SlideShare uma empresa Scribd logo
Engenharia de Infraestrutura em
Instalações Portuárias
Engenharia de Infraestrutura em
Instalações Portuárias
Professor Anísio Meneses, MSc.
setembro / 2015
MACROFATORES INTERVENIENTES NO
DESEVOLVIMENTO VIA PORTO
ELOS DA CADEIRA LOGÍSTICA PORTUÁRIA
DE TRANSPORTE
Segundo a ANTAQ
(Agência Nacional de Transportes Aquaviários)
Infraestrutura Portuária: o conjunto de instalações
portuárias, de uso comum, colocadas à disposição dos
usuários, operadores portuários e arrendatárias de um porto
organizado, compreendendo: a estrutura de proteção e
acesso aquaviário, as vias de circulação interna, rodoviária e
ferroviária, bem como dutos e instalações de suprimento do
porto organizado.
Disponível em: http://www.portosdobrasil.gov.br/programas-e-
projetos/plano-nacional-de-logistica-portuaria/publicacoes/pnlp
Portos brasileiros vão demandar
R$ 43,6 bi até 2030
Esse montante é necessário para atender
ao expressivo aumento da movimentação
de cargas, que deverá praticamente
quadruplicar no período.
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Matriz de transporte no Brasil
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Porto
Denominação geral dada ao complexo composto por
vários terminais, equipamentos portuários,
fundeadouro, canal de acesso ao porto, vias de acesso
ferroviários, rodoviários e fluviais etc.
Keedi (2003)
Elo de importância na cadeia logística como terminal
multimodal.
Alfredini (2009)
Panorama portuário nacional
No Brasil, há portos suficientes.
O Brasil não precisa de mais portos, mas de liberdade
para que os portos e terminais se organizem de forma
eficiente para fazer frente às exportações com maior
produtividade nas suas operações.
Alfredini (2009)
O conceito atual de PORTO está ligado a:
ABRIGO
Para proteção da embarcação-tipo de ventos, ondas e correntes, de modo a oferecer
condições de acesso à costa (acostagem).
Para permitir a movimentação de cargas e passageiros, por meio de obras de
acostagem com pontos adequados de amarração para os cabos da embarcação.
PROFUNDIDADE E ACESSIBILIDADE
Lâmina de água compatível com as dimensões da embarcação-tipo (comprimento, boca
e calado) no canal de acesso, bacias portuárias (de espera ou evolução) e nos berços
de acostagem.
ÁREA DE RETROPORTO
Áreas terrestres próprias para movimentação de cargas (armazenagem / estocagem /
administração portuária) e passageiros.
O conceito atual de PORTO está ligado a:
ACESSOS AO HINTERLAND
Acessos terrestres (rodoviários, ferroviários, dutoviários), acessos aquaviários
(hidroviários) e aeroviários para prover eficientemente a chegada ou retirada de cargas
e passageiros no porto.
INFOVIA
Para o controle das operações
IMPACTO AMBIENTAL
As implicações ao meio físico e biológico adjacentes devem ser cuidadosamente
avaliadas, juntamente com os impactos socioeconômicos.
Fatores para a definição da localização das obras portuárias:
Econômicos
- mercados
- rotas
Políticos e desenvolvimentistas
Segurança nacional
Técnicos
- logísticos (multimodais de transportes)
- ambientais
- comportamento hidráulico
- costeiro e estuarino
- embarcação-tipo
- natureza da carga
- porto fluvial / porto marítimo
Escolha de local para o porto
Porto de Angra dos Reis (RJ)
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Porto de Salvador
Complexo estuário de Paranaguá (PR)
proteção estuarina (encravada no litoral)
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Sítio ideal para locação de um porto
Onde se encontra uma enseada abrigada, com
acesso amplo e com profundidade de água suficiente
para a aproximação das embarcações previstas, sem
obras adicionais de abrigo, dragagem ou
derrocagem.
Na situação real, o local escolhido pode oferecer
boas condições naturais de abrigo ou exigir obras
especiais de defesa.
Sítio ideal para locação de um porto
A escolha de um porto também é determinada por
imposições relativas às condições do ‘lado terra’,
como a existência de infraestrutura viária, rodoviária
e ferroviária, infraestrutura (ou vocação) industrial e
de produção, podendo ensejar condições de
implantação mais fáceis ou mais dificultosas.
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Etapas dos estudos que antecedem a
implantação de um porto
1º) ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ESCOAMENTO
DE CARGAS
2º) ESTUDO DAS CONDIÇÕES LOCAIS
3º) ESTUDOS DE VIABILIDADE
4º) PROJETO BÁSICO
5º) PROJETO EXECUTIVO
No arranjo geral dos portos, normalmente se podem distinguir
três partes componentes: o canal de acesso, o anteporto e o
porto propriamente dito, com sua bacia de evolução e
instalações de acostagem.
O canal de acesso liga as profundidades existentes em alto mar
às profundidades dos berços de atracação dos portos, permitindo
a entrada dos navios nas instalações aquaviárias dos portos.
O anteporto é área marítima onde os navios fundeiam quando
entram no porto, aguardando a permissão para atracação.
O porto é onde se encontram as instalações de acostagem dos
navios, próximo às quais se estende a bacia de evolução das
embarcações que atracam no porto.
CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS
Portos naturais
Portos artificiais
As condições naturais já são compatíveis com a embarcação-tipo.
As obras de melhoramento ligadas a abrigo e acessos às obras
de acostagem são inexistentes ou de custo reduzido.
Portos estuarinos com canais de barra de boa estabilidade.
As estruturas de acostagem são providas por obras de
melhoramento de abrigo e acesso para a embarcação-tipo.
CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS
Portos exteriores
Portos interiores
Situados diretamente na costa.
Podem ser: salientes à costa (ganhos à água; implantados em
aterros que avançam sobre o mar) ou encravados em terra
(ganhos à terra; compostos por escavações formando dársenas,
píeres, canais e bacias).
Estuarinos, lagunares ou no interior de deltas.
Portos ao largo
Ao largo da zona de arrebentação. Distantes da costa.
Podem dispensar as obras de abrigo
Portos de carga geral
Portos especializados
Movimentam carga geral, acondicionada em qualquer tipo de
