Erro Humano e o Stress

3.439 visualizações

Publicada em

Erro Humano e o Stress

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.439
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
116
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Erro Humano e o Stress

  1. 1. O Erro Humano e o Stress
  2. 2. O Erro Humano
  3. 3. Introdução • O comportamento humano nem sempre é constante e racional por isso não segue padrões rígidos pré-estabelecidos. • O fator humano pode influenciar de maneira substancial a confiabilidade de um sistema e as perdas decorrentes de um acidente. • O erro humano é um desvio anormal em relação a uma norma ou padrão estabelecido. • Os processos de perceção e aceitação do risco e de tomada de decisão, caracterizam-se como os principais catalisadores do erro humano.
  4. 4. Análise ao Erro • 1930 – “Unicausal” – (homem) – Predisposição ao risco; – Análise estatística que separava Fatores materiais e individuais; • 1960 – “Multicasualidade”; – Sistema Homem- Maquina; – Acidente é sintoma de disfunção do sistema; – Análise Homem- Sistema.
  5. 5. Análise ao Erro • 1970 – Árvore de Causas; – Análise do Factor Humano; • Identificar causas e Factores de risco; – Explicações sobre o evento – inferir consequências em eventos similares; – Procedimento “reactivo”. • 1980 – Vínculos: acidente – segurança – confiabilidade- erro humano – prevenção. – Confiabilidade Humana: • Avaliada em relação a um dada dispositivo; • medida para o erro humano.
  6. 6. Análise ao Erro • 1990 – Procedimento Proativo; – Erros são dinâmicos: organizacionais, de concepção ou latentes; – Gestão da Segurança; – Auditorias de Segurança.
  7. 7. HEXÁGONO DAS CAUSAS DO ERRO HUMANO Falta de Atenção 1 Condições Ergonómicas inadequadas 2 3 Faltade Motivação 4 Falta de Informação e/ou Formação 5 Faltade Capacidade FaltadeAptidão FísicaouMental 6
  8. 8. Causas do Erro Humano • Falta de Atenção – Inerente a natureza humana • Exemplos:  Fazer uma tarefa de trabalho esquecendo-se de cumprir o passo anterior;  Abrir duas válvulas que nunca poderiam estar abertas simultaneamente;  Accionamento de tecla ou botão errado;  Não perceber uma mensagem/informação;  Erros em cálculos que são feitos de forma automática.
  9. 9. Causas do Erro Humano • Condições Ergonómicas Inadequadas – A situação/condições de trabalho • Exemplos:  Instrumento de leitura inadequado para a situação;  Comandos confusos (uso errado de botão porque existe um outro semelhante mas com alguma diferença);  Uso errado porque os comandos ou botões não estão em ordem;  Comandos fora do estereótipo universal.
  10. 10. Causas do Erro Humano • Ausência de Aptidão Física ou Cognitiva  Erro de selecção;  Efeitos de condições ambientais;  Perda temporária de aptidão física ou mental devido problemas emocionais ou financeiros;  Pressão de tempo;  Sobrecarga de trabalho.
  11. 11. Causas do Erro Humano • Capacidade  Deficiência na formação;  Falta de formação base;  Polivalência empírica;  Empreiteiros.
  12. 12. Causas do Erro Humano • Falta de Formação/Informação  Falta de informação/formação ;  Avaliação errada de informações confusas;  Pessoas ausentes ou de férias quando a informação é comunicada;  Falhas na comunicação verbal;  Erros na comunicação em situações críticas;  Arquivo técnico desactualizado.
  13. 13. Causas do Erro Humano • Falta de Motivação  Motivação incorrecta intencional;  Valores diferentes;  Situações conflituantes;  Decisões deliberadas de níveis superiores;  Factores no ambiente de trabalho induzem para a acção errada.
