SlideShare uma empresa Scribd logo
Educação TEC
Inovações na Educação para o desenvolvimento sustentável
PENSAMENTO
CRIATIVO
Guia do Educador
CARTA AO EDUCADOR
Prezado Educador,
Este guia apresenta de forma prática a metodologia de trabalho Pensamento Criativo, que
permite identificar e solucionar problemas relacionados ao desenvolvimento sustentável,
visando estimular a criatividade e a inovação nos estudantes.
O guia traz informações sobre as cinco etapas do pensamento criativo (identificar,
aprofundar, definir, experimentar e implantar). São apresentadas as principais técnicas
a serem utilizadas em cada etapa, instruções para a mediação do educador durante a
execução do projeto, além de uma proposta de avaliação dos estudantes.
Este guia deve ser utilizado em interface com o Caderno de Modelos, que traz materiais de
apoio às principais técnicas, como fichas de registro de vídeos, roteiros para entrevistas e o
mapa de empatia.
Foi elaborado ainda um guia para execução de projetos com o Pensamento Criativo
direcionado aos estudantes. Para a melhor utilização deste guia, recomenda-se o
acompanhamento e orientação dos estudantes por parte do professor.
3
introdução
Um dos maiores desafios do tempo em que vivemos é dar conta dos problemas que vão
surgindo por causa do jeito que nós decidimos fazer as coisas. Por exemplo, o jeito como
resolvemos utilizar os recursos naturais e descartar o lixo, governar nossas cidades e países,
criar nossos negócios, comprar e vender produtos e serviços, entre outras milhares de
coisas.
Esse jeito de fazer as coisas é orientado a partir de um conjunto de valores e princípios,
que podemos chamar de modelo mental. Ao longo dos últimos anos, o modelo mental de
pessoas que trabalham em algumas organizações tem se transformado, visando torná-
las mais criativas e inovadoras na geração de soluções para os desafios e problemas que
enfrentamos hoje.
Dentre estas pessoas estão os chamados designers, que estudam e trabalham para criar,
desenhar e projetar produtos e serviços que nós, consumidores, desejamos. Eles pesquisam
e analisam nossas necessidades para criarem coisas cada vez mais adequadas ao nosso
jeito de viver, de uma forma sustentável. Além de observarem a nós, os usuários ou público-
alvo, os designers observam vários outros elementos como, por exemplo: o melhor uso do
recurso para determinado produto ou serviço, o processo mais eficiente para se produzir, a
forma mais adequada de produzir considerando as necessidades dos usuários, a cor que
combina mais com aquele público-alvo, o resultado mais belo, e a inclusão de outros pontos
de vista no desenho daquela solução. Com o tempo, os designers foram percebendo que,
pensando de um jeito diferente, eles tinham mais clareza para resolver os desafios e o
resultado foi ficando cada vez melhor. Tal processo foi se moldando e recebeu o nome de
Design Thinking.
Foi então que pesquisadores e especialistas na área da educação começaram a estudar
como seria trazer esse conceito para dentro da sala de aula. Existem vários exemplos de
aplicação desses princípios nas escolas e os resultados são bem bacanas. As aulas ficaram
bem interessantes, com dinâmicas criativas e atividades práticas, os estudantes começaram
a criar projetos incríveis e foram aprendendo os assuntos que fazem parte do nosso dia-a-
dia. Como se tivesse sido despertado algo novo, dentro de cada um.
Nossa equipe pesquisou, estudou e fez uma adaptação desses conceitos todos para a
nossa realidade criando a metodologia do Pensamento Criativo.
4
pensamento criativo
O Pensamento Criativo é usado para identificar e resolver problemas, de forma criativa e
inovadora, levando em conta as pessoas que são afetadas por esses problemas. Isto quer
dizer que conhecer as pessoas é o ponto de partida para começar a gerar ideias para
solucionar os problemas delas. As melhores ideias são prototipadas e testadas algumas
vezes, até que uma solução seja encontrada e colocada em prática.
Por que é importante?
•	 Estimula a criatividade e o espírito inovador na criação de estratégias para a solução de
problemas ou desafios;
•	 Incentiva as atividades em equipe, por meio do trabalho colaborativo;
•	 Desenvolve a autonomia e o empreendedorismo;
•	 Instiga as habilidades visuais e manuais;
•	 Promove o entendimento de processo;
•	 Desperta a capacidade de compreender o sentimento do outro;
•	 Provoca um sentido de ação e urgência.
Etapas
Para chegar a uma solução, o Pensamento Criativo passa por diferentes etapas de forma
evolutiva, ou seja, repetindo e melhorando o que já foi feito, sempre que necessário. A
visão em etapas dá base ao projeto e permite a construção de um pensamento sólido,
considerando as reais necessidades dos indivíduos que irão utilizar a solução criada. Estas
etapas são chamadas de IDENTIFICAR, APROFUNDAR, DEFINIR, EXPERIMENTAR e
IMPLANTAR. Além disso, constantemente há um processo de MEDIAÇÃO do educador,
que acompanha e orienta os estudantes. Sempre que uma etapa é finalizada realiza-se a
AVALIAÇÃO DA EQUIPE, uma autoavaliação dos estudantes com o propósito de promover
a reflexão sobre a evolução do trabalho realizado.
5
A seguir são apresentadas orientações para o trabalho com cada uma das etapas do
Pensamento Criativo.
Identificar
Nesta etapa são identificados um ou mais problemas relevantes para o desenvolvimento
de um projeto utilizando o Pensamento Criativo. A identificação do problema é o ponto
de partida para guiar as equipes durante todo o processo, pois comunica o propósito do
trabalho que será desenvolvido e orienta as pesquisas em campo.
O trabalho pode ser iniciado com uma pequena história. Contando o problema espera-se
obter a atenção dos estudantes de modo que todos tenham uma compreensão coerente
sobre ele. Quanto mais criativa e significativa a história, maior será o envolvimento.
Após o relato da história, os estudantes devem ser desafiados a buscar uma solução para o
problema apresentado.
Como ferramental da etapa o educador pode utilizar o Plano de Projeto. O Plano de Projeto
