SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 117
SISTEMA SENSORIAL
    ÓRGÃOS DO SENTIDO:
    AUDIÇÃO
    TATO
    PALADAR
    VISAO
    OLFATO
É O SISTEMA CONSTÍTUIDO POR SENSORES CAPAZES DE DETECTAR   DIFERENTES
TIPOS DE INFORMAÇÕES ENGLOBANDO DETERMINADOS ÓRGÃOS ESPECÍFICOS QUE
RECEBEM ESTÍMULOS QUE SÃO REPASSADOS PARA O SISTEMA NERVOSO
CENTRAL, ONDE SÃO INTERPRETADOS E PODEM RESULTAR NUMA RESPOSTA DO
ORGANISMO.
INTEGRAÇAO SISTEMA NERVOSO E
                    SENSORIAL.


O SISTEMA NERVOSO é responsável pelo ajustamento do organismo ao
ambiente.
FUNÇÃO: perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as
condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que adaptem a
essas condições.
A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa, denominada
NEURÔNIO, que é uma célula extremamente estimulável; é capaz de perceber as
mínimas variações que ocorrem em torno de si, reagindo com uma alteração
elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica é o IMPULSO
NERVOSO.
EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO
             SISTEMA NERVOSO
O SISTEMA NERVOSO aparece pela primeira vez na escala evolutiva animal entre os
CNIDÁRIOS.

Nesses animais o sistema nervoso é DIFUSO, por ser destituído de centros coordenadores
das funções nervosas. È, portanto, relativamente simples e consiste numa rede de células
nervosas espelhadas pelo corpo do animal.

Nos PLATELMINTOS surge, pela primeira vez, um SISTEMA NERVOSO CENTRAL
constituído de gânglios nervosos, que são aglomerados de neurônios situados na cabeça,
sugerindo um rudimento de cefalização.
È o SISTEMA NERVOSO GANGLIONAR, que se torna mais aperfeiçoado em animais
como os anelídeos e principalmente artrópodes e moluscos cefalópodes.

Em quanto o sistema nervoso ganglionar dos invertebrados apresenta um duplo cordão
nervoso situado na região ventral, nos vertebrados o sistema nervoso apresenta-se disposto
dorsalmente e protegido pela caixa craniana e pela coluna vertebral.
Cnidário- Hidra
Sistema Nervoso Difuso
NEURONIOS   UNIDADE ESTRUTURAL E
            FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO.
TIPOS DE NEURONIOS
    De acordo com suas funções na condução dos
    impulsos, os neurônios podem ser classificados em:

   Neurônios receptores ou sensitivos (aferentes):
    recebem estímulos sensoriais e conduzem o impulso
    nervoso ao SNC.
    Neurônios motores ou efetuadores (eferentes):
    transmitem os impulsos motores (respostas ao
    estímulo).
   Neurônios associativos ou interneurônios:
    estabelecem ligações entre os neurônios receptores
    e os neurônios motores.
POTENCIAL DE AÇAO
    O impulso nervoso: mensagem que passa a todo o comprimento da fibra nervosa
    como processo de transmissão de informação do sistema nervoso a todo o
    organismo.
    É uma onda de despolarização que viaja ao longo da membrana do axônio.
    A energia para a deslocação desta onda tem origem num estímulo e a natureza da
    mensagem nervosa não é afetada pela intensidade do estímulo, mas este codifica a
    sua freqüência.
    É um movimento coordenado de íons de sódio e potássio pelo nervo da membrana
    celular.
    Com a excitação da células nervosa, por estímulos que atinjam o limiar de
    excitabilidade da célula ( -65mV), um potencial de ação será disparado dentro de
    um princípio denominado de “tudo ou nada”.

   O potencial de ação do neurônio apresenta duas fases:

    DESPOLARIZAÇÃO: determinada pela entrada de íons Na+

    REPOLARIZAÇÃO: ocasionada pela saída de íons K+
SINAPSE é um tipo de junção especializada em que um terminal
axonal faz contato com outro neurônio ou tipo celular.
Podem ser elétricas ou químicas (maioria).
SINAPSE QUÍMICA

Acontece   quando o potencial de ação, ou seja, impulso é transmitido através
mensageiro químico, ou seja, neurotransmissores, que se liga a um receptor
(proteína), na membrana pós-sináptica, o impulso é transmitido em uma única
direção, podendo ser bloqueado, e em comparação com sinapse elétrica,a sinapse
química é muito mais lenta.Quase todas sinapses do SNC são químicas.



 EX: neurotransmissores
    Histamina
    Acetilcolina
SINAPSE ÉLETRICA

        Neste tipo de sinapse as células possuem um intimo contato através junções
    abertas ou do tipo gap que permite o livre transito de íons de uma membrana a
    outra, desta maneira o potencial de ação passa de uma célula para outra muito mais
    rápido que na sinapse química não podendo ser bloqueado.Ocorre em músculo liso
    e cardíaco, onde a contração ocorre por um todo em todos os sentidos.
Sem mediadores químicos   Presença de mediadores químicos
  Nenhuma modulação           Controle e modulação da
                                    transmissão
       Rápida
O SISTEMA DE RECEPTORES
                    SENSORIAIS
    Estruturas responsáveis pela percepção de estímulos provenientes do ambiente =
    exterorreceptores e do interior do corpo = interorreceptores.


Há 5 tipos básicos de receptores sensoriais no corpo:

   Mecanorreceptores.

   Termorreceptores.

   Nociceptores.

   Receptores eletromagnéticos.

   Quimiorreceptores.
Tipos de receptores
 TERMORRECEPTORES - as sensações de calor e frio resultam da
  estimulação de diferentes receptores que se encontram desigualmente
 distribuídos na pele; corpúsculos de Krauser,corpúsculos de Ruffini.

   MECANORRECEPTORES - os receptores do tacto;corpúsculos de
    Meissner, localizados
   superficialmente, apresentam sensibilidade a contactos leves. Estes
    receptores estão
   distribuídos por toda a pele, no entanto,encontram-se mais
    concentrados na língua,
   lábios, testa e ponta dos dedos.
   Os receptores sensíveis à pressão corpúsculos de Pacini; localizados
    mais profundamente.

   RECEPTORES DA DOR - são os mais abundantes no nosso
    organismo, e respondem a estímulos mecânicos, químicos e térmicos.
    Além de se localizarem à superfície, também se encontram nos
    músculos esqueléticos, tendões, intestinos, estômago, etc.
AUDIÇAO HUMANA


Órgão dos sentido.
   ORELHA
 ─ Receptor externo de sons.
 ─ Órgão de equilíbrio do corpo.
O órgão vestíbulo-coclear é responsável pela audição e equilíbrio



   ESTRUTURAS ENVOLVIDAS:
   OUVIDO EXTERNO:
    Pavilhão da orelha, meato acústico externo, e membrana do tímpano.
   OUVIDO MÉDIO:
    Tuba auditiva,ossículos auditivos( martelo,bigorna e estribo), janela oval e
    redonda.
   OUVIDO INTERNO:
    Labirinto ósseo (vestíbulo, cóclea e canais semi-circulares) e labirinto
    membranáceo.
DIVISÕES: OUVIDO EXTERNO
 O pavilhão da orelha é formado por cartilagem elástica, coberta por uma fina camada de pele
de ambos os lados, contendo glândulas sebáceas.
É importante na captação do som.
O meato acústico externo é um canal que segue do pavilhão da orelha até a membrana
timpânica.
A parte mais externa do pavilhão por estar em continuação com o pavilhão, apresenta mesma
estrutura de cartilagem. Mais internamente, porém, tem um arcabouço formado pelo osso
temporal, revestido por pele rica em pêlos, glândulas sebáceas e ceruminosas.
As duas glândulas citadas produzem o cerúmen, que juntamente com os pêlos conferem proteção
ao aparelho auditivo.
A membrana do tímpano é responsável pela transmissão das ondas sonoras para os ossículos do
ouvido médio.
A membrana timpânica cobre a extremidade mais profunda do meato auditivo externo, é
coberta por uma superfície externa da membrana timpânica,coberta por uma epiderme
delgada, enquanto sua superfície interna é constituída por epitélio simples de formato
pavimentoso a cúbico. Uma delgada camada de componentes conjuntivos, incluindo fibras
colágenas, fibras elásticas e fibroblastos, está interposta entre as duas camadas epiteliais da
membrana timpânica. Esta membrana recebe as ondas sonoras, transmitidas a ela pelo ar que
passa pelo meato auditivo externo, que a faz vibrar.
DIVISÕES: OUVIDO MÉDIO



Localiza-se no osso temporal, como uma cavidade que separa a membrana timpânica
da superfície óssea do ouvido interno. Em sua porção anterior se comunica com a
faringe pela tuba auditiva e pela posterior com as cavidades cheias de ar. O ouvido
médio é revestido por epitélio simples pavimentoso, perto da tuba ele torna-se
prismático ciliado e a medida que se aproxima da faringe passa a ser pseudo-
estratificado ciliado.

A tuba encontra-se geralmente fechada, mas se abre durante o ato de deglutição .

Na parede medial notam-se duas regiões sem osso, recobertas apenas por uma
membrana conjuntivo-epitelial, as janelas oval e redonda.

Unindo a janela oval a membrana do tímpano existe uma cadeia de três ossículos
articulados, formados pelo martelo, bigorna e estribo que são revestidos por epitélio
simples.
DIVISÕES: OUVIDO MÉDIO

O labirinto ósseo é revestido por endósteo e esta separado do labirinto membranoso
pelo espaço perilinfático que esta cheio de um líquido claro denominado perilinfa.

Compõem: canais semicirculares, o vestíbulo e a cóclea.

Os três canais semicirculares ( superior, posterior e lateral) contém em cada
extremidade uma área dilata denominado ampola,suspensos nos canais estão os
ductos semicirculares, os quais são regionalmente apontados como continuações do
labirinto membranoso.

O vestíbulo é a parte central do labirinto ósseo situada entre a cóclea, que ocupa uma
posição anterior, e os canais semicirculares que ocupam uma posição posterior. Sua
parede lateral contém a janela oval e a janela redonda.

A cóclea origina-se como uma espiral óssea oca que gira, duas vezes e meia em
torno de uma coluna óssea central, o modíolo.
DIVISÕES: OUVIDO INTERNO



Canais semicirculares: epitélio pavimentoso simples e tecido conjuntivo.

Células receptoras encontram-se na ampola.

Os estereocilios localizam-se dentro da cúpula gelatinosa.

Esses canais são preenchidos por endolinfa.
DIVISÕES: OUVIDO INTERNO


VESTÍBULO

Comunica-se com canais semicirculares e cóclea.
Formado órgãos otolíticos que possuem duas estruturas: sáculo e utrículo.

Sáculo e utrículo são formados por epitélio simples e pavimentoso, recoberto por
fina camada de tecido conjuntivo. No interior dessa estruturas encontra-se
endolinfa e em determinadas regiões observa-se um espessamento do epitélio, as
máculas.


