SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
TEXTO DO DIA
• “...Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação
santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes
daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa
luz..." (1Pe 2.9)
SÍNTESE
• A Igreja de Jesus Cristo tem por objetivo mostrar ao mundo
com Deus age na história da salvação.
AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA - Rm 12.1: A busca pelo culto e adoração racionais
TERÇA - Hb 10.25: Não deixe de congregar
QUARTA - Ef 4.29: Edificando por meio de palavras
QUINTA - Cl 4.3,4: Falemos de Cristo
SEXTA - 1Co 12.13 Formamos um só corpo
SÁBADO - Jo 4.24 Adorar em espírito e em verdade
OBJETIVOS
• EXPLICAR que a adoração
abrange as diversas formas
de expressão de louvor;
• CONSCIENTIZAR de que a
edificação da Igreja ocorre
através da disponibilidade
de seus membros em servir
uns aos outros;
• MOSTRAR que a missão da
igreja é transmitir o
evangelho aos perdidos.
TEXTO BÍBLICO
• 1 ROGO-VOS, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que
apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e
agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
• 2 E não sede conformados com este mundo, mas sede
transformados pela renovação do vosso entendimento, para
que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita
vontade de Deus.
• 3 Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre
vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes,
pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus
repartiu a cada um.
• 4 Porque assim como em um corpo temos muitos
membros, e nem todos os membros têm a mesma
operação,
• 5 Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em
Cristo, mas individualmente somos membros uns dos
outros.
• 6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça
que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida
da fé;
• 7 Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja
dedicação ao ensino;
• 8 Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que
reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com
cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
INTRODUÇÃO
• Toda instituição precisa ter propósitos bem definidos.
• Uma empresa deve oferecer emprego e dar Lucro a seus
acionistas ou proprietários.
• Uma escola tem como objetivos principais educar e formar
cidadãos.
• As forças armadas e policiais têm como alvos zelar pela
segurança nacional e pública.
• A igreja, como instituição fundada por Deus, tem dentre
outros desígnios a adoração, a edificação dos crentes e a
evangelização.
• Trataremos desses três objetivos nesta Lição.
I - COM RELAÇÃO A DEUS-ADORAR
1. O que é adorar.
• A adoração sem dúvida tem sido um dos assuntos mais
comentados de nossos dias.
• De forma positiva, tem se buscado um modelo de culto que
respeite a santidade e a presença de Deus entre aqueles que
se dizem seus filhos, e, ao mesmo tempo, permita que esses
filhos de Deus participem do culto com ordem e decência.
• Por outro lado, têm sido abundantes os cultos marcados por
excessos de manifestações artísticas, músicas cujo conteúdo
mexe mais com o corpo do que faiam ao coração, e pouca
primazia se dá à pregação bíblica e ao ensino.
• Adorar envolve mais do que cânticos e louvores.
2. A diversidade da adoração.
• O culto ao Senhor pode variar de acordo com o Lugar e a
época. Quem trabalha no campo missionário tem muitas
histórias sobre a diversidade cultural e a adoração a Deus, Há
diversos modelos de cultos em nossos dias, e esses estão mais
afeitos a lugares, com regionalismos próprios.
• Nem sempre um modelo adotado em um pais será
necessariamente aceito em outra cultura.
• O que não se pode esquecer é que o nosso culto deve ser
racional, e feito com ordem e decência: "Rogo-vos, pois,
irmãos, pela compaixão de Deus. que apresenteis o vosso
corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o
vosso culto racional" (Rm 12.1).
• A adoração ao Senhor não pode ser transformada em um
espetáculo, onde as pessoas se dirigem ao santuário para
serem entretidas, para passar tempo, esquecendo-se de que
estão ali para adorar, orar e ouvir a Palavra de Deus.
3. A adoração que Deus recebe.
• Ter uma Liturgia adequada para nos portarmos no culto ao
Senhor é carreto, pois isso nos ajuda a Lembrar de que
estamos na presença do Senhor, e o nosso culto deve ser
racional (Rm 12,1).
• Entretanto, ainda mais importante é lembrar que "Deus é
