SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Fisioterapia
Neurológica
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO
SISTEMA NERVOSO
O Sistema Nervoso tem a capacidade de receber,
transmitir, elaborar e armazenar informações.
Informações: meio externo, meio interno (várias regiões do corpo)
As informações do meio externo são apreciadas de forma
consciente.
Informações do meio interno podem ser apreciadas de forma
consciente e inconsciente.
Quando ocorrem mudanças no meio, e estas afetam o
sistema nervoso, são chamadas de estímulos.
FUNÇÕES DO SISTEMA
NERVOSO
- Manutenção da estabilidade intrínseca do
organismo;
- Homeostase;
- Emissão de comportamento;
Origem Embrionária
Folheto: ectoderma
Ectoderma se divide em :
- Tubo neural → sistema nervoso central;
- crista neural → sistema nervoso periférico
♣ Tubo neural tem duas porções:
- Cefálica;
- Caudal;
A porção cefálica apresenta 3
vesículas:
- Rombencéfalo: ponte, bulbo e cerebelo;
- Mesencéfalo: mesencéfalo;
- Prosencéfalo: telencéfalo e diencéfalo
(tálamo e hipotálamo);
Divisões do sistema nervoso
♣ Critério embriológico;
♣ Critério anatômico → sistema nervoso central (SNC);
→ sistema nervoso periférico (SNP);
SNC: encéfalo (telencéfalo e diencéfalo),
cerebelo;
tronco cerebral;
SNP: gânglios, nervos (cranianos e espinhais),
terminações nervosas;
♣ Critério funcional: - SN somático (aferente e eferente);
- SN vegetativo (visceral)- aferente e o
eferente (SNA);
♣ Com relação a metameria: - segmentar (nervos, tronco
cerebral e medula)
- suprasegmentar (hemisférios e
cerebelo)
OBS: No sistema segmentar a substância cinzenta é
interna e a substância branca é externa. Na substância
cinzenta eu vou encontrar corpos de neurônios e
interneurônios; No sistema suprasegmentar é o
Neurônios
Os neurônios são as células responsáveis pela
recepção e transmissão dos estímulos do meio (interno
e externo), possibilitando ao organismo a execução de
respostas adequadas para a manutenção da
homeostase.
Para exercerem tais funções, contam com duas
propriedades fundamentais:  a irritabilidade (também
denominada excitabilidade ou responsividade) e a
condutibilidade.
Irritabilidade é a capacidade que permite a uma
célula responder a estímulos, sejam eles internos ou
externos.
A resposta emitida pelos neurônios assemelha-se a
uma corrente elétrica transmitida ao longo de um fio
condutor: uma vez excitados pelos estímulos, os
neurônios transmitem essa onda de excitação -
chamada de impulso nervoso - por toda a sua
extensão em grande velocidade e em um curto espaço
de tempo. Esse fenômeno deve-se à propriedade de
condutibilidade. 
Um neurônio é uma célula composta de um corpo celular
(onde está o núcleo, o citoplasma e o citoesqueleto), e de finos
prolongamentos celulares denominados neuritos, que podem
ser subdivididos em dendritos e axônios.
Os dendritos são prolongamentos geralmente muito
ramificados e que atuam como receptores de estímulos,
funcionando portanto, como "antenas" para o neurônio.
Os axônios são prolongamentos longos que atuam como
condutores dos impulsos nervosos. Todos os axônios têm um início
(cone de implantação), um meio (o axônio propriamente dito) e um
fim (terminal axonal ou botão terminal).
O terminal axonal é o local onde o axônio entra em contato
com outros neurônios e/ou outras células e passa a informação
(impulso nervoso) para eles. A região de passagem do impulso
nervoso de um neurônio para a célula adjacente chama-se
sinapse.
Medula Espinhal
Tudo que entra no sistema nervoso passa pela
medula:
- Informações sensitivas da pele, vísceras, músculos
e articulações;
- Motoneurônios α e δ;
- Reflexos espinhais (reflexos tendíneos – reflexos
de estiramento);
Tronco cerebral
- Mesencéfalo, ponte e bulbo;
- Nervos cranianos;
- Sensações especializados : audição, paladar, equilíbrio;
- Vias acendentes e descendentes;
- Controle vasomotor, PA, centros respiratórios;
OBS: 1º. e 2º. Par de nervos cranianos;
Cerebelo
- Recebe diferentes informações de diferentes áreas;
- Manutenção da postura e controle de movimentos;
- Cerebelo é um órgão comparador:
3 etapas:
♣ Identificação;
