SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Espírito santo colonial

Nomes: Rafael,jheferson,vitor,
   Lucas,leticia,fabiana
Chegada de vasco Fernandes Coutinho

•   Vila Velha

•
    Colonização do Solo Espírito Santense
    Para muitos capixabas 23 de maio é apenas mais um dia de folga, mas a data vai
    mais além de um dia fora do trabalho. A data vem de 23 de maio de 1535 quando os
    portugueses, a bordo da caravela Glória, desembarcaram na Prainha, em Vila Velha,
    com a missão de colonizar a então Capitania do Espírito Santo.

    Breve Histórico
    Em 1534, o Rei de Portugal, Dom João III, decidiu dividir o Brasil em 15 Capitanias
    Hereditárias, assim chamadas porque seriam pedaços de terras governados por
    capitães-mores e que passariam de pai para filho. A decisão procedeu da dificuldade
    de administrar o país e principalmente, pelos contrabandistas que roubavam o pau-brasil.
    Assim, em 1º de junho deste mesmo ano, o fidalgo Vasco Fernandes Coutinho
    recebeu por Carta de Doação e Carta Foral a Capitania do Espírito Santo. Após
    vender os seus bens, o donatário embarcou na caravela Glória, juntamente com outros
    colonizadores portugueses, no intuito de governar a capitania. "Eles não eram tão nobres.
    Eram fidalgos portugueses, mas nada de tão poderoso.
    Como, no Brasil estavam sendo distribuídas as sesmarias, a do Espírito Santo coube
    ao Vasco Fernandes Coutinho. Ele chega em 1535, a bordo da caravela Glória,
    e desembarca aos pés do Monte Moreno".
A administração de Coutinho
•   O estabelecimento da capitania
•   Com o estabelecimento, pela Coroa Portuguesa do sistema de Capitanias Hereditárias para a colonização do Brasil
    (1534), o seu atual território estava compreendido no lote que se estendia da foz do rio Mucuri à do rio
    Itapemirim (aproximadamente), doada aVasco Fernandes Coutinho em 1 de junho de 1534.
•   O seu donatário, acompanhado de sessenta degredados, desembarcou da nau Glória, numa pequena enseada nas
    faldas do morro da Penha, a 23 de maio de 1535, um domingo de Pentecostes, razão pela qual o donatário
    resolveu batizar o seu lote com o nome de Capitania do Espírito Santo.
•   O desembarque, na praia de Piratininga, fez-se penosamente, sob as flechas dos Goitacás, havendo necessidade
    do troar das duas peças de artilharia da embarcação, para que os indígenas debandassem, permitindo a posse da
    terra pelo donatário. Ali mesmo decidiu-se erguer a povoação que mais tarde seria conhecida como Vila
    Velha, principiando-se as primeiras habitações, uma ermida - sob a invocação de São João, em homenagem ao
    soberano -, e uma fortificação (Fortim do Espírito Santo). Os indígenas denominaram esta primitiva vila do Espírito
    Santo como "Mboab", (ave com os pés emplumados; 'pintos calçudos'),palavra em tupi que fazia uma menção aos
    pés calçados dos portugueses. O termo, aportuguesado para "emboaba", virou sinônimo pejorativo de forasteiro.
    Distribuídas as sesmarias, a D. Jorge de Menezes o donatário entregou a ilha junto à barra (atual ilha do Boi); a
    Valentim Nunes coube a atual ilha dos Frades e, a 15 de julho de 1537, doou a Duarte de Lemos a então ilha de
    Santo Antonio (atual ilha de Vitória), em que se instalara na sua parte alta, fazendo construir, na fazenda, ao lado
    da residência, uma igreja em honra a Santa Luzia.
•   Por essa época, os colonizadores sentiam-se mais desafogados do gentio. A falta, porém, de colonos para dar
    desenvolvimento aos trabalhos iniciados obrigou o donatário a ir à Metrópole.
Ataques indígenas
• Belchior Azeredo assumiu as funções de Capitão-mor
  de 1561 a 1564, com todos os poderes e jurisdições
  atribuídas anteriormente a Vasco Fernandes Coutinho.
  Posteriormente, Azeredo participou da expulsão
  dos invasores franceses da baía de Guanabara, no comando
  de uma das naus da esquadra de Cristóvão de
  Barros, sendo recompensado com a doação de uma
  vasta sesmaria, onde se fixou com seus familiares.
• Vítima de ataques esporádicos de ingleses e
  de franceses, foi atacada pelo corsário inglês Thomas
  Cavendish em 8 de fevereiro de1592, ocasião em que foi
  derrotado com a perda de oitenta homens de sua
  tripulação.Não apenas na invasão, mas também foi
  derrotado por índios ( homens da terra ).
Fundação da ilha de vitoria
• A fundação do Espírito Santo (e de Vitória) começa 34 anos depois
  de o Brasil ter sido descoberto, em 1500. O então Rei de Portugal,
