SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Componentes:

Lilia
Noélia
Rosinéia
Lidinalva
Sara Lobão


Contexto Histórico
Meados do séc. XVII – autonomia política dos
colonos
Motivo:
presença insignificante do governo português na
colônia
A crise econômica portuguesa forçou:




uma centralização do poder político
o aumento da exploração colonial
Consequências:





mudaram sua visão e atitudes em face da
dominação
portuguesa
passaram a sentir-se como colonos explorados e
empobrecidos pela Coroa


os colonos começaram a revoltar-se contra a nova
política colonial
Maranhão:










o estado foi criado à época da Dinastia Filipina
(atuais territórios do Maranhão,Ceará,Piauí,Pará e
Amazonas.
subordinava-se diretamente à Coroa Portuguesa
com a crise açucareira e a expulsão dos
holandeses da região
todos esses problemas e o aumento da exploração
por parte da Coroa deixaram muita gente revoltada
foi nesse contexto que iniciou-se um movimento
chamado “REVOLTA DE BECKMAN”
Foi uma rebelião nativista ocorrida na cidade de São
Luís em 1684.
Lideres da Revolta
 Manuel Backman
Tomás

Backman
Jorge Sampaio

Classes sociais
Participantes
Comerciantes
Religiosos
Donos

de terras
Motivos:
1º motivo - Reivindicação por mais mão-de-obra,visto
que não podiam escravizar os indígenas
 A situação econômica baseava-se na exploração das drogas
do sertão e nas lavouras dos colonos.
 As drogas do sertão eram extraídas com mão-de-obra indígena
porém não escrava, uma vez que os índios, habitantes
de missões jesuíticas, eram convencidos a fazê-lo por livre e
espontânea vontade, a favor da comunidade onde viviam.
 Nessa situação os jesuítas conseguiram determinar
junto a Portugal a proibição da escravização indígena,
causando a insatisfação dos colonos e opondo os dois
grupos
2º motivo - Queriam o fechamento da Companhia de
Comércio do Maranhão
 O descontentamento da população, diante deste quadro,
aumentava cada vez mais. Assim, chefiados por Manuel e
Tomas Beckman, os colonos se rebelaram, expulsando os
jesuítas do Maranhão, abolindo o monopólio da Companhia e
constituindo um novo governo, que durou quase um ano.
Resultado do movimento:
 Prisão e condenação dos líderes da revolta;


Nomeação do General Gomes Freire de Andrade
a governador do Maranhão restabelecendo a
ordem;
 Extinção da Companhia de Comércio do
Maranhão;
 Retorno dos jesuítas às suas missões;
 o Maranhão continuou sendo dominado pelos
portugueses, a condição colonial não foi
questionada.
Classes mais carentes:


A situação de pobreza do Estado do Maranhão continuou
nos primeiros tempos do século XVIII.
 Na segunda metade desse século, sob o
governo de
Marquês de Pombal (1750 – 1777), tentou-se achar
soluções para a região.
 Criação da Companhia de Comércio do Grão- Pará e
Maranhão.
 A Companhia passa a estimular e financiar o plantio de
algodão no Maranhão, aumentando significativamente a
exportação do produto.
 A produção maranhense entra em declínio com o retorno
das relações da Inglaterra com sua antiga colônia.
 Em 09 de julho de 1774, houve a extinção do Estado do
Maranhão.
 Os jesuítas foram expulsos por Pombal desorganizando a
coleta das “drogas do sertão”.
“Não resta outra coisa senão cada um defender-se por
si mesmo; duas coisas são necessárias: revogação dos
monopólios e a expulsão dos jesuítas, a fim de se
recuperar a mão livre no que diz respeito ao comércio
e aos índios.” Manuel Beckman (1684)
Bibliografia:


http://www.historiadobrasil.net/resumos/revolta_de_beckman.htm



http://www.historiabrasileira.com/brasil-colonia/revolta-de-beckman/



http://bloghistoriacritica.blogspot.com.br/2012/07/revolta-debeckman.html



http://www.historiabrasileira.com/brasil-colonia/revolta-de-beckman/



http://www.mundoeducacao.com/historiadobrasil/a-revolta-beckman.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
Lucas Degiovani
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
Vagner Roberto
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 

