Igreja

379 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Igreja

  1. 1. IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA A nossa Igreja
  2. 2. DE ONDE SURGE A IGREJA?
  3. 3. DEUS AO ENCONTRO DO HOMEM Pela razão natural, o homem pode conhecer Deus com certeza, a partir das suas obras. Mas existe outra ordem de conhecimento, que o homem de modo nenhum pode atingir por suas próprias forças: a da Revelação divina.
  4. 4. Por uma vontade absolutamente livre, Deus revela-Se e dá-Se ao homem. E fá-lo revelando o seu mistério, o desígnio benevolente que, desde toda a eternidade, estabeleceu em Cristo, em favor de todos os homens. Revela plenamente o seu desígnio, enviando o seu Filho bem-amado, nosso Senhor Jesus Cristo, e o Espírito
  5. 5. A REVELAÇÃO DE DEUS O desígnio divino da Revelação realiza-se, ao mesmo tempo, «por meio de acções e palavras, intrinsecamente relacionadas entre si» e esclarecendo-se mutuamente. Comporta uma particular «pedagogia divina»: Deus comunica-Se gradualmente ao homem e prepara-o, por etapas, para receber a Revelação sobrenatural que faz de Si próprio e que vai culminar na Pessoa e missão do Verbo encarnado,
  6. 6. AS ETAPAS DA REVELAÇÃO A ALIANÇA COM NOÉ Desfeita a unidade do género humano pelo pecado, Deus procurou imediatamente, salvar a humanidade intervindo com cada uma das suas partes. A aliança com Noé, a seguir ao dilúvio, exprime o princípio da economia divina em relação às «nações», quer dizer, em relação aos homens reagrupados «por países e línguas, por
  7. 7. DEUS ELEGE ABRAÃO Para reunir a humanidade dispersa, Deus escolhe Abrão, chamando-o para «deixar a sua terra, a sua família e a casa de seu pai» (Gn 12, 1), para o fazer Abraão, quer dizer, «pai de um grande número de nações» (Gn 17, 5): «Em ti serão abençoadas todas as nações da Terra» (Gn 12, 3). O povo descendente de Abraão será o depositário da promessa feita aos patriarcas, o povo eleito, chamado a preparar a reunião, um dia, de todos os filhos de Deus na unidade da Igreja. Será o tronco em que serão enxertados os pagãos tornados crentes.
  8. 8. DEUS FORMA O SEU POVO ISRAEL Depois dos patriarcas, Deus formou Israel como seu povo, salvando-o da escravidão do Egipto. Concluiu com ele a aliança do Sinai e deu-lhe, por Moisés, a sua Lei, para que Israel O reconhecesse e O servisse como único Deus vivo e verdadeiro, Pai providente e justo Juiz, e vivesse na expectativa do Salvador prometido. Israel é o povo sacerdotal de Deus, sobre o qual «foi invocado o Nome do Senhor» (Dt 28, 10). É o povo daqueles «a quem Deus falou em primeiro lugar», o povo dos «irmãos mais
  9. 9. OS PROFETAS Pelos profetas, Deus forma o seu povo na esperança da salvação, na expectativa duma aliança nova e eterna, destinada a todos os homens, e que será gravada nos corações. Os profetas anunciam uma redenção radical do povo de Deus, a purificação de todas as suas infidelidades, uma salvação que abrangerá todas as nações. Serão sobretudo os pobres e os humildes do Senhor os portadores desta esperança.
