SlideShare uma empresa Scribd logo
Ocupação de Mato Grosso Professora Jusemara Teles Escola Estadual 12 de Abril
O Estado de Mato Grosso foi ocupado durante o período de colonização do Brasil através das expedições dos Bandeirantes e do Tratado de Madri de 1750 .
Bandeirantes  são chamados os sertanistas que a partir do século XVI penetraram nos sertões brasileiros em busca de riquezas minerais, sobretudo a prata, tão abundante na América espanhola, pedras preciosas e semipreciosas, ou índios para escravização. Domingos Jorge Velho, um dos bandeirantes paulistas
O  Tratado de Madrid  foi firmado na capital espanhola entre D. João V de Portugal e D. Fernando VI de Espanha, a 13 de Janeiro de 1750, para definir os limites entre as respectivas colônias sul-americanas, pondo fim assim as disputas. O objetivo do tratado era substituir o de Tordesilhas, o qual já não era mais respeitado na prática. As negociações basearam-se no chamado Mapa das Cortes, privilegiando a utilização de rios e montanhas para demarcação dos limites, delineando os contornos aproximados do Brasil atual.
Tratado de Madrid
Foram feitas diversas expedições entre elas as  Bandeiras  e as  Entradas , as entradas foram financiadas por Portugal partiam de qualquer lugar do Brasil e não ultrapassavam o Tratado de Tordesilhas. As bandeiras foram financiadas pelos paulistas somente eles foram ao oeste, ultrapassando Tordesilhas, inclusive.
O  Tratado de Tordesilhas  foi assinado em a 7 de Junho de 1494, entre Portugal e Castela (parte da atual Espanha), definindo a partilha do chamado Novo Mundo entre ambas as Coroas. América do Sul em 1650. Note-se que as cidades estão assinaladas apenas a título indicativo, pois muitas ainda não existiam à época.
Os motivos pelos quais ocorreram as expedições para oeste do Brasil são diversos, a coroa portuguesa precisava ocupar as terras a oeste para se defender da ocupação espanhola de oeste para leste e preservar o Tratado de Tordesilhas.
As expedições feitas pelos paulistas foram de caráter principal econômico como a procura por indígenas que era uma mão-de-obra mais barata que a escrava ocorridas em 1718 e 1719, a mineração em 1719 com o propósito de exploração de ouro e pedras preciosas.
As monções em 1722 foram realizadas a fim de estabelecer a troca de mercadoria de consumo com o ouro nas áreas de mineração.
Durante as bandeiras, uma expedição chegou ao Rio Coxipó em busca dos índios Coxiponés e logo descobriram ouro nas margens do rio, alterando assim o objetivo da expedição. Em 1719 foi fundado o Arraial da Forquilha, as margens do rio Coxiponés formando o primeiro grupo de população organizado na região (atual cidade de Cuiabá).
Rio Coxipó
A região de Mato Grosso era subordinada a Capitania de São Paulo governada por Rodrigo César de Menezes, para intensificar a fiscalização da exploração do ouro e a renda ida para Portugal, o governador da Capitania muda-se para o Arraial e logo a eleva a nível de Vila chamando de  Vila Real do Bom Jesus de Cuyabá' .
A presença do governante paulista nas Minas do Cuiabá ensejou uma verdadeira extorsão fiscal sobre os mineiros, numa obsessão institucional pela arrecadação dos quintos de ouro. Esse fato somado à gradual diminuição da produção das lavras auríferas, fizeram com que os bandeirantes pioneiros fossem buscar o seu ouro cada vez mais longe das autoridades cuiabanas.
Em 1734, estando já quase despovoada a Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá, os irmãos Fernando e Artur Paes de Barros, atrás dos índios Parecis, descobriram veio aurífero, o qual resolveram denominar de Minas do Mato Grosso, situadas nas margens do rio Galera, no vale do Guaporé.
