O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Metodologias Ativas - AMPLIFICA

Publicação Metodologias Ativas

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Metodologias Ativas - AMPLIFICA

  1. 1. TOOLKIT METODOLOGIAS ATIVAS
  2. 2. Aprendizagem baseada em problemas
  3. 3. Aprendizagem baseada em problemas A aprendizagem baseada em problemas, project based learning (PBL) em inglês, tem como propósito fazer com que os participantes aprendam através da resolução colaborativa de desafios, pois, ao explorar soluções dentro de um contexto específico de aprendizado, que pode utilizar a tecnologia e/ou outros recursos, essa metodologia incentiva a habilidade de investigar, refletir e criar perante a uma situação. O facilitador tem o papel de intermediar nos trabalhos e oferecer retorno para a reflexão sobre os caminhos tomados para a construção do conhecimento, estimulando a crítica e reflexão dos jovens.
  4. 4. Aprendizagem baseada em problemas Como fazer Nesta prática, os participantes são inicialmente apresentados a um problema específico e então divididos em grupos de estudo. Após serem divididos, os participantes são estimulados a realizar pesquisas e discutir as soluções para o problema. Diferente de outras práticas, os participantes recebem um tempo (normalmente de um dia a uma semana) para apresentarem suas conclusões. É importante ressaltar que esta é uma prática que permite aos participantes pesquisarem e muitas vezes testarem suas soluções na prática, antes de apresentá-las.
  5. 5. Aprendizagem baseada em projetos
  6. 6. Aprendizagem baseada em projetos Aprendizagem baseada em projetos é uma metodologia em que os participantes se envolvem com tarefas e desafios para desenvolver um projeto ou um produto. A aprendizagem baseada em projetos integra diferentes conhecimentos e estimula o desenvolvimento de importantes competências, como trabalho em equipe, protagonismo e pensamento crítico. Além disso, faz com que o participante tenha um papel ativo para o seu aprendizado. Tudo começa com um problema ou questão que seja desafiadora, que não tenha resposta fácil e que estimule a imaginação.
  7. 7. Como fazer Nesta prática, os participantes são inicialmente apresentados a um problema específico e então divididos em grupos de estudo. Após serem divididos, os participantes são estimulados a realizar pesquisas e discutir as soluções para o problema. Depois de problema definido e soluções na mesa, os participantes desenvolvem o produto mínimo viável (MVP) do projeto ou produto que estão produzindo, para testar a sua usabilidade e funcionalidades Após os testes iniciais, os participantes retornam ao projeto, fazem as alterações necessárias e lançam a solução para o problema mapeado. Aprendizagem baseada em projetos
  8. 8. Aprendizagem entre times
  9. 9. Aprendizagem entre times A aprendizagem entre times, team based learning (TBL), tem por finalidade a formação de equipes dentro da turma, através do aprendizado que privilegia o fazer em conjunto para compartilhar ideias. O facilitador pode trabalhar essa aprendizagem através de um estudo de caso ou projeto, para que os estudantes resolvam desafios de forma colaborativa. Dessa forma, eles aprendem uns com os outros, empenhando-se para formar o pensamento crítico, que é construído por meio de discussões e reflexões entre os grupos.
  10. 10. Como fazer Nesta prática, os participantes são inicialmente divididos em grupos de estudo e então apresentados a um problema específico. Após serem divididos, os participantes são estimulados a realizar pesquisas e discutir as soluções para o problema apresentado. É importante ressaltar que esta é uma prática que permite aos participantes desenvolverem suas habilidades socioemocionais e o trabalho colaborativo. Aprendizagem entre times
  11. 11. SALA DE AULA INVERTIDA
  12. 12. Sala de aula invertida A sala de aula invertida (flipped classroom em inglês) tem como objetivo substituir a maioria das aulas expositivas por extensões da sala de aula em outros ambientes. Nesse modelo, o participante tem acesso a conteúdo de forma antecipada, para que o tempo em sala de aula seja otimizado, e assim, fazendo com que tenha um conhecimento prévio sobre o conteúdo a ser estudado e interaja com os colegas para realizar projetos e resolver problemas. Esta é uma ótima maneira de fazer com que os participantes se interessem pelas aulas e atuem ativamente da construção de seu aprendizado, ao se beneficiar com um melhor planejamento de aula e com a utilização de recursos variados, como vídeos e artigos.
  13. 13. Sala de aula invertida Como fazer Nesta prática, os participantes são inicialmente convidados a experienciar o conteúdo que será abordado posteriormente por meio de vídeos, artigos, podcasts, infográficos e outros conteúdos que explorem o assunto que será abordado. Este momento pode ser realizado presencialmente ou online. Em caso de ações presenciais, o facilitador pode disponibilizar o conteúdo para ser estudado em casa, no transporte ou mesmo em outro ambiente dentro da instituição. Já nos casos online (mais comum), o facilitador pode fazer um chamado à aventura através de e-mail, plataformas EAD (como o Google Classroom) ou grupos em redes sociais, para disponibilizar o conteúdo a ser explorado.
