O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Planejamento e Avaliação

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Avaliação Escolar
Avaliação Escolar
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 45 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a Planejamento e Avaliação (20)

Mais de JOAO AURELIANO (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Planejamento e Avaliação

  1. 1. PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Mª Auxiliadora S. Freitas Doutora em Educação pela FACED/UFBA Professora adjunto do Centro de Educação da UFAL Curso de Pedagogia afreitasmcz@gmail.com
  2. 2. NOSSOS OBJETIVOS Posicionar-se criticamente acerca das concepções teórico-metodológicas que fundamentam o Planejamento e a Avaliação no Ensino Superior; Repensar o cotidiano da sala de aula universitária como espaço de interação entre os sujeitos da aprendizagem, de pesquisa e construção de conhecimento; Compreender a dinâmica da aula universitária a partir de atividades pedagógicas hipertextuais que estimulem uma aprendizagem significativa Discutir possibilidades didáticas que envolvam o Planejamento e a Avaliação do Ensino Superior
  3. 3. Nosso compromisso  Aula expositiva dialogada  Fundamentação teórico-prática: uso de recursos e estratégias metodológicas  Portfólio: produção e reflexão em duplas  Retorno das produções: socialização  IMPORTANTE: considerar a sala de aula universitária como espaço de aprendizagem!
  4. 4. UMA QUESTÃO IMPORTANTE:  COMO DEVO ORGANIZAR O ENSINO PARA GARANTIR A APRENDIZAGEM? PLANEJAMENTO EDUCACIONAL ORGANIZAÇÃO METODOLÓGICA INDISPENSÁVEL À AÇÃO EDUCATIVA
  5. 5. O que indica o Planejamento, quais concepções que norteiam a sua prática? Plano: delineia as decisões Ter clareza do Planejamento: gerais do que (conceito), ato ou efeito sistema; como (fazer), de planejar contém as quando (HOLANDA, grandes linhas (período). 1986) políticas, estratégias, diretrizes e responsabilida des.
  6. 6. O que indica o Planejamento, quais concepções que norteiam a sua prática?
  7. 7. PLANEJAMENTO EDUCACIONAL PROJETO DA INSTITUIÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO PROJETOS PEDAGÓGICOS PLANO DE ENSINO PLANO DE AULA
  8. 8. PLANO DE ENSINO  IDENTIFICAÇÃO  Instituição:  Nível de Ensino:  Semestre/ano:  Turno:  Disciplina:  Professor responsável:  Nº de alunos:  Carga horária semestral:  Carga horária semanal:
  9. 9. EMENTA  Planejamento e Avaliação do Ensino Superior  Os novos desafios para a prática do Planejamento e da Avaliação no Ensino Superior: uma abordagem teórico- metodológica. A dinâmica do processo pedagógico e seus eixos norteadores: ensino, aprendizagem, pesquisa e avaliação. Estratégias metodológicas de ensino-aprendizagem, tecnologia educacional. Instrumentos e procedimentos de avaliação como princípio de continuidade da ação pedagógica.
  10. 10. EMENTA  Planejamento, Currículo e Avaliação  Estudo dos princípios, fundamentos e procedimentos do planejamento de ensino, do currículo e da avaliação, segundo os paradigmas e normas legais vigentes, norteando a construção do currículo e do processo avaliativo no Projeto Político-Pedagógico de Educação Básica.
  11. 11. EMENTA  Metodologia do Ensino Superior  Função social da educação superior. O trabalho pedagógico e a formação do professor universitário na dinâmica interna das Instituições de Ensino Superior. Dimensões do processo didático e seus eixos norteadores: ensino, aprendizagem, pesquisa e avaliação. Estratégias de ensino e aprendizagem, tecnologia educacional.
  12. 12. EMENTA  Organização do trabalho acadêmico  As ciências e o conhecimento científico: natureza e modos de construção do conhecimento e da pesquisa nas Ciências Humanas e Sociais, especificamente os aspectos técnicos e textuais.
