SlideShare uma empresa Scribd logo

Brasil colônia 2º ano - economia inv.holandesa

1) O documento descreve a economia colonial brasileira, dominada pelo sistema de plantations e produção para exportação sob o monopólio comercial da metrópole. 2) Inclui detalhes sobre a sociedade açucareira, a escravidão e as invasões holandesas no nordeste. 3) A expulsão dos holandeses levou à crise do açúcar com a concorrência das Antilhas.

1 de 29
Baixar para ler offline
A ECONOMIA NA AMÉRICA
PORTUGUESA E O BRASIL
HOLÂNDES
BRASIL COLÔNIA
METRÓPOLE COLÔNIA
EXCLUSIVO COMERCIAL
produtos manufaturados
e escravos
Matérias
primas
Produtos agrícolas
Ouro
Prata
Produtos
tropicais
OBSERVAÇÕES:
1) o exclusivo comercial ou monopólio
metropolitano era o elemento
central, assegurando a subordinação da
economia colonial pela metrópole.
2) O sistema colonial proporcionava a ampliação da
acumulação primitiva de capitais nas mãos da
burguesia européia, consolidando o capitalismo
na Europa.
COLÔNIAS NO CONTEXTO
MERCANTILISTA
Enquanto colônia de exploração, o Brasil
reproduziu as seguintes características:
- subordinado pelo exclusivo comercial.
- voltado para as demandas do mercado
externo.
- predomínio do TRIPÉ DE SUSTENTAÇÃO:
LATIFÚNDIO MONOCULTURA
INDÍGENA
ESCRAVIDÃO
NEGRA
Escravidão indígena: mão de obra
nativa utilizada até meados do século
XVII, mais intensamente em São Vicente e
nas áreas não abastecidas pelo tráfico
negreiro.
Escravidão negra: ajustava-se às
demandas do mercantilismo e, através do
tráfico negreiro, favorecia a ampliação da
acumulação de capitais pela burguesia
européia.
OS PERÍODOS ECONÔMICOS
E SOCIAIS NO BRASIL
COLONIAL
O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI
/ XVII )
Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-de-
obra,mercado externo )
- Participação flamenga ou holandesa no
TRANSPORTE/ FINANCIAMENTO E
COMERCIALIZAÇÃO
- Agro-manufatura sustentada no tripé e voltada
para o mercado externo
- Pecuária: papel secundário ou subsidiário
- SOCIEDADE PATRIARCAL, MACHISTA E
ESCRAVOCRATA SOCIEDADE DO
ENGENHO.
Economia Açucareira
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
SOCIEDADE AÇUCAREIRA
 Senhores..
 Escravos.
 Patriarcalismo.
 Ruralismo.
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
 Sistema de Plantation:
Monocultura, produção em
grandes propriedades voltada
para o mercado externo.
 Utilização da mão-de-obra
escrava africana
 Os engenhos utilizavam a
tração animal, o que favoreceu
o desenvolvimento da
pecuária.
 A produção açucareira
desenvolveu-se nas capitanias
de Pernambuco e Bahia.
 Os holandeses tinham uma
parceria na distribuição e
refinaria do açúcar no mercado
europeu. Eles chegaram a
financiar, algumas vezes, a
produção, devido a alta
lucratividade do produto.
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
OUTROS PRODUTOS
Suporte para a lavoura canavieira.
GADO (exploração do
interior, couro, tração, carne, leite, pec
uária extensiva, trabalho livre).
FUMO (troca por escravos na África).
DROGAS DO SERTÃO: produtos
extraídos da floresta amazônica com
relativo valor na Europa, tais como
anil, guaraná, salsa, corantes, e
sobretudo o cacau.
Agricultura de subsistência.
UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES
HOLANDESAS
 União Ibérica (1580 – 1640):
 Período em que POR e ESP foram
governados pelos mesmos reis. POR
foi dominada pela ESP.
 D. Sebastião (POR) morre em 1578
sem deixar sucessores.
 D. Henrique, seu tio já idoso assume o
trono e falece em 1580, também sem
sucessores.
 Felipe II, rei da ESP invade o país e
impõe governo conjunto.
D. SEBASTIÃO
FELIPE II
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
 Acordo com nobreza portuguesa determina
manutenção de órgãos administrativos
portugueses nas colônias, portanto, internamente
não houve alterações no Brasil.
 Tratado de Tordesilhas começa a ser
ultrapassado.
 Inimigos da ESP na Europa invadem o BRA em
represália ao governo espanhol.
 HOL, um dos inimigos da ESP é impedida de
fazer comércio em qualquer possessão
espanhola.
 Comércio do açúcar no BRA que tinha
participação holandesa é atingido.
 Holandeses invadem o BRA tentando romper o
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