é uma ferramenta que auxilia a concepção do projeto pelo educador. Ele deve conter
a fundamentação, estratégia de execução e métodos de avaliação do problema a ser
O problema identificado deve ser significativo e trabalhado em equipe pelos estudantes
Problema:
A biblioteca da escola está com muitos livros danificados, fazendo com que a
escola precise frequentemente comprar livros novos. Eles estão precisando da
nossa ajuda.
Nossa missão é descobrir:
Como os estudantes poderiam conservar os livros da biblioteca?
O educador, ao escolher um problema, pode identificar os conteúdos de sua
disciplina associados ao tema.
É importante que neste momento o problema seja apresentado e discutido com
certa profundidade, buscando um alto nível de interação dos estudantes com o
objeto de estudo e reflexões críticas.
Também é neste momento que o educador precisa organizar a
turma em equipes.
6
trabalhado. Você encontra o modelo de Plano de Projeto e mais informações sobre como
trabalhar com o Plano nos materiais disponibilizados durante a formação.
São resultados esperados nesta etapa:
•	 Estimular os estudantes a buscarem a solução de um problema por meio de uma
pergunta;
•	 Elaborar o plano de projeto que deve guiar a condução dos trabalhos e a pesquisa.
Aprofundar
Nesta etapa, os estudantes são estimulados a compreenderem
as questões relacionadas ao problema de modo a desenvolver o
conhecimento inicial para resolvê-lo. Além disso, a etapa estimula os estudantes a
aprenderem coisas novas e a compartilharem.
Ao buscar aprofundar os conhecimentos relacionados ao problema, obtêm-se um
envolvimento maior de modo que é possível desenvolver um senso de empatia com as
outras pessoas e seus problemas.
O educador, no papel de mediador, orienta os estudantes na busca do conhecimento
científico necessário para compreenderem o contexto do problema, de modo a criarem
soluções com fundamentação.
Além disso, o estímulo à busca e ao compartilhamento de informações torna os estudantes
capazes de produzirem novos conhecimentos na medida em que: (a) externalizam o que
aprenderam; e (b) internalizam o que os demais compartilharam.
No trabalho em equipes, cabe ao educador observar o grau de envolvimento e curiosidade
dos estudantes. Sabe-se que nem todas as pessoas adquirem o mesmo nível de
compreensão sobre um determinado tema, por isso, os estudantes que obtiverem maior
dificuldade ou que apresentarem um alto grau de dispersão devem ser acompanhados.
Recomenda-se que os estudantes com maior habilidade de liderança ou conhecimento
sejam orientados a darem atenção aos que têm dificuldade de modo a estimulá-los.
No Aprofundar é possível utilizar uma diversidade de ferramentas, no entanto, recomenda-se
que sejam trabalhadas minimamente: técnicas de pesquisa em bases científicas, na internet
ou em bibliotecas; leituras; técnicas de entrevistas de pessoas envolvidas nos problemas
apresentados; e, técnicas de observação em campo (para informações e orientações sobre
a utilização dessas técnicas, consulte o Caderno de Modelos do Pensamento Criativo, p.5-
15).
Para finalizar esta etapa recomenda-se que seja realizada a avaliação da equipe. Os
estudantes devem expressar: o que aprenderam; se o que aprenderam foi importante; quais
foram as dificuldades encontradas.
São resultados esperados nesta etapa:
•	 Adquirir conhecimento científico sobre o conteúdo a ser abordado;
•	 Coletar e documentar as informações por meio das diferentes modalidades de pesquisa;
•	 Construir novos conhecimentos com base nas informações obtidas;
•	 Desenvolver as atividades em equipe por meio do trabalho colaborativo.
7
Definir
Esta etapa visa analisar e sintetizar todas as informações
que foram coletadas sobre o universo do problema
tratado. A análise das informações é necessária para uma
compreensão sobre quais são as reais necessidades das
pessoas envolvidas e as causas pelas quais este problema
existe.
Ao definir as informações que são mais importantes e interpretá-las é possível: (a)
identificar as necessidades das pessoas envolvidas no problema; (b) propor ideias
para possíveis soluções; e (c) compreender os benefícios de construir uma solução.
Um problema pode ter diversas causas e cada uma pode ser analisada sobre um
ponto de vista que gera caminhos diferentes de solução. O que orientará o caminho
a ser seguido pelos estudantes é o desafio específico desenhado por eles.
Uma das técnicas para construir um desafio é o Mapa de Empatia (ver o Caderno
de Modelos do Pensamento Criativo, p.17) que ajudará a sintetizar as observações,
extrair ideias para possíveis soluções e a descobrir os benefícios da proposta. A
frase que representa o desafio será concebida facilmente após a construção deste
mapa.
A frase do desafio específico possibilita dar maior foco ao problema e estabelecer
um escopo para o trabalho. Ela deve ser construída pelos próprios estudantes.
A frase do desafio específico pode, por exemplo, ser expressa combinando as
seguintes palavras chave:
como sujeito + necessidade(s) + beneficio(s)/ideia.
Exemplo:
Como nós podemos melhorar a conservação dos livros para que a escola
evite os gastos com a compra de livros novos?
É possível construir vários desafios para o mesmo
problema. No entanto, o mediador deve orientar
os estudantes a selecionar um desafio que tenha
aplicação prática e seja viável, tendo o cuidado para
não limitar o potencial inovador.
8
Do mesmo modo que na etapa anterior, para finalizar esta etapa recomenda-se que seja
realizada a avaliação da equipe. Os estudantes devem expressar: o que aprenderam, se o
que aprenderam foi importante, quais foram as dificuldades encontradas, e se percebem os
benefícios frente a uma proposta de solução.
Como resultado espera-se:
•	 Escolher uma frase desafio que direcione o trabalho de concepção da solução para o
problema proposto;
•	 Maior consciência sobre o problema;
•	 Iniciar uma solução para o desafio específico.
Experimentar
Nesta etapa, os estudantes iniciam o processo de geração de ideias para construir soluções
