Auto de inês pereira

20.083 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado pela prof. de Lit.Portuguesa

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.083
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
472
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Auto de inês pereira

  1. 1. Análise e sistematização
  2. 2.  Gil Vicente desenvolve o provérbio “Mais quero asno que me leve que cavalo que me derrube”  Teste à originalidade do dramaturgo, que desenvolve uma história com princípio meio e fim, em que demonstra que é preferível um asno que leve Inês às costas (i.e., que lhe faça todas as vontades), a um cavalo que a derrube (i.e., que a prive de liberdade e a ameace). marido bronco e ingénuo Pêro Marques marido “avisado” e “discreto” Escudeiro Brás da Mata
  3. 3. Esta peça é uma das mais bem estruturadas de Gil Vicente  Exposição: O monólogo inicial de Inês e o diálogo com a mãe em que se apresentam as características da jovem e os seus objetivos.  Conflito: Desde a chegada de Lianor Vaz até ao casamento com Pêro Marques.  Desenlace: A partir do casamento com Pêro Marques até ao final, que concretiza o tema da peça e o provérbio que a determinou.
  4. 4.  Ponto de partida Aspiração de Inês a libertar-se pelo casamento.  Desenvolvimento Proposta e recusa de casamento com Pêro Marques; Casamento falhado com o escudeiro; Casamento com Pêro Marques.  Ponto de chegada Concretização da aspiração de Inês.
  5. 5.  Inês Pereira – figura central da peça; pode classificar-se como personagem modelada, já que sofre uma evolução psicológica, decorrente da experiência e, reconsiderando a sua posição inicial, aceita um segundo casamento completamente fora das suas expetativas (“sobre quantos mestres são /experiência dá lição”), mas também como personagem plana, pois, o final da peça mostra- nos, novamente, o caráter leviano de Inês, característica principal, enquanto personagem tipo.
  6. 6.  Mãe – personagem secundária, que, em estreita ligação com Inês, representa o contraponto da sua fantasia e irresponsabilidade. Moderada, prudente e pragmática, a Mãe manifesta a sua descrença em relação ao casamento com o Escudeiro, antecipando alguns dos problemas que virão a acontecer. Contudo, quando a filha opta por casar com Brás da Mata, a Mãe desaparece, discretamente, sem discussões, censuras ou vinganças, e ainda lhe oferece a casa onde viviam. A filha aprenderá à sua custa.
  7. 7.  Pêro Marques – outra figura intimamente ligada a Inês; representa na peça o papel de “asno” que leva a mulher às costas, de visita a um antigo pretendente (o ermitão). É um lavrador ingénuo e bronco, trabalhador e honesto, que tem alguns bens. Oriundo do meio rural e desconhecedor de algumas regras de convivência, cai no ridículo, não só pela maneira como veste, mas também pela maneira de falar e agir. É a personagem cómica da peça, que contrasta com Inês (por quem é ridicularizado) e com o escudeiro.
  8. 8.  Lianor Vaz – é quem apresenta Pêro Marques a Inês, através de uma carta. Mostra grande capacidade de persuasão, experiência e oportunidade no desempenho do seu papel de comadre casamenteira, quando, após a morte do Escudeiro, regressa para relembrar Inês do seu anterior pretendente.
  9. 9.  Escudeiro (Brás da Mata) – é uma figura muito importante que contrasta flagrantemente com Pêro Marques (compare- se a carta e o comportamento de Pêro Marques com o discurso do Escudeiro, quando se apresentam a Inês). Mostra-se elegante, culto e astuto. É uma personagem com grande influência no desenrolar da história, já que é o seu comportamento tirânico que vai fazer com que Inês venha a aceitar Pêro para se vingar das frustrações do primeiro casamento que ela idealizou e falhou. O Escudeiro, pobre e covarde, ostenta perante Inês qualidades que não tem. Antes de casar apresenta-se como um grande senhor, rico, culto e bem falante.
