SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Neurofisiologia
Professor: Cleanto Santos Vieira
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Organização do Sistema nervoso;
funções básicas das sinapses e
substâncias transmissoras:
• O sistema nervoso, juntamente ao
sistema endócrino, prove a maioria
das funções de controle para o
corpo.
• Controla as atividades rápidas do
corpo tais como:
• - Contrações musculares;
• - Eventos viscerais;
• - Velocidade de secreção de algumas
glândulas endócrinas.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Modelo geral do sistema nervoso:
• O neurônio do sistema nervoso central – A
unidade funcional básica: O sistema
nervoso central é composto de mais de
100 bilhões de neurônios.
• A informação aferente entra na célula
em sua quase totalidade através de
sinapses localizadas sobre os dendritos
ou sobre o corpo neuronal.
• O número dessas conexões pode variar
desde apenas algumas centenas até
vários milhares, chegando à ordem de
200.000.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Por outro lado a informação eferente
se propaga ao longo de um axônio
único, o qual, fornece várias
ramificações para outras partes do
cérebro, medula espinhal ou periferia
corporal.
• Esses terminais fazem sinapses com
neurônios seguintes, com células
musculares ou células secretoras.
• Isso permite que os sinais sejam
conduzidos nas direções requeridas
para que sejam executadas as funções
necessárias.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• A parte sensorial do sistema nervoso –
receptores sensoriais:
• A maioria das atividades do sistema nervoso é
iniciada por uma experiência sensorial vinda dos
receptores sensoriais (visuais, táteis, olfativos,
auditivos e do paladar), podendo provocar
reação imediata, ou sua memória pode ser
guardada no cérebro por minutos, semanas ou
anos, podendo ajudar a determinar reações
corporal em datas futuras.
• A figura ao lado mostra a parte do sistema
sensorial, que transmite a informação dos
receptores para toda a superfície corporal e de
algumas estruturas profundas.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• A parte motora – os efetores:
• O principal papel final do sistema
nervoso é controlar as várias
atividades corporais.
• Esse controle é exercido sobre:
• 1º a contração dos músculos
esqueléticos em todo o corpo;
• 2º a contração dos músculos lisos nos
órgãos internos;
• 3º a secreção de glândulas
endócrinas e exócrinas em várias
partes do corpo.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Essas atividades são chamadas, de funções motoras do
sistema nervoso, e os músculos e glândulas são chamados
de efetores, pois executam funções ditadas pelos sinais
nervosos.
• Os músculos esqueléticos podem ser controlados por níveis
muito diferentes do S.N.C., incluindo:
• - 1 a medula espinhal;
• - 2 a substância reticular do bulbo, ponte e mesencéfalo;
• - 3 os glânglios basais;
• - 4 o cerebelo;
• - 5 o córtex motor.
• Cada uma dessas diferentes áreas desempenha seu papel
específico no controle dos movimentos corporais.
• Os níveis mais baixos envolvidos com as respostas
automáticas aos estímulos sensoriais.
• As regiões superiores com os movimentos de liberados,
controlados pelo pensamento cerebral.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Processamento da informação – função
“integrativa” do sistema nervoso:
• A função primordial do sistema nervoso é
processar a informação que chega,
escolhendo a resposta motora
apropriada.
• Mais de 99% da informação sensorial é
descartada pelo cérebro como sendo não
relevante e não importante.
• Ex: não são percebidas todas áreas do
corpo em contato com as roupas, assim
como não é percebida a pressão da
cadeira sobre todas as áreas corporais
quando estamos sentados.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Uma vez selecionada, a informação
sensorial considerada importante é
canalizada para regiões específicas do
cérebro para causar as respostas
desejadas (chamada função integrativa
do sistema nervoso).
• Ex: Uma pessoa coloca a mão sobre um
forno quente, a resposta desejada é
levantar a mão.
• Outras respostas também podem
ocorrer associadas, como mover todo o
corpo para longe do forno e até mesmo
saltar de dor.
• Essas respostas representam apenas
uma pequena fração da totalidade do
sistema motor do corpo.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• A função das sinapses no
processamento da informação: a
sinapse é o ponto de junção entre
um neurônio e a estrutura que a ele
se segue, sendo assim esse é um
local crucial para o para o controle
da transmissão do sinal.
• As sinapses determinam as direções
em que os sinais nervosos se
espalham dentro do sistema
nervoso.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Devemos ter em mente que sinais
facilitatórios e inibitórios provenientes
de outras áreas do sistema nervoso
podem controlar a atividade sináptica,
às vezes facilitando ou dificultando a
transmissão do sinal.
• As sinapses exercem ação seletiva,
sempre bloqueando os sinais fracos,
enquanto permitem a passagem de
sinais fortes, selecionando e
amplificando certos sinais fracos e
sempre canalizando os sinais em
várias direções, em vez de o fazer em
uma direção apenas.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Armazenamento da informação
– Memória:
• Apenas uma fração da informação
sensorial importante provoca resposta
motora imediata.
• A maior parte é armazenada para o
controle futuro das atividades motoras
e para uso em processos de análise.
• A maior parte desse armazenamento
ocorre no córtex cerebral, uma
pequena parte será armazenada nas
regiões basais do cérebro e
provavelmente a medula espinhal.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• O armazenamento de informações é um
processo que chamamos de “Memória”, e
isto é também uma função das sinapses.
• Cada vez que certo tipo de sinal passa
através de uma sequência de sinapses,
elas se tornam mais capazes de transmitir
os mesmos sinais da próxima vez
(processo de facilitação).
• Após os mesmos sinais passarem através
das sinapses um grande número de vezes,
as sinapses se tornam tão facilitadas que
sinais gerados dentro do próprio cérebro
podem causar a transmissão através das
mesmas sequências de sinapses, mesmo
