SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
OS TIPOS DE TEXTOS
E OS GÊNEROS NA
SALA DE AULA
Secretaria Municipal da Educação (SMED)
Coordenadoria Regional da Educação CRE ORLA
Angela Freire
Os TEXTOS, independentemente do GÊNERO a que pertencem,
se constituem de sequências com determinadas características
linguísticas, como classe gramatical predominante, estrutura
sintática, predomínio de determinados tempos e modos
verbais, relações lógicas. Assim, dependendo dessas
características, temos os diferentes TIPOS TEXTUAIS.
TEXTO é a base do ENSINO e APRENDIZAGEM da
Língua Portuguesa.
Os TEXTOS são classificados TIPOS
em duas dimensões: GÊNEROS
ATENÇÃO: é importante dizer que a classificação aqui se
apresenta é fundamentada nas propostas de Schneuwly, Dolz e
colaboradores, segundo João Batista (2008).
• Os TIPOS referem-se à intenção do autor, a razão pela qual o
texto foi escrito.
• Os GÊNEROS referem-se às características formais do texto
Os TEXTOS podem variar em função:
• Do CONTEÚDO – o que o autor quer comunicar.
• Da INTENÇÃO do AUTOR – o que o autor pretende provocar
no leitor.
• Do LEITOR ou PÚBLICO ALVO – as pessoas que ele quer
atingir e suas características.
• Das CARACTERÍSTICAS próprias dos TIPOS e GÊNEROS, que
podem ser mais ou menos rígidos.
Segundo João Batista (2008), Schneuwly, Dolz e colaboradores
classificam os TIPOS de TEXTOS em:
• NARRATIVO: o autor escreve para narrar, contar histórias.
• INFORMATIVO: o autor escreve para informar
• PERSUASIVO: o autor escreve para convencer.
• PROCEDIMENTOS: o autor escreve para explicar um
procedimento, como funciona, como se faz.
• POEMA: o autor escreve para emocionar, para sensibilizar.
A INTENÇÃO COMUNICATIVA é narrar, contar uma história
fictícia ou real. E, por vezes, algo que aconteceu ou algo que
pode ser inventado. E, pode ser uma mistura de ambos.
TEXTOS NARRATIVOS são um conjunto de eventos encadeados
que constitui um caso, uma história.
A ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO:
• O ambiente
• As ações
• Os personagens
AÇÕES:
• ENREDO OU TRAMA – o que acontece.
• CONFLITO: relações entre situações e personagens.
• SEQUÊNCIA: princípio, meio e fim da história.
• TEMA: ou assunto ou mensagem, implícita ou explícita.
• LINGUAGEM: conotativa ou denotativa, formal ou informal.
PERSONAGENS:
• Desempenham papéis.
• Protagonista e antagonismo.
• Reais ou fictícios.
• Previsíveis ou complexos.
– Bilhete – biografia – carta – conto de fadas –
conto moderno – conto tradicional – crônica –
diário – fábula – história em quadrinho –
lendas – mitos brasileiros – notícias – relato de
viagem.
Um TEXTO INFORMATIVO fornece informações, fatos e dado a
respeito de um determinado assunto. Ele é essencial para
desenvolver conhecimentos a respeito do mundo.
A INTENÇÃO COMUNICATIVA: informar, descrever, apresentar
uma informação ou explicação. Embora cada um tenha
características próprias, todos tem o propósito de ensinar a
pessoa interessada em saber mais sobre um determinado
assunto.
A LINGUAGEM DOS TEXTOS INFORMATIVOS:
É descritiva, precisa, direta. Os verbos encontram quase sempre
no presente.
A ESTRUTURA DO TEXTO INFORMATIVO:
• Não existe uma estrutura formal comum aos vários aos vários
textos informativos. A estrutura depende do gênero e do
próprio conteúdo ou objeto descrito.
• A estrutura de um texto informativo tem como objetivo a
clareza – apresentar a informação de forma que facilite o
entendimento do leitor.
• Em alguns textos informativos, o texto é subdividido em
partes, com subtítulos, ilustrações, gráficos ou outros
recursos formais que ajudem o leitor a organizar a
informação.
TEXTOS PERSUASIVOS / ARGUMENTATIVOS fazem parte do cotidiano,
oferecem informações, fatos e dados de um determinado assunto,
objeto.
INTENÇÃO COMUNICATIVA: persuadir, ou seja, convencer. Tem como
função direcionar, orientar, influenciar o leitor. O objetivo do texto é
levar as pessoas a tomar uma posição, partido ou decisão. Ou seja, o
objetivo é convencer e influenciar o leitor.
ESTRUTURA: formal, depende dos textos utilizados. É organizada de
forma lógica, para convencer racionalmente ou de forma psicológica,
para convencer por meio de argumentos de autoridades ou apelos
