SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
AGENTE ETIOLÓGICO 
Mycobacterium tuberculosis 
(bacilo de Koch ou baar)
Tosse crônica (o grande marcador da Doença é a tosse 
durante mais de 21 dias = 3 semanas); 
Febre; Suor marcador (que chega a molhar o lençol) 
Dor no tórax (barriga); 
Perda de peso lenta e progressiva (emagrecimento); 
Quem tem tuberculose não sente fome, fica anoréxico (sem 
apetite) e com adinamia (sem disposição para nada).
Quando as gotículas inaladas, contendo os bacilos de 
Koch atingem os alvéolos, a infecção pode se iniciar. 
Os bacilos multiplicam-se nos alvéolos e um pequeno 
número entra na circulação sanguínea disseminando-se 
por todo o corpo. Dentro de 2 a 10 semanas, no 
entanto, o sistema imune usualmente intervém, 
impedindo que os bacilos continuem a se multiplicar e 
prevenindo disseminação posterior. 
Grupos de risco com maior.É probabilidade de 
apresentar tuberculose: 
Os sintomáticos respiratórios; 
Contatos de casos de tuberculose; 
Residentes em comunidades fechadas; 
Etilistas, usuários de drogas e mendigos 
Imunodeprimidos 
Profissionais da área de Saúde em situações 
especiais. 
Suspeitos radiológicos
MEDICAMENTOS DA TUBERCULOSE 
Isoniazida (5mg/Kg diário, em ate 3 
vezes por semana) 
Rifampicina (10mg/Kg diário, em ate 
3 vezes por semana) 
Pirazinamida (20 – 25mg/Kg diário, 
em ate 3 vezes por semana) 
Etambutol (15 – 20mg/Kg diário, em 
ate 3 vezes por semana)
Os tratamentos recentes para a tuberculose ativa, incluem uma 
combinação de drogas, às vezes num total de quatro, que são 
reduzidas após certo tempo, a critério médico. Não se utiliza apenas 
uma droga, pois, neste caso, todas as bactérias sensíveis a ela morrem, 
e, três meses depois, o paciente sofrerá infecção de bactérias que 
conseguiram resistir a esta primeira droga. Alguns medicamentos 
matam a bactéria, outros agem contra a bactéria infiltrada em células, e 
outros, ainda, impedem a sua multiplicação. Ressalta-se que o 
tratamento deve seguir uma continuidade com acompanhamento 
médico, e não suspenso pelo paciente após uma simples melhora. Com 
isto evita-se que cepas da bactéria mais resistentes sobrevivam no 
organismo, e retornem posteriormente com uma infecção mais difícil de 
curar. O tratamento pode durar até 5 anos, dependendo do caso.
Tuberculose Ocular 
Tuberculose Cutânea 
Tuberculose Osteoarticular 
Tuberculose Abdominal 
Tuberculose Geniturinária 
Tuberculose Pulmonar
Todos os pacientes com tuberculose podem transmitir a doença? 
Não, apenas os doentes com o bacilo de Koch no pulmão e que 
sejam bacilíferos, isto é, que eliminem o bacilo no ar, através da 
tosse, espirro ou fala. Quem tem tuberculose noutras partes do 
corpo não transmite a doença a ninguém porque não elimina o 
bacilo de Koch através da tosse. 
Os doentes com tuberculose que já estão a ser tratados não 
oferecem perigo de contágio? 
R:Não.porque a partir do início do tratamento este risco vai diminuindo dia 
após dia. Quinze dias depois de iniciado o tratamento, é provável que o 
paciente já não elimine os bacilos de Koch.
Vacina BCG 
Quimioprofilaxia: isoniazida 6 meses (primária X secundária) 
RN coabitantes de foco bacilífero 
contactantes de bacilíferos <15 anos 
indivíduos com viragem 
PPD em até 12 meses 
indígenas expostos 
imunossuprimidos 
PPD reator forte sem TB ativa co-infectados HIV-MTB 
Controle intra-hospitalar
Paciente H.F.S.S. nascido em 29/04/61, paraense, pardo, ateu, sexo 
masculino, altura 1,75m, profissão cozinheiro, divorciado, tem 2 filhos, 
possui o ensino fundamental completo, mora com sua mãe de 85 anos 
em uma casa de alvenaria contendo 2 compartimentos, pouco ventilada 
com água encanada, esgoto tratado, coleta de lixo regular, possui 6 
cachorros e uma pequena criação de galinhas. Nega tabagismo, 
hipertensão e diabetes, relata ser ex-etilista (aproximadamente 1ano), 
na infância adquiriu catapora, sarampo e rubéola. Q.P. refere que em 
dezembro de 2013 apresentou dor no corpo, insônia, perda excessiva 
de peso, falta de apetite, impotência sexual, tosse seca e gripe mal 
curada, tomou o medicamento paracetamol por conta própria o qual 
não apresentou melhoras, mas somente em março de 2014 buscou 
auxílio médico, onde após a realização de exame de sangue e raio X foi 
diagnosticado com o quadro de pneumonia no lobo superior de ambos 
os pulmões, consequentemente deu inicio ao tratamento da pneumonia 
com as medicações prescritas pelo médico (Sulfametazol trimetropina 
800 /160 mg por 7 dias, Predinisona 40 mg/dia e Acebrofilina), sem 
apresentar melhoras em seu quadro clínico compareceu a Unidade 