O nome Mato Grosso é originário de uma grande extensão de sete léguas de mato alto, espesso, quase impenetrável, localizado nas margens do rio Galera, percorrido pelos irmãos Paes de Barros, que impressionados com a altura e porte das árvores, o emaranhado da vegetação secundária que dificultava a penetração, com a exuberância da floresta, a denominaram de Mato Grosso.
Rio Galera
A partir de 1748, Mato Grosso e Goiás são desmembradas da Capitania de São Paulo, criada então a Capitania de Mato Grosso.
Escravidão no Mato Grosso
Para trabalhar na mineração, chegaram, no século XVIII, em Mato Grosso, os primeiros escravos de origem africana. Como resistência à escravidão, as fugas foram constantes, sendo individuais ou coletivas, formando diversos quilombos. A região do vale do rio Guaporé foi onde houve maior concentração dessas aldeias de escravos fugitivos.
O quilombo do Piolho ou Quariterê, no final do século XVIII, localizado próximo ao rio Piolho, ou Quariterê, reuniu negros nascidos na África e no Brasil, índios e mestiços de negros e índios (cafuzos). José Piolho, provavelmente foi o primeiro chefe do quilombo. Depois, assumiu o poder sua esposa, Teresa.
Rainha Teresa do Quariterê Ao ser conduzida pelos torturadores para Vila Bela , Teresa   suicidou-se ingerindo  uma poção de ervas .
Fugidos da exploração branca, os habitantes do quilombo conviviam comunitariamente em uma fusão de elementos culturais de origem indígena e africana. Os homens caçavam, lenhavam, cuidavam dos animais e conseguiam mel na mata; as mulheres preparavam os alimentos e fabricavam panelas com barro, artesanato e roupas.
As dificuldades de abastecimento de escravos na região guaporeana, levou-os a organizar uma bandeira para atacar os escravos fugitivos. A bandeira contendo cerca de trinta homens e comandada por João Leme de Prado, percorreu um mês de Vila Bela até o quilombo, e, de surpresa, atacou-o, prendendo quase a totalidade dos moradores. Alguns morreram no combate que se travou, outros fugiram. Os escravos que sobreviveram foram capturados e levados para Vila Bela.
Outros quilombos também foram organizados em terras mato-grossenses durante os séculos XVIII e XIX, podendo ser registrados aqui, apenas para exemplificar, os quilombos "Mutuca" e "Pindaituba", situados na Chapada dos Guimarães, os "Sepoutuba" e "Rio Manso", próximos a Vila Maria (atual Cáceres).
Governantes da Capitania : ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A mudança da capital foram por motivos de distância e dificuldade de comunicação com os grandes centros do Brasil, o processo de transferência foi iniciada no governo de João Carlos Augusto d'Oeynhausen e Gravemberg e grande parte da administração foi transferida no governo de Francisco de Paula Magessi de Carvalho que por dificuldades na administração, a capital retornou a Vila Bela, somente em 1825 por um decreto de Dom Pedro I a capital ficou definitivamente em Cuiabá.
Depois de proclamação de Independência do Brasil todas as capitanias se tornaram províncias. Em 1864 inicia a Guerra do Paraguai, Paraguai fazia fronteira com Mato Grosso (atual Mato Grosso do Sul), Mato Grosso participou com soldados e protegendo as fronteiras do Estado.
Bibliografia: COELHO, Felipe Nogueira.  Memórias cronológicas da capitania de Mato Grosso .  UFMT , 1976.  MADUREIRA, Elizabeth.  Revivendo Mato Grosso . Secretaria de Educação de Mato Grosso, 1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESAA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
Cristine Becker
 
