SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA APARECIDA
Teresina: de de 2019 NOTA:
Aluno(a): TRABALHO:
Ano/Série : 7º Ano Curso: Ensino Fundamental II QUALITATIVO:
Professor(a): Lucas Ramyro Gomes de Brito TOTAL:
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA
Orientações Importantes
 No espaço do CARTÃO-RESPOSTA (gabarito), preencha apenas nos espaços corretos. Traços, riscos, rabiscos ou
escrever dentro do quadro do CARTÃO-RESPOSTA podem anular a prova.
 Nas questões objetivas (de marcar) apenas uma alternativa é correta.
 A prova deve ser respondida com caneta esferográfica de tinta na cor AZUL ou PRETA.
 Identifique sua prova preenchendo o cabeçalho.
 Todo o material escolar deve ser colocado embaixo da carteira.
 Faça a prova com calma, pensando bem antes de responder às questões.
 Qualquer dúvida peça ajuda ao professor(a) presente no momento da aplicação da prova.
MODELO
CARTÃO-RESPOSTA
CARTÃO-RESPOSTA
Cada questão objetiva corresponde a 0,818 ponto! Preencha apenas o campo necessário!
01) Ao decidir colonizar as terras brasileiras, o rei de Portugal, D. João III, teve de enfrentar três problemas:
escolher o que produzir, conseguir dinheiro e decidir qual seria a mão de obra. O produto escolhido foi o
açúcar de cana. E havia três boas razões para essa escolha.
I. O açúcar alcançava altos preços na Europa;
II. O solo e o clima do litoral nordestino eram favoráveis ao cultivo da cana;
III. Os portugueses já tinham produzido açúcar nas ilhas da Madeira e Cabo Verde;
IV. Os indígenas já tinham experiência com o cultivo e produção do açúcar.
As três razões são aquelas dos itens:
a) II, III e IV.
b) I, III e IV.
c) I, II e IV.
d) I, II e III.
e) Nenhuma das afirmações está correta.
02) Durante a colonização da América portuguesa,
na passagem do século XVI para o XVII, os senho-
res de engenho começaram a substituir os indíge-
nas por africanos como mão de obra, pelas seguin-
tes razões.
I. A falta de indígenas nas áreas açucareiras
(por morte ou fuga);
II. Os interesses envolvendo o tráfico de africa-
nos pelo Atlântico;
III. A experiência dos africanos na produção de
açúcar nas plantações portuguesas das ilhas
de Cabo Verde e Madeira.
Estão corretas as afirmações dos itens:
a) apenas I e II.
b) apenas II e III.
c) apenas I e III.
d) todas as afirmações estão corretas.
e) nenhuma das afirmações está correta.
03) Assinale V para o que for Verdadeiro e F para
o que for Falso. Nos tempos coloniais, o açúcar era
produzido em engenhos. Inicialmente, o engenho
era o nome que se dava ao equipamento usado na
fabricação do açúcar. Com o tempo, passou a sig-
nificar um conjunto que incluía:
( ) as matas, o canavial, a casa de engenho
(onde se produzia o açúcar);
( ) a roça (onde se plantavam os alimentos);
( ) a casa-grande (habitação do senhor do en-
genho);
( ) a senzala (moradia dos escravos);
( ) a capela (onde se realizavam batizados, mis-
sas etc);
( ) a moradia dos trabalhadores;
( ) as aldeias indígenas.
A sequência correta, de cima para baixo, é:
a) V F V V V F F
b) F V F V V V V
c) V V V V V V F
d) V F F F F F V
e) V V V F F F V
04) No Brasil colonial, além do açúcar, eram pro-
duzidos muitos outros gêneros, como fumo, algo-
dão, couro e carne. Associe as colunas de modo a
caracterizá-los.
I. Fumo ou tabaco.
II. Algodão.
III. Drogas do Sertão.
IV. Gado.
( ) Nome dado a produtos amazônicos como o
guaraná, o cacau, o anil, a castanha-do-
pará, a baunilha, a salsa, que também foram
importantes na economia colonial.
( ) Planta conhecida dos indígenas, começou a
ser cultivada a partir do século XVII, no inte-
rior da Bahia, e, também no litoral de Per-
nambuco. Ao lado da cachaça, era um pro-
