SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
A prece:
importância,
benefícios e a
maneira correta
de orar.
LEONARDO PEREIRA
1. O que é prece
A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar
nEle; é aproximar-se dEle; é pôr-se em
comunicação com Ele.
A prece, no sentido a que aludimos, é sempre um
atestado de boa-vontade e compreensão, no
testemunho da nossa condição de Espíritos
devedores...
Sem dúvida, não poderá modificar o curso das leis,
diante das quais nos fazemos réus sujeitos a penas
múltiplas, mas renova-nos o modo de ser, valendo não
só como abençoada plantação de solidariedade em
nosso benefício, mas também como vacina contra
reincidência no mal.
Além disso, a prece faculta-nos a aproximação com os
grandes benfeitores que nos presidem os passos,
auxiliando-nos a organização de novo roteiro para a
caminhada segura.
André Luiz do livro ação e reação.
 É um processo de comunicação em duas vias, que
estabelecido, nos traz como retorno a energização positiva do
plano espiritual superior. O fato de orar verdadeiramente,
renova, fortifica, sendo um dos maiores recursos que a
bondade Divina colocou a nossa disposição, como fonte de
refazimento, como porto seguro nos momentos de
tempestade.
 ATO DE ADORAÇÃO A DEUS
 UMA FORMA DE COMUNICAÇÃO COM
DEUS E COM A ESPIRITUALIDADE
SUPERIOR.
ORAR A DEUS
 É PENSAR NELE
 É APROXIMAR-SE DELE
 É PÔR-SE EM COMUNICAÇÃO COM ELE
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC)
A PRECE É ...
PEDIDO: POR NÓS OU POR OUTRA PESSOA
A. é necessário saber o que pedir, o que se deve e o que não se deve
pedir;
B. é muito importante perceber a resposta, que muitas vezes não é a
que nós queremos, mas é a que nós necessitamos.
AGRADECIMENTO OU RECONHECIMENTO
A. agradecer àquilo que temos, que recebemos, as oportunidades, os
talentos, as bênçãos.
LOUVOR,CONTEMPLAÇÃO OU GLORIFICAÇÃO
A. prece de louvor a Deus pela beleza, pela natureza, pela perfeição,
por puro amor ao pai, é uma mensagem de carinho, de afeto e de
ternura, por entender o que é amar a Deus sobre todas as coisas.
LOUVAR PEDIR AGRADECER
2. Importância da prece
Pela prece, obtém, o homem o concurso
dos bons Espíritos, que acorrem a
sustentá-lo em suas boas resoluções e a
inspirar-lhe idéias sãs. Ele adquire,
desse modo, a força moral necessária a
vencer as dificuldades e a volver ao
caminho reto, se dele se afastou.
Por esse meio, pode também desviar de si
os males que atrairia pelas suas próprias
faltas. Está no pensamento o poder da
prece, que por nada depende nem das
palavras, nem do momento em que seja
feita. Pode-se orar em toda parte, e a
qualquer hora, a sós ou em comum.
3. A Maneira correta de orar, segundo o
entendimento Espírita.
A verdadeira prece não deve ser recitada,
mas sentida. Não deve ser cômodo
processo de movimentação de lábios,
emoldurado, muita vez, por belas
palavras, mas uma expressão de
sentimento vivo, real, a fim de que
realizemos legitima comunhão com a
Espiritualidade Maior.
A prece outra coisa não é senão uma conversa que
entretemos com Deus, Nosso Pai; com Jesus, Nosso
Mestre e Senhor, com nossos amigos espirituais.
É dialogo silencioso, humilde, contrito, revestido de
unção e fervor, em que o filho, pequenino e
imperfeito, fala com o Pai, Poderoso e Bom,
Perfeição das Perfeições.
Quando o espírita ora, sabe, por antecipação, que
sua prece não opera modificações na Lei, que é
imutável; altera-nos, contudo, o mundo intimo, que
se retempera, valorosamente, de modo a
enfrentarmos com galhardia as provas, que se
atenuam ao influxo da comunhão com o Mundo
Espiritual Superior.
Jesus definiu, claramente, a
maneira correta de orar, que
pode ser entendida como as
qualidades que a prece deve ter.
Ele nos recomenda que, quando
orarmos, não nos devemos pôr
em evidencia, mas orar em
secreto. Que não é pela
multiplicidade das palavras que
seremos atendidos, mas pela
sinceridade delas.
Recomenda-nos, também,
perdoar qualquer coisa que
tenhamos contra o nosso
próximo, antes de orar, visto que
a prece agradável a Deus parte
de um coração purificado pelo
sentimento de caridade.
Esclarece, por fim, que a prece
deve ser revestida de humildade,
procurando cada um ver os seus
próprios erros e não os do
próximo.
Quando Jesus nos recomenda
orar secretamente (“entrai para
o vosso quarto e, fechada a
porta, orai ao vosso Pai em
secreto”, nas palavras de
Mateus), não está estabelecendo
um posicionamento ou postura
especial, física ou mística, para
entrar em comunhão com Deus.
Afinal, não podemos esquecer
que existe uma multidão de
pessoas no planeta que não
possui nem mesmo um modesto
quarto para se recolher.
O que Jesus pretende é que
busquemos o recolhimento
para, a sós, dialogarmos com
Deus. No insulamento, a
oração flui com maior
maturidade, sem
interferências, sem
preocupações com formulas e
formas, favorecendo a
comunhão legitima com a
Espiritualidade (...)
Nesses instantes, orienta Jesus,
não nos preocupemos em falar
muito, como se as respostas
estivessem condicionadas à
prolixidade, ou se fossemos
haveis advogados empenhados
em convencer o Céu a ajudar-
nos. O essencial não é orar
muito, mas orar bem. As preces
muito longas, alem de
cansativas, podem revelar uma
forma de ostentação, que é
sempre contraria à humildade.
SINTONIA CORRETA:
tem-se que “sintonizar” para quem
oramos, “endereçar” corretamente a
nossa prece;
para tal, temos que mentalizar a quem
oramos. Se oramos a Deus, o
mentalizaremos através de seus atributos,
e não através de uma imagem ou figura;
não basta “orar por orar”.
PROPICIA O MÁXIMO EFEITO
QUANDO:
A PRECE...
FORÇA PARA ATINGIR AQUELE A
QUEM ORAMOS
 fatores determinantes:
o mérito de quem ora;
a fé de quem ora;
a sinceridade de sentimentos
e propósitos de quem ora;
a veracidade do que se
coloca na prece.
• Outra qualidade da prece é ser inteligível.
• Quem ora sem compreender o que diz,
habitua-se a valorizar mais as palavras do
que os pensamentos; (...) para ele as palavras
é que são eficazes, mesmo que o coração em
nada tome parte. A esse respeito o apóstolo
Paulo nos fala com lucidez: se eu, pois,
ignorar a significação da voz, serei
estrangeiro para aquele que fala e ele
estrangeiro para mim (...).
• A prece inteligível fala ao nosso Espírito.
