SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
 FORMAÇÃO TERRITORIAL E POVOAMENTO EMFORMAÇÃO TERRITORIAL E POVOAMENTO EM
MATO GROSSOMATO GROSSO
By: Professor Eder Júnio Libório
Mato Grosso no Contexto da Colonização do
Brasil
.
Durante os primeiros
300 anos de colonização
portuguesa nas Américas
se desenvolveu
essencialmente margeando
a costa do Atlântico, de
modo que o célebre
sociólogo Darci Ribeiro
comentou: “Os portugueses
promoveram uma
colonização que se
assemelha á ações dos
caranguejos, pois se
restringiram a arranhar as
areias das praias por mais
de dois séculos de
ocupação”.
Mapa da entrada e das Bandeiras.
Fonte: www2.mre.gov.br
Mato Grosso antiga posse Espanhola
Por fim, estes dominadores coloniais, estavam
limitados pelo “Tratado de Tordesilhas” – Acordo
diplomático que dividiam os territórios coloniais do
novo mundo entre Portugal e Espanha.
Até meados do século XVIII, o interior do território
colonial brasileiro era completamente desconhecido
pelas autoridades lusitanas, e parcamente ocupadas
por quilombolas, nações indígenas e missões
jesuítas...
Na região da bacia do Rio Prata-Paraná e no Chaco
Paraguaio (e na Amazônia) multiplicaram-se as
reduções, sendo que em pouco tempo, com o
desenvolvimento do trabalho servil dos ex-selvagem
para os padres, a economia dessas missões
religiosas superaram e muito as de algumas
Capitanias oficiais do Estado Monárquico Português
Em 1674, a bandeira de Fernão Dias Falcão
encontrou em Minas Gerais uma pequena
quantidade de ouro, atraindo muitos
aventureiros a região.
As bandeiras
consistiam em
grupos de homens
que saiam
organizados em
expedições
particulares com o
objetivo de penetrar
pelos sertões a
procura de, índios,
de negros foragidos
da escravidão e
posteriormente à
procura de metais
preciosos.
Os paulistas diante da derrota resolveram
continuar as suas incursões pelo interior.
Foi nesse contexto histórico que se deu a
chegada dos paulistas ao atual Estado de
Mato Grosso.
A chegada desses
aventureiros causou um
descontentamento nos
paulistas, que passaram a
chamar os forasteiros de
“emboabas” e a ganância
pelo ouro acabou
provocando um conflito
entre os paulistas e os
portugueses que vieram
em busca do ouro em
Minas Gerais; a Guerra
dos Emboabas. Após o
conflito, o governo
português passou a
controlar as minas.
Os paulistas ao entrarem em Mato Grosso, logo perceberam
que na região habitavam muitas tribos indígenas, como os
Coxiponé, Beripoconé, Bororo, Paresí , Caiapó, Guaicuru,
Paiaguá e muito outros grupos. No entanto, foi com a bandeira
de Pascoal Moreira Cabral, que os interesses dos paulistas e
de Portugal cresceriam por esse território.
As Bandeiras em Mato Grosso
Bandeiras eram expedições militares, semi-clandestinas,
inspiradas nas Entradas (expedições militares exploratórias
oficiais, organizadas pelo Estado Colonial Português que tinha
a missão de explorar o interior e combater nações indígenas
hostis), porém por serem transgressoras das ordens
lusitanas, não respeitavam os limites fronteiriços do Tratado
de Tordesilhas.
Mapa do Estado do Mato Grosso com os pontos Indígenas Em 1718
Assim a expedição de Pascoal Moreira
Cabral deu início a colonização da região.
A presença da bandeira
de Pascoal Moreira
Cabral naquele local
incomodou os índios
aripoconé, que
acabaram atacando os
paulistas, Após o
combate com os
indígenas, os
bandeirantes fundaram
o Arraial da Forquilha,
que recebeu esse nome
por estar localizado na
confluência dos rios
Coxipó, Peixe e Mutuca.
Em 1722, o paulista Miguel Sutil chegou a região com o
propósito de fazer uma visita a sua roça. O bandeirante pediu
aos dois índios que estavam em sua companhia que fossem
buscar mel, Os índios retornaram somente ao anoitecer e a
seguir, os índios colocaram na mão de Miguel Sutil o ouro
encontrado.
Na madrugada, o paulista colocou os gentios para mostrar o
lugar no qual haviam encontrado o ouro. Este achado estava
nas proximidades do córrego da Prainha, e passou a ser
denominado de “Lavras do Sutil”. Havia tanto ouro nessas
minas, que as Lavras do Sutil foram consideradas como “a
maior mancha que teria se encontrado no Brasil”.
A notícia da descoberta chegou ao Arraial da Forquilha,
levando muitas pessoas a migrarem para as “Lavras do
Sutil”. Assim teria início o povoamento às margens do
córrego da Prainha dando origem a atual cidade de Cuiabá.
Em 1734, estando já
quase despovoada a Vila
Real do Senhor Bom
Jesus do Cuiabá, os
irmãos Fernando e
Artur Paes de Barros, á
caça de índios Parecis,
descobriram um veio
aurífero, o qual
denominaram de Minas
do Mato Grosso,
situadas nas margens do
rio Galera,no vale do
Guaporé.
Em 1754, vinte anos
após descobertas as
Minas do Mato
Grosso, pela primeira
vez o histórico dessas
minas foi relatado
num documento
oficial, no qual foi
alocado o termo Mato
Grosso, e identificado
o local onde elas se
achavam.
A região além das Tordesilhas estavam
