SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
Baixar para ler offline
UFCD 6482 – OPERAÇÕES DE CARGAS E DESCARGAS
EM NAVIOS
FORMADOR: SÍLVIO DA TORRE
DATA (24/02/2023)
FOR-MAR | UFCD 6482 | DATA (24/02/2023) 1
Apresentação 3
CONTEÚDOS DO MÓDULO
2
Operações de convés em navios porta-contentores.
• Preparação dos porões cobertos e convés.
• Conceito de carga contentorizada.
• Tipos de contentores e sua utilização.
• Breves noções de movimentos e manuseamento de contentores.
• Sobreposição de contentores.
• Orientação de contentores: respetiva comunicação gestual entre operadores de grua e marinheiros.
• Necessidade de travamento de carga contentorizada sobreposta.
• Fechos e tipos de blocos de encaixe.
• Necessidade de peamento de carga contentorizada sobreposta.
• Tipos de peias.
• Cuidados de higiene e seguridade em Operações de convés em navios porta-contentores.
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
3
Em 1937, durante uma espera impaciente
durante a descarga do seu camião na doca de
Hoboken, Malcon Mclean de 24 anos, originário de
New Jersey efundador da Sea-Land, teve uma ideia...
E se o atrelado pudesse ir diretamente do
cais para o navio?
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
4
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
5
Malcom Mclean , frustrado pela
ineficiência e pelos altos custos que
acarretavam as operações de carga e descarga
de navios de carga convencional, utilizando
para tal redes e equipas de estivadores para
manusear cargas de todas as formas e
tamanhos.
Ele transportou a ideia com ele
durante 19 anos, desenvolvendo o seu negócio
de transportes terrestres e angariando apoios
ao seu conceito de contentorização.
Malcom Mclean foi sem dúvida o 1º a
ter esta ideia. Em 26 Abril 1956, o seu navio
tanque-convertido IDEAL X , zarpou de Newark
para Houston, foi também o 1º a tornar a ideia
realidade.
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
6
FOR-MAR | UFCD 6482
QUESTÕES?
7
FOR-MAR | UFCD 10271
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
8
FOR-MAR | UFCD 6482
Preparação do navio para a carga
Os navios porta-contentores de um modo geral não necessitam de grande preparação para a carga.
Estes navios estão preparados com células com as dimensões dos contentores. É necessário, apenas preparar
o material de peamento dos contentores para a carga/descarga.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
9
FOR-MAR | UFCD 6482
Guias no convés
As guias verticais são geralmente construídas por secções de abas iguais, com espessura não inferior
a 12 mm, elevando-se a uma altura suficiente para dar suporte uniforme aos contentores.
As guias deverão estar ligadas entre si e às estruturas de suporte do casco do navio, por meio de
elementos longitudinais e transversais de modo a evirar deformação devido à ação das forças transmitidas
pelos contentores.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
10
FOR-MAR | UFCD 6482
Guias no convés
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
11
FOR-MAR | UFCD 6482
Guias no convés
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
12
FOR-MAR | UFCD 6482
Plano de carga
QUESTÕES?
13
FOR-MAR | UFCD 10271
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
14
FOR-MAR | UFCD 6482
Uma Unidade equivalente a 20 Pés (em
inglês: Twenty-foot Equivalent Unit ou TEU), é uma
medida-padrão utilizada para calcular o volume de
um container.
Um TEU representa a capacidade de carga
de um container marítimo normal, de 20 pés de
comprimento, por 8 de largura e 8 de altura. A
altura de um TEU pode variar de uma baixa de 4,25
pés (1,30 m) para os mais comuns 8,5 pés (2,6 m) a
9,5 pés (2,9 m).
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
15
FOR-MAR | UFCD 6482
A contentorização requer navios apropriados os chamados porta-contentores que recebem os
contentores no convés, cobertas e porões sem perdas ele espaço. Exige, por outro lado, portos adequados
com cais amplos e apetrechados para a movimentação e arrumação dos contentores.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
16
FOR-MAR | UFCD 6482
Este método de carga tem a grande vantagem de reduzir o tempo de carga e descarga e, portanto,
encurtar a estadia dos navios nos portos, o que se traduz por um apreciável aumento de rendimento do
transporte marítimo de carga geral.
Um navio porta-contentores leva cinco vezes menos tempo a descarregar do que um cargueiro
vulgar. Outra vantagem dos contentores reside em proporcionar o sistema de transporte da mercadoria
“porta-a-porta”, isto é, do exportador para o navio e do cais de chegada para o utilizador em ligação com
comboios ou camiões porta contentores.
Um contentor pode transportar, diversos tipos de carga, como por exemplo. Alimentos ; Roupas ;
Mobiliário ; Carga Refrigerada ; Carga Liquida ; Carga a Granel ; Automóveis ; Animais Vivos ; Matérias Primas
; etc ….
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
17
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
18
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
19
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
20
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
21
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
22
FOR-MAR | UFCD 6482
Cada contentor possui uma numeração alfanumérica que a identifica. Esta numeração é única para
cada contentor. Ela possui quatro letras e sete números, e estão de acordo as normas do “Bureau International
of Containers” – BIC.
Exemplo: ABCU123456-7.
As três primeiras letras identificam o proprietário e a quarta, a letra “U” de unit.
Os seis primeiros números são de série. Sendo os dois primeiros números para identificar o país de registro do
proprietário.
O terceiro número para identificar se a unidade é de 20 ou 40 pés;
O quarto número para identificar a altura do contentor;
O quinto número identifica a categoria do contentor. (0 – Contentor fechado; 1- Contentor Fechado, Ventilado;
3- Contentor frigorífico, etc)
O sexto número identifica o tipo do contentor. (Carga geral, Térmico, Tanque, etc.).
E, o último número trata-se de um dígito de controle ou de verificação.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
23
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
24
FOR-MAR | UFCD 6482
QUESTÕES?
25
FOR-MAR | UFCD 10271
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
26
FOR-MAR | UFCD 6482
Existem quatro tipos de movimentação :
(1) house to house (porta a porta) – Nesta modalidade, as despesas com movimentação, estiva, transporte,
seguro, taxas alfandegárias e outras que porventura existam correm por conta do exportador;
(2) pier to pier (cais a cais) – Nesta modalidade, as despesas são como as house to house, porém a estufagem
e desova do contentor deverão ser feitas durante a estadia do navio;
(3) house to pier (porta ao cais) – Nesta modalidade, as despesas, inclusive de seguro, correm por conta do
exportador. O consignatário deverá desovar o contentor durante a estadia; e
(4) pier to house (cais a porta) – Como na modalidade anterior, trata-se de um desmembramento das
modalidades house to house e pier to pier. Nesta modalidade, as despesas correm por conta do exportador
desde o momento em que o contentor é colocado à disposição do exportador para estufagem, no porto de
embarque, até a entrega da carga ao destinatário. O embarcador (exportador) deverá estufar o contentor
durante a estadia do navio.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
27
FOR-MAR | UFCD 6482
Estabilidade do navio
Ao carregar o navio, o primeiro que temos que ter em conta é a estabilidade e segurança, que
basicamente se centra em ter uma altura metacêntrica não só positiva, sendo adequada ao tipo de navio.
Uma excessiva altura metacêntrica (muitos pesos baixos e poucos altos) produzirá que o navio dê
balanços muito rápidos e violentos, que podem danificar a estiva e provocar acidentes à dotação. Enquanto
uma altura metacêntrica pequena fará que o barco de balanços muito lentos e que lhe custe recuperar a
verticalidade, esta situação se dá sobretudo em navios de passagem, para evitar inclinações e golpes, se diz
que é um barco dorminhoco, enquanto uma altura metacêntrica igual a zero (estabilidade indiferente) fará
que se submetemos ao navio a uma força de sentido transversal e adquire uma escora, este não recuperar-se-
á e combinará com dita inclinação.
Como o estudo da estabilidade longitudinal não é tão importante, pois os barcos são "mais
compridos que largos" e é estável longitudinalmente por construção, mas se pomos demasiados pesos em