invólucro (sacaria, fardos, barris, caixas, bobinas etc.) em
pequenas quantidades.
Em princípio, qualquer carga pode ser movimentada, porém há um
tendência geral de unitização dessas carga em contêineres.
Movimentam predominantemente determinados tipos de cargas
(de exportação ou de internação).
Granéis sólidos ou líquidos (cargas sem embalagem, como os
minérios).
Contêineres, pesqueiros, de lazer (marinas), militares (bases navais)
etc.
CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS
OBRAS DE MELHORAMENTO DOS PORTOS
Obras externas
Obras internas
Estão sujeitas às ondas e correntes.
Obras de abrigo (molhes, quebra-mares, espigões)
Melhoria das condições de acesso (guias-correntes)
Canais de acesso e bacias (espera e evolução)
Implantadas em áreas abrigadas.
Obras de acostagem, estruturas para o equipamento de movimentação
de carga, retroporto (áreas de estocagem, vias e pátios
rodoferroviários, oficinas, docas secas e estaleiros).
etc.
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
PRINCIPAIS OBRAS PORTUÁRIAS
Arranjo geral portuário
ARRANJO GERAL TÍPICO DE UM TERMINAL DE CONTÊINER
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Infraestrutura portuária
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Infraestrutura portuária
- Estruturas de atracação (cais)
- Canal de acesso e bacia de evolução
- Elementos de defesa costeira e tranquilização
da bacia portuária
- Acessos rodoviários e ferroviários
- Zona de retroporto
Infraestrutura portuária
Estruturas de atracação (cais)
-Estruturas de suporte para equipamentos (plataforma
portuária)
- Estruturas de acostamento (paramento)
- Elementos de proteção contra choques (defensas)
- Elementos de fixação dos navios (cabeços de amarração;
gancho desengate rápido)
Infraestrutura portuária
Canal de acesso e bacia de evolução
Normalmente, composta por canal dragado e bacia de
evolução dragada (raio que depende das condições locais e da
embarcação-tipo)
Para canais e bacias abrigados das ondas, é prática
comum estabelecer um mínimo de 1,10 para a
relação profundidade/calado.
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Impulsionado por dois motores MAN com uma potência de 32 MW cada, o navio tem capacidade para levar
11% mais carga que o maior navio do mundo em operação atualmente. De acordo com a Maersk, o novo
cargueiro consumirá 35% menos combustível por contêiner do que a frota atual da companhia.
A empresa terá que operar seu primeiro navio Triple-E com uma média de 14 mil contêineres inicialmente,
bem abaixo da capacidade máxima de 18 mil, já que os guindastes dos portos não são altos o suficiente para
os contêineres adicionais.
O primeiro carregamento de contêineres se deu em meados deste ano, em Busan, na Coreia do Sul, com
destino à Europa via Cingapura.
A empresa dinamarquesa Maersk Line recebeu recentemente o maior navio porta-contêineres
do mundo. Construído pela sul-coreana DSME (Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering), o
Maersk Mc-Kinney Møller tem 400 metros de comprimento e 59 metros de largura. Esse é o
primeiro navio de carga de classe Triple-E operado pela empresa, e está avaliado em
aproximadamente US$ 185 milhões.
Classe Triple E se refere aos navios que
contemplam os 3 principais atributos: economia,
eficiência e menor impacto ambiental (Economy of
scale, Energy efficiency e Environmentally
improved).
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Infraestrutura portuária
Elementos de defesa costeira e tranquilização da
bacia portuária
 Para desviar as correntes marítimas e reduzir o
impacto das ondas e ventos na bacia portuária
- molhes
- diques
- espigões
- quebra-mares aderentes (enrocamentos ou paredões)
- quebra-mares destacados (quebra-mar destacado)
Cais portuário
Condições de abrigo em bacias portuárias
Cais portuário
Solução em off-shore
Cais portuário
Solução estuarina
Infraestrutura portuária
Enrocamentos ou paredões: grande quantidade
de pedra (ou enormes blocos) dispostos
paralelamente à costa.
Quebra-mares (obras longitudinais não
aderente): muros dispostos no mar
paralelamente à costa.
Provocam deflexão da energia das ondas.
Infraestrutura portuária
Acessos rodoviários e ferroviários
- rodovias ou avenidas de acesso largas e bem pavimentadas
- vias férreas conectando ao ‘hinterland’ (interior)
Infraestrutura portuária
Zona de retroporto
- Armazéns de importação
- Armazéns de exportação
- Estação de passageiros
- Administração
- Alfândega
- Guarda portuária
- Guarnição de bombeiros
- Almoxarifado
RETROPORTO
Cais portuário
Estrutura contínua
Cais portuário
Estrutura vazada com dois lados acostáveis
Cais portuário
Estrutura discreta (píer)
Cais portuário
Carregadores deslizantes
Estrutura discreta de acostagem
ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM
DE PARAMENTO ABERTO
Com estacas verticais e estrutura atirantada
ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM
DE PARAMENTO ABERTO
Com estrutura de estacas verticais e inclinadas
ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM DE PARAMENTO
ABERTO
Com estrutura de estacas inclinadas
ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM
DE PARAMENTO ABERTO
Com estrutura de estacas inclinadas
ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM
DE PARAMENTO FECHADO
Com estrutura atirantada
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
DEFENSA ‘Bridgestone’
borracha para-choque
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
CABEÇO DE AMARRAÇÃO
GANCHO DE DESENGATE RÁPIDO PARA AMARRAÇÃO
DA EMBARCAÇÃO
OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
- Os requisitos funcionais das embarcações, da
movimentação de carga e do armazenamento
devem estar compatíveis com o peso, a
distribuição de carga, a dimensão e a
capacidade de manobra do equipamento de
movimentação de carga.
OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
- O peso, a distribuição de carga, a dimensão e a
capacidade de manobra do equipamento de
movimentação de carga influenciam o arranjo e
projetos de estruturas, fundações e pavimentos.
OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
- As instalações fixas influenciam na escolha do
