Cartografia powerpoint

16.207 visualizações

Publicada em

3 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.166
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.146
Comentários
3
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartografia powerpoint

  1. 1. Cartografia
  2. 2. O mapa mais antigo que se tem notícia é o Ga-Sur feito na Babilônia. Um tablete de argila cosida de 7x8 cm, datado de aproximadamente 2 400 a.c representando um vale, provavelmente do rio Eufrates Hoje com tecnologia sofisticada são produzidos e utilizados mapas digitais
  3. 3. O Sistema de projeção tem por objetivo transformar a esfera (o globo) em um plano (o mapa). É matematicamente impossível transformar uma figura tridimensional em um plano perfeito. Sempre há algum tipo de deformação portanto, a escolha do tipo de projeção a ser aplicada varia de acordo com o uso que se vai fazer do mapa que está sendo confeccionado . Como são feitos os mapas ? Através de técnicas como as de Projeções cartográficas e cálculo de escalas
  4. 4. Projeções cartográficas Os sistemas de projeções cartográficas foram desenvolvidos para dar uma solução ao problema da transferência de uma imagem da superfície curva da esfera terrestre para um plano da carta, o que sempre vai acarretar deformações. Os tipos de propriedades geométricas que caracterizam as projeções cartográficas, em suas relações entre a esfera (Terra) e um plano (mapa), são: a) Conformes – as formas são mantidas idênticas (na esfera e no plano) e as áreas são distorcidas. b) Equivalentes – as áreas apresentam-se idênticas e as formas distorcidas. c) Afiláticas – as áreas e as formas apresentam-se distorcidas.
  5. 5. Projeção azimutal A projeção azimutal é bastante utilizada em mapas que apresentam as regiões polares, pelos pilotos de aviões no cálculo de distâncias aéreas e também em estudos sísmicos. É uma representação cartográfica que consiste na tomada de um determinado ponto da terra que tangencia o plano. Esta projeção está representada na bandeira das nações Unidas.
  6. 6. Projeção Cônica São muito utilizadas quando se quer estudar um continente ou países pois só podem abranger a representação de um hemisfério de cada vez. Esta projeção é também muito utilizada na navegação aérea.
  7. 7. É a projeção ideal para representar o planisfério, mantêm perfeitos os ângulos e as formas mas distorce as áreas. Quanto mais afastada da linha do Equador ( maior latitude) maior a distorção nestas áreas . PROJEÇÃO CILÍNDRICA DE MERCATOR (SÉCULO XVI) Tipos de Projeções: Projeção cilíndrica Muito utilizada na época das grandes navegações, coloca a Europa no centro do mapa (Eurocentrismo).
  8. 8. Mapas e visões de mundo  Os mapas, longe de serem uma representação neutra da realidade, sempre contém em si uma visão do mundo. Visão esta que muitas vezes reflete uma relação de poder dentro da sociedade e da cultura na qual está inserido.  Muitas vezes as representações cartográficas vêm carregadas de visões genéricas e distorcidas da realidade, reforçando estereótipos e preconceitos.
  9. 9. Groelândia Antartica Observe com atenção o que acontece nesta projeção de Mercartor: Os meridianos e os paralelos são linhas que se cortam em ângulos retos. Nela as regiões polares aparecem muito exageradas como na Groenlândia e a Antártica.
  10. 10. Uma outra projeção muito utilizada em planisférios é a de Arno Peters, que data de 1973. Sua base também é cilíndrica mas ao contrario da de Mercartor que é do tipo Conforme, esta é do tipo equivalente, isto é mantêm as áreas proporcionalmente corretas. As retas são perpendiculares aos paralelos e as linhas meridianas têm intervalos menores, resultando um significativo achatamento no sentido Leste-Oeste e a deformação no sentido Norte-Sul nas altas latitudes nas massas continentais.
  11. 11. América invertida(1943) “Tenho dito a escola do Sul porque, na realidade, nosso norte e o sul. Portanto, agora viramos o mapa de cabeça para baixo, então temos a verdadeira ideia de nossa posição, e não como o resto do mundo deseja. A ponta da América, a partir de agora, prolongando-se, aponta para o Sul, o nosso norte” Joaquín Torres Garcia (1874-1949)
  12. 12. Projeção de Robinson Cilíndrica, nela os meridianos são transformados em linhas curvas (elipses) e os paralelos, em linha reta. Constitui um meio-termo entre as projeções conforme e equivalente Projeção de Mollweide Os paralelos são linhas retas e os meridianos, linhas curvas. Sua área é proporcional à da esfera terrestre, tendo a forma elíptica. As zonas centrais apresentam grande exatidão, tanto em área como em configuração, mas as extremidades apresentam grandes distorções. Algumas projeções muito utilizadas
  13. 13. Projeção de Goode, que modifica a de Moolweide É uma projeção descontínua, pois tenta eliminar várias áreas oceânicas. Goode coloca os meridianos centrais da projeção correspondendo aos meridianos quase centrais dos continentes para lograr maior exatidão. Projeção de Holzel Projeção equivalente, seu contorno elipsoidal faz referência à forma aproximada da Terra que tem um ligeiro achatamento nos pólos.