para o desafio escolhido. A condução desta etapa ocorre em três passos: a criação, a
prototipação e a validação.
Na criação, os estudantes são estimulados a ter a mente aberta para a geração de ideias
criativas, sem julgamento de valor. Para isso, a técnica indicada é tempestade de ideias,
onde os estudantes elaboram propostas de solução e escolhem uma para a execução de
um protótipo, considerando os critérios: (1) viabilidade de execução, e (2) atender o foco do
desafio. (Orientações sobre o brainstorm, consulte o Caderno de Modelos do Pensamento
Criativo, p.20-21).
Este é o momento para ser criativo e inovar!
A partir da escolha da solução é possível fazer o protótipo utilizando uma variedade
de técnicas, materiais e ferramentas. A prototipagem é fundamental para estimular a
criatividade e a inovação, pois é neste momento que as equipes tornarão suas soluções
reais. O protótipo poderá ser um desenho, uma maquete, uma apresentação, um teatro, um
vídeo, um website, entre outros elementos.
Apesar de esta etapa envolver um processo criativo, o mediador deve ficar atento e procurar
direcionar as atividades com base no plano de projeto, além de orientar os trabalhos para
que se alcancem os objetivos de ensino-aprendizagem das respectivas disciplinas.
Este processo é interativo e incremental, ou seja, os protótipos
podem ter várias versões até chegar num ponto no qual atenda
às necessidades das pessoas e traga os benefícios esperados.
9
Após a prototipação, o passo seguinte é a validação. É nesse momento que os estudantes
colocam o protótipo em uma fase de testes, onde devem apresentar a solução proposta
para as pessoas envolvidas e coletar os feedbacks dessa solução. O mediador deve
estimular os estudantes a obter o feedback sobre o que é possível: incluir, melhorar, eliminar,
ou reduzir no protótipo.
Como resultados desta etapa esperam-se:
•	 Protótipo finalizado;
•	 Consolidar os conhecimentos adquiridos durante todo o processo;
•	 Estimular a criatividade e o espírito inovador;
•	 Incentivar as atividades em equipe por meio do trabalho colaborativo;
•	 Instigar as habilidades visuais e manuais.
Implantar
Esta etapa se relaciona à questão do empreendedorismo das soluções propostas. Sua
realização depende das condições do ambiente onde o Pensamento Criativo está sendo
utilizado e da natureza da solução.
Recomenda-se que a escola e a família sejam as instituições que estimulem os estudantes
na implantação dos seus projetos. Este estímulo pode ser concretizado de várias formas,
desde a construção de um modelo de negócios até a apresentação à entidades financeiras
de fomento.
Grandes ideias surgem todos os dias nas escolas e muitas não se desenvolvem por falta de
apoio e orientação. Desta forma, espera-se que tais organizações atuem como catalizadoras
do processo da inovação, de acordo com a realidade local.
Como resultados, espera-se que os estudantes sejam capazes de:
•	 Implantar a solução no ambiente onde o problema foi identificado;
•	 Desenvolver a autonomia e o empreendedorismo;
•	 Desenvolver a cultura da criatividade e inovação;
•	 Desenvolver a cultura do desenvolvimento sustentável.
No material disponibilizados durante a formação você encontra alguns exemplos e mais
informações sobre como realizar esta etapa.
Socialização das soluções
É muito importante apresentar a solução a todos. Apresentar, socializar e/ou publicar os
resultados alcançados durante e ao final do processo de desenvolvimento é fundamental
para estimular e valorizar o trabalho realizado.
Algumas sugestões de apresentações:
•	 Criação de Blog: para divulgar informações sobre o processo de desenvolvimento e
sobre as soluções geradas.
10
•	 Feira de Inovação: para que os estudantes apresentem suas soluções inovadoras à
comunidade em geral, ONGS, empresas, prefeituras, e demais pessoas de diversas
áreas interessadas nos projetos desenvolvidos.
•	 Sarau Cultural: para que os estudantes apresentem suas soluções literárias, vídeos,
poesias, peças de teatro, etc.
Mediação do Educador
O educador tem o papel de acompanhar e orientar as equipes de estudantes ao longo do
processo do Pensamento Criativo. É necessário realizar esta atividade com sensibilidade,
para proporcionar autonomia aos estudantes na dose apropriada, e simultaneamente
executar as atividades do plano de projeto. Quando os trabalhos das equipes tomarem um
rumo que se distancia dos objetivos do projeto planejado, o educador precisa analisar a
situação e avaliar se deve interferir e propor caminhos diferentes.
O conhecimento é construído pelos estudantes na medida em que se relacionam com
outras pessoas, interagem com os objetos de estudo e com o mundo.
Neste sentido, o educador precisa atuar como um orquestrador destas
relações e interações ao longo das etapas do Pensamento Criativo.
Também é papel do educador oferecer apoio metodológico em todas
as etapas do processo, e auxiliar na utilização das técnicas necessárias,
como entrevistas, prototipação, pesquisas na internet, etc.
Outro aspecto bastante importante é provocar a reflexão crítica
dos estudantes sobre aquilo que estão pesquisando e construindo,
despertando o interesse deles para o conhecimento, a cidadania e o
desenvolvimento sustentável.
Avaliação do projeto
Para o educador avaliar os estudantes durante o projeto, sugere-se como referência os
indicadores apresentados a seguir. Os professores podem adaptar esta proposta conforme
suas necessidades.
Indicadores
Nota
máxima
Autoavaliação do
estudante
(Realizada pelo
estudande )
Avaliação do
estudante
(Realizada pelo
educador )
Média
Participou ativamente de
todas as atividades
10
Efetuou leituras e pesquisas
recomendadas, a fim
de elaborar produções
individuais e coletivas
10
11
Participou de forma crítica
e ética, com respeito e
tolerância à pluralidade
dos discursos e ações
que emergiram durante a
pesquisa e debates com seu
grupo
10
Negociou, coletivamente,
como seria realizado o
trabalho/atividade
10
Demonstrou domínio do
conteúdo na apresentação do
trabalho
10
	 	
