SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
O médiumO médium
e oe o
exercícioexercício
mediúnicomediúnico
““E o Espírito do Senhor se apoderará deE o Espírito do Senhor se apoderará de
ti, e profetizarás com eles, e serásti, e profetizarás com eles, e serás
transformado em outro homem.”transformado em outro homem.”
(1 Samuel 10,6)
Abordagens:
=> Preparação constante:
* Reforma Íntima
* Necessidade de Superar:
** Uso do Fumo e Tóxicos
** Uso de Álcool
** Vibração Mental
* Concentração
* Condições Físicas e Mentais
* Emoções e Atitudes
* Predisposição Evangélica
* Segurança com Noção de
Responsabilidade
=> Ambiente Físico
=> Necessidade do Culto do Evangelho no Lar
Em O Livro dos Médiuns, lemos:
“Se o médium, do ponto de vista da execu-
ção, não passa de um instrumento, exerce,
todavia, influência muito grande quanto ao
aspecto moral. Visto que o Espírito estranho
precisa identificar-se com o Espírito do mé-
dium para que se verifique a comunicação,
esta identificação só ocorre plenamente quan
do há simpatia entre eles, ou afinidade, se
assim nos podemos expressar. A alma exerce
sobre o Espírito livre uma espécie de atração
ou de repulsão, conforme o grau da seme-
lhança existente entre eles. ]=>
Ora, os bons têm afinidade com os bons e os
maus com os maus, de onde se conclui que
as qualidades morais do médium exercem in-
fluência muito importante sobre a natureza
dos Espíritos que por ele se comunicam. Se o
médium é vicioso, os Espíritos inferiores se
agrupam em torno dele e estão sempre pron
tos a tomar o lugar aos Espíritos bons que
foram evocados. ]=>
As qualidades que, de preferência, atraem os
bons Espíritos são: a bondade, a benevolên-
cia, a simplicidade do coração, o amor ao pró
ximo, o desprendimento das coisas materi-
ais. Os defeitos que os afastam são: o orgu-
lho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a
cupidez, a sensualidade e todas as paixões
que escravizam o homem à matéria.” (LM, cap.
XX, item 227)
Mateus 5,48: “Sede, pois,
vós outros, perfeitos, co-
mo perfeito é o vosso Pai
celestial.”
Mateus 5,48: “Sede, pois,
vós outros, perfeitos, co-
mo perfeito é o vosso Pai
celestial.”
“Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua
transformação moral e pelos esforços que
emprega para domar suas inclinações más.”
(KARDEC, ESE, cap. XVII, item 4)
“O que é a Reforma Íntima?
A Reforma Íntima é um processo contínuo de
autoconhecimento, de conhecimento da nos-
sa intimidade espiritual, modelando-nos pro-
gressivamente na vivência evangélica, em
todos os sentidos da nossa existência. É a
transformação do homem velho, carregado
de tendências e erros seculares, no homem
novo, atuante na implantação dos ensina-
mentos do Divino Mestre, dentro e fora de
si.” (NEY PIETRO PERES, Manual Prático do Espírita)
“Qual o meio prático mais eficaz que tem o
homem de se melhorar nesta vida e de resis-
tir à atração do mal?
‘Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhe-
ce-te a ti mesmo.’” (*) (LE, q. 919)
(*) “Normalmente atribuída ao filósofo grego Sócrates
(479-399 a.C.), a frase “conhece-te a ti mesmo” é, na
ver-dade, a inscrição que se via na entrada do Oráculo
de Delfos. […].” (site Brasil Escola)
“Estude a si mesmo,
observando que o auto-
conhecimento traz
humildade e sem humildade
é impossível ser feliz.”
(ANDRÉ LUIZ, Sinal Verde, cap. 26)
Os vícios, os defeitos e as
virtudes
“O fumo não só introduz impurezas no peris-
pírito – que são visíveis aos médiuns viden-
tes, à semelhança de manchas, formadas de
pigmentos escuros, envolvendo os órgãos
mais atingidos, como os pulmões –, mas tam-
bém amortece as vibrações mais delicadas,
bloqueando-as, tornando o homem até certo
ponto insensível aos envolvimentos espiritu-
ais de entidades amigas e protetoras.” (NEY
PIETRO PERES, Manual Prático do Espírita)
“O fumante também alimenta o vício de enti-
dades vampirizantes que a ele se apegam
para usufruir das mesmas inalações inebrian-
tes. E com isso, através de processos de sim-
biose a níveis vibratórios, o fumante pode co-
letar em seu prejuízo as impregnações fluídi-
cas maléficas daqueles que deixam o enfer-
miço triste, grosseiro, infeliz, preso à vontade
de entidades inferiores, sem o domínio e a
consciência dos seus verdadeiros desejos.
§]=>
Dentro desse processo de impregnação fluí-
dica mórbida, o vício do fumo reflete-se nas
reencarnações posteriores, principalmente
na predisposição às enfermidades típicas do
aparelho respiratório.” (NEY PIETRO PERES, Manual
Prático do Espírita)
O fumante...
… e as suas
companhias.
“ […] o álcool, que destrói milhares de criatu-
ras, é veneno livre, onde quer que vá, e, em
muitos casos, quando se fantasia de cham-
panha ou de uísque, chega a ser convidado
de honra, consagrando eventos sociais. […].”
(IRMÃO X, Cartas e Crônicas)
“O viciado em álcool quase sempre tem a
seu lado entidades inferiores que o induzem
à bebida, nele exercendo grande domínio e
dele usufruindo as mesmas sensações etíli-
cas. Cria-se, desse modo, dupla dependên-
cia: uma por parte da bebida propriamente
dita, com toda a carga psicológica que a mo-
tivou; outra por parte das entidades invisí-
veis que hipnoticamente exercem sua influên
cia, conduzindo, por sugestão, o indivíduo à
ingestão de álcool.” (NEY PIETRO PERES, Manual Prá-
tico do Espírita)
“Além das catástrofes provocadas no orga-
nismo físico, quantos males e acidentes de-
sastrosos são ocasionados pela embriaguez!
[…].
As alterações das faculdades intelectuais cau
sadas pela embriaguez, principalmente da
autocensura, que priva a criatura da razão,
tem levado homens probos a cometer desa-
tinos, crimes passionais e tragédias.” (NEY PIE-
TRO PERES, Manual Prático do Espírita)
Vibração mental
“[…] Sob a influência dos sentimentos que os
animam, desde a calma do estudo às tempes
tades da paixão, as almas e os cérebros vi-
bram em graus diversos, obedecendo a velo-
cidades diferentes; a harmonia não se pode
estabelecer entre eles senão quando se igua-
lam suas ondas vibratórias, […]. Um cérebro
de lentas e débeis excitações não se pode
harmonizar com outros cujos átomos são ani
mados de um movimento vertiginoso.” (LÉON
DENIS, No Invisível)
“Sempre que pensamos, estamos expressan-
do uma vontade correspondente ao campo
íntimo das ideias, e as ideias, representando
a expressão de energia mental, se corpori-
ficam pelo pensamento em ondas e corpús-
culos, que se organizam conforme o teor e a
intensidade da vibração mental e o propósito
do pensamento emitido.” (NUBOR ORLANDO FACU-
RE, site Estudando Espiritismo)
“[…] Da mesma forma que um rádio só de
‘ondas curtas’ não pode captar os sinais das
‘ondas longas’ e vice-versa. Cada um (a ci-
ência o comprova experimentalmente) só po-
de comunicar-se com seus afins em vibração.
Por isso repetimos sempre: o Evangelho,
mais do que um repositório teológico, é um
Tratado de Ciência, apenas expresso em ter-
mos de sua época.” (CARLOS T. PASTORINO, Técnica
da Mediunidade)
A ideia é um “ser” organizado por nosso es-
pírito, a que o pensamento dá forma e ao
qual a vontade imprime movimento e dire-
ção.” (ALEXANDRE, Nos domínios da mediunidade)
“Nossa mente é, dessarte,
um núcleo de forças inteli-
gentes, gerando plasma su-
til que, a exteriorizar-se in-
cessantemente de nós, ofe-
rece recursos de objetivida-
de às figuras de nossa ima-
ginação, sob o comando de
nossos próprios desígnios.
O que vem a ser
concentração?
É comum, nas reuniões de desenvolvimento
ou educação da mediunidade, os coordena-
dores iniciarem dizendo, algo assim:
“Vamos concentrar! Não pensem em nada.”
Como não pensar em nada?... Jamais conse-
guiremos nos “desligar”, pois nossa atividade
mental é como que uma usina de força que
uma vez ligada, funcionará pela eternidade
afora.
Vejamos o conceito de concentração:
“Concentração – […] a concentração é um
ato mental intensamente ativo, mediante o
qual dirigimos nossa mente sobre certo pon-
to de interesse. Pressupõe, portanto, conver-
gência de pensamentos para um determina-
do fim.
Na atenção as portas da mente se abrem pa-
ra o mundo exterior; na concentração faz-se
exatamente o contrário, ou seja, fecham-se
essas portas, cortam-se as ligações dos sen-
tidos com o ambiente externo, passando-se
então a atuar inteiramente na intimidade da
zona psíquica. […].” (ASTOLFO OLEGÁRIO DE O. FI-
LHO, 20 lições sobre mediunidade)
O instrutor Alexandre con
vida André Luiz para par-
ticipar de uma reunião no
plano espiritual, na qual
se fazia presentes alguns
encarnados.
Descreve André Luiz:
“[…] enquanto o devotado mentor falava […]
os dezoito companheiros encarnados demora-
vam-se em rigorosa concentração do pensa-
mento, elevado a objetivos altos e puros. […]
Cada qual emitia raios luminosos, muito dife-
rentes entre si, na intensidade e na cor. Esses
raios confundiam-se à distância aproximada de
sessenta centímetros dos corpos físicos e esta-
beleciam uma corrente de força. Essa corrente
não se limitava ao círculo movimentado. Em
certo ponto, despejava elementos vitais, à ma-
neira de fonte miraculosa, com origem nos co-
rações e nos cérebros humanos que aí se reu-
niam. […].” (ANDRÉ LUIZ, Missionários da luz)
Emoções e atitudes
“A aversão por alguém nos distancia do amor
verdadeiro e o ódio, nem se fala: é corrosivo
da alma que nos inspira transgressões da lei
