SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 89
Baixar para ler offline
HISTORIA DA MÚSICA
"Sem música, a vida seria um erro"
Friedrich Nietzsche
História da música
• Podemos dizer que a “Música” é a arte de combinar os
sons e o silêncio. Se pararmos para perceber os sons
que estão a nossa volta, concluiremos que a música é
parte integrante da nossa vida, ela é nossa criação
quando cantamos, batucamos ou ligamos um rádio ou
TV. Hoje a música se faz presente em todas as mídias,
pois ela é uma linguagem de comunicação universal, é
utilizada como forma de “sensibilizar” o outro para
uma causa de terceiro, porém esta causa vai variar de
acordo com a intenção de quem a pretende, seja ela
para vender um produto, ajudar o próximo, para fins
religiosos, para protestar, intensificar noticiário, etc.
Pequenas Diferenças
- Historicamente, música popular era
qualquer forma não folclórica muito
difundida.
- As formas cultas da música ocidental
pertencem a uma linhagem européia cuja
origem remonta aos primórdios da civilização
cristã.
- Elementos folclóricos se infiltram na
tradição culta, também o oposto é
verdadeiro.
A idade Média foi dominada pelo Cristianismo, os
monges eram quase as únicas pessoas que sabiam ler, as
artes estavam sempre subordinadas à religião, inclusive
a música, por esta razão os cantos gregorianos são as
principais manifestações musicais que chegaram até os
nossos dias.
As notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, foram criadas pelo
músico italiano e monge beneditino Guido D'Arezzo que
viveu na idade média entre os anos de 995 à 1050 d.c.
O nascimento das notas musicais
Ut queant laxis
Resonare fibris
Mira gestorum
Famuli tuorum
Solve polluti
Labii reatum
Sancte Ioannes
"Para que nós, teus
servos,
possamos elogiar
claramente
o milagre e a força dos
teus atos,
absolve nossos lábios
impuros, São João"
PRÉ-HISTÓRIA
Na pré-história o ser humano já produzia uma forma
de música que lhe era essencial, pois sua produção
cultural constituída de utensílios para serem
utilizados no dia-a-dia, não lhe bastava, era na arte
que o ser humano encontrava campo fértil para
projetar seus desejos, medos, e outras sensações
que fugiam a razão. Diferentes fontes arqueológicas,
em pinturas, gravuras e esculturas, apresentam
imagens de músicos, instrumentos e dançarinos em
ação, no entanto não é conhecida a forma como
esses instrumentos musicais eram produzidos.
MÚSICA NAS ANTIGAS CIVILIZAÇÕES
A Música na Mesopotâmia
• Das grandes civilizações do mundo antigo,
foram encontrados vestígios da existência de
instrumentos musicais em diferentes formas
de documentos. Os sumérios, que tiveram o
auge de sua cultura na bacia mesopotâmia a
milhares de anos antes de Cristo, utilizavam
em sua liturgia, hinos e cantos salmodiados,
influenciando as culturas babilônica, caldéia, e
judaica, que mais tarde se instalaram naquela
região.
Hebreus
Os Hebreus usaram a música
para fins guerreiros e religiosos, em
festas e lamentações. A primeira
menção de instrumentos musicais
encontrá-se na Gênesis (Capítulo 4,
versículo 21):
"Jubal, pai de todos os tocadores
de harpa e flauta".
Egito
A cultura egípcia, por volta de 4.000 anos a.C., alcançou
um nível elevado de expressão musical, pois era um
território que preservava a agricultura e este
costume levava às cerimônias religiosas, onde as
pessoas batiam espécies de discos e paus uns contra
os outros, utilizavam harpas, percussão, diferentes
formas de flautas e também cantavam. Os
sacerdotes treinavam os coros para os rituais
sagrados nos grandes templos. Era costume militar a
utilização de trompetes e tambores nas solenidades
oficiais.
Grécia
Os modos foram os predecessores das
escalas diatônicas maiores e menores.
Tocavam de forma improvisada, mas
perfeita. A música unia-se fortemente às
outras artes, possuindo um ritmo e uma
melodia poética. Estava fortemente presente
em cultos religiosos, bem como em teatros e
em concursos públicos.
Instrumentos usados por músicos da antiga Grécia 1 e 2 - monocórdios; 3 e 4 - guitarras; 5 - cítara heptacorda; 6
- lira; 7 - cítara pentacorda; 8 e 9 – flautas
Roma
Em Roma a música desempenhava um papel
específico no teatro, na religião e na vida militar. Em
cada qual ela possuía significados diferenciados.
Alguns estudiosos dizem que as teorias e as técnicas
musicais romanas foram “copiadas” dos gregos, pouco
acrescentando naquilo que já havia sido desenvolvido.
Porém, foram os romanos que inventaram alguns
instrumentos como a tuba (precursora do trombone),
a tíbia (precursora da gaita-de-foles) e um órgão
hidráulico ou pneumático, chamado hydraulis, cujo
fluxo de ar nos tubos era constante e mantido por
meio de pressão de água.
A música na Ásia
• Na Ásia, a 3.000 a.C., a música se desenvolvia com
expressividade nas culturas chinesa e indiana. Os chineses
acreditavam no poder mágico da música, como um espelho
fiel da ordem universal. A “cítara” era o instrumento mais
utilizado pelos músicos chineses, este era formado por um
conjunto de flautas e percussão. A música chinesa utilizava
uma escala pentatônica (cinco sons). Já na Índia, por volta de
800 anos a.C., a música era considerada extremamente vital.
Possuíam uma música sistematizada em tons e semitons, e
não utilizavam notas musicais, cujo sistema denominava-se
“ragas”, que permitiam o músico utilizar uma nota e exigia que
omitisse outra.
China
Os chineses possuíam uma vasta diversidade
de instrumentos que influenciaram todo o
Oriente. Possuíam um grande estilo e
originalidade, destacando-se pela grande
perfeição musical. Tinham oitenta e quatro
escalas diferentes, enquanto que o sistema
tradicional da música ocidental possuía apenas
vinte e quatro. Criaram também uma escala
pentatônica. Acreditavam fortemente que música
e mágica estavam relacionadas. Utilizavam
flautas, cítaras e alguns instrumentos de
percussão.
Índia
As tradições musicais da Índia remontam ao
século XIII a.C.. O povo acreditava que a música
estava diretamente ligada ao processo
fundamental da vida humana. Na Antigüidade,
