SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
1
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL
Belo Horizonte
2015
Português/Redação Técnica
2
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
Texto e Contexto
O que é texto?
Conceito de Texto
José Luiz Fiorin
“É um todo organizado de sentido, implica afirmar que o sentido de uma parte depende do sentido das
outras. No caso dos textos verbais, isso significa que ele não é um amontoado de frases, ou seja, nele as
frases não estão simplesmente dispostas umas depois das outras, mas mantêm relação entre si. Isso quer
dizer o sentido de uma frase depende dos sentidos das demais, o sentido de uma parte do texto depende do
sentido das outras.”
 Quem é?
JOSÉ LUIZ FIORIN
É um renomado professor e linguista brasileiro. É um dos maiores
especialistas brasileiros em Pragmática, Semiótica e Análise do Discurso, com
centenas de publicações nessas áreas.
Nascimento: 20 de fevereiro de 1942 (73 anos) Birigui, São Paulo.
TEXTOS
Por Roberta de Sousa
É uma forma de interação social, podem ter características faladas ou escritas, tamanhos diversificados. Por
meio de um objetivo gira em torno de idéias e sentidos, se expressa de forma verbal e não-verbal.
Os Textos estruturam-se de acordo com algumas regras, fatores e características:
Contexto – como, com quem ocorrem as formas comunicativas; dados comuns ao emissor e ao receptor.
Busca representar o ouvinte e o leitor, estabelecer o lugar que acorre a interação e quais finalidades.
Intertextualidade – é ser capaz de observar ou fazer ligações de um texto sobre outro, seja ou não do mesmo
autor, porém de mesmo assunto. Quando lemos ou ouvimos um texto é necessária uma série de informações
externas para um melhor entendimento do texto.
Parágrafo – um texto pode ser formado por diversos parágrafos, apresentado de acordo com o grupo de
idéias. O parágrafo é composto de frases, é uma mudança de linha. Frase é expressa sentido. As frases
podem ser: interrogativas, afirmativas, negativas, exclamativas e imperativas.
3
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
Fatores na construção do texto:
A coerência é um fator importante para a estruturação do texto, no ponto em que não se podem contradizer
as outras partes do texto. Na verdade o texto deve ser coerente em um todo.
A coesão é uma conexão interna entre as várias partes de um texto. A melhor forma de usar esta ferramenta
e dispor de forma correta o uso da gramática.
Fonte: http://www.infoescola.com/linguistica/texto/ - acesso em Jan/2016
O que é um texto?
Por Elaine Brito Souza
Mestre em Literatura Brasileira pela UERJ; Doutoranda em Literatura Brasileira pela UFRJ
Revendo conceitos
Você já se perguntou o que é, de fato, um texto? Geralmente, entendemos o texto como um conjunto de
frases, ou seja, algo que foi feito para ser lido. Mas a definição de texto não é tão simples quanto parece.
Imagine, por exemplo, que você está lendo um livro e, de repente, encontra em uma página qualquer um
papel com a palavra “madeira”. Ora, certamente você ficará intrigado ou simplesmente não dará
importância a isso.
Agora, vamos imaginar outra situação: você está no meio de uma floresta e ouve alguém gritar: “Madeira!”.
Bem, se você pretende preservar sua vida, sua reação imediata é sair correndo. Isso acontece porque a
situação em que você se encontra levou-o a interpretar o grito como um sinal de alerta.
A partir desses exemplos simples, podemos chegar a algumas conclusões importantes:
1º - os textos não são apenas escritos, eles também podem ser orais;