natural. Juntemos as forças, buscando a har-
monia, para exercer com prudência a mediu-
nidade na sua plenitude, de maneira que
possamos falar: Nós e Jesus somos um, no
trabalho de Deus!” (MIRAMEZ, Plenitude Mediúnica)
“[…] A mediunidade, na sua plenitude de mis
são confortadora, implica nos movimentos
harmoniosos de todos os sentimentos que
nascem do amor, em se mostrando como ca-
ridade cristã. É a mente ordenando seus pen-
samentos no pensar de Jesus, é uma boca na
orquestração dos sons evangélicos, objetivan
do falar somente o bem, na construção da
verdade que assegura a paz.” (MIRAMEZ, Plenitu-
de Mediúnica)
“O médium deve aprender a pensar, a formu-
lar ideias elevadas, combatendo as negati-
vas, que podem, com o tempo, ser condicio-
nadas na nossa vida e nos fazer sofrer as
consequências do seu teor vibratório infeliz.
Para tanto, temos a razão para selecionar e
modificar. Mesmo que custe tempo e esforço,
é proveitoso trabalhar na construção do nos-
so edifício mental. Ele deve ser atuante, para
o bem comum.” (MIRAMEZ, Plenitude Mediúnica)
“O médium, o agente mediúnico, necessita,
portanto, do estudo, da pesquisa, do contí-
nuo trabalho de leitura, interpretação, refle-
xão e meditação sobre a mensagem doutri-
nária espiritista. Desse modo, conseguirá,
gradativamente, internalizar conceitos, assi-
milar orientações, refazer valores, mudando,
consequentemente, seus comportamentos.
[…].” (LEOCÁDIO JOSÉ CORRERIA, O Médium e o Exercício
Mediúnico)
“[…] O processo mediúnico e o exercício me-
diúnico não poderão servir nunca para domi-
nação, o poder do médium sobre o seu se-
melhante, mas deverão representar, o amor,
a esperança, o trabalho e a caridade, permi-
tindo que cada um se autoconheça, faça
identidade com o próximo, se comunique
com o Creador. […].” (LEOCÁDIO JOSÉ CORRERIA, O
Médium e o Exercício Mediúnico)
“[…] O médium tem que estar sensibilizado à
permanente busca do autoconhecimento,
portanto necessariamente tem que aprender
a meditar, a fazer reflexão, a avaliara o seu
comportamento no mundo dos fatos.” (LEO-
CÁDIO JOSÉ CORRERIA, O Médium e o Exercício Mediúnico)
“O agente mediúnico não se lastima, não se
queixa, não maldiz a vida, procura compre-
ender, aceitar o que não for possível mudar,
portanto, é capaz de suportar com dignidade
as provações mais difíceis que, no trânsito da
Terra, tiver que passar. […].” (LEOCÁDIO JOSÉ
CORRERIA, O Médium e o Exercício Mediúnico)
Prece
“Como podemos adquirir esses poderes, es-
sas faculdades superiores? Descerrando nos-
sa alma, pela vontade e pela prece, às influ-
ências do Alto. Do mesmo modo que abrimos
as portas da nossa casa, para que nela pene-
trem os raios do Sol, assim também por nos-
sos impulsos e aspirações podemos fran-
quear aos eflúvios celestes o nosso ego inte-
rior.
É aí que se manifesta a ação benéfica e salu-
tar da prece. Pela prece humilde, breve, fer-
vorosa, a alma se dilata e dá acesso às irra-
diações do divino foco. ]=>
A prece, para ser eficaz, não deve ser uma
recitação banal, uma fórmula decorada, se-
não antes uma solicitação do coração, um
ato da vontade, que atrai o fluido universal,
as vibrações do dinamismo divino. Ou deve
ainda a alma projetar-se, exteriorizar-se por
um vigoroso surto e, consoante o impulso ad-
quirido, entrar em comunicação com os mun-
dos etéreos.
==>
Assim, a prece rasga uma vereda fluídica
pela qual sobem as almas humanas e baixam
as almas superiores, de tal modo que uma
íntima comunhão se estabeleça entre umas e
outras, e o espírito do homem seja iluminado
e fortalecido pelas centelhas e energias des-
pedidas das celestiais esferas.” (LÉON DENIS, No
Invisível)
Grupo Mediúnico
“Uma reunião é um ser coletivo, cujas
qualidades e propriedades são a resultante
das de seus membros e formam como que um
feixe. Ora, este feixe tanto mais força terá,
quanto mais homogêneo for. […].” (LM, cap. XXIV,
item 331)
“É essencial que todos se estimem no grupo,
mas só isto não basta. Podemos amar pro-
fundamente uma criatura que não ofereça
condições mínimas para um trabalho tão
sério como esse. É claro, por outro lado, que
não é aconselhável incluir aqueles que, em-
bora ofereçam outras condições favoráveis,
se coloquem na posição de adversários e
críticos demolidores de qualquer outro com-
ponente do grupo. Até a discordância ideoló-
gica acentuada, mesmo em outros setores do
pensamento, pode criar dificuldades ao tra-
balho. ]=>
Isto não quer dizer que todos tenham que
pensar igualzinho, ou se transformarem em
criaturas invertebradas, sem ideias próprias,
sem personalidade e opinião. […] a homoge-
neização dos ideais e das aspirações é condi-
ção importante para o bom entendimento
que precisa prevalecer durante todo o tem-
po. Um só membro que desafine dessa at-
mosfera de harmonia, poderá transformar-se
em brecha por onde espíritos desajustados
introduzirão sutilmente fatores de perturba-
ção e eventual desintegração do grupo.” (HER-
MÍNIO C. MIRANDA, Diálogo com as sombras)
“[…] o relacionamento entre os componentes
do grupo, que precisa apoiar-se no perfeito
entrosamento emocional de todos, para o
que, obviamente, é indispensável que todos
se estimem e se respeitem. Sem isso, impra-
ticável seria doar o amor de que necessitam
os irmãos desencarnados que nos procura-
rem, movidos pela esperança secreta de que
os conquistemos para as alegrias do amor
fraterno. É nessa oportunidade, que se reno-
vará em todos os encontros, que colocare-
mos em prática aquele sábio ensino de Jesus,
que nos recomenda amar os nossos inimi-
gos.” (HERMÍNIO C. MIRANDA, Diálogo com as sombras)
Confiança e dúvida
“Medo, Insegurança
Há muitos que temem os Espíritos.
É o fruto da ausência de esclarecimento Dou-
trinário.
A insegurança, quanto a origem do “pensa-
mento” se é dele ou de algum espírito, acaba
por estagnar a faculdade mediúnica.
O médium não tem que se preocupar com
isso, deve simplesmente soltar tudo que lhe
vier a mente durante a reunião, caberá ao di-
gente a análise.” (ROQUE JACINTHO. Desenvolvimento
Mediúnico)
“Aos médiuns nós sugerimos que não se es-
queçam da segurança nos seus comporta-
mentos diante de Deus e dos seus compa-
nheiros. Quem duvida, viaja em um barco
sem direção, e não sabe o que vai encontrar
pela frente, carregando na sua disposição
interna a incerteza da própria vida. A mediu-
nidade é campo de estudos sérios, capaz de
nos levar à libertação de todas as dúvidas,
por nos mostrar a verdade, fazendo-nos com-
preender a bondade e misericórdia de Deus
por onde passamos.” (MIRAMEZ, Plenitude Mediúni-
ca)
“[…] A mediunidade bem orientada desde o
princípio do seu desenvolvimento, limpa-nos,
por assim dizer, de todos os receios atraídos
pelas nossas invigilâncias. Precisamos saber
que atraímos o que vivemos.” (MIRAMEZ, Plenitu-
de Mediúnica)
“Não deverá, pois, o médium iniciante espan-
tar-se com as dúvidas que acordem em si.
Tão somente não deve entregar-se ao desva-
rio mental de fazer da dúvida o seu estado
permanente, ou por esnobismo ou por pregui
ça mental de refletir e analisar. Nas suas pri-
meiras manifestações deve permutar ideias
sobre a sua insegurança interna, indagar, per
quirir, questionar nobremente até que se sin
ta robustecido pelo auto-esclarecimento atin-
gido.” (ROQUE JACINTHO, Desenvolvimento Mediúnico)
Ambiente
“16ª São preferíveis as evocações em dias e
horas determinados?
“Sim e, se for possível, no mesmo lugar, pois
os Espíritos aí comparecem com mais satisfa-
ção. […] Quando digo no mesmo lugar, não
julgueis que isso deva constituir uma obriga-
ção absoluta, já que os Espíritos vão a toda
parte. Quero dizer que é preferível um lugar
consagrado às reuniões, porque o recolhimen
to se faz mais perfeito.” (LM, cap. XXV, item 282)
“Mesmo nos demais dias da semana, a sala
onde se realizam os trabalhos mediúnicos
de-verá ser preservada. É preciso evitar ali
reu-niões sociais, conversas descuidadas,
visitas inconvenientes, atos reprocháveis. O
ambien-te costuma ser mantido em elevado
teor vi-bratório pelos trabalhadores
espirituais, o que se nota, especialmente nos
dias de reu-nião, ao se penetrar no cômodo.”
(HERMÍNIO C. MIRANDA, Diálogo com as sombras)
O Livro dos Médiuns, cap. XXX - Regulamento
da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas:
Capítulo III – Das sessões
Art. 17 – As sessões da Sociedade se realiza-
rão às sextas-feiras, às 8 horas da noite, sal-
vo modificação, se for necessária.
As sessões serão particulares ou gerais; nun-
ca serão públicas.
Todos os que façam parte da Sociedade, sob
qualquer título, devem, em cada sessão, as-
sinar os nomes numa lista de presença.
Art. 18° – O silêncio e o recolhimento são ri-
gorosamente exigidos durante as sessões, e,
principalmente, durante os estudos. Ninguém
pode usar da palavra, sem a ter obtido do
Presidente.
Todas as perguntas aos Espíritos devem ser
feitas por intermédio do Presidente, que po-
derá recusar formulá-las, conforme as cir-
cunstâncias.
==>
São especialmente interditas todas as
pergun tas fúteis, de interesse pessoal, de
pura curio sidade, ou que tenham o objetivo
de subme-ter os Espíritos a provas, assim
como todas as que não tenham um fim geral,
do ponto de vista dos estudos.
São igualmente interditas todas as discus-
sões capazes de desviar a sessão do seu ob-
