Sistema nervoso

21.371 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
2 comentários
16 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.371
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
582
Comentários
2
Gostaram
16
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema nervoso

  1. 2. Coordenação nervosa nos invertebrados Um sistema nervoso tão simples é suficiente para animais fixos ou com pouca mobilidade. Nos invertebrados mais ativos, é necessária uma maior coordenação nervosa, fornecida por pequenas condensações de corpos de neurônios, os gânglios nervosos. Nessas condensações, há grande número de neurônios de associação, que fazem a ligação entre os neurônios sensitivos (captam os estímulos do ambiente) e os motores (recebem o impulso nervoso de outro neurônio e o enviam a um músculo ou a uma glândula, provocando uma resposta do organismo, como uma contração muscular ou uma secreção glandular). Um sistema nervoso com gânglios é chamado de centralizado. Na maioria dos invertebrados ele é: Duplo :há dois cordões nervosos principais; Ventra l:está situado ventralmente no corpo; Maciço :não possui cavidades em seu interior, como o cérebro e a medula humana.
  2. 3. Platelminto (planária)
  3. 4. Sistema nervoso dos vertebrados Nos vertebrados, o sistema nervoso surge do tubo neural dorsalmente. A parte anterior desse tubo aumenta, dilata-se e forma o encéfalo;o restante forma a medula nervosa(raquidiana ou espinhal). Essas duas partes são ricas em neurônios de associação e constituem o sistema nervoso central, que está protegido pela coluna vertebral , pelo crânio e por três membranas, as meninges, formadas por tecido conjuntivo propriamente dito.
  4. 6. Encéfalo Durante o desenvolvimento embrionário dos vertebrados, a região do tubo neural que forma o encéfalo produz três dilatações: cérebro anterior ou prosencéfalo; cérebro médio ou mesencéfalo;cérebro posterior ou rombencéfalo. Essas dilatações produzem dobras e sofrem espessamentos em certos locais, constituindo as diversas partes do encéfalo. Assim, ao longo do desenvolvimento, o prosencéfalo divide-se em: Telencéfalo - no adulto formam-se nessa parte duas protuberâncias: os lobos olfatórios ou olfativos, que recebem nervos do nariz; e os hemisférios cerebrais, duas dilatações ligadas entre si por um feixe de fibras nervosas(o corpo caloso), que constituem o cérebro: Diencéfalo - origina o tálamo, o hipotálamo e a neuroipófise. Do mesencéfalo formam se os lobos ópticos. O rombencéfalo divide-se em: Metencéfalo - do qual surgem a ponte ou ponte de Varólio e o cerebelo; Mielencéfalo - origina o bulbo raquidiano(bulbo ou medula oblonga).
  5. 8. Medula espinhal A medula espinhal possui uma substancia cinzenta, interna , e uma substancia branca , externa. Na primeira, ficam concentrados os corpos celulares dos neurônios; na branca estão as fibras nervosas (dendritos e axônios). A mielina dos axônios é responsável pela cor branca dessa região. Pela parte ventral(raiz ventral) da substancia branca saem prolongamentos dos neurônios motores. Na região dorsal (raiz dorsal), há prolongamentos dos neurônios sensitivos , cujos corpos celulares estão n interior de gânglios nervosos .
  6. 10. Sistema nervoso periférico Esse sistema é formado por gânglios nervosos, nervos cranianos (que saem do encéfalo) e nervo espinhais (que saem da medula espinhal). Nos peixes e nos anfíbios há dez pares de nervos cranianos; nos répteis, nas aves e nos mamíferos, doze pares. O numero de nervos espinhais varia para cada grupo de vertebrados; no ser humano, há 31 pares. Cada nervo é formado por dezenas e até centenas de prolongamentos de neurônios, as fibras nervosas ou neurofibras, envolvidos por tecido conjuntivo. Nesse sistema há nervos sensoriais, que recolhem informações dos órgãos dos sentidos e dos órgãos internos, e motores, que levam as mensagens do sistema nervoso central para os músculos e para as glândulas.
  7. 11. Sistema nervoso autônomo Uma parte dos nervos motores controla os músculos esqueléticos, comandando as respostas ao ambiente externo quem podem ser controladas conscientemente(respostas voluntarias). Essa parte é chamada de sistema nervoso somático. No entanto, muitas vezes essas respostas ocorrem de modo involuntário, como nos atos reflexos, nos quais elas voltam pela medula antes de irem para o cérebro. Assim, dizemos que o sistema nervoso somático controla a vida de relação com o ambiente. Do sistema nervoso autônomo, autonômico ou vegetativo, fazem parte os nervos que levam impulsos aos músculos lisos, às glândulas e ao músculo cardíaco. Esse sistema controla as atividades involuntárias, que fazem parte da vida vegetativa, ou seja, é responsável, com os hormônios, pelo controlo da homeostase. A maioria dos órgãos controlados por esse sistema recebe dois tipos de nervo: um que estimula (sistema nervoso autônomo simpático) e outro que inibe(sistema nervoso autônomo parassimpático) o seu funcionamento. Os nervos simpáticos originam-se na região mediana da medula; os parassimpáticos saem do bulbo e da extremidade final da medula. O neurotransmissor dos nervos do parassimpático é a acetilcolina. No simpático, há liberação de noradrenalina nos nervos que saem dos gânglios e se dirigem para os órgãos (nervos pós-ganglionares) e de acetilcolina nos nervos quem saem da medula e se dirigem para os gânglios(nervos pré-ganglionares). O coração é estimulado pelo simpático e inibido pelo parassimpático. Na musculatura do tubo digestório ocorre o contrario: o simpático diminui a peristalse e o parassimpático aumenta.
  8. 13. Nomes:Danilo, Kaio, keliton, Bruna ,Leticia, Nathalia 2° ano 3 Prof. : Cida

×