  14. 14. ESTUDOS DE CASO
  15. 15. Estudos de caso Nesta metodologia os participantes são apresentados a casos, que podem ser reais ou não, abrindo a possibilidade para que eles explorem profundamente o fato e desenvolvam soluções para a resolução do problema evidenciado. Sugere-se que em treinamentos corporativos, os casos sejam reais e vivenciados pela própria organização. O objetivo desta metodologia é fazer com que os participantes aprendam com o processo desenvolvido, as situações vivenciadas e as eventuais falhas cometidas anteriormente no caso explorado. Além disso, permite que os participantes desenvolvam o senso exploratório e pesquisador para sugerir soluções para um caso já evidenciado.
  16. 16. Estudos de caso Como fazer Nesta prática, os participantes são inicialmente apresentados a um caso específico e então divididos em grupos. Após serem divididos, os participantes são estimulados a realizar pesquisas e discutir as soluções para o caso. Depois, os participantes recebem um tempo para apresentarem suas conclusões. É importante ressaltar que esta é uma prática que permite aos participantes pesquisarem e muitas vezes testarem suas soluções que podem ser aplicadas na prática.
  17. 17. GAMIFICAÇÃO
  18. 18. Gamificação O termo gamificação se refere à aplicação de elementos presentes em games, como regras, competição e pontuação, em atividades realizadas fora do contexto de um videogame. Seu objetivo é fazer com que os participantes aprendam através de desafios, pois, ao explorar soluções dentro de um contexto específico de aprendizado, que pode utilizar a tecnologia e/ou outros recursos, essa metodologia incentiva a habilidade de investigar, refletir e criar perante a uma situação. O facilitador tem o papel de intermediar nos trabalhos e oferecer retorno para a reflexão sobre os caminhos tomados para a construção do conhecimento, estimulando a crítica e reflexão dos jovens.
  19. 19. Gamificação Como fazer É preciso entender que nem todo conteúdo interativo configura uma gamificação. Para um conteúdo trazer todos os benefícios que o gamificação pode alinhar à sua estratégia, ele deve cumprir alguns requisitos: ● regras fixas; ● resultado variável; ● resultado mensurável; ● demandar algum esforço do jogador; ● consequências negociáveis de acordo com estes esforços. Além dessas regras, é importante considerar a criação de uma história envolvente, dividir as atividades desenvolvidas em níveis (do mais fácil ao mais difícil), estabelecer um tempo limite para a realização das atividades, possuir emblemas e ter um ranking final.
  20. 20. Treinamentos experienciais ao ar livre
  21. 21. Treinamentos experienciais ao ar livre Como o próprio nome diz, são atividades realizadas ao ar livre e normalmente vinculadas a algum tipo de desafio ou aventura. De forma geral existem três tipos de TEAL: TEAL em Dinâmicas, TEAL Adventure e o Eco TEAL. TEAL em Dinâmicas: Atividades dinâmicas, realizadas em grupos, ao ar livre. TEAL Adventure: Normalmente vinculado a algum esporte radical, tais como Rafting, Regata, Escalada, Canoa Havaiana, ou qualquer outro esporte de aventura e que tenha caráter coletivo.
  22. 22. Treinamentos experienciais ao ar livre Eco TEAL: Realizado em reservas ecológicas ou em espaços com natureza exuberante. O Enduro de Regularidade e a Corrida de Aventura/Desafios, são dois exemplos clássicos deste tipo de TEAL. É importante alertar para o fato de que todo TEAL envolve algum nível de risco aos participantes, assim, aconselha-se contratar empresas especializadas neste tipo de evento, além de se considerar o apoio de brigadistas ou profissionais qualificados para emergências, até, em alguns casos, o suporte de seguros de vida.
  23. 23. Just in time teaching
  24. 24. Just in time teaching Este método, que se assemelha bastante à sala de aula invertida, foi primeiramente estruturado por Gregor Novak em 1999 no livro “Just in Time Teaching: Blending Active Learning With Web Technology”. No Just in time teaching, o instrutor envia, pelo menos 7 dias antes do encontro, alguns textos, vídeos ou qualquer outro material sobre o assunto para os participantes. Eles devem estudar esses materiais e responder a um pequeno teste, aqui chamado de Warm Up, o qual tem como principal objetivo avaliar o nível de entendimento dos participantes sobre os temas.
  25. 25. Just in time teaching O teste deve ser devolvido ao instrutor em, no máximo, 2 dias antes do evento (o prazo varia de acordo com a complexidade do tema e com o tempo considerado ideal para finalizar a adequação de conteúdos para o encontro). Com os resultados dos testes em mãos, o instrutor consegue saber exatamente onde estão as maiores dificuldades de entendimento dos participantes e adequar o seu curso as reais demandas do grupo.
  26. 26. facebook.com/amplificaoficial instagram.com/amplificaoficial youtube.com/amplificaoficial twitter.com/amplificaedu linkedin.com/company/amplificaoficial amplifica.org/amplicast

×