Espirito, e importa que os que o adoram o adorem em espirito
e em verdade" (Jo 4-24)- Deus não recebe uma adoração
forçada, falsificada, mas uma adoração que brota
verdadeiramente de uma pessoa com um espirito agradecido,
e que reconhece a grandiosidade de Deus não apenas no
momento do culto, mas igualmente fora do ambiente do
santuário, pois somos adoradores em tempo integral, dentro
da igreja e fora dela.
II - COM RELAÇÃO AOS CRENTES-
EDIFICAR
1. Edificando por meio da comunhão.
• Um dos fatores mais importantes na edificação do Corpo de
Cristo é a comunhão, Ela não nos permite ficar isolados uns
dos outros, mas nos incentiva à interação e ao fortalecimento
por meio da oração, ações de graças, atos de generosidade e
socorros.
• Pela comunhão, crescemos juntos, exercemos misericórdia e
podemos, como corpo de Cristo, apresentar "todo homem
perfeito em Jesus Cristo" (Cl 1.28).
2. Edificando por meio dos dons.
• Lembremo-nos de que os dons são concedidos pelo Espírito
Santo.
• Não são aprendidos academicamente ou por técnica alguma.
• Com o passar do tempo, aqueles que os recebem devem
primar em fazer com que os dons sejam exercidos com ordem
no culto, e isso pode e deve ser ensinado.
• Esses aspectos, sim, podem ser aprendidos, de tal forma que
possamos ver os dons do Espírito sendo usados de forma
edificante e ordeira no santuário.
3. Edificando por meio do ensino.
• Paulo, vez após vez, fala aqui da santa doutrina. E no capítulo
4 diz: “Se você transmitir essas instruções aos irmãos, será um
bom ministro de Cristo Jesus, nutrido com as verdades da fé e
da boa doutrina que tem seguido. Rejeite, porém, as fábulas
profanas e tolas, e exercite-se na piedade...esta é uma palavra
fiel e digna de plena aceitação...ordene e ensine estas coisas...
dedique-se à leitura pública da Escritura, à exortação e ao
ensino.
• Não negligencie o dom que lhe foi dado por mensagem
profética com imposição de mãos dos presbíteros...atente
bem para a sua própria vida e para a doutrina, perseverando
nesses deveres, pois, agindo assim, você salvará tanto a si
mesmo quanto aos que o ouvem”.
III - COM RELAÇÃO AO MUNDO –
EVANGELIZAR
• Sigamos o exemplo dos crentes do primeiro século, que
testemunhavam de Jesus sempre, mesmo sob perseguição,
perda de bens e familiares.
• Todos temos a oportunidade de tornar Jesus conhecido de
nossos parentes, familiares, amigos e mesmo daqueles com
quem não temos qualquer tipo de relacionamento, Conhecer
Jesus faz a diferença em nossas vidas, e o mesmo fará na vida
de outras pessoas, Há pessoas que "conhecem" Jesus como
um grande profeta, sacerdote ou pessoa que lutou por uma
boa causa.
• Mas essas pessoas precisam saber que Jesus é o Filho de
Deus. que está vivo, que veio para salvar os pecadores, Sem
isso, Jesus permanecerá para tais pessoas uma figura
histórica.
2. A salvação é oferecida a todos.
• Quando dizemos que a salvação é para todos, entendemos
que o ato de Jesus, de morrer por nossos pecados, abrange
todos aqueles que creem na mensagem do Evangelho.
• Isso não significa que mesmo aqueles que rejeitaram a Jesus,
no final das contas, terão uma oportunidade de se arrepender
e ser salvos, pois a hora de decidir aceitar a Jesus é agora, e
não depois da morte.
• Portanto, faça o nome de Jesus ser conhecido do maior
número de pessoas que você conhece.
3. A presciência divina.
• Diante da santidade de Deus, não restava ao ser humano
outro julgamento senão a condenação (Rm. 1.18; Hb. 10.31;
12.29; II Pe. 2.9; 3.7). Em termos conceituais, a palavra
“pecado”, no Novo Testamento, é a transgressão das leis de
Deus (I Jo. 3.4), desvio dos padrões divinos (Is. 53.6; Rm. 3.9-
12,23), rebelião deliberada e premeditada contra Deus (Jr.
5.6).
• Em Rm. 6.23, na primeira parte do versículo, Paulo mostra
que a conseqüência da condição humana de pecado é a
morte.
• Essa morte, em seu sentido mais ampliado, é a separação
presente e eterna da criatura dAquele que a criou (Tg. 1.13-
15), resultando, por fim, na perdição eterna (Mt. 7.13; Jo.
17.12; II Ts. 2.3).
CONCLUSÃO
• Somos chamados a servir na igreja Local com propósitos bem
definidos.
• Portanto, não podemos enterrar nossas vocações e talentos, e
sim observar esses três propósitos-adoração, edificação e
evangelização de forma equilibrada, como também deve ser
equilibrada a nossa vida cristã.
http://ebdemfocojovens.blogspot.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Noimix
 