emocionais. Mostra a relação entre idéias (previne doenças), ou
associa informações e idéias com sentimentos ou emoções.
LINGUAGEM:
• Verbos imperativos.
• Frases repetitivas, slogans, palavras de ordem.
• Frases conclusivas.
• Adjetivos.
• Faz uso de várias linguagens, especialmente da linguagem
visual e de apelos aos vários sentidos.
•
PERSONAGENS: são genéricos, grupos de pessoas ou são
autoridades ou modelos respeitados pelo leitor.
Aviso – anúncio – cartaz –
convite – folheto – placa –
propaganda – sinais – roteiro
turístico.
Um TEXTO do tipo PROCEDIMENTO explica como proceder, como fazer.
Alguns textos tipo servem para dizer o que fazer, como nas listas, legislação,
normas ou combinados. Tem a função diretiva
INTENÇÃO COMUNICATIVA: dizer o que fazer e orientar sobre a maneira de
fazer algo, realizar determinada tarefa.
ESTRUTURA:
A ordem para apresentar as informações:
No caso de uma lei ou norma, parte-se do mais geral para o mais específico,
organizando os itens – por exemplo, direitos e deveres, responsabilidades
dos alunos, dos pais, dos professores.
No caso da receita em geral há de um lado os ingredientes, de outro, o modo
de fazer.
No caso de jogos, em geral se apresenta o objetivo (como se ganha), os
jogadores, as regras e os elementos ou componentes do jogo.
LINGUAGEM:
• Técnica
• Precisa
• Clara, objetiva e sucinta
• Verbos no imperativo ou no infinitivo
GÊNERO PROCEDIMENTO:
Combinado – formulário – formulário – leis – lista – instruções –
normas – receita
A POESIA é o tipo mais elaborado de TEXTOS LITERÁRIOS. É
considerada a semente de toda literatura, pois foi o primeiro
gênero literário a ser desenvolvido.
INTENÇÃO COMUNICATIVA: provocar no leitor respostas
intelectuais, emocionais ou ambas. A POESIA pode ser como
NARRATIVA, mas também pode ser usada para explicar ou
persuadir as pessoas sobre determinadas idéias (cordel para
fins educativo e político). Tudo pode haver poesia: num bilhete,
numa carta, no acróstico, numa descrição etc.
ESTRUTURA:
É fundamentalmente baseada na linguagem e são inseparáveis.
Esses recursos são usados para transmitir o sentido. Muitos
tipos de poemas possuem uma estrutura formal rígida.
LINGUAGEM:
Inclui o uso de ritmos, rimas, sonoridades uso de frases curtas e
melódica jogos e brincadeiras com as palavras. É amplo o uso da
linguagem figurada, metáforas e múltiplos sentidos.
GÊNERO
Poesia.
TIPO DE TEXTO: narrativo.
GÊNERO: lenda.
ESTRUTURA:
• Tradição oral: autor desconhecido.
• Tempo: não faz referência.
• Histórias curtas.
• Personagem: seres humanos.
• Enredo: está sempre relacionado a algo do real
LINGUAGEM: escrita em linguagem direta e simples.
TIPO DE TEXTO: informativo.
GÊNERO: enciclopédia.
ESTRUTURA:
• Ordem alfabética.
• Verbetes.
• Palavras-índice.
• Ilustração e figura.
TIPO DE TEXTO: persuasivo
GÊNERO: folheto.
ESTRUTURA:
• Tamanho: pequenos
• Formato: são feitos de papel e seu formato e tamanho podem
variar. A maioria deles são de forma retangular.
• Apresentação do conteúdo: podem conter textos e ilustração.
LINGUAGEM:
• Persuasiva, expressiva, atrativa.
• Frases imperativas.
• Superlativos.
TIPO DE TEXTO: persuasivo
GÊNERO: folheto.
ESTRUTURA:
• Tamanho: pequenos
• Formato: são feitos de papel e seu formato e tamanho podem
variar. A maioria deles são de forma retangular.
• Apresentação do conteúdo: podem conter textos e ilustração.
LINGUAGEM:
• Persuasiva, expressiva, atrativa.
• Frases imperativas.
• Superlativos.
TIPO DE TEXTO: procedimento.
GÊNERO: receita.
ESTRUTURA:
• Nome do prato.
• Ingredientes.
• Modo de fazer.
LINGUAGEM:
• Clara e precisa.
• Vocabulário apropriado.
• Verbos no infinitivos.
TIPO DE TEXTO: persuasivo
GÊNERO: folheto.
ESTRUTURA:
• Introdução
LINGUAGEM:
• Persuasiva, expressiva, atrativa.
• Frases imperativas.
• Superlativos.
Coordenadora da CRE
Nilce Gama
Subcoordenador da CRE
Alexandro Rocha
Coordenadoras Pedagógicas
Angela Freire
Eliana Hayne
Jaciara Gomes
Maria Rita Reis
Wendy Rosa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cronicas
CronicasCronicas
Cronicaskadjaxh
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Professor Rômulo Viana
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentocristina resende
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)GernciadeProduodeMat
 