2º - os textos não são simples amontoados de palavras ou frases, ou seja, eles precisam fazer sentido.
Na segunda situação, uma única palavra foi capaz de transmitir uma mensagem de sentido completo, por
isso ela pode ser considerada um texto. Mas o que leva um texto a fazer sentido? Isso depende de alguns
fatores, como o contexto e o conhecimento de mundo.
Contexto
O contexto pode ser explícito, quando é expresso por palavras (o texto em que se encontra a frase ou a frase
em que se encontra a palavra), ou implícito, quando está embutido na situação em que o texto é produzido.
Logo, a simples mudança de contexto faz com que a palavra “madeira” seja interpretada de maneiras
diferentes. Na primeira situação, embora a palavra esteja dentro de um livro, ela está totalmente fora de
contexto, por isso não produz sentido algum.
4
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
Conhecimento de mundo
Ao longo de sua vida, o leitor adquire conhecimentos utilizados durante a leitura dos textos. O leitor constrói
o sentido do texto quando articula diferentes níveis de conhecimento, entre eles o conhecimento de mundo.
Esse tipo de conhecimento costuma ser adquirido informalmente, através de nossas experiências pessoais
e convívio em sociedade. Ativar seu conhecimento de mundo no momento certo pode ser útil tanto para
salvar sua vida no meio da floresta ou para resolver questões do ENEM.
Textos verbais e visuais
Até aqui, vimos que os textos podem ser orais ou escritos. Mas essa noção precisa ser ampliada, pois há
textos que não contam com o auxílio da palavra, seja ela escrita ou oral. É o caso, por exemplo, da fotografia
e da pintura. Dizemos, então, que há textos verbais e visuais. Há ainda textos que utilizam os dois recursos,
como os filmes, que usam imagens, diálogos e legendas.
Então, chegamos a conceito de texto mais ampliado e consistente: todo enunciado que faz sentido para um
determinado grupo em uma determinada situação. No ENEM, essa noção mais moderna de texto é a que
vale.
Observe os textos abaixo:
TEXTO 1 - CRÔNICA
PAPOS
- Me disseram...
- Disseram-me.
- Hein?
- O correto e "disseram-me". Não "me disseram".
- Eu falo como quero. E te digo mais... Ou é "digo-te"?
- O quê?
- Digo-te que você...
- O "te" e o "você" não combinam.
- Lhe digo?
- Também não. O que você ia me dizer?
- Que você está sendo grosseiro, pedante e chato. E que eu vou te partir a
cara. Lhe partir a cara. Partir a sua cara. Como é que se diz?
- Partir-te a cara.
- Pois é. Parti-la hei de, se você não parar de me corrigir. Ou corrigir-me.
- É para o seu bem.
- Dispenso as suas correções. Vê se esquece-me. Falo como bem entender.
Mais uma correção e eu...
- O quê?
5
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
- O mato.
- Que mato?
- Mato-o. Mato-lhe. Mato você. Matar-lhe-ei-te. Ouviu bem?
- Pois esqueça-o e pára-te. Pronome no lugar certo e elitismo!
- Se você prefere falar errado...
- Falo como todo mundo fala. O importante é me entenderem. Ou
entenderem-me?
- No caso... não sei.
- Ah, não sabe? Não o sabes? Sabes-lo não?
- Esquece.
- Não. Como "esquece"? Você prefere falar errado? E o certo é "esquece" ou
"esqueça"? Ilumine-me. Me diga. Ensines-lo-me, vamos.
- Depende.
- Depende. Perfeito. Não o sabes. Ensinar-me-lo-ias se o soubesses, mas não
sabes-o.
- Está bem, está bem. Desculpe. Fale como quiser.
- Agradeço-lhe a permissão para falar errado que mas dás. Mas não posso
mais dizer-lo-te o que dizer-te-ia.
- Por que?
- Porque, com todo este papo, esqueci-lo.
Luis Fernando Veríssimo
Comédias para se ler na escola