tomadas por súditos Portuguesas; o quem
levou aquele governo a reivindicar junto
aos tribunais internacionais da época (a
Igreja Católica) a revisão do Tratado de
Tordesilhas e a constituição de um novo
tratado – Tratado de Madri. Na metade do
século XVII os limites traçados no Tratado
de Tordesilhas estavam devidamente
ultrapassados, em 1750, oficializou a
incorporação de vastas possessões
espanholas ao território colonial Português.
. A exploração aurífera e mineral na
região foi intensa e rápida, e por conta
dos meios rudimentares de exploração,
que os obrigava a explorar somente as
camadas mais superficiais dos solos e
das margens dos rios, sendo que logo
se esgotou as jazidas do precioso
mineral levando a região a uma grave
depressão econômica, esvaziamento
populacional e empobrecimento de
modo geral.
A economia mineradora foi gradativamente
substituída pela pecuária extensiva, artesanal, de
subsistência e familiar; em que os pequenos
sitiantes/estancieiros criavam o gado livres/soltos
nos campos (pastos) naturais do Cerrado e do
pantanal. E assim foi por mais de cem anos. O Mato
Grosso transformou-se numa região longínqua,
atrasada técnica e economicamente, selvagem,
embrutecida e sem lei e avessa a presença de
forasteiros – seja imigrantes brasileiros ou
estrangeiros -, verdadeiramente sem a presença da
autoridade e do poder central do Brasil.
O Século XX é inaugurado com uma Política de Integração
nacional proveniente dos ideais republicanos.
O Poder Central com o objetivo de promover a integração da
região Centro-Oeste ao sistema de comunicação nacional e ao
processo de circularidade do capital emergente implementa
duas ações de extrema importância para a região: construção
de ligações ferroviárias e de linhas telegráficas.
Nessa oportunidade emerge a figura célebre e lendária de Marechal Cândido
Rondon. Descendente direto de índios, matogrossense e nascido em um dos
grotões mais distantes da província, esse filho ilustre de Mato Grosso constrói uma
sólida e vitoriosa carreira militar; sendo que é destacado para a missão exploratória
e que o objetivo fundamental foi o de instalar linhas telegráficas (mais moderno
meio de comunicação da época) para prover a comunicação entre os longínquos
interiores á capital: Rio de janeiro.
Nessa aventura o mesmo praticamente desbrava o Brasil Central, estabelece
contato com inúmeras etnias indígenas ainda desconhecidas, e realiza um
minucioso estudo sobre o interior do Brasil , e seus recursos naturais e
antropológicos, além de lançar a “pedra fundamental” para a criação do Serviço de
Proteção ao Índio (SPI) – atual FUNAI; e o Parque Nacional e Reserva Indígena do
Xingu. Sua frase mais famosa, proferida em uma de suas entrada/contato em
território de silvícolas hostis, expressa bem sua relação e contribuição com a causa
indígena: “Morrer se for preciso, matar jamais...”
Desmembramento de Mato Grosso ao
longo da História
Fundação Brasil Central
(F.B.C) e seus impactos em
Mato Grosso
F.B.C
• A Fundação Brasil Central (FBC), que teve origem na
Expedição Roncador-Xingu, inicialmente comandada por João
Alberto Lins de Barros, foi um órgão, criado em 1943, com o
objetivo de "desbravar e colonizar as zonas compreendidas nos
altos rios Araguaia, Xingu e no Brasil Central e Ocidental",
região alvo da chamada "Marcha para Oeste", programa de
colonização e ocupação de fronteiras impulsionado pelo então
presidente Getúlio Vargas nos primeiros anos do Estado Novo.
Essa iniciativa fundou as cidades de Aragarças, em Goiás, e
Nova Xavantina, no Mato Grosso; assumiu a administração da
Estrada de Ferro Tocantins; firmou convênios com outros
órgãos para mobilização de trabalhadores do norte do país;
construiu usinas de cana, estradas, campos de pouso, redes de
comunicação; e adquiriu entrepostos comerciais.
Seus componentes ...
• Sobre os componentes da FBC, além de João Alberto de Barros, homem
de confiança de Vargas, envolveram-se no projeto Arthur Hehl Neiva (filho
do sanitarista da Fiocruz Arthur Neiva), burocratas e jovens aventureiros,
caso dos irmãos Villas-Bôas.
Brasil Central!
A Região!
• Estas regiões encontravam-se,
ainda na época, esparsamente
povoada e precariamente integrada ao
restante do país. Habitavam-nas,
entretanto, numerosos grupos
indígenas. A implantação de novas
cidades levou em conta um projeto
urbanístico, especialmente para elas
concebidas, segundo o ponto de vista
de que deveriam exercer funções
“civilizadoras” e, bem assim, de
coordenação dos movimentos de
expansão em direção ao oeste do país,
de atividades econômicas e culturais
então próprias das regiões litorâneas
brasileiras.
A fundação da cidade ...
• A construção de Brasília foi, sem dúvida, um dos fatos mais
marcantes da história brasileira do século XX. A ideia de construir
uma nova capital no centro geográfico do País estava prevista na
Constituição de 1891, na Constituição de 1934 e na Constituição