duto muito consumido, tanto no território
colonial quanto no exterior. O produto de
primeira era vendido principalmente na Eu-
ropa; já o produto de terceira era usado so-
bretudo pelos traficantes como moeda de
troca para conseguir escravos na África.
( ) Teve, desde cedo, importante papel nos
engenhos coloniais, onde transportava a
cana, fazia girar a moenda e servia como
alimento. Os carros de boi eram usados
também para transportar pessoas e artigos
que circulavam na Colônia. A pecuária era,
portanto, um setor decisivo para o funcio-
namento da economia como um todo.
( ) Produto nativo da América, conhecido dos
indígenas, que o utilizavam, entre outras
coisas, para tecer suas redes. No Brasil co-
lônia, o cultivo ganhou importância no sécu-
lo XVIII, quando a região dos atuais Mara-
nhão, Pernambuco, Ceará e Pará se desta-
cou como grande exportadora de fibras para
as fábricas da Inglaterra.
A sequência correta, de cima para baixo, é:
a) III, II, IV, I.
b) IV, II, III, I.
c) IV, I, III, II.
d) I, IV, II, III.
e) III, I, IV, II.
05) No Brasil colonial, muitos engenhos emprega-
vam assalariados. Eles dividiam com os escraviza-
dos o duro e demorado trabalho de produzir açúcar
nos engenhos coloniais. Associe as colunas a se-
guir, de modo a caracterizar esses trabalhadores.
I. Feitor-mor.
II. Mestre de açúcar.
III. Purgador.
IV. Caldeireiro.
V. Oficial de açúcar.
VI. Feitor de campo.
( ) Trabalhava nas caldeiras.
( ) Administrava o engenho.
( ) Auxiliava o mestre de açúcar.
( ) Controlava o trabalho de beneficiamento do
açúcar.
( ) Vigiava e castigava os escravos.
( ) Trabalhava na purificação do açúcar.
A sequência correta, de cima para baixo, é:
a) IV, I, V, III, VI, II.
b) II, IV, I, V, III, VI.
c) I, IV, II, V, III, VI.
d) IV, I, V, II, VI, III.
e) I, IV, V, III, VI, II.
06) Em Portugal, em 1580, o rei D. Henrique mor-
reu sem deixar herdeiros. Então, o rei da Espanha,
Felipe II, parente do rei morto, venceu a disputa
pelo trono português e se tornou também rei de
Portugal. O domínio da Espanha sobre Portugal e
suas colônia, entre elas o Brasil, durou 60 anos e
ficou conhecido como:
a) União Francesa.
b) União Holandesa.
c) União Ultramarina.
d) União Maurícia.
e) União Ibérica.
07) No Brasil colônia, a pecuária teve um papel
decisivo na:
a) ocupação das áreas litorâneas.
b) expulsão do assalariado do campo.
c) formação e exploração dos minifúndios.
d) fixação do escravo na agricultura.
e) expansão para o interior.
08) O texto abaixo refere-se à atividade pecuarista
no Brasil Colônia:
“O gado podia penetrar o Sertão. Não tinha o pro-
blema seríssimo do transporte, porque transporta-
va a si mesmo. A mão de obra exigida era pouca.
Sem a complexidade da agricultura, principalmente
da canavieira, tinha na amplitude do sertão o cami-
nho de sua expansão, acompanhando os rios rumo
ao interior.”
Assinale a única alternativa NÃO contida no texto.
a) A criação do gado era pouco exigente com
respeito à mão de obra.
b) A agricultura açucareira era atividade mais
complexa do que a criação de gado.
c) A penetração do gado no Sertão não envolvia
custos no transporte.
d) A pecuária não tinha maior produtividade do
que as atividades agrícolas.
e) O Sertão apresentou-se como caminho ade-
quado para a expansão e criação do gado.
09) Sobre a invasão holandesa no Nordeste açu-
careiro, assinale V para o que for Verdadeiro e F
para o que for Falso.
( ) O governo holandês escolheu o conde Jo-
ão Maurício de Nassau para administrar o
Brasil holandês.
( ) Nassau forneceu empréstimos aos senho-
res de engenho luso-brasileiros para que
recuperassem suas lavouras e compras-
sem escravos.
( ) Para evitar possíveis conflitos entre os se-