Para isto não basta que seja dita em
língua compreensível pelo que ora; há
preces em língua vulgar que não dizem
muito mais ao pensamento do que se o
fossem em língua estranha, e que, por
isso mesmo, não vão ao coração; as
raras idéias que encerram são, as vezes,
abafadas pela superabundância de
palavras e pelo misticismo da
linguagem.
A principal qualidade da prece é ser
clara, simples e concisa, sem fraseologia
inútil, nem luxo de epítetos, que não
passam de vestimentas, de lantejoulas;
cada palavra deve ter o seu alcance,
despertar um pensamento, mover uma
fibra; numa palavra, deve fazer refletir;
só com esta condição a prece pode
atingir o seu objetivo, do contrario não
passa de ruído.
A PRECE = PROPICIA O MÁXIMO
EFEITO QUANDO:
- A verdadeira prece, é aquela que vem do fundo do coração, do interior
do espírito, repleta de verdade e sinceridade, sentida e vivida em cada
uma de suas palavras.
INTELIGÍVEL E COMPREENSÍVEL
simples, direta, objetiva
sem palavras vazias, sem
prolixidade
conteúdo, e não forma
repetição de nada adianta
4. Tipos de Prece
• O mais perfeito modelo de
concisão, no caso da prece,
é, sem contradita, a Oração
Dominical [Pai Nosso],
verdadeira obra-prima de
sublimidade na
simplicidade; sob a mais
reduzida forma, ela resume
todos os deveres do homem
para com Deus, para consigo
mesmo e para com o
próximo.
Todas as preces podem ser
definidas como sendo um apelo
de nossa alma em ligação
instantaneamente feita com o
Mundo Espiritual, segundo os
principio de afinidade
estabelecidos no intercambio
mental.
Sendo a prece um apelo,
evidentemente somos levados a,
de acordo com as instruções do
Benfeitores Espirituais,
classificá-las de vários modos.
Em primeiro lugar, temos a
prece vertical, isto é, aquela
que, expressando aspirações
realmente elevadas, se
projetam na direção do Mais
Alto, sendo, em face dos
mencionados princípios de
afinidade recolhidos pelos
Missionários das Esferas
Superiores.
1 - Prece vertical
2 - Horizontal
traduzindo anseios
vulgares...Encontrará
ressonância entre aqueles
Espíritos ainda ligados aos
problemas terrestres.
3 - Descendente
Por fim, teremos a descendente. A
essa não daremos a denominação
de prece, substituindo-a por
invocação (...) Na invocação o apelo
recebera a resposta de entidades de
baixo tom vibratório.
São os petitórios inadequados,
expressando desespero, rancor,
propósitos de vinganças, ambições,
etc.
RESUMINDO...
• A prece é vertical, horizontal ou descendente, em
decorrência do potencial mental de cada pessoa que
ora, ou dos sentimentos que expressa.
• A prece, qualquer que ela seja, é ação provocando a
reação que lhe corresponde.
• Conforme a sua natureza, paira na região em que foi
emitida ou eleva-se mais, ou menos, recebendo a
resposta imediata ou remota, segundo as finalidades a
que se destina.
• Desejos banais encontram realização próxima na
própria esfera em que surgem. Impulsos de expressão
algo mais nobre são amparados pelas almas que se
enobreceram. Ideais e petições de significação
profunda na imortalidade remontam às alturas.
Cada prece, tanto quanto cada emissão de força, se caracteriza por
determinado potencial de freqüência e todos estamos cercados por
Inteligências capazes de sintonizar com o nosso apelo, à maneira de
estações receptoras. (21)
AS IRRADIAÇÕES DOS NOSSOS
PENSAMENTOS E
SENTIMENTOS SÃO PROPAGADAS PELO
FLUIDO
UNIVERSAL, INDO ATINGIR ENCARNADOS E
DESENCARNADOS .
5. Importância da
Prece numa reunião
mediúnica.
Pela prece, o homem atrai o
concurso dos bons Espíritos,
que vem sustentá-lo nas boas
resoluções e inspirar-lhe bons
pensamentos. Assim, adquire
ele a força necessária para
vencer as dificuldades e
entrar no bom caminho, se
deste se houver afastado.
I. Portanto, no dia da reunião mediúnica, pelo menos
durante alguns minutos, horas antes dos trabalhos,
seja qual for a posição que ocupe no conjunto,
dedique-se o companheiro de serviço à prece e à
meditação em seu próprio lar.
II. Ligue as tomadas do pensamento para o Alto. Retire-
se, em espírito, das vulgaridades do terra-a-terra, e
ore, buscando a inspiração da Vida Maior.
III. Reflita que, em breve tempo, estará em contato com
os irmãos domiciliados no Mundo Espiritual(...) e
antecipe o cultivo da simpatia e do respeito, da
compaixão produtiva e da bondade operosa para
com todos aqueles que perderam o corpo físico sem
a desejada maturação espiritual.
a) Preparação para a reunião mediúnica
b) A prece durante a reunião mediúnica
I. O Espiritismo aconselha o habito da prece antes e após as suas
reuniões. Se o Espiritismo proclama a sua utilidade, não é por
espírito de sistema, mas porque a observação permitiu
constatar a sua eficácia e o modo de ação.
II. Alem da ação puramente moral, o Espiritismo nos mostra na
prece um efeito de certo modo material, resultante da
transmissão fluídica. Em certas moléculas, sua eficácia é
constatada pela experiência, conforme demonstra a teoria.
III. Sobrevindo o momento exato em que a reunião terá começo, o
orientador diminuirá o teor da iluminação e tomará a palavra,
formulando uma prece inicial. Cogitara, porem, de ser preciso,
não se alongando alem de dois minutos. (...) A prece, nessas
circunstancias, pede o mínimo de tempo, de vez que há
entidades em agoniada espera de socorro, à feição do doente
desesperado, reclamando medicação substancial.
I. A oração final, proferida pelo dirigente da reunião
[mediúnica], obedecera à concisão e à simplicidade.
(20) A prece tem o poder de acalmar o Espírito
comunicante desajustado, fornecendo-lhe fluidos
salutares para a sua harmonização intima. O médium
que busca refugio na prece cria um ambiente, em
torno de si, favorável ao amparo espiritual, livrando-
o da ação nociva de certos Espíritos inescrupulosos.
II. A mediunidade, na ordem superior da vida, esteve
sempre associada à oração, para converter-se no
instrumento da obra iluminativa do mundo. (22)
Como a oração é a expressão mais alta e mais pura
do pensamento traça uma via fluídica, que permite às
Entidades do Espaço descerem ate nós e comunicar-
se; nos grupos constituí um meio favorável à
produção de fenômenos de ordem elevada, ao
mesmo tempo que os preserva contra os maus
Espíritos. (13)
I. Não existe “prece” mais “poderosa”;