de 1946, mas foi adiada, sua construção, por todos os governos
brasileiros desde 1891.
As obras, lideradas pelos arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer
começaram com entusiasmo em fevereiro de 1957. Mais de 200
máquinas e de 30 mil operários - os candangos - vindos de todas
as regiões do Brasil (principalmente do Nordeste do Brasil),
exerceram um regime de trabalho ininterrupto, dia e noite, para
construir e concluir Brasília até a data prefixada de 21 de abril de
1960, em homenagem à Inconfidência Mineira.
Implicações em Mato Grosso
• Em 1957 começa a construção de Brasília, e novamente se
inicia mais uma onda de êxodos rurais de diversos pontos do
Brasil, para o planalto central, desta vez, o fluxo se dirige das
áreas rurais de diversos pontos, sua partida não mais é de uma
única macro região, portanto, não só do Nordeste, e do Norte,
vieram sulistas da região do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e
Paraná, além de mineiros, paulistas e cariocas, em grande
quantidade, dentre outros.
PLANO DE INTEGRAÇÃO
NACIONAL(P.I.N)
• Objetivos
• Criar condições favoráveis (incentivos fiscais) para à atração de investidores na
Amazônia. Para isso, era necessário encorajar a migração para a região ao mesmo
tempo que se desenvolvia a infra-estrutura de transportes.
• “Colonização Dirigida”: Abriu caminho de terra firme para um número crescente de
migrantes. Vilas e povoados multiplicaram-se.
• Rodovias (Integração regional e nacional):
• -Transamazônica (BR-230)
• - Brasília-Acre (BR-364)
• - Perimetral Norte (BR-210)
• - Cuiabá-Brasília (BR-070)
• - Cuiabá-Santarém (BR-163)
• -Roncador – Santarém (BR- 158)
• Cuiabá- Parto Velho (BR- 364)
Plano de Integração Nacional
• 1970: A corrida pela ocupação da floresta
se intensificou na década de 1970, com o
avanço da pecuária.
• Cabia ao governo facilitar o processo de
ocupação, com a abertura de estradas e
incentivos fiscais, através de projetos
financiados pela Superintendência do
Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM)
Campanhas publicitárias no
Sul Incentivando a Migração
Gaúcha
• Imagens fantásticas: terras
muito vastas, produtivas e locais já
estruturados.
• Público alvo: Mini-fundiários,
pequenos produtores rurais capitalizados.
• Natureza exuberante: fartura caça e pesca
• O migrante: expectativas e esperanças
• Objetivos comuns: encontrar um lugar melhor
Propaganda enganosa
• “O que a propaganda não revelava era que a
região estava, em alguns casos, mal cortada
por picadões, trilhas nas quais só se passava a
pé, não oferecendo qualquer estrutura de
apoio aos colonos, como postos de saúde,
escolas para as crianças ou estradas para o
escoamento da produção”
Perigos desconhecidos
• Malária: chegou atingir 40% dos
migrantes sulistas.
• Acidentes de trabalho: “O
Motosserra foi um aparelho de
fazer viúva”
A CONTRA-PROPAGANDA...
• Desqualificação do migrante que volta:
• JORNAL DA TERRA (1972): “os erros devem ser
procurados nas condições psicológicas, morais
e intelectuais dos pioneiros e seriam
vagabundos e vadios os colonos que
voltaram”.
• Os mais fracos voltariam “porque a terra é
para macho”
• .
Esgotamento do modelo fundiário no
Paraná: pressão fundiária
• Propriedades familiares:
• Abertura de áreas agrícolas
• Exploração da madeira
• Plantação do café
• Declínio:
• Crescimento populacional: + de 5%/ano
• Introdução da mecanização
• Cultivo produtos exportação (soja): maiores áreas
• Crescimento das famílias: fragmentação das propriedades
• Supervalorização das terras: 160% entre 1980/81
Movimentos sociais no Sul do país: pressão
fundiária (cont.)
• Reivindicações: redistribuição das terras
• 1980: 130 mil agricultores migraram para as
cidades.
• Porto Alegre: 600 mil hab. (1970) para 1,2
milhões habitantes no censo de 1980: grande
cinturão de miséria (favelas)
• Cascavel: 13 mil favelados
• Curitiba: 28 mil favelados
Migrações campo/cidade
• Teoricamente, esse tipo de migração
promoveria o reagrupamento dos
minifúndios.
• Entre 1976 e 1978: “cerca de 61 mil pequenas
propriedades desapareceram no RS,
incorporadas pelo latifúndio.
• Entre o discurso e a prática: projeções
equivocadas, única saída:
• MIGRAÇÃO PARA O NORTE DO PAÍS
Terra e trabalho: alma do migrante
• “Deslocaram-se para se manterem agricultores,
mudaram para não mudar”: (LER GRIFO P. 39)
• “A migração, iniciada há gerações, em inúmeros
casos, tem como objetivo, como ponto de chegada, a
terra, o lote de bom tamanho, fértil, um sonho
estimulada pelo Estado que dela se aproveita para
provocar novos deslocamentos, carinhosamente
acalentados pelo indivíduo como uma necessidade
sagrada”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História de rondônia2011
História de rondônia2011História de rondônia2011
História de rondônia2011necosam
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonialEdenilson Morais
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Edenilson Morais
 