  D. João III, dividiu as terras do Brasil em capitanias hereditárias,
  cabendo a capitania do Espírito Santo ao fidalgo Vasco Fernandes
  Coutinho, que tomou posse em 23 de maio de 1535, instalando-se
  no sopé do morro da Penha, em Vila Velha.
• Explorando a região, os portugueses buscaram um local mais
  seguro para se guardarem dos ataques dos índios e de estrangeiros
  (holandeses e franceses). Eles seguiram, então, pela baía de Vitória
  e, contornando a ilha, aportaram em Santo Antônio.
• Nos 300 anos iniciais de sua história, Vitória foi uma vila-porto,
  tendo enfrentado franceses e ingleses atrás de açúcar e de pau-
  brasil.
A serra das esmeraldas
•   No governo do novo donatário, o comércio e a lavoura se desenvolveram, mas foi totalmente
    frustrado o motivo principal da compra da capitania: o descobrimento das "pedras verdes" —
    as esmeraldas. Essa busca começara por iniciativa do governo-geral. As expedições
    iniciais, denominadas por alguns historiadores "ciclo espírito-santense", incluem-se na categoria
    das entradas.[9] Na verdade, o ciclo limitou-se a poucas expedições relevantes, cuja importância
    está menos nos resultados obtidos, do que na dinamização do interesse pela área e em um
    maior conhecimento do interior. Entre as mais destacadas, contam-se as de Diogo Martins Cão
    (1596), Marcos de Azeredo (1611) e Agostinho Barbalho de Bezerra (1664), que vasculharam as
    imediações do rio Doce. Francisco Gil de Araújo fundou a vila de Nossa Senhora de Guarapari e
    construiu os fortes do Monte do Carmo e de São Francisco Xavier; o de São João, encontrado em
    ruínas, foi reconstruído.[9]
•   Gil de Araújo promoveu 14 entradas através do rio Doce, dirigidas à serra das Esmeraldas, as
    quais podem ter travado contato com os paulistas de Fernão Dias Pais. Da grande atividade e do
    vultoso emprego de capital realizados por Francisco Gil não tesourou qualquer descoberta
    metalífera, embora se tenham produzido alguns frutos na valorização das terras, pelo
    estabelecimento de povoadores e criação de novos engenhos.[9] Os lucros, de qualquer
    modo, não compensaram o investimento feito. Seu filho e herdeiro, talvez por esse
    motivo, preferiu conservar-se ausente do senhorio e, por morte deste, a capitania tornou-se
    devoluta, sendo vendida à coroa por Cosme Rolim de Moura, primo do último donatário. Em
    conseqüência, ficou o Espírito Santo submetido à jurisdição da Bahia, e seu governo sempre a
    cargo de displicentes capitães-mores.[9]
O comercio de farinha com o norte
• São Mateus o estado do desenvolvimento da mandioca
  a mandioca começou a ser produzida de forma
  acelerada a produção de farinha de mandioca deu tao
  certo que ela se tornou famosa em todo o brasil
  passando a ser vendida para todas as regiões com a
  melhor e a mais saborosa farinha brasileira os navios
  chegavam carregados de produtos trazido de outras
  regiões do Brasil e de outros paises e partiam com os
  porões carregados de farinha de mandioca a farinha de
  mandioca de são Mateus foi muito usada na região de
  minas gerais no rio de janeiro salvador e ate
  exportadas para outros países do mundo
O papel de são Mateus
•   As pesquisas mais atuais, ao lidar com contextos regionais específicos, apresentam
•   nuanças diferenciadas para as diversas situações envolvendo os imigrantes portugueses na
•   epopéia da colonização brasileira. Nesta perspectiva, no decorrer deste texto, procurar-se-á
•   desvendar os meandros deste processo no evolver da ocupação territorial de São Mateus-ES,
•   abarcando desde a fase inicial da capitania até os fins do século XIX, período que
    compreende
•   uma “longa duração”, mas na qual daremos destaque a certos momentos representativos da
•   história de São Mateus, a saber: a criação oficial da Vila em 1764 (no contexto das reformas
•   pombalinas) e os meados do século XIX (marcado pela turbulenta conjuntura advinda da
•   proibição do tráfico externo de escravos africanos para o Brasil e a concomitante decretação
•   da Lei de Terras, ambas no ano de 1850).
•   Ressaltamos que o interesse pela abordagem do tema se relaciona à pesquisa realizada
•   recentemente, na qual procuramos investigar a história agrária de São Mateus nos
    oitocentos,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação de geografia – região sul
Avaliação de geografia – região sulAvaliação de geografia – região sul
Avaliação de geografia – região sulsibelems
 