equipamento de movimentação de carga, e a
unitização da carga influi na escolha do
equipamento de movimentação e nas
instalações de armazenamento.
OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
- Arranjo e projeto das instalações fixas
 Múltiplas finalidades do equipamentos
 Maior flexibilidade possível nos sistemas de
movimentação de carga e instalações de
armazenamento
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Portos brasileiros
"É difícil dizer o que é prioridade na infraestrutura do Brasil, mas o
setor portuário é o que está mais atrasado no país. São muitos os
gargalos: acessibilidade, mão de obra e "uma confusão
regulatória que não se entende”” Carlo Bottarelli, presidente da
Triunfo, empresa de logística que atua no setor há quase 30 anos.
"Só vamos dar o salto de infraestrutura se houver uma melhora
na regulação. As agências reguladoras estão mais fracas, sem a
excelência técnica necessária para dar validade às suas ações” –
Gesner Oliveira, ex-presidente do CADE.
"Não dá para ter portos de primeiro mundo com as rodovias e
ferrovias que o Brasil tem hoje. Só dá para ter portos modernos
se houver intermodalidade, se o acesso e o escoamento forem
bons. Se não, você pode ter investimentos importantes em
complexos portuários perdidos“ – Gesner Oliveira.
Com uma costa de 8,5 mil quilômetros navegáveis, o
complexo portuário brasileiro movimentou, em 2013,
931 milhões de toneladas de carga bruta, apresentando
um crescimento de 2,9% em relação a 2012. Sozinho, o
setor portuário é responsável por mais de 90% das
exportações do País.
Dessa movimentação, 338 milhões de toneladas (36%)
foram realizadas pelos Portos Organizados e 593
milhões (64%) pelos Terminais de Uso Privado (TUPs).
Fonte:http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/sistema-portuario-nacional
(acesso em 21/1/2015)
NO BRASIL
Há 34 portos públicos, sendo 16 delegados a estados
ou municípios e 18 marítimos são administrados
diretamente pelas Companhias Docas, sociedades de
economia mista, que têm como acionista majoritário o
Governo Federal e, portanto, estão diretamente
vinculadas à Secretaria de Portos.
O único porto fluvial anteriormente considerado - o Porto
fluvial de Estrela-RS - não mais integra o rol
mencionado como também o Porto de Laguna,
atualmente vinculado à Codesp.
Não existem portos fluviais sob gestão da SEP.
Fonte:http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/sistema-portuario-nacional (acesso em
21/1/2015)
COMPANHIAS DOCAS
Companhia Docas do Pará (CDP)
- Portos de Belém, Santarém, Vila do Conde, Altamira, Itaituba e Óbidos, além do Terminal
Portuário do Outeiro e Terminal de Miramar
Companhia Docas do Ceará (CDC)
- Porto de Fortaleza
Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern)
- Portos de Natal e Maceió (*), além do Terminal Salineiro de Areia Branca
*Porto delegado à Codern
Companhia Docas do Estado da Bahia (Codeba)
- Portos de Salvador, Ilhéus e Aratu
Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa)
- Portos de Vitória e Barra do Riacho e Capuaba
Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ)
- Portos do Rio de Janeiro, Niterói, Angra dos Reis e Itaguaí
Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp)
- Porto de Santos e Porto de Laguna.
Fonte:http://www.portosd
obrasil.gov.br/assuntos-
1/sistema-portuario-
nacional (acesso em
21/1/2015)
Fonte:http://www.portosd
obrasil.gov.br/assuntos-
1/sistema-portuario-
nacional (acesso em
21/1/2015)
A Constituição concebe o serviço portuário
como um serviço público de titularidade da
União, que poderá-deverá explorá-lo direta ou
indiretamente.
(Art. 21 da CF/1988: Compete à União explorar,
diretamente ou mediante autorização,
concessão ou permissão, os portos marítimos,
fluviais e lacustres)
Pela definição dada pela Lei nº 8.630/93:
O construído e aparelhado para atender às necessidades da navegação, da
movimentação de passageiros ou da movimentação e armazenagem de
mercadorias, concedido ou explorado pela União, cujo tráfego e operações
portuárias estejam sob a jurisdição de uma autoridade portuária.
Porto organizado
Pela definição dada pela Lei nº 12.815/2013:
Bem público construído e aparelhado para atender a necessidades de
navegação, de movimentação de passageiros ou de movimentação e
armazenagem de mercadorias, e cujo tráfego e operações portuárias estejam
sob jurisdição de autoridade portuária.
A Administração do Porto é exercida diretamente pela União ou pela entidade concessionária do porto organizado
A administração do porto é exercida diretamente pela União, pela delegatária ou pela entidade concessionária do
porto organizado
Lei nº 12.815/2013
Art. 65. Ficam transferidas à Secretaria de Portos da
Presidência da República as competências atribuídas
ao Ministério dos Transportes e ao Departamento
Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT em leis
gerais e específicas relativas a portos fluviais e
lacustres, exceto as competências relativas a
instalações portuárias públicas de pequeno porte.
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Movimentação de cargas em
portos e TUPs no Brasil – histórico
Fonte: Anuário Estatístico da ANTAQ
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
Obras de defesa dos litorais
FORMAÇÕES COSTEIRAS
Equilíbrio dinâmico de Sedimentos - Movimentos transversais
Obras de defesa costeira
ESPIGÃO
Obras de defesa costeira
ESPIGÃO
Campo de espigões, em Olinda (PE)
Obras de defesa costeira
ESPIGÃO
Obras de defesa costeira
ESPIGÃO
Obras de abrigo portuário
MOLHE
Localização: Aracruz – ES
PORTOCEL (Porto de Celulose)
Obras de abrigo portuário
MOLHE (executado com enrocamento – de pedras naturais)
Obras de abrigo portuário
MOLHE (executado com tetrápodes)
Obras de abrigo portuário
MOLHE
Localização: Aracruz – ES
PORTOCEL (Porto de Celulose)
Obras de abrigo portuário
MOLHES
Obras de abrigo portuário
Obras de abrigo portuário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosFluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostos
Valdineilao Lao
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
warier96
 