nhores de engenho (protestantes) e os ho-
landeses (católicos), Nassau adotou a polí-
tica de intolerância religiosa.
( ) Entre os melhoramentos realizados pelo
governo de Nassau em Recife podemos
citar: calçamento de ruas, abertura de ca-
nais, construção de pontes, jardins e hospi-
tais.
A sequência correta, de cima para baixo, é:
a) V F V V
b) V V F V
c) V F F V
d) F V F V
e) F F V F
10) Maurício de Nassau discordava do novos mé-
todos da Companhia das Índias Orientais a partir
de 1644. Ele foi forçado a deixar o cargo e voltou
para a Europa. Os novos governantes holandeses
começaram, então, a confiscar terras e escravos
dos senhores de engenho que não conseguiam
saldar as dívidas. Uniram-se contra os holandeses,
assim como os indígenas, e as lutas para expulsão
dos holandeses começaram em 1645 e duraram
nove anos, sob liderança do governador André
Vidal de Negreiros e o senhor de engenho João
Fernandes Vieira. Os holandeses sofreram gran-
des perdas humanas e materiais, e renderam-se
em 1654. Essas lutas contra os holandeses ficaram
conhecidas como:
a) Guerra dos Mascates.
b) Revolta de Beckman.
c) Guerra dos Emboabas.
d) Insurreição Pernambucana.
e) Revolta de Vila Rica.
11) Qual destas alternativas expressa melhor o que foram as BANDEIRAS?
a) Expedições financiadas pela Coroa que se propunham exclusivamente a descobrir metais preciosos e
pedras preciosas.
b) Movimento de fundo catequético, liderados pelos jesuítas para a formação de uma nação indígena cris-
tã.
c) Expedições particulares que apresavam os índios e procuravam metais e pedras preciosas.
d) Empresas organizadas com o objetivo de conquistar as áreas litorâneas e ribeirinhas.
e) Incursões de portugueses para atrair tribos indígenas para serem catequizados pelos jesuítas.
QUESTÃO EXTRA
12) A partir do que foi estudado sobre a colonização do Brasil, complete as frases utilizando as palavras do
quadro abaixo. (1,2 ponto)
Casa de Engenho; Senhor de Engenho; Senzala; Casa-grande; Capela; Canaviais;
Escambo; Catequização; Escravizados; Engenhos; Maurício de Nassau; Século XVIII.
a) O ____________________ era o dono da propriedade e a __________________ era sua moradia e de
sua família.
b) O trabalho da maior parte dos escravizados do engenho era o cultivo dos _____________________.
c) A ______________________ era o local onde se encontravam as máquinas de moer cana, as fornalhas
e outros objetos utilizados na produção do açúcar.
d) O lugar de abrigo dos escravizados era chamado ____________________, onde não havia janelas nem
móveis.
e) Na ___________________ eram celebradas missas e festividades religiosas, onde também os escravi-
zados recém-chegados da África eram batizados.
f) A _____________________ dos indígenas representou a desestruturação de seus costumes e de sua
cultura.
g) Indígenas e africanos foram _____________________ na Colônia.
h) ___________________ era o nome das trocas entre indígenas e portugueses no século XVI.
i) Durante a administração de ___________________________ foram feitas várias melhorias urbanas na
capitania de Pernambuco.
j) O plantio da cana e a produção de açúcar eram feitos em grandes propriedades rurais chamadas de
_________________________.
k) Durante todo o tempo em que foram escravizados no Brasil, africanos e seus descendentes sempre a-
presentaram _____________________ à sua condição.
l) No ________________________, a mineração não era a única atividade econômica desenvolvida na
Colônia.
Boa Sorte!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cruzadinha revolução industrial
Cruzadinha revolução industrialCruzadinha revolução industrial
Cruzadinha revolução industrialÓcio do Ofício
 