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosHistória de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosJoão Medeiros
 
História de mato grosso do sul brasil colônia
História de mato grosso do sul    brasil colôniaHistória de mato grosso do sul    brasil colônia
História de mato grosso do sul brasil colôniahistoriando
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...Marco Aurélio Gondim
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALcarlosbidu
 
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonialHistória de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonialEdenilson Morais
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialJoão Pereira
 
A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2
A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2
A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2João Pereira
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1solange caldeira
 
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)Marcelo Ferreira Boia
 
Espirito Santo imperial
Espirito Santo imperialEspirito Santo imperial
Espirito Santo imperialSarah Ellen
 
História do MS - Formação das Primeiras Cidades
História do MS - Formação das Primeiras CidadesHistória do MS - Formação das Primeiras Cidades
História do MS - Formação das Primeiras CidadesAntonio Pinto Pereira
 
História do Espírito Santo
História do Espírito SantoHistória do Espírito Santo
História do Espírito SantoMarco antônio
 
Espírito santo colonial
Espírito  santo colonialEspírito  santo colonial
Espírito santo colonialYara Ribeiro
 
Mato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa genteMato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa genteJanicélia Feijó Garcia
 

Mais procurados (20)

História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
 
História de rondônia2011
História de rondônia2011História de rondônia2011
História de rondônia2011
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Pc mt história e geografia
Pc mt   história e geografiaPc mt   história e geografia
Pc mt história e geografia
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosHistória de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
 
História de mato grosso do sul brasil colônia
História de mato grosso do sul    brasil colôniaHistória de mato grosso do sul    brasil colônia
História de mato grosso do sul brasil colônia
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonialHistória de Mato Grosso - A sociedade colonial
História de Mato Grosso - A sociedade colonial
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período Colonial
 
A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2
A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2
A implantacao da_republica_em_mato_grosso_parte_2
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1
 
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
 
Espirito Santo imperial
Espirito Santo imperialEspirito Santo imperial
Espirito Santo imperial
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
História do MS - Formação das Primeiras Cidades
História do MS - Formação das Primeiras CidadesHistória do MS - Formação das Primeiras Cidades
História do MS - Formação das Primeiras Cidades
 
História do Espírito Santo
História do Espírito SantoHistória do Espírito Santo
História do Espírito Santo
 
Espírito santo colonial
Espírito  santo colonialEspírito  santo colonial
Espírito santo colonial
 
Mato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa genteMato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa gente
 

Destaque

Divisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileiraDivisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileiraAbner de Paula
 
Divisão regional do brasil
Divisão regional do brasilDivisão regional do brasil
Divisão regional do brasilThiago Silva
 
Aula Brasil Politico
Aula Brasil PoliticoAula Brasil Politico
Aula Brasil Politicojoao10legal
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoNilberte Correia
 
História de Sinop - MT
História de Sinop - MTHistória de Sinop - MT
História de Sinop - MTDener Didoné
 
Divisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileiraDivisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileiraMarcus Matozo
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)Edenilson Morais
 
Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.
Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.
Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.Juciara Brito
 
Acordo de bretton woods e fmi
Acordo de bretton woods e fmiAcordo de bretton woods e fmi
Acordo de bretton woods e fmiLeandro Neves
 
História de Mato Grosso - fronteiras no século XVIII
História de Mato Grosso - fronteiras no século XVIIIHistória de Mato Grosso - fronteiras no século XVIII
História de Mato Grosso - fronteiras no século XVIIIEdenilson Morais
 
Tipos de fontes históricas Kamila Carolina llima da silva
Tipos de fontes históricas   Kamila Carolina llima da silvaTipos de fontes históricas   Kamila Carolina llima da silva
Tipos de fontes históricas Kamila Carolina llima da silvaemefguerreiro
 
Bretton wood sistema monetario
Bretton wood sistema monetarioBretton wood sistema monetario
Bretton wood sistema monetarioUNEG
 