Máculas: constituídas por células de sustentação e células receptoras (sensoriais), que
contem estereocílios.
Na mácula, sobre suas células, há uma camada de material gelatinoso e sobre este
encontram-se otólitos. Otólitos constituem estruturas de carbonato de cálcio que ficam
incrustados nessa camada gelatinosa e movem-se de acordo com a angulação da cabeça.
DIVISÃO OUVIDO INTERNO: LABIRINTO MEMBRANOSO




O labirinto membranoso é preenchido com endolinfa e possui as seguintes áreas
especializadas: o sáculo e o utrículo, os ductos semicirculares e o ducto coclear.
Delgadas faixas de tecido conjuntivo presas ao endósteo do labirinto ósseo cruzam a
perilinfa e se inserem no labirinto membranoso.

Labirinto membranoso: formado por epitélio de revestimento pavimentoso, possui
endolinfa em seu interior.
DIVISÕES: OUVIDO INTERNO


Órgãos de Corti: são sensíveis a vibrações. Formados por células pilosas
externas e internas. Ficam sobre membrana basilar, com estereocílios
ligado a membrana tectória.

As células sensoriais internas tem forma de cálice, com estereocílios na superfície
livre, enquanto as externas são alongadas, com estereocílios modificados, em contato
com nervo coclear.
FUNÇÕES
Vestibular: Movimentos que mudam ângulo da cabeça, deslocam otólitos que por sua
vez movem camada gelatinosa. Esse movimento, dependendo da orientação,
movimentará estereocílios num sentido em que gerará despolarização destas células ou
inibição. Nos canais semicirculares, o movimento da endolinfa devido a rotação,
movimentará cúpula, deslocando estereocílios das células que irão gerar também uma
resposta por parte dessas células.



Coclear: Quando estímulos sonoros entram pela janela oval da cóclea, ocorre uma
movimentação do fluido coclear. Este por sua vez, vibra membrana basilar que se
desloca em relação à tectória. Isso movimenta cílios, provocando despolarização, com
conseqüente ativação ou inibição de neurônios que transmitirão esses impulsos
gerando, posteriormente uma resposta auditiva.
COMO OUVIMOS?


                                                Ouvido externo:
                                                Capta as vibrações do exterior.




As ondas sonoras, depois de atingirem o pavilhão auricular, são conduzidas pelo
canal auditivo externo até à membrana do tímpano.
COMO OUVIMOS?

                                        Ouvido médio:
                                        Amplifica as vibrações do exterior.




As vibrações do tímpano são amplificadas pelos ossículos
(martelo, bigorna e estribo), no ouvido médio, e transmitidas ao
caracol ou cóclea, no ouvido interno.
COMO OUVIMOS?
                                         Ouvido interno:
                                         Transforma as vibrações do exterior em
                                         impulsos eléctricos.




As vibrações são convertidas em impulsos eléctricos, nas células nervosas da
cóclea, que são enviados ao cérebro através do nervo auditivo.
VIAS AUDITIVAS
          cóclea transforma o som em sinais
           A
         elétricos;




         Axônios conduzem estes sinais para
         núcleos cocleares;




          via ascendente projeta-se para o
           A
         tálamo;




          sinais chegam então ao lobo
           os
         temporal.
PERDA AUDITIVA
   Perda auditiva é a falta de habilidade em perceber ou interpretar o
    som.



   Varia desde a dificuldade em ouvir sons suaves ou entender a fala
    até a completa surdez.



   Todas as pessoas experimentam algum grau de perda auditiva já
    que isso faz parte do envelhecimento natural.
Tipos de Surdez
   SURDEZ NERVOSA: causada por um prejuízo da cóclea ou do
    Nervo Coclear;
   SURDEZ DE ALTAS FREQÜÊNCIAS  dano da base da cóclea
    (pessoas idosas).
   SURDEZ DE BAIXAS FREQÜÊNCIAS  exposição prolongada a
    sons altos que causa dano no órgão de Corti.
   SURDEZ DE TODAS AS FREQÜÊNCIAS  sensibilidade do
    Órgão de Corti a antibióticos como Estreptomicina, Kanamicina e
    Cloromfenicol.
   SURDEZ DE CONDUÇÃO  causada por um prejuízo físicos das
    estruturas da orelha que conduzem sons para o cóclea;
   OBSTRUÇÃO DA ORELHA EXTERNA  causada pelo sistema de
    condução da orelha média, aumentando a sua resistência e dificultando a
    passagem de ondas sonoras para a cóclea; causa comum é a fibrose da
    orelha media causada por infecções e osteoclerose.
TIPOS DE DISFUNÇÃO VESTIBULAR
        As disfunções vestibulares são dividas em 2 grupos, de acordo
        com a localização da lesão:

 Síndromes vestibulares periféricas:         Síndromes       vestibulares      centrais:
quando o comprometimento das funções         quando o comprometimento das
auditiva e vestibular é no labirinto         funções auditiva e vestibular ocorre a nível
(síndromes endolabrirínticas) e/ou no VIII   do tronco cerebral, em seus núcleos, vias e
par craniano até sua entrada no tronco       inter-relações com outras estruturas do
cerebral (síndromes retrolabirínticas).      sistema nervoso, como o córtex temporal e
                                             o cerebelo.
Labirintite bacteriana:

O quadro clínico é de vertigens intensas, náuseas e vômitos, associados à hipoacusia
importante. Cefaléia, dor local, hipertermia e secreção purulenta podem estar presentes. É
provável que esta se
deva devido à extensão de uma infecção bacteriana do ouvido médio, meninges ou
mastóide, podendo desenvolver-se também fístulas labirínticas que resultam da erosão
secundária por infecção crônica ou colesteatoma.
É o processo fisiológico por meio do qual se distinguem as formas e as cores dos
objetos. Em linhas gerais, o olho funciona como uma câmara fotográfica que projeta uma
imagem invertida do mundo exterior em sua porção interna posterior, onde existe um
revestimento fotossensível, a retina, que envia informações codificadas ao sistema nervoso
central, dando ao indivíduo a sensação da visão.
OLHOS
O olho humano é uma estrutura fotossensível de alta complexidade capaz de detectar
com enorme precisão a forma, a cor e a intensidade de luz refletida dos mais diversos
objetos.

O olho é constituído de três túnicas dispostas concentricamente:
Camada externa (fibrosa) – formada pela esclera (ou esclerótica) e pela córnea.
Camada média ou túnica vascular – constituída pelo coróide, pelo corpo ciliar e
pela íris.
Camada interna nervosa (fotossensitiva) – composta pela retina, que se comunica,
através do nervo óptico, com o cérebro.

Além disso, o olho possui a lente ou cristalino, uma estrutura biconvexa transparente.
Em frente ao cristalino, há uma expansão pigmentada e opaca da camada média, que o
recobre em parte, a íris, que é quem dá a “cor ao olho”.

No olho há três compartimentos, que são os seguintes:
Câmara anterior – situada entre a íris e a córnea.
Câmara posterior – situada entre a íris e o cristalino.
Espaço vítreo - situado atrás do cristalino e circundado pela retina.
Nestas câmaras há um líquido que contém proteínas, o humor aquoso. O espaço vítreo
apresenta-se cheio de uma substância gelatinosa, o corpo vítreo.
Globo Ocular



CAMADA             CAMADA MÉDIA        CAMADA
EXTERNA                                INTERNA


FIRME E FIBROSA      VASCULAR        TECIDO NERVOSO
                                      FOTOSSENSÍVEL



•Esclera             •Córoide            RETINA
•Córnea              •Corpo Ciliar
                     Íris
CAMADA MÉDIA




 CAMADA INTERNA




CAMADA EXTERNA
CORÓIDE




                  CÓRNEA




Fotomicrografia do olho.Observa-se: córnea, lâmina de tecido conjuntivo denso, transparente e
avascular, que limita anteriormente o globo ocular (Seta curta); coróide (seta longa, FROUXO);
íris (1), prolongamento membranoso da coróide; corpo vítreo (2); cristalino (3) e retina (i 4).
CAMADA EXTERNA OU TÚNICA FIBROSA: Opaca, esbranquiçada nos seus cinco
sextos posteriores.
ESCLERA: Formada por tecido conjuntivo rico em fibras colágenas que se entrecruzam e
seguem direções paralelas a superfície do olho.

•A superfície externa da esclera apresenta-se envolta por uma camada de tecido conjuntivo
denso- a cápsula de Tenon- que se prende por um sistema frouxo de finas fibras colágenas que
correm dentro de uma espaço chamado de espaço de Tenon- responsável pelos movimentos de
rotação em todas as direções.

•Entre a esclera e a coróide- lamina supracoróidea; camada de tecido conjuntivo frouxo, rica em
células que contem melanina, fibroblastos e fibras elásticas.

No sexto anterior, a túnica apresenta-se transparente; córnea.

Epitélio anterior- estratificado pavimentoso não queratinizado.

Membrana de Bowman-camada homogênea e espessa de delgadas fibras colágenas.

Estroma- avascular; camadas de fibras colágenas, fibroblastos, subs.fundamental gelatinosa que
apresentam linfócitos e leucócitos.

Membrana de Descemet- estrutura formada por fibras colágenas que reforça estrutura da
LIMBO
É a zona de transição da córnea, que é transparente, para a esclera. O colágeno da
córnea, de homogêneo e transparente, transforma-se em fibroso e opaco. Nessa zona
altamente vascularizada, existem vasos sanguíneos que assumem papel importante
nos processos inflamatórios da córnea. A córnea é uma estrutura avascular e sua
nutrição se dá pela difusão de metabólitos dos vasos acima mencionados e do fluido da
câmara anterior do olho.
Drenado o humor aquoso.
CAMADA MÉDIA OU TÚNICA VASCULAR

Constituída: coróide, o corpo ciliar e a íris.

A coróide é uma camada rica em vasos sanguíneos.

Tecido conjuntivo frouxo, rico em células, fibras colágenas e elásticas
Contém células pigmentadas contendo melanina.
Função de nutrir a retina.

O corpo ciliar é uma dilatação da coróide na altura do cristalino, tem aspecto de um
anel espesso, continuo revestindo a superfície interna da esclera

A íris é um prolongamento da coróide que cobre parte do cristalino. A íris tem um orifício
circular central, a pupila. A sua superfície anterior é irregular, apresentando fendas e
elevações, ao contrário da superfície posterior, que é lisa.
RETINA
CAMADA INTERNA NERVOSA- FOTOSSENSITIVA
A retina fica na parte interna do globo ocular e é formada por duas porções: posterior
sensitiva e anterior não-sensitiva ou cega. A parede mais externa da retina originará uma
fina camada de epitélio cúbico simples, composta de células pigmentares (epitélio
pigmentar da retina). A outra parte da retina (mais interna) é constituída de
fotorreceptores. Essas camadas não estão fortemente unidas uma à outra, enquanto que
a camada pigmentar está muito aderida à coróide.
 Esse epitélio pigmentar é composto por células cúbicas com núcleo na posição
    basal. E, a parte fotossensitiva da retina compõe-se das seguintes camadas:
          Membrana limitante externa
          Células fotossensitiva – cones e bastonetes;
          Neurônios bipolares – unem os cones e os bastonetes às células ganglionares;
          Células ganglionares – contato com os neurônios bipolares na parte externa
e, na interna, com fibras nervosas que vão originar o Nervo Óptico.
CRISTALINO
É uma lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no
olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada por
movimentos de um anel de músculos, os músculos ciliares, permitindo ajustar a visão
para objetos próximos ou distantes.