proa, o navio ao dar um proada nas ondas poderia colar-se por olho (meter a proa no mar e se afundar), mas
esta é uma situação muito extrema e para a evitar não é necessário realizar cálculos específicos.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
28
FOR-MAR | UFCD 6482
Escora
O navio deve carregar-se de forma que saia do porto sem escora. Antes de começar a carga é
conveniente ter cheios os tanques de lastre, porque nem sempre começam a carregar pesos baixos e à
medida que carregam se poderá ir deslastrando. Ditos tanques permitem afundar o navio ao finalizar a carga,
sempre claro está, que a carga realizado não chegue já ao máximo de carga possível. Nas cargas de
mercadorias secas a granel, operam ao revés, levar os tanques deslastrados, porque a carga irá diretamente ao
fundo do porão.
Calados
Há que planear a carga do navio de forma que o navio combine com uns calados apropriados, não só para
que o navio tenha uma ótima manobrabilidade (geralmente os navios navegam melhor ligeiramente
apopados), senão tendo em conta outros fatores como são:
Não ultrapassar a linha de máximo carga permitido segundo a zona pela que se vá navegar.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
29
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
30
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
31
FOR-MAR | UFCD 6482
QUESTÕES?
32
FOR-MAR | UFCD 10271
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
33
FOR-MAR | UFCD 6482
Integridade da tripulação e estivadores
O planeamento de uma correta estiva da carga deve assegurar a correta manipulação da mesma, ao
mesmo tempo que assegura a integridade física das pessoas que vão intervir neste processo, já sejam
estivadores, portuários ou dotação do navio. Por isso à hora de efetuar este planeamento, devemos ter em
conta os seguintes elementos:
Circulação: Ao estivar a carga devemos ter em conta a circulação das pessoas pela coberta e no interior do
porão.
Acesso: Os acessos ao porão, entrepontes e à mercadoria estivada deve estar garantida com segurança. Estes
acessos devem estar planificados não somente para poder realizar um adequado trincagem da carga, senão
para depois à hora de descarregar, que as diferentes partidas sejam acessíveis da forma mais cómoda possível
e que sua manipulação seja a correta.
Mercadorias perigosas: As matérias perigosas devem estar indicadas da forma mais clara possível para
assegurar que manipular-se-ão adequadamente.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
34
FOR-MAR | UFCD 6482
Economia
A economia na estiva consegue-se tendo em conta os seguintes fatores:
Conhecimento dos espaços de carga do navio: É primordial que o oficial tenha um perfeito
conhecimento dos espaços de carga de que dispõe. Não só de sua capacidade de carga obtido dos planos,
mas de todas as medidas e a situação dos elementos que há em seu interior (escalas de acesso, sistema de
encanamentos, postos de manobra de entrepontes, etc.), bem como das possibilidades que tem para estivar
diferentes tipos de cargas, por exemplo, a possibilidade de carregar contentores (se se dispõe de pocetes para
os twistlocks, pontos de amaragem, etc.).
Outros elementos que deve conhecer à perfeição é o sistema de escotilhas, as possibilidades que
oferecem e os espaços de cargas aos que podem aceder os meios de cargas e descargas do navio com
segurança.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
35
FOR-MAR | UFCD 6482
Outros fatores que se devem ter em conta são:
Evitar os sobre carregamentos.
Ter em conta o acesso às diversas partidas e sua manipulação.
Preparação do porão: Antes de iniciar o carregamento há que preparar o porão para esta operação, tendo em
conta fundamentalmente as cargas que se vai transportar e a que tem sido transportada anteriormente. Isto
obriga a ter preparados uma série de elementos de estiva (madeira de estiva, separadores, marcas), e realizar
uma série de operações nos porões (varredura, baldeio, secagem, ventilação, desinfeção, etc.)
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
36
FOR-MAR | UFCD 6482
Plano de Carga
Para a elaboração do Plano de Carga é vital receber com antecedência as informações referentes à
sequência de desembarque dos contentores, para que se possa fazer um melhor planejamento da alocação
dos contentores que deveram ser embarcados no navio, levando em consideração a sequência dos posteriores
carregamentos e descarregamentos, sendo muitas vezes necessário o remanejo dos contentores já alocados
nos navios, para se otimizar o tempo gasto nas operações de embarque e desembarque posteriores,
diminuindo ao máximo o número de remanejamentos efetuados em cada porto.
A redução do tempo gasto nas operações de carregamento e descarregamento de contentores, tem
importância significativa para redução dos custos do fluxo logístico do comercio exterior, pelo fato dos custos
com navios ociosos serem muito altos, devendo-se manter um fluxo constante na utilização destes navios.
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
37
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
38
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
39
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
40
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
41
FOR-MAR | UFCD 6482
QUESTÕES?
42
FOR-MAR | UFCD 10271
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
43
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
44
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
45
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
46
FOR-MAR | UFCD 6482
Sistema usado atualmente Os contentores são
empilhados e ligados verticalmente com
“twistlock” São usados cabos/varas para
fixação vertical Este sistema permite a carga e
descarda de uma pilha individualmente
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
47
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
48
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
49
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
50
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
51
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
52
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
53
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
54
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
55
FOR-MAR | UFCD 6482
OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES
56
FOR-MAR | UFCD 6482
QUESTÕES?
57
FOR-MAR | UFCD 10271
HIGIENE E SEGURANÇA
58
FOR-MAR | UFCD 6482
Todas as disposições nacionais e internacionais referentes ao equipamento usado devem ser cumpridas. No
entanto, quando o navio não estiver sujeito a tais normas, elas podem, ainda assim, servir como um guia eficaz
de orientação.
Todos os trabalhos devem ser realizados com a supervisão de um oficial responsável ou de um marítimo
experiente que se encarregará das instruções pertinentes para a tripulação, além de chamar-lhe a atenção para
os possíveis riscos a que estão expostos, associados às operações.
Não se deve empreender nenhum trabalho em condições atmosféricas adversas.
Toda operação com possibilidade de envolver um certo grau de risco à segurança e à saúde da tripulação
somente deve ser conduzida com o sistema de “autorização de trabalho”
Uma pessoa responsável deve autorizar previamente o trabalho, quando os marítimos forem realizá-lo no
convés durante a navegação.
HIGIENE E SEGURANÇA
59
FOR-MAR | UFCD 6482
Acesso aos porões e outros espaços
Os acessos para cada porão ou para os espaços abaixo das cobertas devem ser seguros e mantidos de acordo
com as normas SOLAS e suas revisões.
Escadas de cordas não devem ser usadas como meio de acesso aos porões.
Todas as escadas e os meios de acesso devem ser inspecionados periodicamente por um oficial competente,
especialmente antes e depois da estivagem da carga no espaço em utilização. Quando qualquer escada,
corrimão, degraus ou batentes forem considerados inseguros, o acesso deve ser trancado ou bloqueado e
avisos de advertência proibindo seu uso devem ser colocados nas imediações do local até que os reparos
sejam realizados.
O oficial competente deve assegurar que quaisquer defeitos sejam corrigidos o mais rapidamente possível.
Qualquer solda ou substituição de degraus, escadas ou batentes devem ser inspecionadas e testadas por um
oficial competente antes da reutilização para certificar-se da correção efetiva do reparo realizado.
HIGIENE E SEGURANÇA
60
FOR-MAR | UFCD 6482
A primeira prioridade deve ser a manutenção de um nível elevado de segurança em todas as operações.