♣ Planejamento;
♣ Execução;
Tálamo
O tálamo recebe informações sensoriais do corpo e as passa
para o córtex cerebral.
O córtex cerebral envia informações motoras para o tálamo
que posteriormente são distribuídas pelo corpo.
Participa, juntamente com o tronco encefálico, do sistema
reticular, que é encarregado de “filtrar” mensagens que se dirigem
às partes conscientes do cérebro.
• Funções:
• Integração Sensorial
• Integração Motora
Telencéfalo e Núcleos da Base
O telencéfalo ou cérebro é dividido em dois hemisférios
cerebrais bastante desenvolvidos. Nestes, situam-se as sedes da
memória e dos nervos sensitivos e motores.
Entre os hemisférios, estão os VENTRÍCULOS CEREBRAIS
(ventrículos laterais e terceiro ventrículo); contamos ainda com um
quarto ventrículo, localizado mais abaixo, ao nível do tronco
encefálico. São reservatórios do LÍQUIDO CÉFALO-RAQUIDIANO,
(LÍQÜOR), participando na nutrição, proteção e excreção do
sistema nervoso. 
O córtex cerebral está dividido em mais de quarenta
áreas funcionalmente distintas
Cada uma das áreas do córtex cerebral controla uma atividade
específica.
• hipocampo: região do córtex que está dobrada sobre si e possui
apenas três camadas celulares; localiza-se medialmente ao
ventrículo lateral.
• córtex olfativo: localizado ventral e lateralmente ao hipocampo;
apresenta duas ou três camadas celulares.
• neocórtex: córtex mais complexo; separa-se do córtex olfativo
mediante um sulco chamado fissura rinal; apresenta muitas
camadas celulares e várias áreas sensoriais e motoras. As áreas
motoras estão intimamente envolvidas com o controle do
movimento voluntário.
A região superficial do telencéfalo, que acomoda bilhões de
corpos celulares de neurônios (substância cinzenta), constitui o
córtex cerebral, formado a partir da fusão das partes superficiais
telencefálicas e diencefálicas.
O córtex recobre um grande centro medular branco, formado
por fibras axonais (substância branca). Em  meio a este centro
branco (nas profundezas do telencéfalo), há agrupamentos de
corpos celulares neuronais que formam os núcleos (gânglios) da
base ou núcleos (gânglios) basais - CAUDATO, PUTAMEN,
GLOBO PÁLIDO e NÚCLEO SUBTALÂMICO, envolvidos em
conjunto, no controle do movimento.
Algumas das funções mais específicas dos gânglios basais
relacionadas aos movimentos são:
• núcleo caudato: controla movimentos intencionais grosseiros do
corpo (isso ocorre a nível sub-consciente e consciente) e auxilia
no controle global dos movimentos do corpo.
• putamen: funciona em conjunto com o núcleo caudato no
controle de movimentos intensionais grosseiros.
• globo pálido: provavelmente controla a posição das principais
partes do corpo, quando uma pessoa inicia um movimento
complexo.
• núcleo subtalâmico e áreas associadas: controlam
possivelmente os movimentos da marcha e talvez outros tipos de
motilidade grosseira do corpo.
Hipotálamo
O hipotálamo, também constituído por substância
cinzenta, é o principal centro integrador das atividades
dos órgãos viscerais, sendo um dos principais
responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação
entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando
na ativação de diversas glândulas endócrinas. É o
hipotálamo que controla a temperatura corporal, regula o
apetite e o balanço de água no corpo, o sono e está
envolvido na emoção e no comportamento sexual.
Sistema Límbico
O Sistema Límbico é um grupo de estruturas que inclui hipotálamo, tálamo,
amígdala, hipocampo, os corpos mamilares e o giro do cíngulo.
Todas estas áreas são muito importantes para a emoção e reações
emocionais.
O hipocampo também é importante para a memória e o aprendizado.
Funções:
• Comportamento Emocional
• Memória
• Aprendizado
• Emoções
• Vida vegetativa (digestão, circulação, excreção etc.)
Fisioterapia Neurológica: Introdução ao Sistema Nervoso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratóriaMonitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratóriaFisioterapeuta
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96Rose Manzioli
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaCaio Maximino
 
