SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
História
8º ano
Prof. Carla Freitas
 Teocentrismo
Visão do mundo centrada em Deus
 Antropocentrismo
Visão do mundo centrada
no Homem
 Descobrimentos
 Crença na
capacidade do
homem
 Localização privilegiada com muito tráfego
comercial
 Divisão política com uma acentuada
concorrência entre as diferentes cidades
 Cidades mostravam o seu poder e riqueza
através das obras de arte construídas
 Mecenato
Os príncipes, Papas e grandes senhores encomendavam
obras aos artistas financiando-as, para mostrar o seu poder
Galeazzo Maria Sforza
Papa Júlio IILourenço de Médicis
Proximidade dos vestígios
greco-romanos, cuja cultura o
renascimento vai valorizar.
Existência de muitas
universidades e intelectuais
em Itália.
 Classicismo
Recuperação do
conhecimento, cultura e
modelos da antiguidade
clássica
“Entendo e quero que aprendas as línguas perfeitamente. Em
primeiro lugar, a grega, como quer Quintiliano; em segundo, a
latina; e depois, a hebraica, para as letras sagradas, e a caldaica
e arábiga igualmente, e que formes o teu estilo, quanto à grega,
à imitação de Platão, e quanto à latina, de Cícero.”
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
 Antropocentrismo
Valorização do ser humano
«Deus escolheu o Homem e,
colocando-o no centro do Mundo
disse-lhe: És tu que segundo os
teus desejos e o teu discernimento,
podes escolher.»
Pico della Mirandola, Sobre a dignidade
do Homem , 1486
 Espírito Crítico
O conhecimento não é apenas
imitado e aceite, é sujeito a um
olhar crítico que se estende à
sociedade em que o Homem se
insere, à ciência e à Igreja.
«Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade,
venha inspecionar comigo as vidas humanas. Este mete no ventre
tudo quanto ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê
a felicidade senão no sono e no ócio. Os negociantes mentem,
roubam, defraudam, enganam e consideram-se pessoas muito
importantes, porque andam com os dedos cheios de anéis de ouro.»
Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, 1511
 Individualismo
Confiança nas capacidades do
indivíduo que devem ser
valorizadas com uma formação
completa
«Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí,
pudesses facilmente observar as coisas. És tu que,
pela tua livre vontade, podes escolher o teu
próprio modelo e a forma de te realizares. Pela tua
vontade, poderás descer às formas degradadas da
vida, que são animais. Pela tua vontade,
conseguirás alcançar as formas mais elevadas que
são divinas.»
Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
 Humanismo
Valorização da formação cultural e do
estudo dos clássicos, com um
apurado sentido crítico face à
sociedade e ao Homem.
«No nosso tempo, todas as matérias nos
interessam. Aprendemos grego (sem o qual
ninguém se pode considerar sábio), hebraico e
latim. Considero indispensável que aprendas estas
línguas.»
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
 Erasmo de Roterdão,
O Elogio da Loucura
(1509)
 Thomas More,
Utopia (1516)
 Nicolau Maquiavel,
O Príncipe (1513)
 Shakespeare,
Rei Lear, Romeu e Julieta
 Luís de Camões,
Os Lusíadas
 Miguel Cervantes,
D. Quixote de La Mancha
 Fernão Mendes Pinto,
A Peregrinação
 Gutenberg inventou a primeira
prensa de tipos móveis em 1439.
 A invenção da imprensa facilitou a
difusão das ideias porque:
 Há mais livros
 São mais baratos
 É mais rápido fazer cópias
 Naturalismo
Interesse pelo estudo do homem e da natureza em
todas as suas vertentes.
«Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves conhecer
os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as árvores
de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais ocultos no
ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. Depois,
mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos, árabes e
latinos e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro
mundo que é o homem.»
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
 Experiencialismo
Necessidade de comprovar pela observação e pela experiência
qualquer facto antes de o aceitar como válido; valorização do
conhecimento.
«Nunca os nossos antepassados
imaginaram que viria o tempo em
que o Ocidente conheceria o Oriente
como agora conhece. Os escritores
antigos escreveram sobre isso
tantas fábulas que se pensava ser
impossível navegar até ao Oriente.
Como a experiência é a mãe de
todas as coisas, por ela soubemos
radicalmente a verdade.»
Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de
Situ Orbis, 1505
 Racionalismo
O conhecimento deve ser comprovado pela razão
 Astronomia
 Heliocentrismo
 Medicina
 Circulação do
Sangue
 Anatomia
•Autópsias
 Matemática  Geografia
 Botânica Zoologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

A vida quotidiana na Grécia Antiga
A vida quotidiana na Grécia AntigaA vida quotidiana na Grécia Antiga
A vida quotidiana na Grécia Antiga
 
Democracia ateniense
Democracia atenienseDemocracia ateniense
Democracia ateniense
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
O modelo ateniense a democracia
O modelo ateniense  a democraciaO modelo ateniense  a democracia
O modelo ateniense a democracia
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
A Democracia Em Atenas
A Democracia Em  AtenasA Democracia Em  Atenas
A Democracia Em Atenas
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
Imperialismo – ásia
Imperialismo – ásiaImperialismo – ásia
Imperialismo – ásia
 
Atenas no século v
Atenas no século vAtenas no século v
Atenas no século v
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Grecia antiga período arcaico
Grecia antiga   período arcaicoGrecia antiga   período arcaico
Grecia antiga período arcaico
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
 

Semelhante a Renascimento - Visão do mundo centrada no Homem

Renascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade modernaRenascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade modernaBárbara Sica
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernas80
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaRainha Maga
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna Ewerton Anacleto de Souza
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2Carla Teixeira
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Maida Marciano
 