criaram música religiosa, e por volta do século IV
a.C. elaboraram teorias musicais. Os músicos
tocavam instrumentos de sopro, cordas e
percussão. A música indiana era baseada num
sistema de tons e semitons; em vez de empregar
notas, os compositores seguiam uma complicada
série de fórmulas chamadas ragas. As ragas
permitiam a escolha entre certas notas, mas
exigiam a omissão de outras.
As principais fases da história da
música
01-ARTE CRISTÃ ANTIGA
Fase Catacumbária
Entoavam um tipo de oração cantada, a
uma voz, em ritmo prosódico do texto em
latim, sem acompanhamento musical. Era a
salmodia, de origem hebraica, que São Pedro
ha-via trazido da Antioquia, no ano 54. A
música cristã, depois denominada cantochão
ou cantus planus, pelo seu sentido horizontal,
com suaves ondulações melódicas, era
simbólica e de maravilhoso efeito místico.
A Música na Idade Média
• A Igreja, durante a Idade Média, ditou as regras culturais,
sociais e políticas de toda a Europa, com isto interferindo
na produção musical daquele momento. A música
“monofônica” (que possui uma única linha melódica), sacra
ou profana, é a mais antiga que conhecemos, é
denominada de “Cantochão”, porém a música utilizada nas
cerimônias católicas era o “canto gregoriano”. O canto
gregoriano foi criado antes do nascimento de Jesus Cristo,
pois ele era cantado nas sinagogas e países do Oriente
Médio. Por volta do século VI a Igreja Cristã fez do canto
gregoriano elemento essencial para o culto. O nome é uma
homenagem ao Papa Gregório I (540-604), que fez uma
coleção de peças cantadas e as publicou em dois livros:
Antiphonarium e as Graduale Romanum.
02-Idade Média
Renascimento
A música renascentista data do século XIV, período em
que os artistas pretendiam compor uma música mais
universal, buscando se distanciarem das práticas da
igreja. Havia um encantamento pela sonoridade
polifônica, pela possibilidade de variação melódica.
A polifonia valorizava a técnica que era desenvolvida
e aperfeiçoada, característica do Renascimento.
Neste período, surgem as seguintes músicas vocais
profanas: a “frótola”, o “Lied” alemão, o Villancico”,
e o “Madrigal” italiano. O “Madrigal” é uma forma
de composição que possui uma música para cada
frase do texto, usando o contraponto e a imitação.
No clima da Renascença, a
polifonia católica passava
das igrejas para os salões
da aristocracia
Giovanni da Palestrina (1525-1594)
Eliminou o acompanhamento
instrumental, criando composições "a
capela", isto é, dedicadas exclusivamente à
voz humana.
Barroco
A música barroca substituiu o estilo renascentista
após o século XVII e dominou a música européia
até cerca 1750. Era elaborada e emocional, ideal
para integrar-se a enredos dramáticos. A ópera
era a mais importante novidade em forma
musical, seguida de perto pelo oratório. A música
italiana barroca atingiu o auge com as obras de
Antônio Vivaldi.
O início do século XVIII foi marcado por dois
grandes compositores: Bach e Haëndel.
A Música Clássica
• A “Música Clássica” é o estilo posterior ao
Barroco. O termo “clássico” deriva do latim
“classicus”, que significa cidadão da mais alta
classe. Este período da música é marcado
pelas composições de Haydn, Mozart e
Beethoven (em suas composições iniciais).
Há um grande desenvolvimento no fabrico e
aperfeiçoamento dos instrumentos, o que
proporciona enormes avanços técnicos ao nível da
execução e permite aos compositores maior
liberdade de escrita.
Os grandes coros polifônicos foram
gradualmente substituídos pelo canto
individual (homofonia) com
acompanhamento instrumental.
Buscava-se centralizar na voz de um
único cantor a comunicabilidade musical
• A “Sonata”, que vem do verbo sonare (soar) é
uma obra em diversos movimentos para um
ou dois instrumentos. A “Sinfonia” significa
soar em conjunto, uma espécie de sonata
para orquestra. A sinfonia clássica é dividida
em movimentos. Os músicos que
aperfeiçoaram e enriqueceram a sinfonia
clássica foram Haydn e Mozart. O “Concerto”
é outra forma de composição surgida no
período clássico, ele apresenta uma espécie
de luta entre o solo instrumental e a
orquestra.
SONATA e SINFONIA
CONCERTO
CLASSICISMO
Os compositores clássicos acreditavam que a
música deveria ter uma forma polida e galante,
só desejavam expressar emoções de uma
maneira refinada e educada. Suas obras são
cheias de brilhantismo e vivacidade. Entre os
compositores que dominaram a época estão:
Joseph Haydn e Wolfgang Amadeus Mozart,
ambos com uma obra vastíssima. Haydn compôs
mais de 100 sinfonias, enquanto Mozart compôs
mais de 600 peças. Ambos desempenharam um
papel importante no desenvolvimento da sonata
para piano, nos quartetos de cordas e em outras
formas musicais.
Os classicistas não pretendiam que sua
música fosse linguagem para cantar a
religião, o amor, o trabalho, ou qualquer
coisa. Buscavam dar-lhe pureza total, a fim
de que o mero ato de ouvi-la bastasse
para dar prazer. A perfeição da forma era o
seu ideal estético.
Joseph Haydn
Nasceu na Áustria e foi um gênio
precoce, que desde pequeno se
revelou virtuose do piano.
Seu poderoso talento criador dava-lhe
uma expressão versátil. Escreveu com
a mesma
desenvoltura gêneros instrumentais e
vocais, criando uma obra que só não
foi mais extensa devido à sua morte
prematura.
Wolfgang Amadeus Mozart
Beethoven
Entre o fim do século XVIII e o começo do século
XIX, o rígido formalismo clássico estava em declínio,
sem que, no entanto, nenhum outro estilo se
pusesse à vista. Mozart sugeria novas concepções,
mas morreu muito cedo, sem chegar a enquadrá-las
numa tendência definida.
Romantismo
Os compositores do “Romantismo” pretendem maior
liberdade da estrutura da forma e de concepção
musical, valorizando a intensidade e o vigor da
emoção, revelando os pensamentos e sentimentos
mais profundos. É neste período que a emoção
humana é demonstrada de forma extrema. O
Romantismo inicia pela figura de Beethoven e passa
por compositores como Chopin, Schumann, Wagner,
Verdi, Tchaikovsky, R. Strauss, entre outros..
Paganini (1782-1840) encarnava bem