Os riscos e as operações devem ser minuciosamente explicados aos marítimos nas suas tarefas respetivas e as
precauções de segurança para cada tarefa, devem ser totalmente compreendidas, em especial:
(a) onde houver um risco alto de incêndio e explosões, regras restringindo fumar e portar fósforos e isqueiros
devem ser observadas. Fumar não deve ser permitido a bordo, exceto em locais e horas permitidas pelo
comandante;
(b) no derramamento e vazamentos de substâncias perigosas, como petróleo e alguns óleos minerais, onde
medidas imediatas devem ser adotadas. O armador deve fornecer aos marítimos as informações e os
equipamentos de proteção individual para que essas ocorrências possam ser enfrentadas com segurança;
(c) quando trapos e outros materiais encharcados com óleo apresentam um risco de incêndios e possibilidade
de combustão espontânea. Eles devem ser dispostos de acordo com o MARPOL. Não se deve permitir o
acúmulo de outros detritos combustíveis.
HIGIENE E SEGURANÇA
61
FOR-MAR | UFCD 6482
(d) com o material e os equipamentos de manipulação de cargas, instrumentos de teste, sistemas automático
e sistemas de alarme dentre outros, que devem ser mantidos sempre em bom estado;
(e) quando o trabalho pode causar faíscas ou envolver fontes de calor, deve ser levado a cabo unicamente
depois de autorizados e da área de trabalho ter sido testada, certificada como livre de gases, ou por outros
meios, declarada segura;
(f) onde o trabalho for necessário em locais confinados, as orientações do Capítulo 10 devem ser estritamente
obedecidas;
(g) na adoção dos procedimentos de “autorização de trabalho”, salvo quando o trabalho não apresente riscos
indevidos; e
(h) na utilização de equipamentos de proteção individual apropriados.
HIGIENE E SEGURANÇA
62
FOR-MAR | UFCD 6482
Os marítimos devem ser treinados adequadamente, de acordo com as normas nacionais e
internacionais aplicáveis. Exercícios com procedimentos e com os equipamentos de emergência devem ser
realizados periodicamente. Devem incluir as medidas de primeiros socorros para os casos de exposição
acidental a substâncias perigosas e inalação de gases ou fumos perigosos.
Os armadores devem suprir o comandante e a tripulação com as informações e instruções adequadas
sobre quaisquer operações. Os responsáveis a bordo pela segurança no carregamento e transporte de carga
devem ser providos com as informações relevantes pertinentes à carga e as precauções a serem adotadas
durante a viagem antes do carregamento. O restante da tripulação deve ser advertida também sobre as
precauções que deverão adotar. Em todo os portos de carga e descarga, o comandante e o responsável pelo
terminal portuário devem revisar a lista das medidas de segurança. Os procedimentos de carregamento e
estivagem devem ser discutidos e acordados entre o comandante e o operador do terminal antes do início das
operações.
Os armadores devem assegurar que todos os navios portam os manuais operacionais e de
carregamento corretos.
HIGIENE E SEGURANÇA
63
FOR-MAR | UFCD 6482
Para reduzir ao mínimo o contato com cargas que podem irritar a pele, os marítimos devem usar
roupas de proteção adequadas e usar cremes bloqueadores. As roupas e o próprio corpo devem ser lavados
para remover a poeira residual da carga, antes do ingresso nos alojamentos, a fim de evitar seu transporte
para os espaços coletivos e a ingestão acidental nas refeições. Isso é especialmente relevante para os materiais
identificados como tóxicos no Código IMDG.
Durante a navegação, os elementos de peação das cargas no convés, nos porões, nas salas de
motores e nas áreas de armazenamento devem ser verificadas periodicamente e apertadas se necessário. Com
o mau tempo, deve-se examinar a possibilidade de mudar o rumo do navio e facilitar o aperto dos elementos
de peação e travamento para reduzir os riscos em potencial.
Os marítimos devem receber o treinamento especial necessário e, em particular, na operação e
manutenção das gruas de contentores de bordo e na utilização das mesmas.
Os armadores devem prover cada navio com os manuais de instrução para a operação e a
manutenção do material e do equipamento de manipulação de carga. O manual de estivagem e amarração
também deve ser fornecido.
HIGIENE E SEGURANÇA
64
FOR-MAR | UFCD 6482
Cada contentor deve portar uma placa, especificando a aprovação de segurança, o país que aprovou,
a data de fabricação, o número de identificação, o peso bruto máximo de utilização, o peso de empilhamento
tolerável, a rigidez transversal e o valor de carga de prova.
A altura da pilha de contentores deve levar em conta seu modelo, sua resistência prevista e também
não pode criar barreiras a visibilidade desde a ponte. O número de contentores empilhados no convés ou no
porão não deve exceder os limites fixados.
Ao transportar contentores na cobertura das escotilhas, a resistência das mesmas não pode ser
excedida. O deslizamento e o basculamento das coberturas deve ser evitado com a utilização de calços
bloqueadores e dispositivos de tranca com modelos aprovados.
Contentor estivados no convés devem estar presos ao navio, por exemplo, com cones de
empilhamento e trancas giratórias. As trancas giratórias podem ser muito úteis quando os contentores estão
estivados em pilha de um ou dois, e o container de cima estiver leve ou vazio. Muito cuidado deve ser tomado
no posicionamento das trancas da forma correta e travadas.
HIGIENE E SEGURANÇA
65
FOR-MAR | UFCD 6482
Se no convés há mais de dois contentores empilhados, devem ser usados cones de empilhamento e
trincas de varas de aço.
Todos os contentores devem estar bem presos, preferencialmente nos cantos inferiores da base, para
impedir seu deslizamento.
Nenhum sistema de retenção que gere forças superiores àquelas para as quais foi concebido deve ser
imposto aos contentores ou quaisquer de seus acessórios.
Os marítimos devem usar equipamentos de proteção individual nas operações com carga, arrumação
e amarração no convés, e devem usar braços de alavanca especiais para tencionar os elementos de fixação.
Ao manipular contentores deve-se ter em mente a possibilidade do conteúdo estar mal ou
desigualmente distribuído no seu interior, e do peso real não ser o declarado.
HIGIENE E SEGURANÇA
66
FOR-MAR | UFCD 6482
Pode ser necessário amarrar com elementos adicionais de travamento os itens pesados de
maquinaria ou plantas industriais colocados em contentores de plataforma.
Meios seguros de acesso aos contentores empilhados no convés devem ser estabelecidos para a
verificação do estado das amarras, travas etc. Onde necessário, os marítimos devem estar protegidos contra
quedas, com o uso de cintos de segurança apropriadamente fixados, ou outros dispositivos adequados.
Quando a central elétrica do navio é usada para suprir os contentores refrigerados, os cabos de força
devem estar providos com os conectores corretos para os circuitos elétricos e para aterrar os contentores.
Antes que a energia seja usada, os cabos e conexões devem ser inspecionados e os defeitos reparados e
testados por uma pessoa competente. Os cabos de energia devem ser manuseados somente com a energia
elétrica desligada.
Os marítimos devem estar cientes de que contentores podem cair por falha do material ou
equipamento de manipulação da carga, da própria estrutura do contentor, que pode desintegrar-se por
sobrecarga ou avaria durante as operações de carregamento. Isso pode levar a queda do conteúdo do
contentores sobre o convés. Marítimos transitando no convés durante as manobras com carga devem, se
possível, usar o convés lado mar do navio.
HIGIENE E SEGURANÇA
67
FOR-MAR | UFCD 6482
Os tripulantes devem usar equipamento de proteção adequado quando transitarem no convés
próximos aos contentores. Devem saber que os dispositivos soltos de amarrar ou travar representam perigo
sério, particularmente as castanhas e outros elementos, que podem ter caído inadvertidamente durante as
operações.
As áreas do convés e o topo de todos os contentores devem ser examinados para verificar se há
elementos soltos de amarração ou travamento após o término das manobras com carga.
Se um contentor apresenta vazamento, o conteúdo da carga deve ser determinado imediatamente
pelas placas de identificação do mesmo e pela documentação que o acompanha a bordo.
Os contentores nunca devem ser içados somente com lingas metálicas, o que pode acarretar
deformações, inviabilizando a recolocação nas guias celulares e a operação com equipamentos especializados.
HIGIENE E SEGURANÇA
68
FOR-MAR | UFCD 6482
HIGIENE E SEGURANÇA
69
FOR-MAR | UFCD 6482
QUESTÕES?
70
FOR-MAR | UFCD 10271

