Aula3 -er

1.432 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Aula3 -er

  1. 1. Curso Técnico Nível Médio Subsequente Segurança do Trabalho Ergonomia Cyva Lima Aula 03 Fisiologia - Parte I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Natal-RN 2010
  2. 2. Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Este Caderno foi elaborado em parceria entre o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia e o Sistema Escola Técnica Aberta do Brasil – e-Tec Brasil. Equipe de Elaboração IF-RN Projeto Gráfico Eduardo Meneses e Fábio Brumana Coordenação Institucional COTED Diagramação Victor Almeida Schinaider Professor-autor Marcus Alexandre Diniz Ficha catalográfica
  3. 3. Apresentação e-Tec Brasil Amigo(a) estudante! O Ministério da Educação vem desenvolvendo Políticas e Programas para expansãoda Educação Básica e do Ensino Superior no País. Um dos caminhos encontradospara que essa expansão se efetive com maior rapidez e eficiência é a modalidade adistância. No mundo inteiro são milhões os estudantes que frequentam cursos a distância. Aqui no Brasil, são mais de 300 mil os matriculados em cursos regulares de Ensino Médio e Superior a distância, oferecidos por instituições públicas e privadas de ensino. Em 2005, o MEC implantou o Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), hoje, consolidado como o maior programa nacional de formação de professores, em nível superior. Para expansão e melhoria da educação profissional e fortalecimento do Ensino Médio, o MEC está implementando o Programa Escola Técnica Aberta do Brasil (e-TecBrasil). Espera, assim, oferecer aos jovens das periferias dos grandes centros urbanose dos municípios do interior do País oportunidades para maior escolaridade, melhorescondições de inserção no mundo do trabalho e, dessa forma, com elevado potencialpara o desenvolvimento produtivo regional. O e-Tec é resultado de uma parceria entre a Secretaria de Educação Profissionale Tecnológica (SETEC), a Secretaria de Educação a Distância (SED) do Ministério daEducação, as universidades e escolas técnicas estaduais e federais. O Programa apóia a oferta de cursos técnicos de nível médio por parte das escolaspúblicas de educação profissional federais, estaduais, municipais e, por outro lado,a adequação da infra-estrutura de escolas públicas estaduais e municipais. Do primeiro Edital do e-Tec Brasil participaram 430 proponentes de adequaçãode escolas e 74 instituições de ensino técnico, as quais propuseram 147 cursos técnicosde nível médio, abrangendo 14 áreas profissionais.
  4. 4. O resultado desse Edital contemplou193 escolas em 20 unidades federativas. A perspectiva do Programa é que sejam ofertadas10.000 vagas, em 250 polos, até 2010. Assim, a modalidade de Educação a Distância oferece nova interface para amais expressiva expansão da rede federal de educação tecnológica dos últimos anos: aconstrução dos novos centros federais (CEFETs), a organização dos Institutos Federaisde Educação Tecnológica (IFETs) e de seus campi. O Programa e-Tec Brasil vai sendo desenhado na construção coletiva e participaçãoativa nas ações de democratização e expansão da educação profissional no País,valendo-se dos pilares da educação a distância, sustentados pela formação continuadade professores e pela utilização dos recursos tecnológicos disponíveis. A equipe que coordena o Programa e-Tec Brasil lhe deseja sucesso na sua formaçãoprofissional e na sua caminhada no curso a distância em que está matriculado(a). Brasília, Ministério da Educação – setembro de 2008.