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOMarcelo Cordeiro Souza
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesIsis Barros
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Redação para concursos
Redação para concursosRedação para concursos
Redação para concursosGoConqr Brasil
 

Mais procurados (20)

Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumento
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Redação para concursos
Redação para concursosRedação para concursos
Redação para concursos
 

Semelhante a Os tipos de textos

Os tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais iOs tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais iangelafreire
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosClaudio Pessoa
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textualLuis Carlos Santos
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5  gêneros e tipos textuaisPnaic unidade 5  gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuaistlfleite
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Jorge Ernandes
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Kelly Arduino
 
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaGêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaOsinéia Brunelli
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuaisbumomi
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuaisbumomi
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaElieneDias
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docelannialins
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Éric Santos
 

Semelhante a Os tipos de textos (20)

Os tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais iOs tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais i
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5  gêneros e tipos textuaisPnaic unidade 5  gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
 
AULA 1 - TEXTO.pdf
AULA 1 - TEXTO.pdfAULA 1 - TEXTO.pdf
AULA 1 - TEXTO.pdf
 
Escrita e interação
Escrita e interaçãoEscrita e interação
Escrita e interação
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaGêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuais
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuais
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 
Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9
 

Mais de angelafreire

Oferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampoOferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampoangelafreire
 
Indic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantilIndic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantilangelafreire
 
Educacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacaoEducacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacaoangelafreire
 
Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_angelafreire
 
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantilDuvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantilangelafreire
 
Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012angelafreire
 
Direitosfundamentais
DireitosfundamentaisDireitosfundamentais
Direitosfundamentaisangelafreire
 
Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011angelafreire
 
Modelos pedagogicos
Modelos pedagogicosModelos pedagogicos
Modelos pedagogicosangelafreire
 
Layout do título 2
Layout do título 2Layout do título 2
Layout do título 2angelafreire
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaangelafreire
 

Mais de angelafreire (20)

Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Oferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampoOferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampo
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Integra01 (1)
Integra01 (1)Integra01 (1)
Integra01 (1)
 
Indic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantilIndic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantil
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
 
Eduinfparqualvol1
Eduinfparqualvol1Eduinfparqualvol1
Eduinfparqualvol1
 
Educacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacaoEducacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacao
 
Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_
 
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantilDuvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
 
Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012
 
Direitosfundamentais
DireitosfundamentaisDireitosfundamentais
Direitosfundamentais
 
Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011
 
Modelos pedagogicos
Modelos pedagogicosModelos pedagogicos
Modelos pedagogicos
 
Layout do título 2
Layout do título 2Layout do título 2
Layout do título 2
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 