Bretton woods apresentação (1)
Bretton woods apresentação (1)Bretton woods apresentação (1)
Bretton woods apresentação (1)Jhose Filho
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOAlice Barros
 

Destaque (20)

Divisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileiraDivisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileira
 
Divisão regional do brasil
Divisão regional do brasilDivisão regional do brasil
Divisão regional do brasil
 
Aula Brasil Politico
Aula Brasil PoliticoAula Brasil Politico
Aula Brasil Politico
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
História de Sinop - MT
História de Sinop - MTHistória de Sinop - MT
História de Sinop - MT
 
Divisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileiraDivisão territorial brasileira
Divisão territorial brasileira
 
DIEESE - Nota Técnica - Banco dos BRICs
DIEESE - Nota Técnica - Banco dos BRICsDIEESE - Nota Técnica - Banco dos BRICs
DIEESE - Nota Técnica - Banco dos BRICs
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
 
Novos Estados no Brasil
Novos Estados no BrasilNovos Estados no Brasil
Novos Estados no Brasil
 
Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.
Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.
Atividades Lúdicas Auxiliando a Aprendizagem da matemática do 5 ano.
 
Acordo de bretton woods e fmi
Acordo de bretton woods e fmiAcordo de bretton woods e fmi
Acordo de bretton woods e fmi
 
Os ciclos económicos
Os ciclos económicosOs ciclos económicos
Os ciclos económicos
 
História de Mato Grosso - fronteiras no século XVIII
História de Mato Grosso - fronteiras no século XVIIIHistória de Mato Grosso - fronteiras no século XVIII
História de Mato Grosso - fronteiras no século XVIII
 
Tipos de fontes históricas Kamila Carolina llima da silva
Tipos de fontes históricas   Kamila Carolina llima da silvaTipos de fontes históricas   Kamila Carolina llima da silva
Tipos de fontes históricas Kamila Carolina llima da silva
 
Fontes históricas
Fontes históricasFontes históricas
Fontes históricas
 
O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)
 
O mundo multipolar
O mundo multipolarO mundo multipolar
O mundo multipolar
 
Bretton wood sistema monetario
Bretton wood sistema monetarioBretton wood sistema monetario
Bretton wood sistema monetario
 
Bretton woods apresentação (1)
Bretton woods apresentação (1)Bretton woods apresentação (1)
Bretton woods apresentação (1)
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
 

Semelhante a Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso

Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaotacio candido
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaotacio candido
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)nilbarra
 
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroUE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroSilvio Araujo de Sousa
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxMarsellus Cardousous
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpPéricles Penuel
 
Formação territorial do brasil
Formação territorial do brasilFormação territorial do brasil
Formação territorial do brasilPedro Neves
 
Demétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansãoDemétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansãoDeto - Geografia
 

Semelhante a Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso (20)

Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil
 
1º Va Grupo 01
1º Va   Grupo 011º Va   Grupo 01
1º Va Grupo 01
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASILCONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
 
Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)
 
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroUE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
 
Unidade gauicuru em ms
Unidade gauicuru em msUnidade gauicuru em ms
Unidade gauicuru em ms
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
Formação territorial do brasil
Formação territorial do brasilFormação territorial do brasil
Formação territorial do brasil
 
Geografia de Mato Grosso 0
Geografia de Mato Grosso 0Geografia de Mato Grosso 0
Geografia de Mato Grosso 0
 
Demétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansãoDemétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansão
 

Mais de Eder Liborio

Blocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos RegionaisBlocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos RegionaisEder Liborio
 
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Eder Liborio
 
Geografia e Economia dos Estados Unidos
Geografia e Economia dos Estados UnidosGeografia e Economia dos Estados Unidos
Geografia e Economia dos Estados UnidosEder Liborio
 
Informática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-FuncionárioInformática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-FuncionárioEder Liborio
 
O Espaço Agrário no Brasil
O Espaço Agrário no BrasilO Espaço Agrário no Brasil
O Espaço Agrário no BrasilEder Liborio
 
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e InterdisciplinaredadeMaterialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e InterdisciplinaredadeEder Liborio
 

Mais de Eder Liborio (6)

Blocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos RegionaisBlocos Econômicos Regionais
Blocos Econômicos Regionais
 
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
 
Geografia e Economia dos Estados Unidos
Geografia e Economia dos Estados UnidosGeografia e Economia dos Estados Unidos
Geografia e Economia dos Estados Unidos
 
Informática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-FuncionárioInformática básica Pró-Funcionário
Informática básica Pró-Funcionário
 
O Espaço Agrário no Brasil
O Espaço Agrário no BrasilO Espaço Agrário no Brasil
O Espaço Agrário no Brasil
 
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e InterdisciplinaredadeMaterialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
Materialismo Histórico-Dialético e Interdisciplinaredade
 