TEXTO 2 – CARTUM TEXTO 3 – POEMA
JOSÉ
E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, Você?
Você que é sem nome,
que zomba dos outros,
Você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?
Carlos Drummond de Andrade
6
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
TEXTO 4 - TIRINHA
TEXTO 5 – MANUAL DO USUÁRIO
7
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
TEXTO 6 – NOTÍCIA
A avaliação positiva do governo da presidente
Dilma Rousseff passou de 31,3% em julho deste
ano para 38,1% em setembro, mostra pesquisa do
instituto MDA encomendada pela Confederação
Nacional do Transporte (CNT) e divulgada nesta
terça-feira (10).
A tendência de recuperação após a onda de
protestos que atingiu todo o país em junho já
havia sido apresentada pelo instituto Datafolha
em levantamento feito no mês passado.
A pesquisa, divulgada nesta terça, ouviu 2.002
pessoas entre os dias 31 de agosto e 4 de
setembro. As entrevistas foram realizadas em 135
municípios de 21 unidades da federação nas cinco
regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos
percentuais.
Segundo a pesquisa espontânea de intenção de
voto para 2014 (quando não são apresentados os
nomes), Dilma Rousseff lidera com 16%. O ex-
presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece em
segundo com 9,7%. Em terceiro está a ex-senadora
Marina Silva com 5,8% das intenções de voto.
De acordo com a pesquisa desta terça, 7,2% dos
entrevistados disseram considerar o governo da
presidente Dilma “ótimo”, enquanto 30,9% o
avaliam como “bom”. A avaliação positiva
considera aqueles que acharam o governo "ótimo"
ou "bom". Avaliam o governo como “regular”
39,7%.
O percentual dos que acham a gestão “ruim” é de
10,1%. Consideram o governo “péssimo” 11,8%
dos entrevistados. Com isso, a avaliação negativa
do governo da presidente Dilma é de 21,9%. Dos
entrevistados, 0,3% não sabem ou não
responderam.
Observe os textos e tente identificar, em cada uma deles, suas semelhanças e diferenças: estrutura,
linguagem, tema, se é mais objetivo ou se é mais subjetivo, enfim, tente explorar ao máximo o que cada
um deles oferece e, depois, escreva, no seu caderno, uma conclusão a respeito da aula de hoje, por meio
de um relato. O relato precisará ter, no mínimo, três parágrafos, que consistirão em introdução,
desenvolvimento e conclusão.
Conotação e Denotação
Percebe-se que na Língua Portuguesa uma mesma palavra pode ter mais de um significado
dependendo do contexto, ou seja, da situação em que é usado. Quando a palavra é empregada no sentido
usual, próprio, não-figurado, de tal modo que tenha o mesmo significado, dizemos que ela tem o sentido
denotativo ou referencial. Quando a palavra sugere ou evoca, por associação, outras ideias, às vezes de
conteúdo afetivo, dizemos que tal palavra foi usada com valor conotativo. Esse tipo de linguagem é
polivalente, ou seja, permite que se faça mais de uma interpretação de sua mensagem; nela as palavras podem
ter vários significados.
8
META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo
Denotação Conotação
Palavra com significação restrita Palavra com significação ampla.
Sentido comum, encontrado no dicionário. Sentidos que carregam valores, afetividade.
Palavra utilizada de modo objetivo. Palavra utilizada de modo criativo, artístico.
Linguagem exata e precisa. Linguagem expressiva, rica em sentidos.
“O gato pulou do telhado” “Ele é um gato.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Infográfico
InfográficoInfográfico
Infográfico
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 