  13. 13. EMENTA Avaliação Educacional  Estudo das teorias e práticas da avaliação educacional a partir dos paradigmas interacionistas da sociedade e da ação pedagógica, construindo novas abordagens e novos procedimentos do ato de avaliar. A dinâmica do processo avaliativo numa perspectiva mediadora. Instrumentos e procedimentos de avaliação a serviço de concepções metodológicas e como princípio de continuidade da ação pedagógica.
  14. 14. OBJETIVOS  Metas estabelecidas ou resultados previamente determinados.  Ênfa-se: modificações de comportamento do aluno: conhecimentos, habilidades e atitudes.  Orienta o professor na seleção de conteúdos, estratégias de ensino e processo de avaliação.
  15. 15. OBJETIVOS  GERAIS: Amplos e complexos. O que se espera alcançar (aprendizagem), ao final do ensino (fundamental, médio, superior), de um ano/série.  ESPECÍFICOS: alcançáveis em menor tempo, explicitam desempenho observáveis.
  16. 16. OBJETIVOS  CONHECIMENTO: o que o aluno vai adquirir: informações, fatos, conceitos, princípios, teorias, interpretações, análises, estudos, pesquisas, etc.  ATITUDES: visam comportamento que indicam valoração, importância e crença: valorizar a busca de informações, a curiosidade científica, a convivência com os colegas, a criatividade, a interdisciplinaridade, o trabalho em equipe, a comunicação, a aprendizagem colaborativa, capacidade crítica, etc.
  17. 17. CONTEÚDOS  Conjunto de temas ou assuntos, organizados a partir da definição dos objetivos.  Devem ser atuais, atualizados e contextualizados.  Despertem o interesse doa aluno e sejam adequados à sua faixa etária.  Permitam integrar conhecimentos em várias áreas, disciplinas ou ciências.  Despertem curiosidade e novos desafios.  Permitam diferentes formas de analisar e interpretar.
  18. 18. REFLETINDO...  Por que vivemos a hegemonia de uma pedagogia tradicional, sedimentada em métodos expositivos e numa suposta avaliação que prioriza as medidas educacionais?  Como escapar à tendência cientificista da educação, que tem reduzido a ação avaliativa a um mero fazer quantificável?  Como adotar uma dimensão dialógica, direcionada à compreensão, à participação e à emancipação dos sujeitos da aprendizagem?
  19. 19. “ Era uma vez... Uma rainha que vivia em um grande castelo. Ela tinha uma varinha mágica que fazia as pessoas bonitas ou feias, alegres ou tristes, vitoriosas ou fracassadas. Como todas as rainhas,ela também tinha um espelho mágico. Um dia, querendo avaliar sua beleza, também ela perguntou ao espelho:
  20. 20. - Espelho, espelho meu, existe alguém mais bonita do que eu? O espelho olhou bem para ela e respondeu: - Minha rainha, os tempos estão mudados. Esta não é uma resposta assim tão simples.Hoje em dia, para responder a sua pergunta eu preciso de alguns elementos mais claros.
  21. 21. Atonia, a rainha não sabia o que dizer. Só lhe ocorreu lhe perguntar:
  22. 22. - Como assim? -Veja bem, respondeu o espelho. –Em primeiro lugar, preciso saber porque a Vossa Majestade fez essa pergunta, ou seja, o que pretende fazer com a minha resposta. Pretende apenas levantar dados sobre o seu ibope no castelo? Pretende examinar seu nível de beleza, comparando-o com o de outras pessoas, ou sua avaliação visa ao desenvolvimento de sua própria beleza, sem nenhum critério externo? É uma avaliação considerando a norma ou critérios predeterminados? De toda forma , é preciso, ainda, que a Vossa Majestade me diga se pretende fazer classificação dos resultados.
  23. 23. E continuou o espelho: -Além disso, eu preciso que a Vossa Majestade me defina com que bases devo fazer essa avaliação. Devo considerar o peso, a altura, a cor dos olhos, o conjunto? Quem devo consultar para fazer essa análise? Por exemplo: se consultar somente os moradores do castelo, vou ter uma resposta; por outro lado, se utilizar parâmetros nacionais, poderei ter outra resposta. Entre a turma da copa ou mesmo entre os anões, a Branca de Neve ganha estourado. Mas, se perguntar aos seus conselheiros, acho que minha rainha terá o primeiro lugar.