Tem forma de uma lente biconvexa e apresenta grande elasticidade, que diminui com
a idade.
Constitui-se de:
Fibras do cristalino: se apresentam sob a forma de elementos prismáticos finos e
longos.
Cápsula do cristalino: revestimento acelular homogêneo, hialino , rico e, colágeno do
tipo IV e glicoproteínas.

Epitélio subcapsular: formado por uma camada única de células epiteliais cubóides. É
a partir desse epitélio que se originam as fibras responsáveis pelo aumento gradual do
cristalino durante o processo de crescimento do globo ocular.
ESPAÇO VÍTRIO

O corpo vítreo ocupa a cavidade do olho que se situa atrás do cristalino. Tem aspecto de
gel claro, transparente,com raras fibras de colágeno. Seu componente principal é a água
cerca( cerca de 99%) e glicosaminoglicanos altamente hidrófilos, em especial o ácido
hialurônico. O corpo vítreo contém poucas células, que participam do material
extracelular.
ESTRUTURAS ACESSÓRIAS DO OLHO:
Conjuntiva: membrana mucosa que reveste a parte anterior da esclerótica e a
superfície
interna das pálpebras. O epitélio da conjuntiva é estratificado prismático, com a lamina
de tecido conjuntivo frouxo.

Pálpebras: São dobras flexíveis de tecidos, que protegem o globo ocular.
Constituem-se de fora para dentro de:
Pele; com epitélio estratificado pavimentoso queratinizado e derme de conjuntivo
frouxo.
•Feixe de músculos estriados que formam o músculo orbicular do olho.
• Camada de tecido conjuntivo que apresenta na extremidade das pálpebras um
espessamento de tecido denso- a placa palpebral ou tarso - cujo interior apresenta
glândulas sebáceas ou tarsais.
•Camada mucosa, epitélio prismático estratificado e tecido conjuntivo frouxo.
GLÂNDULAS LACRIMAIS


Localizadas na borda súpero- externa da órbita, são glândulas serosas do tipo túbulo-
alveolar composto.
Constituem-se de células serosas que contem no seu ápice grânulos de secreção.

A sua porção secretora é envolvida por células mioepiteliais que produzem salina, com
a mesma concentração de cloreto de sódio que a do sangue. É um fluido pobre em
proteínas e contem uma única enzima, a lisozoma, que digere a cápsula de certas
bactérias.
PATOLOGIAS RELACIONADAS

A obstrução de canais presentes no ângulo iridiano pode levar a defeito no fluxo
normal do humor aquoso, causando uma falha na drenagem do líquido na câmara
anterior do olho, aumentando a pressão intra-ocular, ocasionando o glaucoma. Essa
pressão intra-ocular elevada pode causar lesão da retina e até perda da visão. Muitas
vezes, a origem é desconhecida. E, em alguns casos, a drenagem do humor aquoso fica
bloqueada por restos resultantes de uma infecção ou trauma no globo ocular.
•O descolamento da retina ocorre na união frouxa entre a região de contato do epitélio
pigmentar com a camada fotossensível, e pode ter graves conseqüências se não for corretamente
tratado. As causas predisponentes mais comuns são: miopia e extração de catarata.

•A catarata consiste de uma opacificação do cristalino, que torna a visão borrada. Pode ser
congênita, traumática ou senil (mais comum – grande parte das pessoas maiores de 60 anos
apresenta algum grau de opacificação do cristalino).

• A retinopatia diabética é a principal causa de novos casos de cegueira em adultos. Não
proliferativa ocorre dilatação venosa, microaneurismas, hemorragia da retina e exsudatos
endurecidos. Edema, isquemia e exsudatos da mácula também podem levar à perda da visão. Na
proliferativa ocorre neovascularização. Essa proliferação de vasos sangüíneos, associada a seus
componentes fibrosos, pode resultar num descolamento da retina por tração. Pessoas com
diabetes mellitus, hipertensão sistêmica ou hiperlipidemia devem ter um cuidado maior.
PALADAR
 OLFATO
   Os sentidos gustativo e olfativo são chamados
    sentidos químicos, porque seus receptores são
    excitados por estimulantes químicos. Os receptores
    gustativos são excitados por substâncias químicas
    existentes nos alimentos, enquanto que os
    receptores olfativos são excitados por substâncias
    químicas do ar. Esses sentidos trabalham
    conjuntamente na percepção dos sabores. O centro
    do olfato e do gosto no cérebro combina a
    informação sensorial da língua e do nariz.
   O receptor sensorial do paladar é a papila gustativa, constituída por
    células epiteliais localizadas em torno de um poro central na
    membrana mucosa basal da língua.

    Na superfície de cada uma das células gustativas observam-se
    prolongamentos finos como pêlos, projetando-se em direção da
    cavidade bucal; são chamados micro vilosidades. Essas estruturas
    fornecem a superfície receptora para o paladar.

   Observa-se entre as células gustativas de uma papila uma rede com
    duas ou três fibras nervosas gustativas, as quais são estimuladas pelas
    próprias células gustativas. Para que se possa sentir o gosto de uma
    substância, ela deve primeiramente ser dissolvida no líquido bucal e
    difundida através do poro gustativo em torno das microvilosidades.
    Portanto substâncias altamente solúveis e difusíveis, como sais ou
    outros compostos que têm moléculas pequenas, geralmente fornecem
    graus gustativos mais altos do que substâncias pouco solúveis
    difusíveis, como proteínas e outras que possuam moléculas maiores.
Papila gustativa, na língua. A língua humana possui
10.000 papilas gustivas, sendo responsáveis pela
detecção dos sabores: amargo, doce e salgado, e ainda,
a temperatura e a peculiaridade dos sabores.
As Quatro Sensações Gustativo-Primárias


 Na  superfície da língua existem dezenas de papilas
   gustativas, cujas células sensoriais percebem os
   quatro sabores primários, aos quais chamamos
   sensações gustativas primárias: amargo (A), azedo
   ou ácido (B), salgado (C) e doce (D). De sua
   combinação resultam centenas de sabores distintos.
   A distribuição dos quatro tipos de receptores
   gustativos, na superfície da língua, não é
   homogênea.
Até os últimos anos acreditava-se que existiam quatro tipos
inteiramente diferentes de papila gustativa, cada qual
detectando uma das sensações gustativas primárias
particular. Sabe-se agora que todas as papilas gustativas
possuem alguns graus de sensibilidade para cada uma das
sensações gustativas primárias. Entretanto, cada papila
normalmente tem maior grau de sensibilidade para uma ou
duas das sensações gustativas. O cérebro detecta o tipo de
gosto pela relação (razão) de estimulação entre as diferentes
papilas gustativas. Isto é, se uma papila que detecta
principalmente salinidade é estimulada com maior
intensidade que as papilas que respondem mais a outros
gostos, o cérebro interpreta a sensação como de salinidade,
embora outras papilas tenham sido estimuladas, em menor
extensão, ao mesmo tempo.
OLFATO
O olfato humano é pouco desenvolvido se
comparado ao de outros mamíferos. O epitélio
olfativo humano contém cerca de 20 milhões de
células sensoriais, cada qual com seis pêlos
sensoriais (um cachorro tem mais de 100 milhões de
células sensoriais, cada qual com pelo menos 100
pêlos sensoriais). Os receptores olfativos são
neurônios genuínos, com receptores próprios que
penetram no sistema nervoso central.
ÓRGÃO OLFATIVO
    Área olfativa, mucosa olfativa ou mancha amarela, reveste as cavidades nasais de
    tonalidade amarela, consiste de um espesso epitélio pseudo-estratificado e de uma
    densa lamina própria.
    O epitélio é formado por três tipos de células: sustentação, sensoriais e basais.
        CELULAS DE SUSTENTAÇÃO: são cilíndricas altas, perpendiculares a
    superfície, seus núcleos estão dispostos logo acima da membrana epitelial. O
    citoplasma dessas células contem um pigmento amarelo-castanho, responsável pela
    coloração da área olfativa.
        CÉLULAS SENSORIAIS: são do tipo de neurônio bipolar, também encontram-
    se perpendicular a superfície.Os dendritos ascendem até a superfície pelos
    interstícios das células de sustentação, formando uma vesícula olfativa de delicados
    filamentos denominados cílios olfativos.O axônio de casa célula passa da
    membrana epitelial para a lamina própria , reunindo-se em fibras nervosas olfativas.
   Células basais são mais ou menos triangulares e dispostas irregularmente no
    epitélio.
COMO SENTIMOS O CHEIRO?

   O olfato é 20 mil vezes mais sensível do que o paladar.
1- Quando uma pessoa inspira, as moléculas gasosas dos objetos próximos vão
em direção à mucosa olfativa, região que abriga as células associadas ao olfato.

2 Cílios localizados nas extremidades das células olfativas, uma das que
compõem a mucosa, captam as moléculas que levam o odor.

3 As moléculas alteram o comportamento elétrico da célula, criando um
estímulo que vai até o bulbo olfativo por meio de uma fibra nervosa.

4 Do bulbo, o impulso segue para outras regiões do cérebro, onde o cheiro será
processado.

  A região que recebe o cheiro (lobo límbico) também está associada à memória
recente e a emoções.
  A mucosa é composta por três tipos de células: basais, de sustentação e as
olfativas
DISTÚBIOS DO PALADAR E OLFATO
   AGEUSIA: A falta do paladar. O que mais comumente causa diminuição do paladar
    como um todo é o cigarro, após anos de exposição á fumaça as papilas gustativas já
    não funcionam mais. Alguns remédios, como efeito colateral indesejado, podem
    causar gosto metálico. Tumores dos nervos que inervam a língua também podem
    causar distúrbios do paladar, mas que já é mais raro.
   ANOSMIA: é a perda total do olfato e hiposmia é a diminuição do olfato, ocorrida
    por lesão no nervo olfativo, obstrução das fossas nasais ou outras doenças,
   DISGEUSIA é a distorção ou diminuição do senso do paladar. Está associada a
    deficiência de zinco e alguns medicamentos para hipertensão ou contra a ansiedade.
    Também é encontrada em pacientes com insuficiência renal severa.
   HIPEROSMIA: Capacidade muito aguçada do olfato, apesar de rara, pode ser
    encontrada em casos de nevralgia do trigêmio, em enxaquecas, tétano e depressão.
    As vezes,ela adquire o caráter de um desenvolvimento fisiológico excessivo,
    elevando o nível do olfato de alguns animais, como os cães, por exemplo. Os
    pacientes que sofrem deste transtorno percebem odores estranhos que passam
    despercebidos às pessoas normais.
   PAROSMIA é uma sensação distorcida do olfato, geralmente resultando em
    sensação de cheiros que não existem ou cheiros desagradáveis.
TATO
Coleta informações do ambiente por meio de interações diretas com a
matéria ou a energia.
Calor, energia e radiação térmica, pressão, além de outras características
relacionadas à diferença de consistência e forma de superfícies, a
sensações de dor e cócegas.
As interações (sensoriais) se traduzem via corpúsculos do tato que estão
localizados na derme, na epiderme e nos epitélios.