jeto especial.” (LM, cap. XXX)
“Ambiente. A reunião deve ser realizada
num local onde seja possível garantir silêncio
respeitável e harmonia vibratória, elementos
favoráveis à manifestação de Espíritos
necessitados de auxílio. A simplicidade deve
ser a tônica do ambiente.
O local da reunião deve ser preservado de
movimentação ou ruídos que interfiram na
manutenção da calma, do recolhimento, da
concentração, do transe e do intercâmbio me
diúnico. O comportamento dos participantes,
por sua vez, deve garantir a harmonia do am
biente, antes, durante e após a realização da
atividade. ==>
O esclarecedor e o médium ostensivo devem
evitar o tom de voz muito elevado, ou muito
baixo, durante o diálogo com os Espíritos co-
municantes, favorecendo, assim, o entendi-
mento e a manutenção da harmonia da equi-
pe.
Na medida do possível, destinar um espaço
apenas para a prática mediúnica; na sala re-
servada para a prática mediúnica não devem
ser realizadas atividades que não lhe sejam
afins.” (FEB – Organização Reunião Mediúnica)
Culto do Evangelho no Lar
“O culto no lar é, antes de tudo, medida pro-
filática para o trabalhador mediúnico. Via de
regra se estabelece um circuito de forças en-
tre o lar e o Centro Espírita facultando o so-
corro às Entidades sofredoras e equivocadas,
atraídas ao psiquismo de cada um por força
de compromissos de vária ordem, e que
esta-cionam nos lares enquanto regularizam
as suas vidas.” (PROJETO MANUEL PHILOMENO,
Reuniões Mediúnicas)
“É uma boa prática o grupo mediúnico fazer o
culto do Evangelho, periodicamente, na resi-
dência de cada um de seus membros, median-
te revezamento entre os que desejam. Con-
vêm manter, nessas ocasiões, um compromis-
so de simplicidade, servindo tão somente água
fluidificada, para evitar que o evento se trans-
forme num acontecimento social, com lanches
e outras iguarias, o que inibe, naturalmente,
os que não podem oferecê-los ao nível dos de-
mais. […].” (PROJETO MANUEL PHILOMENO, Reuniões Me-
diúnicas)
Evocações
“Não somos dos que aconselham a evocação
direta e pessoal, em caso algum.
Se essa evocação é passível de êxito, sua
exequibilidade somente pode ser examinada
no plano espiritual. Daí a necessidade de ser-
mos espontâneos, porquanto, no complexo
dos fenômenos espiríticos, a solução de mui-
tas incógnitas espera o avanço moral dos a-
prendizes sinceros da Doutrina. […].” (O Conso-
lador, q. 369 – Emmanuel)
Kardec, em suas instruções, só fez restrições
às evocações frívolas, por curiosidade ou in-
teresses menos dignos:
“Podemos evocar todos os Espíritos,
qualquer que seja o grau em que se
encontrem na es-cala espiritual: os bons,
como os maus, os que deixaram a vida há
pouco tempo, como os que viveram nas
épocas mais remotas, os que foram homens
ilustres, como os mais obscuros, os nossos
parentes e amigos, como os que nos são
indiferentes. Isto, porém, não quer dizer que
eles sempre queiram ou pos-sam responder
ao nosso chamado. […].” (LM, cap. XXV, item 274)
“Uma questão importante se apresenta aqui,
a de saber se há ou não inconveniente em
evocar Espíritos maus. Isto depende do fim
que se tenha em vista e da ascendência que
se possa exercer sobre eles. Não há inconve-
niente, quando são chamados com um fim
sério, instrutivo e tendo em vista melhorá-
los. Ao contrário, o inconveniente é muito
grande quando se faz a evocação por simples
curiosidade ou por divertimento, ou, ainda,
quando quem os chama se põe na depen-
dência deles, pedindo-lhes um serviço qual-
quer. […].” (LM, cap. XXV, item 278)
”A evocação dos Espíritos vulgares tem, além
disso, a vantagem de nos pôr em contato
com Espíritos sofredores, que podemos ali-
viar e cujo adiantamento podemos facilitar,
por meio de bons conselhos. Todos, pois, nos
podemos tornar úteis, ao mesmo tempo que
nos instruímos. […].” (LM, cap. XXVI, item 281)
Espíritos vulgares = espíritos comuns
“[…] para assegurar a libertação, é preciso
que o Espírito perverso seja levado a renun-
ciar aos seus maus desígnios; que nele des-
ponte o arrependimento, assim como o dese-
jo do bem, por meio de instruções habilmen-
te ministradas, em evocações particularmen-
te feitas com vistas à sua educação moral.
Pode-se então ter a grata satisfação de liber-
tar um encarnado e de converter um Espírito
imperfeito.” (A Gênese, cap. XIV, item 46)
“As Sociedades, pequenas ou grandes, bem
como todas as reuniões, seja qual for a impor
tância, ainda têm de lutar contra outra difi-
culdade. Os causadores de perturbação não
se encontram somente no meio delas, mas
também no mundo invisível. […] Espíritos
malfeitores se ligam aos grupos, do mesmo
modo que aos indivíduos. Investem primeira-
mente contra os mais fracos, contra os mais
acessíveis, procurando transformá-los em
seus instrumentos e aos poucos vão envol-
vendo as massas, […] que lhes caem sob o
jugo.” (LM, cap. XXIX, item 340)
“5. Não se pode também combater a influên-
cia dos maus Espíritos, moralizando-os?
“Sim, mas é o que não se faz, e é o que não
se deve deixar de fazer, porque, muitas ve-
zes, isso constitui uma tarefa que vos é dada
e que deveis desempenhar caridosamente,
religiosamente. Por meio de sábios conse-
lhos, é possível induzi-los ao arrependimento
e apressar o progresso deles.” (LM, cap. XXIII,
item 254)
“5-a. Como pode um homem ter, a esse res-
peito, mais influência do que a têm os pró-
prios Espíritos?
“Os Espíritos perversos se aproximam antes
dos homens que eles procuram atormentar,
do que dos Espíritos, dos quais se afastam o
mais possível. Nessa aproximação dos huma
nos, quando encontram algum que os morali-
ze, a princípio não o escutam e até se riem
dele; depois, se aquele os sabe prender, aca-
bam por se deixarem tocar. Os Espíritos ele-
vados só em nome de Deus lhes podem falar
e isto os apavora. ==>
O homem, indubitavelmente, não dispõe de
mais poder do que os Espíritos superiores, po
rém, sua linguagem se identifica melhor com
a natureza daqueles outros e, ao verem o as-
cendente que o homem pode exercer sobre
os Espíritos inferiores, melhor compreendem
a solidariedade que existe entre o céu e a
terra. Demais, o ascendente que o homem
pode exercer sobre os Espíritos está na razão
da sua superioridade moral. Ele não domina
os Espíritos superiores, nem mesmo os que,
sem serem superiores, são bons e benevolen
tes, mas pode dominar os que lhe são inferio-
res em moralidade.” (LM, cap. XXIII, item 254)
Referências bibliográficas:
CRUZ, M. R. O Médium e o Exercício Mediúnico. Curitiba: SBEE, 2001.
DENIS, L. No Invisível. Rio de Janeiro: FEB, 1987.
JACINTHO, R. Desenvolvimento Mediúnico. São Paulo: Luz no Lar, 1989.
KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2013.
KARDEC, A. A Gênese. Rio de Janeiro: FEB, 2013.
KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2013.
KARDEC, A. O Livro dos Médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 2013.
MAIA, J. N. Plenitude Mediúnica. Belo Horizonte: Fonte Viva, 1991.
MIRANDA, H. C. Diálogo com as sombras. Rio de Janeiro: FEB, 1985.
OLIVEIRA, T. Reuniões mediúnicas. Capivari, SP: EME, 1994.
PASTORINO, C. T. Técnica da Mediunidade. Rio de Janeiro: Sabedoria 1975.
PERES, N. P. Manuel prático do espírita. São Paulo: Pensamento, 1989.
PROJETO MANUEL P. DE MIRANDA. Reuniões Mediúnicas. Salvador: LEAL, 2000.
XAIVER, F. C. Cartas e Crônicas. Rio de Janeiro: FEB, 2009.
XAVIER, F. C. Nos Domínios da Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1987.
FACURE, N. O. Fluxo do Pensamento – Leis do campo mental, disponível:
http://espiriteiro.blogspot.com.br/2010/07/fluxo-do-pensamento-leis-do-campo.html.
CEACE - Culto do Evangelho no Lar, disponível:
http://www.ceace.org.br/var/www/html/ceace.org.br/web/atividades/culto-do-
evangelho-no-lar
Frase: http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/filosofia/conhecete-ti-mesmo.htm
Capa: http://images.slideplayer.es/17/5411009/slides/slide_3.jpg
Jesus – rosto: http://i56.servimg.com/u/f56/18/34/02/41/jesus-19.jpg
Reforma íntima: http://www.editoradufaux.com.br/wp-
content/uploads/2013/11/Capa_frente-193x300.jpg
Hahnemann: https://scontent.fplu3-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-
9/19990070_1872434262973638_7560941594846413592_n.png?
oh=f7049cac9565951ef2e3ccf16407e1ab&oe=59FE0650
Obsessão e alcoolismo: www.luzdoespiritismo.com
Vibração mental: http://1.bp.blogspot.com/-eEIQPXKJTJI/U-
Km15J654I/AAAAAAAAASU/O2fVtyWmXAw/s1600/Pensamento_1.jpg
Fumante: http://images.quebarato.com.br/T440x/como%2Bparei%2Bde
%2Bfumar%2Bliberdade%2Bespirito%2Bdepressao%2Bencosto%2Bansiedade
%2Bdiadema%2Bsp%2Bbrasil__C060_1.jpg e
http://imagens.mensagemespirita.com.br/images/uploads/posts_file_foto/ar-
784x400-19424190_1401789343201553_4497884502951559442_n.jpg
Elevação mental:
https://image.slidesharecdn.com/pensamentosaneiaouviciaoambiente-
121025110015-phpapp01/95/o-pensamento-saneia-ou-vicia-o-ambiente-9-
638.jpg?cb=1351162920
Concentração:
http://revistavivasaude.uol.com.br/upload/imagens_upload/memoria.jpg
Definição concentração: http://happyslide.org/doc/364465/gem-aula-07-
concentra%C3%A7%C3%A3o
Reunião mediúnica: http://3.bp.blogspot.com/-
V0L9KEqtHFs/U2xS_sYReII/AAAAAAAABg4/ky_QiNTpnN4/s1600/instruc3a7c3b5
es-psicofonicas2.jpg
Site:
www.paulosnetos.net
Email:
paulosnetos@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASRodrigo Leite
 