essa nova ideologia artística, colocando
em destaque a sua figura estranhamente
feia para enfatizar o seu virtuosismo
"diabólico".
Schubert (1797-1828) expunha a sua
natureza terna e delicada.
Mendelssohn (1809-1847) contava
através da música as suas impressões de
viagem, nas sinfonias Italianas e
Escocesas.
Richard Strauss (1864-1949)
Idealizava uma música que "exalasse cheiro",
"provocasse visões" e "sugerisse cores".
A Música no século XX
O século XX é marcado por uma série de novas
tendências e técnicas musicais, no entanto torna-se
imprudente rotular criações que ainda encontra-se
em curso. Porém algumas tendências e técnicas
importantes já se estabeleceram no decorrer do
século XX. São elas: Impressionismo, Nacionalismo
do século XX, Influências jazzísticas, Politonalidade,
Atonalidade,Expressionismo, Pontilhismo, Serialismo,
Neoclassicismo, Microtonalidade, Música concreta,
Música eletrônica, Serialismo total, e Música
Aleatória.
Quando Igor Stravinsky (1882)
estreou a sua Sagração da
Primavera, a 29 de maio de
1913, foi um escândalo. Mas o
escândalo passou e a influência
do compositor cresceu sem
cessar, a despeito de todos os
ataques da crítica.
No Brasil, Heitor Villa-Lobos (1887-1959)
também buscou no folclore a inspiração
para sua obra.
Como decorrência disto surge a Música Eletrônica, que
emprega sons tratados em laboratórios.
Ao lado da Música Aleatória, que é organizada à medida
que se processa a execução, esses gêneros constituem o
fenômeno mais recente e mais controvertido de toda a
história da música.
Guiados pela moderna teoria da comunicação de
massas, e tendo como lema a "antimúsica para salvar a
música", seus cultores se permitem total liberdade para
chocar ou divertir o público.
A fúria, o desgosto, o estarrecimento e o entusiasmo
provocados pelas apresentações dessa Música de
Vanguarda, refletem com clareza o entrechoque de
conceitos e a guerra de gerações que caracterizam o
momento atual.
A música no Séc. XXI
A Música no Brasil
• A música do Brasil se formou a partir da mistura de
elementos europeus, africanos e indígenas, trazidos
por colonizadores portugueses, escravos e pelos
nativos que habitavam o chamado Novo
Mundo.Outras influências foram se somando ao
longo da história, estabelecendo uma enorme
variedade de estilos musicais. Na época do
descobrimento do Brasil, os portugueses se
espantaram com a maneira de vestir dos nativos e a
maneira como eles faziam músicas: cantando,
dançando, tocando instrumentos (chocalhos, flautas,
tambores).
• O maracá era um instrumento muito apreciado pelos
índios tupis da costa do Brasil, e os índios costumavam
dançar em círculos cantando e batendo os pés.
Um dos cantos dos tupis era dedicado a uma ave
amarela, uma espécie de arara, que eles chamavam
“Canide ioune” (ave amarela na língua tupi).
A música brasileira mistura elementos de várias
culturas, principalmente as chamadas culturas
formadoras, que eram a dos colonizadores
portugueses (europeia), a dos nativos (indígena) e a
dos escravos (africana).
• Os primeiros professores de música no Brasil foram
os padres Jesuítas, responsáveis pela catequese dos
indígenas, a partir de 1549. No sul do Brasil, os
Jesuítas construíram as Missões, que era um projeto
que além de levar cultura aos índios guaranis,
também os ensinavam a religião católica, agricultura,
e música vocal e instrumental, criando após dez
anos, orquestras inteiras só de guaranis.
Um filme que retrata muito bem a catequese feita na
America do Sul pelos padres Jesuítas é o Filme “THE
MISSION” A MISSÃO (gravado em 1986), do Diretor
Roland Joffé, com o ator Robert de Niro no papel
principal.
• O mais famoso padre jesuíta das Missões foi o padre
José de Anchieta (1534-1597), criador de muitas peças
de teatro didáticas, que tinham a função de ensinar a
religião de uma forma criativa e espetacular aos índios.
Os padrões de interpretação e estilo, obviamente eram
todos da cultura europeia, e o objetivo era acima de
tudo catequético, com escassa ou nula contribuição
criativa original da parte dos índios.
Com o passar dos anos, os índios remanescentes dos
massacres e epidemias aos quais sofreram durante
todo esse período, foram se retirando para regiões
mais remotas do Brasil, fugindo do contato com o
homem branco, e sua participação na vida musical
nacional foi decrescendo, até quase desaparecer por
completo.
• Os indígenas não deixaram seus traços na construção da musica
brasileira, apenas em alguns gêneros folclóricos, mas de forma
bem passiva, perante a imposição da cultura colonizadora.
Até o 1900 Portugal foi a maior das influências na construção da
música brasileira, erudita e popular, porque introduziu a musica
instrumental, harmônica, a literatura musical e boa parte das
formas musicais cultivadas no país ao longo dos séculos.
Ao longo do tempo o intercâmbio cultural com outros países
além da metrópole portuguesa, trouxeram vários elementos
musicais típicos de outros países, que se tornariam importantes,
como as óperas italiana e francesa, e as danças típicas de outros
países, como a zarzuela, o bolero e a habanera de origem
espanhola, as valsas e polcas alemãs, e o jazz norte americano
tiveram também sua participação e transformação dentro da
construção da música brasileira.
• Até o início do século 18 a maior parte da
música erudita era praticada apenas na Bahia e
Pernambuco (estados localizados no norte do
Brasil), mas no final do século 18, essa grande
fusão de diversos elementos melódicos e
ritmos africanos começaram a dar a musica
popular, uma sonoridade tipicamente
brasileira, que se espalhou por todo o país e
formou os primeiros nomes da musica
brasileira.
Francisco da Silva
Romão: Santa
Cecília, padroeira
dos músicos. Museu
de Arte da Bahia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Dança
DançaDança
Dança
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
A Dança e seus elementos
A Dança e seus elementosA Dança e seus elementos
A Dança e seus elementos
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 