A pele é uma membrana repleta de sensores e reveste todo o corpo. Sua
camada externa age como uma capa que protege contra vários fatores do
ambiente.

Além de proteger o organismo, de reagir às sensações provocadas pelo
tato, calor, pressão, etc., e revelar fatores como variedade de cores, idade
e saúde, a pele apresenta outras três funções importantes, como
respiração (poros), excreção (suor) e manutenção da temperatura do
organismo (suor) – homeostase.
SENSORES TÁTEIS
       Para obter as percepções táteis TEMOS terminações nervosas e
        corpúsculos = receptores táteis.
       Na pele desprovida de pêlo e também na que está coberta por
        ele, encontram-se ainda três tipos de receptores comuns:
TERMORRECEPTORES - as sensações de calor e frio resultam da estimulação de
diferentes receptores que se encontram desigualmente
distribuídos na pele; corpúsculos de Krauser,corpúsculos de Ruffini.

MECANORRECEPTORES - os receptores do tacto;corpúsculos de Meissner,
localizados
superficialmente, apresentam sensibilidade a contactos leves. Estes receptores estão
distribuídos por toda a pele, no entanto,encontram-se mais concentrados na língua,
lábios, testa e ponta dos dedos.
Os receptores sensíveis à pressão corpúsculos de Pacini; localizados mais
profundamente.

 RECEPTORES DA DOR ( NOCICEPTOR) - são os mais abundantes no nosso
organismo, e respondem a estímulos mecânicos, químicos e térmicos. Além de se
localizarem à superfície, também se encontram nos músculos esqueléticos, tendões,
intestinos, estômago, etc.
CORPÚSCULOS DE PACCINI:
       Captam especialmente estímulos vibráteis e táteis = pressão.

         É constituído por uma massa central granulosa alongada, coberta por diversas
laminas concêntricas de tecido conjuntivo.

         As laminas de conjuntivo estão separadas por espaços linfáticos,revestida por
células endoteliais.

          A pressão sobre a pele em maior intensidade do que a que produz a sensação
de tato estimula o corpúsculo de Pacini.

        São considerados órgãos de pressão profunda e de vibração.

         Encontram-se em regiões profundas do tecido subcutâneo, tecido
conjuntivo, próximo a tendões e articulações,sobre membranas mucosas, róseas do
antebraço e da perna,no perimísio de músculos,no pâncreas, nas glândulas mamarias e
na genitália de ambos os sexos.
CORPÚSCULOS DE MEISSNER.
       Estão nas saliências da pele sem pêlos (como nas partes mais
    altas das impressões digitais)percebem o tato leve. Estão distribuídos
    no tecido conjuntivo das papilas da pele,abaixo da epiderme.

    Concentram-se nas superfícies palmares dos dedos, nos lábios, nas
    margens das pálpebras, nos mamilos e na genitália externa.

    São estruturas aproximadamente ovóides, constituídas de uma massa
    central de células irregulares, nas quais penetram terminações
    nervosas irregularmente curvas e possuem uma cápsula formada por
    diversas camadas de tecido conjuntivo
CORPÚSCULO DE MEISSNER
DISCOS DE MERKEL.
       De sensibilidade tátil e de pressão. Os movimentos de pressão e
    tração sobre epiderme desencadeiam o estímulo.

    Formados por discos dilatados dos ramos terminais das fibras
    nervosas que penetram no epitélio estratificado, cada disco esta
    ligado a uma célula epitelial modificada.
BULBOS TERMINAIS DE KRAUSE               :
   Receptores térmicos de frio.

    Situam-se nas regiões limítrofes da pele com as membranas mucosas
    ,por exemplo ao redor dos lábios e dos genitais.

   O corpúsculo de Krause é frequente na pele, mucosas da boca e
    órgãos genitais. Apresenta-se como uma dilatação com terminações
    nervosas ramificadas envoltas por cápsula conjuntiva.

    O corpúsculo de Rufinni tem estrutura semelhante, só que é mais
    achatado. Respondem a pressões na pele directamente sobre o
    receptor e ao estiramento da pele adjacente. Estas terminações
    nervosas são importantes para a resposta ao tacto ou pressão
    contínua.
TERMINAÇÕES NERVOSAS LIVRES.
   Sensíveis aos estímulos mecânicos, térmicos e especialmente aos
    dolorosos.




    PACINI              MEISSNER               KRAUSER                RUFFINI
DISFUNÇÕES TATÉIS           :
        Hiperalgesia pode ser sensibilidade exagerada à dor ou sensação elevada a
    estímulos dolorosos, podendo ser seguida de danos dos tecidos maciços contendo
    nociceptores ou lesão a um nervo periférico.

        Parestesias são sensações cutâneas subjetivas (ex., frio, calor, formigamento,
    pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação. Podem
    ocorrer caso algum nervo sensorial seja afetado, seja por contato ou pelo rompimento
    das terminações nervosas.

   As afecções do canal central da medula, como a siringomielia, hematomielia e
    mielomalacia, têm como sintomas perda das sensibilidades térmica mas com o tato
    e sensibilidade profunda preservados. O herpesvírus pode infectar o gânglio da raiz
    dorsal, especialmente aqueles neurônios responsáveis pela sensação de dor,
    resultando em lesões inflamatórias freqüentemente destrutivas. Dessa forma, ocorre
    erupção cutânea vesiculosa, que caracteriza o herpes zoster, acompanhada de dor
    segmentar que circunda em faixa o hemicorpo. Em condições normais, os
    termoreceptores detectam variações da temperatura corpórea e transmitem a
    informação ao centro integrador o qual por meio de vias eferentes promovem a
    resposta que visam à conservação ou a dissipação do calor. Anomalias da função ou
    danos estruturais podem provocar uma perda da capacidade de regulação térmica.
SISTEMA SENSORIAL DOS INSETOS

Exterorreceptores                   Interorreceptores
 (Estímulos do ambiente)          (Estímulos interior corpóreo)

               Receptor Sensorial - Pêlos




Quimiorreceptores: Transmissores de informações acerca de
substâncias químicas dissolvidas em um determinado ambiente.
Localizam-se geralmente nas antenas.
PALADAR
  Concentrado geralmente nas antenas.
  Muitos insetos percebem as mesmas quatro
  sensações gustativas .
  (Doce, ácido, amargo e salgado)


  PAPILAS SENSORIAIS            Órgãos gustativos




RECEPTORES GUSTATIVOS
Encontrados em todo corpo, mas estão concentrados
em grande maioria nas patas, antenas, junto à boca e
nas pernas. (Ex: Formigas e moscas)
Olfato - Sensores
                      Funções




                    Localização
Olfato Aguçado
                                       Mariposa Imperador




  Suas antenas farejadoras conseguem
     captar uma única molécula do
    perfume da mariposa fêmea a 11
       quilômetros de distância.
Formigas
  Verificam o lugar por onde andam com as antenas,
  conseguindo assim, perceber o rastro das substâncias
         químicas deixadas pelas companheiras.


                       Abelhas
Os feromônios são captados pelas antenas das operárias
       e regulam a produção de cera e de geléia real.
Mariposa do bicho-da-seda
O feromônio de atração sexual liberado pela fêmea é
 captado pelas antenas do macho a 2 km de distância.


             Borboletas noturnas
   Algumas fêmeas tem glândulas odorantes na
extremidade do abdômen, glândulas estas que exalam
   odor quando está na época do acasalamento. Os
     machos percebem estes odores a 3 milhas de
                     distância.
ÓRGAOS SENSORIAIS DOS INSETOS
     Antenas:
    Todos os insetos adultos possuem, por isso são denominados de Díceros. São
    apêndice moveis que podem funcionar como órgão olfativo, auditivo, gustativo e
    tácteis.
   Uma antena típica é formada por artículos ou antenômeros e apresenta 3 regiões
    distintas: escapo, pedicelo e flagelo.
   Olhos simples ou ocelos:
    São pequenos, variando de 1 a 3. Estão presentes especialmente nas larvas, mas
    também ocorrem nos adultos. São sensíveis à luz e sombra.
    Obs. Não forma imagens.
    Olhos compostos:
   São em número de dois por insetos, ocupando a maior parte da cabeça. São
    formados por unidades chamadas omatideos, que possui forma hexagonal. São
    responsáveis pela formação de imagens.
PALADAR
   Os insetos precisam do paladar para identificar a comida conveniente e detectar
    venenos ou outras substâncias nocivas.
    Muitos têm células sensíveis ao paladar localizadas em volta da boca; outros têm
    sensores nos pés que lhes permitem identificar a superfície onde estão.
    Os sensores dos pés são cruciais para as borboletas, que precisam garantir o
    depósito dos ovos na planta correia para sua espécie.
    A boca da borboleta não consegue provar e testar folhas, pois é adaptada apenas
    para alimentar-se de néctar e sumos.
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Nervos e terminações nervosas cp 11
Nervos e terminações nervosas cp 11Nervos e terminações nervosas cp 11
Nervos e terminações nervosas cp 11
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
 
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
 
Sistema sensorial tato
Sistema sensorial tatoSistema sensorial tato
Sistema sensorial tato
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Tato
TatoTato
Tato
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!
 