Técnicas de medição arterial
Técnicas de medição arterialTécnicas de medição arterial
Técnicas de medição arterialRicardo Alexandre
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervosoRebeca Vale
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloCaio Maximino
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Professor Robson
 
Metabolismo de carboidratos
Metabolismo de carboidratosMetabolismo de carboidratos
Metabolismo de carboidratosRodrigo Tinoco
 
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseFisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseHerbert Santana
 

Mais procurados (20)

Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratóriaMonitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomia
 
Técnicas de medição arterial
Técnicas de medição arterialTécnicas de medição arterial
Técnicas de medição arterial
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
 
Reflexos
Reflexos Reflexos
Reflexos
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sensibilidade
Sensibilidade Sensibilidade
Sensibilidade
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
 
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticasOrganização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
 
Metabolismo de carboidratos
Metabolismo de carboidratosMetabolismo de carboidratos
Metabolismo de carboidratos
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseFisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 

Destaque

Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológicaresenfe2013
 
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasTerapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasMarciane Missio
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologiaresenfe2013
 
Potencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranasPotencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranasNatha Fisioterapia
 
Revisão de Biologia - Sistema Nervoso
Revisão de Biologia - Sistema NervosoRevisão de Biologia - Sistema Nervoso
Revisão de Biologia - Sistema NervosoEstudoNerd
 
Lista exercícios biologia anatomia fisiologia-bio
Lista exercícios biologia   anatomia fisiologia-bioLista exercícios biologia   anatomia fisiologia-bio
Lista exercícios biologia anatomia fisiologia-bioCésar Milani
 
Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas
Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininasAbordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas
Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininasJessica Souza
 
Exercícios sobre membrana e transportes osmose animal e vegetal
Exercícios sobre membrana e transportes  osmose animal e vegetal Exercícios sobre membrana e transportes  osmose animal e vegetal
Exercícios sobre membrana e transportes osmose animal e vegetal Grupo UNIASSELVI
 
Urgencias e emergencias neurologicas
Urgencias e emergencias neurologicasUrgencias e emergencias neurologicas
Urgencias e emergencias neurologicasNatha Fisioterapia
 

Destaque (20)

Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
 
Síndromes neurológicas
Síndromes neurológicasSíndromes neurológicas
Síndromes neurológicas
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
 
Sistema motor ii
Sistema motor iiSistema motor ii
Sistema motor ii
 
Sistema motor i
Sistema motor iSistema motor i
Sistema motor i
 
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções NeurológicasTerapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
Terapia Ocupacional no contexto das Disfunções Neurológicas
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
 
Potencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranasPotencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranas
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Revisão de Biologia - Sistema Nervoso
Revisão de Biologia - Sistema NervosoRevisão de Biologia - Sistema Nervoso
Revisão de Biologia - Sistema Nervoso
 
Aula3 -er
Aula3  -erAula3  -er
Aula3 -er
 
2S_Coordenação 26112012
2S_Coordenação 261120122S_Coordenação 26112012
2S_Coordenação 26112012
 