Ensino religioso 5 ano
Ensino religioso 5 anoEnsino religioso 5 ano
Ensino religioso 5 anoMarynna Lima
 
Loteria - Problematizando frações
Loteria - Problematizando fraçõesLoteria - Problematizando frações
Loteria - Problematizando fraçõesMary Alvarenga
 
Recuperação final de religião 6º ano
Recuperação final de religião  6º anoRecuperação final de religião  6º ano
Recuperação final de religião 6º anoLuciana Carvalho
 
Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.
Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.
Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.Mary Alvarenga
 
Plano diário do Ensino Fundamental I
Plano diário do Ensino Fundamental IPlano diário do Ensino Fundamental I
Plano diário do Ensino Fundamental IMary Alvarenga
 
Matemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua PortuguesaMatemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua PortuguesaIsa ...
 
Caça números multiplicação e divisão
Caça números multiplicação e divisãoCaça números multiplicação e divisão
Caça números multiplicação e divisãoMary Alvarenga
 
Divisores de um número natural
Divisores de um número naturalDivisores de um número natural
Divisores de um número naturalMary Alvarenga
 
Cruzadinha com multiplicação
Cruzadinha com multiplicação Cruzadinha com multiplicação
Cruzadinha com multiplicação Mary Alvarenga
 
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósCruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósLuis Silva
 
Sistema de numeração decimal - Atividade
Sistema de numeração decimal - Atividade Sistema de numeração decimal - Atividade
Sistema de numeração decimal - Atividade Mary Alvarenga
 
Olimpiadas mat 2º ano[1]
Olimpiadas mat 2º ano[1]Olimpiadas mat 2º ano[1]
Olimpiadas mat 2º ano[1]Joao Ferreira
 

Mais procurados (20)

Avaliação de geografia – região sul
Avaliação de geografia – região sulAvaliação de geografia – região sul
Avaliação de geografia – região sul
 
Prova diagnostica ensino religioso 1
Prova diagnostica ensino religioso 1Prova diagnostica ensino religioso 1
Prova diagnostica ensino religioso 1
 
Atividade avaliativa de matemática
Atividade avaliativa de matemáticaAtividade avaliativa de matemática
Atividade avaliativa de matemática
 
Ensino religioso 5 ano
Ensino religioso 5 anoEnsino religioso 5 ano
Ensino religioso 5 ano
 
Loteria - Problematizando frações
Loteria - Problematizando fraçõesLoteria - Problematizando frações
Loteria - Problematizando frações
 
Recuperação final de religião 6º ano
Recuperação final de religião  6º anoRecuperação final de religião  6º ano
Recuperação final de religião 6º ano
 
Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.
Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.
Seguindo a trilha - Multiplicação e divisão.
 