Obsessão: Definição e Características
Obsessão:  Definição e CaracterísticasObsessão:  Definição e Características
Obsessão: Definição e Característicasigmateus
 
Amigos espirituais slides
Amigos espirituais   slidesAmigos espirituais   slides
Amigos espirituais slidesbonattinho
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Marcos Antônio Alves
 
3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetariaumecamaqua
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismopaikachambi
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaumecamaqua
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteDenise Aguiar
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaJorge Luiz dos Santos
 
Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacaoVictor Passos
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucurajcevadro
 

Mais procurados (20)

INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Obsessão: Definição e Características
Obsessão:  Definição e CaracterísticasObsessão:  Definição e Características
Obsessão: Definição e Características
 
Amigos espirituais slides
Amigos espirituais   slidesAmigos espirituais   slides
Amigos espirituais slides
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 
Aula sobre o passe espirita
Aula sobre o passe espiritaAula sobre o passe espirita
Aula sobre o passe espirita
 
3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
 
Sintonia e pensamento
Sintonia e pensamentoSintonia e pensamento
Sintonia e pensamento
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefa
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
O passe espirita
O passe espiritaO passe espirita
O passe espirita
 
Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacao
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 

Semelhante a O médium e o exercício mediúnico

Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintoniajcevadro
 
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Euzebio Raimundo da Silva
 
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas   1,5hInfluência dos espíritos em nossas vidas   1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5hhome
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesusjcevadro
 
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadosFluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadoscarlos freire
 
Vigiando o pensamento-1,5h
Vigiando o pensamento-1,5hVigiando o pensamento-1,5h
Vigiando o pensamento-1,5hhome
 
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo BarrosO médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo BarrosADEP Portugal
 
Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula   intervencao dos espiritos no mundo fisicoAula   intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula intervencao dos espiritos no mundo fisicoCeile Bernardo
 
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Patricia Farias
 
Natureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões MediúnicasNatureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões MediúnicasProf. Paulo Ratki
 
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivadosTerceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivadosCeiClarencio
 
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoAssistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoRivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeInimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeClaudio Macedo
 
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopioNos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopioPatricia Farias
 

Semelhante a O médium e o exercício mediúnico (20)

Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
 
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas   1,5hInfluência dos espíritos em nossas vidas   1,5h
Influência dos espíritos em nossas vidas 1,5h
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
 
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivadosFluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
Fluído cósmico ( Ou universal 0 e seus derivados
 
Vigiando o pensamento-1,5h
Vigiando o pensamento-1,5hVigiando o pensamento-1,5h
Vigiando o pensamento-1,5h
 
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo BarrosO médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
O médium e a mediunidade no Espiritismo. Reinaldo Barros
 
Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula   intervencao dos espiritos no mundo fisicoAula   intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
 
A força do pensamento
A força do pensamentoA força do pensamento
A força do pensamento
 
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
 
Reforma intima aula 2
Reforma intima aula 2Reforma intima aula 2
Reforma intima aula 2
 
Natureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões MediúnicasNatureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões Mediúnicas
 
COMBATE À OBSESSÃO
COMBATE À OBSESSÃOCOMBATE À OBSESSÃO
COMBATE À OBSESSÃO
 
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivadosTerceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
Terceiro Módulo - 11ª aula - O fluido cósmico (ou universal) e seus derivados
 
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoAssistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
 
A Vontade
A VontadeA Vontade
A Vontade
 
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeInimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
 
Reforma intima aula 3
Reforma intima aula 3Reforma intima aula 3
Reforma intima aula 3
 
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopioNos dominios da mediunidade   cap. 2 - 0 psicoscopio
Nos dominios da mediunidade cap. 2 - 0 psicoscopio
 

Mais de home

Anjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíbliaAnjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíbliahome
 
Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da almahome
 
O Espírito 1,5h
O Espírito 1,5hO Espírito 1,5h
O Espírito 1,5hhome
 
Espiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5hEspiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5hhome
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hhome
 
Diferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0hDiferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0hhome
 
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5hHomossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5hhome
 
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hAs colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hhome
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritoshome
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hshome
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hhome
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obrahome
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciênciahome
 
Alma dos animais 1,5h
Alma dos animais   1,5hAlma dos animais   1,5h
Alma dos animais 1,5hhome
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhohome
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedadehome
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoraçãohome
 
Da Lei de Reprodução
Da Lei de ReproduçãoDa Lei de Reprodução
Da Lei de Reproduçãohome
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservaçãohome
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãohome
 

Mais de home (20)

Anjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíbliaAnjos e demônios na bíblia
Anjos e demônios na bíblia
 
Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da alma
 
O Espírito 1,5h
O Espírito 1,5hO Espírito 1,5h
O Espírito 1,5h
 
Espiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5hEspiritismo e aborto-1,5h
Espiritismo e aborto-1,5h
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Diferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0hDiferenças religiosas na família 1,0h
Diferenças religiosas na família 1,0h
 
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5hHomossexualidade (Espiritismo)-1,5h
Homossexualidade (Espiritismo)-1,5h
 
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5hAs colônias espirituais e a codificação 1,5h
As colônias espirituais e a codificação 1,5h
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obra
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciência
 
Alma dos animais 1,5h
Alma dos animais   1,5hAlma dos animais   1,5h
Alma dos animais 1,5h
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olho
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoração
 
Da Lei de Reprodução
Da Lei de ReproduçãoDa Lei de Reprodução
Da Lei de Reprodução
 
Da lei de conservação
Da lei de conservaçãoDa lei de conservação
Da lei de conservação
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 

Último

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptxCURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptxWerquesonSouza
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 

Último (10)

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptxCURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIROS, DIÁCONOS E PRESBÍTEROS.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 