Pronto Atendimento apresentando dores constantes no peito, falta de 
ar, tosse seca e febre contínua Tº 39,8º termitante.
CONT. DO EST.DE CASO 
Relatou ao médico que estava diagnosticado com 
pneumonia, realizou aerossol e medicação para febre e 
ficou em observação, sem apresentar melhoras em seu 
quadro foi encaminhado para internação, onde realizou 
novos exames como: Baciloscopia, raio X e exames de 
sangue, após os resultados foi diagnosticado com o 
quadro de TB, recebeu alta e foi orientado à procurar o 
Posto de Saúde para iniciar o quadro de esquema básico de 
TB (I) Rifampicina 150 mg, Isoniazida 75 mg, Piramidal 400 
mg, Etambutol 275 mg. Tomar 1 comprimido em jejum 
durante 2 meses.
Paciente consciente, orientado em T/E, couro 
cabeludo íntegro, cabelos lisos, olhos simétricos 
bilaterais aparentemente normais, pupilas 
isocrômicas e foto Reagentes, cavidade nasal 
íntegra, cavidade oral e dentária prejudicadas, 
apresenta falta de alguns dentes, cáries, helitose e 
língua saburrosa, pavilhão auditivo simétrico, 
pescoço com mobilidade preservada, tórax 
íntegro, pele com presença de alergia, abdômem 
ligeiramente distendido, genitália íntegra SIC. 
MMSS e MMII simétricos, rede venosa visível e 
palpável , F.F aparentemente normal, pulso 110 
bpm, PA 140 x 100 mm/hg. Tº 36º C, Respiração 12 
rpm, Glicemia 111 m/l
DIAGNÓSTICO 1 
DIFICULDADE RESPIRATÓRIA: Desobstrução ineficaz das 
vias aéreas caracterizado pela ortopnéia relacionado à 
secreção retida nos alvéolos e fadiga da musculatura 
respiratória. 
PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO: 
 Promover a desobstrução das vias aéreas do paciente 
para fluidez da secreção. 
 Orientar que o paciente repouse na posição de Fowler ou 
semi-Fowler. 
 Orientar o paciente sobre a importância da ingestão de 
líquidos. 
AVALIAÇÃO 1 
 Paciente apresenta melhoras na expectoração da 
secreção brõnquica com a ingestão de líquidos e também 
com a mudança de posição.
DIAGNÓSTICO 2: 
MUCOSA ORAL PREJUDICADA: Caracterizada pela 
halitose, língua saburrosa relacionada ao 
conhecimento deficiente sobre higiene oral eficaz. 
PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO : 
 Promover e restabelecer a integridade e higiene oral. 
 Orientar o paciente à realizar higiene bucal após 
cada refeição. 
 Verificar se o paciente está fazendo sua higiene oral 
adequadamente. 
 Encaminhar para realizar acompanhamento 
Odontológico. 
AVALIAÇÃO: 
 Paciente realiza higiene oral frequentemente após 
as refeições. 
 Sic o paciente esta fazendo acompanhamento 
Odontológico 
 Melhora na helitose
DIAGNOSTICO 3 
Alteração nutricional menor que as 
necessidades corporais relacionado a falta 
de apetite, fadiga e tosse produtiva. 
PLANEJAMENTO /IMPLEMENTAÇÃO: 
 oferecer e auxiliar na alimentação 
 Registrar a aceitação da dieta. 
AVALIAÇÂO 
 Após a aceitação da dieta integral, 
o paciente apresentou melhora 
nutricional significativa.
DIAGNOSTICO 4 
Dor aguda relacionada à mudança da frequência respiratória 
PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO: 
 Aferir sinais vitais PA/T/R; 
 Administrar a medicação conforme a prescrição medica; 
AVALIAÇÂO: 
 Paciente apresentou melhora em 
seu quadro de algia após a 
administração de analgésicos 
 Apresentou melhora na respiração.
DIAGNOSTICO 5 
Sexualidade prejudicada relacionada a deficiência percebida de 
desejo sexual e ao processo de doença. 
PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO: 
 Orientar quanto a prevenção de DST´S; 
 Orientar quanto a importância do preservativo; 
 Orientar que após a realização do 
tratamento, gradativamente voltara a 
sentir apetite sexual. 
AVALIAÇÃO: 
 SIC o paciente esta com a vida 
sexual ativa novamente.
O Brasil faz parte de uma estatística que o coloca juntamente com 
outros países em desenvolvimento perfazendo 80% dos casos 
mundiais. Há ocorrências que não são diagnosticadas e nem 
registradas. Existe necessidade de se estabelecer ações concretas 
como: notificar 90% dos casos, tratando pelo menos 85% deles; é 
preciso implementar ações em 100% dos municípios estruturando 
redes de serviços de saúde para identificar os sintomas 
respiratórios; organizar redes de laboratórios para diagnosticar e 
controlar os casos; garantir o acesso ao tratamento 
supervisionado; proteger e informar os indivíduos sadios com a 
prevenção. 
Hoje o método de redução da TB no Brasil é a busca de 
casos novos e tratamento adequado através de análise de bases de 
dados para a tomada de decisões.
Mycobacterium tuberculosis e sintomas da tuberculose
Mycobacterium tuberculosis e sintomas da tuberculose