II. A prece só tem valor pelo pensamento que lhe está
conjugado. Uma só palavra pode ser poderosa prece;
III. A prece não tem finalidade de barganhar com o plano
maior, que não necessita de “trocas” materiais, mas
socorre a quem verdadeiramente tem bons propósitos,
manifestados de forma inequívoca nas energias que
emitimos ao orar;
IV. A prece independe de hora, local ou companhia. Sempre
que possível, deve-se buscar condições que propiciem o
recolhimento e a concentração;
V. A prece não necessita de gestos, de atitudes específicas,
de sacrifícios, de qualquer espécie de ritual.
CULTO DO
EVANGELHO
NO LAR
CULTO CRISTÃO NO LAR
NOSSA HUMANIDADE
MARCADA POR PROBLEMAS DAS MAIS
VARIADAS ORDENS
CONSIGO
MESMO
COM O MEIO
EM QUE VIVE
COM O SEU
SEMELHANTE
CULTO DO EVANGELHO EM FAMÍLIA - FEB
QUE ESTÃO CONTIDOS NOS
ENSINAMENTOS DO EVANGELHO
DE JESUS
CULTO DO EVANGELHO EM FAMÍLIA - FEB
SÃO RESULTANTES DA
MANEIRA COMO AGE
REVELANDO A IMPORTÂNCIA
DOS VALORES MORAIS
QUAL A IMPORTÂNCIA DO EVANGELHO
PARA A HUMANIDADE ?
O EVANGELHO EM NOSSA
EVOLUÇÃO
ESPIRITUAL, É
SEMELHANTE AO SOL
NA SUSTENTAÇÃO DE
NOSSA VIDA.
O ESTUDO DO EVANGELHO É A
MANEIRA
MAIS EFICIENTE PARA SE EDIFICAR
UMA
HUMANIDADE MELHOR E MAIS FELIZ.
CULTO DO EVANGELHO EM FAMÍLIA - FEB(“ENTENDER CONVERSANDO”
EMMANUEL)
É O LAR, ONDE A CRIATURA DEVE
RECEBER AS BASES DO
SENTIMENTO E DO CARÁTER.
A ESCOLA EDUCATIVA DO LAR SÓ
POSSUI UMA FONTE DE
RENOVAÇÃO ESPIRITUAL
QUE É O EVANGELHO DE JESUS.
(“O CONSOLADOR” - EMMANUEL )
QUAL A MELHOR ESCOLA ?
CULTOCRISTÃO NO LAR
O QUE É
É UMA REUNIÃO SEMANAL
DA FAMÍLIA, PARA ESTUDO
DO EVANGELHO E ORAÇÃO
EM CONJUNTO
É PRÁTICA DA RELIGIÃO
EM FAMÍLIA.
(“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS)
BENEFÍCIOS
(“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS)
- HIGIENIZA O LAR, A MENTE, A ALMA
- HARMONIZA A FAMÍLIA
- BENEFICIA A VIZINHANÇA
- LIÇÕES EDUCATIVAS
- REFLEXÕES
- MUDANÇA DE COMPORTAMENTO
- AJUDA DOS BONS ESPÍRITOS
- AFASTAMENTO DOS ESPÍRITOS
INFERIORES
- HARMONIZA A CONVIVÊNCIA NO LAR
- ESTREITAMENTO DA AMIZADE
BANHO
ESPIRITUAL
FORTALECIMENTO
MORAL
AMPARO
ESPIRITUAL
CONVÍVIO
FRATERNO
- TODOS OS INTEGRANTES
OU NÃO DA FAMÍLIA.
- AS CRIANÇAS DEVEM SER
ESTIMULADAS.
- ADULTO QUE NÃO DESEJAR
PARTICIPAR DEVE SER
RESPEITADO.
NÃO DEVE ULTRAPASSAR
30 MINUTOS.
QUEM PODE PARTICIPAR
DURAÇÃO
(“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS
“JESUS NO LAR” - NEIO LÚCIO)
MOTIVÁ-LAS, IGNORAR
PROCEDIMENTOS.
DEVEM SER EVITADOS
CONVIDÁ-LAS A
PARTICIPAR
OBSTÁCULOS
VISITAS INESPERADAS
INQUIETAÇÃO DAS CRIANÇAS
RUÍDOS
(“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS
“JESUS NO LAR” - NEIO LÚCIO)
NÃO FAVORECER QUALQUER
MANIFESTAÇÃO MEDIÚNICA.
ROTEIRO
1. ESCOLHER DIA E HORA.
2. COLOCAR ÁGUA PARA SER FLUIDIFICADA.
3. PRECE INICIAL.
5. COMENTÁRIOS E DIÁLOGOS.
4. LEITURA EVANGÉLICA.
6. PRECE FINAL
7. DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA FLUIDIFICADA
OBSERVAÇÃO
O CULTO DO EVANGELHO NO LAR
APERFEIÇOA O HOMEM;
O HOMEM APERFEIÇOADO ILUMINA
A FAMÍLIA;
A FAMÍLIA ILUMINADA MELHORA A
COMUNIDADE;
A COMUNIDADE MELHORADA ELEVA
A NAÇÃO;
O HOMEM EVANGELIZADO ADQUIRE
COMPREENSÃO E AMOR, A FAMÍLIA
CONQUISTA ENTENDIMENTO, A CO-
MUNIDADE PRODUZ TRABALHO E
FRATERNIDADE. EMMANUEL
PAI
NOSSO
Pai Nosso que estais no céu, na terra,
em todos os mundos espirituais.
Santificado e Bendito seja sempre o Vosso
Nome, mesmo quando a dor e a desilusão
ferirem nosso coração. Bendito Sejas.
O pão nosso de cada dia, dai-nos hoje.
Pai, dai-nos o pão que
revigora as forças físicas,
mas dai-nos também o pão para o espírito.
Perdoai as nossas ofensas, mas ensinai-nos
antes a merecer o
Vosso perdão, perdoando aqueles
que tripudiam sobre nossas dores,
espezinham nossos corações e
destroem nossas ilusões.
Que possamos perdoá-los,
não com os lábios e sim com o coração.
Afastai de nosso caminho todo
sentimento contrário a caridade..
Que este Pai Nosso seja dadivoso
para todos aqueles que sofrem como
espíritos encarnados ou desencarnados.
Que uma partícula deste Pai Nosso
vá até os cárceres onde
alguns sofrem merecidamente,
mas outros pelo erro judiciário.
Que vá até os hospícios
iluminando os cérebros conturbados
que ali se encontram.
Que vá até os hospitais, onde muitos choram
e sofrem sem o consolo da palavra amiga.
Que vá a todos aqueles que neste momento
transpõem o pórtico da vida terrena para a
espiritual, para que tenham
um guia e o Vosso perdão.
Que este Pai Nosso vá até os lupanaranes
e erga as pobres e infelizes criaturas
que para ali foram tangidas
pela fome, dando-lhes apoio e fé.
Que vá até o seio da Terra onde o mineiro
está exposto ao fogo do grizu e que ele, findo o dia,
possa voltar ao seio de sua família.
Que este Pai Nosso vá até os dirigentes
das nações para que evitem a
guerra e cultivem a paz.
Tende piedade dos
órfãos e viúvas.
Daqueles que até esta hora não
tiveram uma côdea de pão
Tende compaixão dos
navegadores dos ares.
Dos que lutam com os vendavais
no meio do mar bravio.
Tende piedade da mulher
que abre os olhos do ser à vida.
E que a Paz e a Harmonia
do Bem
fiquem entre nós e estejam
com todos.
Assim seja.
AO GRUPO JUSTIÇA MEUS PARABÉNS E O
RECONHECIEMENTO PELO ESFORÇO.
OBRIGADO A TODOS PELO ESTUDO E PELA PARTICIPAÇÃO!
CONTINUEMOS NA ESCOLINHA DO BEM!
LEONARDO
1. KARDEC. Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XXVII, item 4, p 370
2. ________. Item 9, p 373
3. ________, item 11, p 373
4. ________, item 15, p 377
5. ________, Cap. XXVIII, item 2, p 387
6. ________. O Livro dos Espíritos . Questão 658
7. ________, questão 659
8. ________, questão 660
9. ________, Revista Espírita. Ano 1864, agosto, p 314
10. ________, p. 315
11. ________, Ano 1866, janeiro, p 19
12. ________, p 20
13. DENIS, Leon. Espíritos e Médiuns, p 55
14. PERALVA, Martins. Estudando a Mediunidade, Cap. XXXIII, p 174-175
15. ________. O Pensamento de Emmanuel. Cap. 25, p 160
16. ________, p 161
17. SIMONETTI, Richard. A voz do Monte, item Ante a oração, p 118-119
18. XAVIER, Chico & VIEIRA, Waldo. Desobsessão, Cap. 4, p 33
18. Cap. 29, p 117
19. ______, Cap. 56, p 197
20. ______, Entre a Terra e o Céu, Cap. I, p 10
21. ______, Mecanismos da Mediunidade , item mediunidade e prece, p 180
22. ______. Missionários da Luz . Cap. 6, p 83
23. ______, p 84