Cruzadinha crise de 1929 ok
Cruzadinha crise de 1929 okCruzadinha crise de 1929 ok
Cruzadinha crise de 1929 okViviane Simões
 
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...Atividades Diversas Cláudia
 
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O  humanismo e o renascimentoCruzadinha de História - O  humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimentoMary Alvarenga
 
Cruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroCruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroTalita Barreto
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (20)

Caça palavras brasil pre colonial
Caça palavras brasil pre colonialCaça palavras brasil pre colonial
Caça palavras brasil pre colonial
 
Prova revoluçao russa
Prova revoluçao russaProva revoluçao russa
Prova revoluçao russa
 
Cruzadinha revolução industrial
Cruzadinha revolução industrialCruzadinha revolução industrial
Cruzadinha revolução industrial
 
Atividade sobre a evolução do homem 6º ano
Atividade sobre a evolução do homem 6º anoAtividade sobre a evolução do homem 6º ano
Atividade sobre a evolução do homem 6º ano
 
Atividades 6º ano
Atividades 6º anoAtividades 6º ano
Atividades 6º ano
 
Atividades feudalismo na idade média
Atividades   feudalismo na idade médiaAtividades   feudalismo na idade média
Atividades feudalismo na idade média
 
Cruzadinha crise de 1929 ok
Cruzadinha crise de 1929 okCruzadinha crise de 1929 ok
Cruzadinha crise de 1929 ok
 
Avaliação Era Vargas
Avaliação Era VargasAvaliação Era Vargas
Avaliação Era Vargas
 
Atividades Revolução Francesa
Atividades   Revolução FrancesaAtividades   Revolução Francesa
Atividades Revolução Francesa
 
Prova de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil coloniaProva de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil colonia
 
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
1 guerra Russia Ucrania atividade interdisciplinar historia geografia portugu...
 
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O  humanismo e o renascimentoCruzadinha de História - O  humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimento
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Atividades primeira republica
Atividades primeira republicaAtividades primeira republica
Atividades primeira republica
 
Mesopotamia cruzadinha
Mesopotamia cruzadinhaMesopotamia cruzadinha
Mesopotamia cruzadinha
 
Prova revoluçao russa
Prova revoluçao russaProva revoluçao russa
Prova revoluçao russa
 
Cruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroCruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouro
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga
 
Avaliação período regencial
Avaliação período regencialAvaliação período regencial
Avaliação período regencial
 

Semelhante a Avaliação história 7º ano setembro - gabarito

43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdfDirleySantos2
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdfAndrei Rita
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Jorge Tales
 
FORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptx
FORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptxFORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptx
FORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptxJailsonRD
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritoresAvaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritoresAtividades Diversas Cláudia
 
hh8_jogo_e1.pptx
hh8_jogo_e1.pptxhh8_jogo_e1.pptx
hh8_jogo_e1.pptxMenaDamil1
 

Semelhante a Avaliação história 7º ano setembro - gabarito (20)

Período_Colonial.pptx
Período_Colonial.pptxPeríodo_Colonial.pptx
Período_Colonial.pptx
 
Prova diagnostica historia 1 ano
Prova diagnostica  historia 1 anoProva diagnostica  historia 1 ano
Prova diagnostica historia 1 ano
 
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
 
Hist 7 uni8
Hist 7 uni8Hist 7 uni8
Hist 7 uni8
 
Topicos 7,8,9,10 historia expansão maritima
Topicos 7,8,9,10 historia expansão  maritimaTopicos 7,8,9,10 historia expansão  maritima
Topicos 7,8,9,10 historia expansão maritima
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
 
Avaliação sobre o início da colonização do Brasil
Avaliação sobre o início da colonização do BrasilAvaliação sobre o início da colonização do Brasil
Avaliação sobre o início da colonização do Brasil
 
FORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptx
FORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptxFORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptx
FORMAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO.pptx
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritoresAvaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-8c2ba-ano-com-descritores
 
Historia arrumar
Historia arrumarHistoria arrumar
Historia arrumar
 
Ava hist8 pip
Ava hist8 pipAva hist8 pip
Ava hist8 pip
 
Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.
 
Periodo pré colonial
Periodo pré colonialPeriodo pré colonial
Periodo pré colonial
 
Respostas história
Respostas históriaRespostas história
Respostas história
 
hh8_jogo_e1.pptx
hh8_jogo_e1.pptxhh8_jogo_e1.pptx
hh8_jogo_e1.pptx
 
Ava historia 8ano
Ava historia 8anoAva historia 8ano
Ava historia 8ano
 
Hist 7 resp
Hist 7 respHist 7 resp
Hist 7 resp
 

Mais de Giselda morais rodrigues do

Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Giselda morais rodrigues do
 

Mais de Giselda morais rodrigues do (20)

DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
 
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanosHsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
Hsc povos-tradicionais-amerindios-e-africanos
 
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
360426450 caca-palavras-sobre-renascimento
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
 
Ap cs história- 7° ano - correto
Ap cs   história- 7° ano - corretoAp cs   história- 7° ano - correto
Ap cs história- 7° ano - correto
 
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
Caapalavrasidademdiaeja 160916013034
 