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
TuberculoseTAS2214
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseITPAC PORTO
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaManoela Correia
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarlukeni2015
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxJéssica Angelo
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Lucas Fontes
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche blogped1
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasAdriana Mércia
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1mariacristinasn
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIACentro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
 
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 

Semelhante a Mycobacterium tuberculosis e sintomas da tuberculose

Pneumonia Pediatria
Pneumonia PediatriaPneumonia Pediatria
Pneumonia Pediatriagiolamarao
 
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)blogped1
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteSarinha Sousa
 
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaProtocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaMarisa Caixeta
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos ContatosTuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos ContatosFlávia Salame
 
Pneumonia__na_infancia-UCB.ppt
Pneumonia__na_infancia-UCB.pptPneumonia__na_infancia-UCB.ppt
Pneumonia__na_infancia-UCB.pptRaqueli Viecili
 
Pneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicaPneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicajaninemagalhaes
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoAnaB253108
 
Tuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfTuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfesd1assaoka
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxRaqueli Viecili
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhIsmael Costa
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioIsmael Costa
 

Semelhante a Mycobacterium tuberculosis e sintomas da tuberculose (20)

Pneumonia Pediatria
Pneumonia PediatriaPneumonia Pediatria
Pneumonia Pediatria
 
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
 
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaProtocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatria
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Cólera&coqueluche
Cólera&coquelucheCólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
 
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos ContatosTuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
 
Tuberculo..
Tuberculo..Tuberculo..
Tuberculo..
 