Plano diário do Ensino Fundamental I
Plano diário do Ensino Fundamental IPlano diário do Ensino Fundamental I
Plano diário do Ensino Fundamental I
 
Matemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua PortuguesaMatemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua Portuguesa
 
Caça números multiplicação e divisão
Caça números multiplicação e divisãoCaça números multiplicação e divisão
Caça números multiplicação e divisão
 
Divisores de um número natural
Divisores de um número naturalDivisores de um número natural
Divisores de um número natural
 
Cruzadinha com multiplicação
Cruzadinha com multiplicação Cruzadinha com multiplicação
Cruzadinha com multiplicação
 
Divisão em linha
Divisão em linhaDivisão em linha
Divisão em linha
 
Pena religião 5 ano
Pena religião 5 anoPena religião 5 ano
Pena religião 5 ano
 
Números decimais
Números decimais Números decimais
Números decimais
 
Batalha naval
Batalha navalBatalha naval
Batalha naval
 
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósCruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
 
Sistema de numeração decimal - Atividade
Sistema de numeração decimal - Atividade Sistema de numeração decimal - Atividade
Sistema de numeração decimal - Atividade
 
Avaliação tempo-historia-
Avaliação  tempo-historia-Avaliação  tempo-historia-
Avaliação tempo-historia-
 
Olimpiadas mat 2º ano[1]
Olimpiadas mat 2º ano[1]Olimpiadas mat 2º ano[1]
Olimpiadas mat 2º ano[1]
 

Destaque

História do Espírito Santo
História do Espírito SantoHistória do Espírito Santo
História do Espírito SantoMarco antônio
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAndré Moraes
 
Aula 7 história economia do es
Aula 7 história economia do esAula 7 história economia do es
Aula 7 história economia do esJorge Anna
 
Aula 4 história economia do es
Aula 4 história economia do esAula 4 história economia do es
Aula 4 história economia do esJorge Anna
 
Aula 5 história economia do es
Aula 5 história economia do esAula 5 história economia do es
Aula 5 história economia do esJorge Anna
 
Aula 8 história economia do es
Aula 8 história economia do esAula 8 história economia do es
Aula 8 história economia do esJorge Anna
 
Aula 2 história economia do es
Aula 2 história economia do esAula 2 história economia do es
Aula 2 história economia do esJorge Anna
 
Aula 6 história economia do es
Aula 6 história economia do esAula 6 história economia do es
Aula 6 história economia do esJorge Anna
 
Aula 1 história economia do es
Aula 1 história economia do esAula 1 história economia do es
Aula 1 história economia do esJorge Anna
 
Aula 3 história economia do es
Aula 3 história economia do esAula 3 história economia do es
Aula 3 história economia do esJorge Anna
 
Aula 9 história economia do es
Aula 9 história economia do esAula 9 história economia do es
Aula 9 história economia do esJorge Anna
 
Espírito Santo República - 2M4
Espírito Santo República - 2M4Espírito Santo República - 2M4
Espírito Santo República - 2M4flatozato
 
Espírito santo república - 2M3 , G3
Espírito santo república - 2M3 , G3Espírito santo república - 2M3 , G3
Espírito santo república - 2M3 , G3Guilherme da Silva
 
Espírito santo na era getúlio vargas
Espírito santo na era getúlio vargasEspírito santo na era getúlio vargas
Espírito santo na era getúlio vargasraqueel_costa
 
G5 - 2M5 - ES no século XX
G5 - 2M5 - ES no século XXG5 - 2M5 - ES no século XX
G5 - 2M5 - ES no século XXYara Ribeiro
 

Destaque (20)