Destaque

Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoPré Master
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidadekerolzinha73
 
Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290
Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290
Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290Josué Brazil
 
O que é semiotica lucia santaella
O que é semiotica   lucia santaellaO que é semiotica   lucia santaella
O que é semiotica lucia santaellamarianaborgess
 
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoO interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoDafianaCarlos
 
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório MarquesESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório MarquesFrancione Brito
 
Estratégias de apresentação de uma campanha & uso
Estratégias de apresentação de uma campanha & usoEstratégias de apresentação de uma campanha & uso
Estratégias de apresentação de uma campanha & usoJosué Brazil
 
O parágrafo na composição do texto
O parágrafo na composição do textoO parágrafo na composição do texto
O parágrafo na composição do textoRômulo Giacome
 
Propaganda, identidade, discurso e práticas de consumo
Propaganda, identidade, discurso e práticas de consumoPropaganda, identidade, discurso e práticas de consumo
Propaganda, identidade, discurso e práticas de consumoGlaxoSmithkline
 
Teoria semiótica do texto 1
Teoria semiótica do texto 1Teoria semiótica do texto 1
Teoria semiótica do texto 1vinivs
 

Destaque (20)

O texto
O textoO texto
O texto
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Aula red 06 02-2014 redação e textualidade
Aula red 06 02-2014 redação e textualidadeAula red 06 02-2014 redação e textualidade
Aula red 06 02-2014 redação e textualidade
 
Texto e discurso
Texto e discursoTexto e discurso
Texto e discurso
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290
Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290
Estratgias criativas-redacao-publicitaria4290
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Gamefication
GameficationGamefication
Gamefication
 
Curso de leitura
Curso de leituraCurso de leitura
Curso de leitura
 
Leitura literatura
Leitura literaturaLeitura literatura
Leitura literatura
 
A narrativa épica
A narrativa épicaA narrativa épica
A narrativa épica
 
O que é semiotica lucia santaella
O que é semiotica   lucia santaellaO que é semiotica   lucia santaella
O que é semiotica lucia santaella
 
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoO interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
 
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório MarquesESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
 
Estratégias de apresentação de uma campanha & uso
Estratégias de apresentação de uma campanha & usoEstratégias de apresentação de uma campanha & uso
Estratégias de apresentação de uma campanha & uso
 
O parágrafo na composição do texto
O parágrafo na composição do textoO parágrafo na composição do texto
O parágrafo na composição do texto
 
Propaganda, identidade, discurso e práticas de consumo
Propaganda, identidade, discurso e práticas de consumoPropaganda, identidade, discurso e práticas de consumo
Propaganda, identidade, discurso e práticas de consumo
 
Teoria semiótica do texto 1
Teoria semiótica do texto 1Teoria semiótica do texto 1
Teoria semiótica do texto 1
 

Semelhante a O que é texto

Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Jader Windson
 
interpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxinterpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxJssicaCassiano2
 
78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf
78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf
78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdfMilenaVidal7
 
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02Maria Marlene Marcon
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Janair E Edvonaldo
 
Interpretação de Texto
Interpretação de TextoInterpretação de Texto
Interpretação de TextoRita Borges
 
Fala escrita livro_luiz marcuschi
Fala escrita livro_luiz marcuschiFala escrita livro_luiz marcuschi
Fala escrita livro_luiz marcuschiAmauri Lima
 
Técnicas e estratégias de leitura em inglês ppt
Técnicas e estratégias de leitura em inglês pptTécnicas e estratégias de leitura em inglês ppt
Técnicas e estratégias de leitura em inglês pptLuciana Araujo
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoRose Moraes
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestredicasdubr
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatectelecomsenai
 
Aula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdf
Aula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdfAula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdf
Aula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdfALINESSR
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...Antônio Fernandes
 
PORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbh
PORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbhPORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbh
PORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbhFernandaCosta740762
 
Apostila emancipa 2016 oficial [inteira]
Apostila emancipa 2016   oficial [inteira]Apostila emancipa 2016   oficial [inteira]
Apostila emancipa 2016 oficial [inteira]danielyukio
 

Semelhante a O que é texto (20)

Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
 
interpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxinterpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptx
 
78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf
78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf
78-Texto do Artigo-154-155-10-20130117.pdf
 
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10
 
Interpretação de Texto
Interpretação de TextoInterpretação de Texto
Interpretação de Texto
 
Fala escrita livro_luiz marcuschi
Fala escrita livro_luiz marcuschiFala escrita livro_luiz marcuschi
Fala escrita livro_luiz marcuschi
 
