SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Prof. Ewerton Rezer Gindri
Universidade do Estado de Mato Grosso –
Campus de Tangará da Serra
Introdução
• Embora a busca por compreender as funções da
linguagem na sociedade, bem como os elementos que
compõem a comunicação seja bastante antiga, e de
mérito de vários autores, é o nome de Roman Jakobson
que, geralmente, é lembrado quando se trabalha esse
assunto.
• Usaremos, em nossos estudos, o clássico texto desse
autor, “Linguística e Poética”, e os conceitos nele
desenvolvidos.
• Segundo R. Jakobson, “a linguagem deve ser estudada
em toda a variedade de suas funções” (p.122)
• Por isso, “para se ter uma ideia geral dessas funções é
mister uma perspectiva sumária dos fatores constitutivos
de todo processo linguístico, de todo ato de comunicação
verbal” (p.122)
Emissor: chamado também de locutor ou
falante, o emissor é aquele que emite a
mensagem para um ou mais receptores, por
exemplo, uma pessoa, um grupo de indivíduos,
uma empresa, dentre outros.
Receptor: denominado de interlocutor ou
ouvinte, o receptor é quem recebe a mensagem
emitida pelo emissor.
Mensagem: é o objeto utilizado na comunicação,
de forma que representa o conteúdo, o conjunto
de informações transmitidas pelo locutor, por
isso.
Código: representa o conjunto de signos
que serão utilizados na mensagem
Canal de Comunicação: corresponde ao
local (meio) onde a mensagem será
transmitida, por exemplo, jornal, livro,
revista, televisão, telefone, dentre outros.
Referente: Também chamado de contexto
trata-se da situação comunicativa em que
estão inseridos o emissor e receptor.
• “Cada um desses seis fatores determina
uma diferente função da linguagem”
(p.123)
• Sendo assim, podemos esquematizá-los
como segue:
Função Emotiva ou Expressiva
Esta função ocorre quando se destaca o emissor. A mensagem é centrada nas
opiniões, sentimentos e emoções do emissor, sendo um texto completamente
subjetivo e pessoal. A ideia de destaque do locutor dá-se pelo emprego da 1ª
pessoa do singular, tanto das formas verbais, quanto dos pronomes. É comum a
presença de interjeições, reticências e pontos de exclamação.
Exemplos: "Tenho um pouco de medo...", "Nós te amamos!"
Função Apelativa ou Conativa
É voltada para o receptor. Apresenta tom imperativo e é muito encontrada em
propagandas.
A mensagem é centrada no receptor e organiza-se de forma a influenciá-lo, ou
chamar sua atenção, o contexto torna-se a parte mais importante da mensagem.
Geralmente, usa-se a 2ª pessoa do discurso (tu/você; vós/vocês), vocativos e
formas verbais ou expressões no imperativo.
Exemplos: "Beba Coca-Cola","Vem pra Caixa você também, vem!", "Seja um
bom aluno", ''O melhor é Ipê''.
Função Poética
É aquela que se centra sobre a própria mensagem. Tudo o que, numa mensagem,
suplementa o sentimento da mensagem através do jogo de sua estrutura, de sua
tonalidade, de seu ritmo, de sua sonoridade. Essa função é capaz de despertar no
leitor o prazer estético e surpresa. É explorado na poesia e em textos publicitários.
Exemplo: o poema "Quadrilha" de Carlos Drummond de Andrade.
Função Referencial ou Denotativa
O referente (o contexto, o assunto) é o objeto ou situação de que a mensagem
trata. A função referencial privilegia justamente o referente da mensagem,
buscando transmitir informações objetivas sobre ele. Textos jornalísticos,
científicos e didáticos são exemplos típicos.
Exemplo: "Nos vertebrados, esta resposta inclui uma série de alterações
bioquímicas, fisiológicas e imunológicas coletivamente denominadas inflamação."
(Descrição de inflamação em um artigo científico).
QUADRILHA
João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o
convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto
Fernandes
que não tinha entrado na história.
(Carlos Drummond de Andrade)
Função Fática
Essa função ocorre quando o canal é o foco na construção do texto. Sua finalidade
é estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação de seu objeto ou relatar o
pavor. São exemplos típicos os inícios das conversas, como os cumprimentos
diários, quando ainda não existe um assunto em foco.
Exemplos: ''Sem dúvida, entende? Tudo certo?"
Função Metalinguística
Caracterizada pela preocupação com o código. Pode ser definida como a
linguagem que fala dela própria, ou seja, descreve o ato de falar ou escrever.
Programas de TV que falam sobre a própria TV ou que falam sobre a própria
mídia. Peças de teatro que falam sobre o teatro.
A linguagem (o código) torna-se objeto de análise do próprio texto. Os dicionários e
as gramáticas são repositórios de metalinguagem.
Exemplos: Vídeo Show, Observatório da Imprensa, "Frase é qualquer enunciado
linguístico com sentido acabado." (Definição de frase).
“Embora distingamos seis
aspectos básicos da linguagem, dificilmente
lograríamos, contudo, encontrar mensagens
verbais que preenchessem uma única
função. A diversidade reside não no
monopólio de alguma dessas diversas
funções, mas numa diferente ordem
hierárquica de funções. A estrutura verbal
de uma mensagem depende basicamente
da função predominante.” (p.123)
Devemos, contudo, lembrar o que disse
Jakobson:
Bibliografia
• JAKOBSON, R. Linguística e Poética. In: JAKOBSON, R. Linguística
e comunicação. Trad. José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2003.
• http://noticias.universia.com.br
• https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Drummond_de_Andrade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais
7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais
7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais
Angélica Manenti
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Thiago Soares
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
Flaviacristina74
 