Destaque

As melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundoAs melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundoMeire Falco
 
Folclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do SulFolclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do SulMaísa Fernandes
 
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]denise lugli
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da FotografiaKaren Sica
 
Máscaras africanas
Máscaras africanasMáscaras africanas
Máscaras africanasMeire Falco
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33zildagomesk
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da músicaMeire Falco
 

Destaque (12)

As melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundoAs melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundo
 
Folclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do SulFolclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do Sul
 
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
 
Máscaras africanas
Máscaras africanasMáscaras africanas
Máscaras africanas
 
Tutankhamon
TutankhamonTutankhamon
Tutankhamon
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte Rupestre
Arte Rupestre Arte Rupestre
Arte Rupestre
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 

Semelhante a História da Música em

História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Músicajoohnfer
 
Artigo-História da Música
Artigo-História da MúsicaArtigo-História da Música
Artigo-História da Músicajoohnfer
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Músicabe23ceb
 
A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1HOME
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaRuteFolhas
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de históriaDimithry Sousa
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e Históriajosenmd
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoJofran Lirio
 
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4HOME
 
A história da música (resumo)
A história da música (resumo)A história da música (resumo)
A história da música (resumo)Musician
 
História da música 2.ª p b
História da música 2.ª p bHistória da música 2.ª p b
História da música 2.ª p bDenise Compasso
 
Teoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoTeoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoSaulo Gomes
 
Eletivas de para apresentação musica.pptx
Eletivas de  para apresentação musica.pptxEletivas de  para apresentação musica.pptx
Eletivas de para apresentação musica.pptxBrandoneLeeOficial
 
Historia da musica
Historia da musicaHistoria da musica
Historia da musicadiogo_lopes
 

Semelhante a História da Música em (20)

História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Artigo-História da Música
Artigo-História da MúsicaArtigo-História da Música
Artigo-História da Música
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
POS.pptx
POS.pptxPOS.pptx
POS.pptx
 
A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e História
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
 
A história da música (resumo)
A história da música (resumo)A história da música (resumo)
A história da música (resumo)
 
Xp Renans
Xp RenansXp Renans
Xp Renans
 
História da música 2.ª p b
História da música 2.ª p bHistória da música 2.ª p b
História da música 2.ª p b
 
Teoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoTeoria musical 1o ano
Teoria musical 1o ano
 
Artes1
Artes1Artes1
Artes1
 
Eletivas de para apresentação musica.pptx
Eletivas de  para apresentação musica.pptxEletivas de  para apresentação musica.pptx
Eletivas de para apresentação musica.pptx
 