Eae aula 4 - as Raças Primitivas
Eae   aula 4 - as Raças PrimitivasEae   aula 4 - as Raças Primitivas
Eae aula 4 - as Raças PrimitivasRoberto Rossignatti
 
Camões e o seu tempo
Camões e o seu tempoCamões e o seu tempo
Camões e o seu tempoprofhistoria
 
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 O Renascimento e a formação da mentalidade moderna. O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.angelamoliveira
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Escoladocs
 
O renascimento italiano
O renascimento italianoO renascimento italiano
O renascimento italianoSusana Simões
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
Mitologia e Filosofia
Mitologia e FilosofiaMitologia e Filosofia
Mitologia e Filosofiaex isto
 
A mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptxA mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptxcarlateixeira61373
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentadoemanuel
 
Módulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico ProfissionalCarla Freitas
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaJosPedroSilva11
 
Jb news informativo nr. 0430
Jb news   informativo nr. 0430Jb news   informativo nr. 0430
Jb news informativo nr. 0430JB News
 

Semelhante a Renascimento - Visão do mundo centrada no Homem (20)

Renascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade modernaRenascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade moderna
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
 
Eae aula 4 - as Raças Primitivas
Eae   aula 4 - as Raças PrimitivasEae   aula 4 - as Raças Primitivas
Eae aula 4 - as Raças Primitivas
 
Camões e o seu tempo
Camões e o seu tempoCamões e o seu tempo
Camões e o seu tempo
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 O Renascimento e a formação da mentalidade moderna. O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
 
O renascimento italiano
O renascimento italianoO renascimento italiano
O renascimento italiano
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Mitologia e Filosofia
Mitologia e FilosofiaMitologia e Filosofia
Mitologia e Filosofia
 
A mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptxA mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptx
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
 
Módulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico Profissional
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
Jb news informativo nr. 0430
Jb news   informativo nr. 0430Jb news   informativo nr. 0430
Jb news informativo nr. 0430
 

Mais de Carla Freitas

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Renascimento - Visão do mundo centrada no Homem

  • 2.  Teocentrismo Visão do mundo centrada em Deus  Antropocentrismo Visão do mundo centrada no Homem  Descobrimentos  Crença na capacidade do homem
  • 3.  Localização privilegiada com muito tráfego comercial  Divisão política com uma acentuada concorrência entre as diferentes cidades  Cidades mostravam o seu poder e riqueza através das obras de arte construídas
  • 4.  Mecenato Os príncipes, Papas e grandes senhores encomendavam obras aos artistas financiando-as, para mostrar o seu poder Galeazzo Maria Sforza Papa Júlio IILourenço de Médicis
  • 5. Proximidade dos vestígios greco-romanos, cuja cultura o renascimento vai valorizar. Existência de muitas universidades e intelectuais em Itália.
  • 6.  Classicismo Recuperação do conhecimento, cultura e modelos da antiguidade clássica “Entendo e quero que aprendas as línguas perfeitamente. Em primeiro lugar, a grega, como quer Quintiliano; em segundo, a latina; e depois, a hebraica, para as letras sagradas, e a caldaica e arábiga igualmente, e que formes o teu estilo, quanto à grega, à imitação de Platão, e quanto à latina, de Cícero.” Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
  • 7.  Antropocentrismo Valorização do ser humano «Deus escolheu o Homem e, colocando-o no centro do Mundo disse-lhe: És tu que segundo os teus desejos e o teu discernimento, podes escolher.» Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
  • 8.  Espírito Crítico O conhecimento não é apenas imitado e aceite, é sujeito a um olhar crítico que se estende à sociedade em que o Homem se insere, à ciência e à Igreja. «Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade, venha inspecionar comigo as vidas humanas. Este mete no ventre tudo quanto ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão no sono e no ócio. Os negociantes mentem, roubam, defraudam, enganam e consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com os dedos cheios de anéis de ouro.» Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, 1511
  • 9.  Individualismo Confiança nas capacidades do indivíduo que devem ser valorizadas com uma formação completa «Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses facilmente observar as coisas. És tu que, pela tua livre vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de te realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade, conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são divinas.» Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
  • 10.  Humanismo Valorização da formação cultural e do estudo dos clássicos, com um apurado sentido crítico face à sociedade e ao Homem. «No nosso tempo, todas as matérias nos interessam. Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que aprendas estas línguas.» Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
  • 11.  Erasmo de Roterdão, O Elogio da Loucura (1509)  Thomas More, Utopia (1516)  Nicolau Maquiavel, O Príncipe (1513)
  • 12.  Shakespeare, Rei Lear, Romeu e Julieta  Luís de Camões, Os Lusíadas  Miguel Cervantes, D. Quixote de La Mancha  Fernão Mendes Pinto, A Peregrinação
  • 13.  Gutenberg inventou a primeira prensa de tipos móveis em 1439.  A invenção da imprensa facilitou a difusão das ideias porque:  Há mais livros  São mais baratos  É mais rápido fazer cópias
  • 14.  Naturalismo Interesse pelo estudo do homem e da natureza em todas as suas vertentes. «Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais ocultos no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. Depois, mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos, árabes e latinos e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro mundo que é o homem.» Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
  • 15.  Experiencialismo Necessidade de comprovar pela observação e pela experiência qualquer facto antes de o aceitar como válido; valorização do conhecimento. «Nunca os nossos antepassados imaginaram que viria o tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao Oriente. Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por ela soubemos radicalmente a verdade.» Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de Situ Orbis, 1505
  • 16.  Racionalismo O conhecimento deve ser comprovado pela razão
  • 18.  Medicina  Circulação do Sangue  Anatomia •Autópsias
  • 19.  Matemática  Geografia  Botânica Zoologia