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PARTE 3 2023.pptx

Slide fox caci 4º
Slide fox  caci 4ºSlide fox  caci 4º
Slide fox caci 4ºCursosEADFox
 
Noções de Controle de Avaria
Noções de Controle de AvariaNoções de Controle de Avaria
Noções de Controle de AvariaCursosEADFox
 
Aula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema NavioAula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema Naviotatianabalula
 
Aula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema NavioAula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema Naviotatianabalula
 
Aula 1 tipologia dos navios
Aula 1   tipologia dos naviosAula 1   tipologia dos navios
Aula 1 tipologia dos naviosRoberto Barddal
 
Aula 1 tipologia dos navios
Aula 1   tipologia dos naviosAula 1   tipologia dos navios
Aula 1 tipologia dos naviosRoberto Barddal
 
Transporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosasTransporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosasJuarez dos Santos
 
A operação comercial da portonave
A operação comercial da portonaveA operação comercial da portonave
A operação comercial da portonaveTriunfoRi
 
Modal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/HidroviárioModal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/HidroviárioChiaki Lisboa
 
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde aplop
 
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilVantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilCarlos Benkendorf
 
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docxATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docxMarcos Boaventura
 

Semelhante a PARTE 3 2023.pptx (20)

Slide fox caci 4º
Slide fox  caci 4ºSlide fox  caci 4º
Slide fox caci 4º
 
Art nav03a classificação
Art nav03a classificaçãoArt nav03a classificação
Art nav03a classificação
 