  5. 5. Ergonomia Você verá por aqui... N esta aula descreveremos resumidamente a principais funções do organismo humano que interessam à ergonomia, ou seja, as funções que influem no desempenho do tra- balho. Objetivos • Conhecer algumas funções do organismo humano. • Compreender sua influencia no desempenho do trabalho. Para Começo de Conversa O homem, tal qual foi criado por Deus, é um complexo, não obstante, uma unidade indivisível, onde todos os estamentos do ser atuam como um órgão só, e a vida como uma única função. Vida que, a partir do momento da concepção, desenvolve-se de uma única célula a um ser com trilhões. Contudo não há desarmonia. Tudo funciona corretamente, nos seus mínimos e, até mesmo, desconhecidos detalhes. Um eterno e belo milagre de vida! Ergonomia na Indústria Figura 01 - Sistemas e-Tec Brasil Creative Commons - Edwin Dalorzo 6 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  6. 6. Sistema Nervoso Para realizarmos nossas atividades necessitamos de um sistema coordenador que garanta a correspondência e a harmonia entre os diversos elementos que constituem o homem, além de estabelecer um adequado relacionamento do organismo com o ambiente. Eis então, o sistema nervoso, capaz de comandar as mais diversas atividades fisiológicas desenvolvidas pelo ser vivo. Figura 02 - Sistema Nervoso Fisiologia - Parte I 7 e-Tec Brasil
  7. 7. O sistema nervoso pode ser subdividido em central (SNC) e periférico (SNP). O SNC é constituído de encéfalo (cérebro, cerebelo, ponte e bulbo) e medula espinhal (filamento nervoso que percorre o interior da coluna vertebral). Figura 03 - Sistema Nervoso Central ( 1 - Cérebro, 2 Sistema Nervoso e 3 - Medula Espinhal) O SNP é constituído por uma rede de nervos. Estes podem ser cranianos (quando partem do encéfalo) e raquidianos (quando partem da medula espinhal) Os nervos estabelecem a comunicação dos centros nervosos com os órgãos sensoriais e motores. Figura 04 - Sistema Nervoso Periférico e-Tec Brasil 8 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  8. 8. Coluna Vertebral A coluna vertebral é uma estrutura óssea constituída de 33 ossos curtos e superpostos que recebem o nome de vértebras. Constitui a estrutura básica do esqueleto, pois sustenta a cabeça e o tronco. Além disso, protege a medula espinhal, importante componente do sistema nervoso. Classificam-se em cinco grupos. De cima para baixo: • 7 – vértebras cervicais • 12 – vértebras torácicas – dorsais • 5 – vértebras lombares • 5 – vértebras sacras – sacro • 4 – vértebras coccígenas – cóccix Figura 05 - Coluna Vertebral A coluna possui duas propriedades básicas: • • Rigidez: Garante a sustentação do corpo, permitindo a postura ereta; • • Mobilidade: Permite rotação para os lados e movimentos para frente e trás. Apenas 24 das 33 vértebras são flexíveis as de maior mobilidade são as cervicais (pescoço) e lombares (abdominais). As vértebras torácicas estão unidas a 12 pares de costelas o que limita os movimentos. As vértebras se conectam entre si por ligamentos e entre uma ou outra existe um disco cartilaginoso, ambos possibilitam a movimentação da coluna vertebral através da compressão e deformação dos discos e pelo deslizamento dos ligamentos. Fisiologia - Parte I 9 e-Tec Brasil
  9. 9. A superposição das vértebras forma um canal na coluna vertebral por onde passa a medula espinhal, que se liga ao encéfalo, na medula circulam todas as informações sensitivas transmitidas da periferia para o cérebro e retornam. Figura 06 - Medula Espinhal Músculos Os músculos representam a parte ativa do aparelho locomotor. Existem aproximadamente 600 músculos no corpo. Desempenham funções determinadas de acordo com seu objetivo. Os músculos são feitos de fibras que se contraem quando estimulados por impulsos nervosos. Figura 07 - Músculos do Corpo Humano e-Tec Brasil 10 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  10. 10. Dividem-se em três grandes categorias: • Estriado (esquelético): massa muscular, não contrai sem estímulo nervoso, voluntário. • Cardíaco: miocárdio, se contrai de forma rítmica, involuntário. • Liso: sem estriações, involuntário, irregular, esfíncter. Figura 08 - Músculos do Corpo Humano Controle Voluntário 40% do Corpo Controle Involuntário Músculo Estriado Esquelético Músculo Estriado Cadíaco Músculo Liso Fisiologia - Parte I 11 e-Tec Brasil