Mais procurados (20)

Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Inconfidência Mineira
Inconfidência MineiraInconfidência Mineira
Inconfidência Mineira
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joanino
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 

Destaque

Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
ronualdo
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Rafael Ávila
 
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
Vitor Ferreira
 
MIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO
MIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃOMIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO
MIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO
Francivaldo Marques
 

Destaque (20)

Revolta dos Beckman – 1684 – maranhão/Estude para o Enem!
Revolta dos Beckman – 1684 – maranhão/Estude para o Enem!Revolta dos Beckman – 1684 – maranhão/Estude para o Enem!
Revolta dos Beckman – 1684 – maranhão/Estude para o Enem!
 
Revoltas nativistas 97 2003
Revoltas nativistas 97 2003Revoltas nativistas 97 2003
Revoltas nativistas 97 2003
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
Guerra dos mascates – 1710 – pernambuco/Estude para o Enem!
Guerra dos mascates – 1710 – pernambuco/Estude para o Enem!Guerra dos mascates – 1710 – pernambuco/Estude para o Enem!
Guerra dos mascates – 1710 – pernambuco/Estude para o Enem!
 
Revoltas Nativistas e Emancipacionistas
Revoltas Nativistas e EmancipacionistasRevoltas Nativistas e Emancipacionistas
Revoltas Nativistas e Emancipacionistas
 
Revolta de Felipe dos Santos
Revolta de Felipe dos SantosRevolta de Felipe dos Santos
Revolta de Felipe dos Santos
 
Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!
Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!
Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!
 
Revoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonialRevoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonial
 
Guerra dos emboabas – 1708 – 1709 – minas gerais/Estude para o Enem!
Guerra dos emboabas – 1708 – 1709 – minas gerais/Estude para o Enem!Guerra dos emboabas – 1708 – 1709 – minas gerais/Estude para o Enem!
Guerra dos emboabas – 1708 – 1709 – minas gerais/Estude para o Enem!
 
Revoltas nativistas no brasil colonial
Revoltas nativistas no brasil colonialRevoltas nativistas no brasil colonial
Revoltas nativistas no brasil colonial
 
Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros 2015
Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros 2015Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros 2015
Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros 2015
 
Revoltas do Brasil Colônia
Revoltas do Brasil ColôniaRevoltas do Brasil Colônia
Revoltas do Brasil Colônia
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
 
PEÇA TEATRAL: A REVOLTA DE BECKMAN
PEÇA TEATRAL: A REVOLTA DE BECKMAN PEÇA TEATRAL: A REVOLTA DE BECKMAN
PEÇA TEATRAL: A REVOLTA DE BECKMAN
 
Guerra dos emboabas
Guerra dos emboabasGuerra dos emboabas
Guerra dos emboabas
 
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil ImperialSociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
 
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
 
Geografia do Marahão
Geografia do MarahãoGeografia do Marahão
Geografia do Marahão
 
MIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO
MIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃOMIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO
MIGRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO
 
Mensagem de amizade
Mensagem de amizadeMensagem de amizade
Mensagem de amizade
 

Semelhante a A revolta de beckman(1685)

Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Alex Fonte
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
Daniel Alves Bronstrup
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Rafael Ávila
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
Daniel Alves Bronstrup
 
O processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesaO processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesa
Luciana Soares
 

Semelhante a A revolta de beckman(1685) (20)

Revolta de beckman
Revolta de beckmanRevolta de beckman
Revolta de beckman
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
 
Revoltas na Colônia
Revoltas na ColôniaRevoltas na Colônia
Revoltas na Colônia
 
Conflitos
ConflitosConflitos
Conflitos
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
 
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileirasGuerras, revoltas e revoluções brasileiras
Guerras, revoltas e revoluções brasileiras
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
 
Colonização e povoamento do maranhão
Colonização e povoamento do maranhãoColonização e povoamento do maranhão
Colonização e povoamento do maranhão
 
Alta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismoAlta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismo
 
Brasil colonia nativistas
Brasil colonia nativistasBrasil colonia nativistas
Brasil colonia nativistas
 
