modelações. Capivari, SP: EME, 2009. XAVIER, F. C. Missionários da Luz. Rio de Janeiro: FEB, 1986. XAVIER, F. C. Pensamento e vida. Rio de Janeiro: FEB, 2009. SODRÉ, R. Momento de fúria (texto e imagens) in http://www.otempo.com.br/polopoly_fs/1.851728.1401023495! image/image.jpg Léon Denis: http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%A9on_Denis
  • 74. Imagens: Capa: http://www.eldiario.net/noticias/2014/2014_06/nt140602/f_2014-06- 02_28.jpg Não maratás (adaptado): http://images.slideplayer.com.br/3/1464558/slides/slide_11.jpg Coração: http://www.drmauropassos.com.br/~drmauro1/images/Espiritualidade %20e%20doenas%20cardiovasculares.jpg Conserve a mente limpa: http://sphotos-h.ak.fbcdn.net/hphotos-ak- ash3/p480x480/946878_537934202919783_501572144_n.jpg Pensamento ondas: http://thegodguy.files.wordpress.com/2011/03/brain-waves-web.jpg Buda: http://www.frasesecitacoes.com.br/wp- content/uploads/2013/10/frase-buda-somos-o-que-pensamos.jpg Energias boas e ruins: http://www.espirito.org.br/portal/palestras/carlos- parchen/pensamento/pensamento-4.gif Homem Trino: http://espiritismofacil.com.br/wp- content/uploads/2014/08/Peri.jpg Máquina pensante: http://t2.gstatic.com/images? q=tbn:ANd9GcTyCPWL_GVtdEUvCvn3p2ZF5NJJ46nvFv0qRlkFuDSP4MQ6 9D6M
  • 75. Gandhi: http://www.netmundi.org/pensamentos/wp- content/uploads/2012/02/mahatma_gandhi7.jpg Aura: http://www.crystalsandreikihealing.com/wp- content/uploads/2014/01/aurabasic.jpg?a69762 Curas: https://www.facebook.com/Cura.Espiritual.2014/photos/a.27527979263 5247.1073741827.275259859303907/417589018404323/?type=1 Pensamento é laço: http://luzdoespiritismo.com/wp- content/uploads/2014/08/O-pensamento-%C3%A9-o-la%C3%A7o-que- nos-une-aos-Esp%C3%Adritos.png Pensamentos e companhias: http://1.bp.blogspot.com/- F0kluI9doAc/TaMyfAxDs2I/AAAAAAAAC3w/MbYKPQ32Noo/s320/pensam ento%2525bons.JPG e http://1.bp.blogspot.com/-- Snp8DY02VA/TaMyfHGfXQI/AAAAAAAAC3o/WA1ZUxVZW6Q/s320/pensa mentos%2525maus.JPG A prece: http://www.luzdoespiritismo.com Fantoche (adaptado): http://api.ning.com/files/hXj4gw9- MpPz9Ob8G1qpqmAzLylqfXib- FvKuWcS4pcF53xBeqKNJnFf*HrtJ3z8jcqJ6uGlEN6MzcdSfE4bu- XjgjRFyvqR/cartazseminarioalirio.jpg?width=750; frase: http://pensador.uol.com.br/frases_de_james_hunter/ Devemos: http://pt.slideshare.net/gracinha45/o-pensamento-saneia- ou-vicia-o-ambiente?qid=c14db823-393e-43fe-b249- bbaa784f851e&v=qf1&b=&from_search=1