  10. 10. JESUS CRISTO – «MEDIADOR E PLENITUDE DE TODA A REVELAÇÃO» NO SEU VERBO, DEUS DISSE TUDO «Muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos pelo seu Filho» (Heb 1, 1-2). Cristo, Filho de Deus feito homem, é a Palavra única, perfeita e insuperável do Pai. N'Ele, o Pai disse tudo «Muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos pelo seu Filho» (Heb 1, 1-2). Cristo, Filho de Deus feito homem, é a Palavra única, perfeita e insuperável do Pai. N'Ele, o Pai
  11. 11. do latim ecclesia derivado do grego ekklesìa significa reunião, assembleia
  12. 12. AQUILO QUE A IGREJA NÃO É:  o Vaticano um poder político, económico, financeiro, diplomático, moral  um grupo de pessoas, sobretudo frustradas, que se encontram num certo lugar de oração para se consolarem  um grupo de gente que tem pouco que fazer e vai ali para passar o tempo  o Papa, os bispos, os padres, mesmo se o Papa, os bispos e os sacerdotes sejam membros da Igreja  aquele edifício no qual os cristãos se encontram para pregar e celebrar a eucaristia, ainda que a Igreja se
  13. 13. O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA DIZ: “A Igreja” é o Povo que Deus reúne no mundo inteiro. Existe nas comunidades locais e se realiza como assembléia litúrgica, sobretudo eucarística. Ela vive da Palavra e do Corpo de Cristo e se torna, assim, Corpo de Cristo. (CIC § 751-752)
  14. 14. São Paulo compara a Igreja a um templo. Na 1ª Carta aos Coríntios escreve de facto: “Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito Santo habita em vós?” (1ª Cor. 3,16). Jesus é a pedra angular (que consolida) este templo, os apóstolos as pedras fundamentais e todos nós as pedras vivas, de modo a obter uma construção bem ordenada. O QUE É A IGREJA A Igreja é o Templo de Deus
  15. 15. pela imagem da vide Faz-nos compreender o que é a Igreja: UMA COMUNIDADE DE PESSOAS intimamente unida a Cristo (a vide) intimamente unidos aos outros (os ramos) destinada a dar fruto, a qual assume uma missão a favor dos outros
  16. 16. A Igreja é a comunidade dos filhos de Deus Se Deus nos transmite a sua vida divina, nós tornamo-nos seus filhos. Todos os filhos de Deus, unidos num só,formamos a Igreja: “A quantos acolheram a Jesus, foi-lhes dado o poder de se tornarem filhos de Deus” (Jo 1,12). O QUE É A IGREJA
  17. 17. Deus é nosso Pai, nós somos seus filhos, somos irmãos e irmãs entre nós. São Paulo escreve aos Efésios: “Portanto, já não sois estrangeiros nem imigrantes, mas concidadãos dos santos e membros da casa de Deus” (Ef 2,19) A Igreja é a família de Deus O QUE É A IGREJA
  18. 18. A Igreja é a comunidade dos que seguem a Cristo. Para ser uma só realidade com Cristo, querer segui-Lo, escutar a sua voz, amá-lo, deixar-se guiar pelos seus ensinamentos. O QUE É A IGREJA A Igreja é o rebanho de Cristo
  19. 19. No A.T. a comunidade israelita é a esposa, muitas vezes infiel ao Senhor. No N.T. Jesus é apresentado como o esposo e a igreja como a Esposa. “Vede a cidade santa, a nova Jerusalém, descendo do céu, de Deus, como uma esposa adornada pelo seu esposo” (Ap 21,2) O QUE É A IGREJA A Igreja é a esposa de cristo (Ef 5,25).
  20. 20. A Igreja é o Corpo de Cristo Na 1ª carta aos coríntios e nos outros textos São Paulo apresenta a Igreja como Corpo de Cristo: Jesus é a Cabeça Nós somos os seus membros Nós somos membros uns dos outros e cada um de nós recebe energia de todo o corpo Cada um de nós deve assumir o seu quinhão, a grande missão para a edificação de todo o Corpo de Cristo. O QUE É A IGREJA
  21. 21. A Igreja é o povo de Deus No A.T. a comunidade de Israel aparece como o povo temente a Deus, que Deus acompanhou, o povo da Aliança. Mas o Deus da Bíblia não é um Deus racista, segregacionista. Escolheu o povo hebreu como primeiro interlocutor de um diálogo que viria a estender-se a todos os povos, primeiro destinatário de uma salvação que foi posta ao alcance de todos os homens. O QUE É A IGREJA
  22. 22. Por isso a Igreja, Povo de Deus, deve reunir em si todos os povos da terra e da história “Ide e anunciai a todas as nações, baptizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19)