  14. 14. ACTO INADEQUADO DE UM TRABALHADORACTO INADEQUADO DE UM TRABALHADOR  Há regras para a função?  Em geral os trabalhadores conhecem as regras?  As regras são revistas periodicamente?  A informação escrita corresponde à realidade?  Compreendeu-se a ordem transmitida?  A informação foi passada de forma completa?  Há regras para a função?  Em geral os trabalhadores conhecem as regras?  As regras são revistas periodicamente?  A informação escrita corresponde à realidade?  Compreendeu-se a ordem transmitida?  A informação foi passada de forma completa? ERRO HUMANO POR FALHA DE INFORMAÇÃO ERRO HUMANO POR FALHA DE INFORMAÇÃO  A pessoa tem competências para a função que exercia?  A pessoa tem competências para a função que exercia? Alguém sabia algo que o executante não sabia? Alguém sabia algo que o executante não sabia? ERRO HUMANO POR FALTA DE APTIDÃO FÍSICO-MENTAL ERRO HUMANO POR FALTA DE APTIDÃO FÍSICO-MENTAL Havia a suspeita prévia de que o indivíduo possivelmente não estivesse em condições adequadas? (ou precipitada pelo ambiente? Havia a suspeita prévia de que o indivíduo possivelmente não estivesse em condições adequadas? (ou precipitada pelo ambiente?  Houve algum factor que tenha contribuído para eliminar ou reduzir o grau de aptidão física ou mental para o trabalho? (ex.: stress, tensão, doença, ruído alto, calor, vibração, alcoolismo, medicamentos, drogas)  Houve algum factor que tenha contribuído para eliminar ou reduzir o grau de aptidão física ou mental para o trabalho? (ex.: stress, tensão, doença, ruído alto, calor, vibração, alcoolismo, medicamentos, drogas) ERRO HUMANO POR FALTA DE CAPACIDADE ERRO HUMANO POR FALTA DE CAPACIDADE Alguém melhor preparado teria tido a atitude adequada? Alguém melhor preparado teria tido a atitude adequada? NÃO NÃO SIM SIM SIM NÃO Árvore de causas do erro humano
  15. 15.  A pessoa tentou ganhar tempo apressando a tarefa?  Baseou o seu comportamento no exemplo dos superiores? ou na tolerância da supervisão?  A pessoa tentou fazer a coisa certa, em benefício da empresa, porém utilizando caminhos que não deveria?  A pessoa vem adoptando práticas erradas, contrariando conhecimentos básicos do curso profissionalizante? Ou contrariando as práticas ou regras da empresa?  A pessoa foi negligente? Ou imprudente?  A pessoa tentou ganhar tempo apressando a tarefa?  Baseou o seu comportamento no exemplo dos superiores? ou na tolerância da supervisão?  A pessoa tentou fazer a coisa certa, em benefício da empresa, porém utilizando caminhos que não deveria?  A pessoa vem adoptando práticas erradas, contrariando conhecimentos básicos do curso profissionalizante? Ou contrariando as práticas ou regras da empresa?  A pessoa foi negligente? Ou imprudente?  A condição de trabalho contém situações de dificuldades práticas para a maioria das pessoas?  A condição de trabalho contém situações de dificuldades práticas para a maioria das pessoas? O trabalhador que cometeu a falha:  Conhece bem a tarefa e os riscos?  Normalmente toma cuidados para evitar os riscos?  Esqueceu-se de cumprir algum passo da tarefa rotineira/obrigatória? O trabalhador que cometeu a falha:  Conhece bem a tarefa e os riscos?  Normalmente toma cuidados para evitar os riscos?  Esqueceu-se de cumprir algum passo da tarefa rotineira/obrigatória? Quando sabendo-se observado o indivíduo desenvolve a tarefa correctamente? Quando sabendo-se observado o indivíduo desenvolve a tarefa correctamente? ERRO HUMANO POR MOTIVAÇÃO INCORRETA ERRO HUMANO POR MOTIVAÇÃO INCORRETA ERRO HUMANO POR CONDIÇÃO ERGONÓMICA DESFAVORÁVEL ERRO HUMANO POR CONDIÇÃO ERGONÓMICA DESFAVORÁVEL ERRO HUMANO POR DESATENÇÃO ERRO HUMANO POR DESATENÇÃO Se melhorar alguma coisa na área ou na condição de trabalho a hipótese do acto inadequado fica muito reduzida? Se melhorar alguma coisa na área ou na condição de trabalho a hipótese do acto inadequado fica muito reduzida? É difícil para o próprio indivíduo explicar as razões daquela falha? É difícil para o próprio indivíduo explicar as razões daquela falha? SIM SIM SIM NÃO NÃO Árvore de causas do erro humano
  16. 16. Consequências - Acidente (mortal, incapacidade permanente, doença profissional) - Custos directos e indirectos - Mau ambiente de trabalho - Falta de motivação - Má imagem da empresa - Perda de clientes
  17. 17. Como prevenir? • Livrar-se de sistemas complexos; • Partir do princípio de que se existe uma situação passível de erro, um dia alguém o cometerá; • Bloquear a ação errada;
  18. 18. Como prevenir? • Manter os sistemas utilizáveis; • Dar às pessoas um incentivo para ser responsável; • Politicas de manuntenção;
  19. 19. Como prevenir? • Aplicação de recomendações ergonómicas; • Sistemas com bloqueio de segurança; • Substituição do homem pela máquina; • Aprender com os próprios erros e com os de outros;
  20. 20. Como prevenir? • Elaboração de um plano para evitar a ocorrência do erro; • Identificar e investigar a origem do erro, e as fragilidades do sistema; • Supervisão e programas de treino nas atividade; • Ritmo adequado, pausas; • Conforto e satisfação do operador.