Planejamento g4 e13 a 17 de setembro
Planejamento g4 e13 a 17 de setembroPlanejamento g4 e13 a 17 de setembro
Planejamento g4 e13 a 17 de setembro
 
Planej. giselda g4 e 24-05 à 28 de maio
Planej. giselda g4 e  24-05 à 28 de maioPlanej. giselda g4 e  24-05 à 28 de maio
Planej. giselda g4 e 24-05 à 28 de maio
 
Campo de experiências codigos g4 copia
Campo de experiências codigos g4   copiaCampo de experiências codigos g4   copia
Campo de experiências codigos g4 copia
 
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
Apostila completa 2 semestre 2021 (1) (1)
 
Apostila g418
Apostila g418Apostila g418
Apostila g418
 
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
6 anol portuguesaprofessor3cadernonovo
 
Livro u2 (1)
Livro u2 (1)Livro u2 (1)
Livro u2 (1)
 
18 caua pereira rosa de almeida
18 caua pereira rosa de almeida18 caua pereira rosa de almeida
18 caua pereira rosa de almeida
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Livro projeto gato xadrez 1
Livro projeto gato xadrez 1Livro projeto gato xadrez 1
Livro projeto gato xadrez 1
 
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
Cadernodofuturo matemtica-3anoprof-171112071214
 