O médium e o exercício mediúnico

  • 1. O médiumO médium e oe o exercícioexercício mediúnicomediúnico
  • 2. ““E o Espírito do Senhor se apoderará deE o Espírito do Senhor se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e serásti, e profetizarás com eles, e serás transformado em outro homem.”transformado em outro homem.” (1 Samuel 10,6)
  • 3. Abordagens: => Preparação constante: * Reforma Íntima * Necessidade de Superar: ** Uso do Fumo e Tóxicos ** Uso de Álcool ** Vibração Mental * Concentração * Condições Físicas e Mentais * Emoções e Atitudes * Predisposição Evangélica * Segurança com Noção de Responsabilidade => Ambiente Físico => Necessidade do Culto do Evangelho no Lar
  • 4. Em O Livro dos Médiuns, lemos: “Se o médium, do ponto de vista da execu- ção, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande quanto ao aspecto moral. Visto que o Espírito estranho precisa identificar-se com o Espírito do mé- dium para que se verifique a comunicação, esta identificação só ocorre plenamente quan do há simpatia entre eles, ou afinidade, se assim nos podemos expressar. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração ou de repulsão, conforme o grau da seme- lhança existente entre eles. ]=>
  • 5. Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus, de onde se conclui que as qualidades morais do médium exercem in- fluência muito importante sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam. Se o médium é vicioso, os Espíritos inferiores se agrupam em torno dele e estão sempre pron tos a tomar o lugar aos Espíritos bons que foram evocados. ]=>
  • 6. As qualidades que, de preferência, atraem os bons Espíritos são: a bondade, a benevolên- cia, a simplicidade do coração, o amor ao pró ximo, o desprendimento das coisas materi- ais. Os defeitos que os afastam são: o orgu- lho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria.” (LM, cap. XX, item 227)
  • 7. Mateus 5,48: “Sede, pois, vós outros, perfeitos, co- mo perfeito é o vosso Pai celestial.”
  • 8. Mateus 5,48: “Sede, pois, vós outros, perfeitos, co- mo perfeito é o vosso Pai celestial.” “Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.” (KARDEC, ESE, cap. XVII, item 4)
  • 9.
  • 10. “O que é a Reforma Íntima? A Reforma Íntima é um processo contínuo de autoconhecimento, de conhecimento da nos- sa intimidade espiritual, modelando-nos pro- gressivamente na vivência evangélica, em todos os sentidos da nossa existência. É a transformação do homem velho, carregado de tendências e erros seculares, no homem novo, atuante na implantação dos ensina- mentos do Divino Mestre, dentro e fora de si.” (NEY PIETRO PERES, Manual Prático do Espírita)
  • 11. “Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resis- tir à atração do mal? ‘Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhe- ce-te a ti mesmo.’” (*) (LE, q. 919) (*) “Normalmente atribuída ao filósofo grego Sócrates (479-399 a.C.), a frase “conhece-te a ti mesmo” é, na ver-dade, a inscrição que se via na entrada do Oráculo de Delfos. […].” (site Brasil Escola)
  • 12. “Estude a si mesmo, observando que o auto- conhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz.” (ANDRÉ LUIZ, Sinal Verde, cap. 26)
  • 13. Os vícios, os defeitos e as virtudes
  • 14.
  • 15. “O fumo não só introduz impurezas no peris- pírito – que são visíveis aos médiuns viden- tes, à semelhança de manchas, formadas de pigmentos escuros, envolvendo os órgãos mais atingidos, como os pulmões –, mas tam- bém amortece as vibrações mais delicadas, bloqueando-as, tornando o homem até certo ponto insensível aos envolvimentos espiritu- ais de entidades amigas e protetoras.” (NEY PIETRO PERES, Manual Prático do Espírita)
  • 16. “O fumante também alimenta o vício de enti- dades vampirizantes que a ele se apegam para usufruir das mesmas inalações inebrian- tes. E com isso, através de processos de sim- biose a níveis vibratórios, o fumante pode co- letar em seu prejuízo as impregnações fluídi- cas maléficas daqueles que deixam o enfer- miço triste, grosseiro, infeliz, preso à vontade de entidades inferiores, sem o domínio e a consciência dos seus verdadeiros desejos. §]=>
  • 17. Dentro desse processo de impregnação fluí- dica mórbida, o vício do fumo reflete-se nas reencarnações posteriores, principalmente na predisposição às enfermidades típicas do aparelho respiratório.” (NEY PIETRO PERES, Manual Prático do Espírita)
  • 18. O fumante... … e as suas companhias.
  • 19. “ […] o álcool, que destrói milhares de criatu- ras, é veneno livre, onde quer que vá, e, em muitos casos, quando se fantasia de cham- panha ou de uísque, chega a ser convidado de honra, consagrando eventos sociais. […].” (IRMÃO X, Cartas e Crônicas)
  • 20. “O viciado em álcool quase sempre tem a seu lado entidades inferiores que o induzem à bebida, nele exercendo grande domínio e dele usufruindo as mesmas sensações etíli- cas. Cria-se, desse modo, dupla dependên- cia: uma por parte da bebida propriamente dita, com toda a carga psicológica que a mo- tivou; outra por parte das entidades invisí- veis que hipnoticamente exercem sua influên cia, conduzindo, por sugestão, o indivíduo à ingestão de álcool.” (NEY PIETRO PERES, Manual Prá- tico do Espírita)
  • 21. “Além das catástrofes provocadas no orga- nismo físico, quantos males e acidentes de- sastrosos são ocasionados pela embriaguez! […]. As alterações das faculdades intelectuais cau sadas pela embriaguez, principalmente da autocensura, que priva a criatura da razão, tem levado homens probos a cometer desa- tinos, crimes passionais e tragédias.” (NEY PIE- TRO PERES, Manual Prático do Espírita)
  • 22.
  • 24. “[…] Sob a influência dos sentimentos que os animam, desde a calma do estudo às tempes tades da paixão, as almas e os cérebros vi- bram em graus diversos, obedecendo a velo- cidades diferentes; a harmonia não se pode estabelecer entre eles senão quando se igua- lam suas ondas vibratórias, […]. Um cérebro de lentas e débeis excitações não se pode harmonizar com outros cujos átomos são ani mados de um movimento vertiginoso.” (LÉON DENIS, No Invisível)
  • 25. “Sempre que pensamos, estamos expressan- do uma vontade correspondente ao campo íntimo das ideias, e as ideias, representando a expressão de energia mental, se corpori- ficam pelo pensamento em ondas e corpús- culos, que se organizam conforme o teor e a intensidade da vibração mental e o propósito do pensamento emitido.” (NUBOR ORLANDO FACU- RE, site Estudando Espiritismo)
  • 26. “[…] Da mesma forma que um rádio só de ‘ondas curtas’ não pode captar os sinais das ‘ondas longas’ e vice-versa. Cada um (a ci- ência o comprova experimentalmente) só po- de comunicar-se com seus afins em vibração. Por isso repetimos sempre: o Evangelho, mais do que um repositório teológico, é um Tratado de Ciência, apenas expresso em ter- mos de sua época.” (CARLOS T. PASTORINO, Técnica da Mediunidade)
  • 27.
  • 28. A ideia é um “ser” organizado por nosso es- pírito, a que o pensamento dá forma e ao qual a vontade imprime movimento e dire- ção.” (ALEXANDRE, Nos domínios da mediunidade) “Nossa mente é, dessarte, um núcleo de forças inteli- gentes, gerando plasma su- til que, a exteriorizar-se in- cessantemente de nós, ofe- rece recursos de objetivida- de às figuras de nossa ima- ginação, sob o comando de nossos próprios desígnios.
  • 29. O que vem a ser concentração?
  • 30. É comum, nas reuniões de desenvolvimento ou educação da mediunidade, os coordena- dores iniciarem dizendo, algo assim: “Vamos concentrar! Não pensem em nada.” Como não pensar em nada?... Jamais conse- guiremos nos “desligar”, pois nossa atividade mental é como que uma usina de força que uma vez ligada, funcionará pela eternidade afora. Vejamos o conceito de concentração:
  • 31. “Concentração – […] a concentração é um ato mental intensamente ativo, mediante o qual dirigimos nossa mente sobre certo pon- to de interesse. Pressupõe, portanto, conver- gência de pensamentos para um determina- do fim. Na atenção as portas da mente se abrem pa- ra o mundo exterior; na concentração faz-se exatamente o contrário, ou seja, fecham-se essas portas, cortam-se as ligações dos sen- tidos com o ambiente externo, passando-se então a atuar inteiramente na intimidade da zona psíquica. […].” (ASTOLFO OLEGÁRIO DE O. FI- LHO, 20 lições sobre mediunidade)
  • 32.
  • 33. O instrutor Alexandre con vida André Luiz para par- ticipar de uma reunião no plano espiritual, na qual se fazia presentes alguns encarnados. Descreve André Luiz:
  • 34. “[…] enquanto o devotado mentor falava […] os dezoito companheiros encarnados demora- vam-se em rigorosa concentração do pensa- mento, elevado a objetivos altos e puros. […] Cada qual emitia raios luminosos, muito dife- rentes entre si, na intensidade e na cor. Esses raios confundiam-se à distância aproximada de sessenta centímetros dos corpos físicos e esta- beleciam uma corrente de força. Essa corrente não se limitava ao círculo movimentado. Em certo ponto, despejava elementos vitais, à ma- neira de fonte miraculosa, com origem nos co- rações e nos cérebros humanos que aí se reu- niam. […].” (ANDRÉ LUIZ, Missionários da luz)