Lista exercícios biologia anatomia fisiologia-bio
Lista exercícios biologia   anatomia fisiologia-bioLista exercícios biologia   anatomia fisiologia-bio
Lista exercícios biologia anatomia fisiologia-bio
 
Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas
Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininasAbordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas
Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas
 
Medula espinal
Medula espinalMedula espinal
Medula espinal
 
Exercícios sobre membrana e transportes osmose animal e vegetal
Exercícios sobre membrana e transportes  osmose animal e vegetal Exercícios sobre membrana e transportes  osmose animal e vegetal
Exercícios sobre membrana e transportes osmose animal e vegetal
 
Fibrose cistica
Fibrose cisticaFibrose cistica
Fibrose cistica
 
Urgencias e emergencias neurologicas
Urgencias e emergencias neurologicasUrgencias e emergencias neurologicas
Urgencias e emergencias neurologicas
 
Kabat introdução e conceito
Kabat   introdução e conceitoKabat   introdução e conceito
Kabat introdução e conceito
 

Semelhante a Fisioterapia Neurológica: Introdução ao Sistema Nervoso

Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoBriefCase
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptxFabianoDoVale
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervosoSimone Alvarenga
 
SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxGeovana654578
 
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1  ano texto.pdfSistema nervoso biologia 1  ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdfitamirvieira1
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalLeonardo Alves
 
Trabalho de neuronatomia funcional
Trabalho de neuronatomia funcionalTrabalho de neuronatomia funcional
Trabalho de neuronatomia funcionalPatricia Costa
 
Organizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervosoOrganizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervosoUniversidade Lurio
 
Sistema neuro hormonal - 9 ano
Sistema neuro hormonal - 9 anoSistema neuro hormonal - 9 ano
Sistema neuro hormonal - 9 anoAna Tapadinhas
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso Nubia Karla
 
Sistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - AulaSistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - AulaJuliana Gomes
 
Sistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - AulaSistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - AulaJuliana Gomes
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoEgberto Neto
 

Semelhante a Fisioterapia Neurológica: Introdução ao Sistema Nervoso (20)

Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptx
 
Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.Sistema Nervoso.
Sistema Nervoso.
 
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1  ano texto.pdfSistema nervoso biologia 1  ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
 
06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Trabalho de neuronatomia funcional
Trabalho de neuronatomia funcionalTrabalho de neuronatomia funcional
Trabalho de neuronatomia funcional
 
Organizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervosoOrganizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervoso
 
Sistema neuro hormonal - 9 ano
Sistema neuro hormonal - 9 anoSistema neuro hormonal - 9 ano
Sistema neuro hormonal - 9 ano
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - AulaSistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - Aula
 
Sistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - AulaSistema Nervoso - Aula
Sistema Nervoso - Aula
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 

Mais de Natha Fisioterapia (20)

Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
 
Dnpm
DnpmDnpm
Dnpm
 
Avaliaçao neo
Avaliaçao neoAvaliaçao neo
Avaliaçao neo
 
Avaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonatoAvaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonato
 
Aprendizado motor
Aprendizado motorAprendizado motor
Aprendizado motor
 
Shantala
ShantalaShantala
Shantala
 
Quebra de padroes
Quebra de padroesQuebra de padroes
Quebra de padroes
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
 
Estatudo do idoso
Estatudo do idosoEstatudo do idoso
Estatudo do idoso
 
Dor no idoso
Dor no idosoDor no idoso
Dor no idoso
 
Atendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idosoAtendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idoso
 
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucaoAtendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
 
A familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vitalA familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vital
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 