Noções de Controle de Avaria
Noções de Controle de AvariaNoções de Controle de Avaria
Noções de Controle de Avaria
 
Aula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema NavioAula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema Navio
 
Aula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema NavioAula de DMALAP - Tema Navio
Aula de DMALAP - Tema Navio
 
Aula 1 tipologia dos navios
Aula 1   tipologia dos naviosAula 1   tipologia dos navios
Aula 1 tipologia dos navios
 
Aula 1 tipologia dos navios
Aula 1   tipologia dos naviosAula 1   tipologia dos navios
Aula 1 tipologia dos navios
 
Transporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosasTransporte Marítimo para cargas perigosas
Transporte Marítimo para cargas perigosas
 
A operação comercial da portonave
A operação comercial da portonaveA operação comercial da portonave
A operação comercial da portonave
 
Aula 6 logística internacional
Aula 6   logística internacionalAula 6   logística internacional
Aula 6 logística internacional
 
Modal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/HidroviárioModal Aqua/Hidroviário
Modal Aqua/Hidroviário
 
Navios Graneleiros
Navios GraneleirosNavios Graneleiros
Navios Graneleiros
 
1.4.3-Navios Graneleiros.pdf
1.4.3-Navios Graneleiros.pdf1.4.3-Navios Graneleiros.pdf
1.4.3-Navios Graneleiros.pdf
 
Módulo 7
Módulo 7Módulo 7
Módulo 7
 
Palestra guará logística internacional nov
Palestra guará logística internacional   novPalestra guará logística internacional   nov
Palestra guará logística internacional nov
 
2009 copinaval 3
2009 copinaval 32009 copinaval 3
2009 copinaval 3
 
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde ENAPOR – Portos de Cabo Verde
ENAPOR – Portos de Cabo Verde
 
Artigo supply boats
Artigo supply boatsArtigo supply boats
Artigo supply boats
 
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasilVantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
Vantagens e desvantagens do transporte aquaviário no brasil
 
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docxATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
ATIVIDADE 2 - Pós Eng. Port..docx
 