Historia da musica
Historia da musicaHistoria da musica
Historia da musica
 
Musica classica
Musica classicaMusica classica
Musica classica
 

Mais de Meire Falco

Máscarasafricanas
MáscarasafricanasMáscarasafricanas
MáscarasafricanasMeire Falco
 
A última ceia 4 obras de arte
A última ceia   4 obras de arteA última ceia   4 obras de arte
A última ceia 4 obras de arteMeire Falco
 
Arte na idade média
Arte na idade média Arte na idade média
Arte na idade média Meire Falco
 
O expressionismo
O expressionismoO expressionismo
O expressionismoMeire Falco
 
A arte pré histórica
A arte pré históricaA arte pré histórica
A arte pré históricaMeire Falco
 
Projeto dourados vira arte digital
Projeto dourados vira arte digitalProjeto dourados vira arte digital
Projeto dourados vira arte digitalMeire Falco
 
Vik muniz.apresentação
Vik muniz.apresentaçãoVik muniz.apresentação
Vik muniz.apresentaçãoMeire Falco
 
Pablo picasso e o cubismo
Pablo picasso e o cubismoPablo picasso e o cubismo
Pablo picasso e o cubismoMeire Falco
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O ImpressionismoMeire Falco
 
Teoria Cor Pps 2
Teoria Cor Pps 2Teoria Cor Pps 2
Teoria Cor Pps 2Meire Falco
 
O Nascimento Dos Ismos Aula Pronta
O Nascimento Dos Ismos  Aula ProntaO Nascimento Dos Ismos  Aula Pronta
O Nascimento Dos Ismos Aula ProntaMeire Falco
 

Mais de Meire Falco (14)

Máscarasafricanas
MáscarasafricanasMáscarasafricanas
Máscarasafricanas
 
A última ceia 4 obras de arte
A última ceia   4 obras de arteA última ceia   4 obras de arte
A última ceia 4 obras de arte
 
Arte na idade média
Arte na idade média Arte na idade média
Arte na idade média
 
O expressionismo
O expressionismoO expressionismo
O expressionismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Taj Mahal
Taj MahalTaj Mahal
Taj Mahal
 
A arte pré histórica
A arte pré históricaA arte pré histórica
A arte pré histórica
 
Cores aula 2008
Cores aula 2008Cores aula 2008
Cores aula 2008
 
Projeto dourados vira arte digital
Projeto dourados vira arte digitalProjeto dourados vira arte digital
Projeto dourados vira arte digital
 
Vik muniz.apresentação
Vik muniz.apresentaçãoVik muniz.apresentação
Vik muniz.apresentação
 
Pablo picasso e o cubismo
Pablo picasso e o cubismoPablo picasso e o cubismo
Pablo picasso e o cubismo
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
 
Teoria Cor Pps 2
Teoria Cor Pps 2Teoria Cor Pps 2
Teoria Cor Pps 2
 
O Nascimento Dos Ismos Aula Pronta
O Nascimento Dos Ismos  Aula ProntaO Nascimento Dos Ismos  Aula Pronta
O Nascimento Dos Ismos Aula Pronta
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