Fisioterapia Neurológica: Introdução ao Sistema Nervoso

  • 2. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso tem a capacidade de receber, transmitir, elaborar e armazenar informações. Informações: meio externo, meio interno (várias regiões do corpo) As informações do meio externo são apreciadas de forma consciente. Informações do meio interno podem ser apreciadas de forma consciente e inconsciente. Quando ocorrem mudanças no meio, e estas afetam o sistema nervoso, são chamadas de estímulos.
  • 3. FUNÇÕES DO SISTEMA NERVOSO - Manutenção da estabilidade intrínseca do organismo; - Homeostase; - Emissão de comportamento;
  • 4. Origem Embrionária Folheto: ectoderma Ectoderma se divide em : - Tubo neural → sistema nervoso central; - crista neural → sistema nervoso periférico ♣ Tubo neural tem duas porções: - Cefálica; - Caudal;
  • 5. A porção cefálica apresenta 3 vesículas: - Rombencéfalo: ponte, bulbo e cerebelo; - Mesencéfalo: mesencéfalo; - Prosencéfalo: telencéfalo e diencéfalo (tálamo e hipotálamo);
  • 6. Divisões do sistema nervoso ♣ Critério embriológico; ♣ Critério anatômico → sistema nervoso central (SNC); → sistema nervoso periférico (SNP); SNC: encéfalo (telencéfalo e diencéfalo), cerebelo; tronco cerebral; SNP: gânglios, nervos (cranianos e espinhais), terminações nervosas;
  • 7. ♣ Critério funcional: - SN somático (aferente e eferente); - SN vegetativo (visceral)- aferente e o eferente (SNA); ♣ Com relação a metameria: - segmentar (nervos, tronco cerebral e medula) - suprasegmentar (hemisférios e cerebelo) OBS: No sistema segmentar a substância cinzenta é interna e a substância branca é externa. Na substância cinzenta eu vou encontrar corpos de neurônios e interneurônios; No sistema suprasegmentar é o
  • 8. Neurônios Os neurônios são as células responsáveis pela recepção e transmissão dos estímulos do meio (interno e externo), possibilitando ao organismo a execução de respostas adequadas para a manutenção da homeostase. Para exercerem tais funções, contam com duas propriedades fundamentais:  a irritabilidade (também denominada excitabilidade ou responsividade) e a condutibilidade.
  • 9. Irritabilidade é a capacidade que permite a uma célula responder a estímulos, sejam eles internos ou externos. A resposta emitida pelos neurônios assemelha-se a uma corrente elétrica transmitida ao longo de um fio condutor: uma vez excitados pelos estímulos, os neurônios transmitem essa onda de excitação - chamada de impulso nervoso - por toda a sua extensão em grande velocidade e em um curto espaço de tempo. Esse fenômeno deve-se à propriedade de condutibilidade. 
  • 10. Um neurônio é uma célula composta de um corpo celular (onde está o núcleo, o citoplasma e o citoesqueleto), e de finos prolongamentos celulares denominados neuritos, que podem ser subdivididos em dendritos e axônios.
  • 11. Os dendritos são prolongamentos geralmente muito ramificados e que atuam como receptores de estímulos, funcionando portanto, como "antenas" para o neurônio. Os axônios são prolongamentos longos que atuam como condutores dos impulsos nervosos. Todos os axônios têm um início (cone de implantação), um meio (o axônio propriamente dito) e um fim (terminal axonal ou botão terminal). O terminal axonal é o local onde o axônio entra em contato com outros neurônios e/ou outras células e passa a informação (impulso nervoso) para eles. A região de passagem do impulso nervoso de um neurônio para a célula adjacente chama-se sinapse.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Medula Espinhal Tudo que entra no sistema nervoso passa pela medula: - Informações sensitivas da pele, vísceras, músculos e articulações; - Motoneurônios α e δ; - Reflexos espinhais (reflexos tendíneos – reflexos de estiramento);
  • 15.
  • 16. Tronco cerebral - Mesencéfalo, ponte e bulbo; - Nervos cranianos; - Sensações especializados : audição, paladar, equilíbrio; - Vias acendentes e descendentes; - Controle vasomotor, PA, centros respiratórios; OBS: 1º. e 2º. Par de nervos cranianos;