  23. 23. A característica da Igreja como povo de Deus: É um povo em comunhão A Igreja é um povo de pessoas chamadas a viver, através de Cristo, uma comunhão sempre mais intensa com Deus e com os outros. Esta comunhão realiza-se:  Seguindo Cristo como discípulos fiés e permanentes  Amando Deus mais que tudo, mais que todos e mais que a si mesmo  Amando-nos como Cristo nos amou  Escutando, assimilando e vivendo a Palavra de Deus  Sentando-nos juntos à volta da mesa eucarística  Estando unidos aos ministros da Igreja  Esforçando-nos por alargar sempre mais os horizontes da comunhão, de modo a convergir o mais possível de pessoas
  24. 24. Portanto os que não estão em comunhão com Cristo Não podem ser Igreja
  25. 25. É um povo em missão Numa casa cada pedra tem que estar no seu lugar, numa videira cada ramo deve dar fruto, num corpo cada órgão deve assumir a sua função. Na Igreja cada um deve fazer a sua parte, deve assumir a sua pequena missão, deve cumprir o seu pequeno ministério para o bem de toda a Igreja, de toda a sociedade, de todo o A característica da Igreja como povo de Deus:
  26. 26. A santidade consiste no viver em comunhão perfeita com Deus e com os outros e no desempenho da própria missão de alargar os horizontes até aos confins da terra. Pois bem, se a Igreja deve ser um povo em comunhão e em missão, é um povo no caminho da santificação. A característica da Igreja como povo de Deus: É um povo a caminho a santificação
  27. 27. «Até que o Senhor venha no seu esplendor com todos os seus anjos e, destruida a morte, tenha submetido todas as coisas, • alguns seus discípulos peregrinam na terra, • outros, já defuntos, purificam-se, • outros estão glorificados, contemplando "claramente Deus uno e trino, tal qual Ele é"» A comunhãoda Igrejado céu e da terra Os três estados da Igreja (CIC 954)
  28. 28. «Todos, porém, em grau e modo diversos, participamos no mesmo amor a Deus e ao próximo e cantamos o mesmo hino de louvor ao nosso Deus. De facto, todos os que são de Cristo, que têm o seu Espírito, formam uma e mesma Igreja e estão unidos entre si e n’Ele».(LG 49)
  29. 29. «A união dos membros da Igreja peregrina com os irmãos que adormeceram na paz de Cristo não se interrompe, mas reforça-se, segundo a fé constante, com a comunhão dos bens espirituais». Todos juntos formamos em Cristo uma só família, a IGREJA, para louvor e glória da Trindade A comunhãoda Igreja do céu eda terra Ostrês estados da Igreja (CIC 955)
  30. 30. O homem é sacramento: de facto, o homem é um corpo visível através do qual o seu espírito se exprime e comunica afectos, sensações, sentimentos. Algumas partes do corpo têm um papel privilegiado nesta comunicação: o rosto exprime e comunica respeito, simpatia, antipatia, ódio, amor, rancor, alegria, etc. os olhos exprimem amor, desprezo, pena, incredibilidade, admiração, etc. a boca exprime a realidade interior sobretudo através da palavra, do beijo, etc. os gestos da mão, da cabeça, são entre outros os mais usuais da comunicação interpessoal A IGREJA SACRAMENTO DE CRISTO
  31. 31. Sacramentosignifica sinaleficaz sinal: Porque comunicauma realidadeatravés de um sinal, palavra,gesto; eficaz:Porque incarnaa realidadeque significa A IGREJA SACRAMENTO DE CRISTO
  32. 32. Portanto o homem exprime a sua interioridade através da palavra, dos gestos subjectivos do rosto, da mão, da cabeça, do olhar, através dos sinais objectivos como são a escrita , a música, a literatura,etc. A IGREJA SACRAMENTO DE CRISTO
  33. 33. A IGREJA SACRAMENTO DE CRISTO Deus, para entrar em relação com os homens adequou-se ao nosso modo de comunicar: por isso enviou o seu Filho Jesus assumindo a natureza humana. Jesus é sacramento de Deus, pois é sinal de Deus porque o mostra visível, histórico,aferível, comunicável; logo é sinal eficaz de Deus pois Ele próprio é Deus. Jesus é o gesto vivente através do qual Deus comunicou aos homens o seu perdão e a sua salvação (a sua santidade).O dia da Ascensão em que Jesus voltou para o Pai,conclui a sua experiência terrena; Para continuar a sua obra de salvação deixou a Igreja; a salvação vem, portanto, de Jesus através da Igreja.