Qual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejaQual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejapbmarcelo
 
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Sergio Silva
 
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?Leandro Sales
 
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos diasLição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos diasÉder Tomé
 
Estudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdadesEstudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdadesASD Remanescentes
 
“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”JUERP
 
“Perseveravam na oração”
“Perseveravam na oração”“Perseveravam na oração”
“Perseveravam na oração”JUERP
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igrejaboasnovassena
 
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...Sergio Silva
 
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaDiscipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaJosue Lima
 
Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...
Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...
Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...Sergio Silva
 
Lição 13 Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 13   Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Lição 13   Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 13 Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Sergio Silva
 
Lição 11 uma igreja autenticamente pentecostal
Lição 11   uma igreja autenticamente pentecostalLição 11   uma igreja autenticamente pentecostal
Lição 11 uma igreja autenticamente pentecostalSergio Silva
 
Qual a importância de ir à igreja
Qual a importância de ir à igrejaQual a importância de ir à igreja
Qual a importância de ir à igrejaMarconi Pacheco
 

Mais procurados (20)

Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?
 
Qual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejaQual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igreja
 
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 6 - A verdadeira igreja - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
 
O corpo de cristo
O corpo de cristoO corpo de cristo
O corpo de cristo
 
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?Qual é a nossa função no corpo da igreja?
Qual é a nossa função no corpo da igreja?
 
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos diasLição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
Lição 12 - A Igreja de Filadélfia um modelo para os nossos dias
 
Estudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdadesEstudo biblico sobre as verdades
Estudo biblico sobre as verdades
 
“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”
 
Igreja corpo de_cristo
Igreja corpo de_cristoIgreja corpo de_cristo
Igreja corpo de_cristo
 
“Perseveravam na oração”
“Perseveravam na oração”“Perseveravam na oração”
“Perseveravam na oração”
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
 
Igreja
IgrejaIgreja
Igreja
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
Lição 17 - Por que Jesus é diferente - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões...
 
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaDiscipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
 
Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...
Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...
Lição 8 - Maria, A Bem-aventurada - 2º quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e ...
 
Lição 13 Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 13   Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...Lição 13   Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
Lição 13 Budismo e Judaísmo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Reli...
 