Último

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso

  • 1.  FORMAÇÃO TERRITORIAL E POVOAMENTO EMFORMAÇÃO TERRITORIAL E POVOAMENTO EM MATO GROSSOMATO GROSSO By: Professor Eder Júnio Libório
  • 2. Mato Grosso no Contexto da Colonização do Brasil . Durante os primeiros 300 anos de colonização portuguesa nas Américas se desenvolveu essencialmente margeando a costa do Atlântico, de modo que o célebre sociólogo Darci Ribeiro comentou: “Os portugueses promoveram uma colonização que se assemelha á ações dos caranguejos, pois se restringiram a arranhar as areias das praias por mais de dois séculos de ocupação”.
  • 3.
  • 4. Mapa da entrada e das Bandeiras. Fonte: www2.mre.gov.br
  • 5. Mato Grosso antiga posse Espanhola Por fim, estes dominadores coloniais, estavam limitados pelo “Tratado de Tordesilhas” – Acordo diplomático que dividiam os territórios coloniais do novo mundo entre Portugal e Espanha. Até meados do século XVIII, o interior do território colonial brasileiro era completamente desconhecido pelas autoridades lusitanas, e parcamente ocupadas por quilombolas, nações indígenas e missões jesuítas... Na região da bacia do Rio Prata-Paraná e no Chaco Paraguaio (e na Amazônia) multiplicaram-se as reduções, sendo que em pouco tempo, com o desenvolvimento do trabalho servil dos ex-selvagem para os padres, a economia dessas missões religiosas superaram e muito as de algumas Capitanias oficiais do Estado Monárquico Português
  • 6. Em 1674, a bandeira de Fernão Dias Falcão encontrou em Minas Gerais uma pequena quantidade de ouro, atraindo muitos aventureiros a região. As bandeiras consistiam em grupos de homens que saiam organizados em expedições particulares com o objetivo de penetrar pelos sertões a procura de, índios, de negros foragidos da escravidão e posteriormente à procura de metais preciosos.
  • 7. Os paulistas diante da derrota resolveram continuar as suas incursões pelo interior. Foi nesse contexto histórico que se deu a chegada dos paulistas ao atual Estado de Mato Grosso. A chegada desses aventureiros causou um descontentamento nos paulistas, que passaram a chamar os forasteiros de “emboabas” e a ganância pelo ouro acabou provocando um conflito entre os paulistas e os portugueses que vieram em busca do ouro em Minas Gerais; a Guerra dos Emboabas. Após o conflito, o governo português passou a controlar as minas.
  • 8. Os paulistas ao entrarem em Mato Grosso, logo perceberam que na região habitavam muitas tribos indígenas, como os Coxiponé, Beripoconé, Bororo, Paresí , Caiapó, Guaicuru, Paiaguá e muito outros grupos. No entanto, foi com a bandeira de Pascoal Moreira Cabral, que os interesses dos paulistas e de Portugal cresceriam por esse território. As Bandeiras em Mato Grosso Bandeiras eram expedições militares, semi-clandestinas, inspiradas nas Entradas (expedições militares exploratórias oficiais, organizadas pelo Estado Colonial Português que tinha a missão de explorar o interior e combater nações indígenas hostis), porém por serem transgressoras das ordens lusitanas, não respeitavam os limites fronteiriços do Tratado de Tordesilhas.
  • 9. Mapa do Estado do Mato Grosso com os pontos Indígenas Em 1718
  • 10. Assim a expedição de Pascoal Moreira Cabral deu início a colonização da região. A presença da bandeira de Pascoal Moreira Cabral naquele local incomodou os índios aripoconé, que acabaram atacando os paulistas, Após o combate com os indígenas, os bandeirantes fundaram o Arraial da Forquilha, que recebeu esse nome por estar localizado na confluência dos rios Coxipó, Peixe e Mutuca.
  • 11. Em 1722, o paulista Miguel Sutil chegou a região com o propósito de fazer uma visita a sua roça. O bandeirante pediu aos dois índios que estavam em sua companhia que fossem buscar mel, Os índios retornaram somente ao anoitecer e a seguir, os índios colocaram na mão de Miguel Sutil o ouro encontrado. Na madrugada, o paulista colocou os gentios para mostrar o lugar no qual haviam encontrado o ouro. Este achado estava nas proximidades do córrego da Prainha, e passou a ser denominado de “Lavras do Sutil”. Havia tanto ouro nessas minas, que as Lavras do Sutil foram consideradas como “a maior mancha que teria se encontrado no Brasil”. A notícia da descoberta chegou ao Arraial da Forquilha, levando muitas pessoas a migrarem para as “Lavras do Sutil”. Assim teria início o povoamento às margens do córrego da Prainha dando origem a atual cidade de Cuiabá.
  • 12.
  • 13. Em 1734, estando já quase despovoada a Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá, os irmãos Fernando e Artur Paes de Barros, á caça de índios Parecis, descobriram um veio aurífero, o qual denominaram de Minas do Mato Grosso, situadas nas margens do rio Galera,no vale do Guaporé. Em 1754, vinte anos após descobertas as Minas do Mato Grosso, pela primeira vez o histórico dessas minas foi relatado num documento oficial, no qual foi alocado o termo Mato Grosso, e identificado o local onde elas se achavam.