Espírito Santo Colonial
Espírito Santo ColonialEspírito Santo Colonial
Espírito Santo Colonial
 
História do Espírito Santo
História do Espírito SantoHistória do Espírito Santo
História do Espírito Santo
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
 
Geo 4ano
Geo 4anoGeo 4ano
Geo 4ano
 
Aula 7 história economia do es
Aula 7 história economia do esAula 7 história economia do es
Aula 7 história economia do es
 
Aula 4 história economia do es
Aula 4 história economia do esAula 4 história economia do es
Aula 4 história economia do es
 
Aula 5 história economia do es
Aula 5 história economia do esAula 5 história economia do es
Aula 5 história economia do es
 
Aula 8 história economia do es
Aula 8 história economia do esAula 8 história economia do es
Aula 8 história economia do es
 
Aula 2 história economia do es
Aula 2 história economia do esAula 2 história economia do es
Aula 2 história economia do es
 
Aula 6 história economia do es
Aula 6 história economia do esAula 6 história economia do es
Aula 6 história economia do es
 
Aula 1 história economia do es
Aula 1 história economia do esAula 1 história economia do es
Aula 1 história economia do es
 
Aula 3 história economia do es
Aula 3 história economia do esAula 3 história economia do es
Aula 3 história economia do es
 
Aula 9 história economia do es
Aula 9 história economia do esAula 9 história economia do es
Aula 9 história economia do es
 
Espírito Santo República - 2M4
Espírito Santo República - 2M4Espírito Santo República - 2M4
Espírito Santo República - 2M4
 
Espírito santo república - 2M3 , G3
Espírito santo república - 2M3 , G3Espírito santo república - 2M3 , G3
Espírito santo república - 2M3 , G3
 
Lágrima
LágrimaLágrima
Lágrima
 
Espírito santo na era getúlio vargas
Espírito santo na era getúlio vargasEspírito santo na era getúlio vargas
Espírito santo na era getúlio vargas
 
G5 - 2M5 - ES no século XX
G5 - 2M5 - ES no século XXG5 - 2M5 - ES no século XX
G5 - 2M5 - ES no século XX
 
Mktii
MktiiMktii
Mktii
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 

Semelhante a Espírito santo colonial

Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagensPéricles Penuel
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaGustavo Cuin
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpPéricles Penuel
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...Professor: Ellington Alexandre
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxMarsellus Cardousous
 
00 história rafael - américa portuguesa parte 1
00 história   rafael  - américa portuguesa parte 100 história   rafael  - américa portuguesa parte 1
00 história rafael - américa portuguesa parte 1Rafael Noronha
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Kamila Brito
 
Historia da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigoHistoria da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigonilmarfgalvao
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaElton Zanoni
 

Semelhante a Espírito santo colonial (20)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
 
Historia da paraiba
Historia da paraibaHistoria da paraiba
Historia da paraiba
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
 
00 história rafael - américa portuguesa parte 1
00 história   rafael  - américa portuguesa parte 100 história   rafael  - américa portuguesa parte 1
00 história rafael - américa portuguesa parte 1
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Revisão 7º ano
Revisão 7º anoRevisão 7º ano
Revisão 7º ano
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
 
Historia da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigoHistoria da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigo
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa Catarina
 

Mais de Yara Ribeiro

Tecido Epitelial ;)
Tecido Epitelial ;)Tecido Epitelial ;)
Tecido Epitelial ;)Yara Ribeiro
 
Orientação Sexual
Orientação SexualOrientação Sexual
Orientação SexualYara Ribeiro
 
G2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo ImperialG2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo ImperialYara Ribeiro
 
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaG5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaYara Ribeiro
 
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaG5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaYara Ribeiro
 
Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Yara Ribeiro
 

Mais de Yara Ribeiro (8)

Tecido Epitelial ;)
Tecido Epitelial ;)Tecido Epitelial ;)
Tecido Epitelial ;)
 
Orientação Sexual
Orientação SexualOrientação Sexual
Orientação Sexual
 
G2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo ImperialG2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
 