Destaque

Destaque (16)

Sistema Sensorial
Sistema SensorialSistema Sensorial
Sistema Sensorial
 
Perfil sensorial
Perfil sensorialPerfil sensorial
Perfil sensorial
 
Sistema Nervoso Sensorial
Sistema Nervoso SensorialSistema Nervoso Sensorial
Sistema Nervoso Sensorial
 
Mapa comunicativo (2)
Mapa  comunicativo (2)Mapa  comunicativo (2)
Mapa comunicativo (2)
 
Perfil sensorial (2)
Perfil sensorial (2)Perfil sensorial (2)
Perfil sensorial (2)
 
05. Sistema sensorial
05. Sistema sensorial05. Sistema sensorial
05. Sistema sensorial
 
05. sistema sensorial
05. sistema sensorial05. sistema sensorial
05. sistema sensorial
 
Órgão sensorial - Audição
Órgão sensorial - AudiçãoÓrgão sensorial - Audição
Órgão sensorial - Audição
 
Los procesos sensoriales y motor del cerebro
Los procesos sensoriales y motor del cerebroLos procesos sensoriales y motor del cerebro
Los procesos sensoriales y motor del cerebro
 
Diapositivas exposicion sistemas sensoriales miriangela arenas y nahem blanco
Diapositivas exposicion sistemas sensoriales miriangela arenas y nahem blancoDiapositivas exposicion sistemas sensoriales miriangela arenas y nahem blanco
Diapositivas exposicion sistemas sensoriales miriangela arenas y nahem blanco
 
Procesos sensoriales (1)
Procesos sensoriales (1)Procesos sensoriales (1)
Procesos sensoriales (1)
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
 
Estimulación Sensorial
Estimulación SensorialEstimulación Sensorial
Estimulación Sensorial
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 

Semelhante a Sistema Sensorial Completo

Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralRevila Santos
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoMarco Antonio
 
Organizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervosoOrganizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervosoUniversidade Lurio
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoBriefCase
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivosPelo Siro
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonalleonorsm
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoEgberto Neto
 

Semelhante a Sistema Sensorial Completo (20)

Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso Central
 
Vias sensoriais
Vias sensoriaisVias sensoriais
Vias sensoriais
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
693153
693153693153
693153
 
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSOTECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
 
Homos Sapiens Trab Bilo
Homos Sapiens Trab BiloHomos Sapiens Trab Bilo
Homos Sapiens Trab Bilo
 
Organizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervosoOrganizacao geral do_sistema__nervoso
Organizacao geral do_sistema__nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 

Mais de Renata Oliveira

Avaliação e monitoramento de áreas em processo de Restauração
Avaliação e monitoramento de áreas em processo de RestauraçãoAvaliação e monitoramento de áreas em processo de Restauração
Avaliação e monitoramento de áreas em processo de RestauraçãoRenata Oliveira
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.Renata Oliveira
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEARRESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEARRenata Oliveira
 

Mais de Renata Oliveira (7)

Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Avaliação e monitoramento de áreas em processo de Restauração
Avaliação e monitoramento de áreas em processo de RestauraçãoAvaliação e monitoramento de áreas em processo de Restauração
Avaliação e monitoramento de áreas em processo de Restauração
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
ERA CENOZÓICA
ERA CENOZÓICAERA CENOZÓICA
ERA CENOZÓICA
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEARRESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 