  34. 34. A Igreja é, portanto, sacramento de Jesus Cristo no sentido em que representa o próprio Senhor Jesus. A Igreja comunica o perdão, a salvação, a santidade através dos sacramentos os quais se traduzem em ritos, isto é um conjunto de sinais, de gestos e de palavras através dos quais Jesus e n’Ele a Igreja salvam os homens. O rito serve para nos ajudar a compreender o efeito que o Sacramento produz na alma e significa-o porque também o produz realmente. A IGREJA SACRAMENTO DE CRISTO
  35. 35. De quem parte a vontade de constituir a Igreja A vontade de constituir a Igreja parte do próprio Senhor Jesus, o qual no dia da sua Ascensão ao céu deixou aos discípulos este encargo: “Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo ensinando-os a cumprir tudo quanto vos mandei. E sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos” (Mt 28, 18b-20)
  36. 36. Quando nasceu a Igreja A Igreja nasceu oficialmente há cerca de vinte séculos atrás e permanecerá até ao fim dos tempos. À luz da palavra de Jesus ressuscitado, os apóstolos compreenderam da maneira mais profunda a Sagrada Escritura e, no dia de Pentecostes, o Espírito Santo, fez com que tivessem consciência da sua missão: testemunhar a ressurreição de Jesus anunciar a todos os povos a salvação.
  37. 37. DISTINGUIMOS, NA VERDADEIRA IGREJA (CATÓLICA), QUATRO SINAIS DE SUA AUTENTICIDADE: Una A Igreja verdadeira só pode ser uma: uma em seu chefe e uma em sua fé. "Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo“ (Ef 4, 5). O Papa é o sucessor direto de S. Pedro. A fé católica é a mesma em qualquer parte do mundo. A Igreja Católica tem um só chefe, uma só fé, um só culto (missa e
  38. 38. SANTA A Igreja é santa em sua doutrina. A santificação dos homens é a sua finalidade. Se todos os seus membros não são santos, é porque não observam, como devem, a sua doutrina. A hierarquia da Igreja, os padres, bispos e o Papa, como nós, são humanos e fracos - todos somos pecadores. Por isso, não é no homem que nos devemos firmar e sim em Deus. A santidade da Igreja está em sua doutrina. (divina) - e santos são os que a vivem integralmente. A vontade de Deus é a nossa
  39. 39. CATÓLICA Catolicidade significa universalidade - A Igreja de Cristo destina-se a todos os homens, de todos os tempos. A Igreja é acima de governos e de costumes, embora procure adaptar-se à mentalidade de cada país e de cada época. Esta adaptação, porém, jamais poderá ir de encontro aos seus dogmas - porque estes são as rochas que constituem o seu fundamento
  40. 40. APOSTÓLICA Isto é, conserva a doutrina dos apóstolos. "Assim como meu Pai me enviou, também eu vos envio" (Jo 20, 21). "Quem vos ouve, a mim ouve" (Lc 10, 16). Para cumprir a sua missão, Jesus deu à Sua Igreja o poder de:  1 - Ensinar - "Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura" (Mc 16, 15). "Ide, ensinai a todas as gentes (...) ensinando a observar todas as coisas que eu vos mandei" (Mt 28, 19-20)  2 - Reger - "Tudo o que ligardes na terra, será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na terra, será desligado no Céu" (Mt 18, 18).  3 - Santificar - pelos sacramentos, fontes de graça
  41. 41. "Ide, pois ensinai (...) batizando em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28, 19). "Recebei o Espírito Santo: aqueles a quem perdoastes os pecados, ser-lhes-ão perdoados, e aqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos"(Jo 20, 21-23). "Fazei isto em memória de Mim" (Lc 22, 19) - a Eucaristia, o Sacrifício redentor, o sacramento da mais íntima união com Deus, a grande fonte de santidade.
  42. 42. O QUE VOCÊ DEVE SER PARAR PERTENCER A IGREJA DE JESUS CRISTO?  Para conscientemente, pertencer à Igreja Católica, é preciso: 1 - ser batizado; 2 - crer na sua doutrina; 3 - observar as suas leis.
  43. 43. COMO ESTÁ ORGANIZADA A IGREJA?