  24. 24. Depois, ainda tem o seguinte – continuou o espelho: - Como vou fazer essa avaliação? Devo utilizar análises continuadas?Utilizo a observação?
  25. 25. Finalmente, concluiu o espelho:-Será que estou sendo justo? Tantos são os pontos a considerar...” (adaptado de Utilization-Focused Evaluation. Londres, Sage Pub., 1997, de Michel Quinn Patton).
  26. 26. O QUE SE PRATICA NAS ESCOLAS? Exame ou avaliação?  EXAME  Objetivo: julgar para aprovar ou reprovar;  Gera padrões de comportamentos preestabelecidos: exercício da memória, repetição e mensuração;  Preocupação com resultados  Avaliar é medir características, é quantificar a aprendizagem, é desenvolver nos docentes e discentes uma visão instrumental, procedimental do conhecimento;  Sujeito que aprende – receptor passivo  Professor: transmissor de conhecimentos  Aluno: receptor passivo  Conhecimento: forma de ocultar a realidade - transladar os fenômenos sociais para o âmbito da racionalidade, da objetividade.  trata o contexto escolar de forma neutra, isento da manifestação e de conflitos no: receptor passivo, consumidor de informação;
  27. 27. AVALIAÇÃO: ABRANGÊNCIA NACIONAL  LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL (LDB)  SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)  EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DO ESTUDANTE ( ENADE)  SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (SAEB)/ PROVA BRASIL  EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM)
  28. 28. CENÁRIOS DE “AVALIAÇÃO” DA APRENDIZAGEM Fonte: CENPEC/UNICEF.
  29. 29. O ERRO COMO FONTE DE CASTIGO E NÃO COMO ETAPA DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NO PASSADO, EM NOSSA PRÁTICA ESCOLAR, CASTIGAVA-SE FISICAMENTE E HOJE?
  30. 30. DE FORMA SIMBÓLICA, AINDA HOJE UTILIZAMOS A VIOLÊNCIA...  Vocês vão ver o que é que eu vou fazer com vocês no dia da prova...  Se forem bem neste trabalho, acrescento um ponto na nota para todos os alunos; se forem mal...  O erro como fonte de ridicularização...  A ameaça de reprovação...  Teste relâmpago...  Juízos superficiais, estereotipados, rotulados.
  31. 31.  AFINAL PARA QUE SERVE O EXAME? COMO RESSIGNIFICAR A SUA PRÁTICA NO CONTEXTO DE UMA AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA FORMATIVA? COMO TRANSFORMÁ-LO NUM ATO DIALÓGICO, CONSTITUÍDO POR SUJEITOS DIALÓGICO-INSTITUINTES?
  32. 32. Importante considerar  O ato de avaliar implica em dois processos indissociáveis: o diagnóstico e a tomada de decisões. (LUCKESI, 2000)
  33. 33. Repensando a avaliação da aprendizagem  A avaliação pautada no exame é só um instrumento  Não basta mudar os instrumentos e procedimentos de avaliação.  Repensar os instrumentos como parte do processo ensino-aprendizagem.  Quem é o sujeito da avaliação?  É preciso refletir a prática pedagógica docente e a concepção que tem sustentado a sua formação- ação: educação, currículo, ensino, aprendizagem, conteúdos, metodologia, relação professor-aluno, avaliação.  Definir com clareza os critérios usados na prática avaliativa – PPP  Conceber o ensino como uma atividade heurística  Avaliação: lugar de interlocução e formação do ser como modo de agir, sentir, aprender e compartilhar.
  34. 34. PROPÓSITOS E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA FORMATIVA SOMATIVA DIAGNÓSTICA  A função diagnóstica deve ocorrer não só no momento que anterior ao ensino-aprendizagem, mas durante todo o processo para identificar as problemáticas existentes, subsidiar a prática pedagógica e retroalimentar todo o ensino.  Como ponto de partida, o diagnóstico atua como um mecanismo de verificação e acolhimento ao estágio de aprendizagem em que se encontram os alunos; como processo, articula-se à função formativa para pensar e planejar a prática didática.