  11. 11. Características principais: • Podem ser excitados como os neurônios • Contratilidade (potencial de ação) • Rica vascularização e inervação Função Neuromuscular As forças do organismo são exercidas por contrações neuromusculares. Os músculos não se contraem por si próprios, mas são comandados pelo sistema nervoso central. Esses comandos, por sua vez, decorrem de algum tipo de estimulo ambiental. Contração Muscular Ao se contrair, os músculos esqueléticos tracionam os ossos aos quais estão ligados, provocando um movimento do corpo. Os músculos não podem “empurrar”, mas apenas “puxar”, por isso para cada músculo que causa movimento há outro que faz o movimento oposto. Por exemplo: um músculo flexiona sua perna e outro desfaz uma flexão. Esses músculos em pares são chamados antagonistas. Figura 09 - Contração Muscular Tipos de movimentos • Flexão: Diminuição do grau de uma articulação. • Extensão: Aumento do grau de uma articulação. e-Tec Brasil 12 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  12. 12. • Adução: Aproxima do eixo mediano. • Abdução: Afasta do eixo mediano. • Rotação: Em relação a um determinado eixo. • Pronação: Quando um osso gira sobre o outro. Tônus muscular Mesmo quando está em repouso, certa quantidade de tensão freqüente permanece devido a impulsos nervosos da medula espinhal, já que as fibras não se contraem sem um estimulo, ou seja, o músculo permanece contraído por um tempo prolongado. Fadiga Muscular É a redução da força provocada pela deficiência da irrigação sanguínea do músculo, consequentemente, o oxigênio não chega em quantidade suficiente, e começa a haver, dentro do músculo, um acumulo de ácido lático e potássio, assim como calor, dióxido de carbono e água, gerados durante o metabolismo. Quanto mais forte for a contração muscular, maior será o estrangulamento da circulação sanguínea, reduzindo o tempo que essa contração pode ser mantida. Se esses tempos forem ultrapassados, podem surgir dores intensas, exigindo relaxamento e um período de descanso para estabelecer a circulação e remover os produtos do metabolismo, acumulados no interior dos músculos. Metabolismo O metabolismo pode ser definido como um conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no organismo; A energia do corpo humano é proveniente da alimentação, tudo que ingerimos sofre transformações químicas, sendo uma parte utilizada na construção de tecidos e outra como combustível. Metabolismo basal – É a energia necessária para manter apenas as funções vitais do organismo, sem realizar nenhum trabalho externo. O valor do metabolismo basal é de aproximadamente 1.800 kcal/dia para homens e 1.600 kcal/dia para mulheres, ou seja, um Fisiologia - Parte I 13 e-Tec Brasil
  13. 13. homem adulto que consuma menos de 2.000 kcal/dia seria incapaz de realizar qualquer tipo de trabalho. Ex,: um trabalhador industrial gasta entre 2.800 a 4.000 kcal/dia, nas mulheres o gasto é cerca de 20% menor que dos homens na execução de tarefas idênticas. Os valores acima são uma média para a população, podendo ocorrer variações de acordo com a massa corporal, idade e outros fatores. Exemplos de gasto energético para tarefas típicas: Figura 10 - IIda, 2005 e-Tec Brasil 14 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  14. 14. Órgãos dos Sentidos A capacidade de reação a estímulos provenientes do meio ambiente ou do próprio organismo constitui uma das mais marcantes características exibidas pelos seres vivos. Figura 11 - Órgãos do Sentido A visão È o órgão do sentido mais importante que possuímos tanto para o trabalho como para a vida diária. A estrutura ocular assemelha-se a uma câmera fotográfica: o aumento e a redução da pupila controlam a quantidade de luz que penetra no olho, atrás da pupila situa-se o cristalino, que é a lente do olho, no fundo fica a retina 9 equivalente ao filme). Na retina ficam as células fotossensíveis de dois tipos os cones e os bastonetes essas células transformam os estímulos luminosos em impulso nervoso, por meio de reação foto química, os estímulos são transmitidos pelo nervo óptico ao cérebro, onde se produz a Fisiologia - Parte I 15 e-Tec Brasil