Mais procurados (20)

Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais
7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais
7º ano E. F. II - Advérbios e Locuções Adverbiais
 
português instrumental
  português instrumental  português instrumental
português instrumental
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Denotação e conotação
Denotação e conotaçãoDenotação e conotação
Denotação e conotação
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
 
ESTILÍSTICA.ppt
ESTILÍSTICA.pptESTILÍSTICA.ppt
ESTILÍSTICA.ppt
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
 

Semelhante a Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem

Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
Taissccp
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Nicolle Souza
 

Semelhante a Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem (20)

Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
 
O Processo de Comunicação
O Processo de ComunicaçãoO Processo de Comunicação
O Processo de Comunicação
 
figuras de linguagem.ppt
figuras de linguagem.pptfiguras de linguagem.ppt
figuras de linguagem.ppt
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason lima
 
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médioFunções da Linguagem para alunos de ensino médio
Funções da Linguagem para alunos de ensino médio
 
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Funções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason LimaFunções da linguagem - professor Jason Lima
Funções da linguagem - professor Jason Lima
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Aula de linguagens
Aula de linguagensAula de linguagens
Aula de linguagens
 
Aula de linguagens
Aula de linguagensAula de linguagens
Aula de linguagens
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
 
Funções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptxFunções da linguagem 1º.pptx
Funções da linguagem 1º.pptx
 
funcoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdffuncoes da linguagem.pdf
funcoes da linguagem.pdf
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 

Mais de Ewerton Gindri

Aspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicaçãoAspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicação
Ewerton Gindri
 

Mais de Ewerton Gindri (20)

O campo semântico e a relação entre formas e sentidos
O campo semântico e a relação entre formas e sentidosO campo semântico e a relação entre formas e sentidos
O campo semântico e a relação entre formas e sentidos
 
Escritas do romance na pós-modernidade
Escritas do romance na pós-modernidadeEscritas do romance na pós-modernidade
Escritas do romance na pós-modernidade
 
Pré modernismo – aula 01
Pré modernismo – aula 01Pré modernismo – aula 01
Pré modernismo – aula 01
 
Rev. norteamentos
Rev. norteamentosRev. norteamentos
Rev. norteamentos
 
O conto literário
O conto literárioO conto literário
O conto literário
 
O gênero textual crônica
O gênero textual crônicaO gênero textual crônica
O gênero textual crônica
 
A ética do gênero humano
A ética do gênero humanoA ética do gênero humano
A ética do gênero humano
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médio
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Resumão de língua portuguesa 2º ano
Resumão de língua portuguesa   2º anoResumão de língua portuguesa   2º ano
Resumão de língua portuguesa 2º ano
 
Condições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoCondições de produção e circulação
Condições de produção e circulação
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Imagem empresarial
Imagem empresarialImagem empresarial
Imagem empresarial
 
Aspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicaçãoAspecto social da comunicação
Aspecto social da comunicação
 
Ética das emoções e do desejo
Ética das emoções e do desejoÉtica das emoções e do desejo
Ética das emoções e do desejo
 
Breve estudo sobre paráfrase e discurso
Breve estudo sobre paráfrase e discursoBreve estudo sobre paráfrase e discurso
Breve estudo sobre paráfrase e discurso
 
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluidoA pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
 
C:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E Ppp
C:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E PppC:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E Ppp
C:\Documents And Settings\Ewerton\Desktop\Planejamento Educacional E Ppp
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem

  • 1. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO FUNÇÕES DA LINGUAGEM Prof. Ewerton Rezer Gindri Universidade do Estado de Mato Grosso – Campus de Tangará da Serra
  • 2. Introdução • Embora a busca por compreender as funções da linguagem na sociedade, bem como os elementos que compõem a comunicação seja bastante antiga, e de mérito de vários autores, é o nome de Roman Jakobson que, geralmente, é lembrado quando se trabalha esse assunto. • Usaremos, em nossos estudos, o clássico texto desse autor, “Linguística e Poética”, e os conceitos nele desenvolvidos.
  • 3. • Segundo R. Jakobson, “a linguagem deve ser estudada em toda a variedade de suas funções” (p.122) • Por isso, “para se ter uma ideia geral dessas funções é mister uma perspectiva sumária dos fatores constitutivos de todo processo linguístico, de todo ato de comunicação verbal” (p.122)
  • 4.
  • 5. Emissor: chamado também de locutor ou falante, o emissor é aquele que emite a mensagem para um ou mais receptores, por exemplo, uma pessoa, um grupo de indivíduos, uma empresa, dentre outros. Receptor: denominado de interlocutor ou ouvinte, o receptor é quem recebe a mensagem emitida pelo emissor. Mensagem: é o objeto utilizado na comunicação, de forma que representa o conteúdo, o conjunto de informações transmitidas pelo locutor, por isso.
  • 6. Código: representa o conjunto de signos que serão utilizados na mensagem Canal de Comunicação: corresponde ao local (meio) onde a mensagem será transmitida, por exemplo, jornal, livro, revista, televisão, telefone, dentre outros. Referente: Também chamado de contexto trata-se da situação comunicativa em que estão inseridos o emissor e receptor.
  • 7. • “Cada um desses seis fatores determina uma diferente função da linguagem” (p.123) • Sendo assim, podemos esquematizá-los como segue:
  • 8.
  • 9. Função Emotiva ou Expressiva Esta função ocorre quando se destaca o emissor. A mensagem é centrada nas opiniões, sentimentos e emoções do emissor, sendo um texto completamente subjetivo e pessoal. A ideia de destaque do locutor dá-se pelo emprego da 1ª pessoa do singular, tanto das formas verbais, quanto dos pronomes. É comum a presença de interjeições, reticências e pontos de exclamação. Exemplos: "Tenho um pouco de medo...", "Nós te amamos!" Função Apelativa ou Conativa É voltada para o receptor. Apresenta tom imperativo e é muito encontrada em propagandas. A mensagem é centrada no receptor e organiza-se de forma a influenciá-lo, ou chamar sua atenção, o contexto torna-se a parte mais importante da mensagem. Geralmente, usa-se a 2ª pessoa do discurso (tu/você; vós/vocês), vocativos e formas verbais ou expressões no imperativo. Exemplos: "Beba Coca-Cola","Vem pra Caixa você também, vem!", "Seja um bom aluno", ''O melhor é Ipê''.
  • 10. Função Poética É aquela que se centra sobre a própria mensagem. Tudo o que, numa mensagem, suplementa o sentimento da mensagem através do jogo de sua estrutura, de sua tonalidade, de seu ritmo, de sua sonoridade. Essa função é capaz de despertar no leitor o prazer estético e surpresa. É explorado na poesia e em textos publicitários. Exemplo: o poema "Quadrilha" de Carlos Drummond de Andrade. Função Referencial ou Denotativa O referente (o contexto, o assunto) é o objeto ou situação de que a mensagem trata. A função referencial privilegia justamente o referente da mensagem, buscando transmitir informações objetivas sobre ele. Textos jornalísticos, científicos e didáticos são exemplos típicos. Exemplo: "Nos vertebrados, esta resposta inclui uma série de alterações bioquímicas, fisiológicas e imunológicas coletivamente denominadas inflamação." (Descrição de inflamação em um artigo científico).
  • 11. QUADRILHA João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para o Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. (Carlos Drummond de Andrade)
  • 12. Função Fática Essa função ocorre quando o canal é o foco na construção do texto. Sua finalidade é estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação de seu objeto ou relatar o pavor. São exemplos típicos os inícios das conversas, como os cumprimentos diários, quando ainda não existe um assunto em foco. Exemplos: ''Sem dúvida, entende? Tudo certo?" Função Metalinguística Caracterizada pela preocupação com o código. Pode ser definida como a linguagem que fala dela própria, ou seja, descreve o ato de falar ou escrever. Programas de TV que falam sobre a própria TV ou que falam sobre a própria mídia. Peças de teatro que falam sobre o teatro. A linguagem (o código) torna-se objeto de análise do próprio texto. Os dicionários e as gramáticas são repositórios de metalinguagem. Exemplos: Vídeo Show, Observatório da Imprensa, "Frase é qualquer enunciado linguístico com sentido acabado." (Definição de frase).
  • 13. “Embora distingamos seis aspectos básicos da linguagem, dificilmente lograríamos, contudo, encontrar mensagens verbais que preenchessem uma única função. A diversidade reside não no monopólio de alguma dessas diversas funções, mas numa diferente ordem hierárquica de funções. A estrutura verbal de uma mensagem depende basicamente da função predominante.” (p.123) Devemos, contudo, lembrar o que disse Jakobson:
  • 14. Bibliografia • JAKOBSON, R. Linguística e Poética. In: JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. Trad. José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2003. • http://noticias.universia.com.br • https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Drummond_de_Andrade