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 

Mais procurados (20)

Palestra Espírita - Os falsos profetas
Palestra Espírita - Os falsos profetasPalestra Espírita - Os falsos profetas
Palestra Espírita - Os falsos profetas
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
 
Palestra Pública - A verdadeira cura
Palestra Pública - A verdadeira curaPalestra Pública - A verdadeira cura
Palestra Pública - A verdadeira cura
 
Buscai e achareis 1 a 5
Buscai e achareis 1 a  5Buscai e achareis 1 a  5
Buscai e achareis 1 a 5
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
APEGO E LIBERTAÇÃO VISÃO ESPÍRITA
APEGO E LIBERTAÇÃO VISÃO ESPÍRITA APEGO E LIBERTAÇÃO VISÃO ESPÍRITA
APEGO E LIBERTAÇÃO VISÃO ESPÍRITA
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptxNECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Cap 15 Fora da caridade não há salvação
Cap 15 Fora da caridade não há salvaçãoCap 15 Fora da caridade não há salvação
Cap 15 Fora da caridade não há salvação
 
Anjos da Guarda
Anjos da GuardaAnjos da Guarda
Anjos da Guarda
 

Destaque (8)

A eficácia da Prece
A eficácia da PreceA eficácia da Prece
A eficácia da Prece
 
Interpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai NossoInterpretando a Oração Pai Nosso
Interpretando a Oração Pai Nosso
 
Palestra Prece
Palestra PrecePalestra Prece
Palestra Prece
 
A Vontade
A VontadeA Vontade
A Vontade
 
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de EducaçãoPai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
 
A ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamentoA ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamento
 
A Eficácia da Prece
A Eficácia da PreceA Eficácia da Prece
A Eficácia da Prece
 
A prece
A prece A prece
A prece
 

Semelhante a Estudo sobre prece!