Resumo das etapas do Pensamento Criativo
12
Anotações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
sorente
 
ApresentaçãO Final
ApresentaçãO FinalApresentaçãO Final
ApresentaçãO Final
Bortolussi
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Vilson Martins Filho
 
Projeto (1)
Projeto (1)Projeto (1)
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
afermartins
 
Proj1
Proj1Proj1
Proj1
renatotf
 
Metodologias de Aprendizagem
Metodologias de AprendizagemMetodologias de Aprendizagem
Metodologias de Aprendizagem
João Piedade
 
Pedagogia de Projetos
Pedagogia de ProjetosPedagogia de Projetos
Pedagogia de Projetos
Clezinha
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
roquematoso
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
roquematoso
 
In f killinginnovartion
In f killinginnovartionIn f killinginnovartion
In f killinginnovartion
Alexsander Fim
 
Oficina de projetos
Oficina de projetosOficina de projetos
Tics metprojetos
Tics metprojetosTics metprojetos
Tics metprojetos
Silvia Dotta
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
Wany Goes Dias
 
Plano ev 2013
Plano ev 2013Plano ev 2013
Plano ev 2013
Avatar Cuamba
 
Plano ev 2013
Plano ev 2013Plano ev 2013
Plano ev 2013
Avatar Cuamba
 
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos   fundamentos e implicaçõesPedagogia de projetos   fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Fernandes Meira
 

Mais procurados (19)

Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
 
ApresentaçãO Final
ApresentaçãO FinalApresentaçãO Final
ApresentaçãO Final
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Tipos de avaliação
 
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
 
Projeto (1)
Projeto (1)Projeto (1)
Projeto (1)
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
 
Proj1
Proj1Proj1
Proj1
 
Avaliação de projetos
Avaliação de projetosAvaliação de projetos
Avaliação de projetos
 
Metodologias de Aprendizagem
Metodologias de AprendizagemMetodologias de Aprendizagem
Metodologias de Aprendizagem
 
Pedagogia de Projetos
Pedagogia de ProjetosPedagogia de Projetos
Pedagogia de Projetos
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
 
In f killinginnovartion
In f killinginnovartionIn f killinginnovartion
In f killinginnovartion
 
Oficina de projetos
Oficina de projetosOficina de projetos
Oficina de projetos
 
Tics metprojetos
Tics metprojetosTics metprojetos
Tics metprojetos
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
Plano ev 2013
Plano ev 2013Plano ev 2013
Plano ev 2013
 
Plano ev 2013
Plano ev 2013Plano ev 2013
Plano ev 2013
 
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos   fundamentos e implicaçõesPedagogia de projetos   fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
 

Semelhante a Guia pensamento criativo_educador

Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
Márcia Castilho de Sales
 
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machadoAtividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
Everton Machado
 
Trabalho colaborativo
Trabalho colaborativoTrabalho colaborativo
Trabalho colaborativo
Marcelo Paulino Costa
 
Design thinking - livro 5
Design thinking - livro 5Design thinking - livro 5
Design thinking - livro 5
Letícia Spina Tapia
 
Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
Márcia Castilho de Sales
 
Capacitação 6º ao 9ºano
Capacitação 6º ao 9ºanoCapacitação 6º ao 9ºano
Capacitação 6º ao 9ºano
assessoriapedagogica
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
marisa liotti
 