História da Música em

  • 1. HISTORIA DA MÚSICA "Sem música, a vida seria um erro" Friedrich Nietzsche
  • 2.
  • 3. História da música • Podemos dizer que a “Música” é a arte de combinar os sons e o silêncio. Se pararmos para perceber os sons que estão a nossa volta, concluiremos que a música é parte integrante da nossa vida, ela é nossa criação quando cantamos, batucamos ou ligamos um rádio ou TV. Hoje a música se faz presente em todas as mídias, pois ela é uma linguagem de comunicação universal, é utilizada como forma de “sensibilizar” o outro para uma causa de terceiro, porém esta causa vai variar de acordo com a intenção de quem a pretende, seja ela para vender um produto, ajudar o próximo, para fins religiosos, para protestar, intensificar noticiário, etc.
  • 4.
  • 5. Pequenas Diferenças - Historicamente, música popular era qualquer forma não folclórica muito difundida. - As formas cultas da música ocidental pertencem a uma linhagem européia cuja origem remonta aos primórdios da civilização cristã. - Elementos folclóricos se infiltram na tradição culta, também o oposto é verdadeiro.
  • 6.
  • 7.
  • 8. A idade Média foi dominada pelo Cristianismo, os monges eram quase as únicas pessoas que sabiam ler, as artes estavam sempre subordinadas à religião, inclusive a música, por esta razão os cantos gregorianos são as principais manifestações musicais que chegaram até os nossos dias. As notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, foram criadas pelo músico italiano e monge beneditino Guido D'Arezzo que viveu na idade média entre os anos de 995 à 1050 d.c. O nascimento das notas musicais
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Ut queant laxis Resonare fibris Mira gestorum Famuli tuorum Solve polluti Labii reatum Sancte Ioannes "Para que nós, teus servos, possamos elogiar claramente o milagre e a força dos teus atos, absolve nossos lábios impuros, São João"
  • 13.
  • 14. PRÉ-HISTÓRIA Na pré-história o ser humano já produzia uma forma de música que lhe era essencial, pois sua produção cultural constituída de utensílios para serem utilizados no dia-a-dia, não lhe bastava, era na arte que o ser humano encontrava campo fértil para projetar seus desejos, medos, e outras sensações que fugiam a razão. Diferentes fontes arqueológicas, em pinturas, gravuras e esculturas, apresentam imagens de músicos, instrumentos e dançarinos em ação, no entanto não é conhecida a forma como esses instrumentos musicais eram produzidos.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. MÚSICA NAS ANTIGAS CIVILIZAÇÕES A Música na Mesopotâmia • Das grandes civilizações do mundo antigo, foram encontrados vestígios da existência de instrumentos musicais em diferentes formas de documentos. Os sumérios, que tiveram o auge de sua cultura na bacia mesopotâmia a milhares de anos antes de Cristo, utilizavam em sua liturgia, hinos e cantos salmodiados, influenciando as culturas babilônica, caldéia, e judaica, que mais tarde se instalaram naquela região.
  • 19. Hebreus Os Hebreus usaram a música para fins guerreiros e religiosos, em festas e lamentações. A primeira menção de instrumentos musicais encontrá-se na Gênesis (Capítulo 4, versículo 21): "Jubal, pai de todos os tocadores de harpa e flauta".
  • 20.
  • 21. Egito A cultura egípcia, por volta de 4.000 anos a.C., alcançou um nível elevado de expressão musical, pois era um território que preservava a agricultura e este costume levava às cerimônias religiosas, onde as pessoas batiam espécies de discos e paus uns contra os outros, utilizavam harpas, percussão, diferentes formas de flautas e também cantavam. Os sacerdotes treinavam os coros para os rituais sagrados nos grandes templos. Era costume militar a utilização de trompetes e tambores nas solenidades oficiais.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. Grécia Os modos foram os predecessores das escalas diatônicas maiores e menores. Tocavam de forma improvisada, mas perfeita. A música unia-se fortemente às outras artes, possuindo um ritmo e uma melodia poética. Estava fortemente presente em cultos religiosos, bem como em teatros e em concursos públicos.
  • 26. Instrumentos usados por músicos da antiga Grécia 1 e 2 - monocórdios; 3 e 4 - guitarras; 5 - cítara heptacorda; 6 - lira; 7 - cítara pentacorda; 8 e 9 – flautas
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Roma Em Roma a música desempenhava um papel específico no teatro, na religião e na vida militar. Em cada qual ela possuía significados diferenciados. Alguns estudiosos dizem que as teorias e as técnicas musicais romanas foram “copiadas” dos gregos, pouco acrescentando naquilo que já havia sido desenvolvido. Porém, foram os romanos que inventaram alguns instrumentos como a tuba (precursora do trombone), a tíbia (precursora da gaita-de-foles) e um órgão hidráulico ou pneumático, chamado hydraulis, cujo fluxo de ar nos tubos era constante e mantido por meio de pressão de água.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. A música na Ásia • Na Ásia, a 3.000 a.C., a música se desenvolvia com expressividade nas culturas chinesa e indiana. Os chineses acreditavam no poder mágico da música, como um espelho fiel da ordem universal. A “cítara” era o instrumento mais utilizado pelos músicos chineses, este era formado por um conjunto de flautas e percussão. A música chinesa utilizava uma escala pentatônica (cinco sons). Já na Índia, por volta de 800 anos a.C., a música era considerada extremamente vital. Possuíam uma música sistematizada em tons e semitons, e não utilizavam notas musicais, cujo sistema denominava-se “ragas”, que permitiam o músico utilizar uma nota e exigia que omitisse outra.