A prece estudo mediunico
A prece  estudo mediunicoA prece  estudo mediunico
A prece estudo mediunico
Alice Lirio
 

Semelhante a Estudo sobre prece! (20)

Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar
 
42 fluidoterapia-preces
42 fluidoterapia-preces42 fluidoterapia-preces
42 fluidoterapia-preces
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
 
Pedi e obtereis
Pedi e obtereisPedi e obtereis
Pedi e obtereis
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
 
A oração, nossa força
A oração, nossa forçaA oração, nossa força
A oração, nossa força
 
A prece estudo mediunico
A prece  estudo mediunicoA prece  estudo mediunico
A prece estudo mediunico
 
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
 
A Prece e o Pensamento Construtivo
A Prece e o Pensamento ConstrutivoA Prece e o Pensamento Construtivo
A Prece e o Pensamento Construtivo
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
 
Reforma-Intíma-sem-martírio.pdf
Reforma-Intíma-sem-martírio.pdfReforma-Intíma-sem-martírio.pdf
Reforma-Intíma-sem-martírio.pdf
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo correto
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
 
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
 

Mais de Leonardo Pereira

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Último (10)

Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Estudo sobre prece!

  • 1. A prece: importância, benefícios e a maneira correta de orar. LEONARDO PEREIRA
  • 2. 1. O que é prece A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar nEle; é aproximar-se dEle; é pôr-se em comunicação com Ele. A prece, no sentido a que aludimos, é sempre um atestado de boa-vontade e compreensão, no testemunho da nossa condição de Espíritos devedores...
  • 3. Sem dúvida, não poderá modificar o curso das leis, diante das quais nos fazemos réus sujeitos a penas múltiplas, mas renova-nos o modo de ser, valendo não só como abençoada plantação de solidariedade em nosso benefício, mas também como vacina contra reincidência no mal. Além disso, a prece faculta-nos a aproximação com os grandes benfeitores que nos presidem os passos, auxiliando-nos a organização de novo roteiro para a caminhada segura. André Luiz do livro ação e reação.
  • 4.  É um processo de comunicação em duas vias, que estabelecido, nos traz como retorno a energização positiva do plano espiritual superior. O fato de orar verdadeiramente, renova, fortifica, sendo um dos maiores recursos que a bondade Divina colocou a nossa disposição, como fonte de refazimento, como porto seguro nos momentos de tempestade.
  • 5.  ATO DE ADORAÇÃO A DEUS  UMA FORMA DE COMUNICAÇÃO COM DEUS E COM A ESPIRITUALIDADE SUPERIOR. ORAR A DEUS  É PENSAR NELE  É APROXIMAR-SE DELE  É PÔR-SE EM COMUNICAÇÃO COM ELE (O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC) A PRECE É ...
  • 6. PEDIDO: POR NÓS OU POR OUTRA PESSOA A. é necessário saber o que pedir, o que se deve e o que não se deve pedir; B. é muito importante perceber a resposta, que muitas vezes não é a que nós queremos, mas é a que nós necessitamos. AGRADECIMENTO OU RECONHECIMENTO A. agradecer àquilo que temos, que recebemos, as oportunidades, os talentos, as bênçãos. LOUVOR,CONTEMPLAÇÃO OU GLORIFICAÇÃO A. prece de louvor a Deus pela beleza, pela natureza, pela perfeição, por puro amor ao pai, é uma mensagem de carinho, de afeto e de ternura, por entender o que é amar a Deus sobre todas as coisas. LOUVAR PEDIR AGRADECER
  • 7. 2. Importância da prece Pela prece, obtém, o homem o concurso dos bons Espíritos, que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe idéias sãs. Ele adquire, desse modo, a força moral necessária a vencer as dificuldades e a volver ao caminho reto, se dele se afastou. Por esse meio, pode também desviar de si os males que atrairia pelas suas próprias faltas. Está no pensamento o poder da prece, que por nada depende nem das palavras, nem do momento em que seja feita. Pode-se orar em toda parte, e a qualquer hora, a sós ou em comum.
  • 8. 3. A Maneira correta de orar, segundo o entendimento Espírita. A verdadeira prece não deve ser recitada, mas sentida. Não deve ser cômodo processo de movimentação de lábios, emoldurado, muita vez, por belas palavras, mas uma expressão de sentimento vivo, real, a fim de que realizemos legitima comunhão com a Espiritualidade Maior.
  • 9. A prece outra coisa não é senão uma conversa que entretemos com Deus, Nosso Pai; com Jesus, Nosso Mestre e Senhor, com nossos amigos espirituais. É dialogo silencioso, humilde, contrito, revestido de unção e fervor, em que o filho, pequenino e imperfeito, fala com o Pai, Poderoso e Bom, Perfeição das Perfeições. Quando o espírita ora, sabe, por antecipação, que sua prece não opera modificações na Lei, que é imutável; altera-nos, contudo, o mundo intimo, que se retempera, valorosamente, de modo a enfrentarmos com galhardia as provas, que se atenuam ao influxo da comunhão com o Mundo Espiritual Superior.