Sistema Sensorial Completo

  • 1. SISTEMA SENSORIAL ÓRGÃOS DO SENTIDO: AUDIÇÃO TATO PALADAR VISAO OLFATO
  • 2. É O SISTEMA CONSTÍTUIDO POR SENSORES CAPAZES DE DETECTAR DIFERENTES TIPOS DE INFORMAÇÕES ENGLOBANDO DETERMINADOS ÓRGÃOS ESPECÍFICOS QUE RECEBEM ESTÍMULOS QUE SÃO REPASSADOS PARA O SISTEMA NERVOSO CENTRAL, ONDE SÃO INTERPRETADOS E PODEM RESULTAR NUMA RESPOSTA DO ORGANISMO.
  • 3. INTEGRAÇAO SISTEMA NERVOSO E SENSORIAL. O SISTEMA NERVOSO é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. FUNÇÃO: perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que adaptem a essas condições. A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa, denominada NEURÔNIO, que é uma célula extremamente estimulável; é capaz de perceber as mínimas variações que ocorrem em torno de si, reagindo com uma alteração elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica é o IMPULSO NERVOSO.
  • 4. EVOLUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO O SISTEMA NERVOSO aparece pela primeira vez na escala evolutiva animal entre os CNIDÁRIOS. Nesses animais o sistema nervoso é DIFUSO, por ser destituído de centros coordenadores das funções nervosas. È, portanto, relativamente simples e consiste numa rede de células nervosas espelhadas pelo corpo do animal. Nos PLATELMINTOS surge, pela primeira vez, um SISTEMA NERVOSO CENTRAL constituído de gânglios nervosos, que são aglomerados de neurônios situados na cabeça, sugerindo um rudimento de cefalização. È o SISTEMA NERVOSO GANGLIONAR, que se torna mais aperfeiçoado em animais como os anelídeos e principalmente artrópodes e moluscos cefalópodes. Em quanto o sistema nervoso ganglionar dos invertebrados apresenta um duplo cordão nervoso situado na região ventral, nos vertebrados o sistema nervoso apresenta-se disposto dorsalmente e protegido pela caixa craniana e pela coluna vertebral.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. NEURONIOS UNIDADE ESTRUTURAL E FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO.
  • 10. TIPOS DE NEURONIOS De acordo com suas funções na condução dos impulsos, os neurônios podem ser classificados em:  Neurônios receptores ou sensitivos (aferentes): recebem estímulos sensoriais e conduzem o impulso nervoso ao SNC.  Neurônios motores ou efetuadores (eferentes): transmitem os impulsos motores (respostas ao estímulo).  Neurônios associativos ou interneurônios: estabelecem ligações entre os neurônios receptores e os neurônios motores.
  • 11.
  • 12. POTENCIAL DE AÇAO O impulso nervoso: mensagem que passa a todo o comprimento da fibra nervosa como processo de transmissão de informação do sistema nervoso a todo o organismo. É uma onda de despolarização que viaja ao longo da membrana do axônio. A energia para a deslocação desta onda tem origem num estímulo e a natureza da mensagem nervosa não é afetada pela intensidade do estímulo, mas este codifica a sua freqüência. É um movimento coordenado de íons de sódio e potássio pelo nervo da membrana celular. Com a excitação da células nervosa, por estímulos que atinjam o limiar de excitabilidade da célula ( -65mV), um potencial de ação será disparado dentro de um princípio denominado de “tudo ou nada”.  O potencial de ação do neurônio apresenta duas fases: DESPOLARIZAÇÃO: determinada pela entrada de íons Na+ REPOLARIZAÇÃO: ocasionada pela saída de íons K+
  • 13.
  • 14. SINAPSE é um tipo de junção especializada em que um terminal axonal faz contato com outro neurônio ou tipo celular. Podem ser elétricas ou químicas (maioria).
  • 15. SINAPSE QUÍMICA Acontece quando o potencial de ação, ou seja, impulso é transmitido através mensageiro químico, ou seja, neurotransmissores, que se liga a um receptor (proteína), na membrana pós-sináptica, o impulso é transmitido em uma única direção, podendo ser bloqueado, e em comparação com sinapse elétrica,a sinapse química é muito mais lenta.Quase todas sinapses do SNC são químicas.  EX: neurotransmissores Histamina Acetilcolina
  • 16.
  • 17. SINAPSE ÉLETRICA  Neste tipo de sinapse as células possuem um intimo contato através junções abertas ou do tipo gap que permite o livre transito de íons de uma membrana a outra, desta maneira o potencial de ação passa de uma célula para outra muito mais rápido que na sinapse química não podendo ser bloqueado.Ocorre em músculo liso e cardíaco, onde a contração ocorre por um todo em todos os sentidos.
  • 18. Sem mediadores químicos Presença de mediadores químicos Nenhuma modulação Controle e modulação da transmissão Rápida
  • 19. O SISTEMA DE RECEPTORES SENSORIAIS Estruturas responsáveis pela percepção de estímulos provenientes do ambiente = exterorreceptores e do interior do corpo = interorreceptores. Há 5 tipos básicos de receptores sensoriais no corpo:  Mecanorreceptores.  Termorreceptores.  Nociceptores.  Receptores eletromagnéticos.  Quimiorreceptores.
  • 20.
  • 21. Tipos de receptores  TERMORRECEPTORES - as sensações de calor e frio resultam da estimulação de diferentes receptores que se encontram desigualmente  distribuídos na pele; corpúsculos de Krauser,corpúsculos de Ruffini.  MECANORRECEPTORES - os receptores do tacto;corpúsculos de Meissner, localizados  superficialmente, apresentam sensibilidade a contactos leves. Estes receptores estão  distribuídos por toda a pele, no entanto,encontram-se mais concentrados na língua,  lábios, testa e ponta dos dedos.  Os receptores sensíveis à pressão corpúsculos de Pacini; localizados mais profundamente.  RECEPTORES DA DOR - são os mais abundantes no nosso organismo, e respondem a estímulos mecânicos, químicos e térmicos. Além de se localizarem à superfície, também se encontram nos músculos esqueléticos, tendões, intestinos, estômago, etc.
  • 22. AUDIÇAO HUMANA Órgão dos sentido. ORELHA  ─ Receptor externo de sons.  ─ Órgão de equilíbrio do corpo.
  • 23. O órgão vestíbulo-coclear é responsável pela audição e equilíbrio  ESTRUTURAS ENVOLVIDAS:  OUVIDO EXTERNO: Pavilhão da orelha, meato acústico externo, e membrana do tímpano.  OUVIDO MÉDIO: Tuba auditiva,ossículos auditivos( martelo,bigorna e estribo), janela oval e redonda.  OUVIDO INTERNO: Labirinto ósseo (vestíbulo, cóclea e canais semi-circulares) e labirinto membranáceo.
  • 24.
  • 25. DIVISÕES: OUVIDO EXTERNO  O pavilhão da orelha é formado por cartilagem elástica, coberta por uma fina camada de pele de ambos os lados, contendo glândulas sebáceas. É importante na captação do som. O meato acústico externo é um canal que segue do pavilhão da orelha até a membrana timpânica. A parte mais externa do pavilhão por estar em continuação com o pavilhão, apresenta mesma estrutura de cartilagem. Mais internamente, porém, tem um arcabouço formado pelo osso temporal, revestido por pele rica em pêlos, glândulas sebáceas e ceruminosas. As duas glândulas citadas produzem o cerúmen, que juntamente com os pêlos conferem proteção ao aparelho auditivo. A membrana do tímpano é responsável pela transmissão das ondas sonoras para os ossículos do ouvido médio. A membrana timpânica cobre a extremidade mais profunda do meato auditivo externo, é coberta por uma superfície externa da membrana timpânica,coberta por uma epiderme delgada, enquanto sua superfície interna é constituída por epitélio simples de formato pavimentoso a cúbico. Uma delgada camada de componentes conjuntivos, incluindo fibras colágenas, fibras elásticas e fibroblastos, está interposta entre as duas camadas epiteliais da membrana timpânica. Esta membrana recebe as ondas sonoras, transmitidas a ela pelo ar que passa pelo meato auditivo externo, que a faz vibrar.
  • 26.
  • 27. DIVISÕES: OUVIDO MÉDIO Localiza-se no osso temporal, como uma cavidade que separa a membrana timpânica da superfície óssea do ouvido interno. Em sua porção anterior se comunica com a faringe pela tuba auditiva e pela posterior com as cavidades cheias de ar. O ouvido médio é revestido por epitélio simples pavimentoso, perto da tuba ele torna-se prismático ciliado e a medida que se aproxima da faringe passa a ser pseudo- estratificado ciliado. A tuba encontra-se geralmente fechada, mas se abre durante o ato de deglutição . Na parede medial notam-se duas regiões sem osso, recobertas apenas por uma membrana conjuntivo-epitelial, as janelas oval e redonda. Unindo a janela oval a membrana do tímpano existe uma cadeia de três ossículos articulados, formados pelo martelo, bigorna e estribo que são revestidos por epitélio simples.
  • 28. DIVISÕES: OUVIDO MÉDIO O labirinto ósseo é revestido por endósteo e esta separado do labirinto membranoso pelo espaço perilinfático que esta cheio de um líquido claro denominado perilinfa. Compõem: canais semicirculares, o vestíbulo e a cóclea. Os três canais semicirculares ( superior, posterior e lateral) contém em cada extremidade uma área dilata denominado ampola,suspensos nos canais estão os ductos semicirculares, os quais são regionalmente apontados como continuações do labirinto membranoso. O vestíbulo é a parte central do labirinto ósseo situada entre a cóclea, que ocupa uma posição anterior, e os canais semicirculares que ocupam uma posição posterior. Sua parede lateral contém a janela oval e a janela redonda. A cóclea origina-se como uma espiral óssea oca que gira, duas vezes e meia em torno de uma coluna óssea central, o modíolo.
  • 29.
  • 30. DIVISÕES: OUVIDO INTERNO Canais semicirculares: epitélio pavimentoso simples e tecido conjuntivo. Células receptoras encontram-se na ampola. Os estereocilios localizam-se dentro da cúpula gelatinosa. Esses canais são preenchidos por endolinfa.
  • 31. DIVISÕES: OUVIDO INTERNO VESTÍBULO Comunica-se com canais semicirculares e cóclea. Formado órgãos otolíticos que possuem duas estruturas: sáculo e utrículo. Sáculo e utrículo são formados por epitélio simples e pavimentoso, recoberto por fina camada de tecido conjuntivo. No interior dessa estruturas encontra-se endolinfa e em determinadas regiões observa-se um espessamento do epitélio, as máculas. Máculas: constituídas por células de sustentação e células receptoras (sensoriais), que contem estereocílios. Na mácula, sobre suas células, há uma camada de material gelatinoso e sobre este encontram-se otólitos. Otólitos constituem estruturas de carbonato de cálcio que ficam incrustados nessa camada gelatinosa e movem-se de acordo com a angulação da cabeça.
  • 32.
  • 33. DIVISÃO OUVIDO INTERNO: LABIRINTO MEMBRANOSO O labirinto membranoso é preenchido com endolinfa e possui as seguintes áreas especializadas: o sáculo e o utrículo, os ductos semicirculares e o ducto coclear. Delgadas faixas de tecido conjuntivo presas ao endósteo do labirinto ósseo cruzam a perilinfa e se inserem no labirinto membranoso. Labirinto membranoso: formado por epitélio de revestimento pavimentoso, possui endolinfa em seu interior.
  • 34. DIVISÕES: OUVIDO INTERNO Órgãos de Corti: são sensíveis a vibrações. Formados por células pilosas externas e internas. Ficam sobre membrana basilar, com estereocílios ligado a membrana tectória. As células sensoriais internas tem forma de cálice, com estereocílios na superfície livre, enquanto as externas são alongadas, com estereocílios modificados, em contato com nervo coclear.
  • 35.
  • 36. FUNÇÕES Vestibular: Movimentos que mudam ângulo da cabeça, deslocam otólitos que por sua vez movem camada gelatinosa. Esse movimento, dependendo da orientação, movimentará estereocílios num sentido em que gerará despolarização destas células ou inibição. Nos canais semicirculares, o movimento da endolinfa devido a rotação, movimentará cúpula, deslocando estereocílios das células que irão gerar também uma resposta por parte dessas células. Coclear: Quando estímulos sonoros entram pela janela oval da cóclea, ocorre uma movimentação do fluido coclear. Este por sua vez, vibra membrana basilar que se desloca em relação à tectória. Isso movimenta cílios, provocando despolarização, com conseqüente ativação ou inibição de neurônios que transmitirão esses impulsos gerando, posteriormente uma resposta auditiva.
  • 37. COMO OUVIMOS? Ouvido externo: Capta as vibrações do exterior. As ondas sonoras, depois de atingirem o pavilhão auricular, são conduzidas pelo canal auditivo externo até à membrana do tímpano.
  • 38. COMO OUVIMOS? Ouvido médio: Amplifica as vibrações do exterior. As vibrações do tímpano são amplificadas pelos ossículos (martelo, bigorna e estribo), no ouvido médio, e transmitidas ao caracol ou cóclea, no ouvido interno.
  • 39. COMO OUVIMOS? Ouvido interno: Transforma as vibrações do exterior em impulsos eléctricos. As vibrações são convertidas em impulsos eléctricos, nas células nervosas da cóclea, que são enviados ao cérebro através do nervo auditivo.
  • 40. VIAS AUDITIVAS  cóclea transforma o som em sinais A elétricos; Axônios conduzem estes sinais para núcleos cocleares;  via ascendente projeta-se para o A tálamo;  sinais chegam então ao lobo os temporal.
  • 41. PERDA AUDITIVA  Perda auditiva é a falta de habilidade em perceber ou interpretar o som.  Varia desde a dificuldade em ouvir sons suaves ou entender a fala até a completa surdez.  Todas as pessoas experimentam algum grau de perda auditiva já que isso faz parte do envelhecimento natural.