  21. 21. Stress • O que é? • Como se forma? • Quais os fatores stressantes? • Que condicionantes? • Quais as consequências? • Quais as doenças relacionadas? • Que tipo de mudanças acontecem? • Que tipos de stress existem? • Quais as situações limite? • Como prevenir?
  22. 22. Introdução • O stress é um mal típico do mundo moderno, da vida agitada e cheia de tensões. • Vai muito além de um simples cansaço físico e mental. • É causado pela ação de defesas orgânicas decorrentes de estímulos físicos, psicológicos ou psicossociais.
  23. 23. Introdução • Constitui uma adaptação do organismo e produz uma sucessão de transformações físicas e químicas acionadas pelo sistema nervoso. • “O stress pode provocar desde uma simples dor de cabeça até um enfarte. Por outro lado, pode ser positivo quando nos ajuda a atingir um alto índice de eficiência.”
  24. 24. Introdução • A evolução do conceito STRESS primeiramente usado para descrever fenómenos físicos, como calor ou força aplicada. • Considerada “A Epidemia dos anos 80”. Com a evolução do saber científico, o conceito passou a ser trabalhado com estatuto de ciência. • Walter B. Cannon, fisiologista de Harvard, foi o 1º a explorar a bioquímica do susto (constatação do medo como não sendo unicamente psíquico). • Ao longo do tempo, concluiu-se que o stress também é desencadeado por reações orgânicas.
  25. 25. Introdução • 1º modelo de stress (Cannon,1932): “medo, luta, fuga”, designado atualmente por “reação do stress”. Interligação do sistema nervoso, endócrino e límbico, aproximando-se o conceito de stress do que é hoje. • Hans Selye, em 1936, define stress como um Síndrome Geral da Adaptação (alarme, resistência, exaustão). • Em 1978, relação do conceito de stress com patologias de outro foro (explicação de doenças crónicas e envelhecimento precoce). • Recentemente, através de experiências com animais, correlacionou-se a adrenalina e a hipertensão arterial, a imunidade natural e o stress social.
  26. 26. Stress - Definição • O stress é a resposta do organismo a acontecimentos que provocam desequilíbrios no bem-estar. • É provocado por qualquer acontecimento positivo ou negativo que nos obriga a mudar de comportamento. • O agente responsável pode ser físico ou psicológico e ambiental.
  27. 27. A reação do Stress • O fator de stress origem um acontecimento: – Psicossocial – Comportamental – Biológica – Física – Uma situação – Uma pessoa – Um objeto
  28. 28. Mudanças Comportamentais e Fisiológicas • Músculos contraídos ou tensos; • Dores nas costas; • Cefaleias; • Problemas com o sono; • Cansaço; • Ritmo cardíaco acelerado; • Tremores e suores; • Zumbido nos ouvidos; • Sonolência ou desmaio;
  29. 29. Mudanças Comportamentais e Fisiológicas • Sensação de sufoco; • Dificuldade de deglutição; • Dores de estômago; • Enjoos ou vómitos; • Diarreia ou obstipação; • Necessidade frequente de urinar; • Perda de interesse no sexo; • Perda ou ganho de peso; • Desassossego;
  30. 30. Mudanças Comportamentais e Fisiológicas • Procrastinação; • Ranger os dentes; • Dificuldades em cumprir responsabilidades laborais; • Excessiva atitude crítica; • Agitação; • Punhos cerrados; • Alimentação desequilibrada; • Mudança de hábitos tabágicos; • Desejo de acompanhamento ou isolamento; • Falar de situações stressantes;
  31. 31. Mudanças Comportamentais e Fisiológicas • Choro; • Sensação dominante de tensão; • Irritabilidade e desassossego; • Dificuldades em descontrair; • Nervosismo; • “Ferver em pouca água”; • Falta de significado na vida; • Sensação de solidão; • Infelicidade sem causa aparente; • Depressão;
  32. 32. Mudanças Comportamentais e Fisiológicas • Pensamentos de ansiedade; • Medo por antecipação; • Preocupação constante; • Deficiente poder de concentração; • Dificuldade em pensar; • Dificuldades de memória; • Perda de sentido de humor; • Indecisão; • Ausência de criatividade.
