Aula ratzel

1.484 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.484
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
76
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula ratzel

  1. 1. COSTA, Wanderley M. Da. A geografia política clássica. Ratzel e os fundamentosde uma Geografia do Estado. Geografia política e geopolítica. Discursos sobre oterritório e o poder. São Paulo: Edusp. 1992. p. 29-41. A GEOGRAFIA POLÍTICA CLÁSSICA1. Ratzel e os fundamentos de uma Geografia do Estado- O contexto intelectual e político => a questão nacional => a Liga Pangermanista; preocupação com a “unificação mal concluída” da Alemanha que apresentava-se até o início do séc. XX extremamente fragmentada.- Ratzel tinha consciência do “atraso político” e da situação de “inferioridade” da Alemanha em relação às demais potências européias.- A “questão nacional’ => as repercussões da Revolução Francesa; os filósofos Herder e Fichte => formulação de uma teoria da nação especificamente alemã, marcada pelo romantismo como contraponto à doutrina liberal dos iluministas franceses.- Das Volk => uma linguagem particular, uma cultura, uma história, uma religião e costumes -> Volksgeist- Para Ratzel os Estados são organismos que devem ser concebidos em sua íntima conexão com o espaço; adoção do “senso geográfico” ou fundamento geográfico do poder político, o qual não deve faltar aos “homens de Estado pragmáticos”.- A idéia de organismo foi tomada à biogeografia para a qual o solo condiciona as formas elementares e complexas da vida. O Estado, assim como os seres vivos na terra, nascem, avançam, recuam, estabelecem relações, declinam, etc. => daí a idéia que o desenvolvimento dos Estados dependem de determinadas condições naturais, tais como a forma de relevo, as
  2. 2. condições de circulação marítima e fluviais, => os “grandes Estados” desenvolveram-se sobre estas bases.- Ao Estado caberá estreitar o mais possível os seus laços de coesão e unidade de modo a atingir toda a extensão do ecúmeno. “O homem, bem como a maior de suas obras, o Estado, não é concebível sem o solo terrestre. Quando nós falamos de Estado, designamos sempre, exatamente como no caso de uma cidade ou estrada, uma fração da humanidade ou uma obra humana e, ao mesmo tempo, uma superfície terrestre (Ratzel, La géographie politique).- O “ideal nacional” ou a “política nacional” são fenômenos que devem expressar, mais que a raça e a língua comuns, um território comum. É o caso do povo alemão que aspiraria a dar uma forma política à sua comunidade, procurando agrupar-se em um território determinado, “espaçoso” e “próprio”.- O Estado seria um organismo que articula o povo e o solo. Dessa articulação participam o povo com o seus “espírito”, cultura e, sobretudo, com o seu “sentimento territorial”.- O Estado seria então “um organismo espiritual e moral”, o que não permitira comparação exclusivamente biológica.- A matriz conservadora e autoritária de Ratzel não estaria somente no fato de que ela sobrepõe condicionantes naturais aos processos sociais e políticos, mas na idéia de um Estado forte, centralizador e “posto por cima” da sociedade.- Para Ratzel a unidade do Estado depende da unidade territorial; esta, por sua vez depende dos liames espirituais entre os habitantes, o solo e o Estado.
  3. 3. Trata-se uma unidade nacional-territorial comandada pelo poder central. Em seus termos: “Uma política estatal correta é a de evitar que as dissensões que ocorrem no interior da sociedade se transformem em conflitos geografizados” (Ratzel, , La géographie politique).- Fica descartada a idéia liberal de indivíduo; prevalecem os grupos => a família.- O desenvolvimento desigual das regiões de um organismo estatal-territorial => as diferenças entre as regiões e o centro de poder. A estrutura de circulação possui papel essencial e define os fenômenos da centralidade.- O comércio internacional trabalharia no sentido de transformar a terra inteira num “vasto organismo econômico onde povos e regiões não são mais que órgãos subordinados”. Os fluxos convergiam para Londres.