Revolta no contestado
Revolta no contestado Revolta no contestado
Revolta no contestado
Vânia Salvo Orso
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
MARIANO C7S
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
Marcelo Ferreira Boia
 
Política de expansão romana e o mare nostrum
Política de expansão romana e o mare nostrumPolítica de expansão romana e o mare nostrum
Política de expansão romana e o mare nostrum
anasanches96
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de LimitesPecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Valéria Shoujofan
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
Carla Freitas
 
Período Joanino e Independência do Brasil
Período Joanino e Independência do BrasilPeríodo Joanino e Independência do Brasil
Período Joanino e Independência do Brasil
isameucci
 
Segundo Ano (1) - Civilização Pré-Colombianas
Segundo Ano (1) - Civilização Pré-ColombianasSegundo Ano (1) - Civilização Pré-Colombianas
Segundo Ano (1) - Civilização Pré-Colombianas
Paulo Alexandre
 
Mapa mental era vargas
Mapa mental   era vargasMapa mental   era vargas
Mapa mental era vargas
Callebe Bastos
 
Tratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhasTratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhas
nefthales
 
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e FeudalismoIdade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Paulo Alexandre
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Pérysson Nogueira
 
Africanos no brasil: dominação e resistência
Africanos no brasil: dominação e resistênciaAfricanos no brasil: dominação e resistência
Africanos no brasil: dominação e resistência
Eliphas Rodrigues
 
Aula pré história do brasil
Aula pré história do brasilAula pré história do brasil
Aula pré história do brasil
Bruno Machado
 

Mais procurados (20)

A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESAA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
 
Revolta no contestado
Revolta no contestado Revolta no contestado
Revolta no contestado
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
 
Política de expansão romana e o mare nostrum
Política de expansão romana e o mare nostrumPolítica de expansão romana e o mare nostrum
Política de expansão romana e o mare nostrum
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de LimitesPecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
 
Período Joanino e Independência do Brasil
Período Joanino e Independência do BrasilPeríodo Joanino e Independência do Brasil
Período Joanino e Independência do Brasil
 
Segundo Ano (1) - Civilização Pré-Colombianas
Segundo Ano (1) - Civilização Pré-ColombianasSegundo Ano (1) - Civilização Pré-Colombianas
Segundo Ano (1) - Civilização Pré-Colombianas
 
Mapa mental era vargas
Mapa mental   era vargasMapa mental   era vargas
Mapa mental era vargas
 
Tratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhasTratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhas
 
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e FeudalismoIdade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Africanos no brasil: dominação e resistência
Africanos no brasil: dominação e resistênciaAfricanos no brasil: dominação e resistência
Africanos no brasil: dominação e resistência
 
Aula pré história do brasil
Aula pré história do brasilAula pré história do brasil
Aula pré história do brasil
 

Destaque

A ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sulA ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sul
Marcela Marangon Ribeiro
 
USINA DE SANTO ANTÔNIO JG
USINA DE SANTO ANTÔNIO JGUSINA DE SANTO ANTÔNIO JG
USINA DE SANTO ANTÔNIO JG
Simone O. Carvalhais
 
Os Principais Rios De RondôNia
Os Principais Rios De RondôNiaOs Principais Rios De RondôNia
Os Principais Rios De RondôNia
Daniela F Almenara
 
Conflitos e violência de 2013 na Amazônia Legal
Conflitos e violência de 2013 na Amazônia LegalConflitos e violência de 2013 na Amazônia Legal
Conflitos e violência de 2013 na Amazônia Legal
pastoraldaterra.ro
 
Rondônia conflitos no campo 2012
Rondônia conflitos no campo 2012Rondônia conflitos no campo 2012
Rondônia conflitos no campo 2012
pastoraldaterra.ro
 
Quilombos em mato grosso - VPMT
Quilombos em mato grosso - VPMTQuilombos em mato grosso - VPMT
Quilombos em mato grosso - VPMT
lucavao2010
 

Destaque (6)

A ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sulA ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sul
 