Apresentacao projetos
Apresentacao projetosApresentacao projetos
Apresentacao projetos
galvao2m
 
Teste
TesteTeste
Apresentacao projetos
Apresentacao projetosApresentacao projetos
Apresentacao projetos
mfigor
 
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
Rosalina Simão Nunes
 
Andragogia apresentação
Andragogia apresentaçãoAndragogia apresentação
Andragogia apresentação
Elisabete DSOP
 
Ensinoporproj
EnsinoporprojEnsinoporproj
Ensinoporproj
Angelos Angel
 
O que é projeto
O que é projetoO que é projeto
O que é projeto
Teka Pitta
 
04 pdf ef6-md_pd_pg_g20
04 pdf ef6-md_pd_pg_g2004 pdf ef6-md_pd_pg_g20
04 pdf ef6-md_pd_pg_g20
Grazielle Pereira de Oliveira
 
Inovação em Treinamento e Desenvolvimento
Inovação em Treinamento e DesenvolvimentoInovação em Treinamento e Desenvolvimento
Inovação em Treinamento e Desenvolvimento
Juliana Feitosa Andrade
 
Projetos e interdisciplinaridade
Projetos e interdisciplinaridadeProjetos e interdisciplinaridade
Projetos e interdisciplinaridade
familiaestagio
 
aa-edci
aa-edciaa-edci
Design Thinking para negócios inovadores
Design Thinking  para negócios inovadoresDesign Thinking  para negócios inovadores
Design Thinking para negócios inovadores
ToniOliveira13
 
MAPPA_LGG site.pdf
MAPPA_LGG site.pdfMAPPA_LGG site.pdf
MAPPA_LGG site.pdf
MARIAFRANCISCADEOCLC
 

Semelhante a Guia pensamento criativo_educador (20)

Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
 
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machadoAtividade 5.1.everton dos_santos_machado
Atividade 5.1.everton dos_santos_machado
 
Trabalho colaborativo
Trabalho colaborativoTrabalho colaborativo
Trabalho colaborativo
 
Design thinking - livro 5
Design thinking - livro 5Design thinking - livro 5
Design thinking - livro 5
 
Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
 
Capacitação 6º ao 9ºano
Capacitação 6º ao 9ºanoCapacitação 6º ao 9ºano
Capacitação 6º ao 9ºano
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
 
Apresentacao projetos
Apresentacao projetosApresentacao projetos
Apresentacao projetos
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
Apresentacao projetos
Apresentacao projetosApresentacao projetos
Apresentacao projetos
 
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
 
Andragogia apresentação
Andragogia apresentaçãoAndragogia apresentação
Andragogia apresentação
 
Ensinoporproj
EnsinoporprojEnsinoporproj
Ensinoporproj
 
O que é projeto
O que é projetoO que é projeto
O que é projeto
 
04 pdf ef6-md_pd_pg_g20
04 pdf ef6-md_pd_pg_g2004 pdf ef6-md_pd_pg_g20
04 pdf ef6-md_pd_pg_g20
 
Inovação em Treinamento e Desenvolvimento
Inovação em Treinamento e DesenvolvimentoInovação em Treinamento e Desenvolvimento
Inovação em Treinamento e Desenvolvimento
 
Projetos e interdisciplinaridade
Projetos e interdisciplinaridadeProjetos e interdisciplinaridade
Projetos e interdisciplinaridade
 
aa-edci
aa-edciaa-edci
aa-edci
 
Design Thinking para negócios inovadores
Design Thinking  para negócios inovadoresDesign Thinking  para negócios inovadores
Design Thinking para negócios inovadores
 
