Successfully reported this slideshow.

4º trimestre 2015 jovens lição 06

251 visualizações

Publicada em

“...Relacionamentos corretos e saudáveis são bênçãos do Senhor sobre o cristão que decide agradar a Deus ainda jovem...”

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

4º trimestre 2015 jovens lição 06

  1. 1. MODELO
  2. 2. TEXTO DO DIA “...O solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor...” (1Co 7.32b).
  3. 3. SÍNTESE “...Relacionamentos corretos e saudáveis são bênçãos do Senhor sobre o cristão que decide agradar a Deus ainda jovem...”
  4. 4. AGENDA DE LEITURA SEGUNDA — Gn 2.18-24 • O casamento instituído por Deus TERÇA — 1Co 7.25-36 • Recomendações aos jovens solteiros QUARTA — Pv 30.18,20 • O mistério do encontro QUINTA — 2Sm 13 • Os desatinos da paixão doentia e pecaminosa SEXTA — Ct 7.6,7 • O verdadeiro amor entre homem e mulher SÁBADO — 1Co 6.18-20 • Fugir de toda impureza
  5. 5. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • REFLETIR sobre os sentimentos e maturidade afetiva; • COMPREENDER a relação entre paixão e razão; • RECONSIDERAR relacionamentos problemáticos.
  6. 6. TEXTO BÍBLICO 1 Coríntios 13.1-7. 1 — Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 2 — E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. 3 — E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
  7. 7. 4 — O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece, 5 — não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; 6 — não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; 7 — tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
  8. 8. INTRODUÇÃO • Nos dias de hoje, há uma profunda crise de identidade, agravada pela falta de maturidade e responsabilidade afetiva.
  9. 9. • O que muitos jovens conhecem sobre afetividade, sentimento e amor são extraídos dos péssimos e pecaminosos modelos disseminados pelas novelas, filmes e revistas sobre a vida dos famosos.
  10. 10. • Pouco se encontra na sociedade acerca de exemplos de amor e relacionamentos afetivos corretos e bíblicos. Os jovens não encontram bons e sadios exemplos de masculinidade e, as jovens, muito pouco de feminilidade. Nesta lição estudaremos a respeito dos relacionamentos afetivos corretos e bíblicos.
  11. 11. • O relacionamento entre pessoas é a forma como eles se tratam e se comunicam. Quando os indivíduos se comunicam bem, e o gostam de fazer, diz-se que há um bom relacionamento entre as partes. Quando os indivíduos se tratam mal, e pelo menos um deles não gosta de entrar em contato com os restantes, diz-se que há um mau relacionamento.
  12. 12. • De acordo com as moralidades, todas as pessoas que estiverem se encontrando propositalmente ou acidentalmente devem, no mínimo, se respeitarem, ou seja, tratar uma à outra com educação, e se não poder ajudar o próximo, não o atrapalhar.
  13. 13. • O problema é que essas regras morais não são exatas e podem ser burladas com certa facilidade, e quando um indivíduo se sente injustamente denegrido por outro, há um início de problema de relacionamento entre as partes.
  14. 14. I. “O AMOR É LINDO!” (1Co 13) 1. Os sentimentos constituem o ser (Fp 2.2,5; 3.15,16). 2. A corrupção dos sentimentos (Rm 1.18-32). 3. Maturidade afetiva (1Co 13; Ef 5.1-6.9).
  15. 15. • O ser humano foi criado por Deus constituído de um conjunto de sentimentos saudáveis e corretos que espelhavam a natureza santa do próprio Senhor (Gn 1.26-28; 2.18-25). Os sentimentos constituem o ser (Fp 2.2,5; 3.15,16).
  16. 16. • Foi no relacionamento amoroso, gracioso e acolhedor de Deus com o homem no Éden, que a criatura humana dimensionou o reflexo da imagem do Senhor em si mesma.
  17. 17. • Ele era um ser integral e perfeito porque o seu Criador assim o era (Gn 17.1; Dt 18.13). Deste modo, o homem estava perfeitamente integrado ao Criador, consigo mesmo, o outro e com a criação. Seus sentimentos expressavam essa harmoniosa relação.
  18. 18. • Todavia, com a entrada do pecado no mundo (Rm 5.12), o homem e a mulher passaram a experimentar sentimentos conflitantes: cobiça e medo (Gn 3.6,10), culpa e vergonha (Gn 3.11), egoísmo e desconfiança (Gn 3.12,13). 2. A corrupção dos sentimentos (Rm 1.18-32).