  15. 15. sensação visual. Figura 12 - Olho Adaptação à Claridade e Penumbra Na adaptação a claridade, quando se passa de um ambiente escuro para um claro, há um ofuscamento temporário, que dura aproximadamente 2 minutos, até que os cones comecem a funcionar normalmente. Isso ocorre, por exemplo, na saída de um cinema. A adaptação à penumbra, no sentido inverso, o processo é mais lento pode durar 30 minutos ou mais, nesse caso os cones deixam de funcionar, para aumentar a sensibilidade dos bastonetes. Percepção Visual A percepção visual tem como principais características a acuidade visual, acomodação, convergência e percepção das cores. • Acuidade visual: E a capacidade visual para descriminar pequenos detalhes. Ela depende de muitos fatores, os mais importantes seriam o iluminamento e o tempo de exposição. • Acomodação: É a capacidade de cada olho em focalizar objetos a várias distâncias. • Convergência: É a capacidade dos dois olhos se moverem coordenadamente para focalizar o mesmo objeto. Os olhos percebem os objetos de ângulos ligeiramente diferentes entre si, que são integrados no cérebro e-Tec Brasil 16 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  16. 16. dando a impressão de profundidade ou terceira dimensão. As pessoas com estrabismo não conseguem fazer a fusão dessas imagens. • Percepção das cores Movimentos dos Olhos Os olhos se movimentam para o objeto de atenção através de três pares de músculos oculares os quais estão ligados a cada globo ocular. Quando se fixa a vista em um objeto acontecem movimentos voluntários e involuntários. Os movimentos involuntários são comandados pelo cérebro e permitem que o objeto fixado seja visto com nitidez, já que o movimento voluntário depende, como o nome indica, da vontade da pessoa em diração do objeto que ela deseja fixar. Figura 13 - Movimento dos Olhos Audição ‘A função do ouvido é captar e converter as ondas de pressão do ar em sinais elétricos, que são transmitidos ao cérebro para produzir as sensações sonoras. Fisiologia - Parte I 17 e-Tec Brasil
  17. 17. Figura 14 - Movimento dos Olhos Dividido em ouvido externo, médio e interno. Os sons chegam por vibrações do ar captadas pelo ouvido externo, transformadas em vibrações mecânicas no ouvido médio e finalmente em pressões hidráulicas no ouvido interno. Essas pressões são captadas por células sensíveis ao ouvido interno e transformadas em sinais elétricos, que se transmitem ao cérebro. Percepção do Som Os movimentos mecânicos no ambiente produzem flutuações da pressão atmosférica que se propagam em ondas, ao atingir o ouvido produzem a sensação sonora. Um som é caracterizado por três variáveis; • Freqüência: É o numero de flutuações ou vibrações por segundo e é expressa em hertz (Hz), subjetivamente percebida como altura do som. O ouvido humano é capaz de perceber sons na freqüência de 16 Hz a 20.000 Hz. • Intensidade: A intensidade do som depende da energia das oscilações e é definida em termos de potencia por unidade logarítmica chamada decibel (dB). • Duração: A duração do som é medida em segundos. De difícil percepção, os sons de curta duração (menos de 0,1 segundo) são diferentes dos de longa duração (acima de 1 segundo). e-Tec Brasil 18 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  18. 18. Na prática os limites de audibilidade dependem da combinação dessas três variáveis: freqüência, intensidade e duração. Mascaramento Ocorre quando um componente do som reduz a sensibilidade do ouvido para outro componente. Ex.: Uma fala de 40db, pode ser ouvida em uma sala silenciosa, mas em outra com um som ambiente de 50db, deverá ser aumentada para 70db, ter 20db (mín.) a mais para ser ouvida. Percepção da Posição e Acelerações As percepções da posição vertical e acelerações do corpo são feitas pelos receptores vestibulares, que ficam localizadas no ouvido interno, mas não tem ligação com a audição. Eles são constituídos de três canais semicirculares de duas cavidades chamadas utrículo e sáculo. Os dois conjuntos de órgãos são recheados de fluidos e contém, no seu interior células nervosas flexíveis, que são sensíveis as mudanças de posição. As células nervosas do utrículo e sáculo detectam a posição da cabeça em relação a vertical. Portanto são