  44. 44. Na Igreja há lugar para todos. Porque todos são chamados desde o baptismo a assumir a missão profética, sacerdotal e real que é própria de Cristo, com base nos próprios carismas. Os ministérios são os serviços estáveis, publicamente reconhecidos assumidos na Igreja. OS MINISTÉRIOS
  45. 45.  Os ministérios ordenados  Bispos, Presbíteros e Diáconos  Os ministérios instituídos  Leitores e os Acólitos (que dependem do bispo) e o Ministro extraordinário da eucaristia (que depende do Pároco)  Os ministérios pontuais  são todos os que servem de uma maneira ou de outra a Igreja ( do catequista aos que limpam a OS MINISTÉRIOS
  46. 46. A paróquia é o lugar onde os cristãos se juntam para rezar, celebrar os momentos do culto, viver a caridade escutar a Palavra de Deus. A Paróquia O termo deriva do grego “paroikìa” (para + oìkos) isto é “a casa provisória do forasteiro”. Significará, portanto, “uma demora temporária”. De facto, para os cristãos é uma comunidade de passagem.
  47. 47. 1. Quais foram as alianças que Deus fez com a humanidade? 2. Qual é a definitiva revelação divina? 3. Como surge a Igreja? 4. Quem é a Igreja? PARA PENSAR:
  48. 48. OS 5 MANDAMENTOS DA IGREJA
  49. 49. 1. “PARTICIPAR DA MISSA INTEIRA NOS DOMINGOS E OUTRAS FESTAS DE GUARDA E ABSTER-SE DE OCUPAÇÕES DE TRABALHO”. Ordena aos fiéis que santifiquem o dia em que se comemora a ressurreição do Senhor, e as festas litúrgicas em honra dos mistérios do Senhor, da santíssima Virgem Maria e dos santos, em primeiro lugar participando da celebração eucarística, em que se reúne a comunidade cristã, e se abstendo de trabalhos e negócios que possam impedir tal santificação desses dias (Código de Direito Canônico-CDC , cân. 1246-1248) (§2042).
  50. 50. OS DIAS SANTOS –com obrigação de participar da missa, são esses, conforme o Catecismo: “Devem ser guardados [além dos domingos] o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania (domingo), da Ascensão (domingo) e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi), de Santa Maria, Mãe de Deus (1º de janeiro), de sua Imaculada Conceição (8 de dezembro) e Assunção (domingo), de São José (19 de março), dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo (domingo), e por fim, de Todos os Santos
  51. 51. 2. “CONFESSAR-SE AO MENOS UMA VEZ POR ANO” Assegura a preparação para a Eucaristia pela recepção do Sacramento da Reconciliação, que continua a obra de conversão e perdão do Batismo (CDC, cân. 989). É claro que é pouco se confessar uma vez ao ano, seria bom que cada um se confessasse ao menos uma vez por mês, pois fica mais fácil de se recordar dos pecados e de ter a graça
  52. 52. 3. “RECEBER O SACRAMENTO DA EUCARISTIA AO MENOS PELA PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO” (O período pascal vai da Páscoa até festa da Ascenção) e garante um mínimo na recepção do Corpo e do Sangue do Senhor em ligação com as festas pascais, origem e centro da Liturgia cristã (CDC, cân. 920). Também é muito pouco comungar ao menos uma vez ao ano. A Igreja recomenda (não obriga) a comunhão
  53. 53. 4. “JEJUAR E ABSTER-SE DE CARNE, CONFORME MANDA A SANTA MÃE IGREJA” (Isso deve ser feito na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa). Os que já tem mais de 60 anos ou doentes estão dispensados da obrigatoriedade, mas podem fazê- lo se desejarem. Diz o Catecismo que o jejum “Determina os tempos de ascese e penitência que nos preparam para as festas litúrgicas; contribuem para nos fazer adquirir o domínio sobre nossos instintos e a liberdade de coração (CDC, cân. 882)”.
  54. 54. 5. “AJUDAR A IGREJA EM SUAS NECESSIDADES” Recorda aos fiéis que devem ir ao encontro das necessidades materiais da Igreja, cada um conforme as próprias possibilidades (CDC, 222). Não é obrigatório que o dízimo seja de 10% do salário, nem o CIC nem o CDC obrigam esta porcentagem, mas é bom e bonito se assim o for. Deus ama aquele que dá com alegria”(cf. 2Cor 9, 7). Esta ajuda às necessidades da Igreja pode ser dada uma parte na paróquia
  55. 55. FONTES: • http://www.abcdacatequese.com/index.php/p artilha/recursos/doc_view/4616-a-igreja- apresentacao-em-powerpoint-ppt • Catecismo da Igreja Católica. http://www.vatican.va/archive/cathechism_po /index_new/prima-pagina-cic_po.html

×