  • 14. A região além das Tordesilhas estavam tomadas por súditos Portuguesas; o quem levou aquele governo a reivindicar junto aos tribunais internacionais da época (a Igreja Católica) a revisão do Tratado de Tordesilhas e a constituição de um novo tratado – Tratado de Madri. Na metade do século XVII os limites traçados no Tratado de Tordesilhas estavam devidamente ultrapassados, em 1750, oficializou a incorporação de vastas possessões espanholas ao território colonial Português. . A exploração aurífera e mineral na região foi intensa e rápida, e por conta dos meios rudimentares de exploração, que os obrigava a explorar somente as camadas mais superficiais dos solos e das margens dos rios, sendo que logo se esgotou as jazidas do precioso mineral levando a região a uma grave depressão econômica, esvaziamento populacional e empobrecimento de modo geral.
  • 15. A economia mineradora foi gradativamente substituída pela pecuária extensiva, artesanal, de subsistência e familiar; em que os pequenos sitiantes/estancieiros criavam o gado livres/soltos nos campos (pastos) naturais do Cerrado e do pantanal. E assim foi por mais de cem anos. O Mato Grosso transformou-se numa região longínqua, atrasada técnica e economicamente, selvagem, embrutecida e sem lei e avessa a presença de forasteiros – seja imigrantes brasileiros ou estrangeiros -, verdadeiramente sem a presença da autoridade e do poder central do Brasil.
  • 16. O Século XX é inaugurado com uma Política de Integração nacional proveniente dos ideais republicanos. O Poder Central com o objetivo de promover a integração da região Centro-Oeste ao sistema de comunicação nacional e ao processo de circularidade do capital emergente implementa duas ações de extrema importância para a região: construção de ligações ferroviárias e de linhas telegráficas. Nessa oportunidade emerge a figura célebre e lendária de Marechal Cândido Rondon. Descendente direto de índios, matogrossense e nascido em um dos grotões mais distantes da província, esse filho ilustre de Mato Grosso constrói uma sólida e vitoriosa carreira militar; sendo que é destacado para a missão exploratória e que o objetivo fundamental foi o de instalar linhas telegráficas (mais moderno meio de comunicação da época) para prover a comunicação entre os longínquos interiores á capital: Rio de janeiro. Nessa aventura o mesmo praticamente desbrava o Brasil Central, estabelece contato com inúmeras etnias indígenas ainda desconhecidas, e realiza um minucioso estudo sobre o interior do Brasil , e seus recursos naturais e antropológicos, além de lançar a “pedra fundamental” para a criação do Serviço de Proteção ao Índio (SPI) – atual FUNAI; e o Parque Nacional e Reserva Indígena do Xingu. Sua frase mais famosa, proferida em uma de suas entrada/contato em território de silvícolas hostis, expressa bem sua relação e contribuição com a causa indígena: “Morrer se for preciso, matar jamais...”
  • 17. Desmembramento de Mato Grosso ao longo da História
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Fundação Brasil Central (F.B.C) e seus impactos em Mato Grosso
  • 24. F.B.C • A Fundação Brasil Central (FBC), que teve origem na Expedição Roncador-Xingu, inicialmente comandada por João Alberto Lins de Barros, foi um órgão, criado em 1943, com o objetivo de "desbravar e colonizar as zonas compreendidas nos altos rios Araguaia, Xingu e no Brasil Central e Ocidental", região alvo da chamada "Marcha para Oeste", programa de colonização e ocupação de fronteiras impulsionado pelo então presidente Getúlio Vargas nos primeiros anos do Estado Novo. Essa iniciativa fundou as cidades de Aragarças, em Goiás, e Nova Xavantina, no Mato Grosso; assumiu a administração da Estrada de Ferro Tocantins; firmou convênios com outros órgãos para mobilização de trabalhadores do norte do país; construiu usinas de cana, estradas, campos de pouso, redes de comunicação; e adquiriu entrepostos comerciais.
  • 25. Seus componentes ... • Sobre os componentes da FBC, além de João Alberto de Barros, homem de confiança de Vargas, envolveram-se no projeto Arthur Hehl Neiva (filho do sanitarista da Fiocruz Arthur Neiva), burocratas e jovens aventureiros, caso dos irmãos Villas-Bôas.
  • 27. A Região! • Estas regiões encontravam-se, ainda na época, esparsamente povoada e precariamente integrada ao restante do país. Habitavam-nas, entretanto, numerosos grupos indígenas. A implantação de novas cidades levou em conta um projeto urbanístico, especialmente para elas concebidas, segundo o ponto de vista de que deveriam exercer funções “civilizadoras” e, bem assim, de coordenação dos movimentos de expansão em direção ao oeste do país, de atividades econômicas e culturais então próprias das regiões litorâneas brasileiras.
  • 28.