sem o impulso sensorial ser excitado.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• A memória nos dá a percepção de
experimentar as sensações originais, apesar
de serem na verdade, apenas memórias.
• O mecanismo pelo qual ocorre a facilitação
das sinapses infelizmente não é conhecido.
• Uma vez armazenadas as memórias se tornam
parte do mecanismo de processamento.
• Os processos de decisão do cérebro
comparam experiências sensoriais novas com
as memórias armazenadas, bem como a
canaliza-las para áreas apropriadas de
armazenamento, para utilização futura ou
áreas motoras para causar respostas
corporais.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Os três principais níveis da função
do sistema nervoso central:
• O SN humano tem características
específicas adquiridas em cada fase do
desenvolvimento evolutivo.
• Dessa herança três níveis do SNC tem
atributos funcionais específicos:
• 1º Nível medular;
• 2º Nível cerebral inferior;
• 3º Nível cerebral superior ou nível cortical.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Nível Medular:
• Geralmente entendemos a medula espinhal como uma estrutura cuja
função principal é apenas possibilitar a condução de sinais que vem
da periferia em direção ao encéfalo ou dos sinais que são gerados nas
estruturas cerebrais e que caminham para a periferia.
• Esse conceito é equivocado.
• Os circuitos neuronais da medula podem causar por exemplo:
• 1º - movimentos de marcha;
• 2º - reflexos que afastam parte do corpo de objetos;
• 3º - reflexos que estiram os membros inferiores para suportar o corpo
contra a ação da gravidade;
• 4º - reflexos que controlam os vasos sanguíneos locais, movimentos
gastrointestinais, além de várias outras funções. Ex: Em baixas
temperaturas, ocorre o arrepio. Os pelos levantados fazem com que
uma camada de ar fique parada sobre a pele, funcionando como
isolante térmico. O músculo eretor do pelo é o responsável pelo
arrepio.
• Ao mesmo tempo, o corpo provoca a vaso constrição (diminuição do
calibre dos vasos que percorrem a pele), reduzindo o volume de
sangue que passa por ela. Desta forma, diminui a quantidade de
sangue esfriado, o que evita uma maior perda de calor do corpo.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Nível cerebral inferior:
• Muitas das atividades que denominamos
subconscientes são controladas em áreas
cerebrais inferiores – Bulbo, ponte,
mesencéfalo, hipotálamo, tálamo, cerebelo e
gânglios basais.
• O controle subconsciente da pressão arterial e
respiração ocorre principalmente ao nível do
bulbo e da ponte.
• O controle do equilíbrio é função combinada da
partes antigas do cerebelo e substância
reticular do bulbo, ponte e mesencéfalo.
• Os reflexos de alimentação (salivação, lamber
os lábios) são controlados por centros
localizados no bulbo, ponte, mesencéfalo,
amígdala e hipotálamo.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Muitas respostas emocionais,
tais como: a raiva, a excitação,
as atividades sexuais, a reação
à dor ou prazer, podem ocorrer
em animais que não possuem
córtex cerebral.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Nível cerebral superior ou nível
cortical:
• O córtex cerebral é uma área de
armazenamento de informações
extremamente grande.
• O córtex nunca funciona sozinho, mas
sempre em associação com centros
inferiores do sistema nervoso.
• Sem o córtex, as funções dos centros
cerebrais inferiores são sempre muito
imprecisas.
• A grande massa de memória da
informação cortical converte essas
funções em operações muito definidas
e precisas.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Finalmente, o córtex cerebral é
essencial para a maior parte de nossos
processos mentais, apesar dele não
funcionar sozinho nisso.
• Na verdade são os centros cerebrais
inferiores que mantêm o córtex em
alerta, utilizando seu banco de
memórias para a máquina de
“pensamento” do cérebro.
• Assim cada parte do sistema nervoso
executa funções específicas.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Comparação do sistema nervoso
com um computador eletrônico:
• Todos os computadores possuem
circuitos de entrada e circuitos de saída,
comparáveis às partes sensorial e motora
do sistema nervoso.
• Nas vias de condução, situadas entre as
entradas e saídas, estão localizadas
estruturas envolvidas na execução de
diferentes tipos de computações.
• Em computadores simples, os sinais de
saída são controlados diretamente pelos
sinais de entrada, operando de modo
semelhante ao dos reflexos simples da
medula espinhal.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia
• Em computadores mais complexos, a
saída é determinada tanto pelos sinais
de entrada como por informações já
existentes, armazenadas em sua
memória (isso é parecido aos reflexos
mais complexos e aos mecanismos de
processamento do sistema nervoso
superior – cortical).
• A unidade de processamento central
(CPU), determina a sequência de todas
as operações, ela é análoga ao
mecanismo cerebral que nos possibilita
dirigir nossa atenção primeiro para um
pensamento, sensação ou atividade
motora, depois para outro e assim por
diante, até que a sequência completa de
pensamento ou ações se desenvolva.
Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Neurofisiologia Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
Energiasdomeioambiente
Órgãosdossentidos
109 BIT/S
Sub-sistema
sensorial
Reconhecimento
de padrões
10² BIT/S
Sub-sistema
tratamento informação
Tomada de
decisão
Interpretação
Discriminação
Sub-sistema de estocagem
Memória de
longo-termo
Memória de
curto-termo
Membros
Posturas
Voz
107 BIT/S
Sub-sistema
resposta
Respostasverbaisoumotoras
Modelo antropocêntrico do ser
humano em atividade de trabalho:
GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro,
Elsevier Ed., 2006.
ATLAS INTERATIVO DE ANATOMIA HUMANA. Artmed Editora.
JUNQUEIRA, L. C. & CARNEIRO, J. Histologia Básica. 8ª Edição. Rio de Janeiro,
Editora Guanabara Koogan. 1995. Pp. 100:108.
Atlas de Fisiologia Humana de Netter. Autor: John T. Hansen e Bruce M.
Koeppen – Editora Artmed, 2009.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
A lição de anatomia do Dr.
Deijmam – Rembrandt - 1656
Joris Fonteijn, um ladrão conhecido
como “Black Jan”, condenado a morte
em 27 de janeiro de 1656