Técnicas e estratégias de leitura em inglês ppt
Técnicas e estratégias de leitura em inglês pptTécnicas e estratégias de leitura em inglês ppt
Técnicas e estratégias de leitura em inglês ppt
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Apts
AptsApts
Apts
 
Artigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguisticaArtigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguistica
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
 
Fala e Escrita
Fala e EscritaFala e Escrita
Fala e Escrita
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
 
Aula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdf
Aula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdfAula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdf
Aula 2 - Primeiro contato com o cliente_4649c394f42ec9a37657e910f19a7e51.pdf
 
Leitura e produção
Leitura e produçãoLeitura e produção
Leitura e produção
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
PORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbh
PORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbhPORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbh
PORTUGUÊS - MULTIBANCAS.pdf concurso pbh
 
Apostila emancipa 2016 oficial [inteira]
Apostila emancipa 2016   oficial [inteira]Apostila emancipa 2016   oficial [inteira]
Apostila emancipa 2016 oficial [inteira]
 

Último

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 

O que é texto

  • 1. 1 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Belo Horizonte 2015 Português/Redação Técnica
  • 2. 2 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo Texto e Contexto O que é texto? Conceito de Texto José Luiz Fiorin “É um todo organizado de sentido, implica afirmar que o sentido de uma parte depende do sentido das outras. No caso dos textos verbais, isso significa que ele não é um amontoado de frases, ou seja, nele as frases não estão simplesmente dispostas umas depois das outras, mas mantêm relação entre si. Isso quer dizer o sentido de uma frase depende dos sentidos das demais, o sentido de uma parte do texto depende do sentido das outras.”  Quem é? JOSÉ LUIZ FIORIN É um renomado professor e linguista brasileiro. É um dos maiores especialistas brasileiros em Pragmática, Semiótica e Análise do Discurso, com centenas de publicações nessas áreas. Nascimento: 20 de fevereiro de 1942 (73 anos) Birigui, São Paulo. TEXTOS Por Roberta de Sousa É uma forma de interação social, podem ter características faladas ou escritas, tamanhos diversificados. Por meio de um objetivo gira em torno de idéias e sentidos, se expressa de forma verbal e não-verbal. Os Textos estruturam-se de acordo com algumas regras, fatores e características: Contexto – como, com quem ocorrem as formas comunicativas; dados comuns ao emissor e ao receptor. Busca representar o ouvinte e o leitor, estabelecer o lugar que acorre a interação e quais finalidades. Intertextualidade – é ser capaz de observar ou fazer ligações de um texto sobre outro, seja ou não do mesmo autor, porém de mesmo assunto. Quando lemos ou ouvimos um texto é necessária uma série de informações externas para um melhor entendimento do texto. Parágrafo – um texto pode ser formado por diversos parágrafos, apresentado de acordo com o grupo de idéias. O parágrafo é composto de frases, é uma mudança de linha. Frase é expressa sentido. As frases podem ser: interrogativas, afirmativas, negativas, exclamativas e imperativas.