  19. 19. • Afastados voluntariamente do Altíssimo, ambos tornaram-se espiritualmente alienados (Rm 3.23) e mutilados em seu caráter, personalidade e sentimentos (Rm 1.18-32).
  20. 20. • Somente retornando a Deus por meio de Cristo (Cl 1.15; Rm 8.29; Hb 1.3), o homem pode refletir o caráter e sentimentos originários em Deus, ou seja, a mesmíssima imagem refletida no Filho (Ef 4.24; 2Co 3.18; 2.14-16; Rm 5.12-21; 1Co 1.30-31).
  21. 21. • A dimensão afetiva no ser humano perpassa toda sua existência, seja biológica, seja psíquica ou espiritual (1Ts 5.23). 3. Maturidade afetiva (1Co 13; Ef 5.1-6.9).
  22. 22. • Certos especialistas atribuem à alma, ou ao nível psíquico, as experiências afetivas emoções e sentimentos, contudo é o sujeito inteiro que as experimentam.
  23. 23. • Todo o ser é afetado e não apenas uma de suas constituições. Deste modo, o amor deve animar e guiar todos os relacionamentos, principalmente os sentimentais (1Co 13.7).
  24. 24. • É o amor que nos conduz à maturidade de nossas emoções, sentimentos e relacionamentos corretos (1Co 13.4-5). Ele nunca falha (v.8).
  25. 25. II. APAIXONADO, NÃO ILUDIDO (Rm 14.13; 2Tm 2.22) 1. Paixão e razão (2Sm 13). 2. Os desatinos da paixão pecaminosa (2Sm 13; 1Ts 4.5). 3. Discernindo o amor e suas formas (1Co 13). – a) Philia. – b) Eros. – c) Ágape.
  26. 26. • A paixão se caracteriza por um forte sentimento que se manifesta na pessoa pelo desejo irrefreável de algo. Em si mesma e em boa medida ela não é prejudicial, uma vez que está presente nos relacionamentos sentimentais. 1. Paixão e razão (2Sm 13).
  27. 27. • Todavia, a paixão tem como objetivo a satisfação que procede da necessidade do próprio indivíduo e, por isso, tende a ser egoísta, coisificar e instrumentalizar o outro, como no caso de Amnom (2Sm 13).
  28. 28. • Fatores bioquímicos explicam a euforia, o humor, ansiedade e obsessão pela pessoa a qual se está apaixonado e a tendência de se perder a razão por causa da atração (Gn 38.14-19; Jz 14.1-3). Por isso, atender as orientações paternas ajuda a equilibrar as emoções (Pv 4.1-10).
  29. 29. • Amnom estava obcecado por Tamar, sua meia-irmã (vv.1,4). • Embora o termo original “amou-a” ('āhab) tenha vários sentidos (Gn 22.2; 24.26; 34.3), aqui se refere ao forte afeto emocional e ao desejo sexual desenfreado (vv.11-14). 2. Os desatinos da paixão pecaminosa (2Sm 13; 1Ts 4.5
  30. 30. • Nesse sentido, a paixão é considerada pecado (1Ts 4.5). A angústia de Amnon (v.2) traduz o “aperto” e “aflição” psicológicos que ele sofria pela impossibilidade de obter Tamar (v.2).
  31. 31. • A trama hedionda incluía dissimulação, fingimento, mentira (v.5) e, ironicamente, conforme o termo hebraico (lebhibhoth), a preparação de bolos em formato de coração (v.6). Depois de cumprir seu intento contra a vontade da jovem, ele a desprezou (vv.15-16,22).
  32. 32. • Nem sempre é fácil discernir o amor verdadeiro de uma mera atração, da paixão, da amizade ou do desejo. Isto, porque em um relacionamento sentimental existe a presença de cada um deles. Vejamos: 3. Discernindo o amor e suas formas (1Co 13).
  33. 33. • a) Philia. Designa a amizade sincera, na qual age o amor interpessoal e o respeito de uma pessoa para com a outra (Hb 13.1). É um amor que exige reciprocidade, mas na qual também atua o interesse pelas qualidades da outra.
  34. 34. • b) Eros. Refere-se ao amor como desejo, na qual pode estar presente ou não o “desejo sexual”. Entendido corretamente, eros não é por si mesmo pecaminoso (Gn 26.8).
  35. 35. • Ele está presente em várias situações da vida amorosa de um casal (Ct 4). Contudo tende a ser egoísta e desregrado, principalmente quando coisifica e instrumentaliza a outra pessoa (2Sm 13; Gl 5.19; Pv 7.6- 27).
  36. 36. • c) Ágape. Trata-se do amor com que Deus ama, sendo Ele próprio Amor (1Jo 4.16-21). É o amor sacrifical de Cristo (Jo 15.13; 2Co 5.14) e o novo mandamento (Jo 15.12). O cristão vive esse amor de modo imperfeito, pois somente o amor de Cristo é completamente gratuito e perfeito (Ef 3.19).
  37. 37. • Deste modo, essas dimensões do amor são necessárias ao amadurecimento do sujeito, mas devem coexistir em equilíbrio para o fortalecimento das relações sentimentais verdadeiras e sinceras.