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointBio
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoOlavo Valente
 
Anatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularAnatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularPedro Miguel
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaMarília Gomes
 
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do ComportamentoEscolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do ComportamentoMayara Mônica
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptxWashington Luiz Lima
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia MuscularHugo Pedrosa
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamneseNadjane Barros Costa
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoemanuel
 

Mais procurados (20)

SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso Autônomo
 
Anatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularAnatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema Muscular
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do ComportamentoEscolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos Neurotransmissores e receptores sensitivos
Neurotransmissores e receptores sensitivos
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia Muscular
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 

Semelhante a Neurofisiologia: Sistema Nervoso e suas Funções

SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxGeovana654578
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxEsterCome1
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonalHugo Martins
 
A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...
A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...
A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...lafunirg
 
Aula: Sistema Nervoso - Anatomia Humana
Aula: Sistema Nervoso - Anatomia HumanaAula: Sistema Nervoso - Anatomia Humana
Aula: Sistema Nervoso - Anatomia HumanaLeandro Luiz
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulabymau90
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoBriefCase
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema NervosoLuís Rita
 
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijiiSistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijiissuser385557
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptxFabianoDoVale
 

Semelhante a Neurofisiologia: Sistema Nervoso e suas Funções (20)

SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptx
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
 
Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...
A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...
A organização do sistema nervoso central, funções básicas das sinapses e “sub...
 