AS INVASÕES HOLANDESAS
(1624-1654)
 Tentativa de romper o
bloqueio econômico
imposto pelo governo
espanhol ao comércio do
açúcar.
 1624 – Invasão da BA
(fracasso).
 Criação da Companhia das
Índias Ocidentais –
empresa holandesa
responsável por viabilizar
recursos para invadir
novamente o Brasil.
Invasão na Bahia (1624-1625)
 Companhia das Índias
Ocidentais (W.I.C.)
+
 Banco de Amsterdã
 Invasão de Salvador (capital do
Brasil)
 Holandeses Calvinistas
X
Portugueses católicos
 D. Marcos Teixeira
P. Antônio Vieira
 1625: Expulsão dos
Holandeses
Padre Antônio Vieira
Invasão em Pernambuco (1630-1654)
Características da Administração
de Nassau:
 Convivência pacífica
 Auxílio financeiro aos Senhores de
Engenho
 Governador, Conselho
Público, Conselho Militar
 Parlamento consultivo
(Esculápios)
 Tolerância religiosa
 Higiene Pública e Pontes
 Construção de Hospitais
 Escolas e Incentivo a cultura
 Policultura
 Fim da administração de Nassau
(1644)
# Holanda em guerra com a
Inglaterra
# Fim da União Ibérica (D. João IV -
1640)
# Holanda cobra dívidas e aumenta
imposto junto aos senhores de
engenho
 Insurreição Pernambucana (1645-
1654): João Fernandes
Vieira
Gravura
neerlandesa
mostrand
o
o cerco a Olinda
em 1630
O Conde Maurício
de Nassau.
 Maurício de Nassau – governante
holandês responsável pelo controle de
PE e estabelecer um clima amistoso
com os brasileiros.
 Modernização e urbanização.
 Embelezamento de cidades (com a
vinda de artistas holandeses).
 Financiamento para donos de
engenho.
 Liberdade de culto.
 Demitido em 1644 pela CIA. das
Índias Ocidentais.
MAURÍCIO DE NASSAU
Invasão em Pernambuco (1630-1654)
Expulsão – Batalhas:
# Batalha de Guararapes (1648-1649)
# Campina da Taborda (1654)
 Paz de Haia (1661)
(Coroa Portuguesa paga dívida
dos senhores de engenho ao
governo holandês)
Conseqüências:
 Crise do Açúcar
(Concorrência das Antilhas)
 Busca de novo produto para
reorganizar a economia colonial
 Fuga de capitais
 Perda de Mercados
 RESULTADOS DA OCUPAÇÃO HOLANDESA
. Arquitetos, médicos, pintores, astrônomos e
teólogos vieram para a colônia.
. Criação de centros de estudos sobre
astronomia, zoologia e pesquisas sobre
doenças tropicais.
. O calvinismo foi declarado religião
oficial, embora fosse tolerada a prática
católica. Num segundo momento, as
comemorações religiosas católicas passaram
a ser permitidas somente em recintos
fechados.
. Urbanização de Recife
- Em 1640, com o fim da União Ibérica,
iniciaram-se os conflitos entre holandeses e a
população colonial.
- Em 1645, inicia-se a Insurreição
Pernambucana, a princípio envolvendo os
holandeses e a população colonial.
- Em 1654, as forças luso-pernambucanas
expulsaram os holandeses. A lavoura
canavieira entrou em decadência.
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa
 Insurreição Pernambucana (1645-1654): movimento
luso-brasileiro que expulsou os holandeses do BRASIL.
 Conseqüência da expulsão dos holandeses: início da
crise do ciclo do açúcar pois os holandeses ao saírem
do BRASIL instalam-se nas Antilhas (América
Central), produzindo lá um açúcar mais barato e de
melhor qualidade que o nosso.
AS ANTILHAS
Brasil colônia   2º ano - economia inv.holandesa

Recomendados

Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCreusa Lima
 
Brasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas ColoniaisBrasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas Coloniaiscarlosbidu
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptdmflores21
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)dmflores21
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaPortal do Vestibulando
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)Nefer19
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré ColonialAlê Maldonado
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasdmflores21
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesaJanayna Lira
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Privada
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 
O Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilO Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilFelipe de Souza
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano7 de Setembro
 