  • 10. Jesus definiu, claramente, a maneira correta de orar, que pode ser entendida como as qualidades que a prece deve ter. Ele nos recomenda que, quando orarmos, não nos devemos pôr em evidencia, mas orar em secreto. Que não é pela multiplicidade das palavras que seremos atendidos, mas pela sinceridade delas.
  • 11. Recomenda-nos, também, perdoar qualquer coisa que tenhamos contra o nosso próximo, antes de orar, visto que a prece agradável a Deus parte de um coração purificado pelo sentimento de caridade. Esclarece, por fim, que a prece deve ser revestida de humildade, procurando cada um ver os seus próprios erros e não os do próximo.
  • 12. Quando Jesus nos recomenda orar secretamente (“entrai para o vosso quarto e, fechada a porta, orai ao vosso Pai em secreto”, nas palavras de Mateus), não está estabelecendo um posicionamento ou postura especial, física ou mística, para entrar em comunhão com Deus. Afinal, não podemos esquecer que existe uma multidão de pessoas no planeta que não possui nem mesmo um modesto quarto para se recolher.
  • 13. O que Jesus pretende é que busquemos o recolhimento para, a sós, dialogarmos com Deus. No insulamento, a oração flui com maior maturidade, sem interferências, sem preocupações com formulas e formas, favorecendo a comunhão legitima com a Espiritualidade (...)
  • 14. Nesses instantes, orienta Jesus, não nos preocupemos em falar muito, como se as respostas estivessem condicionadas à prolixidade, ou se fossemos haveis advogados empenhados em convencer o Céu a ajudar- nos. O essencial não é orar muito, mas orar bem. As preces muito longas, alem de cansativas, podem revelar uma forma de ostentação, que é sempre contraria à humildade.
  • 15. SINTONIA CORRETA: tem-se que “sintonizar” para quem oramos, “endereçar” corretamente a nossa prece; para tal, temos que mentalizar a quem oramos. Se oramos a Deus, o mentalizaremos através de seus atributos, e não através de uma imagem ou figura; não basta “orar por orar”. PROPICIA O MÁXIMO EFEITO QUANDO: A PRECE...
  • 16. FORÇA PARA ATINGIR AQUELE A QUEM ORAMOS  fatores determinantes: o mérito de quem ora; a fé de quem ora; a sinceridade de sentimentos e propósitos de quem ora; a veracidade do que se coloca na prece.
  • 17. • Outra qualidade da prece é ser inteligível. • Quem ora sem compreender o que diz, habitua-se a valorizar mais as palavras do que os pensamentos; (...) para ele as palavras é que são eficazes, mesmo que o coração em nada tome parte. A esse respeito o apóstolo Paulo nos fala com lucidez: se eu, pois, ignorar a significação da voz, serei estrangeiro para aquele que fala e ele estrangeiro para mim (...).
  • 18. • A prece inteligível fala ao nosso Espírito. Para isto não basta que seja dita em língua compreensível pelo que ora; há preces em língua vulgar que não dizem muito mais ao pensamento do que se o fossem em língua estranha, e que, por isso mesmo, não vão ao coração; as raras idéias que encerram são, as vezes, abafadas pela superabundância de palavras e pelo misticismo da linguagem.
  • 19. A principal qualidade da prece é ser clara, simples e concisa, sem fraseologia inútil, nem luxo de epítetos, que não passam de vestimentas, de lantejoulas; cada palavra deve ter o seu alcance, despertar um pensamento, mover uma fibra; numa palavra, deve fazer refletir; só com esta condição a prece pode atingir o seu objetivo, do contrario não passa de ruído.
  • 20. A PRECE = PROPICIA O MÁXIMO EFEITO QUANDO: - A verdadeira prece, é aquela que vem do fundo do coração, do interior do espírito, repleta de verdade e sinceridade, sentida e vivida em cada uma de suas palavras. INTELIGÍVEL E COMPREENSÍVEL simples, direta, objetiva sem palavras vazias, sem prolixidade conteúdo, e não forma repetição de nada adianta
  • 21. 4. Tipos de Prece • O mais perfeito modelo de concisão, no caso da prece, é, sem contradita, a Oração Dominical [Pai Nosso], verdadeira obra-prima de sublimidade na simplicidade; sob a mais reduzida forma, ela resume todos os deveres do homem para com Deus, para consigo mesmo e para com o próximo.
  • 22. Todas as preces podem ser definidas como sendo um apelo de nossa alma em ligação instantaneamente feita com o Mundo Espiritual, segundo os principio de afinidade estabelecidos no intercambio mental. Sendo a prece um apelo, evidentemente somos levados a, de acordo com as instruções do Benfeitores Espirituais, classificá-las de vários modos.
  • 23. Em primeiro lugar, temos a prece vertical, isto é, aquela que, expressando aspirações realmente elevadas, se projetam na direção do Mais Alto, sendo, em face dos mencionados princípios de afinidade recolhidos pelos Missionários das Esferas Superiores. 1 - Prece vertical
  • 24. 2 - Horizontal traduzindo anseios vulgares...Encontrará ressonância entre aqueles Espíritos ainda ligados aos problemas terrestres.
  • 25. 3 - Descendente Por fim, teremos a descendente. A essa não daremos a denominação de prece, substituindo-a por invocação (...) Na invocação o apelo recebera a resposta de entidades de baixo tom vibratório. São os petitórios inadequados, expressando desespero, rancor, propósitos de vinganças, ambições, etc.