Aula: Sistema Nervoso - Anatomia Humana
Aula: Sistema Nervoso - Anatomia HumanaAula: Sistema Nervoso - Anatomia Humana
Aula: Sistema Nervoso - Anatomia Humana
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
693153
693153693153
693153
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijiiSistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
Sistema nervoso.pdf jiujijijijijijijijii
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosCleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (6)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Neurofisiologia: Sistema Nervoso e suas Funções

  • 1. Neurofisiologia Professor: Cleanto Santos Vieira Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 2. Neurofisiologia • Organização do Sistema nervoso; funções básicas das sinapses e substâncias transmissoras: • O sistema nervoso, juntamente ao sistema endócrino, prove a maioria das funções de controle para o corpo. • Controla as atividades rápidas do corpo tais como: • - Contrações musculares; • - Eventos viscerais; • - Velocidade de secreção de algumas glândulas endócrinas. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 3. Neurofisiologia • Modelo geral do sistema nervoso: • O neurônio do sistema nervoso central – A unidade funcional básica: O sistema nervoso central é composto de mais de 100 bilhões de neurônios. • A informação aferente entra na célula em sua quase totalidade através de sinapses localizadas sobre os dendritos ou sobre o corpo neuronal. • O número dessas conexões pode variar desde apenas algumas centenas até vários milhares, chegando à ordem de 200.000. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 4. Neurofisiologia • Por outro lado a informação eferente se propaga ao longo de um axônio único, o qual, fornece várias ramificações para outras partes do cérebro, medula espinhal ou periferia corporal. • Esses terminais fazem sinapses com neurônios seguintes, com células musculares ou células secretoras. • Isso permite que os sinais sejam conduzidos nas direções requeridas para que sejam executadas as funções necessárias. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 5. Neurofisiologia • A parte sensorial do sistema nervoso – receptores sensoriais: • A maioria das atividades do sistema nervoso é iniciada por uma experiência sensorial vinda dos receptores sensoriais (visuais, táteis, olfativos, auditivos e do paladar), podendo provocar reação imediata, ou sua memória pode ser guardada no cérebro por minutos, semanas ou anos, podendo ajudar a determinar reações corporal em datas futuras. • A figura ao lado mostra a parte do sistema sensorial, que transmite a informação dos receptores para toda a superfície corporal e de algumas estruturas profundas. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 6. Neurofisiologia • A parte motora – os efetores: • O principal papel final do sistema nervoso é controlar as várias atividades corporais. • Esse controle é exercido sobre: • 1º a contração dos músculos esqueléticos em todo o corpo; • 2º a contração dos músculos lisos nos órgãos internos; • 3º a secreção de glândulas endócrinas e exócrinas em várias partes do corpo. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 7. Neurofisiologia • Essas atividades são chamadas, de funções motoras do sistema nervoso, e os músculos e glândulas são chamados de efetores, pois executam funções ditadas pelos sinais nervosos. • Os músculos esqueléticos podem ser controlados por níveis muito diferentes do S.N.C., incluindo: • - 1 a medula espinhal; • - 2 a substância reticular do bulbo, ponte e mesencéfalo; • - 3 os glânglios basais; • - 4 o cerebelo; • - 5 o córtex motor. • Cada uma dessas diferentes áreas desempenha seu papel específico no controle dos movimentos corporais. • Os níveis mais baixos envolvidos com as respostas automáticas aos estímulos sensoriais. • As regiões superiores com os movimentos de liberados, controlados pelo pensamento cerebral. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 8. Neurofisiologia • Processamento da informação – função “integrativa” do sistema nervoso: • A função primordial do sistema nervoso é processar a informação que chega, escolhendo a resposta motora apropriada. • Mais de 99% da informação sensorial é descartada pelo cérebro como sendo não relevante e não importante. • Ex: não são percebidas todas áreas do corpo em contato com as roupas, assim como não é percebida a pressão da cadeira sobre todas as áreas corporais quando estamos sentados. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 9. Neurofisiologia • Uma vez selecionada, a informação sensorial considerada importante é canalizada para regiões específicas do cérebro para causar as respostas desejadas (chamada função integrativa do sistema nervoso). • Ex: Uma pessoa coloca a mão sobre um forno quente, a resposta desejada é levantar a mão. • Outras respostas também podem ocorrer associadas, como mover todo o corpo para longe do forno e até mesmo saltar de dor. • Essas respostas representam apenas uma pequena fração da totalidade do sistema motor do corpo. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 10. Neurofisiologia • A função das sinapses no processamento da informação: a sinapse é o ponto de junção entre um neurônio e a estrutura que a ele se segue, sendo assim esse é um local crucial para o para o controle da transmissão do sinal. • As sinapses determinam as direções em que os sinais nervosos se espalham dentro do sistema nervoso. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 11. Neurofisiologia • Devemos ter em mente que sinais facilitatórios e inibitórios provenientes de outras áreas do sistema nervoso podem controlar a atividade sináptica, às vezes facilitando ou dificultando a transmissão do sinal. • As sinapses exercem ação seletiva, sempre bloqueando os sinais fracos, enquanto permitem a passagem de sinais fortes, selecionando e amplificando certos sinais fracos e sempre canalizando os sinais em várias direções, em vez de o fazer em uma direção apenas. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 12. Neurofisiologia • Armazenamento da informação – Memória: • Apenas uma fração da informação sensorial importante provoca resposta motora imediata. • A maior parte é armazenada para o controle futuro das atividades motoras e para uso em processos de análise. • A maior parte desse armazenamento ocorre no córtex cerebral, uma pequena parte será armazenada nas regiões basais do cérebro e provavelmente a medula espinhal. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 13. Neurofisiologia • O armazenamento de informações é um processo que chamamos de “Memória”, e isto é também uma função das sinapses. • Cada vez que certo tipo de sinal passa através de uma sequência de sinapses, elas se tornam mais capazes de transmitir os mesmos sinais da próxima vez (processo de facilitação). • Após os mesmos sinais passarem através das sinapses um grande número de vezes, as sinapses se tornam tão facilitadas que sinais gerados dentro do próprio cérebro podem causar a transmissão através das mesmas sequências de sinapses, mesmo sem o impulso sensorial ser excitado. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 14. Neurofisiologia • A memória nos dá a percepção de experimentar as sensações originais, apesar de serem na verdade, apenas memórias. • O mecanismo pelo qual ocorre a facilitação das sinapses infelizmente não é conhecido. • Uma vez armazenadas as memórias se tornam parte do mecanismo de processamento. • Os processos de decisão do cérebro comparam experiências sensoriais novas com as memórias armazenadas, bem como a canaliza-las para áreas apropriadas de armazenamento, para utilização futura ou áreas motoras para causar respostas corporais. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 15. Neurofisiologia • Os três principais níveis da função do sistema nervoso central: • O SN humano tem características específicas adquiridas em cada fase do desenvolvimento evolutivo. • Dessa herança três níveis do SNC tem atributos funcionais específicos: • 1º Nível medular; • 2º Nível cerebral inferior; • 3º Nível cerebral superior ou nível cortical. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 16. Neurofisiologia • Nível Medular: • Geralmente entendemos a medula espinhal como uma estrutura cuja função principal é apenas possibilitar a condução de sinais que vem da periferia em direção ao encéfalo ou dos sinais que são gerados nas estruturas cerebrais e que caminham para a periferia. • Esse conceito é equivocado. • Os circuitos neuronais da medula podem causar por exemplo: • 1º - movimentos de marcha; • 2º - reflexos que afastam parte do corpo de objetos; • 3º - reflexos que estiram os membros inferiores para suportar o corpo contra a ação da gravidade; • 4º - reflexos que controlam os vasos sanguíneos locais, movimentos gastrointestinais, além de várias outras funções. Ex: Em baixas temperaturas, ocorre o arrepio. Os pelos levantados fazem com que uma camada de ar fique parada sobre a pele, funcionando como isolante térmico. O músculo eretor do pelo é o responsável pelo arrepio. • Ao mesmo tempo, o corpo provoca a vaso constrição (diminuição do calibre dos vasos que percorrem a pele), reduzindo o volume de sangue que passa por ela. Desta forma, diminui a quantidade de sangue esfriado, o que evita uma maior perda de calor do corpo. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 17. Neurofisiologia • Nível cerebral inferior: • Muitas das atividades que denominamos subconscientes são controladas em áreas cerebrais inferiores – Bulbo, ponte, mesencéfalo, hipotálamo, tálamo, cerebelo e gânglios basais. • O controle subconsciente da pressão arterial e respiração ocorre principalmente ao nível do bulbo e da ponte. • O controle do equilíbrio é função combinada da partes antigas do cerebelo e substância reticular do bulbo, ponte e mesencéfalo. • Os reflexos de alimentação (salivação, lamber os lábios) são controlados por centros localizados no bulbo, ponte, mesencéfalo, amígdala e hipotálamo. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 18. Neurofisiologia • Muitas respostas emocionais, tais como: a raiva, a excitação, as atividades sexuais, a reação à dor ou prazer, podem ocorrer em animais que não possuem córtex cerebral. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 19. Neurofisiologia • Nível cerebral superior ou nível cortical: • O córtex cerebral é uma área de armazenamento de informações extremamente grande. • O córtex nunca funciona sozinho, mas sempre em associação com centros inferiores do sistema nervoso. • Sem o córtex, as funções dos centros cerebrais inferiores são sempre muito imprecisas. • A grande massa de memória da informação cortical converte essas funções em operações muito definidas e precisas. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 20. Neurofisiologia • Finalmente, o córtex cerebral é essencial para a maior parte de nossos processos mentais, apesar dele não funcionar sozinho nisso. • Na verdade são os centros cerebrais inferiores que mantêm o córtex em alerta, utilizando seu banco de memórias para a máquina de “pensamento” do cérebro. • Assim cada parte do sistema nervoso executa funções específicas. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 21. Neurofisiologia • Comparação do sistema nervoso com um computador eletrônico: • Todos os computadores possuem circuitos de entrada e circuitos de saída, comparáveis às partes sensorial e motora do sistema nervoso. • Nas vias de condução, situadas entre as entradas e saídas, estão localizadas estruturas envolvidas na execução de diferentes tipos de computações. • Em computadores simples, os sinais de saída são controlados diretamente pelos sinais de entrada, operando de modo semelhante ao dos reflexos simples da medula espinhal. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 22. Neurofisiologia • Em computadores mais complexos, a saída é determinada tanto pelos sinais de entrada como por informações já existentes, armazenadas em sua memória (isso é parecido aos reflexos mais complexos e aos mecanismos de processamento do sistema nervoso superior – cortical). • A unidade de processamento central (CPU), determina a sequência de todas as operações, ela é análoga ao mecanismo cerebral que nos possibilita dirigir nossa atenção primeiro para um pensamento, sensação ou atividade motora, depois para outro e assim por diante, até que a sequência completa de pensamento ou ações se desenvolva. Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia
  • 23. Neurofisiologia Aula 1: Capítulo 1 Neurofisiologia Energiasdomeioambiente Órgãosdossentidos 109 BIT/S Sub-sistema sensorial Reconhecimento de padrões 10² BIT/S Sub-sistema tratamento informação Tomada de decisão Interpretação Discriminação Sub-sistema de estocagem Memória de longo-termo Memória de curto-termo Membros Posturas Voz 107 BIT/S Sub-sistema resposta Respostasverbaisoumotoras Modelo antropocêntrico do ser humano em atividade de trabalho:
  • 24. GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, Elsevier Ed., 2006. ATLAS INTERATIVO DE ANATOMIA HUMANA. Artmed Editora. JUNQUEIRA, L. C. & CARNEIRO, J. Histologia Básica. 8ª Edição. Rio de Janeiro, Editora Guanabara Koogan. 1995. Pp. 100:108. Atlas de Fisiologia Humana de Netter. Autor: John T. Hansen e Bruce M. Koeppen – Editora Artmed, 2009. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A lição de anatomia do Dr. Deijmam – Rembrandt - 1656 Joris Fonteijn, um ladrão conhecido como “Black Jan”, condenado a morte em 27 de janeiro de 1656