  10. 10.  Escudeiro (continuação) Pobre e covarde, ostenta perante Inês qualidades que não tem. Antes de casar apresenta-se como um grande senhor, rico, culto e bem falante. Depois de casar, revela-se um tirano mesquinho que deixa a esposa à guarda do criado e parte para África com o objetivo de ser armado cavaleiro, onde acaba por ser morto por um mouro pastor, quando desertava de uma batalha.
  11. 11.  Moço – personagem que contribui para a denúncia do verdadeiro caráter do Escudeiro e da sua condição financeira.  Judeus casamenteiros – são quem apresenta o Escudeiro a Inês. Preocupados em receber o seu dinheiro, empenham- se em elogiar os méritos do Escudeiro perante Inês e as qualidades desta , perante aquele. São desonestos, falsos e materialistas.
  12. 12.  Esta peça é uma visão crítica de tipos e fenómenos da época. A crítica à sociedade do tempo de Gil Vicente é conseguida com recurso à ironia, à criação de personagens-tipo e ao cómico.  A ironia está presente em variadas situações: • No diálogo inicial entre Inês e a Mãe; • No diálogo entre a Mãe e Lianor Vaz, quando esta conta o que lhe acontecera na vinha; • Na reação de Inês à carte de Pêro Marques; • No diálogo entre Pêro e Inês (falas de Inês) • Nas respostas e apartes do Moço, quando fala com o Escudeiro; • Nas falas de Inês, quando o Escudeiro parte para África; • No diálogo de Inês com Lianor , após a sua viuvez.
  13. 13. Personagens-tipo  Inês: moça do povo, casadoira, que pretende ascender socialmente; preguiçosa; ambiciosa; fantasiosa e leviana.  Mãe: pragmática e materialista, quer ver a filha bem “arrumada” com um marido com estabilidade económica, desprezando ideais de amor, sonhos ou caprichos.  Lianor Vaz: alcoviteira  Pêro Marques: homem do campo com pouca educação; o asno, o inadaptado à sociedade; objeto de vingança de Inês.
  14. 14. Personagens-tipo  Escudeiro: a baixa nobreza em degradação, faminta e pelintra;  Judeus: mundo da aldrabice e do interesse monetário;  Ermitão: clero leviano que esquece os seus deveres e a sua moral;  Moço: classe servente (povo)
  15. 15.  Cómico de Caráter • Ex.: concretiza-se nas figuras de Pêro Marques (provinciano e bronco nitidamente deslocado junto de Inês e da Mãe) e do Escudeiro pobre e cobarde mas dissimulando na elegância do seu discurso, na variedade das suas prendas (canta e toca) e na fanfarronice solene todas as suas fraquezas e misérias.
  16. 16.  Cómico de Situação • Ex.: quando Pêro Marques se senta na cadeira ao contrário e de costas para Inês e para a Mãe; • na fala dos Judeus casamenteiros, que, na sua sofreguidão e calculismo para conseguirem casar Inês com o Escudeiro, se interrompem, repetem e atropelam constantemente ; • no episódio final quando Pêro Marques, descalço, transporta Inês às costas, mais duas lousas que lhe agradam e para cúmulo, aceita cantar uma cantiga que o apelida de "marido cuco".
  17. 17.  Cómico de Linguagem • Ex.: quando Pêro Marques entra com a sua linguagem recheada de termos e expressões provincianas; • quando os Judeus produzem o seu discurso repetitivo e arrastado ; • quando Inês se refere a Pêro Marques dizendo "Ei-lo se vem penteando/será com algum ancinho?"; • na ironia do Moço desmascarando a pelintrice do Escudeiro. • Nos trocadilhos (quando Pêro Marques diz que seu é o “mor gado” e a Mãe pensa que ele é morgado; quando Inês pergunta a Pêro se pode sair e ele pensa que ela se refere a “evacuar”)

×