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.euricomarkes
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILIsabel Aguiar
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Isabela Espíndola
 

Mais procurados (20)

Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré Colonial
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
O Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilO Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do Brasil
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 

Destaque

Capítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesaCapítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesaVitor Ferreira
 
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaCapítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaVitor Ferreira
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão HolandesaPré Master
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...
Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...
Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...Luis Serra
 
05 União Ibérica - Damilson Santos
05 União Ibérica - Damilson Santos05 União Ibérica - Damilson Santos
05 União Ibérica - Damilson SantosDamilson Santos
 
Imagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmpImagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmpPéricles Penuel
 
Resumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandêsResumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandêsIzaac Erder
 
Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)
Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)
Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)Isaquel Silva
 
Holandeses no brasil
Holandeses no brasilHolandeses no brasil
Holandeses no brasilJonas
 
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonialProfessora Natália de Oliveira
 
Os ricos, os pobres e os emergentes
Os ricos, os pobres e os emergentesOs ricos, os pobres e os emergentes
Os ricos, os pobres e os emergentesFernanda Lopes
 
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteInfluência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteCarson Souza
 
colonização holandesa e entradas e bandeiras
colonização holandesa e entradas e bandeirascolonização holandesa e entradas e bandeiras
colonização holandesa e entradas e bandeirasEliphas Rodrigues
 

Destaque (20)

Capítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesaCapítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesa
 
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaCapítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
O brasil holandês
O brasil holandêsO brasil holandês
O brasil holandês
 
Economia do açucar
Economia do açucarEconomia do açucar
Economia do açucar
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...
Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...
Termos da Indústria canavieira do século XVIII na fala de agricultores de can...
 
05 União Ibérica - Damilson Santos
05 União Ibérica - Damilson Santos05 União Ibérica - Damilson Santos
05 União Ibérica - Damilson Santos
 
Imagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmpImagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmp
 
Resumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandêsResumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandês
 
Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)
Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)
Economia e Sociedade da América Portuguesa (Séculos XVI e XVII)
 
Holandeses no brasil
Holandeses no brasilHolandeses no brasil
Holandeses no brasil
 
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
 
Os ricos, os pobres e os emergentes
Os ricos, os pobres e os emergentesOs ricos, os pobres e os emergentes
Os ricos, os pobres e os emergentes
 
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteInfluência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
 
colonização holandesa e entradas e bandeiras
colonização holandesa e entradas e bandeirascolonização holandesa e entradas e bandeiras
colonização holandesa e entradas e bandeiras
 
2 brasil colônia ii
2  brasil colônia ii2  brasil colônia ii
2 brasil colônia ii
 

Semelhante a Brasil colônia 2º ano - economia inv.holandesa

Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colôniajoana71
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia datacursinhoembu
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasElton Zanoni
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completoPrivada
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xviprojrp
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaÓcio do Ofício
 
A economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptxA economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptxArianyMaria2
 
Capítulo 24 invasões holandesas
Capítulo 24    invasões holandesasCapítulo 24    invasões holandesas
Capítulo 24 invasões holandesasAuxiliadora
 
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoFelipe Vaitsman
 
Invasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilInvasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilThiago Leal
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalhelenacompleto
 
173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...
173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...
173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...cristianoperinpissolato
 
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandescristianoperinpissolato
 
3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completoKerol Brombal
 

Semelhante a Brasil colônia 2º ano - economia inv.holandesa (20)

Brasil Colônia II
Brasil Colônia IIBrasil Colônia II
Brasil Colônia II
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
 
cap20e21.ppt
cap20e21.pptcap20e21.ppt
cap20e21.ppt
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xvi
 
Brasil: Século XVI
Brasil: Século XVIBrasil: Século XVI
Brasil: Século XVI
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
 
A economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptxA economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptx
 
Capítulo 24 invasões holandesas
Capítulo 24    invasões holandesasCapítulo 24    invasões holandesas
Capítulo 24 invasões holandesas
 
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Invasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilInvasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no Brasil
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacional
 
.pptx
.pptx.pptx
.pptx
 
173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...
173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...
173 abcde brasil colonial 1640 1711 restauração portuguesa, expulsão dos hola...
 