Modal hidroviário
Modal hidroviárioModal hidroviário
Modal hidroviário
Rafael Pozzobon
 
Procedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargasProcedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargas
Edson Vando Souza
 
incoterms
incotermsincoterms
incoterms
ABRACOMEX
 
05 aula logística do petróleo
05 aula logística do petróleo05 aula logística do petróleo
05 aula logística do petróleo
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 mec fluidos 2012 05
Aula 09   mec fluidos 2012 05Aula 09   mec fluidos 2012 05
Aula 09 mec fluidos 2012 05
Gilson Braga
 
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragemOrientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
iicabrasil
 
Engenharia Portuária
Engenharia PortuáriaEngenharia Portuária
Engenharia Portuária
Francisco Ângelo
 
Transporte de Petróleo e Gás
Transporte de Petróleo e GásTransporte de Petróleo e Gás
Fundações 01
Fundações 01Fundações 01
Fundações 01
dmr2403
 
Trasfega de líquidos inflamáveis
Trasfega de líquidos  inflamáveisTrasfega de líquidos  inflamáveis
Trasfega de líquidos inflamáveis
Hacker32
 
Logistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - SlidesLogistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - Slides
Willian dos Santos Abreu
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
Willian De Sá
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
Lucas Sant'ana
 
ANTAQ
ANTAQANTAQ
Gestão de Armazens
Gestão de ArmazensGestão de Armazens
Gestão de Armazens
guestbdad729
 
LOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviário
LOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviárioLOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviário
LOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviário
Professor Sérgio Duarte
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
fernando correa
 
Transporte de produtos perigosos 1
Transporte de produtos perigosos 1Transporte de produtos perigosos 1
Transporte de produtos perigosos 1
Jupira Silva
 

Mais procurados (20)

Fluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosFluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostos
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
 
Modal hidroviário
Modal hidroviárioModal hidroviário
Modal hidroviário
 
Procedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargasProcedimento movimentacao cargas
Procedimento movimentacao cargas
 
incoterms
incotermsincoterms
incoterms
 
05 aula logística do petróleo
05 aula logística do petróleo05 aula logística do petróleo
05 aula logística do petróleo
 
Aula 09 mec fluidos 2012 05
Aula 09   mec fluidos 2012 05Aula 09   mec fluidos 2012 05
Aula 09 mec fluidos 2012 05
 
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragemOrientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
 
Engenharia Portuária
Engenharia PortuáriaEngenharia Portuária
Engenharia Portuária
 
Transporte de Petróleo e Gás
Transporte de Petróleo e GásTransporte de Petróleo e Gás
Transporte de Petróleo e Gás
 
Fundações 01
Fundações 01Fundações 01
Fundações 01
 
Trasfega de líquidos inflamáveis
Trasfega de líquidos  inflamáveisTrasfega de líquidos  inflamáveis
Trasfega de líquidos inflamáveis
 
Logistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - SlidesLogistica de Transportes - Slides
Logistica de Transportes - Slides
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
ANTAQ
ANTAQANTAQ
ANTAQ
 
Gestão de Armazens
Gestão de ArmazensGestão de Armazens
Gestão de Armazens
 
LOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviário
LOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviárioLOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviário
LOGÍSTICA O custeio do transporte rodoviário
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
 
Transporte de produtos perigosos 1
Transporte de produtos perigosos 1Transporte de produtos perigosos 1
Transporte de produtos perigosos 1
 

Semelhante a infraestrutura-portuaria_compress.pdf

Organização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.pptOrganização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.ppt
LeonardoAzevedo732389
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
Cláudio Carneiro
 
Anexo 43 mm rima-bamim_ago2009
Anexo 43   mm rima-bamim_ago2009Anexo 43   mm rima-bamim_ago2009
Anexo 43 mm rima-bamim_ago2009
Emilio Gusmão
 
Portos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidadesPortos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidades
Feliciana Monteiro
 
Dicionario portuario
Dicionario portuarioDicionario portuario
Dicionario portuario
jccamorim
 
Dicionario2011
Dicionario2011Dicionario2011
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo InternacionalConceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
ABRACOMEX
 
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
aplop
 
PARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptxPARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptx
silviodatorre1
 
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
aplop
 
Sines Logística Pedra Natural
Sines   Logística Pedra NaturalSines   Logística Pedra Natural
Artigo supply boats
Artigo supply boatsArtigo supply boats
Artigo supply boats
Jean Carlo Viterbo
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
Idalina Leite
 
Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivoPlano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
portodeaveiro
 
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
FaustinoGonalves
 
Transporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosasTransporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosas
Juarez dos Santos
 
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilVantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Carlos Benkendorf
 
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.pptPosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
AmadeuRocha6
 
Seminario porto 2
Seminario porto 2Seminario porto 2
Seminario porto 2
Felipe Silva
 