  • 29. A fundação da cidade ... • A construção de Brasília foi, sem dúvida, um dos fatos mais marcantes da história brasileira do século XX. A ideia de construir uma nova capital no centro geográfico do País estava prevista na Constituição de 1891, na Constituição de 1934 e na Constituição de 1946, mas foi adiada, sua construção, por todos os governos brasileiros desde 1891. As obras, lideradas pelos arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer começaram com entusiasmo em fevereiro de 1957. Mais de 200 máquinas e de 30 mil operários - os candangos - vindos de todas as regiões do Brasil (principalmente do Nordeste do Brasil), exerceram um regime de trabalho ininterrupto, dia e noite, para construir e concluir Brasília até a data prefixada de 21 de abril de 1960, em homenagem à Inconfidência Mineira.
  • 30. Implicações em Mato Grosso • Em 1957 começa a construção de Brasília, e novamente se inicia mais uma onda de êxodos rurais de diversos pontos do Brasil, para o planalto central, desta vez, o fluxo se dirige das áreas rurais de diversos pontos, sua partida não mais é de uma única macro região, portanto, não só do Nordeste, e do Norte, vieram sulistas da região do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além de mineiros, paulistas e cariocas, em grande quantidade, dentre outros.
  • 31. PLANO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL(P.I.N) • Objetivos • Criar condições favoráveis (incentivos fiscais) para à atração de investidores na Amazônia. Para isso, era necessário encorajar a migração para a região ao mesmo tempo que se desenvolvia a infra-estrutura de transportes. • “Colonização Dirigida”: Abriu caminho de terra firme para um número crescente de migrantes. Vilas e povoados multiplicaram-se. • Rodovias (Integração regional e nacional): • -Transamazônica (BR-230) • - Brasília-Acre (BR-364) • - Perimetral Norte (BR-210) • - Cuiabá-Brasília (BR-070) • - Cuiabá-Santarém (BR-163) • -Roncador – Santarém (BR- 158) • Cuiabá- Parto Velho (BR- 364)
  • 32. Plano de Integração Nacional • 1970: A corrida pela ocupação da floresta se intensificou na década de 1970, com o avanço da pecuária. • Cabia ao governo facilitar o processo de ocupação, com a abertura de estradas e incentivos fiscais, através de projetos financiados pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM)
  • 33. Campanhas publicitárias no Sul Incentivando a Migração Gaúcha • Imagens fantásticas: terras muito vastas, produtivas e locais já estruturados. • Público alvo: Mini-fundiários, pequenos produtores rurais capitalizados. • Natureza exuberante: fartura caça e pesca • O migrante: expectativas e esperanças • Objetivos comuns: encontrar um lugar melhor
  • 34. Propaganda enganosa • “O que a propaganda não revelava era que a região estava, em alguns casos, mal cortada por picadões, trilhas nas quais só se passava a pé, não oferecendo qualquer estrutura de apoio aos colonos, como postos de saúde, escolas para as crianças ou estradas para o escoamento da produção”
  • 35. Perigos desconhecidos • Malária: chegou atingir 40% dos migrantes sulistas. • Acidentes de trabalho: “O Motosserra foi um aparelho de fazer viúva”
  • 36. A CONTRA-PROPAGANDA... • Desqualificação do migrante que volta: • JORNAL DA TERRA (1972): “os erros devem ser procurados nas condições psicológicas, morais e intelectuais dos pioneiros e seriam vagabundos e vadios os colonos que voltaram”. • Os mais fracos voltariam “porque a terra é para macho”
  • 37. • .
  • 38. Esgotamento do modelo fundiário no Paraná: pressão fundiária • Propriedades familiares: • Abertura de áreas agrícolas • Exploração da madeira • Plantação do café • Declínio: • Crescimento populacional: + de 5%/ano • Introdução da mecanização • Cultivo produtos exportação (soja): maiores áreas • Crescimento das famílias: fragmentação das propriedades • Supervalorização das terras: 160% entre 1980/81
  • 39. Movimentos sociais no Sul do país: pressão fundiária (cont.) • Reivindicações: redistribuição das terras • 1980: 130 mil agricultores migraram para as cidades. • Porto Alegre: 600 mil hab. (1970) para 1,2 milhões habitantes no censo de 1980: grande cinturão de miséria (favelas) • Cascavel: 13 mil favelados • Curitiba: 28 mil favelados
  • 40. Migrações campo/cidade • Teoricamente, esse tipo de migração promoveria o reagrupamento dos minifúndios. • Entre 1976 e 1978: “cerca de 61 mil pequenas propriedades desapareceram no RS, incorporadas pelo latifúndio. • Entre o discurso e a prática: projeções equivocadas, única saída: • MIGRAÇÃO PARA O NORTE DO PAÍS
  • 41. Terra e trabalho: alma do migrante • “Deslocaram-se para se manterem agricultores, mudaram para não mudar”: (LER GRIFO P. 39) • “A migração, iniciada há gerações, em inúmeros casos, tem como objetivo, como ponto de chegada, a terra, o lote de bom tamanho, fértil, um sonho estimulada pelo Estado que dela se aproveita para provocar novos deslocamentos, carinhosamente acalentados pelo indivíduo como uma necessidade sagrada”