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
FISIOTERAPIA
FISIOTERAPIAFISIOTERAPIA
FISIOTERAPIA
 

Último

Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 

Avaliação história 7º ano setembro - gabarito

  • 1. CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA APARECIDA Teresina: de de 2019 NOTA: Aluno(a): TRABALHO: Ano/Série : 7º Ano Curso: Ensino Fundamental II QUALITATIVO: Professor(a): Lucas Ramyro Gomes de Brito TOTAL: AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA Orientações Importantes  No espaço do CARTÃO-RESPOSTA (gabarito), preencha apenas nos espaços corretos. Traços, riscos, rabiscos ou escrever dentro do quadro do CARTÃO-RESPOSTA podem anular a prova.  Nas questões objetivas (de marcar) apenas uma alternativa é correta.  A prova deve ser respondida com caneta esferográfica de tinta na cor AZUL ou PRETA.  Identifique sua prova preenchendo o cabeçalho.  Todo o material escolar deve ser colocado embaixo da carteira.  Faça a prova com calma, pensando bem antes de responder às questões.  Qualquer dúvida peça ajuda ao professor(a) presente no momento da aplicação da prova. MODELO CARTÃO-RESPOSTA CARTÃO-RESPOSTA Cada questão objetiva corresponde a 0,818 ponto! Preencha apenas o campo necessário! 01) Ao decidir colonizar as terras brasileiras, o rei de Portugal, D. João III, teve de enfrentar três problemas: escolher o que produzir, conseguir dinheiro e decidir qual seria a mão de obra. O produto escolhido foi o açúcar de cana. E havia três boas razões para essa escolha. I. O açúcar alcançava altos preços na Europa; II. O solo e o clima do litoral nordestino eram favoráveis ao cultivo da cana; III. Os portugueses já tinham produzido açúcar nas ilhas da Madeira e Cabo Verde; IV. Os indígenas já tinham experiência com o cultivo e produção do açúcar. As três razões são aquelas dos itens: a) II, III e IV. b) I, III e IV. c) I, II e IV. d) I, II e III. e) Nenhuma das afirmações está correta.
  • 2. 02) Durante a colonização da América portuguesa, na passagem do século XVI para o XVII, os senho- res de engenho começaram a substituir os indíge- nas por africanos como mão de obra, pelas seguin- tes razões. I. A falta de indígenas nas áreas açucareiras (por morte ou fuga); II. Os interesses envolvendo o tráfico de africa- nos pelo Atlântico; III. A experiência dos africanos na produção de açúcar nas plantações portuguesas das ilhas de Cabo Verde e Madeira. Estão corretas as afirmações dos itens: a) apenas I e II. b) apenas II e III. c) apenas I e III. d) todas as afirmações estão corretas. e) nenhuma das afirmações está correta. 03) Assinale V para o que for Verdadeiro e F para o que for Falso. Nos tempos coloniais, o açúcar era produzido em engenhos. Inicialmente, o engenho era o nome que se dava ao equipamento usado na fabricação do açúcar. Com o tempo, passou a sig- nificar um conjunto que incluía: ( ) as matas, o canavial, a casa de engenho (onde se produzia o açúcar); ( ) a roça (onde se plantavam os alimentos); ( ) a casa-grande (habitação do senhor do en- genho); ( ) a senzala (moradia dos escravos); ( ) a capela (onde se realizavam batizados, mis- sas etc); ( ) a moradia dos trabalhadores; ( ) as aldeias indígenas. A sequência correta, de cima para baixo, é: a) V F V V V F F b) F V F V V V V c) V V V V V V F d) V F F F F F V e) V V V F F F V 04) No Brasil colonial, além do açúcar, eram pro- duzidos muitos outros gêneros, como fumo, algo- dão, couro e carne. Associe as colunas de modo a caracterizá-los. I. Fumo ou tabaco. II. Algodão. III. Drogas do Sertão. IV. Gado. ( ) Nome dado a produtos amazônicos como o guaraná, o cacau, o anil, a castanha-do- pará, a baunilha, a salsa, que também foram importantes na economia colonial. ( ) Planta conhecida dos indígenas, começou a ser cultivada a partir do século XVII, no inte- rior da Bahia, e, também no litoral de Per- nambuco. Ao lado da cachaça, era um pro- duto muito consumido, tanto no território colonial quanto no exterior. O produto de primeira era vendido principalmente na Eu- ropa; já o produto de terceira era usado so- bretudo pelos traficantes como moeda de troca para conseguir escravos na África. ( ) Teve, desde cedo, importante papel nos engenhos coloniais, onde transportava a cana, fazia girar a moenda e servia como alimento. Os carros de boi eram usados também para transportar pessoas e artigos que circulavam na Colônia. A pecuária era, portanto, um setor decisivo para o funcio- namento da economia como um todo. ( ) Produto nativo da América, conhecido dos indígenas, que o utilizavam, entre outras coisas, para tecer suas redes. No Brasil co- lônia, o cultivo ganhou importância no sécu- lo XVIII, quando a região dos atuais Mara- nhão, Pernambuco, Ceará e Pará se desta- cou como grande exportadora de fibras para as fábricas da Inglaterra. A sequência correta, de cima para baixo, é: a) III, II, IV, I. b) IV, II, III, I. c) IV, I, III, II. d) I, IV, II, III. e) III, I, IV, II. 05) No Brasil colonial, muitos engenhos emprega- vam assalariados. Eles dividiam com os escraviza- dos o duro e demorado trabalho de produzir açúcar nos engenhos coloniais. Associe as colunas a se- guir, de modo a caracterizar esses trabalhadores. I. Feitor-mor. II. Mestre de açúcar. III. Purgador. IV. Caldeireiro. V. Oficial de açúcar. VI. Feitor de campo.