  • 26. RESUMINDO... • A prece é vertical, horizontal ou descendente, em decorrência do potencial mental de cada pessoa que ora, ou dos sentimentos que expressa. • A prece, qualquer que ela seja, é ação provocando a reação que lhe corresponde. • Conforme a sua natureza, paira na região em que foi emitida ou eleva-se mais, ou menos, recebendo a resposta imediata ou remota, segundo as finalidades a que se destina. • Desejos banais encontram realização próxima na própria esfera em que surgem. Impulsos de expressão algo mais nobre são amparados pelas almas que se enobreceram. Ideais e petições de significação profunda na imortalidade remontam às alturas.
  • 27.
  • 28. Cada prece, tanto quanto cada emissão de força, se caracteriza por determinado potencial de freqüência e todos estamos cercados por Inteligências capazes de sintonizar com o nosso apelo, à maneira de estações receptoras. (21) AS IRRADIAÇÕES DOS NOSSOS PENSAMENTOS E SENTIMENTOS SÃO PROPAGADAS PELO FLUIDO UNIVERSAL, INDO ATINGIR ENCARNADOS E DESENCARNADOS .
  • 29. 5. Importância da Prece numa reunião mediúnica. Pela prece, o homem atrai o concurso dos bons Espíritos, que vem sustentá-lo nas boas resoluções e inspirar-lhe bons pensamentos. Assim, adquire ele a força necessária para vencer as dificuldades e entrar no bom caminho, se deste se houver afastado.
  • 30. I. Portanto, no dia da reunião mediúnica, pelo menos durante alguns minutos, horas antes dos trabalhos, seja qual for a posição que ocupe no conjunto, dedique-se o companheiro de serviço à prece e à meditação em seu próprio lar. II. Ligue as tomadas do pensamento para o Alto. Retire- se, em espírito, das vulgaridades do terra-a-terra, e ore, buscando a inspiração da Vida Maior. III. Reflita que, em breve tempo, estará em contato com os irmãos domiciliados no Mundo Espiritual(...) e antecipe o cultivo da simpatia e do respeito, da compaixão produtiva e da bondade operosa para com todos aqueles que perderam o corpo físico sem a desejada maturação espiritual. a) Preparação para a reunião mediúnica
  • 31. b) A prece durante a reunião mediúnica I. O Espiritismo aconselha o habito da prece antes e após as suas reuniões. Se o Espiritismo proclama a sua utilidade, não é por espírito de sistema, mas porque a observação permitiu constatar a sua eficácia e o modo de ação. II. Alem da ação puramente moral, o Espiritismo nos mostra na prece um efeito de certo modo material, resultante da transmissão fluídica. Em certas moléculas, sua eficácia é constatada pela experiência, conforme demonstra a teoria. III. Sobrevindo o momento exato em que a reunião terá começo, o orientador diminuirá o teor da iluminação e tomará a palavra, formulando uma prece inicial. Cogitara, porem, de ser preciso, não se alongando alem de dois minutos. (...) A prece, nessas circunstancias, pede o mínimo de tempo, de vez que há entidades em agoniada espera de socorro, à feição do doente desesperado, reclamando medicação substancial.
  • 32. I. A oração final, proferida pelo dirigente da reunião [mediúnica], obedecera à concisão e à simplicidade. (20) A prece tem o poder de acalmar o Espírito comunicante desajustado, fornecendo-lhe fluidos salutares para a sua harmonização intima. O médium que busca refugio na prece cria um ambiente, em torno de si, favorável ao amparo espiritual, livrando- o da ação nociva de certos Espíritos inescrupulosos. II. A mediunidade, na ordem superior da vida, esteve sempre associada à oração, para converter-se no instrumento da obra iluminativa do mundo. (22) Como a oração é a expressão mais alta e mais pura do pensamento traça uma via fluídica, que permite às Entidades do Espaço descerem ate nós e comunicar- se; nos grupos constituí um meio favorável à produção de fenômenos de ordem elevada, ao mesmo tempo que os preserva contra os maus Espíritos. (13)
  • 33. I. Não existe “prece” mais “poderosa”; II. A prece só tem valor pelo pensamento que lhe está conjugado. Uma só palavra pode ser poderosa prece; III. A prece não tem finalidade de barganhar com o plano maior, que não necessita de “trocas” materiais, mas socorre a quem verdadeiramente tem bons propósitos, manifestados de forma inequívoca nas energias que emitimos ao orar; IV. A prece independe de hora, local ou companhia. Sempre que possível, deve-se buscar condições que propiciem o recolhimento e a concentração; V. A prece não necessita de gestos, de atitudes específicas, de sacrifícios, de qualquer espécie de ritual.
  • 35. CULTO CRISTÃO NO LAR NOSSA HUMANIDADE MARCADA POR PROBLEMAS DAS MAIS VARIADAS ORDENS CONSIGO MESMO COM O MEIO EM QUE VIVE COM O SEU SEMELHANTE CULTO DO EVANGELHO EM FAMÍLIA - FEB
  • 36. QUE ESTÃO CONTIDOS NOS ENSINAMENTOS DO EVANGELHO DE JESUS CULTO DO EVANGELHO EM FAMÍLIA - FEB SÃO RESULTANTES DA MANEIRA COMO AGE REVELANDO A IMPORTÂNCIA DOS VALORES MORAIS
  • 37. QUAL A IMPORTÂNCIA DO EVANGELHO PARA A HUMANIDADE ? O EVANGELHO EM NOSSA EVOLUÇÃO ESPIRITUAL, É SEMELHANTE AO SOL NA SUSTENTAÇÃO DE NOSSA VIDA. O ESTUDO DO EVANGELHO É A MANEIRA MAIS EFICIENTE PARA SE EDIFICAR UMA HUMANIDADE MELHOR E MAIS FELIZ. CULTO DO EVANGELHO EM FAMÍLIA - FEB(“ENTENDER CONVERSANDO” EMMANUEL)