USINA DE SANTO ANTÔNIO JG
USINA DE SANTO ANTÔNIO JGUSINA DE SANTO ANTÔNIO JG
USINA DE SANTO ANTÔNIO JG
 
Os Principais Rios De RondôNia
Os Principais Rios De RondôNiaOs Principais Rios De RondôNia
Os Principais Rios De RondôNia
 
Conflitos e violência de 2013 na Amazônia Legal
Conflitos e violência de 2013 na Amazônia LegalConflitos e violência de 2013 na Amazônia Legal
Conflitos e violência de 2013 na Amazônia Legal
 
Rondônia conflitos no campo 2012
Rondônia conflitos no campo 2012Rondônia conflitos no campo 2012
Rondônia conflitos no campo 2012
 
Quilombos em mato grosso - VPMT
Quilombos em mato grosso - VPMTQuilombos em mato grosso - VPMT
Quilombos em mato grosso - VPMT
 

Semelhante a OcupaçãO De Mato Grosso

Mato grosso
Mato grossoMato grosso
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período Colonial
João Pereira
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
Marsellus Cardousous
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
carlosbidu
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1
solange caldeira
 
Pc mt história e geografia
Pc mt   história e geografiaPc mt   história e geografia
Pc mt história e geografia
Lindiomar Santos Pereira
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
Carlos Benjoino Bidu
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
Professor: Ellington Alexandre
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
Leila Maria Martins
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
Jalbert Jr
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
Yara Ribeiro
 
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Capitulo 02  a expansao da america portuguesaCapitulo 02  a expansao da america portuguesa
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Educandário Imaculada Conceição
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
Historia da paraiba
Historia da paraibaHistoria da paraiba
Historia da paraiba
Otacílio Cipriano
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
Péricles Penuel
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
IsadoraPaulino2
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
Gregorio Neto
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 

Semelhante a OcupaçãO De Mato Grosso (20)

Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período Colonial
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1
 
Pc mt história e geografia
Pc mt   história e geografiaPc mt   história e geografia
Pc mt história e geografia
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Capitulo 02  a expansao da america portuguesaCapitulo 02  a expansao da america portuguesa
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Historia da paraiba
Historia da paraibaHistoria da paraiba
Historia da paraiba
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 

Mais de Paticx

Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
Paticx
 
Extremo Oriente Economia
Extremo Oriente EconomiaExtremo Oriente Economia
Extremo Oriente Economia
Paticx
 
Capitalismo X Socialismo
Capitalismo X SocialismoCapitalismo X Socialismo
Capitalismo X Socialismo
Paticx
 
Conflitos Separatistas
Conflitos SeparatistasConflitos Separatistas
Conflitos Separatistas
Paticx
 
Ásia Oriental
Ásia OrientalÁsia Oriental
Ásia Oriental
Paticx
 
Movimentos MigratóRios
Movimentos MigratóRiosMovimentos MigratóRios
Movimentos MigratóRios
Paticx
 
Cuba
CubaCuba
Cuba
Paticx
 
América Platina
América PlatinaAmérica Platina
América Platina
Paticx
 
Mt Aspectos Sociais
Mt Aspectos SociaisMt Aspectos Sociais
Mt Aspectos Sociais
Paticx
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Ásia
Paticx
 

Mais de Paticx (10)

Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Extremo Oriente Economia
Extremo Oriente EconomiaExtremo Oriente Economia
Extremo Oriente Economia
 
Capitalismo X Socialismo
Capitalismo X SocialismoCapitalismo X Socialismo
Capitalismo X Socialismo
 
Conflitos Separatistas
Conflitos SeparatistasConflitos Separatistas
Conflitos Separatistas
 
Ásia Oriental
Ásia OrientalÁsia Oriental
Ásia Oriental
 
Movimentos MigratóRios
Movimentos MigratóRiosMovimentos MigratóRios
Movimentos MigratóRios
 