  38. 38. • Storge: A afeição natural entre membros de um núcleo familiar.
  39. 39. III. CORAÇÃO PARTIDO, ESPERANÇAS DESPEDAÇADAS (Mt 7.9-11) 1. Atração fatal (Pv 7.6-27; 2Sm 13; Jz 16). 2. Reconstruindo o coração partido (2Sm 13.19-22; Pv 18.19). 3. Propósitos para além de um relacionamento.
  40. 40. • Sentir-se atraído pelo sexo oposto faz parte da constituição humana e, corretamente entendido, é saudável e necessário (Gn 2.24; Pv 30.18,19). 1. Atração fatal (Pv 7.6-27; 2Sm 13; Jz 16).
  41. 41. • Porém o erotismo pecaminoso e as modernas formas de encontros sexuais e sentimentais mediados pela internet têm sido “rede de pecado”, e “laço de morte” para os jovens (Pv 13.14).
  42. 42. • Não são poucos aqueles que tiveram seus corações partidos e as esperanças despedaçadas, e até mesmo alguns que perderam suas vidas devido os encontros marcados às escondidas dos pais. Fuja de toda forma de impureza sexual! Seu corpo é templo do Espírito Santo (1Co 6.18-20).
  43. 43. • Não caia no laço do Diabo (1Tm 3.7; Sl 116.3; 141.9). “Amor” virtual é uma fantasia perigosa.
  44. 44. • Reconstruir um coração partido não é imediato. Leva-se tempo, paciência e resignação. E dependendo do caso, haveria necessidade de ajuda especializada. Portanto, é melhor prevenir-se contra relacionamentos ruins e esperar no Senhor (Sl 42.5; 43.5). 2. Reconstruindo o coração partido (2Sm 13.19-22; Pv 18.19).
  45. 45. • Veja o caso de Tamar, após o terrível “encontro”, sentiu- se humilhada, rejeitada e ferida (v.19 ver 2Sm 14.27). A cura das feridas emocionais leva tempo e as cicatrizes permanecem por toda vida.
  46. 46. • Ninguém deseja um relacionamento afetivo que traga dores sentimentais, rusgas familiares e às vezes até o afastamento da pessoa dos amigos e da comunidade da fé.
  47. 47. • Esses elementos são excelentes ingredientes para avolumar os romances, instigar a leitura, favorecer a trama e criar um best-seller, mas na vida que é real causam decepções, tristezas e infindáveis desgostos. Deixemos essas aventuras somente para a arte, a literatura e para a ficção.
  48. 48. • Muitos jovens cristãos estão decididos a se casarem, ao preço de suas vidas e virtudes. Andam atrás de sua cara-metade nas redes sociais, e para isso criam nicknames (apelidos), perfis falsos, perdem tempo com chat de relacionamentos, entre outros recursos mentirosos e fantasiosos (Pv 27.20). 3. Propósitos para além de um relacionamento.
  49. 49. • A possibilidade de magoarem-se e se ferirem é muito maior do que a de conquistarem um amor duradouro e verdadeiro. Isto não quer dizer que não seja possível encontrar amigos e relacionamentos afetivos sérios nas redes sociais.
  50. 50. • Sabe-se que a rede social tem sido um canal útil para algumas pessoas encontrarem parceiros e amigos com os mesmos gostos e afinidades e, a partir desse conhecimento preliminar, desenvolverem um relacionamento afetivo maduro e responsável.
  51. 51. • Todavia, é preciso tomar muito cuidado ao procurar nos sites de relacionamentos alguém para compartilhar seus segredos e sua vida. O perigo está sempre à espreita, uma vez que do teclado à vida real existe muita diferença, e se a pessoa não perceber rapidamente esses perigos pode amargar por muito tempo.
  52. 52. • O perigo está sempre à espreita, uma vez que do teclado à vida real existe muita diferença, e se a pessoa não perceber rapidamente esses perigos pode amargar por muito tempo.
  53. 53. • Assim, não considere que os relatos positivos sejam em si mesmo um motivo a mais para “cair de cabeça” nesses sites em busca de relacionamentos afetivos.
  54. 54. • Na maioria das vezes, as fotos dos perfis são melhores do que o “original”, e as palavras virtuais doces e românticas são laços e redes que escondem uma má intenção.
  55. 55. • É preciso cuidado e discernimento! Espere no Senhor, porque Ele deseja a tua felicidade! (Sl 128.1; 20.5).
  56. 56. CONCLUSÃO • Os relacionamentos sentimentais que proveem da bênção do Senhor sobre a vida do jovem cristão são construtivos e levam à maturidade afetiva, ao crescimento pessoal, e a comunhão com Cristo. Eles são presentes divinos aos jovens que permanecem fiéis ao Senhor (Sl 119.9).

×