  • 38. É O LAR, ONDE A CRIATURA DEVE RECEBER AS BASES DO SENTIMENTO E DO CARÁTER. A ESCOLA EDUCATIVA DO LAR SÓ POSSUI UMA FONTE DE RENOVAÇÃO ESPIRITUAL QUE É O EVANGELHO DE JESUS. (“O CONSOLADOR” - EMMANUEL ) QUAL A MELHOR ESCOLA ?
  • 39. CULTOCRISTÃO NO LAR O QUE É É UMA REUNIÃO SEMANAL DA FAMÍLIA, PARA ESTUDO DO EVANGELHO E ORAÇÃO EM CONJUNTO É PRÁTICA DA RELIGIÃO EM FAMÍLIA. (“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS)
  • 40. BENEFÍCIOS (“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS) - HIGIENIZA O LAR, A MENTE, A ALMA - HARMONIZA A FAMÍLIA - BENEFICIA A VIZINHANÇA - LIÇÕES EDUCATIVAS - REFLEXÕES - MUDANÇA DE COMPORTAMENTO - AJUDA DOS BONS ESPÍRITOS - AFASTAMENTO DOS ESPÍRITOS INFERIORES - HARMONIZA A CONVIVÊNCIA NO LAR - ESTREITAMENTO DA AMIZADE BANHO ESPIRITUAL FORTALECIMENTO MORAL AMPARO ESPIRITUAL CONVÍVIO FRATERNO
  • 41. - TODOS OS INTEGRANTES OU NÃO DA FAMÍLIA. - AS CRIANÇAS DEVEM SER ESTIMULADAS. - ADULTO QUE NÃO DESEJAR PARTICIPAR DEVE SER RESPEITADO. NÃO DEVE ULTRAPASSAR 30 MINUTOS. QUEM PODE PARTICIPAR DURAÇÃO (“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS “JESUS NO LAR” - NEIO LÚCIO)
  • 42. MOTIVÁ-LAS, IGNORAR PROCEDIMENTOS. DEVEM SER EVITADOS CONVIDÁ-LAS A PARTICIPAR OBSTÁCULOS VISITAS INESPERADAS INQUIETAÇÃO DAS CRIANÇAS RUÍDOS (“MESSE DE AMOR” - JOANNA DE ÂNGELIS “JESUS NO LAR” - NEIO LÚCIO)
  • 43. NÃO FAVORECER QUALQUER MANIFESTAÇÃO MEDIÚNICA. ROTEIRO 1. ESCOLHER DIA E HORA. 2. COLOCAR ÁGUA PARA SER FLUIDIFICADA. 3. PRECE INICIAL. 5. COMENTÁRIOS E DIÁLOGOS. 4. LEITURA EVANGÉLICA. 6. PRECE FINAL 7. DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA FLUIDIFICADA OBSERVAÇÃO
  • 44. O CULTO DO EVANGELHO NO LAR APERFEIÇOA O HOMEM; O HOMEM APERFEIÇOADO ILUMINA A FAMÍLIA; A FAMÍLIA ILUMINADA MELHORA A COMUNIDADE; A COMUNIDADE MELHORADA ELEVA A NAÇÃO; O HOMEM EVANGELIZADO ADQUIRE COMPREENSÃO E AMOR, A FAMÍLIA CONQUISTA ENTENDIMENTO, A CO- MUNIDADE PRODUZ TRABALHO E FRATERNIDADE. EMMANUEL
  • 46. Pai Nosso que estais no céu, na terra, em todos os mundos espirituais.
  • 47. Santificado e Bendito seja sempre o Vosso Nome, mesmo quando a dor e a desilusão ferirem nosso coração. Bendito Sejas.
  • 48. O pão nosso de cada dia, dai-nos hoje. Pai, dai-nos o pão que revigora as forças físicas, mas dai-nos também o pão para o espírito.
  • 49. Perdoai as nossas ofensas, mas ensinai-nos antes a merecer o Vosso perdão, perdoando aqueles que tripudiam sobre nossas dores, espezinham nossos corações e destroem nossas ilusões. Que possamos perdoá-los, não com os lábios e sim com o coração.
  • 50. Afastai de nosso caminho todo sentimento contrário a caridade..
  • 51. Que este Pai Nosso seja dadivoso para todos aqueles que sofrem como espíritos encarnados ou desencarnados.
  • 52. Que uma partícula deste Pai Nosso vá até os cárceres onde alguns sofrem merecidamente, mas outros pelo erro judiciário.
  • 53. Que vá até os hospícios iluminando os cérebros conturbados que ali se encontram.
  • 54. Que vá até os hospitais, onde muitos choram e sofrem sem o consolo da palavra amiga.
  • 55. Que vá a todos aqueles que neste momento transpõem o pórtico da vida terrena para a espiritual, para que tenham um guia e o Vosso perdão.
  • 56. Que este Pai Nosso vá até os lupanaranes e erga as pobres e infelizes criaturas que para ali foram tangidas pela fome, dando-lhes apoio e fé.
  • 57. Que vá até o seio da Terra onde o mineiro está exposto ao fogo do grizu e que ele, findo o dia, possa voltar ao seio de sua família.
  • 58. Que este Pai Nosso vá até os dirigentes das nações para que evitem a guerra e cultivem a paz.
  • 60. Daqueles que até esta hora não tiveram uma côdea de pão
  • 62. Dos que lutam com os vendavais no meio do mar bravio.
  • 63. Tende piedade da mulher que abre os olhos do ser à vida.
  • 64. E que a Paz e a Harmonia do Bem fiquem entre nós e estejam com todos. Assim seja.
  • 65. AO GRUPO JUSTIÇA MEUS PARABÉNS E O RECONHECIEMENTO PELO ESFORÇO. OBRIGADO A TODOS PELO ESTUDO E PELA PARTICIPAÇÃO! CONTINUEMOS NA ESCOLINHA DO BEM! LEONARDO
  • 66. 1. KARDEC. Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XXVII, item 4, p 370 2. ________. Item 9, p 373 3. ________, item 11, p 373 4. ________, item 15, p 377 5. ________, Cap. XXVIII, item 2, p 387 6. ________. O Livro dos Espíritos . Questão 658 7. ________, questão 659 8. ________, questão 660 9. ________, Revista Espírita. Ano 1864, agosto, p 314 10. ________, p. 315 11. ________, Ano 1866, janeiro, p 19 12. ________, p 20 13. DENIS, Leon. Espíritos e Médiuns, p 55 14. PERALVA, Martins. Estudando a Mediunidade, Cap. XXXIII, p 174-175 15. ________. O Pensamento de Emmanuel. Cap. 25, p 160 16. ________, p 161 17. SIMONETTI, Richard. A voz do Monte, item Ante a oração, p 118-119 18. XAVIER, Chico & VIEIRA, Waldo. Desobsessão, Cap. 4, p 33 18. Cap. 29, p 117 19. ______, Cap. 56, p 197 20. ______, Entre a Terra e o Céu, Cap. I, p 10 21. ______, Mecanismos da Mediunidade , item mediunidade e prece, p 180 22. ______. Missionários da Luz . Cap. 6, p 83 23. ______, p 84