PARTE 3 2023.pptx

  • 1. UFCD 6482 – OPERAÇÕES DE CARGAS E DESCARGAS EM NAVIOS FORMADOR: SÍLVIO DA TORRE DATA (24/02/2023) FOR-MAR | UFCD 6482 | DATA (24/02/2023) 1 Apresentação 3
  • 2. CONTEÚDOS DO MÓDULO 2 Operações de convés em navios porta-contentores. • Preparação dos porões cobertos e convés. • Conceito de carga contentorizada. • Tipos de contentores e sua utilização. • Breves noções de movimentos e manuseamento de contentores. • Sobreposição de contentores. • Orientação de contentores: respetiva comunicação gestual entre operadores de grua e marinheiros. • Necessidade de travamento de carga contentorizada sobreposta. • Fechos e tipos de blocos de encaixe. • Necessidade de peamento de carga contentorizada sobreposta. • Tipos de peias. • Cuidados de higiene e seguridade em Operações de convés em navios porta-contentores. FOR-MAR | UFCD 6482
  • 3. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 3 Em 1937, durante uma espera impaciente durante a descarga do seu camião na doca de Hoboken, Malcon Mclean de 24 anos, originário de New Jersey efundador da Sea-Land, teve uma ideia... E se o atrelado pudesse ir diretamente do cais para o navio? FOR-MAR | UFCD 6482
  • 4. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 4 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 5. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 5 Malcom Mclean , frustrado pela ineficiência e pelos altos custos que acarretavam as operações de carga e descarga de navios de carga convencional, utilizando para tal redes e equipas de estivadores para manusear cargas de todas as formas e tamanhos. Ele transportou a ideia com ele durante 19 anos, desenvolvendo o seu negócio de transportes terrestres e angariando apoios ao seu conceito de contentorização. Malcom Mclean foi sem dúvida o 1º a ter esta ideia. Em 26 Abril 1956, o seu navio tanque-convertido IDEAL X , zarpou de Newark para Houston, foi também o 1º a tornar a ideia realidade. FOR-MAR | UFCD 6482
  • 6. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 6 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 8. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 8 FOR-MAR | UFCD 6482 Preparação do navio para a carga Os navios porta-contentores de um modo geral não necessitam de grande preparação para a carga. Estes navios estão preparados com células com as dimensões dos contentores. É necessário, apenas preparar o material de peamento dos contentores para a carga/descarga.
  • 9. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 9 FOR-MAR | UFCD 6482 Guias no convés As guias verticais são geralmente construídas por secções de abas iguais, com espessura não inferior a 12 mm, elevando-se a uma altura suficiente para dar suporte uniforme aos contentores. As guias deverão estar ligadas entre si e às estruturas de suporte do casco do navio, por meio de elementos longitudinais e transversais de modo a evirar deformação devido à ação das forças transmitidas pelos contentores.
  • 10. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 10 FOR-MAR | UFCD 6482 Guias no convés
  • 11. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 11 FOR-MAR | UFCD 6482 Guias no convés
  • 12. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 12 FOR-MAR | UFCD 6482 Plano de carga
  • 14. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 14 FOR-MAR | UFCD 6482 Uma Unidade equivalente a 20 Pés (em inglês: Twenty-foot Equivalent Unit ou TEU), é uma medida-padrão utilizada para calcular o volume de um container. Um TEU representa a capacidade de carga de um container marítimo normal, de 20 pés de comprimento, por 8 de largura e 8 de altura. A altura de um TEU pode variar de uma baixa de 4,25 pés (1,30 m) para os mais comuns 8,5 pés (2,6 m) a 9,5 pés (2,9 m).
  • 15. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 15 FOR-MAR | UFCD 6482 A contentorização requer navios apropriados os chamados porta-contentores que recebem os contentores no convés, cobertas e porões sem perdas ele espaço. Exige, por outro lado, portos adequados com cais amplos e apetrechados para a movimentação e arrumação dos contentores.
  • 16. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 16 FOR-MAR | UFCD 6482 Este método de carga tem a grande vantagem de reduzir o tempo de carga e descarga e, portanto, encurtar a estadia dos navios nos portos, o que se traduz por um apreciável aumento de rendimento do transporte marítimo de carga geral. Um navio porta-contentores leva cinco vezes menos tempo a descarregar do que um cargueiro vulgar. Outra vantagem dos contentores reside em proporcionar o sistema de transporte da mercadoria “porta-a-porta”, isto é, do exportador para o navio e do cais de chegada para o utilizador em ligação com comboios ou camiões porta contentores. Um contentor pode transportar, diversos tipos de carga, como por exemplo. Alimentos ; Roupas ; Mobiliário ; Carga Refrigerada ; Carga Liquida ; Carga a Granel ; Automóveis ; Animais Vivos ; Matérias Primas ; etc ….
  • 17. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 17 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 18. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 18 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 19. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 19 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 20. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 20 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 21. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 21 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 22. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 22 FOR-MAR | UFCD 6482 Cada contentor possui uma numeração alfanumérica que a identifica. Esta numeração é única para cada contentor. Ela possui quatro letras e sete números, e estão de acordo as normas do “Bureau International of Containers” – BIC. Exemplo: ABCU123456-7. As três primeiras letras identificam o proprietário e a quarta, a letra “U” de unit. Os seis primeiros números são de série. Sendo os dois primeiros números para identificar o país de registro do proprietário. O terceiro número para identificar se a unidade é de 20 ou 40 pés; O quarto número para identificar a altura do contentor; O quinto número identifica a categoria do contentor. (0 – Contentor fechado; 1- Contentor Fechado, Ventilado; 3- Contentor frigorífico, etc) O sexto número identifica o tipo do contentor. (Carga geral, Térmico, Tanque, etc.). E, o último número trata-se de um dígito de controle ou de verificação.
  • 23. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 23 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 24. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 24 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 26. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 26 FOR-MAR | UFCD 6482 Existem quatro tipos de movimentação : (1) house to house (porta a porta) – Nesta modalidade, as despesas com movimentação, estiva, transporte, seguro, taxas alfandegárias e outras que porventura existam correm por conta do exportador; (2) pier to pier (cais a cais) – Nesta modalidade, as despesas são como as house to house, porém a estufagem e desova do contentor deverão ser feitas durante a estadia do navio; (3) house to pier (porta ao cais) – Nesta modalidade, as despesas, inclusive de seguro, correm por conta do exportador. O consignatário deverá desovar o contentor durante a estadia; e (4) pier to house (cais a porta) – Como na modalidade anterior, trata-se de um desmembramento das modalidades house to house e pier to pier. Nesta modalidade, as despesas correm por conta do exportador desde o momento em que o contentor é colocado à disposição do exportador para estufagem, no porto de embarque, até a entrega da carga ao destinatário. O embarcador (exportador) deverá estufar o contentor durante a estadia do navio.
  • 27. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 27 FOR-MAR | UFCD 6482 Estabilidade do navio Ao carregar o navio, o primeiro que temos que ter em conta é a estabilidade e segurança, que basicamente se centra em ter uma altura metacêntrica não só positiva, sendo adequada ao tipo de navio. Uma excessiva altura metacêntrica (muitos pesos baixos e poucos altos) produzirá que o navio dê balanços muito rápidos e violentos, que podem danificar a estiva e provocar acidentes à dotação. Enquanto uma altura metacêntrica pequena fará que o barco de balanços muito lentos e que lhe custe recuperar a verticalidade, esta situação se dá sobretudo em navios de passagem, para evitar inclinações e golpes, se diz que é um barco dorminhoco, enquanto uma altura metacêntrica igual a zero (estabilidade indiferente) fará que se submetemos ao navio a uma força de sentido transversal e adquire uma escora, este não recuperar-se- á e combinará com dita inclinação. Como o estudo da estabilidade longitudinal não é tão importante, pois os barcos são "mais compridos que largos" e é estável longitudinalmente por construção, mas se pomos demasiados pesos em proa, o navio ao dar um proada nas ondas poderia colar-se por olho (meter a proa no mar e se afundar), mas esta é uma situação muito extrema e para a evitar não é necessário realizar cálculos específicos.