Caso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.pptCaso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.ppt
 
Pneumonia__na_infancia-UCB.ppt
Pneumonia__na_infancia-UCB.pptPneumonia__na_infancia-UCB.ppt
Pneumonia__na_infancia-UCB.ppt
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
Pneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicaPneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanica
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
 
Tuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfTuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdf
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Microbiologia doenças
Microbiologia doençasMicrobiologia doenças
Microbiologia doenças
 

Mais de Luciane Santana

Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarLuciane Santana
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Luciane Santana
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Luciane Santana
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Luciane Santana
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Luciane Santana
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaLuciane Santana
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico Luciane Santana
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Luciane Santana
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Luciane Santana
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMLuciane Santana
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemLuciane Santana
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e materialLuciane Santana
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Luciane Santana
 

Mais de Luciane Santana (20)

ISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das FábulasISOPO-PAI das Fábulas
ISOPO-PAI das Fábulas
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação
 
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
Dois Estudos de caso,Um fala sobre o Luto.Outro a questão das dores sistemáti...
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Iras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria agudaIras-Infecções respiratoria aguda
Iras-Infecções respiratoria aguda
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico  Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
Riscos no centro cirúrgico-ergonômico
 
Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje Conceito sobre saúde mental Hoje
Conceito sobre saúde mental Hoje
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.Conceito de saúde mental.
Conceito de saúde mental.
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 