Os tipos de textos

  • 1. OS TIPOS DE TEXTOS E OS GÊNEROS NA SALA DE AULA Secretaria Municipal da Educação (SMED) Coordenadoria Regional da Educação CRE ORLA Angela Freire
  • 2.
  • 3. Os TEXTOS, independentemente do GÊNERO a que pertencem, se constituem de sequências com determinadas características linguísticas, como classe gramatical predominante, estrutura sintática, predomínio de determinados tempos e modos verbais, relações lógicas. Assim, dependendo dessas características, temos os diferentes TIPOS TEXTUAIS. TEXTO é a base do ENSINO e APRENDIZAGEM da Língua Portuguesa.
  • 4. Os TEXTOS são classificados TIPOS em duas dimensões: GÊNEROS ATENÇÃO: é importante dizer que a classificação aqui se apresenta é fundamentada nas propostas de Schneuwly, Dolz e colaboradores, segundo João Batista (2008). • Os TIPOS referem-se à intenção do autor, a razão pela qual o texto foi escrito. • Os GÊNEROS referem-se às características formais do texto
  • 5. Os TEXTOS podem variar em função: • Do CONTEÚDO – o que o autor quer comunicar. • Da INTENÇÃO do AUTOR – o que o autor pretende provocar no leitor. • Do LEITOR ou PÚBLICO ALVO – as pessoas que ele quer atingir e suas características. • Das CARACTERÍSTICAS próprias dos TIPOS e GÊNEROS, que podem ser mais ou menos rígidos.
  • 6. Segundo João Batista (2008), Schneuwly, Dolz e colaboradores classificam os TIPOS de TEXTOS em: • NARRATIVO: o autor escreve para narrar, contar histórias. • INFORMATIVO: o autor escreve para informar • PERSUASIVO: o autor escreve para convencer. • PROCEDIMENTOS: o autor escreve para explicar um procedimento, como funciona, como se faz. • POEMA: o autor escreve para emocionar, para sensibilizar.
  • 7. A INTENÇÃO COMUNICATIVA é narrar, contar uma história fictícia ou real. E, por vezes, algo que aconteceu ou algo que pode ser inventado. E, pode ser uma mistura de ambos. TEXTOS NARRATIVOS são um conjunto de eventos encadeados que constitui um caso, uma história. A ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO: • O ambiente • As ações • Os personagens
  • 8. AÇÕES: • ENREDO OU TRAMA – o que acontece. • CONFLITO: relações entre situações e personagens. • SEQUÊNCIA: princípio, meio e fim da história. • TEMA: ou assunto ou mensagem, implícita ou explícita. • LINGUAGEM: conotativa ou denotativa, formal ou informal. PERSONAGENS: • Desempenham papéis. • Protagonista e antagonismo. • Reais ou fictícios. • Previsíveis ou complexos.
  • 9. – Bilhete – biografia – carta – conto de fadas – conto moderno – conto tradicional – crônica – diário – fábula – história em quadrinho – lendas – mitos brasileiros – notícias – relato de viagem.
  • 10. Um TEXTO INFORMATIVO fornece informações, fatos e dado a respeito de um determinado assunto. Ele é essencial para desenvolver conhecimentos a respeito do mundo. A INTENÇÃO COMUNICATIVA: informar, descrever, apresentar uma informação ou explicação. Embora cada um tenha características próprias, todos tem o propósito de ensinar a pessoa interessada em saber mais sobre um determinado assunto. A LINGUAGEM DOS TEXTOS INFORMATIVOS: É descritiva, precisa, direta. Os verbos encontram quase sempre no presente.
  • 11. A ESTRUTURA DO TEXTO INFORMATIVO: • Não existe uma estrutura formal comum aos vários aos vários textos informativos. A estrutura depende do gênero e do próprio conteúdo ou objeto descrito. • A estrutura de um texto informativo tem como objetivo a clareza – apresentar a informação de forma que facilite o entendimento do leitor. • Em alguns textos informativos, o texto é subdividido em partes, com subtítulos, ilustrações, gráficos ou outros recursos formais que ajudem o leitor a organizar a informação.
  • 12. TEXTOS PERSUASIVOS / ARGUMENTATIVOS fazem parte do cotidiano, oferecem informações, fatos e dados de um determinado assunto, objeto. INTENÇÃO COMUNICATIVA: persuadir, ou seja, convencer. Tem como função direcionar, orientar, influenciar o leitor. O objetivo do texto é levar as pessoas a tomar uma posição, partido ou decisão. Ou seja, o objetivo é convencer e influenciar o leitor. ESTRUTURA: formal, depende dos textos utilizados. É organizada de forma lógica, para convencer racionalmente ou de forma psicológica, para convencer por meio de argumentos de autoridades ou apelos emocionais. Mostra a relação entre idéias (previne doenças), ou associa informações e idéias com sentimentos ou emoções.