  • 36. China Os chineses possuíam uma vasta diversidade de instrumentos que influenciaram todo o Oriente. Possuíam um grande estilo e originalidade, destacando-se pela grande perfeição musical. Tinham oitenta e quatro escalas diferentes, enquanto que o sistema tradicional da música ocidental possuía apenas vinte e quatro. Criaram também uma escala pentatônica. Acreditavam fortemente que música e mágica estavam relacionadas. Utilizavam flautas, cítaras e alguns instrumentos de percussão.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. Índia As tradições musicais da Índia remontam ao século XIII a.C.. O povo acreditava que a música estava diretamente ligada ao processo fundamental da vida humana. Na Antigüidade, criaram música religiosa, e por volta do século IV a.C. elaboraram teorias musicais. Os músicos tocavam instrumentos de sopro, cordas e percussão. A música indiana era baseada num sistema de tons e semitons; em vez de empregar notas, os compositores seguiam uma complicada série de fórmulas chamadas ragas. As ragas permitiam a escolha entre certas notas, mas exigiam a omissão de outras.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46. As principais fases da história da música 01-ARTE CRISTÃ ANTIGA Fase Catacumbária Entoavam um tipo de oração cantada, a uma voz, em ritmo prosódico do texto em latim, sem acompanhamento musical. Era a salmodia, de origem hebraica, que São Pedro ha-via trazido da Antioquia, no ano 54. A música cristã, depois denominada cantochão ou cantus planus, pelo seu sentido horizontal, com suaves ondulações melódicas, era simbólica e de maravilhoso efeito místico.
  • 47.
  • 48. A Música na Idade Média • A Igreja, durante a Idade Média, ditou as regras culturais, sociais e políticas de toda a Europa, com isto interferindo na produção musical daquele momento. A música “monofônica” (que possui uma única linha melódica), sacra ou profana, é a mais antiga que conhecemos, é denominada de “Cantochão”, porém a música utilizada nas cerimônias católicas era o “canto gregoriano”. O canto gregoriano foi criado antes do nascimento de Jesus Cristo, pois ele era cantado nas sinagogas e países do Oriente Médio. Por volta do século VI a Igreja Cristã fez do canto gregoriano elemento essencial para o culto. O nome é uma homenagem ao Papa Gregório I (540-604), que fez uma coleção de peças cantadas e as publicou em dois livros: Antiphonarium e as Graduale Romanum.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. Renascimento A música renascentista data do século XIV, período em que os artistas pretendiam compor uma música mais universal, buscando se distanciarem das práticas da igreja. Havia um encantamento pela sonoridade polifônica, pela possibilidade de variação melódica. A polifonia valorizava a técnica que era desenvolvida e aperfeiçoada, característica do Renascimento. Neste período, surgem as seguintes músicas vocais profanas: a “frótola”, o “Lied” alemão, o Villancico”, e o “Madrigal” italiano. O “Madrigal” é uma forma de composição que possui uma música para cada frase do texto, usando o contraponto e a imitação.
  • 55.
  • 56. No clima da Renascença, a polifonia católica passava das igrejas para os salões da aristocracia
  • 57. Giovanni da Palestrina (1525-1594) Eliminou o acompanhamento instrumental, criando composições "a capela", isto é, dedicadas exclusivamente à voz humana.
  • 58. Barroco A música barroca substituiu o estilo renascentista após o século XVII e dominou a música européia até cerca 1750. Era elaborada e emocional, ideal para integrar-se a enredos dramáticos. A ópera era a mais importante novidade em forma musical, seguida de perto pelo oratório. A música italiana barroca atingiu o auge com as obras de Antônio Vivaldi. O início do século XVIII foi marcado por dois grandes compositores: Bach e Haëndel.
  • 59. A Música Clássica • A “Música Clássica” é o estilo posterior ao Barroco. O termo “clássico” deriva do latim “classicus”, que significa cidadão da mais alta classe. Este período da música é marcado pelas composições de Haydn, Mozart e Beethoven (em suas composições iniciais).
  • 60.
  • 61.
  • 62. Há um grande desenvolvimento no fabrico e aperfeiçoamento dos instrumentos, o que proporciona enormes avanços técnicos ao nível da execução e permite aos compositores maior liberdade de escrita.
  • 63. Os grandes coros polifônicos foram gradualmente substituídos pelo canto individual (homofonia) com acompanhamento instrumental. Buscava-se centralizar na voz de um único cantor a comunicabilidade musical
  • 64. • A “Sonata”, que vem do verbo sonare (soar) é uma obra em diversos movimentos para um ou dois instrumentos. A “Sinfonia” significa soar em conjunto, uma espécie de sonata para orquestra. A sinfonia clássica é dividida em movimentos. Os músicos que aperfeiçoaram e enriqueceram a sinfonia clássica foram Haydn e Mozart. O “Concerto” é outra forma de composição surgida no período clássico, ele apresenta uma espécie de luta entre o solo instrumental e a orquestra.
  • 67. CLASSICISMO Os compositores clássicos acreditavam que a música deveria ter uma forma polida e galante, só desejavam expressar emoções de uma maneira refinada e educada. Suas obras são cheias de brilhantismo e vivacidade. Entre os compositores que dominaram a época estão: Joseph Haydn e Wolfgang Amadeus Mozart, ambos com uma obra vastíssima. Haydn compôs mais de 100 sinfonias, enquanto Mozart compôs mais de 600 peças. Ambos desempenharam um papel importante no desenvolvimento da sonata para piano, nos quartetos de cordas e em outras formas musicais.
  • 68. Os classicistas não pretendiam que sua música fosse linguagem para cantar a religião, o amor, o trabalho, ou qualquer coisa. Buscavam dar-lhe pureza total, a fim de que o mero ato de ouvi-la bastasse para dar prazer. A perfeição da forma era o seu ideal estético. Joseph Haydn
  • 69. Nasceu na Áustria e foi um gênio precoce, que desde pequeno se revelou virtuose do piano. Seu poderoso talento criador dava-lhe uma expressão versátil. Escreveu com a mesma desenvoltura gêneros instrumentais e vocais, criando uma obra que só não foi mais extensa devido à sua morte prematura. Wolfgang Amadeus Mozart
  • 70. Beethoven Entre o fim do século XVIII e o começo do século XIX, o rígido formalismo clássico estava em declínio, sem que, no entanto, nenhum outro estilo se pusesse à vista. Mozart sugeria novas concepções, mas morreu muito cedo, sem chegar a enquadrá-las numa tendência definida.