MAPPA_LGG site.pdf
MAPPA_LGG site.pdfMAPPA_LGG site.pdf
MAPPA_LGG site.pdf
 

Guia pensamento criativo_educador

  • 1. Educação TEC Inovações na Educação para o desenvolvimento sustentável PENSAMENTO CRIATIVO Guia do Educador
  • 2.
  • 3. CARTA AO EDUCADOR Prezado Educador, Este guia apresenta de forma prática a metodologia de trabalho Pensamento Criativo, que permite identificar e solucionar problemas relacionados ao desenvolvimento sustentável, visando estimular a criatividade e a inovação nos estudantes. O guia traz informações sobre as cinco etapas do pensamento criativo (identificar, aprofundar, definir, experimentar e implantar). São apresentadas as principais técnicas a serem utilizadas em cada etapa, instruções para a mediação do educador durante a execução do projeto, além de uma proposta de avaliação dos estudantes. Este guia deve ser utilizado em interface com o Caderno de Modelos, que traz materiais de apoio às principais técnicas, como fichas de registro de vídeos, roteiros para entrevistas e o mapa de empatia. Foi elaborado ainda um guia para execução de projetos com o Pensamento Criativo direcionado aos estudantes. Para a melhor utilização deste guia, recomenda-se o acompanhamento e orientação dos estudantes por parte do professor.
  • 4.
  • 5. 3 introdução Um dos maiores desafios do tempo em que vivemos é dar conta dos problemas que vão surgindo por causa do jeito que nós decidimos fazer as coisas. Por exemplo, o jeito como resolvemos utilizar os recursos naturais e descartar o lixo, governar nossas cidades e países, criar nossos negócios, comprar e vender produtos e serviços, entre outras milhares de coisas. Esse jeito de fazer as coisas é orientado a partir de um conjunto de valores e princípios, que podemos chamar de modelo mental. Ao longo dos últimos anos, o modelo mental de pessoas que trabalham em algumas organizações tem se transformado, visando torná- las mais criativas e inovadoras na geração de soluções para os desafios e problemas que enfrentamos hoje. Dentre estas pessoas estão os chamados designers, que estudam e trabalham para criar, desenhar e projetar produtos e serviços que nós, consumidores, desejamos. Eles pesquisam e analisam nossas necessidades para criarem coisas cada vez mais adequadas ao nosso jeito de viver, de uma forma sustentável. Além de observarem a nós, os usuários ou público- alvo, os designers observam vários outros elementos como, por exemplo: o melhor uso do recurso para determinado produto ou serviço, o processo mais eficiente para se produzir, a forma mais adequada de produzir considerando as necessidades dos usuários, a cor que combina mais com aquele público-alvo, o resultado mais belo, e a inclusão de outros pontos de vista no desenho daquela solução. Com o tempo, os designers foram percebendo que, pensando de um jeito diferente, eles tinham mais clareza para resolver os desafios e o resultado foi ficando cada vez melhor. Tal processo foi se moldando e recebeu o nome de Design Thinking. Foi então que pesquisadores e especialistas na área da educação começaram a estudar como seria trazer esse conceito para dentro da sala de aula. Existem vários exemplos de aplicação desses princípios nas escolas e os resultados são bem bacanas. As aulas ficaram bem interessantes, com dinâmicas criativas e atividades práticas, os estudantes começaram a criar projetos incríveis e foram aprendendo os assuntos que fazem parte do nosso dia-a- dia. Como se tivesse sido despertado algo novo, dentro de cada um. Nossa equipe pesquisou, estudou e fez uma adaptação desses conceitos todos para a nossa realidade criando a metodologia do Pensamento Criativo.
  • 6. 4 pensamento criativo O Pensamento Criativo é usado para identificar e resolver problemas, de forma criativa e inovadora, levando em conta as pessoas que são afetadas por esses problemas. Isto quer dizer que conhecer as pessoas é o ponto de partida para começar a gerar ideias para solucionar os problemas delas. As melhores ideias são prototipadas e testadas algumas vezes, até que uma solução seja encontrada e colocada em prática. Por que é importante? • Estimula a criatividade e o espírito inovador na criação de estratégias para a solução de problemas ou desafios; • Incentiva as atividades em equipe, por meio do trabalho colaborativo; • Desenvolve a autonomia e o empreendedorismo; • Instiga as habilidades visuais e manuais; • Promove o entendimento de processo; • Desperta a capacidade de compreender o sentimento do outro; • Provoca um sentido de ação e urgência. Etapas Para chegar a uma solução, o Pensamento Criativo passa por diferentes etapas de forma evolutiva, ou seja, repetindo e melhorando o que já foi feito, sempre que necessário. A visão em etapas dá base ao projeto e permite a construção de um pensamento sólido, considerando as reais necessidades dos indivíduos que irão utilizar a solução criada. Estas etapas são chamadas de IDENTIFICAR, APROFUNDAR, DEFINIR, EXPERIMENTAR e IMPLANTAR. Além disso, constantemente há um processo de MEDIAÇÃO do educador, que acompanha e orienta os estudantes. Sempre que uma etapa é finalizada realiza-se a AVALIAÇÃO DA EQUIPE, uma autoavaliação dos estudantes com o propósito de promover a reflexão sobre a evolução do trabalho realizado.