  • 13. LINGUAGEM: • Verbos imperativos. • Frases repetitivas, slogans, palavras de ordem. • Frases conclusivas. • Adjetivos. • Faz uso de várias linguagens, especialmente da linguagem visual e de apelos aos vários sentidos. • PERSONAGENS: são genéricos, grupos de pessoas ou são autoridades ou modelos respeitados pelo leitor.
  • 14. Aviso – anúncio – cartaz – convite – folheto – placa – propaganda – sinais – roteiro turístico.
  • 15. Um TEXTO do tipo PROCEDIMENTO explica como proceder, como fazer. Alguns textos tipo servem para dizer o que fazer, como nas listas, legislação, normas ou combinados. Tem a função diretiva INTENÇÃO COMUNICATIVA: dizer o que fazer e orientar sobre a maneira de fazer algo, realizar determinada tarefa. ESTRUTURA: A ordem para apresentar as informações: No caso de uma lei ou norma, parte-se do mais geral para o mais específico, organizando os itens – por exemplo, direitos e deveres, responsabilidades dos alunos, dos pais, dos professores. No caso da receita em geral há de um lado os ingredientes, de outro, o modo de fazer. No caso de jogos, em geral se apresenta o objetivo (como se ganha), os jogadores, as regras e os elementos ou componentes do jogo.
  • 16. LINGUAGEM: • Técnica • Precisa • Clara, objetiva e sucinta • Verbos no imperativo ou no infinitivo GÊNERO PROCEDIMENTO: Combinado – formulário – formulário – leis – lista – instruções – normas – receita
  • 17. A POESIA é o tipo mais elaborado de TEXTOS LITERÁRIOS. É considerada a semente de toda literatura, pois foi o primeiro gênero literário a ser desenvolvido. INTENÇÃO COMUNICATIVA: provocar no leitor respostas intelectuais, emocionais ou ambas. A POESIA pode ser como NARRATIVA, mas também pode ser usada para explicar ou persuadir as pessoas sobre determinadas idéias (cordel para fins educativo e político). Tudo pode haver poesia: num bilhete, numa carta, no acróstico, numa descrição etc.
  • 18. ESTRUTURA: É fundamentalmente baseada na linguagem e são inseparáveis. Esses recursos são usados para transmitir o sentido. Muitos tipos de poemas possuem uma estrutura formal rígida. LINGUAGEM: Inclui o uso de ritmos, rimas, sonoridades uso de frases curtas e melódica jogos e brincadeiras com as palavras. É amplo o uso da linguagem figurada, metáforas e múltiplos sentidos. GÊNERO Poesia.
  • 19. TIPO DE TEXTO: narrativo. GÊNERO: lenda. ESTRUTURA: • Tradição oral: autor desconhecido. • Tempo: não faz referência. • Histórias curtas. • Personagem: seres humanos. • Enredo: está sempre relacionado a algo do real LINGUAGEM: escrita em linguagem direta e simples.
  • 20. TIPO DE TEXTO: informativo. GÊNERO: enciclopédia. ESTRUTURA: • Ordem alfabética. • Verbetes. • Palavras-índice. • Ilustração e figura.
  • 21. TIPO DE TEXTO: persuasivo GÊNERO: folheto. ESTRUTURA: • Tamanho: pequenos • Formato: são feitos de papel e seu formato e tamanho podem variar. A maioria deles são de forma retangular. • Apresentação do conteúdo: podem conter textos e ilustração. LINGUAGEM: • Persuasiva, expressiva, atrativa. • Frases imperativas. • Superlativos.
  • 22. TIPO DE TEXTO: persuasivo GÊNERO: folheto. ESTRUTURA: • Tamanho: pequenos • Formato: são feitos de papel e seu formato e tamanho podem variar. A maioria deles são de forma retangular. • Apresentação do conteúdo: podem conter textos e ilustração. LINGUAGEM: • Persuasiva, expressiva, atrativa. • Frases imperativas. • Superlativos.
  • 23. TIPO DE TEXTO: procedimento. GÊNERO: receita. ESTRUTURA: • Nome do prato. • Ingredientes. • Modo de fazer. LINGUAGEM: • Clara e precisa. • Vocabulário apropriado. • Verbos no infinitivos.
  • 24. TIPO DE TEXTO: persuasivo GÊNERO: folheto. ESTRUTURA: • Introdução LINGUAGEM: • Persuasiva, expressiva, atrativa. • Frases imperativas. • Superlativos.
  • 25. Coordenadora da CRE Nilce Gama Subcoordenador da CRE Alexandro Rocha Coordenadoras Pedagógicas Angela Freire Eliana Hayne Jaciara Gomes Maria Rita Reis Wendy Rosa