Movimentos Nativistas x Movimentos Emancipacionistas
Movimentos Nativistas x Movimentos EmancipacionistasMovimentos Nativistas x Movimentos Emancipacionistas
Movimentos Nativistas x Movimentos Emancipacionistas
 
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdfAula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Movimentos anti coloniais resumido
Movimentos anti coloniais resumidoMovimentos anti coloniais resumido
Movimentos anti coloniais resumido
 
mix
mixmix
mix
 
3ão - Fim da Colonização
3ão - Fim da Colonização 3ão - Fim da Colonização
3ão - Fim da Colonização
 
O processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesaO processo de independência da américa portuguesa
O processo de independência da américa portuguesa
 

A revolta de beckman(1685)

  • 1.
  • 3.  Contexto Histórico Meados do séc. XVII – autonomia política dos colonos Motivo: presença insignificante do governo português na colônia A crise econômica portuguesa forçou:   uma centralização do poder político o aumento da exploração colonial Consequências:   mudaram sua visão e atitudes em face da dominação portuguesa passaram a sentir-se como colonos explorados e empobrecidos pela Coroa
  • 4.  os colonos começaram a revoltar-se contra a nova política colonial Maranhão:      o estado foi criado à época da Dinastia Filipina (atuais territórios do Maranhão,Ceará,Piauí,Pará e Amazonas. subordinava-se diretamente à Coroa Portuguesa com a crise açucareira e a expulsão dos holandeses da região todos esses problemas e o aumento da exploração por parte da Coroa deixaram muita gente revoltada foi nesse contexto que iniciou-se um movimento chamado “REVOLTA DE BECKMAN”
  • 5. Foi uma rebelião nativista ocorrida na cidade de São Luís em 1684.
  • 6. Lideres da Revolta  Manuel Backman Tomás Backman Jorge Sampaio Classes sociais Participantes Comerciantes Religiosos Donos de terras
  • 7. Motivos: 1º motivo - Reivindicação por mais mão-de-obra,visto que não podiam escravizar os indígenas
  • 8.  A situação econômica baseava-se na exploração das drogas do sertão e nas lavouras dos colonos.  As drogas do sertão eram extraídas com mão-de-obra indígena porém não escrava, uma vez que os índios, habitantes de missões jesuíticas, eram convencidos a fazê-lo por livre e espontânea vontade, a favor da comunidade onde viviam.
  • 9.  Nessa situação os jesuítas conseguiram determinar junto a Portugal a proibição da escravização indígena, causando a insatisfação dos colonos e opondo os dois grupos
  • 10. 2º motivo - Queriam o fechamento da Companhia de Comércio do Maranhão
  • 11.  O descontentamento da população, diante deste quadro, aumentava cada vez mais. Assim, chefiados por Manuel e Tomas Beckman, os colonos se rebelaram, expulsando os jesuítas do Maranhão, abolindo o monopólio da Companhia e constituindo um novo governo, que durou quase um ano.
  • 12. Resultado do movimento:  Prisão e condenação dos líderes da revolta;  Nomeação do General Gomes Freire de Andrade a governador do Maranhão restabelecendo a ordem;  Extinção da Companhia de Comércio do Maranhão;  Retorno dos jesuítas às suas missões;  o Maranhão continuou sendo dominado pelos portugueses, a condição colonial não foi questionada.
  • 13. Classes mais carentes:  A situação de pobreza do Estado do Maranhão continuou nos primeiros tempos do século XVIII.  Na segunda metade desse século, sob o governo de Marquês de Pombal (1750 – 1777), tentou-se achar soluções para a região.  Criação da Companhia de Comércio do Grão- Pará e Maranhão.  A Companhia passa a estimular e financiar o plantio de algodão no Maranhão, aumentando significativamente a exportação do produto.  A produção maranhense entra em declínio com o retorno das relações da Inglaterra com sua antiga colônia.  Em 09 de julho de 1774, houve a extinção do Estado do Maranhão.  Os jesuítas foram expulsos por Pombal desorganizando a coleta das “drogas do sertão”.
  • 14. “Não resta outra coisa senão cada um defender-se por si mesmo; duas coisas são necessárias: revogação dos monopólios e a expulsão dos jesuítas, a fim de se recuperar a mão livre no que diz respeito ao comércio e aos índios.” Manuel Beckman (1684)