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
 
3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo
 

Mais de Marilia Pimentel

1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américaMarilia Pimentel
 
1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempoMarilia Pimentel
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial Marilia Pimentel
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesaMarilia Pimentel
 
3 - As primeiras sociedades
3 -  As primeiras sociedades3 -  As primeiras sociedades
3 - As primeiras sociedadesMarilia Pimentel
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino MédioMarilia Pimentel
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasMarilia Pimentel
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Marilia Pimentel
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)Marilia Pimentel
 
História do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaHistória do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaMarilia Pimentel
 
História do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaHistória do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaMarilia Pimentel
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaMarilia Pimentel
 
Mundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMarilia Pimentel
 

Mais de Marilia Pimentel (20)

1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
 
1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempo
 
2 revolução russa
2  revolução russa2  revolução russa
2 revolução russa
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
2 iluminismo e despotismo
2   iluminismo e despotismo2   iluminismo e despotismo
2 iluminismo e despotismo
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
 
3 - As primeiras sociedades
3 -  As primeiras sociedades3 -  As primeiras sociedades
3 - As primeiras sociedades
 
2 origem humana
2   origem humana2   origem humana
2 origem humana
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era Vargas
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
História do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaHistória do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil Colônia
 
História do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaHistória do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil Colônia
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Mundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hoje
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 

Último

1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...azulassessoriaacadem3
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioIsabelPereira2010
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 

Último (20)