Lição 11 uma igreja autenticamente pentecostal
Lição 11   uma igreja autenticamente pentecostalLição 11   uma igreja autenticamente pentecostal
Lição 11 uma igreja autenticamente pentecostal
 
Oração do pai nosso
Oração do pai nossoOração do pai nosso
Oração do pai nosso
 
Qual a importância de ir à igreja
Qual a importância de ir à igrejaQual a importância de ir à igreja
Qual a importância de ir à igreja
 

Destaque

Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoProf. Robson Santos
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaNatalino das Neves Neves
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04Joel Silva
 
Lição 11 - A Igreja e a Política
Lição 11 - A Igreja e a PolíticaLição 11 - A Igreja e a Política
Lição 11 - A Igreja e a PolíticaMaxsuel Aquino
 
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasAilton da Silva
 
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICALição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICAErberson Pinheiro
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALourinaldo Serafim
 
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
Lição 13   A Ressurreição de CristoLição 13   A Ressurreição de Cristo
Lição 13 A Ressurreição de CristoWander Sousa
 
Lição 3 "Obediência e Adoração".
Lição 3 "Obediência e Adoração".Lição 3 "Obediência e Adoração".
Lição 3 "Obediência e Adoração".Marcus Wagner
 
Lição 4 "Eu devo ser assim?".
Lição 4 "Eu devo ser assim?".Lição 4 "Eu devo ser assim?".
Lição 4 "Eu devo ser assim?".Marcus Wagner
 
Lição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos Saudáveis
Lição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos SaudáveisLição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos Saudáveis
Lição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos SaudáveisMaxsuel Aquino
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igrejaboasnovassena
 
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituaisLBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituaisNatalino das Neves Neves
 
As leis civis entregue por Moisés aos israelitas
As leis civis entregue por Moisés aos israelitasAs leis civis entregue por Moisés aos israelitas
As leis civis entregue por Moisés aos israelitasAilton da Silva
 

Destaque (20)

Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
 
Lição 11 - A Igreja e a Política
Lição 11 - A Igreja e a PolíticaLição 11 - A Igreja e a Política
Lição 11 - A Igreja e a Política
 
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
 
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICALição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
 
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
Lição 13   A Ressurreição de CristoLição 13   A Ressurreição de Cristo
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
 
Lição 3 "Obediência e Adoração".
Lição 3 "Obediência e Adoração".Lição 3 "Obediência e Adoração".
Lição 3 "Obediência e Adoração".
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
 
Lição 4 "Eu devo ser assim?".
Lição 4 "Eu devo ser assim?".Lição 4 "Eu devo ser assim?".
Lição 4 "Eu devo ser assim?".
 
LIÇÃO 07 – HONRARÁS PAI E MÃE
LIÇÃO 07 – HONRARÁS PAI E MÃELIÇÃO 07 – HONRARÁS PAI E MÃE
LIÇÃO 07 – HONRARÁS PAI E MÃE
 
Lição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos Saudáveis
Lição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos SaudáveisLição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos Saudáveis
Lição 01- Fundamentos Bíblicos para Relacionamentos Saudáveis
 
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igrejaLBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
 
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituaisLBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
 
11
1111
11
 
12
1212
12
 
As leis civis entregue por Moisés aos israelitas
As leis civis entregue por Moisés aos israelitasAs leis civis entregue por Moisés aos israelitas
As leis civis entregue por Moisés aos israelitas
 
13
1313
13
 

Semelhante a E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02

2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 09.pptxJoel Silva
 
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Robson Rocha
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 09
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 09Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 09
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 09Joel Silva
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11Joel Silva
 
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptxJoel Silva
 
Palavras de células Maio
Palavras de células MaioPalavras de células Maio
Palavras de células Maioisraelargatao
 
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos JovensO fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos JovensFrancelia Carvalho Oliveira
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptxJoel Silva
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11LFKlein
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09Joel Silva
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Ricardo Gondim
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaRoberto Trindade
 
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaLição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaAdriana Cunha
 
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012cnisbrasil
 

Semelhante a E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02 (20)

Epistola de efeso
Epistola de efesoEpistola de efeso
Epistola de efeso
 
2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 09.pptx
 
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 09
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 09Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 09
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 09
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
 
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
 
Palavras de células Maio
Palavras de células MaioPalavras de células Maio
Palavras de células Maio
 
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos JovensO fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
 
Planejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIBPlanejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIB
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 01.pptx
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 
Boletim IPC Limeira 240917
Boletim IPC Limeira 240917Boletim IPC Limeira 240917
Boletim IPC Limeira 240917
 