  • 17.
  • 18. Cerebelo - Recebe diferentes informações de diferentes áreas; - Manutenção da postura e controle de movimentos; - Cerebelo é um órgão comparador: 3 etapas: ♣ Identificação; ♣ Planejamento; ♣ Execução;
  • 19.
  • 20. Tálamo O tálamo recebe informações sensoriais do corpo e as passa para o córtex cerebral. O córtex cerebral envia informações motoras para o tálamo que posteriormente são distribuídas pelo corpo. Participa, juntamente com o tronco encefálico, do sistema reticular, que é encarregado de “filtrar” mensagens que se dirigem às partes conscientes do cérebro. • Funções: • Integração Sensorial • Integração Motora
  • 21.
  • 22. Telencéfalo e Núcleos da Base O telencéfalo ou cérebro é dividido em dois hemisférios cerebrais bastante desenvolvidos. Nestes, situam-se as sedes da memória e dos nervos sensitivos e motores. Entre os hemisférios, estão os VENTRÍCULOS CEREBRAIS (ventrículos laterais e terceiro ventrículo); contamos ainda com um quarto ventrículo, localizado mais abaixo, ao nível do tronco encefálico. São reservatórios do LÍQUIDO CÉFALO-RAQUIDIANO, (LÍQÜOR), participando na nutrição, proteção e excreção do sistema nervoso. 
  • 23. O córtex cerebral está dividido em mais de quarenta áreas funcionalmente distintas
  • 24. Cada uma das áreas do córtex cerebral controla uma atividade específica. • hipocampo: região do córtex que está dobrada sobre si e possui apenas três camadas celulares; localiza-se medialmente ao ventrículo lateral. • córtex olfativo: localizado ventral e lateralmente ao hipocampo; apresenta duas ou três camadas celulares. • neocórtex: córtex mais complexo; separa-se do córtex olfativo mediante um sulco chamado fissura rinal; apresenta muitas camadas celulares e várias áreas sensoriais e motoras. As áreas motoras estão intimamente envolvidas com o controle do movimento voluntário.
  • 25.
  • 26.
  • 27. A região superficial do telencéfalo, que acomoda bilhões de corpos celulares de neurônios (substância cinzenta), constitui o córtex cerebral, formado a partir da fusão das partes superficiais telencefálicas e diencefálicas. O córtex recobre um grande centro medular branco, formado por fibras axonais (substância branca). Em  meio a este centro branco (nas profundezas do telencéfalo), há agrupamentos de corpos celulares neuronais que formam os núcleos (gânglios) da base ou núcleos (gânglios) basais - CAUDATO, PUTAMEN, GLOBO PÁLIDO e NÚCLEO SUBTALÂMICO, envolvidos em conjunto, no controle do movimento.
  • 28.
  • 29. Algumas das funções mais específicas dos gânglios basais relacionadas aos movimentos são: • núcleo caudato: controla movimentos intencionais grosseiros do corpo (isso ocorre a nível sub-consciente e consciente) e auxilia no controle global dos movimentos do corpo. • putamen: funciona em conjunto com o núcleo caudato no controle de movimentos intensionais grosseiros. • globo pálido: provavelmente controla a posição das principais partes do corpo, quando uma pessoa inicia um movimento complexo. • núcleo subtalâmico e áreas associadas: controlam possivelmente os movimentos da marcha e talvez outros tipos de motilidade grosseira do corpo.
  • 30. Hipotálamo O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. É o hipotálamo que controla a temperatura corporal, regula o apetite e o balanço de água no corpo, o sono e está envolvido na emoção e no comportamento sexual.
  • 31.
  • 32. Sistema Límbico O Sistema Límbico é um grupo de estruturas que inclui hipotálamo, tálamo, amígdala, hipocampo, os corpos mamilares e o giro do cíngulo. Todas estas áreas são muito importantes para a emoção e reações emocionais. O hipocampo também é importante para a memória e o aprendizado. Funções: • Comportamento Emocional • Memória • Aprendizado • Emoções • Vida vegetativa (digestão, circulação, excreção etc.)