  33. 33. Fator Stressante • É um acontecimento, uma situação, uma pessoa ou um objeto capaz de proporcionar suficiente tensão emocional capaz de induzir à reação de Stress de natureza Emocional, Ambiental, Biológica ou Física.
  34. 34. Consequências • O stress pode influenciar a evolução e o desfecho de uma doença. • A sua redução pode melhorar a qualidade de vida de um doente e ajudá-lo a ter um papel mais ativo na mudança do estilo de vida e na diminuição dos fatores de risco da doença.
  35. 35. Consequências • O stress pode ter consequências a vários níveis: – Sistema endócrino; – Sistema respiratório; – Sistema gastrointestinal; – Sistema cardiovascular; – Sistema nervoso; – Sistema imunológico.
  36. 36. Tipos de Stress Eustress (fase positiva) • Vitalidade; • Entusiasmo; • Otimismo; • Perspetivas positivas; • Resistência à doença; • Vigor físico; • Lucidez mental; • Sãs relações humanas; • Alta produtividade e criatividade. Distress (fase negativa) • Fadiga; • Irritabilidade; • Falta de concentração; • Depressão; • Pessimismo; • Doenças; • Acidentes; • Dificuldade de comunicação; • Baixa produtividade e criatividade.
  37. 37. Não podemos eliminar o stress! • Fisiologicamente, a ausência total de Stress equivale à morte (Selye). • O estado de stress está intimamente relacionado com a capacidade de adaptação do indivíduo à circunstância atual. Impreterivelmente, ele contribui para a sobrevivência das espécies e, claro está, a nossa.
  38. 38. Stress Ocupacional • O stress profissional aparece quando há uma falha na adequação entre a pessoa e as exigências colocadas pela organização na qual trabalha.
  39. 39. Stress Ocupacional • Nos dias de hoje, o stress representa um grande encargo financeiro para as organizações. • Experiências com animais provaram que um grau muito baixo de stress limita a qualidade do desempenho. • Quando a tensão é moderada, o desempenho sobe. • Se o stress é intenso e prolongado, o desempenho cai.
  40. 40. O que fazer? • Boa alimentação; • Beber com moderação; • Revitalize o seu estilo de vida; • Ler um livro todos os meses; • Praticar exercício, duas a três vezes por semana, de acordo com as possibilidades físicas. • Fazer ginástica liberta endorfinas que são os nossos antidepressivos naturais e aumentam o nosso bem-estar; • Manter o bom humor em qualquer circunstância.
  41. 41. Como evitar o Stress? • Praticar uma técnica de relaxamento; • Afastar situações angustiantes ou conflituosas; • Evitar levar para casa problemas relacionados com o trabalho; • Repartir o tempo equilibradamente entre trabalho, lazer e família; • Quando sobrecarregado de trabalho, fazer um período de descanso; • Ouvir música, viajar no pensamento, criar formas diferentes de ritmos; • Transformar os problemas em desafios.
  42. 42. Dez fórmulas anti-stress 1 - Acordar mais cedo 2 - Planear o dia 3 - Definir prioridades 4 - Saber dizer não 5 - Criar bom ambiente 6 - Aprenda a relaxar 7 - Mude de rotina 8 - Tenha vida social 9 - Dedique-se a uma atividade criativa 10 - Melhore a sua vida sexual
  43. 43. Fitoterapia • As plantas medicinais também podem ser uma ajuda muito grande no combate aos sintomas do stress. • Exemplos: – Ginseng Coreano – Ginkgo Biloba – Jarsin Extract – Kawa-Kawa – Yam Mexicano
  44. 44. Trabalho elaborado por Fábio Simões TAS 1 - APZ

×