receptores estáticos ou posicionais. Os canais semicirculares são sensíveis a acelerações e desacelerações, ou seja, a dinâmica do corpo. Portanto os receptores vestibulares permitem ao homem manter sua postura ereta, movimentar-se sem cair e sentir se seu corpo está sendo acelerado ou desacelerado em alguma direção, mesmo sem a ajuda da visão. Olfato e Paladar O olfato e paladar são usados em diversas atividades e podem ser importantes para algumas profissões como a de cozinheiro e provadores de perfumes e alimentos (vinho, café). Em ambientes de trabalho podem funcionar como alerta, indicando vazamento de gases ou inicio de um incêndio. Do ponto de vista fisiológico olfato e paladar estão relacionados entre si. O sabor de um alimento, por exemplo, resulta da combinação de cheiro e paladar. Fisiologia - Parte I 19 e-Tec Brasil
  19. 19. Figura 15 - Paladar Senso Sinestésico Fornece informações sobre movimentos de partes do corpo sem necessidade de acompanhamento visual. Permite também perceber forças e tensões internas e externas exercidas pelos músculos. As células receptoras se situam nos músculos, tendões e articulações. Quando há uma contração muscular essas células transmitem informações ao sistema nervoso central, sobre os movimentos e as pressões que estão ocorrendo, permitindo a percepção dos movimentos. O senso sinestésico é importante no trabalho, pois muitos movimentos dos pés e mãos devem ser feitos sem acompanhamento visual, enquanto a visão se concentra em outras tarefas realizadas simultaneamente. Ex.: motorista aciona volante e pedais corretamente, enquanto a visão concentra-se no trafego. e-Tec Brasil 20 Curso Técnico Nível Médio Subsequente
  20. 20. Atividade 1 Em um ambiente de trabalho, na sua opinião, tente identificar os tecidos e órgãos utilizados no desenvolvimento da tarefa observada. Resumo Neste módulo podemos verificar o quão complexo é o corpo humano, as funções que desempenha e a importância que tem para a vida do ser humano e para o desenvolvimento da atividade laboral, por meio do conhecimento dos principais sistemas envolvidos direta ou indiretamente na realização dessas atividades. Bibliografia AIRES, M. M. Fisiologia 3ª Ed. Guanabara Koogan, 2008. BERNE et al. Fundamentos de Fisiologia, 4ª Ed. Elsevier, 2006. GUYTON; HALL, Tratado de Fisiologia Médica 11ª Ed. Elsevier, 2006. Iida, I. Ergonomia: Projeto e produção 2ª ed. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2005. Livro de anatomia e fisiologia (Escola SOS corpo). Site: www.soscorpo.com.br. Site: http://www.medicinadoesporte.com/.htm Figura 1 Disponível em: <www.corpohumano.com/imagens> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 2 Disponível em: <www.soscorpo.com.br/anatomia> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 3 Disponível em: <http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Central_nervous_system.svg> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 4 Disponível em: <http://www.afh.bio.br/nervoso/img/SN%20aut%C3%B4nomo.gif> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 5 Disponível em: <www.soscorpo.com.br> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 6 Disponível em: <www.brasilescola.com/upload/e/medula2.jpg> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 7 Fisiologia - Parte I 21 e-Tec Brasil
  21. 21. Disponível em: <www.top30.com.br/corpohumano> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 8 Disponível em: <http://tejidodbiologias.freeconfigbox.com/tejido1.jpg> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 9 Disponível em: <www.top30/corpohumano> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 10 Disponível em: <IIda, 2005> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 11 Disponível em: <www.soscorpo.com.br/anatomia> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 12 Disponível em: <www.bloganatomiahumana.blogspot.com> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 13 Disponível em: <www.soscorpo.com.br> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 14 Disponível em: <www.soscorpo.com.br/anatomia> Acesso em: 20 jun 2010. Figura 15 Disponível em: <www.cabuloso.com/anatomiahumana> Acesso em: 20 jun 2010. e-Tec Brasil 22 Curso Técnico Nível Médio Subsequente

×