  • 3. 3 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo Fatores na construção do texto: A coerência é um fator importante para a estruturação do texto, no ponto em que não se podem contradizer as outras partes do texto. Na verdade o texto deve ser coerente em um todo. A coesão é uma conexão interna entre as várias partes de um texto. A melhor forma de usar esta ferramenta e dispor de forma correta o uso da gramática. Fonte: http://www.infoescola.com/linguistica/texto/ - acesso em Jan/2016 O que é um texto? Por Elaine Brito Souza Mestre em Literatura Brasileira pela UERJ; Doutoranda em Literatura Brasileira pela UFRJ Revendo conceitos Você já se perguntou o que é, de fato, um texto? Geralmente, entendemos o texto como um conjunto de frases, ou seja, algo que foi feito para ser lido. Mas a definição de texto não é tão simples quanto parece. Imagine, por exemplo, que você está lendo um livro e, de repente, encontra em uma página qualquer um papel com a palavra “madeira”. Ora, certamente você ficará intrigado ou simplesmente não dará importância a isso. Agora, vamos imaginar outra situação: você está no meio de uma floresta e ouve alguém gritar: “Madeira!”. Bem, se você pretende preservar sua vida, sua reação imediata é sair correndo. Isso acontece porque a situação em que você se encontra levou-o a interpretar o grito como um sinal de alerta. A partir desses exemplos simples, podemos chegar a algumas conclusões importantes: 1º - os textos não são apenas escritos, eles também podem ser orais; 2º - os textos não são simples amontoados de palavras ou frases, ou seja, eles precisam fazer sentido. Na segunda situação, uma única palavra foi capaz de transmitir uma mensagem de sentido completo, por isso ela pode ser considerada um texto. Mas o que leva um texto a fazer sentido? Isso depende de alguns fatores, como o contexto e o conhecimento de mundo. Contexto O contexto pode ser explícito, quando é expresso por palavras (o texto em que se encontra a frase ou a frase em que se encontra a palavra), ou implícito, quando está embutido na situação em que o texto é produzido. Logo, a simples mudança de contexto faz com que a palavra “madeira” seja interpretada de maneiras diferentes. Na primeira situação, embora a palavra esteja dentro de um livro, ela está totalmente fora de contexto, por isso não produz sentido algum.
  • 4. 4 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo Conhecimento de mundo Ao longo de sua vida, o leitor adquire conhecimentos utilizados durante a leitura dos textos. O leitor constrói o sentido do texto quando articula diferentes níveis de conhecimento, entre eles o conhecimento de mundo. Esse tipo de conhecimento costuma ser adquirido informalmente, através de nossas experiências pessoais e convívio em sociedade. Ativar seu conhecimento de mundo no momento certo pode ser útil tanto para salvar sua vida no meio da floresta ou para resolver questões do ENEM. Textos verbais e visuais Até aqui, vimos que os textos podem ser orais ou escritos. Mas essa noção precisa ser ampliada, pois há textos que não contam com o auxílio da palavra, seja ela escrita ou oral. É o caso, por exemplo, da fotografia e da pintura. Dizemos, então, que há textos verbais e visuais. Há ainda textos que utilizam os dois recursos, como os filmes, que usam imagens, diálogos e legendas. Então, chegamos a conceito de texto mais ampliado e consistente: todo enunciado que faz sentido para um determinado grupo em uma determinada situação. No ENEM, essa noção mais moderna de texto é a que vale. Observe os textos abaixo: TEXTO 1 - CRÔNICA PAPOS - Me disseram... - Disseram-me. - Hein? - O correto e "disseram-me". Não "me disseram". - Eu falo como quero. E te digo mais... Ou é "digo-te"? - O quê? - Digo-te que você... - O "te" e o "você" não combinam. - Lhe digo? - Também não. O que você ia me dizer? - Que você está sendo grosseiro, pedante e chato. E que eu vou te partir a cara. Lhe partir a cara. Partir a sua cara. Como é que se diz? - Partir-te a cara. - Pois é. Parti-la hei de, se você não parar de me corrigir. Ou corrigir-me. - É para o seu bem. - Dispenso as suas correções. Vê se esquece-me. Falo como bem entender. Mais uma correção e eu... - O quê?