  • 7. 5 A seguir são apresentadas orientações para o trabalho com cada uma das etapas do Pensamento Criativo. Identificar Nesta etapa são identificados um ou mais problemas relevantes para o desenvolvimento de um projeto utilizando o Pensamento Criativo. A identificação do problema é o ponto de partida para guiar as equipes durante todo o processo, pois comunica o propósito do trabalho que será desenvolvido e orienta as pesquisas em campo. O trabalho pode ser iniciado com uma pequena história. Contando o problema espera-se obter a atenção dos estudantes de modo que todos tenham uma compreensão coerente sobre ele. Quanto mais criativa e significativa a história, maior será o envolvimento. Após o relato da história, os estudantes devem ser desafiados a buscar uma solução para o problema apresentado. Como ferramental da etapa o educador pode utilizar o Plano de Projeto. O Plano de Projeto é uma ferramenta que auxilia a concepção do projeto pelo educador. Ele deve conter a fundamentação, estratégia de execução e métodos de avaliação do problema a ser O problema identificado deve ser significativo e trabalhado em equipe pelos estudantes Problema: A biblioteca da escola está com muitos livros danificados, fazendo com que a escola precise frequentemente comprar livros novos. Eles estão precisando da nossa ajuda. Nossa missão é descobrir: Como os estudantes poderiam conservar os livros da biblioteca? O educador, ao escolher um problema, pode identificar os conteúdos de sua disciplina associados ao tema. É importante que neste momento o problema seja apresentado e discutido com certa profundidade, buscando um alto nível de interação dos estudantes com o objeto de estudo e reflexões críticas. Também é neste momento que o educador precisa organizar a turma em equipes.
  • 8. 6 trabalhado. Você encontra o modelo de Plano de Projeto e mais informações sobre como trabalhar com o Plano nos materiais disponibilizados durante a formação. São resultados esperados nesta etapa: • Estimular os estudantes a buscarem a solução de um problema por meio de uma pergunta; • Elaborar o plano de projeto que deve guiar a condução dos trabalhos e a pesquisa. Aprofundar Nesta etapa, os estudantes são estimulados a compreenderem as questões relacionadas ao problema de modo a desenvolver o conhecimento inicial para resolvê-lo. Além disso, a etapa estimula os estudantes a aprenderem coisas novas e a compartilharem. Ao buscar aprofundar os conhecimentos relacionados ao problema, obtêm-se um envolvimento maior de modo que é possível desenvolver um senso de empatia com as outras pessoas e seus problemas. O educador, no papel de mediador, orienta os estudantes na busca do conhecimento científico necessário para compreenderem o contexto do problema, de modo a criarem soluções com fundamentação. Além disso, o estímulo à busca e ao compartilhamento de informações torna os estudantes capazes de produzirem novos conhecimentos na medida em que: (a) externalizam o que aprenderam; e (b) internalizam o que os demais compartilharam. No trabalho em equipes, cabe ao educador observar o grau de envolvimento e curiosidade dos estudantes. Sabe-se que nem todas as pessoas adquirem o mesmo nível de compreensão sobre um determinado tema, por isso, os estudantes que obtiverem maior dificuldade ou que apresentarem um alto grau de dispersão devem ser acompanhados. Recomenda-se que os estudantes com maior habilidade de liderança ou conhecimento sejam orientados a darem atenção aos que têm dificuldade de modo a estimulá-los. No Aprofundar é possível utilizar uma diversidade de ferramentas, no entanto, recomenda-se que sejam trabalhadas minimamente: técnicas de pesquisa em bases científicas, na internet ou em bibliotecas; leituras; técnicas de entrevistas de pessoas envolvidas nos problemas apresentados; e, técnicas de observação em campo (para informações e orientações sobre a utilização dessas técnicas, consulte o Caderno de Modelos do Pensamento Criativo, p.5- 15). Para finalizar esta etapa recomenda-se que seja realizada a avaliação da equipe. Os estudantes devem expressar: o que aprenderam; se o que aprenderam foi importante; quais foram as dificuldades encontradas. São resultados esperados nesta etapa: • Adquirir conhecimento científico sobre o conteúdo a ser abordado; • Coletar e documentar as informações por meio das diferentes modalidades de pesquisa; • Construir novos conhecimentos com base nas informações obtidas; • Desenvolver as atividades em equipe por meio do trabalho colaborativo.
  • 9. 7 Definir Esta etapa visa analisar e sintetizar todas as informações que foram coletadas sobre o universo do problema tratado. A análise das informações é necessária para uma compreensão sobre quais são as reais necessidades das pessoas envolvidas e as causas pelas quais este problema existe. Ao definir as informações que são mais importantes e interpretá-las é possível: (a) identificar as necessidades das pessoas envolvidas no problema; (b) propor ideias para possíveis soluções; e (c) compreender os benefícios de construir uma solução. Um problema pode ter diversas causas e cada uma pode ser analisada sobre um ponto de vista que gera caminhos diferentes de solução. O que orientará o caminho a ser seguido pelos estudantes é o desafio específico desenhado por eles. Uma das técnicas para construir um desafio é o Mapa de Empatia (ver o Caderno de Modelos do Pensamento Criativo, p.17) que ajudará a sintetizar as observações, extrair ideias para possíveis soluções e a descobrir os benefícios da proposta. A frase que representa o desafio será concebida facilmente após a construção deste mapa. A frase do desafio específico possibilita dar maior foco ao problema e estabelecer um escopo para o trabalho. Ela deve ser construída pelos próprios estudantes. A frase do desafio específico pode, por exemplo, ser expressa combinando as seguintes palavras chave: como sujeito + necessidade(s) + beneficio(s)/ideia. Exemplo: Como nós podemos melhorar a conservação dos livros para que a escola evite os gastos com a compra de livros novos? É possível construir vários desafios para o mesmo problema. No entanto, o mediador deve orientar os estudantes a selecionar um desafio que tenha aplicação prática e seja viável, tendo o cuidado para não limitar o potencial inovador.