  • 36. “A aversão por alguém nos distancia do amor verdadeiro e o ódio, nem se fala: é corrosivo da alma que nos inspira transgressões da lei natural. Juntemos as forças, buscando a har- monia, para exercer com prudência a mediu- nidade na sua plenitude, de maneira que possamos falar: Nós e Jesus somos um, no trabalho de Deus!” (MIRAMEZ, Plenitude Mediúnica)
  • 37. “[…] A mediunidade, na sua plenitude de mis são confortadora, implica nos movimentos harmoniosos de todos os sentimentos que nascem do amor, em se mostrando como ca- ridade cristã. É a mente ordenando seus pen- samentos no pensar de Jesus, é uma boca na orquestração dos sons evangélicos, objetivan do falar somente o bem, na construção da verdade que assegura a paz.” (MIRAMEZ, Plenitu- de Mediúnica)
  • 38. “O médium deve aprender a pensar, a formu- lar ideias elevadas, combatendo as negati- vas, que podem, com o tempo, ser condicio- nadas na nossa vida e nos fazer sofrer as consequências do seu teor vibratório infeliz. Para tanto, temos a razão para selecionar e modificar. Mesmo que custe tempo e esforço, é proveitoso trabalhar na construção do nos- so edifício mental. Ele deve ser atuante, para o bem comum.” (MIRAMEZ, Plenitude Mediúnica)
  • 39. “O médium, o agente mediúnico, necessita, portanto, do estudo, da pesquisa, do contí- nuo trabalho de leitura, interpretação, refle- xão e meditação sobre a mensagem doutri- nária espiritista. Desse modo, conseguirá, gradativamente, internalizar conceitos, assi- milar orientações, refazer valores, mudando, consequentemente, seus comportamentos. […].” (LEOCÁDIO JOSÉ CORRERIA, O Médium e o Exercício Mediúnico)
  • 40. “[…] O processo mediúnico e o exercício me- diúnico não poderão servir nunca para domi- nação, o poder do médium sobre o seu se- melhante, mas deverão representar, o amor, a esperança, o trabalho e a caridade, permi- tindo que cada um se autoconheça, faça identidade com o próximo, se comunique com o Creador. […].” (LEOCÁDIO JOSÉ CORRERIA, O Médium e o Exercício Mediúnico)
  • 41. “[…] O médium tem que estar sensibilizado à permanente busca do autoconhecimento, portanto necessariamente tem que aprender a meditar, a fazer reflexão, a avaliara o seu comportamento no mundo dos fatos.” (LEO- CÁDIO JOSÉ CORRERIA, O Médium e o Exercício Mediúnico)
  • 42. “O agente mediúnico não se lastima, não se queixa, não maldiz a vida, procura compre- ender, aceitar o que não for possível mudar, portanto, é capaz de suportar com dignidade as provações mais difíceis que, no trânsito da Terra, tiver que passar. […].” (LEOCÁDIO JOSÉ CORRERIA, O Médium e o Exercício Mediúnico)
  • 43. Prece
  • 44. “Como podemos adquirir esses poderes, es- sas faculdades superiores? Descerrando nos- sa alma, pela vontade e pela prece, às influ- ências do Alto. Do mesmo modo que abrimos as portas da nossa casa, para que nela pene- trem os raios do Sol, assim também por nos- sos impulsos e aspirações podemos fran- quear aos eflúvios celestes o nosso ego inte- rior. É aí que se manifesta a ação benéfica e salu- tar da prece. Pela prece humilde, breve, fer- vorosa, a alma se dilata e dá acesso às irra- diações do divino foco. ]=>
  • 45. A prece, para ser eficaz, não deve ser uma recitação banal, uma fórmula decorada, se- não antes uma solicitação do coração, um ato da vontade, que atrai o fluido universal, as vibrações do dinamismo divino. Ou deve ainda a alma projetar-se, exteriorizar-se por um vigoroso surto e, consoante o impulso ad- quirido, entrar em comunicação com os mun- dos etéreos. ==>
  • 46. Assim, a prece rasga uma vereda fluídica pela qual sobem as almas humanas e baixam as almas superiores, de tal modo que uma íntima comunhão se estabeleça entre umas e outras, e o espírito do homem seja iluminado e fortalecido pelas centelhas e energias des- pedidas das celestiais esferas.” (LÉON DENIS, No Invisível)
  • 48. “Uma reunião é um ser coletivo, cujas qualidades e propriedades são a resultante das de seus membros e formam como que um feixe. Ora, este feixe tanto mais força terá, quanto mais homogêneo for. […].” (LM, cap. XXIV, item 331)
  • 49. “É essencial que todos se estimem no grupo, mas só isto não basta. Podemos amar pro- fundamente uma criatura que não ofereça condições mínimas para um trabalho tão sério como esse. É claro, por outro lado, que não é aconselhável incluir aqueles que, em- bora ofereçam outras condições favoráveis, se coloquem na posição de adversários e críticos demolidores de qualquer outro com- ponente do grupo. Até a discordância ideoló- gica acentuada, mesmo em outros setores do pensamento, pode criar dificuldades ao tra- balho. ]=>
  • 50. Isto não quer dizer que todos tenham que pensar igualzinho, ou se transformarem em criaturas invertebradas, sem ideias próprias, sem personalidade e opinião. […] a homoge- neização dos ideais e das aspirações é condi- ção importante para o bom entendimento que precisa prevalecer durante todo o tem- po. Um só membro que desafine dessa at- mosfera de harmonia, poderá transformar-se em brecha por onde espíritos desajustados introduzirão sutilmente fatores de perturba- ção e eventual desintegração do grupo.” (HER- MÍNIO C. MIRANDA, Diálogo com as sombras)
  • 51. “[…] o relacionamento entre os componentes do grupo, que precisa apoiar-se no perfeito entrosamento emocional de todos, para o que, obviamente, é indispensável que todos se estimem e se respeitem. Sem isso, impra- ticável seria doar o amor de que necessitam os irmãos desencarnados que nos procura- rem, movidos pela esperança secreta de que os conquistemos para as alegrias do amor fraterno. É nessa oportunidade, que se reno- vará em todos os encontros, que colocare- mos em prática aquele sábio ensino de Jesus, que nos recomenda amar os nossos inimi- gos.” (HERMÍNIO C. MIRANDA, Diálogo com as sombras)
  • 53. “Medo, Insegurança Há muitos que temem os Espíritos. É o fruto da ausência de esclarecimento Dou- trinário. A insegurança, quanto a origem do “pensa- mento” se é dele ou de algum espírito, acaba por estagnar a faculdade mediúnica. O médium não tem que se preocupar com isso, deve simplesmente soltar tudo que lhe vier a mente durante a reunião, caberá ao di- gente a análise.” (ROQUE JACINTHO. Desenvolvimento Mediúnico)
  • 54. “Aos médiuns nós sugerimos que não se es- queçam da segurança nos seus comporta- mentos diante de Deus e dos seus compa- nheiros. Quem duvida, viaja em um barco sem direção, e não sabe o que vai encontrar pela frente, carregando na sua disposição interna a incerteza da própria vida. A mediu- nidade é campo de estudos sérios, capaz de nos levar à libertação de todas as dúvidas, por nos mostrar a verdade, fazendo-nos com- preender a bondade e misericórdia de Deus por onde passamos.” (MIRAMEZ, Plenitude Mediúni- ca)
  • 55. “[…] A mediunidade bem orientada desde o princípio do seu desenvolvimento, limpa-nos, por assim dizer, de todos os receios atraídos pelas nossas invigilâncias. Precisamos saber que atraímos o que vivemos.” (MIRAMEZ, Plenitu- de Mediúnica)
  • 56. “Não deverá, pois, o médium iniciante espan- tar-se com as dúvidas que acordem em si. Tão somente não deve entregar-se ao desva- rio mental de fazer da dúvida o seu estado permanente, ou por esnobismo ou por pregui ça mental de refletir e analisar. Nas suas pri- meiras manifestações deve permutar ideias sobre a sua insegurança interna, indagar, per quirir, questionar nobremente até que se sin ta robustecido pelo auto-esclarecimento atin- gido.” (ROQUE JACINTHO, Desenvolvimento Mediúnico)
  • 58. “16ª São preferíveis as evocações em dias e horas determinados? “Sim e, se for possível, no mesmo lugar, pois os Espíritos aí comparecem com mais satisfa- ção. […] Quando digo no mesmo lugar, não julgueis que isso deva constituir uma obriga- ção absoluta, já que os Espíritos vão a toda parte. Quero dizer que é preferível um lugar consagrado às reuniões, porque o recolhimen to se faz mais perfeito.” (LM, cap. XXV, item 282)
  • 59. “Mesmo nos demais dias da semana, a sala onde se realizam os trabalhos mediúnicos de-verá ser preservada. É preciso evitar ali reu-niões sociais, conversas descuidadas, visitas inconvenientes, atos reprocháveis. O ambien-te costuma ser mantido em elevado teor vi-bratório pelos trabalhadores espirituais, o que se nota, especialmente nos dias de reu-nião, ao se penetrar no cômodo.” (HERMÍNIO C. MIRANDA, Diálogo com as sombras)
  • 60. O Livro dos Médiuns, cap. XXX - Regulamento da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas: Capítulo III – Das sessões Art. 17 – As sessões da Sociedade se realiza- rão às sextas-feiras, às 8 horas da noite, sal- vo modificação, se for necessária. As sessões serão particulares ou gerais; nun- ca serão públicas. Todos os que façam parte da Sociedade, sob qualquer título, devem, em cada sessão, as- sinar os nomes numa lista de presença.
  • 61. Art. 18° – O silêncio e o recolhimento são ri- gorosamente exigidos durante as sessões, e, principalmente, durante os estudos. Ninguém pode usar da palavra, sem a ter obtido do Presidente. Todas as perguntas aos Espíritos devem ser feitas por intermédio do Presidente, que po- derá recusar formulá-las, conforme as cir- cunstâncias. ==>
  • 62. São especialmente interditas todas as pergun tas fúteis, de interesse pessoal, de pura curio sidade, ou que tenham o objetivo de subme-ter os Espíritos a provas, assim como todas as que não tenham um fim geral, do ponto de vista dos estudos. São igualmente interditas todas as discus- sões capazes de desviar a sessão do seu ob- jeto especial.” (LM, cap. XXX)