Último

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 

Mycobacterium tuberculosis e sintomas da tuberculose

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. AGENTE ETIOLÓGICO Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch ou baar)
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Tosse crônica (o grande marcador da Doença é a tosse durante mais de 21 dias = 3 semanas); Febre; Suor marcador (que chega a molhar o lençol) Dor no tórax (barriga); Perda de peso lenta e progressiva (emagrecimento); Quem tem tuberculose não sente fome, fica anoréxico (sem apetite) e com adinamia (sem disposição para nada).
  • 9. Quando as gotículas inaladas, contendo os bacilos de Koch atingem os alvéolos, a infecção pode se iniciar. Os bacilos multiplicam-se nos alvéolos e um pequeno número entra na circulação sanguínea disseminando-se por todo o corpo. Dentro de 2 a 10 semanas, no entanto, o sistema imune usualmente intervém, impedindo que os bacilos continuem a se multiplicar e prevenindo disseminação posterior. Grupos de risco com maior.É probabilidade de apresentar tuberculose: Os sintomáticos respiratórios; Contatos de casos de tuberculose; Residentes em comunidades fechadas; Etilistas, usuários de drogas e mendigos Imunodeprimidos Profissionais da área de Saúde em situações especiais. Suspeitos radiológicos
  • 10. MEDICAMENTOS DA TUBERCULOSE Isoniazida (5mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Rifampicina (10mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Pirazinamida (20 – 25mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Etambutol (15 – 20mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana)
  • 11. Os tratamentos recentes para a tuberculose ativa, incluem uma combinação de drogas, às vezes num total de quatro, que são reduzidas após certo tempo, a critério médico. Não se utiliza apenas uma droga, pois, neste caso, todas as bactérias sensíveis a ela morrem, e, três meses depois, o paciente sofrerá infecção de bactérias que conseguiram resistir a esta primeira droga. Alguns medicamentos matam a bactéria, outros agem contra a bactéria infiltrada em células, e outros, ainda, impedem a sua multiplicação. Ressalta-se que o tratamento deve seguir uma continuidade com acompanhamento médico, e não suspenso pelo paciente após uma simples melhora. Com isto evita-se que cepas da bactéria mais resistentes sobrevivam no organismo, e retornem posteriormente com uma infecção mais difícil de curar. O tratamento pode durar até 5 anos, dependendo do caso.
  • 12. Tuberculose Ocular Tuberculose Cutânea Tuberculose Osteoarticular Tuberculose Abdominal Tuberculose Geniturinária Tuberculose Pulmonar
  • 13. Todos os pacientes com tuberculose podem transmitir a doença? Não, apenas os doentes com o bacilo de Koch no pulmão e que sejam bacilíferos, isto é, que eliminem o bacilo no ar, através da tosse, espirro ou fala. Quem tem tuberculose noutras partes do corpo não transmite a doença a ninguém porque não elimina o bacilo de Koch através da tosse. Os doentes com tuberculose que já estão a ser tratados não oferecem perigo de contágio? R:Não.porque a partir do início do tratamento este risco vai diminuindo dia após dia. Quinze dias depois de iniciado o tratamento, é provável que o paciente já não elimine os bacilos de Koch.
  • 14. Vacina BCG Quimioprofilaxia: isoniazida 6 meses (primária X secundária) RN coabitantes de foco bacilífero contactantes de bacilíferos <15 anos indivíduos com viragem PPD em até 12 meses indígenas expostos imunossuprimidos PPD reator forte sem TB ativa co-infectados HIV-MTB Controle intra-hospitalar
  • 15. Paciente H.F.S.S. nascido em 29/04/61, paraense, pardo, ateu, sexo masculino, altura 1,75m, profissão cozinheiro, divorciado, tem 2 filhos, possui o ensino fundamental completo, mora com sua mãe de 85 anos em uma casa de alvenaria contendo 2 compartimentos, pouco ventilada com água encanada, esgoto tratado, coleta de lixo regular, possui 6 cachorros e uma pequena criação de galinhas. Nega tabagismo, hipertensão e diabetes, relata ser ex-etilista (aproximadamente 1ano), na infância adquiriu catapora, sarampo e rubéola. Q.P. refere que em dezembro de 2013 apresentou dor no corpo, insônia, perda excessiva de peso, falta de apetite, impotência sexual, tosse seca e gripe mal curada, tomou o medicamento paracetamol por conta própria o qual não apresentou melhoras, mas somente em março de 2014 buscou auxílio médico, onde após a realização de exame de sangue e raio X foi diagnosticado com o quadro de pneumonia no lobo superior de ambos os pulmões, consequentemente deu inicio ao tratamento da pneumonia com as medicações prescritas pelo médico (Sulfametazol trimetropina 800 /160 mg por 7 dias, Predinisona 40 mg/dia e Acebrofilina), sem apresentar melhoras em seu quadro clínico compareceu a Unidade Pronto Atendimento apresentando dores constantes no peito, falta de ar, tosse seca e febre contínua Tº 39,8º termitante.