Semelhante a infraestrutura-portuaria_compress.pdf (20)

Organização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.pptOrganização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.ppt
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
 
Anexo 43 mm rima-bamim_ago2009
Anexo 43   mm rima-bamim_ago2009Anexo 43   mm rima-bamim_ago2009
Anexo 43 mm rima-bamim_ago2009
 
Portos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidadesPortos secos, desafios e potencialidades
Portos secos, desafios e potencialidades
 
Dicionario portuario
Dicionario portuarioDicionario portuario
Dicionario portuario
 
Dicionario2011
Dicionario2011Dicionario2011
Dicionario2011
 
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo InternacionalConceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
Conceitos e oportunidade no Transporte Marítimo Internacional
 
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
 
PARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptxPARTE 3 2023.pptx
PARTE 3 2023.pptx
 
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
 
Sines Logística Pedra Natural
Sines   Logística Pedra NaturalSines   Logística Pedra Natural
Sines Logística Pedra Natural
 
Artigo supply boats
Artigo supply boatsArtigo supply boats
Artigo supply boats
 
Mobilidade e Redes de Transportes
 Mobilidade e Redes de Transportes Mobilidade e Redes de Transportes
Mobilidade e Redes de Transportes
 
Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivoPlano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
Plano Estratégico do Porto de Aveiro – Sumário executivo
 
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
20230720 - Faustino Goncalves - plano estrategico final.pptx
 
Transporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosasTransporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosas
 
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilVantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
 
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.pptPosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
PosGraduaçao_Direito de Agua1_Junho 2012.ppt
 
Seminario porto 2
Seminario porto 2Seminario porto 2
Seminario porto 2
 

Mais de Marcos Boaventura

Estatistica_______________Inferencial.pdf
Estatistica_______________Inferencial.pdfEstatistica_______________Inferencial.pdf
Estatistica_______________Inferencial.pdf
Marcos Boaventura
 
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
Marcos Boaventura
 
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdf
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdfANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdf
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdf
Marcos Boaventura
 
5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf
5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf
5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf
Marcos Boaventura
 
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdf
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdfTipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdf
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdf
Marcos Boaventura
 
518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf
518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf
518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf
Marcos Boaventura
 
Armazenagem de Carga nos Portos - 3.pptx
Armazenagem de Carga nos Portos - 3.pptxArmazenagem de Carga nos Portos - 3.pptx
Armazenagem de Carga nos Portos - 3.pptx
Marcos Boaventura
 
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.ppt
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pptTipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.ppt
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.ppt
Marcos Boaventura
 
Aula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.ppt
Aula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.pptAula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.ppt
Aula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.ppt
Marcos Boaventura
 
540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx
540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx
540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx
Marcos Boaventura
 
6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt
6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt
6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt
Marcos Boaventura
 
5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt
5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt
5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt
Marcos Boaventura
 
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docxATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
Marcos Boaventura
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
Marcos Boaventura
 
6-teoria-de-filas-ppt.ppt
6-teoria-de-filas-ppt.ppt6-teoria-de-filas-ppt.ppt
6-teoria-de-filas-ppt.ppt
Marcos Boaventura
 
Diagramas de processo.pdf
Diagramas de processo.pdfDiagramas de processo.pdf
Diagramas de processo.pdf
Marcos Boaventura
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
Marcos Boaventura
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
Marcos Boaventura
 
AULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptx
AULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptxAULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptx
AULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptx
Marcos Boaventura
 
Linear Process Diagram by Slidesgo.pptx
Linear Process Diagram by Slidesgo.pptxLinear Process Diagram by Slidesgo.pptx
Linear Process Diagram by Slidesgo.pptx
Marcos Boaventura
 

Mais de Marcos Boaventura (20)

Estatistica_______________Inferencial.pdf
Estatistica_______________Inferencial.pdfEstatistica_______________Inferencial.pdf
Estatistica_______________Inferencial.pdf
 
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
686343010-PLANEJAMENTO-OPERACIONAL-PORTUARIO.pdf
 
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdf
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdfANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdf
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA EM TERMINAIS.pdf
 
5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf
5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf
5486262-Terminales de carga seca a granel.pdf
 
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdf
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdfTipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdf
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pdf
 
518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf
518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf
518516521512562- portos-aula-4_compress.pdf
 
Armazenagem de Carga nos Portos - 3.pptx
Armazenagem de Carga nos Portos - 3.pptxArmazenagem de Carga nos Portos - 3.pptx
Armazenagem de Carga nos Portos - 3.pptx
 
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.ppt
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.pptTipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.ppt
Tipos de Cargas - Conhecendo suas Características e Classificações.ppt
 
Aula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.ppt
Aula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.pptAula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.ppt
Aula 5 - Transporte Hidroviário ou Aquaviário.ppt
 
540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx
540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx
540203410-s09-s9-Material-Port-Terminals-and-Cargo-Operations-1.pptx
 
6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt
6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt
6565165455566666665161-PORT-OPERATIONS.ppt
 
5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt
5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt
5245365485445633558 - Marketing Portuario.ppt
 
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docxATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
 
6-teoria-de-filas-ppt.ppt
6-teoria-de-filas-ppt.ppt6-teoria-de-filas-ppt.ppt
6-teoria-de-filas-ppt.ppt
 
Diagramas de processo.pdf
Diagramas de processo.pdfDiagramas de processo.pdf
Diagramas de processo.pdf
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
 
AULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptx
AULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptxAULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptx
AULA-11-REGRESSAO-LINEAR-pptx.pptx
 