  • 63. “Ambiente. A reunião deve ser realizada num local onde seja possível garantir silêncio respeitável e harmonia vibratória, elementos favoráveis à manifestação de Espíritos necessitados de auxílio. A simplicidade deve ser a tônica do ambiente. O local da reunião deve ser preservado de movimentação ou ruídos que interfiram na manutenção da calma, do recolhimento, da concentração, do transe e do intercâmbio me diúnico. O comportamento dos participantes, por sua vez, deve garantir a harmonia do am biente, antes, durante e após a realização da atividade. ==>
  • 64. O esclarecedor e o médium ostensivo devem evitar o tom de voz muito elevado, ou muito baixo, durante o diálogo com os Espíritos co- municantes, favorecendo, assim, o entendi- mento e a manutenção da harmonia da equi- pe. Na medida do possível, destinar um espaço apenas para a prática mediúnica; na sala re- servada para a prática mediúnica não devem ser realizadas atividades que não lhe sejam afins.” (FEB – Organização Reunião Mediúnica)
  • 66. “O culto no lar é, antes de tudo, medida pro- filática para o trabalhador mediúnico. Via de regra se estabelece um circuito de forças en- tre o lar e o Centro Espírita facultando o so- corro às Entidades sofredoras e equivocadas, atraídas ao psiquismo de cada um por força de compromissos de vária ordem, e que esta-cionam nos lares enquanto regularizam as suas vidas.” (PROJETO MANUEL PHILOMENO, Reuniões Mediúnicas)
  • 67. “É uma boa prática o grupo mediúnico fazer o culto do Evangelho, periodicamente, na resi- dência de cada um de seus membros, median- te revezamento entre os que desejam. Con- vêm manter, nessas ocasiões, um compromis- so de simplicidade, servindo tão somente água fluidificada, para evitar que o evento se trans- forme num acontecimento social, com lanches e outras iguarias, o que inibe, naturalmente, os que não podem oferecê-los ao nível dos de- mais. […].” (PROJETO MANUEL PHILOMENO, Reuniões Me- diúnicas)
  • 69. “Não somos dos que aconselham a evocação direta e pessoal, em caso algum. Se essa evocação é passível de êxito, sua exequibilidade somente pode ser examinada no plano espiritual. Daí a necessidade de ser- mos espontâneos, porquanto, no complexo dos fenômenos espiríticos, a solução de mui- tas incógnitas espera o avanço moral dos a- prendizes sinceros da Doutrina. […].” (O Conso- lador, q. 369 – Emmanuel)
  • 70. Kardec, em suas instruções, só fez restrições às evocações frívolas, por curiosidade ou in- teresses menos dignos: “Podemos evocar todos os Espíritos, qualquer que seja o grau em que se encontrem na es-cala espiritual: os bons, como os maus, os que deixaram a vida há pouco tempo, como os que viveram nas épocas mais remotas, os que foram homens ilustres, como os mais obscuros, os nossos parentes e amigos, como os que nos são indiferentes. Isto, porém, não quer dizer que eles sempre queiram ou pos-sam responder ao nosso chamado. […].” (LM, cap. XXV, item 274)
  • 71. “Uma questão importante se apresenta aqui, a de saber se há ou não inconveniente em evocar Espíritos maus. Isto depende do fim que se tenha em vista e da ascendência que se possa exercer sobre eles. Não há inconve- niente, quando são chamados com um fim sério, instrutivo e tendo em vista melhorá- los. Ao contrário, o inconveniente é muito grande quando se faz a evocação por simples curiosidade ou por divertimento, ou, ainda, quando quem os chama se põe na depen- dência deles, pedindo-lhes um serviço qual- quer. […].” (LM, cap. XXV, item 278)
  • 72. ”A evocação dos Espíritos vulgares tem, além disso, a vantagem de nos pôr em contato com Espíritos sofredores, que podemos ali- viar e cujo adiantamento podemos facilitar, por meio de bons conselhos. Todos, pois, nos podemos tornar úteis, ao mesmo tempo que nos instruímos. […].” (LM, cap. XXVI, item 281) Espíritos vulgares = espíritos comuns
  • 73. “[…] para assegurar a libertação, é preciso que o Espírito perverso seja levado a renun- ciar aos seus maus desígnios; que nele des- ponte o arrependimento, assim como o dese- jo do bem, por meio de instruções habilmen- te ministradas, em evocações particularmen- te feitas com vistas à sua educação moral. Pode-se então ter a grata satisfação de liber- tar um encarnado e de converter um Espírito imperfeito.” (A Gênese, cap. XIV, item 46)
  • 74. “As Sociedades, pequenas ou grandes, bem como todas as reuniões, seja qual for a impor tância, ainda têm de lutar contra outra difi- culdade. Os causadores de perturbação não se encontram somente no meio delas, mas também no mundo invisível. […] Espíritos malfeitores se ligam aos grupos, do mesmo modo que aos indivíduos. Investem primeira- mente contra os mais fracos, contra os mais acessíveis, procurando transformá-los em seus instrumentos e aos poucos vão envol- vendo as massas, […] que lhes caem sob o jugo.” (LM, cap. XXIX, item 340)
  • 75. “5. Não se pode também combater a influên- cia dos maus Espíritos, moralizando-os? “Sim, mas é o que não se faz, e é o que não se deve deixar de fazer, porque, muitas ve- zes, isso constitui uma tarefa que vos é dada e que deveis desempenhar caridosamente, religiosamente. Por meio de sábios conse- lhos, é possível induzi-los ao arrependimento e apressar o progresso deles.” (LM, cap. XXIII, item 254)
  • 76. “5-a. Como pode um homem ter, a esse res- peito, mais influência do que a têm os pró- prios Espíritos? “Os Espíritos perversos se aproximam antes dos homens que eles procuram atormentar, do que dos Espíritos, dos quais se afastam o mais possível. Nessa aproximação dos huma nos, quando encontram algum que os morali- ze, a princípio não o escutam e até se riem dele; depois, se aquele os sabe prender, aca- bam por se deixarem tocar. Os Espíritos ele- vados só em nome de Deus lhes podem falar e isto os apavora. ==>
  • 77. O homem, indubitavelmente, não dispõe de mais poder do que os Espíritos superiores, po rém, sua linguagem se identifica melhor com a natureza daqueles outros e, ao verem o as- cendente que o homem pode exercer sobre os Espíritos inferiores, melhor compreendem a solidariedade que existe entre o céu e a terra. Demais, o ascendente que o homem pode exercer sobre os Espíritos está na razão da sua superioridade moral. Ele não domina os Espíritos superiores, nem mesmo os que, sem serem superiores, são bons e benevolen tes, mas pode dominar os que lhe são inferio- res em moralidade.” (LM, cap. XXIII, item 254)
  • 78. Referências bibliográficas: CRUZ, M. R. O Médium e o Exercício Mediúnico. Curitiba: SBEE, 2001. DENIS, L. No Invisível. Rio de Janeiro: FEB, 1987. JACINTHO, R. Desenvolvimento Mediúnico. São Paulo: Luz no Lar, 1989. KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2013. KARDEC, A. A Gênese. Rio de Janeiro: FEB, 2013. KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2013. KARDEC, A. O Livro dos Médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 2013. MAIA, J. N. Plenitude Mediúnica. Belo Horizonte: Fonte Viva, 1991. MIRANDA, H. C. Diálogo com as sombras. Rio de Janeiro: FEB, 1985. OLIVEIRA, T. Reuniões mediúnicas. Capivari, SP: EME, 1994. PASTORINO, C. T. Técnica da Mediunidade. Rio de Janeiro: Sabedoria 1975. PERES, N. P. Manuel prático do espírita. São Paulo: Pensamento, 1989. PROJETO MANUEL P. DE MIRANDA. Reuniões Mediúnicas. Salvador: LEAL, 2000. XAIVER, F. C. Cartas e Crônicas. Rio de Janeiro: FEB, 2009. XAVIER, F. C. Nos Domínios da Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1987. FACURE, N. O. Fluxo do Pensamento – Leis do campo mental, disponível: http://espiriteiro.blogspot.com.br/2010/07/fluxo-do-pensamento-leis-do-campo.html. CEACE - Culto do Evangelho no Lar, disponível: http://www.ceace.org.br/var/www/html/ceace.org.br/web/atividades/culto-do- evangelho-no-lar Frase: http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/filosofia/conhecete-ti-mesmo.htm
  • 79. Capa: http://images.slideplayer.es/17/5411009/slides/slide_3.jpg Jesus – rosto: http://i56.servimg.com/u/f56/18/34/02/41/jesus-19.jpg Reforma íntima: http://www.editoradufaux.com.br/wp- content/uploads/2013/11/Capa_frente-193x300.jpg Hahnemann: https://scontent.fplu3-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0- 9/19990070_1872434262973638_7560941594846413592_n.png? oh=f7049cac9565951ef2e3ccf16407e1ab&oe=59FE0650 Obsessão e alcoolismo: www.luzdoespiritismo.com Vibração mental: http://1.bp.blogspot.com/-eEIQPXKJTJI/U- Km15J654I/AAAAAAAAASU/O2fVtyWmXAw/s1600/Pensamento_1.jpg Fumante: http://images.quebarato.com.br/T440x/como%2Bparei%2Bde %2Bfumar%2Bliberdade%2Bespirito%2Bdepressao%2Bencosto%2Bansiedade %2Bdiadema%2Bsp%2Bbrasil__C060_1.jpg e http://imagens.mensagemespirita.com.br/images/uploads/posts_file_foto/ar- 784x400-19424190_1401789343201553_4497884502951559442_n.jpg Elevação mental: https://image.slidesharecdn.com/pensamentosaneiaouviciaoambiente- 121025110015-phpapp01/95/o-pensamento-saneia-ou-vicia-o-ambiente-9- 638.jpg?cb=1351162920 Concentração: http://revistavivasaude.uol.com.br/upload/imagens_upload/memoria.jpg Definição concentração: http://happyslide.org/doc/364465/gem-aula-07- concentra%C3%A7%C3%A3o Reunião mediúnica: http://3.bp.blogspot.com/- V0L9KEqtHFs/U2xS_sYReII/AAAAAAAABg4/ky_QiNTpnN4/s1600/instruc3a7c3b5 es-psicofonicas2.jpg