  • 28. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 28 FOR-MAR | UFCD 6482 Escora O navio deve carregar-se de forma que saia do porto sem escora. Antes de começar a carga é conveniente ter cheios os tanques de lastre, porque nem sempre começam a carregar pesos baixos e à medida que carregam se poderá ir deslastrando. Ditos tanques permitem afundar o navio ao finalizar a carga, sempre claro está, que a carga realizado não chegue já ao máximo de carga possível. Nas cargas de mercadorias secas a granel, operam ao revés, levar os tanques deslastrados, porque a carga irá diretamente ao fundo do porão. Calados Há que planear a carga do navio de forma que o navio combine com uns calados apropriados, não só para que o navio tenha uma ótima manobrabilidade (geralmente os navios navegam melhor ligeiramente apopados), senão tendo em conta outros fatores como são: Não ultrapassar a linha de máximo carga permitido segundo a zona pela que se vá navegar.
  • 29. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 29 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 30. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 30 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 31. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 31 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 33. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 33 FOR-MAR | UFCD 6482 Integridade da tripulação e estivadores O planeamento de uma correta estiva da carga deve assegurar a correta manipulação da mesma, ao mesmo tempo que assegura a integridade física das pessoas que vão intervir neste processo, já sejam estivadores, portuários ou dotação do navio. Por isso à hora de efetuar este planeamento, devemos ter em conta os seguintes elementos: Circulação: Ao estivar a carga devemos ter em conta a circulação das pessoas pela coberta e no interior do porão. Acesso: Os acessos ao porão, entrepontes e à mercadoria estivada deve estar garantida com segurança. Estes acessos devem estar planificados não somente para poder realizar um adequado trincagem da carga, senão para depois à hora de descarregar, que as diferentes partidas sejam acessíveis da forma mais cómoda possível e que sua manipulação seja a correta. Mercadorias perigosas: As matérias perigosas devem estar indicadas da forma mais clara possível para assegurar que manipular-se-ão adequadamente.
  • 34. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 34 FOR-MAR | UFCD 6482 Economia A economia na estiva consegue-se tendo em conta os seguintes fatores: Conhecimento dos espaços de carga do navio: É primordial que o oficial tenha um perfeito conhecimento dos espaços de carga de que dispõe. Não só de sua capacidade de carga obtido dos planos, mas de todas as medidas e a situação dos elementos que há em seu interior (escalas de acesso, sistema de encanamentos, postos de manobra de entrepontes, etc.), bem como das possibilidades que tem para estivar diferentes tipos de cargas, por exemplo, a possibilidade de carregar contentores (se se dispõe de pocetes para os twistlocks, pontos de amaragem, etc.). Outros elementos que deve conhecer à perfeição é o sistema de escotilhas, as possibilidades que oferecem e os espaços de cargas aos que podem aceder os meios de cargas e descargas do navio com segurança.
  • 35. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 35 FOR-MAR | UFCD 6482 Outros fatores que se devem ter em conta são: Evitar os sobre carregamentos. Ter em conta o acesso às diversas partidas e sua manipulação. Preparação do porão: Antes de iniciar o carregamento há que preparar o porão para esta operação, tendo em conta fundamentalmente as cargas que se vai transportar e a que tem sido transportada anteriormente. Isto obriga a ter preparados uma série de elementos de estiva (madeira de estiva, separadores, marcas), e realizar uma série de operações nos porões (varredura, baldeio, secagem, ventilação, desinfeção, etc.)
  • 36. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 36 FOR-MAR | UFCD 6482 Plano de Carga Para a elaboração do Plano de Carga é vital receber com antecedência as informações referentes à sequência de desembarque dos contentores, para que se possa fazer um melhor planejamento da alocação dos contentores que deveram ser embarcados no navio, levando em consideração a sequência dos posteriores carregamentos e descarregamentos, sendo muitas vezes necessário o remanejo dos contentores já alocados nos navios, para se otimizar o tempo gasto nas operações de embarque e desembarque posteriores, diminuindo ao máximo o número de remanejamentos efetuados em cada porto. A redução do tempo gasto nas operações de carregamento e descarregamento de contentores, tem importância significativa para redução dos custos do fluxo logístico do comercio exterior, pelo fato dos custos com navios ociosos serem muito altos, devendo-se manter um fluxo constante na utilização destes navios.
  • 37. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 37 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 38. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 38 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 39. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 39 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 40. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 40 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 41. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 41 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 43. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 43 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 44. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 44 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 45. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 45 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 46. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 46 FOR-MAR | UFCD 6482 Sistema usado atualmente Os contentores são empilhados e ligados verticalmente com “twistlock” São usados cabos/varas para fixação vertical Este sistema permite a carga e descarda de uma pilha individualmente
  • 47. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 47 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 48. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 48 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 49. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 49 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 50. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 50 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 51. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 51 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 52. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 52 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 53. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 53 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 54. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 54 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 55. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 55 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 56. OPERAÇÕES DE CONVÉS EM NAVIOS PORTA-CONTENTORES 56 FOR-MAR | UFCD 6482
  • 58. HIGIENE E SEGURANÇA 58 FOR-MAR | UFCD 6482 Todas as disposições nacionais e internacionais referentes ao equipamento usado devem ser cumpridas. No entanto, quando o navio não estiver sujeito a tais normas, elas podem, ainda assim, servir como um guia eficaz de orientação. Todos os trabalhos devem ser realizados com a supervisão de um oficial responsável ou de um marítimo experiente que se encarregará das instruções pertinentes para a tripulação, além de chamar-lhe a atenção para os possíveis riscos a que estão expostos, associados às operações. Não se deve empreender nenhum trabalho em condições atmosféricas adversas. Toda operação com possibilidade de envolver um certo grau de risco à segurança e à saúde da tripulação somente deve ser conduzida com o sistema de “autorização de trabalho” Uma pessoa responsável deve autorizar previamente o trabalho, quando os marítimos forem realizá-lo no convés durante a navegação.
  • 59. HIGIENE E SEGURANÇA 59 FOR-MAR | UFCD 6482 Acesso aos porões e outros espaços Os acessos para cada porão ou para os espaços abaixo das cobertas devem ser seguros e mantidos de acordo com as normas SOLAS e suas revisões. Escadas de cordas não devem ser usadas como meio de acesso aos porões. Todas as escadas e os meios de acesso devem ser inspecionados periodicamente por um oficial competente, especialmente antes e depois da estivagem da carga no espaço em utilização. Quando qualquer escada, corrimão, degraus ou batentes forem considerados inseguros, o acesso deve ser trancado ou bloqueado e avisos de advertência proibindo seu uso devem ser colocados nas imediações do local até que os reparos sejam realizados. O oficial competente deve assegurar que quaisquer defeitos sejam corrigidos o mais rapidamente possível. Qualquer solda ou substituição de degraus, escadas ou batentes devem ser inspecionadas e testadas por um oficial competente antes da reutilização para certificar-se da correção efetiva do reparo realizado.