Linear Process Diagram by Slidesgo.pptx
Linear Process Diagram by Slidesgo.pptxLinear Process Diagram by Slidesgo.pptx
Linear Process Diagram by Slidesgo.pptx
 

infraestrutura-portuaria_compress.pdf

  • 1. Engenharia de Infraestrutura em Instalações Portuárias
  • 2. Engenharia de Infraestrutura em Instalações Portuárias Professor Anísio Meneses, MSc. setembro / 2015
  • 4. ELOS DA CADEIRA LOGÍSTICA PORTUÁRIA DE TRANSPORTE
  • 5. Segundo a ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) Infraestrutura Portuária: o conjunto de instalações portuárias, de uso comum, colocadas à disposição dos usuários, operadores portuários e arrendatárias de um porto organizado, compreendendo: a estrutura de proteção e acesso aquaviário, as vias de circulação interna, rodoviária e ferroviária, bem como dutos e instalações de suprimento do porto organizado.
  • 7. Portos brasileiros vão demandar R$ 43,6 bi até 2030 Esse montante é necessário para atender ao expressivo aumento da movimentação de cargas, que deverá praticamente quadruplicar no período.
  • 10. Matriz de transporte no Brasil
  • 14. Porto Denominação geral dada ao complexo composto por vários terminais, equipamentos portuários, fundeadouro, canal de acesso ao porto, vias de acesso ferroviários, rodoviários e fluviais etc. Keedi (2003) Elo de importância na cadeia logística como terminal multimodal. Alfredini (2009)
  • 15. Panorama portuário nacional No Brasil, há portos suficientes. O Brasil não precisa de mais portos, mas de liberdade para que os portos e terminais se organizem de forma eficiente para fazer frente às exportações com maior produtividade nas suas operações. Alfredini (2009)
  • 16. O conceito atual de PORTO está ligado a: ABRIGO Para proteção da embarcação-tipo de ventos, ondas e correntes, de modo a oferecer condições de acesso à costa (acostagem). Para permitir a movimentação de cargas e passageiros, por meio de obras de acostagem com pontos adequados de amarração para os cabos da embarcação. PROFUNDIDADE E ACESSIBILIDADE Lâmina de água compatível com as dimensões da embarcação-tipo (comprimento, boca e calado) no canal de acesso, bacias portuárias (de espera ou evolução) e nos berços de acostagem. ÁREA DE RETROPORTO Áreas terrestres próprias para movimentação de cargas (armazenagem / estocagem / administração portuária) e passageiros.
  • 17. O conceito atual de PORTO está ligado a: ACESSOS AO HINTERLAND Acessos terrestres (rodoviários, ferroviários, dutoviários), acessos aquaviários (hidroviários) e aeroviários para prover eficientemente a chegada ou retirada de cargas e passageiros no porto. INFOVIA Para o controle das operações IMPACTO AMBIENTAL As implicações ao meio físico e biológico adjacentes devem ser cuidadosamente avaliadas, juntamente com os impactos socioeconômicos.
  • 18. Fatores para a definição da localização das obras portuárias: Econômicos - mercados - rotas Políticos e desenvolvimentistas Segurança nacional Técnicos - logísticos (multimodais de transportes) - ambientais - comportamento hidráulico - costeiro e estuarino - embarcação-tipo - natureza da carga - porto fluvial / porto marítimo
  • 19. Escolha de local para o porto Porto de Angra dos Reis (RJ)
  • 22. Complexo estuário de Paranaguá (PR) proteção estuarina (encravada no litoral)
  • 25. Sítio ideal para locação de um porto Onde se encontra uma enseada abrigada, com acesso amplo e com profundidade de água suficiente para a aproximação das embarcações previstas, sem obras adicionais de abrigo, dragagem ou derrocagem. Na situação real, o local escolhido pode oferecer boas condições naturais de abrigo ou exigir obras especiais de defesa.
  • 26. Sítio ideal para locação de um porto A escolha de um porto também é determinada por imposições relativas às condições do ‘lado terra’, como a existência de infraestrutura viária, rodoviária e ferroviária, infraestrutura (ou vocação) industrial e de produção, podendo ensejar condições de implantação mais fáceis ou mais dificultosas.
  • 28. Etapas dos estudos que antecedem a implantação de um porto 1º) ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ESCOAMENTO DE CARGAS 2º) ESTUDO DAS CONDIÇÕES LOCAIS 3º) ESTUDOS DE VIABILIDADE 4º) PROJETO BÁSICO 5º) PROJETO EXECUTIVO
  • 29. No arranjo geral dos portos, normalmente se podem distinguir três partes componentes: o canal de acesso, o anteporto e o porto propriamente dito, com sua bacia de evolução e instalações de acostagem. O canal de acesso liga as profundidades existentes em alto mar às profundidades dos berços de atracação dos portos, permitindo a entrada dos navios nas instalações aquaviárias dos portos. O anteporto é área marítima onde os navios fundeiam quando entram no porto, aguardando a permissão para atracação. O porto é onde se encontram as instalações de acostagem dos navios, próximo às quais se estende a bacia de evolução das embarcações que atracam no porto.
  • 30. CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS Portos naturais Portos artificiais As condições naturais já são compatíveis com a embarcação-tipo. As obras de melhoramento ligadas a abrigo e acessos às obras de acostagem são inexistentes ou de custo reduzido. Portos estuarinos com canais de barra de boa estabilidade. As estruturas de acostagem são providas por obras de melhoramento de abrigo e acesso para a embarcação-tipo.
  • 31. CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS Portos exteriores Portos interiores Situados diretamente na costa. Podem ser: salientes à costa (ganhos à água; implantados em aterros que avançam sobre o mar) ou encravados em terra (ganhos à terra; compostos por escavações formando dársenas, píeres, canais e bacias). Estuarinos, lagunares ou no interior de deltas. Portos ao largo Ao largo da zona de arrebentação. Distantes da costa. Podem dispensar as obras de abrigo