E Deu Dons aos Homens
E Deu Dons aos HomensE Deu Dons aos Homens
E Deu Dons aos Homens
 
Livrodeefesios pg
Livrodeefesios pgLivrodeefesios pg
Livrodeefesios pg
 
Dna a visão da igreja obpc
Dna a visão da igreja obpcDna a visão da igreja obpc
Dna a visão da igreja obpc
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
 
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaLição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionária
 
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
 

Mais de Joel Silva

E.b.d jovens 4 trimestre 2016 lição 13
E.b.d   jovens 4 trimestre 2016 lição 13E.b.d   jovens 4 trimestre 2016 lição 13
E.b.d jovens 4 trimestre 2016 lição 13Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06Joel Silva
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05Joel Silva
 
E.b.d jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópia
E.b.d   jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópiaE.b.d   jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópia
E.b.d jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópiaJoel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 07
4º trimestre 2015 jovens lição 074º trimestre 2015 jovens lição 07
4º trimestre 2015 jovens lição 07Joel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 06
4º trimestre 2015 jovens lição 064º trimestre 2015 jovens lição 06
4º trimestre 2015 jovens lição 06Joel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 054º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 05Joel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 04
4º trimestre 2015 jovens lição 044º trimestre 2015 jovens lição 04
4º trimestre 2015 jovens lição 04Joel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 03
4º trimestre 2015 jovens lição 034º trimestre 2015 jovens lição 03
4º trimestre 2015 jovens lição 03Joel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 02
4º trimestre 2015 jovens lição 024º trimestre 2015 jovens lição 02
4º trimestre 2015 jovens lição 02Joel Silva
 
4º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 014º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 01Joel Silva
 

Mais de Joel Silva (17)

E.b.d jovens 4 trimestre 2016 lição 13
E.b.d   jovens 4 trimestre 2016 lição 13E.b.d   jovens 4 trimestre 2016 lição 13
E.b.d jovens 4 trimestre 2016 lição 13
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 12
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 10
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 07
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 05
 
E.b.d jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópia
E.b.d   jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópiaE.b.d   jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópia
E.b.d jovens 3ºtrimestre 2016 lição 01 - cópia
 
4º trimestre 2015 jovens lição 07
4º trimestre 2015 jovens lição 074º trimestre 2015 jovens lição 07
4º trimestre 2015 jovens lição 07
 
4º trimestre 2015 jovens lição 06
4º trimestre 2015 jovens lição 064º trimestre 2015 jovens lição 06
4º trimestre 2015 jovens lição 06
 
4º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 054º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 05
 
4º trimestre 2015 jovens lição 04
4º trimestre 2015 jovens lição 044º trimestre 2015 jovens lição 04
4º trimestre 2015 jovens lição 04
 
4º trimestre 2015 jovens lição 03
4º trimestre 2015 jovens lição 034º trimestre 2015 jovens lição 03
4º trimestre 2015 jovens lição 03
 
4º trimestre 2015 jovens lição 02
4º trimestre 2015 jovens lição 024º trimestre 2015 jovens lição 02
4º trimestre 2015 jovens lição 02
 
4º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 014º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 01
 

Último

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 

Último (7)