  • 10. 8 Do mesmo modo que na etapa anterior, para finalizar esta etapa recomenda-se que seja realizada a avaliação da equipe. Os estudantes devem expressar: o que aprenderam, se o que aprenderam foi importante, quais foram as dificuldades encontradas, e se percebem os benefícios frente a uma proposta de solução. Como resultado espera-se: • Escolher uma frase desafio que direcione o trabalho de concepção da solução para o problema proposto; • Maior consciência sobre o problema; • Iniciar uma solução para o desafio específico. Experimentar Nesta etapa, os estudantes iniciam o processo de geração de ideias para construir soluções para o desafio escolhido. A condução desta etapa ocorre em três passos: a criação, a prototipação e a validação. Na criação, os estudantes são estimulados a ter a mente aberta para a geração de ideias criativas, sem julgamento de valor. Para isso, a técnica indicada é tempestade de ideias, onde os estudantes elaboram propostas de solução e escolhem uma para a execução de um protótipo, considerando os critérios: (1) viabilidade de execução, e (2) atender o foco do desafio. (Orientações sobre o brainstorm, consulte o Caderno de Modelos do Pensamento Criativo, p.20-21). Este é o momento para ser criativo e inovar! A partir da escolha da solução é possível fazer o protótipo utilizando uma variedade de técnicas, materiais e ferramentas. A prototipagem é fundamental para estimular a criatividade e a inovação, pois é neste momento que as equipes tornarão suas soluções reais. O protótipo poderá ser um desenho, uma maquete, uma apresentação, um teatro, um vídeo, um website, entre outros elementos. Apesar de esta etapa envolver um processo criativo, o mediador deve ficar atento e procurar direcionar as atividades com base no plano de projeto, além de orientar os trabalhos para que se alcancem os objetivos de ensino-aprendizagem das respectivas disciplinas. Este processo é interativo e incremental, ou seja, os protótipos podem ter várias versões até chegar num ponto no qual atenda às necessidades das pessoas e traga os benefícios esperados.
  • 11. 9 Após a prototipação, o passo seguinte é a validação. É nesse momento que os estudantes colocam o protótipo em uma fase de testes, onde devem apresentar a solução proposta para as pessoas envolvidas e coletar os feedbacks dessa solução. O mediador deve estimular os estudantes a obter o feedback sobre o que é possível: incluir, melhorar, eliminar, ou reduzir no protótipo. Como resultados desta etapa esperam-se: • Protótipo finalizado; • Consolidar os conhecimentos adquiridos durante todo o processo; • Estimular a criatividade e o espírito inovador; • Incentivar as atividades em equipe por meio do trabalho colaborativo; • Instigar as habilidades visuais e manuais. Implantar Esta etapa se relaciona à questão do empreendedorismo das soluções propostas. Sua realização depende das condições do ambiente onde o Pensamento Criativo está sendo utilizado e da natureza da solução. Recomenda-se que a escola e a família sejam as instituições que estimulem os estudantes na implantação dos seus projetos. Este estímulo pode ser concretizado de várias formas, desde a construção de um modelo de negócios até a apresentação à entidades financeiras de fomento. Grandes ideias surgem todos os dias nas escolas e muitas não se desenvolvem por falta de apoio e orientação. Desta forma, espera-se que tais organizações atuem como catalizadoras do processo da inovação, de acordo com a realidade local. Como resultados, espera-se que os estudantes sejam capazes de: • Implantar a solução no ambiente onde o problema foi identificado; • Desenvolver a autonomia e o empreendedorismo; • Desenvolver a cultura da criatividade e inovação; • Desenvolver a cultura do desenvolvimento sustentável. No material disponibilizados durante a formação você encontra alguns exemplos e mais informações sobre como realizar esta etapa. Socialização das soluções É muito importante apresentar a solução a todos. Apresentar, socializar e/ou publicar os resultados alcançados durante e ao final do processo de desenvolvimento é fundamental para estimular e valorizar o trabalho realizado. Algumas sugestões de apresentações: • Criação de Blog: para divulgar informações sobre o processo de desenvolvimento e sobre as soluções geradas.
  • 12. 10 • Feira de Inovação: para que os estudantes apresentem suas soluções inovadoras à comunidade em geral, ONGS, empresas, prefeituras, e demais pessoas de diversas áreas interessadas nos projetos desenvolvidos. • Sarau Cultural: para que os estudantes apresentem suas soluções literárias, vídeos, poesias, peças de teatro, etc. Mediação do Educador O educador tem o papel de acompanhar e orientar as equipes de estudantes ao longo do processo do Pensamento Criativo. É necessário realizar esta atividade com sensibilidade, para proporcionar autonomia aos estudantes na dose apropriada, e simultaneamente executar as atividades do plano de projeto. Quando os trabalhos das equipes tomarem um rumo que se distancia dos objetivos do projeto planejado, o educador precisa analisar a situação e avaliar se deve interferir e propor caminhos diferentes. O conhecimento é construído pelos estudantes na medida em que se relacionam com outras pessoas, interagem com os objetos de estudo e com o mundo. Neste sentido, o educador precisa atuar como um orquestrador destas relações e interações ao longo das etapas do Pensamento Criativo. Também é papel do educador oferecer apoio metodológico em todas as etapas do processo, e auxiliar na utilização das técnicas necessárias, como entrevistas, prototipação, pesquisas na internet, etc. Outro aspecto bastante importante é provocar a reflexão crítica dos estudantes sobre aquilo que estão pesquisando e construindo, despertando o interesse deles para o conhecimento, a cidadania e o desenvolvimento sustentável. Avaliação do projeto Para o educador avaliar os estudantes durante o projeto, sugere-se como referência os indicadores apresentados a seguir. Os professores podem adaptar esta proposta conforme suas necessidades. Indicadores Nota máxima Autoavaliação do estudante (Realizada pelo estudande ) Avaliação do estudante (Realizada pelo educador ) Média Participou ativamente de todas as atividades 10 Efetuou leituras e pesquisas recomendadas, a fim de elaborar produções individuais e coletivas 10
  • 13. 11 Participou de forma crítica e ética, com respeito e tolerância à pluralidade dos discursos e ações que emergiram durante a pesquisa e debates com seu grupo 10 Negociou, coletivamente, como seria realizado o trabalho/atividade 10 Demonstrou domínio do conteúdo na apresentação do trabalho 10 Resumo das etapas do Pensamento Criativo