  • 32. Portos de carga geral Portos especializados Movimentam carga geral, acondicionada em qualquer tipo de invólucro (sacaria, fardos, barris, caixas, bobinas etc.) em pequenas quantidades. Em princípio, qualquer carga pode ser movimentada, porém há um tendência geral de unitização dessas carga em contêineres. Movimentam predominantemente determinados tipos de cargas (de exportação ou de internação). Granéis sólidos ou líquidos (cargas sem embalagem, como os minérios). Contêineres, pesqueiros, de lazer (marinas), militares (bases navais) etc. CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS
  • 33. OBRAS DE MELHORAMENTO DOS PORTOS Obras externas Obras internas Estão sujeitas às ondas e correntes. Obras de abrigo (molhes, quebra-mares, espigões) Melhoria das condições de acesso (guias-correntes) Canais de acesso e bacias (espera e evolução) Implantadas em áreas abrigadas. Obras de acostagem, estruturas para o equipamento de movimentação de carga, retroporto (áreas de estocagem, vias e pátios rodoferroviários, oficinas, docas secas e estaleiros). etc.
  • 42. ARRANJO GERAL TÍPICO DE UM TERMINAL DE CONTÊINER
  • 49. Infraestrutura portuária - Estruturas de atracação (cais) - Canal de acesso e bacia de evolução - Elementos de defesa costeira e tranquilização da bacia portuária - Acessos rodoviários e ferroviários - Zona de retroporto
  • 50. Infraestrutura portuária Estruturas de atracação (cais) -Estruturas de suporte para equipamentos (plataforma portuária) - Estruturas de acostamento (paramento) - Elementos de proteção contra choques (defensas) - Elementos de fixação dos navios (cabeços de amarração; gancho desengate rápido)
  • 51. Infraestrutura portuária Canal de acesso e bacia de evolução Normalmente, composta por canal dragado e bacia de evolução dragada (raio que depende das condições locais e da embarcação-tipo) Para canais e bacias abrigados das ondas, é prática comum estabelecer um mínimo de 1,10 para a relação profundidade/calado.
  • 55. Impulsionado por dois motores MAN com uma potência de 32 MW cada, o navio tem capacidade para levar 11% mais carga que o maior navio do mundo em operação atualmente. De acordo com a Maersk, o novo cargueiro consumirá 35% menos combustível por contêiner do que a frota atual da companhia. A empresa terá que operar seu primeiro navio Triple-E com uma média de 14 mil contêineres inicialmente, bem abaixo da capacidade máxima de 18 mil, já que os guindastes dos portos não são altos o suficiente para os contêineres adicionais. O primeiro carregamento de contêineres se deu em meados deste ano, em Busan, na Coreia do Sul, com destino à Europa via Cingapura. A empresa dinamarquesa Maersk Line recebeu recentemente o maior navio porta-contêineres do mundo. Construído pela sul-coreana DSME (Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering), o Maersk Mc-Kinney Møller tem 400 metros de comprimento e 59 metros de largura. Esse é o primeiro navio de carga de classe Triple-E operado pela empresa, e está avaliado em aproximadamente US$ 185 milhões.
  • 56. Classe Triple E se refere aos navios que contemplam os 3 principais atributos: economia, eficiência e menor impacto ambiental (Economy of scale, Energy efficiency e Environmentally improved).
  • 59. Infraestrutura portuária Elementos de defesa costeira e tranquilização da bacia portuária  Para desviar as correntes marítimas e reduzir o impacto das ondas e ventos na bacia portuária - molhes - diques - espigões - quebra-mares aderentes (enrocamentos ou paredões) - quebra-mares destacados (quebra-mar destacado)
  • 60. Cais portuário Condições de abrigo em bacias portuárias
  • 63. Infraestrutura portuária Enrocamentos ou paredões: grande quantidade de pedra (ou enormes blocos) dispostos paralelamente à costa. Quebra-mares (obras longitudinais não aderente): muros dispostos no mar paralelamente à costa. Provocam deflexão da energia das ondas.
  • 64. Infraestrutura portuária Acessos rodoviários e ferroviários - rodovias ou avenidas de acesso largas e bem pavimentadas - vias férreas conectando ao ‘hinterland’ (interior)
  • 65. Infraestrutura portuária Zona de retroporto - Armazéns de importação - Armazéns de exportação - Estação de passageiros - Administração - Alfândega - Guarda portuária - Guarnição de bombeiros - Almoxarifado
  • 68. Cais portuário Estrutura vazada com dois lados acostáveis
  • 72. ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM DE PARAMENTO ABERTO Com estacas verticais e estrutura atirantada
  • 73. ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM DE PARAMENTO ABERTO Com estrutura de estacas verticais e inclinadas
  • 74. ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM DE PARAMENTO ABERTO Com estrutura de estacas inclinadas
  • 75. ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM DE PARAMENTO ABERTO Com estrutura de estacas inclinadas
  • 76. ESTRUTURAS DE ACOSTAGEM DE PARAMENTO FECHADO Com estrutura atirantada
  • 83. GANCHO DE DESENGATE RÁPIDO PARA AMARRAÇÃO DA EMBARCAÇÃO
  • 84. OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS Instalações de movimentação e armazenamento de cargas - Os requisitos funcionais das embarcações, da movimentação de carga e do armazenamento devem estar compatíveis com o peso, a distribuição de carga, a dimensão e a capacidade de manobra do equipamento de movimentação de carga.
  • 85. OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS Instalações de movimentação e armazenamento de cargas - O peso, a distribuição de carga, a dimensão e a capacidade de manobra do equipamento de movimentação de carga influenciam o arranjo e projetos de estruturas, fundações e pavimentos.