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 

E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02

  • 1.
  • 2. TEXTO DO DIA • “...Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz..." (1Pe 2.9)
  • 3. SÍNTESE • A Igreja de Jesus Cristo tem por objetivo mostrar ao mundo com Deus age na história da salvação.
  • 4. AGENDA DE LEITURA SEGUNDA - Rm 12.1: A busca pelo culto e adoração racionais TERÇA - Hb 10.25: Não deixe de congregar QUARTA - Ef 4.29: Edificando por meio de palavras QUINTA - Cl 4.3,4: Falemos de Cristo SEXTA - 1Co 12.13 Formamos um só corpo SÁBADO - Jo 4.24 Adorar em espírito e em verdade
  • 5. OBJETIVOS • EXPLICAR que a adoração abrange as diversas formas de expressão de louvor; • CONSCIENTIZAR de que a edificação da Igreja ocorre através da disponibilidade de seus membros em servir uns aos outros; • MOSTRAR que a missão da igreja é transmitir o evangelho aos perdidos.
  • 6. TEXTO BÍBLICO • 1 ROGO-VOS, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. • 2 E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. • 3 Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.
  • 7. • 4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, • 5 Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. • 6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; • 7 Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; • 8 Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
  • 8. INTRODUÇÃO • Toda instituição precisa ter propósitos bem definidos. • Uma empresa deve oferecer emprego e dar Lucro a seus acionistas ou proprietários. • Uma escola tem como objetivos principais educar e formar cidadãos. • As forças armadas e policiais têm como alvos zelar pela segurança nacional e pública. • A igreja, como instituição fundada por Deus, tem dentre outros desígnios a adoração, a edificação dos crentes e a evangelização. • Trataremos desses três objetivos nesta Lição.
  • 9. I - COM RELAÇÃO A DEUS-ADORAR
  • 10. 1. O que é adorar.
  • 11. • A adoração sem dúvida tem sido um dos assuntos mais comentados de nossos dias. • De forma positiva, tem se buscado um modelo de culto que respeite a santidade e a presença de Deus entre aqueles que se dizem seus filhos, e, ao mesmo tempo, permita que esses filhos de Deus participem do culto com ordem e decência. • Por outro lado, têm sido abundantes os cultos marcados por excessos de manifestações artísticas, músicas cujo conteúdo mexe mais com o corpo do que faiam ao coração, e pouca primazia se dá à pregação bíblica e ao ensino. • Adorar envolve mais do que cânticos e louvores.
  • 12. 2. A diversidade da adoração.
  • 13. • O culto ao Senhor pode variar de acordo com o Lugar e a época. Quem trabalha no campo missionário tem muitas histórias sobre a diversidade cultural e a adoração a Deus, Há diversos modelos de cultos em nossos dias, e esses estão mais afeitos a lugares, com regionalismos próprios. • Nem sempre um modelo adotado em um pais será necessariamente aceito em outra cultura. • O que não se pode esquecer é que o nosso culto deve ser racional, e feito com ordem e decência: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus. que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional" (Rm 12.1). • A adoração ao Senhor não pode ser transformada em um espetáculo, onde as pessoas se dirigem ao santuário para serem entretidas, para passar tempo, esquecendo-se de que estão ali para adorar, orar e ouvir a Palavra de Deus.
  • 14. 3. A adoração que Deus recebe.
  • 15. • Ter uma Liturgia adequada para nos portarmos no culto ao Senhor é carreto, pois isso nos ajuda a Lembrar de que estamos na presença do Senhor, e o nosso culto deve ser racional (Rm 12,1). • Entretanto, ainda mais importante é lembrar que "Deus é Espirito, e importa que os que o adoram o adorem em espirito e em verdade" (Jo 4-24)- Deus não recebe uma adoração forçada, falsificada, mas uma adoração que brota verdadeiramente de uma pessoa com um espirito agradecido, e que reconhece a grandiosidade de Deus não apenas no momento do culto, mas igualmente fora do ambiente do santuário, pois somos adoradores em tempo integral, dentro da igreja e fora dela.
