O território

303 visualizações

Publicada em

INTRODUÇÃO A CIENCIA GEOGRAFICA

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O território

  1. 1. SOBRE ESPAÇO E PODER, AUTONOMIA E DESENVOLVIMENTO  Bruno Alves  Girleno Oliveira  Galileu Oliveira  Iranildo  Acelino  Francieude
  2. 2. • A geografia política tradicional definiu o território como espaço concreto em si, apropriado por um determinado agente ou grupo social, tendo em vista que a noção de apropriação empregada no conceito ilustra a existência de uma relação de poder construída pelo homem sobre um espaço delimitado. • A expressão do controle e do comportamento em um determinado território é chamada de territorialidade. TERRITÓRIO
  3. 3. • Para Friedrich Ratzel, geógrafo alemão fundador da geografia política enquanto disciplina da ciência geográfica, mais particularmente como um ramo da geografia Humana, a apropriação duradoura, perene do território é capaz de construir vínculos e identidades de forma que um povo não possa mais ser compreendido, concebido sem seu território, pois tais identidades estariam ligadas aos atributos do espaço ocupado. • O pensamento de Ratzel esteve muito vinculado ao projeto de construção do estado nacional alemão e à legitimação do expansionismo territorial do Reich. Isso tanto explica quanto exemplifica porque o conceito de território foi tão fortemente associado a um referencial politico do estado. Falar em território significava, praticamente, falar em território nacional. Tanto a Geografia quanto a Ciência política assim restringia o conceito tendo em vista o estado como o detentor do poder por excelência.
  4. 4. A renovação crítica do pensamento geográfico propôs uma interpretação diferente, mais ampla do que a proposta pela geografia clássica, do conceito de território. Nela, o território não é o espaço concreto em si, mas as relações de poderes parcialmente delimitadas que operam sobre uma base, um substrato material referencial. • Diferente da proposta de Ratzel, a constituição dos territórios não depende de um longo enraizamento para a construção de identidades e relações de poder. Os territórios podem ser construídos e dissolvidos rapidamente ou seja, tendem a ser mais instáveis do que estáveis.
  5. 5. ESPAÇO/PODER AUTONOMIA/DESENVOLVIMENTO Na primeira parte, ocupa-se da conceituação teórica de território, postulando que este seria Fundamentalmente um espaço definido e delimitado por e a partir das relações de poder. Destaca-se a alusão à Hannah Arendt , e define também o que seria poder, em contraposição à violência e dominação, principalmente. Partindo daí, vem essa análise da confusão que se faz entre ‘território e território nacional’, com o preenchimento da escala temporal que comporta, podendo ser de caráter permanente ou periódico. O conceito de Autonomia é a qualidade de um território ou a organização desse mesmo em estabelecer com liberdade suas próprias leis ou normas. O conceito difere da soberania, uma vez que o estado soberano tem pleno poderes sobre si próprio, em termos de representação diplomática internacional. Enquanto já na autonomia os poderes não são plenos. O termo ‘autonomia’ é usado para indicar a concessão de poder por parte de um governo central em favor de um governo em nível regional ou local, segundo o princípio da subsidiariedade, ou por, na época do antigo regime, fazer a passagem da sucessão de um território a um herdeiro legítimo.
  6. 6. As grandes metrópoles modernas, do ‘primeiro’ mundo como do ‘terceiro mundo’, com toda sua complexidade , parecem conter os exemplos mais interessantes e variados de tais ‘territorialidades flexíveis. Debrucemo-nos sobre alguns desses exemplos. Esta aborda as territorialidades, e consequentemente os territórios, configurados nesta área por dois segmentos da prostituição, a saber, o das prostitutas (prostituição exercida pelo gênero feminino), e o segmento da prostituição exercido pelos travestis, enfatizando os principais aspectos dessas territorialidades. Assim, o trabalho segue um delineamento, inicialmente de cunho teórico, onde se enfatiza o espaço urbano como um espaço passível de leituras de diversos ângulos, sendo possível a identificação neste espaço da cidade com a formação de diversos territórios, contrapondo-se a ideia que identifica o território apenas a uma delimitação física e ao controle exercido pelo Estado-nação no âmbito dessa delimitação, mas que além dessa identificação, podemos falar em diferentes territórios estabelecidos por diversos agentes e em escalas diferenciadas no tempo e no espaço, com caráter cíclico, sendo mais fluido e instável. E posteriormente apresenta os resultados da pesquisa, onde apresentamos as territorialidades da prostituição configuradas na área como um exemplo que ratifica a existência desses territórios que se diferenciam dessa territorialidade exercida apenas pelo Estado-nação, e que se configuram por e a partir de relações de poder que possibilitam a existência de territórios com características mais diferenciadas.
  7. 7. Outra territorialidade sumamente é o tráfico de drogas no rio de janeiro. As repercussões do tráfico aparecem como problema global na maior parte dos países. Atualmente, o tráfico de drogas realiza a lavagem em quantidades incalculáveis de dólares, através do sistema financeiro mundial. A partir de 1970 foram enviados para o presídio da Ilha Grande, litoral do Rio de Janeiro, guerrilheiros de esquerda, mas, também, sequestradores e assaltantes de bancos, sem inclinações políticas de esquerda, permitindo uma troca de conhecimento entre eles. Esses presos comuns, depois constituíram o Comando Vermelho. De tal contexto resultou o narcotráfico nos morros do Rio de Janeiro. Analisando-se o comportamento dos contraventores envolvidos com o trafico de drogas pode-se discernir, nos morros, os territórios comunitários, fragmentados, liderados por grupos rivais de narcotraficantes, os territórios de esconderijo ou de refúgio, os territórios das fugas e os territórios representados pelas ruas que antecedem à subida para os morros do Rio de Janeiro. Altamente pulverizada, ela constrata vivamente com a estrutura territorial característica de organizações mafiosas ou mesmo do jogo do bicho.

×