  14. 14.  Mapas sempre são um produto cultural, no qual se exprimem as visões que cada sociedade tem, num determinado momento, a respeito do espaço físico e do mundo em geral.  Durante a idade média europeia, por exemplo, muitas vezes os mapas obedeciam exigências teológicas. A localização da cidade sagrada de Jerusalém no centro dos mapas e a representação espacial de passagens da Bíblia eram comuns. Por outro lado, mapas chineses e japoneses são testemunhos impressionantes de precisão cartográfica, muito maior do que a alcançada por qualquer mapa ocidental da mesma época
  15. 15. Escalas É a relação entre o tamanho verdadeiro e o número de vezes que esta realidade foi diminuída para caber no papel. Se a escala está expressa em 1:50 significa que a realidade foi reduzida cinqüenta vezes para caber no papel; em 1:50 000 000 a realidade foi reduzida cinquenta milhões de vezes. Planisfério E - 1:200 000 000 Brasil relevo E- 1:20 000 000 Obs: No mapa da direita o Brasil está representado de forma dez vezes maior do que no mapa da esquerda (planisfério).
  16. 16. As Escalas podem ser dos tipos: Gráficas – Uma régua que indica a relação de quanto vale em centímetros a realidade, expresso geralmente em quilômetros. No exemplo ao lado cada centímetro corresponde a uma realidade de de 4,5 km. Sua escala numérica correspondente seria 1:450 000. Numéricas – expressa por uma fração onde o numerador é a unidade real e o denominador é o número de vezes que esta realidade foi reduzida para caber no papel. No exemplo abaixo a redução foi de quatrocentos e cinquenta mil vezes.
  17. 17. De acordo com a escala as representações do espaço podem ser classificadas em ... Plantas – representações em grande escala. Geralmente igual ou superior a 1:25 000 Cartas apresentam escalas que variam entre 1: 25 000 e 1: 1 000 000 Mapas são representações do espaço em pequenas escalas ou seja a partir de 1:1 000 000 ou mais de redução. OBS: Quanto maior o denominador menor é a escala pois significa que a realidade foi reduzida mais vezes . Barra da Tijuca 1: 50 000Escala 1: 50
  18. 18.  Os mapas são representações planas, geralmente em escala pequena, destinados a fins temáticos, culturais ou ilustrativos. Apresentam um grau de simplicidade maior em relação ás cartas e em geral representam apenas um fenômeno geográfico de cada vez
  19. 19. Mapas temáticos Climas África Tipos vegetação Mexico Brasil Atividades econômicas séc. XVIII
  20. 20.  As cartas são representações em escala média ou grande. Seu objetivo é a avaliação precisa de direções, distâncias e localização de pontos, áreas e detalhes. Destinam-se a uso profissional, como as cartas topográficas ou cartas náuticas. Devido ao alto grau de detalhamento, podem representar diversos fenômenos geográficos ao mesmo tempo.
  21. 21. É o método utilizado para representar o relevo terrestre, que permite ao usuário, ter um valor aproximado da altitude em qualquer parte do mapa. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS - As curvas de nível tendem a ser quase que paralelas entre si. - Todos os pontos de uma curva de nível se encontram na mesma elevação. - Cada curva de nível fecha-se sempre sobre si mesma. - As curvas de nível nunca se cruzam, podendo se tocar em saltos d'água ou despenhadeiros. - Em regra geral, as curvas de nível cruzam os cursos d'água em forma de "V", com o vértice apontando para a nascente. Curva de Nível
  22. 22. Perfil topográfico de uma área da cidade do Rio de Janeiro - As linhas traçadas no mapa são chamadas isoípsas, sendo que quanto mais próximas estiverem, mais abrupto se apresenta o relevo. - Entre as duas elevações existentes, na direção leste- oeste, encontra-se uma depressão relativa. Curva de Nível
  23. 23.  A planta é um tipo especial de carta. A representação se restringe a uma área limitada e a escala é grande. Consequentemente o grau de detalhamento é maior. Seu uso varia, vai desde objetivos profissionais até o meramente ilustrativo ou como guia de localização
  24. 24. Como fazer a leitura de mapas ? Para que o mapa seja simples de ler e facilmente compreensível, várias cores e símbolos são utilizados. Esses elementos estão contidos na Legenda e seguem normas e padrões internacionais No exemplo ao lado a identificação dos diferentes biomas do Brasil é feita pela cor
  25. 25. Elementos de um mapa Titulo – deve conter o local e o tema do mapa Escala: Informação de quantas vezes a realidade foi reduzida em relação ao mapa. Legenda: É um conjunto de símbolos, cores, pontos, linhas ou áreas que decodificam o que está representado no mapa Rosa dos ventos: Orienta a posição do mapa
  26. 26. Anamorfismo: técnica cartográfica que consiste em representar as áreas com tamanho proporcional a intensidade do fenômeno representado. No caso abaixo, temos um mapa da distribuição mundial de pessoas infectadas pelo vírus HIV.
  27. 27. Zona Oeste Z. Sul Centro Z. Norte
  28. 28. Geotecnologias: conceitos básicos  SIG: sigla para sistema de informações geográficas. É o conjunto de tecnologias relacionadas às informações e ao monitoramento do espaço terrestre.  Sensoriamento remoto: corresponde à tecnologia de captação de imagens através do fluxo de ondas eletromagnéticas refletidas ou emitidas pelos objetos existentes na superfície terrestre.  Geoprocessamento: etapa dos SIGs em que as informações das imagens de satélite e da aerofotogrametria são selecionadas para a elaboração de mapas.
  29. 29. GPS Aerofotogrametria (Fotografia aérea) Imagens de satélites Radar
  30. 30. Fim

×