  • 71. Romantismo Os compositores do “Romantismo” pretendem maior liberdade da estrutura da forma e de concepção musical, valorizando a intensidade e o vigor da emoção, revelando os pensamentos e sentimentos mais profundos. É neste período que a emoção humana é demonstrada de forma extrema. O Romantismo inicia pela figura de Beethoven e passa por compositores como Chopin, Schumann, Wagner, Verdi, Tchaikovsky, R. Strauss, entre outros..
  • 72. Paganini (1782-1840) encarnava bem essa nova ideologia artística, colocando em destaque a sua figura estranhamente feia para enfatizar o seu virtuosismo "diabólico".
  • 73. Schubert (1797-1828) expunha a sua natureza terna e delicada.
  • 74. Mendelssohn (1809-1847) contava através da música as suas impressões de viagem, nas sinfonias Italianas e Escocesas.
  • 75. Richard Strauss (1864-1949) Idealizava uma música que "exalasse cheiro", "provocasse visões" e "sugerisse cores".
  • 76. A Música no século XX O século XX é marcado por uma série de novas tendências e técnicas musicais, no entanto torna-se imprudente rotular criações que ainda encontra-se em curso. Porém algumas tendências e técnicas importantes já se estabeleceram no decorrer do século XX. São elas: Impressionismo, Nacionalismo do século XX, Influências jazzísticas, Politonalidade, Atonalidade,Expressionismo, Pontilhismo, Serialismo, Neoclassicismo, Microtonalidade, Música concreta, Música eletrônica, Serialismo total, e Música Aleatória.
  • 77. Quando Igor Stravinsky (1882) estreou a sua Sagração da Primavera, a 29 de maio de 1913, foi um escândalo. Mas o escândalo passou e a influência do compositor cresceu sem cessar, a despeito de todos os ataques da crítica.
  • 78. No Brasil, Heitor Villa-Lobos (1887-1959) também buscou no folclore a inspiração para sua obra.
  • 79. Como decorrência disto surge a Música Eletrônica, que emprega sons tratados em laboratórios. Ao lado da Música Aleatória, que é organizada à medida que se processa a execução, esses gêneros constituem o fenômeno mais recente e mais controvertido de toda a história da música. Guiados pela moderna teoria da comunicação de massas, e tendo como lema a "antimúsica para salvar a música", seus cultores se permitem total liberdade para chocar ou divertir o público. A fúria, o desgosto, o estarrecimento e o entusiasmo provocados pelas apresentações dessa Música de Vanguarda, refletem com clareza o entrechoque de conceitos e a guerra de gerações que caracterizam o momento atual.
  • 80. A música no Séc. XXI
  • 81. A Música no Brasil • A música do Brasil se formou a partir da mistura de elementos europeus, africanos e indígenas, trazidos por colonizadores portugueses, escravos e pelos nativos que habitavam o chamado Novo Mundo.Outras influências foram se somando ao longo da história, estabelecendo uma enorme variedade de estilos musicais. Na época do descobrimento do Brasil, os portugueses se espantaram com a maneira de vestir dos nativos e a maneira como eles faziam músicas: cantando, dançando, tocando instrumentos (chocalhos, flautas, tambores).
  • 82. • O maracá era um instrumento muito apreciado pelos índios tupis da costa do Brasil, e os índios costumavam dançar em círculos cantando e batendo os pés. Um dos cantos dos tupis era dedicado a uma ave amarela, uma espécie de arara, que eles chamavam “Canide ioune” (ave amarela na língua tupi). A música brasileira mistura elementos de várias culturas, principalmente as chamadas culturas formadoras, que eram a dos colonizadores portugueses (europeia), a dos nativos (indígena) e a dos escravos (africana).
  • 83. • Os primeiros professores de música no Brasil foram os padres Jesuítas, responsáveis pela catequese dos indígenas, a partir de 1549. No sul do Brasil, os Jesuítas construíram as Missões, que era um projeto que além de levar cultura aos índios guaranis, também os ensinavam a religião católica, agricultura, e música vocal e instrumental, criando após dez anos, orquestras inteiras só de guaranis. Um filme que retrata muito bem a catequese feita na America do Sul pelos padres Jesuítas é o Filme “THE MISSION” A MISSÃO (gravado em 1986), do Diretor Roland Joffé, com o ator Robert de Niro no papel principal.
  • 84. • O mais famoso padre jesuíta das Missões foi o padre José de Anchieta (1534-1597), criador de muitas peças de teatro didáticas, que tinham a função de ensinar a religião de uma forma criativa e espetacular aos índios. Os padrões de interpretação e estilo, obviamente eram todos da cultura europeia, e o objetivo era acima de tudo catequético, com escassa ou nula contribuição criativa original da parte dos índios. Com o passar dos anos, os índios remanescentes dos massacres e epidemias aos quais sofreram durante todo esse período, foram se retirando para regiões mais remotas do Brasil, fugindo do contato com o homem branco, e sua participação na vida musical nacional foi decrescendo, até quase desaparecer por completo.
  • 85. • Os indígenas não deixaram seus traços na construção da musica brasileira, apenas em alguns gêneros folclóricos, mas de forma bem passiva, perante a imposição da cultura colonizadora. Até o 1900 Portugal foi a maior das influências na construção da música brasileira, erudita e popular, porque introduziu a musica instrumental, harmônica, a literatura musical e boa parte das formas musicais cultivadas no país ao longo dos séculos. Ao longo do tempo o intercâmbio cultural com outros países além da metrópole portuguesa, trouxeram vários elementos musicais típicos de outros países, que se tornariam importantes, como as óperas italiana e francesa, e as danças típicas de outros países, como a zarzuela, o bolero e a habanera de origem espanhola, as valsas e polcas alemãs, e o jazz norte americano tiveram também sua participação e transformação dentro da construção da música brasileira.
  • 86. • Até o início do século 18 a maior parte da música erudita era praticada apenas na Bahia e Pernambuco (estados localizados no norte do Brasil), mas no final do século 18, essa grande fusão de diversos elementos melódicos e ritmos africanos começaram a dar a musica popular, uma sonoridade tipicamente brasileira, que se espalhou por todo o país e formou os primeiros nomes da musica brasileira.
  • 87.
  • 88.
  • 89. Francisco da Silva Romão: Santa Cecília, padroeira dos músicos. Museu de Arte da Bahia.