  • 60. HIGIENE E SEGURANÇA 60 FOR-MAR | UFCD 6482 A primeira prioridade deve ser a manutenção de um nível elevado de segurança em todas as operações. Os riscos e as operações devem ser minuciosamente explicados aos marítimos nas suas tarefas respetivas e as precauções de segurança para cada tarefa, devem ser totalmente compreendidas, em especial: (a) onde houver um risco alto de incêndio e explosões, regras restringindo fumar e portar fósforos e isqueiros devem ser observadas. Fumar não deve ser permitido a bordo, exceto em locais e horas permitidas pelo comandante; (b) no derramamento e vazamentos de substâncias perigosas, como petróleo e alguns óleos minerais, onde medidas imediatas devem ser adotadas. O armador deve fornecer aos marítimos as informações e os equipamentos de proteção individual para que essas ocorrências possam ser enfrentadas com segurança; (c) quando trapos e outros materiais encharcados com óleo apresentam um risco de incêndios e possibilidade de combustão espontânea. Eles devem ser dispostos de acordo com o MARPOL. Não se deve permitir o acúmulo de outros detritos combustíveis.
  • 61. HIGIENE E SEGURANÇA 61 FOR-MAR | UFCD 6482 (d) com o material e os equipamentos de manipulação de cargas, instrumentos de teste, sistemas automático e sistemas de alarme dentre outros, que devem ser mantidos sempre em bom estado; (e) quando o trabalho pode causar faíscas ou envolver fontes de calor, deve ser levado a cabo unicamente depois de autorizados e da área de trabalho ter sido testada, certificada como livre de gases, ou por outros meios, declarada segura; (f) onde o trabalho for necessário em locais confinados, as orientações do Capítulo 10 devem ser estritamente obedecidas; (g) na adoção dos procedimentos de “autorização de trabalho”, salvo quando o trabalho não apresente riscos indevidos; e (h) na utilização de equipamentos de proteção individual apropriados.
  • 62. HIGIENE E SEGURANÇA 62 FOR-MAR | UFCD 6482 Os marítimos devem ser treinados adequadamente, de acordo com as normas nacionais e internacionais aplicáveis. Exercícios com procedimentos e com os equipamentos de emergência devem ser realizados periodicamente. Devem incluir as medidas de primeiros socorros para os casos de exposição acidental a substâncias perigosas e inalação de gases ou fumos perigosos. Os armadores devem suprir o comandante e a tripulação com as informações e instruções adequadas sobre quaisquer operações. Os responsáveis a bordo pela segurança no carregamento e transporte de carga devem ser providos com as informações relevantes pertinentes à carga e as precauções a serem adotadas durante a viagem antes do carregamento. O restante da tripulação deve ser advertida também sobre as precauções que deverão adotar. Em todo os portos de carga e descarga, o comandante e o responsável pelo terminal portuário devem revisar a lista das medidas de segurança. Os procedimentos de carregamento e estivagem devem ser discutidos e acordados entre o comandante e o operador do terminal antes do início das operações. Os armadores devem assegurar que todos os navios portam os manuais operacionais e de carregamento corretos.
  • 63. HIGIENE E SEGURANÇA 63 FOR-MAR | UFCD 6482 Para reduzir ao mínimo o contato com cargas que podem irritar a pele, os marítimos devem usar roupas de proteção adequadas e usar cremes bloqueadores. As roupas e o próprio corpo devem ser lavados para remover a poeira residual da carga, antes do ingresso nos alojamentos, a fim de evitar seu transporte para os espaços coletivos e a ingestão acidental nas refeições. Isso é especialmente relevante para os materiais identificados como tóxicos no Código IMDG. Durante a navegação, os elementos de peação das cargas no convés, nos porões, nas salas de motores e nas áreas de armazenamento devem ser verificadas periodicamente e apertadas se necessário. Com o mau tempo, deve-se examinar a possibilidade de mudar o rumo do navio e facilitar o aperto dos elementos de peação e travamento para reduzir os riscos em potencial. Os marítimos devem receber o treinamento especial necessário e, em particular, na operação e manutenção das gruas de contentores de bordo e na utilização das mesmas. Os armadores devem prover cada navio com os manuais de instrução para a operação e a manutenção do material e do equipamento de manipulação de carga. O manual de estivagem e amarração também deve ser fornecido.
  • 64. HIGIENE E SEGURANÇA 64 FOR-MAR | UFCD 6482 Cada contentor deve portar uma placa, especificando a aprovação de segurança, o país que aprovou, a data de fabricação, o número de identificação, o peso bruto máximo de utilização, o peso de empilhamento tolerável, a rigidez transversal e o valor de carga de prova. A altura da pilha de contentores deve levar em conta seu modelo, sua resistência prevista e também não pode criar barreiras a visibilidade desde a ponte. O número de contentores empilhados no convés ou no porão não deve exceder os limites fixados. Ao transportar contentores na cobertura das escotilhas, a resistência das mesmas não pode ser excedida. O deslizamento e o basculamento das coberturas deve ser evitado com a utilização de calços bloqueadores e dispositivos de tranca com modelos aprovados. Contentor estivados no convés devem estar presos ao navio, por exemplo, com cones de empilhamento e trancas giratórias. As trancas giratórias podem ser muito úteis quando os contentores estão estivados em pilha de um ou dois, e o container de cima estiver leve ou vazio. Muito cuidado deve ser tomado no posicionamento das trancas da forma correta e travadas.
  • 65. HIGIENE E SEGURANÇA 65 FOR-MAR | UFCD 6482 Se no convés há mais de dois contentores empilhados, devem ser usados cones de empilhamento e trincas de varas de aço. Todos os contentores devem estar bem presos, preferencialmente nos cantos inferiores da base, para impedir seu deslizamento. Nenhum sistema de retenção que gere forças superiores àquelas para as quais foi concebido deve ser imposto aos contentores ou quaisquer de seus acessórios. Os marítimos devem usar equipamentos de proteção individual nas operações com carga, arrumação e amarração no convés, e devem usar braços de alavanca especiais para tencionar os elementos de fixação. Ao manipular contentores deve-se ter em mente a possibilidade do conteúdo estar mal ou desigualmente distribuído no seu interior, e do peso real não ser o declarado.
  • 66. HIGIENE E SEGURANÇA 66 FOR-MAR | UFCD 6482 Pode ser necessário amarrar com elementos adicionais de travamento os itens pesados de maquinaria ou plantas industriais colocados em contentores de plataforma. Meios seguros de acesso aos contentores empilhados no convés devem ser estabelecidos para a verificação do estado das amarras, travas etc. Onde necessário, os marítimos devem estar protegidos contra quedas, com o uso de cintos de segurança apropriadamente fixados, ou outros dispositivos adequados. Quando a central elétrica do navio é usada para suprir os contentores refrigerados, os cabos de força devem estar providos com os conectores corretos para os circuitos elétricos e para aterrar os contentores. Antes que a energia seja usada, os cabos e conexões devem ser inspecionados e os defeitos reparados e testados por uma pessoa competente. Os cabos de energia devem ser manuseados somente com a energia elétrica desligada. Os marítimos devem estar cientes de que contentores podem cair por falha do material ou equipamento de manipulação da carga, da própria estrutura do contentor, que pode desintegrar-se por sobrecarga ou avaria durante as operações de carregamento. Isso pode levar a queda do conteúdo do contentores sobre o convés. Marítimos transitando no convés durante as manobras com carga devem, se possível, usar o convés lado mar do navio.
  • 67. HIGIENE E SEGURANÇA 67 FOR-MAR | UFCD 6482 Os tripulantes devem usar equipamento de proteção adequado quando transitarem no convés próximos aos contentores. Devem saber que os dispositivos soltos de amarrar ou travar representam perigo sério, particularmente as castanhas e outros elementos, que podem ter caído inadvertidamente durante as operações. As áreas do convés e o topo de todos os contentores devem ser examinados para verificar se há elementos soltos de amarração ou travamento após o término das manobras com carga. Se um contentor apresenta vazamento, o conteúdo da carga deve ser determinado imediatamente pelas placas de identificação do mesmo e pela documentação que o acompanha a bordo. Os contentores nunca devem ser içados somente com lingas metálicas, o que pode acarretar deformações, inviabilizando a recolocação nas guias celulares e a operação com equipamentos especializados.