Cuba
CubaCuba
Cuba
 
América Platina
América PlatinaAmérica Platina
América Platina
 
Mt Aspectos Sociais
Mt Aspectos SociaisMt Aspectos Sociais
Mt Aspectos Sociais
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Ásia
 

OcupaçãO De Mato Grosso

  • 1. Ocupação de Mato Grosso Professora Jusemara Teles Escola Estadual 12 de Abril
  • 2. O Estado de Mato Grosso foi ocupado durante o período de colonização do Brasil através das expedições dos Bandeirantes e do Tratado de Madri de 1750 .
  • 3. Bandeirantes são chamados os sertanistas que a partir do século XVI penetraram nos sertões brasileiros em busca de riquezas minerais, sobretudo a prata, tão abundante na América espanhola, pedras preciosas e semipreciosas, ou índios para escravização. Domingos Jorge Velho, um dos bandeirantes paulistas
  • 4. O Tratado de Madrid foi firmado na capital espanhola entre D. João V de Portugal e D. Fernando VI de Espanha, a 13 de Janeiro de 1750, para definir os limites entre as respectivas colônias sul-americanas, pondo fim assim as disputas. O objetivo do tratado era substituir o de Tordesilhas, o qual já não era mais respeitado na prática. As negociações basearam-se no chamado Mapa das Cortes, privilegiando a utilização de rios e montanhas para demarcação dos limites, delineando os contornos aproximados do Brasil atual.
  • 6. Foram feitas diversas expedições entre elas as Bandeiras e as Entradas , as entradas foram financiadas por Portugal partiam de qualquer lugar do Brasil e não ultrapassavam o Tratado de Tordesilhas. As bandeiras foram financiadas pelos paulistas somente eles foram ao oeste, ultrapassando Tordesilhas, inclusive.
  • 7. O Tratado de Tordesilhas foi assinado em a 7 de Junho de 1494, entre Portugal e Castela (parte da atual Espanha), definindo a partilha do chamado Novo Mundo entre ambas as Coroas. América do Sul em 1650. Note-se que as cidades estão assinaladas apenas a título indicativo, pois muitas ainda não existiam à época.
  • 8. Os motivos pelos quais ocorreram as expedições para oeste do Brasil são diversos, a coroa portuguesa precisava ocupar as terras a oeste para se defender da ocupação espanhola de oeste para leste e preservar o Tratado de Tordesilhas.
  • 9. As expedições feitas pelos paulistas foram de caráter principal econômico como a procura por indígenas que era uma mão-de-obra mais barata que a escrava ocorridas em 1718 e 1719, a mineração em 1719 com o propósito de exploração de ouro e pedras preciosas.
  • 10. As monções em 1722 foram realizadas a fim de estabelecer a troca de mercadoria de consumo com o ouro nas áreas de mineração.
  • 11. Durante as bandeiras, uma expedição chegou ao Rio Coxipó em busca dos índios Coxiponés e logo descobriram ouro nas margens do rio, alterando assim o objetivo da expedição. Em 1719 foi fundado o Arraial da Forquilha, as margens do rio Coxiponés formando o primeiro grupo de população organizado na região (atual cidade de Cuiabá).
  • 13. A região de Mato Grosso era subordinada a Capitania de São Paulo governada por Rodrigo César de Menezes, para intensificar a fiscalização da exploração do ouro e a renda ida para Portugal, o governador da Capitania muda-se para o Arraial e logo a eleva a nível de Vila chamando de Vila Real do Bom Jesus de Cuyabá' .
  • 14. A presença do governante paulista nas Minas do Cuiabá ensejou uma verdadeira extorsão fiscal sobre os mineiros, numa obsessão institucional pela arrecadação dos quintos de ouro. Esse fato somado à gradual diminuição da produção das lavras auríferas, fizeram com que os bandeirantes pioneiros fossem buscar o seu ouro cada vez mais longe das autoridades cuiabanas.