1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 

Brasil colônia 2º ano - economia inv.holandesa

  • 1. A ECONOMIA NA AMÉRICA PORTUGUESA E O BRASIL HOLÂNDES BRASIL COLÔNIA
  • 2. METRÓPOLE COLÔNIA EXCLUSIVO COMERCIAL produtos manufaturados e escravos Matérias primas Produtos agrícolas Ouro Prata Produtos tropicais
  • 3. OBSERVAÇÕES: 1) o exclusivo comercial ou monopólio metropolitano era o elemento central, assegurando a subordinação da economia colonial pela metrópole. 2) O sistema colonial proporcionava a ampliação da acumulação primitiva de capitais nas mãos da burguesia européia, consolidando o capitalismo na Europa.
  • 4. COLÔNIAS NO CONTEXTO MERCANTILISTA Enquanto colônia de exploração, o Brasil reproduziu as seguintes características: - subordinado pelo exclusivo comercial. - voltado para as demandas do mercado externo. - predomínio do TRIPÉ DE SUSTENTAÇÃO: LATIFÚNDIO MONOCULTURA INDÍGENA ESCRAVIDÃO NEGRA
  • 5. Escravidão indígena: mão de obra nativa utilizada até meados do século XVII, mais intensamente em São Vicente e nas áreas não abastecidas pelo tráfico negreiro. Escravidão negra: ajustava-se às demandas do mercantilismo e, através do tráfico negreiro, favorecia a ampliação da acumulação de capitais pela burguesia européia.
  • 6. OS PERÍODOS ECONÔMICOS E SOCIAIS NO BRASIL COLONIAL
  • 7. O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-de- obra,mercado externo ) - Participação flamenga ou holandesa no TRANSPORTE/ FINANCIAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO - Agro-manufatura sustentada no tripé e voltada para o mercado externo - Pecuária: papel secundário ou subsidiário - SOCIEDADE PATRIARCAL, MACHISTA E ESCRAVOCRATA SOCIEDADE DO ENGENHO.
  • 10. SOCIEDADE AÇUCAREIRA  Senhores..  Escravos.  Patriarcalismo.  Ruralismo.
  • 12.  Sistema de Plantation: Monocultura, produção em grandes propriedades voltada para o mercado externo.  Utilização da mão-de-obra escrava africana  Os engenhos utilizavam a tração animal, o que favoreceu o desenvolvimento da pecuária.  A produção açucareira desenvolveu-se nas capitanias de Pernambuco e Bahia.  Os holandeses tinham uma parceria na distribuição e refinaria do açúcar no mercado europeu. Eles chegaram a financiar, algumas vezes, a produção, devido a alta lucratividade do produto.
  • 15. OUTROS PRODUTOS Suporte para a lavoura canavieira. GADO (exploração do interior, couro, tração, carne, leite, pec uária extensiva, trabalho livre). FUMO (troca por escravos na África). DROGAS DO SERTÃO: produtos extraídos da floresta amazônica com relativo valor na Europa, tais como anil, guaraná, salsa, corantes, e sobretudo o cacau. Agricultura de subsistência.
  • 16. UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS  União Ibérica (1580 – 1640):  Período em que POR e ESP foram governados pelos mesmos reis. POR foi dominada pela ESP.  D. Sebastião (POR) morre em 1578 sem deixar sucessores.  D. Henrique, seu tio já idoso assume o trono e falece em 1580, também sem sucessores.  Felipe II, rei da ESP invade o país e impõe governo conjunto. D. SEBASTIÃO FELIPE II
  • 18.  Acordo com nobreza portuguesa determina manutenção de órgãos administrativos portugueses nas colônias, portanto, internamente não houve alterações no Brasil.  Tratado de Tordesilhas começa a ser ultrapassado.  Inimigos da ESP na Europa invadem o BRA em represália ao governo espanhol.  HOL, um dos inimigos da ESP é impedida de fazer comércio em qualquer possessão espanhola.  Comércio do açúcar no BRA que tinha participação holandesa é atingido.  Holandeses invadem o BRA tentando romper o
  • 20. AS INVASÕES HOLANDESAS (1624-1654)  Tentativa de romper o bloqueio econômico imposto pelo governo espanhol ao comércio do açúcar.  1624 – Invasão da BA (fracasso).  Criação da Companhia das Índias Ocidentais – empresa holandesa responsável por viabilizar recursos para invadir novamente o Brasil.
  • 21. Invasão na Bahia (1624-1625)  Companhia das Índias Ocidentais (W.I.C.) +  Banco de Amsterdã  Invasão de Salvador (capital do Brasil)  Holandeses Calvinistas X Portugueses católicos  D. Marcos Teixeira P. Antônio Vieira  1625: Expulsão dos Holandeses Padre Antônio Vieira
  • 22. Invasão em Pernambuco (1630-1654) Características da Administração de Nassau:  Convivência pacífica  Auxílio financeiro aos Senhores de Engenho  Governador, Conselho Público, Conselho Militar  Parlamento consultivo (Esculápios)  Tolerância religiosa  Higiene Pública e Pontes  Construção de Hospitais  Escolas e Incentivo a cultura  Policultura  Fim da administração de Nassau (1644) # Holanda em guerra com a Inglaterra # Fim da União Ibérica (D. João IV - 1640) # Holanda cobra dívidas e aumenta imposto junto aos senhores de engenho  Insurreição Pernambucana (1645- 1654): João Fernandes Vieira Gravura neerlandesa mostrand o o cerco a Olinda em 1630 O Conde Maurício de Nassau.
  • 23.  Maurício de Nassau – governante holandês responsável pelo controle de PE e estabelecer um clima amistoso com os brasileiros.  Modernização e urbanização.  Embelezamento de cidades (com a vinda de artistas holandeses).  Financiamento para donos de engenho.  Liberdade de culto.  Demitido em 1644 pela CIA. das Índias Ocidentais. MAURÍCIO DE NASSAU
  • 24. Invasão em Pernambuco (1630-1654) Expulsão – Batalhas: # Batalha de Guararapes (1648-1649) # Campina da Taborda (1654)  Paz de Haia (1661) (Coroa Portuguesa paga dívida dos senhores de engenho ao governo holandês) Conseqüências:  Crise do Açúcar (Concorrência das Antilhas)  Busca de novo produto para reorganizar a economia colonial  Fuga de capitais  Perda de Mercados
  • 25.  RESULTADOS DA OCUPAÇÃO HOLANDESA . Arquitetos, médicos, pintores, astrônomos e teólogos vieram para a colônia. . Criação de centros de estudos sobre astronomia, zoologia e pesquisas sobre doenças tropicais. . O calvinismo foi declarado religião oficial, embora fosse tolerada a prática católica. Num segundo momento, as comemorações religiosas católicas passaram a ser permitidas somente em recintos fechados.
  • 26. . Urbanização de Recife - Em 1640, com o fim da União Ibérica, iniciaram-se os conflitos entre holandeses e a população colonial. - Em 1645, inicia-se a Insurreição Pernambucana, a princípio envolvendo os holandeses e a população colonial. - Em 1654, as forças luso-pernambucanas expulsaram os holandeses. A lavoura canavieira entrou em decadência.
  • 28.  Insurreição Pernambucana (1645-1654): movimento luso-brasileiro que expulsou os holandeses do BRASIL.  Conseqüência da expulsão dos holandeses: início da crise do ciclo do açúcar pois os holandeses ao saírem do BRASIL instalam-se nas Antilhas (América Central), produzindo lá um açúcar mais barato e de melhor qualidade que o nosso. AS ANTILHAS