  • 16. CONT. DO EST.DE CASO Relatou ao médico que estava diagnosticado com pneumonia, realizou aerossol e medicação para febre e ficou em observação, sem apresentar melhoras em seu quadro foi encaminhado para internação, onde realizou novos exames como: Baciloscopia, raio X e exames de sangue, após os resultados foi diagnosticado com o quadro de TB, recebeu alta e foi orientado à procurar o Posto de Saúde para iniciar o quadro de esquema básico de TB (I) Rifampicina 150 mg, Isoniazida 75 mg, Piramidal 400 mg, Etambutol 275 mg. Tomar 1 comprimido em jejum durante 2 meses.
  • 17. Paciente consciente, orientado em T/E, couro cabeludo íntegro, cabelos lisos, olhos simétricos bilaterais aparentemente normais, pupilas isocrômicas e foto Reagentes, cavidade nasal íntegra, cavidade oral e dentária prejudicadas, apresenta falta de alguns dentes, cáries, helitose e língua saburrosa, pavilhão auditivo simétrico, pescoço com mobilidade preservada, tórax íntegro, pele com presença de alergia, abdômem ligeiramente distendido, genitália íntegra SIC. MMSS e MMII simétricos, rede venosa visível e palpável , F.F aparentemente normal, pulso 110 bpm, PA 140 x 100 mm/hg. Tº 36º C, Respiração 12 rpm, Glicemia 111 m/l
  • 18. DIAGNÓSTICO 1 DIFICULDADE RESPIRATÓRIA: Desobstrução ineficaz das vias aéreas caracterizado pela ortopnéia relacionado à secreção retida nos alvéolos e fadiga da musculatura respiratória. PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO:  Promover a desobstrução das vias aéreas do paciente para fluidez da secreção.  Orientar que o paciente repouse na posição de Fowler ou semi-Fowler.  Orientar o paciente sobre a importância da ingestão de líquidos. AVALIAÇÃO 1  Paciente apresenta melhoras na expectoração da secreção brõnquica com a ingestão de líquidos e também com a mudança de posição.
  • 19. DIAGNÓSTICO 2: MUCOSA ORAL PREJUDICADA: Caracterizada pela halitose, língua saburrosa relacionada ao conhecimento deficiente sobre higiene oral eficaz. PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO :  Promover e restabelecer a integridade e higiene oral.  Orientar o paciente à realizar higiene bucal após cada refeição.  Verificar se o paciente está fazendo sua higiene oral adequadamente.  Encaminhar para realizar acompanhamento Odontológico. AVALIAÇÃO:  Paciente realiza higiene oral frequentemente após as refeições.  Sic o paciente esta fazendo acompanhamento Odontológico  Melhora na helitose
  • 20.
  • 21.
  • 22. DIAGNOSTICO 3 Alteração nutricional menor que as necessidades corporais relacionado a falta de apetite, fadiga e tosse produtiva. PLANEJAMENTO /IMPLEMENTAÇÃO:  oferecer e auxiliar na alimentação  Registrar a aceitação da dieta. AVALIAÇÂO  Após a aceitação da dieta integral, o paciente apresentou melhora nutricional significativa.
  • 23. DIAGNOSTICO 4 Dor aguda relacionada à mudança da frequência respiratória PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO:  Aferir sinais vitais PA/T/R;  Administrar a medicação conforme a prescrição medica; AVALIAÇÂO:  Paciente apresentou melhora em seu quadro de algia após a administração de analgésicos  Apresentou melhora na respiração.
  • 24. DIAGNOSTICO 5 Sexualidade prejudicada relacionada a deficiência percebida de desejo sexual e ao processo de doença. PLANEJAMENTO/ IMPLEMENTAÇÃO:  Orientar quanto a prevenção de DST´S;  Orientar quanto a importância do preservativo;  Orientar que após a realização do tratamento, gradativamente voltara a sentir apetite sexual. AVALIAÇÃO:  SIC o paciente esta com a vida sexual ativa novamente.
  • 25. O Brasil faz parte de uma estatística que o coloca juntamente com outros países em desenvolvimento perfazendo 80% dos casos mundiais. Há ocorrências que não são diagnosticadas e nem registradas. Existe necessidade de se estabelecer ações concretas como: notificar 90% dos casos, tratando pelo menos 85% deles; é preciso implementar ações em 100% dos municípios estruturando redes de serviços de saúde para identificar os sintomas respiratórios; organizar redes de laboratórios para diagnosticar e controlar os casos; garantir o acesso ao tratamento supervisionado; proteger e informar os indivíduos sadios com a prevenção. Hoje o método de redução da TB no Brasil é a busca de casos novos e tratamento adequado através de análise de bases de dados para a tomada de decisões.