  35. 35. PROPÓSITOS E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO FORMATIVA  Ocorre durante o processo ensino-aprendizagem. É processual, contínua e interativa. Centrada nos sujeitos da aprendizagem, também tem caráter diagnóstica.  Ajuda o aluno a aprender, o professor a ensinar, acompanhar e reavaliar todas as etapas do processo ensino-aprendizagem.  Possibilita o acompanhamento da aquisição e domínio das competências, e adequar o ensino às necessidades de ajustes na aprendizagem e no desenvolvimento do aluno.
  36. 36. PROPÓSITOS E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO  FORMATIVA  É formativa porque prioriza a formação humana, isto é a constituição do sujeito como um ser de possibilidades que interage dialogicamente com os outros e com as coisas (FREITAS, 2009).  É importante precisar o seu conceito num movimento processual e interativo, de escuta e abertura às incompletudes dos sujeitos da aprendizagem.  Segue um percurso de investigação na ação
  37. 37. PROPÓSITOS E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO  SOMATIVA Pode ser reconfigurada para assumir um lugar como componente da formação, necessária ao aprimoramento das pessoas e da ação pedagógica Seus dados subsidiam o replanejamento do ensino- aprendizagem
  38. 38. AVALIAÇÃO PROCESSUAL – MAPA CONCEITUAL  Cmap Tools http://cmap.ihmc.us.
  39. 39. INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO
  40. 40. INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO  PROVAS OBJETIVAS  PROVAS DISSERTATIVAS  SEMINÁRIOS  TRABALHO EM GRUPO  DEBATE  RELATÓRIO  OBSERVAÇÃO  CONSELHO DE CLASSE  PORTFÓLIO  MAPA CONCEITUAL  HIPERTEXTO
  41. 41. INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO  Na avaliação Diagnóstica pode-se utilizar o pré-teste, mapa conceitual, memorial acadêmico, portfólio, ficha de observação, estudo de caso, etc.  Na avaliação Formativa ou processual, temos: observações, estudo de caso, mapas conceituais, portfólio, seminário, pesquisas, dinâmicas de grupos, hipertexto, blog, etc.  Na avaliação Somativa usa-se, em geral testes, relatórios, portfólio, autoavaliação.
  42. 42. Um convite à reflexão Plural dos sentidos – autor desconhecido Um dia, numa aula a nossa professora Ensinou-nos que o vento é simples massa de ar. E eu acreditei. Se a professora o diz…. Mas não compreendi. E pus-me a cogitar… De volta para a aldeia, onde ninguém estudou, resolvi perguntar. E disse o Zé Moleiro - o vento é pó de trigo, são velas a rodar. O vento é um amigo. O Luís pescador gritou, sem se conter: - O vento faz as ondas e fez o meu pai morrer! Maceió- Al O vento é assassino, o vento faz doer. - Nem sempre - lembrei eu . Levanta os papagaios e fá-los ser estrelas num céu azul de sol. E gemeu a velhinha, num canto do portal:
  43. 43. - É roupa no varal sequinha num instante! Afirmou minha mãe E eu disse cá Correndo atarefada, entre a casa e o quintal. para mim que a Mas logo explicou um velho jardineiro: professora - O vento, meus amigos, destruiu-me as com tudo o que roseiras estudou E fez cair as flores das minhas trepadeiras. Não me soube O vento é muito mau. ensinar/avaliar Porque nunca Um poeta sorriu… escutou. - O vento é a beleza. As searas são mar Se o vento as faz mover, no campo a ondular. Então sentei-me à mesa e estudei a lição. Já sei o que é o vento. É dor, é medo, é pão. É beleza e canção. É a morte no mar. E por trás de tudo É uma massa de ar Maceió- Al
  44. 44. O professor é o principal responsável para operacionalizar o processo de avaliação. O vento é o mesmo, mas a resposta é diferente em cada folha. Cecília Meireles Maceió - Al
  45. 45. ASSISTA O VÍDEO  Tecnologia ou Metodologia?

×