  • 16. II - COM RELAÇÃO AOS CRENTES- EDIFICAR
  • 17. 1. Edificando por meio da comunhão.
  • 18. • Um dos fatores mais importantes na edificação do Corpo de Cristo é a comunhão, Ela não nos permite ficar isolados uns dos outros, mas nos incentiva à interação e ao fortalecimento por meio da oração, ações de graças, atos de generosidade e socorros. • Pela comunhão, crescemos juntos, exercemos misericórdia e podemos, como corpo de Cristo, apresentar "todo homem perfeito em Jesus Cristo" (Cl 1.28).
  • 19. 2. Edificando por meio dos dons.
  • 20. • Lembremo-nos de que os dons são concedidos pelo Espírito Santo. • Não são aprendidos academicamente ou por técnica alguma. • Com o passar do tempo, aqueles que os recebem devem primar em fazer com que os dons sejam exercidos com ordem no culto, e isso pode e deve ser ensinado. • Esses aspectos, sim, podem ser aprendidos, de tal forma que possamos ver os dons do Espírito sendo usados de forma edificante e ordeira no santuário.
  • 21. 3. Edificando por meio do ensino.
  • 22. • Paulo, vez após vez, fala aqui da santa doutrina. E no capítulo 4 diz: “Se você transmitir essas instruções aos irmãos, será um bom ministro de Cristo Jesus, nutrido com as verdades da fé e da boa doutrina que tem seguido. Rejeite, porém, as fábulas profanas e tolas, e exercite-se na piedade...esta é uma palavra fiel e digna de plena aceitação...ordene e ensine estas coisas... dedique-se à leitura pública da Escritura, à exortação e ao ensino. • Não negligencie o dom que lhe foi dado por mensagem profética com imposição de mãos dos presbíteros...atente bem para a sua própria vida e para a doutrina, perseverando nesses deveres, pois, agindo assim, você salvará tanto a si mesmo quanto aos que o ouvem”.
  • 23. III - COM RELAÇÃO AO MUNDO – EVANGELIZAR
  • 24. • Sigamos o exemplo dos crentes do primeiro século, que testemunhavam de Jesus sempre, mesmo sob perseguição, perda de bens e familiares. • Todos temos a oportunidade de tornar Jesus conhecido de nossos parentes, familiares, amigos e mesmo daqueles com quem não temos qualquer tipo de relacionamento, Conhecer Jesus faz a diferença em nossas vidas, e o mesmo fará na vida de outras pessoas, Há pessoas que "conhecem" Jesus como um grande profeta, sacerdote ou pessoa que lutou por uma boa causa. • Mas essas pessoas precisam saber que Jesus é o Filho de Deus. que está vivo, que veio para salvar os pecadores, Sem isso, Jesus permanecerá para tais pessoas uma figura histórica.
  • 25. 2. A salvação é oferecida a todos.
  • 26. • Quando dizemos que a salvação é para todos, entendemos que o ato de Jesus, de morrer por nossos pecados, abrange todos aqueles que creem na mensagem do Evangelho. • Isso não significa que mesmo aqueles que rejeitaram a Jesus, no final das contas, terão uma oportunidade de se arrepender e ser salvos, pois a hora de decidir aceitar a Jesus é agora, e não depois da morte. • Portanto, faça o nome de Jesus ser conhecido do maior número de pessoas que você conhece.
  • 27. 3. A presciência divina.
  • 28. • Diante da santidade de Deus, não restava ao ser humano outro julgamento senão a condenação (Rm. 1.18; Hb. 10.31; 12.29; II Pe. 2.9; 3.7). Em termos conceituais, a palavra “pecado”, no Novo Testamento, é a transgressão das leis de Deus (I Jo. 3.4), desvio dos padrões divinos (Is. 53.6; Rm. 3.9- 12,23), rebelião deliberada e premeditada contra Deus (Jr. 5.6). • Em Rm. 6.23, na primeira parte do versículo, Paulo mostra que a conseqüência da condição humana de pecado é a morte. • Essa morte, em seu sentido mais ampliado, é a separação presente e eterna da criatura dAquele que a criou (Tg. 1.13- 15), resultando, por fim, na perdição eterna (Mt. 7.13; Jo. 17.12; II Ts. 2.3).
  • 29. CONCLUSÃO • Somos chamados a servir na igreja Local com propósitos bem definidos. • Portanto, não podemos enterrar nossas vocações e talentos, e sim observar esses três propósitos-adoração, edificação e evangelização de forma equilibrada, como também deve ser equilibrada a nossa vida cristã.