  • 15. Em 1734, estando já quase despovoada a Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá, os irmãos Fernando e Artur Paes de Barros, atrás dos índios Parecis, descobriram veio aurífero, o qual resolveram denominar de Minas do Mato Grosso, situadas nas margens do rio Galera, no vale do Guaporé.
  • 16. O nome Mato Grosso é originário de uma grande extensão de sete léguas de mato alto, espesso, quase impenetrável, localizado nas margens do rio Galera, percorrido pelos irmãos Paes de Barros, que impressionados com a altura e porte das árvores, o emaranhado da vegetação secundária que dificultava a penetração, com a exuberância da floresta, a denominaram de Mato Grosso.
  • 18. A partir de 1748, Mato Grosso e Goiás são desmembradas da Capitania de São Paulo, criada então a Capitania de Mato Grosso.
  • 20. Para trabalhar na mineração, chegaram, no século XVIII, em Mato Grosso, os primeiros escravos de origem africana. Como resistência à escravidão, as fugas foram constantes, sendo individuais ou coletivas, formando diversos quilombos. A região do vale do rio Guaporé foi onde houve maior concentração dessas aldeias de escravos fugitivos.
  • 21. O quilombo do Piolho ou Quariterê, no final do século XVIII, localizado próximo ao rio Piolho, ou Quariterê, reuniu negros nascidos na África e no Brasil, índios e mestiços de negros e índios (cafuzos). José Piolho, provavelmente foi o primeiro chefe do quilombo. Depois, assumiu o poder sua esposa, Teresa.
  • 22. Rainha Teresa do Quariterê Ao ser conduzida pelos torturadores para Vila Bela , Teresa   suicidou-se ingerindo  uma poção de ervas .
  • 23. Fugidos da exploração branca, os habitantes do quilombo conviviam comunitariamente em uma fusão de elementos culturais de origem indígena e africana. Os homens caçavam, lenhavam, cuidavam dos animais e conseguiam mel na mata; as mulheres preparavam os alimentos e fabricavam panelas com barro, artesanato e roupas.
  • 24. As dificuldades de abastecimento de escravos na região guaporeana, levou-os a organizar uma bandeira para atacar os escravos fugitivos. A bandeira contendo cerca de trinta homens e comandada por João Leme de Prado, percorreu um mês de Vila Bela até o quilombo, e, de surpresa, atacou-o, prendendo quase a totalidade dos moradores. Alguns morreram no combate que se travou, outros fugiram. Os escravos que sobreviveram foram capturados e levados para Vila Bela.
  • 25. Outros quilombos também foram organizados em terras mato-grossenses durante os séculos XVIII e XIX, podendo ser registrados aqui, apenas para exemplificar, os quilombos "Mutuca" e "Pindaituba", situados na Chapada dos Guimarães, os "Sepoutuba" e "Rio Manso", próximos a Vila Maria (atual Cáceres).
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. A mudança da capital foram por motivos de distância e dificuldade de comunicação com os grandes centros do Brasil, o processo de transferência foi iniciada no governo de João Carlos Augusto d'Oeynhausen e Gravemberg e grande parte da administração foi transferida no governo de Francisco de Paula Magessi de Carvalho que por dificuldades na administração, a capital retornou a Vila Bela, somente em 1825 por um decreto de Dom Pedro I a capital ficou definitivamente em Cuiabá.
  • 30. Depois de proclamação de Independência do Brasil todas as capitanias se tornaram províncias. Em 1864 inicia a Guerra do Paraguai, Paraguai fazia fronteira com Mato Grosso (atual Mato Grosso do Sul), Mato Grosso participou com soldados e protegendo as fronteiras do Estado.
  • 31. Bibliografia: COELHO, Felipe Nogueira. Memórias cronológicas da capitania de Mato Grosso . UFMT , 1976. MADUREIRA, Elizabeth. Revivendo Mato Grosso . Secretaria de Educação de Mato Grosso, 1997.