  • 3. ( ) Trabalhava nas caldeiras. ( ) Administrava o engenho. ( ) Auxiliava o mestre de açúcar. ( ) Controlava o trabalho de beneficiamento do açúcar. ( ) Vigiava e castigava os escravos. ( ) Trabalhava na purificação do açúcar. A sequência correta, de cima para baixo, é: a) IV, I, V, III, VI, II. b) II, IV, I, V, III, VI. c) I, IV, II, V, III, VI. d) IV, I, V, II, VI, III. e) I, IV, V, III, VI, II. 06) Em Portugal, em 1580, o rei D. Henrique mor- reu sem deixar herdeiros. Então, o rei da Espanha, Felipe II, parente do rei morto, venceu a disputa pelo trono português e se tornou também rei de Portugal. O domínio da Espanha sobre Portugal e suas colônia, entre elas o Brasil, durou 60 anos e ficou conhecido como: a) União Francesa. b) União Holandesa. c) União Ultramarina. d) União Maurícia. e) União Ibérica. 07) No Brasil colônia, a pecuária teve um papel decisivo na: a) ocupação das áreas litorâneas. b) expulsão do assalariado do campo. c) formação e exploração dos minifúndios. d) fixação do escravo na agricultura. e) expansão para o interior. 08) O texto abaixo refere-se à atividade pecuarista no Brasil Colônia: “O gado podia penetrar o Sertão. Não tinha o pro- blema seríssimo do transporte, porque transporta- va a si mesmo. A mão de obra exigida era pouca. Sem a complexidade da agricultura, principalmente da canavieira, tinha na amplitude do sertão o cami- nho de sua expansão, acompanhando os rios rumo ao interior.” Assinale a única alternativa NÃO contida no texto. a) A criação do gado era pouco exigente com respeito à mão de obra. b) A agricultura açucareira era atividade mais complexa do que a criação de gado. c) A penetração do gado no Sertão não envolvia custos no transporte. d) A pecuária não tinha maior produtividade do que as atividades agrícolas. e) O Sertão apresentou-se como caminho ade- quado para a expansão e criação do gado. 09) Sobre a invasão holandesa no Nordeste açu- careiro, assinale V para o que for Verdadeiro e F para o que for Falso. ( ) O governo holandês escolheu o conde Jo- ão Maurício de Nassau para administrar o Brasil holandês. ( ) Nassau forneceu empréstimos aos senho- res de engenho luso-brasileiros para que recuperassem suas lavouras e compras- sem escravos. ( ) Para evitar possíveis conflitos entre os se- nhores de engenho (protestantes) e os ho- landeses (católicos), Nassau adotou a polí- tica de intolerância religiosa. ( ) Entre os melhoramentos realizados pelo governo de Nassau em Recife podemos citar: calçamento de ruas, abertura de ca- nais, construção de pontes, jardins e hospi- tais. A sequência correta, de cima para baixo, é: a) V F V V b) V V F V c) V F F V d) F V F V e) F F V F 10) Maurício de Nassau discordava do novos mé- todos da Companhia das Índias Orientais a partir de 1644. Ele foi forçado a deixar o cargo e voltou para a Europa. Os novos governantes holandeses começaram, então, a confiscar terras e escravos dos senhores de engenho que não conseguiam saldar as dívidas. Uniram-se contra os holandeses, assim como os indígenas, e as lutas para expulsão dos holandeses começaram em 1645 e duraram nove anos, sob liderança do governador André Vidal de Negreiros e o senhor de engenho João Fernandes Vieira. Os holandeses sofreram gran- des perdas humanas e materiais, e renderam-se em 1654. Essas lutas contra os holandeses ficaram conhecidas como: a) Guerra dos Mascates. b) Revolta de Beckman.
  • 4. c) Guerra dos Emboabas. d) Insurreição Pernambucana. e) Revolta de Vila Rica. 11) Qual destas alternativas expressa melhor o que foram as BANDEIRAS? a) Expedições financiadas pela Coroa que se propunham exclusivamente a descobrir metais preciosos e pedras preciosas. b) Movimento de fundo catequético, liderados pelos jesuítas para a formação de uma nação indígena cris- tã. c) Expedições particulares que apresavam os índios e procuravam metais e pedras preciosas. d) Empresas organizadas com o objetivo de conquistar as áreas litorâneas e ribeirinhas. e) Incursões de portugueses para atrair tribos indígenas para serem catequizados pelos jesuítas. QUESTÃO EXTRA 12) A partir do que foi estudado sobre a colonização do Brasil, complete as frases utilizando as palavras do quadro abaixo. (1,2 ponto) Casa de Engenho; Senhor de Engenho; Senzala; Casa-grande; Capela; Canaviais; Escambo; Catequização; Escravizados; Engenhos; Maurício de Nassau; Século XVIII. a) O ____________________ era o dono da propriedade e a __________________ era sua moradia e de sua família. b) O trabalho da maior parte dos escravizados do engenho era o cultivo dos _____________________. c) A ______________________ era o local onde se encontravam as máquinas de moer cana, as fornalhas e outros objetos utilizados na produção do açúcar. d) O lugar de abrigo dos escravizados era chamado ____________________, onde não havia janelas nem móveis. e) Na ___________________ eram celebradas missas e festividades religiosas, onde também os escravi- zados recém-chegados da África eram batizados. f) A _____________________ dos indígenas representou a desestruturação de seus costumes e de sua cultura. g) Indígenas e africanos foram _____________________ na Colônia. h) ___________________ era o nome das trocas entre indígenas e portugueses no século XVI. i) Durante a administração de ___________________________ foram feitas várias melhorias urbanas na capitania de Pernambuco. j) O plantio da cana e a produção de açúcar eram feitos em grandes propriedades rurais chamadas de _________________________. k) Durante todo o tempo em que foram escravizados no Brasil, africanos e seus descendentes sempre a- presentaram _____________________ à sua condição. l) No ________________________, a mineração não era a única atividade econômica desenvolvida na Colônia. Boa Sorte!