  • 86. OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS Instalações de movimentação e armazenamento de cargas - As instalações fixas influenciam na escolha do equipamento de movimentação de carga, e a unitização da carga influi na escolha do equipamento de movimentação e nas instalações de armazenamento.
  • 87. OBRAS PORTUÁRIAS INTERNAS Instalações de movimentação e armazenamento de cargas - Arranjo e projeto das instalações fixas  Múltiplas finalidades do equipamentos  Maior flexibilidade possível nos sistemas de movimentação de carga e instalações de armazenamento
  • 91. "É difícil dizer o que é prioridade na infraestrutura do Brasil, mas o setor portuário é o que está mais atrasado no país. São muitos os gargalos: acessibilidade, mão de obra e "uma confusão regulatória que não se entende”” Carlo Bottarelli, presidente da Triunfo, empresa de logística que atua no setor há quase 30 anos. "Só vamos dar o salto de infraestrutura se houver uma melhora na regulação. As agências reguladoras estão mais fracas, sem a excelência técnica necessária para dar validade às suas ações” – Gesner Oliveira, ex-presidente do CADE. "Não dá para ter portos de primeiro mundo com as rodovias e ferrovias que o Brasil tem hoje. Só dá para ter portos modernos se houver intermodalidade, se o acesso e o escoamento forem bons. Se não, você pode ter investimentos importantes em complexos portuários perdidos“ – Gesner Oliveira.
  • 92. Com uma costa de 8,5 mil quilômetros navegáveis, o complexo portuário brasileiro movimentou, em 2013, 931 milhões de toneladas de carga bruta, apresentando um crescimento de 2,9% em relação a 2012. Sozinho, o setor portuário é responsável por mais de 90% das exportações do País. Dessa movimentação, 338 milhões de toneladas (36%) foram realizadas pelos Portos Organizados e 593 milhões (64%) pelos Terminais de Uso Privado (TUPs). Fonte:http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/sistema-portuario-nacional (acesso em 21/1/2015)
  • 93. NO BRASIL Há 34 portos públicos, sendo 16 delegados a estados ou municípios e 18 marítimos são administrados diretamente pelas Companhias Docas, sociedades de economia mista, que têm como acionista majoritário o Governo Federal e, portanto, estão diretamente vinculadas à Secretaria de Portos. O único porto fluvial anteriormente considerado - o Porto fluvial de Estrela-RS - não mais integra o rol mencionado como também o Porto de Laguna, atualmente vinculado à Codesp. Não existem portos fluviais sob gestão da SEP. Fonte:http://www.portosdobrasil.gov.br/assuntos-1/sistema-portuario-nacional (acesso em 21/1/2015)
  • 94. COMPANHIAS DOCAS Companhia Docas do Pará (CDP) - Portos de Belém, Santarém, Vila do Conde, Altamira, Itaituba e Óbidos, além do Terminal Portuário do Outeiro e Terminal de Miramar Companhia Docas do Ceará (CDC) - Porto de Fortaleza Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern) - Portos de Natal e Maceió (*), além do Terminal Salineiro de Areia Branca *Porto delegado à Codern Companhia Docas do Estado da Bahia (Codeba) - Portos de Salvador, Ilhéus e Aratu Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) - Portos de Vitória e Barra do Riacho e Capuaba Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) - Portos do Rio de Janeiro, Niterói, Angra dos Reis e Itaguaí Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) - Porto de Santos e Porto de Laguna.
  • 97. A Constituição concebe o serviço portuário como um serviço público de titularidade da União, que poderá-deverá explorá-lo direta ou indiretamente. (Art. 21 da CF/1988: Compete à União explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão, os portos marítimos, fluviais e lacustres)
  • 98. Pela definição dada pela Lei nº 8.630/93: O construído e aparelhado para atender às necessidades da navegação, da movimentação de passageiros ou da movimentação e armazenagem de mercadorias, concedido ou explorado pela União, cujo tráfego e operações portuárias estejam sob a jurisdição de uma autoridade portuária. Porto organizado Pela definição dada pela Lei nº 12.815/2013: Bem público construído e aparelhado para atender a necessidades de navegação, de movimentação de passageiros ou de movimentação e armazenagem de mercadorias, e cujo tráfego e operações portuárias estejam sob jurisdição de autoridade portuária. A Administração do Porto é exercida diretamente pela União ou pela entidade concessionária do porto organizado A administração do porto é exercida diretamente pela União, pela delegatária ou pela entidade concessionária do porto organizado
  • 99. Lei nº 12.815/2013 Art. 65. Ficam transferidas à Secretaria de Portos da Presidência da República as competências atribuídas ao Ministério dos Transportes e ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT em leis gerais e específicas relativas a portos fluviais e lacustres, exceto as competências relativas a instalações portuárias públicas de pequeno porte.
  • 103. Movimentação de cargas em portos e TUPs no Brasil – histórico Fonte: Anuário Estatístico da ANTAQ
  • 109. Obras de defesa dos litorais
  • 110. FORMAÇÕES COSTEIRAS Equilíbrio dinâmico de Sedimentos - Movimentos transversais
  • 111. Obras de defesa costeira ESPIGÃO
  • 112. Obras de defesa costeira ESPIGÃO Campo de espigões, em Olinda (PE)
  • 113. Obras de defesa costeira ESPIGÃO
  • 114. Obras de defesa costeira ESPIGÃO
  • 115. Obras de abrigo portuário MOLHE Localização: Aracruz – ES PORTOCEL (Porto de Celulose)
  • 116. Obras de abrigo portuário MOLHE (executado com enrocamento – de pedras naturais)
  • 117. Obras de abrigo portuário MOLHE (executado com tetrápodes)
  • 118. Obras de abrigo portuário MOLHE Localização: Aracruz – ES PORTOCEL (Porto de Celulose)
  • 119. Obras de abrigo portuário MOLHES
  • 120. Obras de abrigo portuário
  • 121. Obras de abrigo portuário