  • 5. 5 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo - O mato. - Que mato? - Mato-o. Mato-lhe. Mato você. Matar-lhe-ei-te. Ouviu bem? - Pois esqueça-o e pára-te. Pronome no lugar certo e elitismo! - Se você prefere falar errado... - Falo como todo mundo fala. O importante é me entenderem. Ou entenderem-me? - No caso... não sei. - Ah, não sabe? Não o sabes? Sabes-lo não? - Esquece. - Não. Como "esquece"? Você prefere falar errado? E o certo é "esquece" ou "esqueça"? Ilumine-me. Me diga. Ensines-lo-me, vamos. - Depende. - Depende. Perfeito. Não o sabes. Ensinar-me-lo-ias se o soubesses, mas não sabes-o. - Está bem, está bem. Desculpe. Fale como quiser. - Agradeço-lhe a permissão para falar errado que mas dás. Mas não posso mais dizer-lo-te o que dizer-te-ia. - Por que? - Porque, com todo este papo, esqueci-lo. Luis Fernando Veríssimo Comédias para se ler na escola TEXTO 2 – CARTUM TEXTO 3 – POEMA JOSÉ E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, Você? Você que é sem nome, que zomba dos outros, Você que faz versos, que ama, protesta? e agora, José? Carlos Drummond de Andrade
  • 6. 6 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo TEXTO 4 - TIRINHA TEXTO 5 – MANUAL DO USUÁRIO
  • 7. 7 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo TEXTO 6 – NOTÍCIA A avaliação positiva do governo da presidente Dilma Rousseff passou de 31,3% em julho deste ano para 38,1% em setembro, mostra pesquisa do instituto MDA encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgada nesta terça-feira (10). A tendência de recuperação após a onda de protestos que atingiu todo o país em junho já havia sido apresentada pelo instituto Datafolha em levantamento feito no mês passado. A pesquisa, divulgada nesta terça, ouviu 2.002 pessoas entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro. As entrevistas foram realizadas em 135 municípios de 21 unidades da federação nas cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. Segundo a pesquisa espontânea de intenção de voto para 2014 (quando não são apresentados os nomes), Dilma Rousseff lidera com 16%. O ex- presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece em segundo com 9,7%. Em terceiro está a ex-senadora Marina Silva com 5,8% das intenções de voto. De acordo com a pesquisa desta terça, 7,2% dos entrevistados disseram considerar o governo da presidente Dilma “ótimo”, enquanto 30,9% o avaliam como “bom”. A avaliação positiva considera aqueles que acharam o governo "ótimo" ou "bom". Avaliam o governo como “regular” 39,7%. O percentual dos que acham a gestão “ruim” é de 10,1%. Consideram o governo “péssimo” 11,8% dos entrevistados. Com isso, a avaliação negativa do governo da presidente Dilma é de 21,9%. Dos entrevistados, 0,3% não sabem ou não responderam. Observe os textos e tente identificar, em cada uma deles, suas semelhanças e diferenças: estrutura, linguagem, tema, se é mais objetivo ou se é mais subjetivo, enfim, tente explorar ao máximo o que cada um deles oferece e, depois, escreva, no seu caderno, uma conclusão a respeito da aula de hoje, por meio de um relato. O relato precisará ter, no mínimo, três parágrafos, que consistirão em introdução, desenvolvimento e conclusão. Conotação e Denotação Percebe-se que na Língua Portuguesa uma mesma palavra pode ter mais de um significado dependendo do contexto, ou seja, da situação em que é usado. Quando a palavra é empregada no sentido usual, próprio, não-figurado, de tal modo que tenha o mesmo significado, dizemos que ela tem o sentido denotativo ou referencial. Quando a palavra sugere ou evoca, por associação, outras ideias, às vezes de conteúdo afetivo, dizemos que tal palavra foi usada com valor conotativo. Esse tipo de linguagem é polivalente, ou seja, permite que se faça mais de uma interpretação de sua mensagem; nela as palavras podem ter vários significados.
  • 8. 8 META ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL | Profª Patrícia Rabelo Denotação Conotação Palavra com significação restrita Palavra com significação ampla. Sentido comum, encontrado no dicionário. Sentidos que carregam valores, afetividade. Palavra utilizada de modo objetivo. Palavra utilizada de modo criativo, artístico. Linguagem exata e precisa. Linguagem expressiva, rica em sentidos. “O gato pulou do telhado” “Ele é um gato.”