  • 42. Tipos de Surdez  SURDEZ NERVOSA: causada por um prejuízo da cóclea ou do Nervo Coclear;  SURDEZ DE ALTAS FREQÜÊNCIAS  dano da base da cóclea (pessoas idosas).  SURDEZ DE BAIXAS FREQÜÊNCIAS  exposição prolongada a sons altos que causa dano no órgão de Corti.  SURDEZ DE TODAS AS FREQÜÊNCIAS  sensibilidade do Órgão de Corti a antibióticos como Estreptomicina, Kanamicina e Cloromfenicol.  SURDEZ DE CONDUÇÃO  causada por um prejuízo físicos das estruturas da orelha que conduzem sons para o cóclea;  OBSTRUÇÃO DA ORELHA EXTERNA  causada pelo sistema de condução da orelha média, aumentando a sua resistência e dificultando a passagem de ondas sonoras para a cóclea; causa comum é a fibrose da orelha media causada por infecções e osteoclerose.
  • 43. TIPOS DE DISFUNÇÃO VESTIBULAR As disfunções vestibulares são dividas em 2 grupos, de acordo com a localização da lesão: Síndromes vestibulares periféricas: Síndromes vestibulares centrais: quando o comprometimento das funções quando o comprometimento das auditiva e vestibular é no labirinto funções auditiva e vestibular ocorre a nível (síndromes endolabrirínticas) e/ou no VIII do tronco cerebral, em seus núcleos, vias e par craniano até sua entrada no tronco inter-relações com outras estruturas do cerebral (síndromes retrolabirínticas). sistema nervoso, como o córtex temporal e o cerebelo.
  • 44. Labirintite bacteriana: O quadro clínico é de vertigens intensas, náuseas e vômitos, associados à hipoacusia importante. Cefaléia, dor local, hipertermia e secreção purulenta podem estar presentes. É provável que esta se deva devido à extensão de uma infecção bacteriana do ouvido médio, meninges ou mastóide, podendo desenvolver-se também fístulas labirínticas que resultam da erosão secundária por infecção crônica ou colesteatoma.
  • 45.
  • 46. É o processo fisiológico por meio do qual se distinguem as formas e as cores dos objetos. Em linhas gerais, o olho funciona como uma câmara fotográfica que projeta uma imagem invertida do mundo exterior em sua porção interna posterior, onde existe um revestimento fotossensível, a retina, que envia informações codificadas ao sistema nervoso central, dando ao indivíduo a sensação da visão.
  • 47. OLHOS O olho humano é uma estrutura fotossensível de alta complexidade capaz de detectar com enorme precisão a forma, a cor e a intensidade de luz refletida dos mais diversos objetos. O olho é constituído de três túnicas dispostas concentricamente: Camada externa (fibrosa) – formada pela esclera (ou esclerótica) e pela córnea. Camada média ou túnica vascular – constituída pelo coróide, pelo corpo ciliar e pela íris. Camada interna nervosa (fotossensitiva) – composta pela retina, que se comunica, através do nervo óptico, com o cérebro. Além disso, o olho possui a lente ou cristalino, uma estrutura biconvexa transparente. Em frente ao cristalino, há uma expansão pigmentada e opaca da camada média, que o recobre em parte, a íris, que é quem dá a “cor ao olho”. No olho há três compartimentos, que são os seguintes: Câmara anterior – situada entre a íris e a córnea. Câmara posterior – situada entre a íris e o cristalino. Espaço vítreo - situado atrás do cristalino e circundado pela retina. Nestas câmaras há um líquido que contém proteínas, o humor aquoso. O espaço vítreo apresenta-se cheio de uma substância gelatinosa, o corpo vítreo.
  • 48. Globo Ocular CAMADA CAMADA MÉDIA CAMADA EXTERNA INTERNA FIRME E FIBROSA VASCULAR TECIDO NERVOSO FOTOSSENSÍVEL •Esclera •Córoide RETINA •Córnea •Corpo Ciliar Íris
  • 49. CAMADA MÉDIA CAMADA INTERNA CAMADA EXTERNA
  • 50. CORÓIDE CÓRNEA Fotomicrografia do olho.Observa-se: córnea, lâmina de tecido conjuntivo denso, transparente e avascular, que limita anteriormente o globo ocular (Seta curta); coróide (seta longa, FROUXO); íris (1), prolongamento membranoso da coróide; corpo vítreo (2); cristalino (3) e retina (i 4).
  • 51.
  • 52. CAMADA EXTERNA OU TÚNICA FIBROSA: Opaca, esbranquiçada nos seus cinco sextos posteriores. ESCLERA: Formada por tecido conjuntivo rico em fibras colágenas que se entrecruzam e seguem direções paralelas a superfície do olho. •A superfície externa da esclera apresenta-se envolta por uma camada de tecido conjuntivo denso- a cápsula de Tenon- que se prende por um sistema frouxo de finas fibras colágenas que correm dentro de uma espaço chamado de espaço de Tenon- responsável pelos movimentos de rotação em todas as direções. •Entre a esclera e a coróide- lamina supracoróidea; camada de tecido conjuntivo frouxo, rica em células que contem melanina, fibroblastos e fibras elásticas. No sexto anterior, a túnica apresenta-se transparente; córnea. Epitélio anterior- estratificado pavimentoso não queratinizado. Membrana de Bowman-camada homogênea e espessa de delgadas fibras colágenas. Estroma- avascular; camadas de fibras colágenas, fibroblastos, subs.fundamental gelatinosa que apresentam linfócitos e leucócitos. Membrana de Descemet- estrutura formada por fibras colágenas que reforça estrutura da
  • 53.
  • 54.
  • 55. LIMBO É a zona de transição da córnea, que é transparente, para a esclera. O colágeno da córnea, de homogêneo e transparente, transforma-se em fibroso e opaco. Nessa zona altamente vascularizada, existem vasos sanguíneos que assumem papel importante nos processos inflamatórios da córnea. A córnea é uma estrutura avascular e sua nutrição se dá pela difusão de metabólitos dos vasos acima mencionados e do fluido da câmara anterior do olho.
  • 56. Drenado o humor aquoso.
  • 57.
  • 58. CAMADA MÉDIA OU TÚNICA VASCULAR Constituída: coróide, o corpo ciliar e a íris. A coróide é uma camada rica em vasos sanguíneos. Tecido conjuntivo frouxo, rico em células, fibras colágenas e elásticas Contém células pigmentadas contendo melanina. Função de nutrir a retina. O corpo ciliar é uma dilatação da coróide na altura do cristalino, tem aspecto de um anel espesso, continuo revestindo a superfície interna da esclera A íris é um prolongamento da coróide que cobre parte do cristalino. A íris tem um orifício circular central, a pupila. A sua superfície anterior é irregular, apresentando fendas e elevações, ao contrário da superfície posterior, que é lisa.
  • 59.
  • 61.
  • 62. CAMADA INTERNA NERVOSA- FOTOSSENSITIVA A retina fica na parte interna do globo ocular e é formada por duas porções: posterior sensitiva e anterior não-sensitiva ou cega. A parede mais externa da retina originará uma fina camada de epitélio cúbico simples, composta de células pigmentares (epitélio pigmentar da retina). A outra parte da retina (mais interna) é constituída de fotorreceptores. Essas camadas não estão fortemente unidas uma à outra, enquanto que a camada pigmentar está muito aderida à coróide.  Esse epitélio pigmentar é composto por células cúbicas com núcleo na posição basal. E, a parte fotossensitiva da retina compõe-se das seguintes camadas: Membrana limitante externa Células fotossensitiva – cones e bastonetes; Neurônios bipolares – unem os cones e os bastonetes às células ganglionares; Células ganglionares – contato com os neurônios bipolares na parte externa e, na interna, com fibras nervosas que vão originar o Nervo Óptico.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68. CRISTALINO É uma lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada por movimentos de um anel de músculos, os músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Tem forma de uma lente biconvexa e apresenta grande elasticidade, que diminui com a idade. Constitui-se de: Fibras do cristalino: se apresentam sob a forma de elementos prismáticos finos e longos. Cápsula do cristalino: revestimento acelular homogêneo, hialino , rico e, colágeno do tipo IV e glicoproteínas. Epitélio subcapsular: formado por uma camada única de células epiteliais cubóides. É a partir desse epitélio que se originam as fibras responsáveis pelo aumento gradual do cristalino durante o processo de crescimento do globo ocular.
  • 69.
  • 70. ESPAÇO VÍTRIO O corpo vítreo ocupa a cavidade do olho que se situa atrás do cristalino. Tem aspecto de gel claro, transparente,com raras fibras de colágeno. Seu componente principal é a água cerca( cerca de 99%) e glicosaminoglicanos altamente hidrófilos, em especial o ácido hialurônico. O corpo vítreo contém poucas células, que participam do material extracelular.
  • 71. ESTRUTURAS ACESSÓRIAS DO OLHO: Conjuntiva: membrana mucosa que reveste a parte anterior da esclerótica e a superfície interna das pálpebras. O epitélio da conjuntiva é estratificado prismático, com a lamina de tecido conjuntivo frouxo. Pálpebras: São dobras flexíveis de tecidos, que protegem o globo ocular. Constituem-se de fora para dentro de: Pele; com epitélio estratificado pavimentoso queratinizado e derme de conjuntivo frouxo. •Feixe de músculos estriados que formam o músculo orbicular do olho. • Camada de tecido conjuntivo que apresenta na extremidade das pálpebras um espessamento de tecido denso- a placa palpebral ou tarso - cujo interior apresenta glândulas sebáceas ou tarsais. •Camada mucosa, epitélio prismático estratificado e tecido conjuntivo frouxo.
  • 72. GLÂNDULAS LACRIMAIS Localizadas na borda súpero- externa da órbita, são glândulas serosas do tipo túbulo- alveolar composto. Constituem-se de células serosas que contem no seu ápice grânulos de secreção. A sua porção secretora é envolvida por células mioepiteliais que produzem salina, com a mesma concentração de cloreto de sódio que a do sangue. É um fluido pobre em proteínas e contem uma única enzima, a lisozoma, que digere a cápsula de certas bactérias.
  • 73.
  • 74.
  • 75. PATOLOGIAS RELACIONADAS A obstrução de canais presentes no ângulo iridiano pode levar a defeito no fluxo normal do humor aquoso, causando uma falha na drenagem do líquido na câmara anterior do olho, aumentando a pressão intra-ocular, ocasionando o glaucoma. Essa pressão intra-ocular elevada pode causar lesão da retina e até perda da visão. Muitas vezes, a origem é desconhecida. E, em alguns casos, a drenagem do humor aquoso fica bloqueada por restos resultantes de uma infecção ou trauma no globo ocular. •O descolamento da retina ocorre na união frouxa entre a região de contato do epitélio pigmentar com a camada fotossensível, e pode ter graves conseqüências se não for corretamente tratado. As causas predisponentes mais comuns são: miopia e extração de catarata. •A catarata consiste de uma opacificação do cristalino, que torna a visão borrada. Pode ser congênita, traumática ou senil (mais comum – grande parte das pessoas maiores de 60 anos apresenta algum grau de opacificação do cristalino). • A retinopatia diabética é a principal causa de novos casos de cegueira em adultos. Não proliferativa ocorre dilatação venosa, microaneurismas, hemorragia da retina e exsudatos endurecidos. Edema, isquemia e exsudatos da mácula também podem levar à perda da visão. Na proliferativa ocorre neovascularização. Essa proliferação de vasos sangüíneos, associada a seus componentes fibrosos, pode resultar num descolamento da retina por tração. Pessoas com diabetes mellitus, hipertensão sistêmica ou hiperlipidemia devem ter um cuidado maior.
  • 77. Os sentidos gustativo e olfativo são chamados sentidos químicos, porque seus receptores são excitados por estimulantes químicos. Os receptores gustativos são excitados por substâncias químicas existentes nos alimentos, enquanto que os receptores olfativos são excitados por substâncias químicas do ar. Esses sentidos trabalham conjuntamente na percepção dos sabores. O centro do olfato e do gosto no cérebro combina a informação sensorial da língua e do nariz.
  • 78.
  • 79. O receptor sensorial do paladar é a papila gustativa, constituída por células epiteliais localizadas em torno de um poro central na membrana mucosa basal da língua.  Na superfície de cada uma das células gustativas observam-se prolongamentos finos como pêlos, projetando-se em direção da cavidade bucal; são chamados micro vilosidades. Essas estruturas fornecem a superfície receptora para o paladar.  Observa-se entre as células gustativas de uma papila uma rede com duas ou três fibras nervosas gustativas, as quais são estimuladas pelas próprias células gustativas. Para que se possa sentir o gosto de uma substância, ela deve primeiramente ser dissolvida no líquido bucal e difundida através do poro gustativo em torno das microvilosidades. Portanto substâncias altamente solúveis e difusíveis, como sais ou outros compostos que têm moléculas pequenas, geralmente fornecem graus gustativos mais altos do que substâncias pouco solúveis difusíveis, como proteínas e outras que possuam moléculas maiores.
  • 80.
  • 81.
  • 82. Papila gustativa, na língua. A língua humana possui 10.000 papilas gustivas, sendo responsáveis pela detecção dos sabores: amargo, doce e salgado, e ainda, a temperatura e a peculiaridade dos sabores.