- O processo constitutivo dos Estado além dos laços comuns (culturais, lingüísticos) os povos devem incorporar a dimensão territorial, i.é a busca também de um território comum. Os Estados podem formular e executar políticas gerais e políticas territoriais.- Todo Estado e povo devem ter um projeto político próprio combinado com políticas não-territoriais (políticas econômicas, cultural-nacionais, etc).- Ratzel distingue conquista de colonização. Nesta há uma valorização territorial, processo de longo prazo que implica integração econômica e política e delimitação de fronteiras. Os europeus deveriam colonizar e não apenas satisfazer os seus apetites territoriais.- O fenômeno da mobilidade no território. Há dois tipos de migrações, segundo Ratzel:
  4. 4. - A) as “verdadeiras” – movimentos incessantes de deslocamentos, forma elementar de mobilidade de ocupação dos espaços (povos primitivos).- B) mobilidade das fronteiras: mobilidade comandada por processos político- territoriais. Esta só pode acontecer pelas guerras, que são para ele: “O meio mais poderoso de que dispõe um Estado para perseguir seu crescimento perdido em período de paz e esclarece as relações interestatais conflituosas.”- A declaração de guerra faz desaparecer as fronteiras, estabelecendo-se um novo espaço de circulação, o “todo territorial”. A importância fundamental da rede de circulação para o “todo”.- O processo de diferenciação política do organismo estatal-territorial – dá-se por processos de dissociação => os organismos estatais - territoriais tenderiam estruturalmente à fragmentação interna, o que levaria necessariamente a uma valorização política diferenciada das porções territoriais.- Os grandes organismos estatais-territoriais estão mais sujeitos a esse processo que exige da atividade estatal medidas específicas voltadas para uma distribuição correta da circulação e dos elementos de defesa.- O problema da articulação interna dos territórios => os casos das resistências regionais à integração, apoiadas em fortes tradições tendentes à vida autárquica. São regiões que tendem a ser enclaves ou subestados em relação ao todo estatal-territorial. Estes movimentos centrífugos devem ser liquidados pelo Estado e enfrentados como “resíduos políticos”.- Mais importante que a extensão é a articulação-coesão do espaço político => um dos maiores desafios dos Estados modernos.
  5. 5. - O papel dos geógrafos na obra de Ratzel:- A ampliação dos “horizonte geográfico” – depende dos geógrafos e dos políticos. Participam da fase das descobertas, da consolidação dos Estado. Os diplomatas fazem as negociações e os geógrafos contribuem com a cartografia, os inventários, os dados rigorosos, etc. Para Ratzel: “O saber geográfico tem desde sempre demonstrado a sua eficácia política. Pode-se citar um número incalculável de ações que malogram por causa de um horizonte político-geográfico deformado ou imaginário, de um mal-conhecimento do país e dos homens, do solo e do clima; e mesmo exemplos de projetos políticos conscientemente fundados na Geografia.” (Ratzel, , La géographie politique). LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE UM ARTIGO DE RATZELRATZEL, Friedrich. O povo e seu território. Ratzel. São Paulo: Ática, 1990.p. 73-82.Questões para interpretação:p. 74 / “Um povo decai quando sofre perdas territoriais. Ele pode decrescer emnúmero mas ainda assim manter o território no qual se concentram seus recursos;mas se começa a perder uma parte do território, esse é sem dúvida o princípio dasua decadência futura.”p. 76/ A necessidade da proteção “está na base da mais elevada entre as formasque possam assumir as relações entre Estado e território, ou seja, do incrementoterritorial do Estado.”
  6. 6. p. 81/ “(...) a aquisição de novas terras exerce sobre um povo uma influênciaemancipatória, impelindo-o a novo trabalho e o incitando a concepções maisamplas. É exatamente a isto que se deve o revigoramento daqueles povos que devido auma guerra vitoriosa adquiriram novos territórios (...)- “É ele (o solo) que, duramente e sem nenhum critériode escolha, determina a cada povo o seu destino.”-

×