  • 83. As Quatro Sensações Gustativo-Primárias  Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários, aos quais chamamos sensações gustativas primárias: amargo (A), azedo ou ácido (B), salgado (C) e doce (D). De sua combinação resultam centenas de sabores distintos. A distribuição dos quatro tipos de receptores gustativos, na superfície da língua, não é homogênea.
  • 84.
  • 85. Até os últimos anos acreditava-se que existiam quatro tipos inteiramente diferentes de papila gustativa, cada qual detectando uma das sensações gustativas primárias particular. Sabe-se agora que todas as papilas gustativas possuem alguns graus de sensibilidade para cada uma das sensações gustativas primárias. Entretanto, cada papila normalmente tem maior grau de sensibilidade para uma ou duas das sensações gustativas. O cérebro detecta o tipo de gosto pela relação (razão) de estimulação entre as diferentes papilas gustativas. Isto é, se uma papila que detecta principalmente salinidade é estimulada com maior intensidade que as papilas que respondem mais a outros gostos, o cérebro interpreta a sensação como de salinidade, embora outras papilas tenham sido estimuladas, em menor extensão, ao mesmo tempo.
  • 86. OLFATO O olfato humano é pouco desenvolvido se comparado ao de outros mamíferos. O epitélio olfativo humano contém cerca de 20 milhões de células sensoriais, cada qual com seis pêlos sensoriais (um cachorro tem mais de 100 milhões de células sensoriais, cada qual com pelo menos 100 pêlos sensoriais). Os receptores olfativos são neurônios genuínos, com receptores próprios que penetram no sistema nervoso central.
  • 87. ÓRGÃO OLFATIVO Área olfativa, mucosa olfativa ou mancha amarela, reveste as cavidades nasais de tonalidade amarela, consiste de um espesso epitélio pseudo-estratificado e de uma densa lamina própria. O epitélio é formado por três tipos de células: sustentação, sensoriais e basais.  CELULAS DE SUSTENTAÇÃO: são cilíndricas altas, perpendiculares a superfície, seus núcleos estão dispostos logo acima da membrana epitelial. O citoplasma dessas células contem um pigmento amarelo-castanho, responsável pela coloração da área olfativa.  CÉLULAS SENSORIAIS: são do tipo de neurônio bipolar, também encontram- se perpendicular a superfície.Os dendritos ascendem até a superfície pelos interstícios das células de sustentação, formando uma vesícula olfativa de delicados filamentos denominados cílios olfativos.O axônio de casa célula passa da membrana epitelial para a lamina própria , reunindo-se em fibras nervosas olfativas.  Células basais são mais ou menos triangulares e dispostas irregularmente no epitélio.
  • 88. COMO SENTIMOS O CHEIRO? O olfato é 20 mil vezes mais sensível do que o paladar. 1- Quando uma pessoa inspira, as moléculas gasosas dos objetos próximos vão em direção à mucosa olfativa, região que abriga as células associadas ao olfato. 2 Cílios localizados nas extremidades das células olfativas, uma das que compõem a mucosa, captam as moléculas que levam o odor. 3 As moléculas alteram o comportamento elétrico da célula, criando um estímulo que vai até o bulbo olfativo por meio de uma fibra nervosa. 4 Do bulbo, o impulso segue para outras regiões do cérebro, onde o cheiro será processado. A região que recebe o cheiro (lobo límbico) também está associada à memória recente e a emoções. A mucosa é composta por três tipos de células: basais, de sustentação e as olfativas
  • 89.
  • 90. DISTÚBIOS DO PALADAR E OLFATO  AGEUSIA: A falta do paladar. O que mais comumente causa diminuição do paladar como um todo é o cigarro, após anos de exposição á fumaça as papilas gustativas já não funcionam mais. Alguns remédios, como efeito colateral indesejado, podem causar gosto metálico. Tumores dos nervos que inervam a língua também podem causar distúrbios do paladar, mas que já é mais raro.  ANOSMIA: é a perda total do olfato e hiposmia é a diminuição do olfato, ocorrida por lesão no nervo olfativo, obstrução das fossas nasais ou outras doenças,  DISGEUSIA é a distorção ou diminuição do senso do paladar. Está associada a deficiência de zinco e alguns medicamentos para hipertensão ou contra a ansiedade. Também é encontrada em pacientes com insuficiência renal severa.  HIPEROSMIA: Capacidade muito aguçada do olfato, apesar de rara, pode ser encontrada em casos de nevralgia do trigêmio, em enxaquecas, tétano e depressão. As vezes,ela adquire o caráter de um desenvolvimento fisiológico excessivo, elevando o nível do olfato de alguns animais, como os cães, por exemplo. Os pacientes que sofrem deste transtorno percebem odores estranhos que passam despercebidos às pessoas normais.  PAROSMIA é uma sensação distorcida do olfato, geralmente resultando em sensação de cheiros que não existem ou cheiros desagradáveis.
  • 91. TATO
  • 92. Coleta informações do ambiente por meio de interações diretas com a matéria ou a energia. Calor, energia e radiação térmica, pressão, além de outras características relacionadas à diferença de consistência e forma de superfícies, a sensações de dor e cócegas. As interações (sensoriais) se traduzem via corpúsculos do tato que estão localizados na derme, na epiderme e nos epitélios. A pele é uma membrana repleta de sensores e reveste todo o corpo. Sua camada externa age como uma capa que protege contra vários fatores do ambiente. Além de proteger o organismo, de reagir às sensações provocadas pelo tato, calor, pressão, etc., e revelar fatores como variedade de cores, idade e saúde, a pele apresenta outras três funções importantes, como respiração (poros), excreção (suor) e manutenção da temperatura do organismo (suor) – homeostase.
  • 93. SENSORES TÁTEIS  Para obter as percepções táteis TEMOS terminações nervosas e corpúsculos = receptores táteis.  Na pele desprovida de pêlo e também na que está coberta por ele, encontram-se ainda três tipos de receptores comuns: TERMORRECEPTORES - as sensações de calor e frio resultam da estimulação de diferentes receptores que se encontram desigualmente distribuídos na pele; corpúsculos de Krauser,corpúsculos de Ruffini. MECANORRECEPTORES - os receptores do tacto;corpúsculos de Meissner, localizados superficialmente, apresentam sensibilidade a contactos leves. Estes receptores estão distribuídos por toda a pele, no entanto,encontram-se mais concentrados na língua, lábios, testa e ponta dos dedos. Os receptores sensíveis à pressão corpúsculos de Pacini; localizados mais profundamente. RECEPTORES DA DOR ( NOCICEPTOR) - são os mais abundantes no nosso organismo, e respondem a estímulos mecânicos, químicos e térmicos. Além de se localizarem à superfície, também se encontram nos músculos esqueléticos, tendões, intestinos, estômago, etc.
  • 94.
  • 95.
  • 96.
  • 97. CORPÚSCULOS DE PACCINI:  Captam especialmente estímulos vibráteis e táteis = pressão. É constituído por uma massa central granulosa alongada, coberta por diversas laminas concêntricas de tecido conjuntivo. As laminas de conjuntivo estão separadas por espaços linfáticos,revestida por células endoteliais. A pressão sobre a pele em maior intensidade do que a que produz a sensação de tato estimula o corpúsculo de Pacini. São considerados órgãos de pressão profunda e de vibração. Encontram-se em regiões profundas do tecido subcutâneo, tecido conjuntivo, próximo a tendões e articulações,sobre membranas mucosas, róseas do antebraço e da perna,no perimísio de músculos,no pâncreas, nas glândulas mamarias e na genitália de ambos os sexos.
  • 98.
  • 99. CORPÚSCULOS DE MEISSNER.  Estão nas saliências da pele sem pêlos (como nas partes mais altas das impressões digitais)percebem o tato leve. Estão distribuídos no tecido conjuntivo das papilas da pele,abaixo da epiderme. Concentram-se nas superfícies palmares dos dedos, nos lábios, nas margens das pálpebras, nos mamilos e na genitália externa. São estruturas aproximadamente ovóides, constituídas de uma massa central de células irregulares, nas quais penetram terminações nervosas irregularmente curvas e possuem uma cápsula formada por diversas camadas de tecido conjuntivo
  • 101. DISCOS DE MERKEL.  De sensibilidade tátil e de pressão. Os movimentos de pressão e tração sobre epiderme desencadeiam o estímulo. Formados por discos dilatados dos ramos terminais das fibras nervosas que penetram no epitélio estratificado, cada disco esta ligado a uma célula epitelial modificada.
  • 102.
  • 103. BULBOS TERMINAIS DE KRAUSE :  Receptores térmicos de frio. Situam-se nas regiões limítrofes da pele com as membranas mucosas ,por exemplo ao redor dos lábios e dos genitais.  O corpúsculo de Krause é frequente na pele, mucosas da boca e órgãos genitais. Apresenta-se como uma dilatação com terminações nervosas ramificadas envoltas por cápsula conjuntiva. O corpúsculo de Rufinni tem estrutura semelhante, só que é mais achatado. Respondem a pressões na pele directamente sobre o receptor e ao estiramento da pele adjacente. Estas terminações nervosas são importantes para a resposta ao tacto ou pressão contínua.
  • 104. TERMINAÇÕES NERVOSAS LIVRES.  Sensíveis aos estímulos mecânicos, térmicos e especialmente aos dolorosos. PACINI MEISSNER KRAUSER RUFFINI
  • 105. DISFUNÇÕES TATÉIS :  Hiperalgesia pode ser sensibilidade exagerada à dor ou sensação elevada a estímulos dolorosos, podendo ser seguida de danos dos tecidos maciços contendo nociceptores ou lesão a um nervo periférico.  Parestesias são sensações cutâneas subjetivas (ex., frio, calor, formigamento, pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação. Podem ocorrer caso algum nervo sensorial seja afetado, seja por contato ou pelo rompimento das terminações nervosas.  As afecções do canal central da medula, como a siringomielia, hematomielia e mielomalacia, têm como sintomas perda das sensibilidades térmica mas com o tato e sensibilidade profunda preservados. O herpesvírus pode infectar o gânglio da raiz dorsal, especialmente aqueles neurônios responsáveis pela sensação de dor, resultando em lesões inflamatórias freqüentemente destrutivas. Dessa forma, ocorre erupção cutânea vesiculosa, que caracteriza o herpes zoster, acompanhada de dor segmentar que circunda em faixa o hemicorpo. Em condições normais, os termoreceptores detectam variações da temperatura corpórea e transmitem a informação ao centro integrador o qual por meio de vias eferentes promovem a resposta que visam à conservação ou a dissipação do calor. Anomalias da função ou danos estruturais podem provocar uma perda da capacidade de regulação térmica.
  • 106.
  • 107.
  • 108. SISTEMA SENSORIAL DOS INSETOS Exterorreceptores Interorreceptores (Estímulos do ambiente) (Estímulos interior corpóreo) Receptor Sensorial - Pêlos Quimiorreceptores: Transmissores de informações acerca de substâncias químicas dissolvidas em um determinado ambiente. Localizam-se geralmente nas antenas.
  • 109. PALADAR Concentrado geralmente nas antenas. Muitos insetos percebem as mesmas quatro sensações gustativas . (Doce, ácido, amargo e salgado) PAPILAS SENSORIAIS Órgãos gustativos RECEPTORES GUSTATIVOS Encontrados em todo corpo, mas estão concentrados em grande maioria nas patas, antenas, junto à boca e nas pernas. (Ex: Formigas e moscas)
  • 110. Olfato - Sensores Funções Localização
  • 111. Olfato Aguçado Mariposa Imperador Suas antenas farejadoras conseguem captar uma única molécula do perfume da mariposa fêmea a 11 quilômetros de distância.
  • 112. Formigas Verificam o lugar por onde andam com as antenas, conseguindo assim, perceber o rastro das substâncias químicas deixadas pelas companheiras. Abelhas Os feromônios são captados pelas antenas das operárias e regulam a produção de cera e de geléia real.
  • 113. Mariposa do bicho-da-seda O feromônio de atração sexual liberado pela fêmea é captado pelas antenas do macho a 2 km de distância. Borboletas noturnas Algumas fêmeas tem glândulas odorantes na extremidade do abdômen, glândulas estas que exalam odor quando está na época do acasalamento. Os machos percebem estes odores a 3 milhas de distância.
  • 114. ÓRGAOS SENSORIAIS DOS INSETOS  Antenas: Todos os insetos adultos possuem, por isso são denominados de Díceros. São apêndice moveis que podem funcionar como órgão olfativo, auditivo, gustativo e tácteis.  Uma antena típica é formada por artículos ou antenômeros e apresenta 3 regiões distintas: escapo, pedicelo e flagelo.  Olhos simples ou ocelos: São pequenos, variando de 1 a 3. Estão presentes especialmente nas larvas, mas também ocorrem nos adultos. São sensíveis à luz e sombra. Obs. Não forma imagens.  Olhos compostos:  São em número de dois por insetos, ocupando a maior parte da cabeça. São formados por unidades chamadas omatideos, que possui forma hexagonal. São responsáveis pela formação de imagens.
  • 115. PALADAR  Os insetos precisam do paladar para identificar a comida conveniente e detectar venenos ou outras substâncias nocivas. Muitos têm células sensíveis ao paladar localizadas em volta da boca; outros têm sensores nos pés que lhes permitem identificar a superfície onde estão. Os sensores dos pés são cruciais para as borboletas, que precisam garantir o depósito dos ovos na planta correia para sua espécie. A boca da borboleta não consegue provar e testar folhas, pois é adaptada apenas para alimentar-se de néctar e sumos.
  • 116.