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaG5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
 
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaG5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
 
Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5
 
Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 

Espírito santo colonial

  • 1. Espírito santo colonial Nomes: Rafael,jheferson,vitor, Lucas,leticia,fabiana
  • 2. Chegada de vasco Fernandes Coutinho • Vila Velha • Colonização do Solo Espírito Santense Para muitos capixabas 23 de maio é apenas mais um dia de folga, mas a data vai mais além de um dia fora do trabalho. A data vem de 23 de maio de 1535 quando os portugueses, a bordo da caravela Glória, desembarcaram na Prainha, em Vila Velha, com a missão de colonizar a então Capitania do Espírito Santo. Breve Histórico Em 1534, o Rei de Portugal, Dom João III, decidiu dividir o Brasil em 15 Capitanias Hereditárias, assim chamadas porque seriam pedaços de terras governados por capitães-mores e que passariam de pai para filho. A decisão procedeu da dificuldade de administrar o país e principalmente, pelos contrabandistas que roubavam o pau-brasil. Assim, em 1º de junho deste mesmo ano, o fidalgo Vasco Fernandes Coutinho recebeu por Carta de Doação e Carta Foral a Capitania do Espírito Santo. Após vender os seus bens, o donatário embarcou na caravela Glória, juntamente com outros colonizadores portugueses, no intuito de governar a capitania. "Eles não eram tão nobres. Eram fidalgos portugueses, mas nada de tão poderoso. Como, no Brasil estavam sendo distribuídas as sesmarias, a do Espírito Santo coube ao Vasco Fernandes Coutinho. Ele chega em 1535, a bordo da caravela Glória, e desembarca aos pés do Monte Moreno".
  • 3.
  • 4. A administração de Coutinho • O estabelecimento da capitania • Com o estabelecimento, pela Coroa Portuguesa do sistema de Capitanias Hereditárias para a colonização do Brasil (1534), o seu atual território estava compreendido no lote que se estendia da foz do rio Mucuri à do rio Itapemirim (aproximadamente), doada aVasco Fernandes Coutinho em 1 de junho de 1534. • O seu donatário, acompanhado de sessenta degredados, desembarcou da nau Glória, numa pequena enseada nas faldas do morro da Penha, a 23 de maio de 1535, um domingo de Pentecostes, razão pela qual o donatário resolveu batizar o seu lote com o nome de Capitania do Espírito Santo. • O desembarque, na praia de Piratininga, fez-se penosamente, sob as flechas dos Goitacás, havendo necessidade do troar das duas peças de artilharia da embarcação, para que os indígenas debandassem, permitindo a posse da terra pelo donatário. Ali mesmo decidiu-se erguer a povoação que mais tarde seria conhecida como Vila Velha, principiando-se as primeiras habitações, uma ermida - sob a invocação de São João, em homenagem ao soberano -, e uma fortificação (Fortim do Espírito Santo). Os indígenas denominaram esta primitiva vila do Espírito Santo como "Mboab", (ave com os pés emplumados; 'pintos calçudos'),palavra em tupi que fazia uma menção aos pés calçados dos portugueses. O termo, aportuguesado para "emboaba", virou sinônimo pejorativo de forasteiro. Distribuídas as sesmarias, a D. Jorge de Menezes o donatário entregou a ilha junto à barra (atual ilha do Boi); a Valentim Nunes coube a atual ilha dos Frades e, a 15 de julho de 1537, doou a Duarte de Lemos a então ilha de Santo Antonio (atual ilha de Vitória), em que se instalara na sua parte alta, fazendo construir, na fazenda, ao lado da residência, uma igreja em honra a Santa Luzia. • Por essa época, os colonizadores sentiam-se mais desafogados do gentio. A falta, porém, de colonos para dar desenvolvimento aos trabalhos iniciados obrigou o donatário a ir à Metrópole.
  • 5. Ataques indígenas • Belchior Azeredo assumiu as funções de Capitão-mor de 1561 a 1564, com todos os poderes e jurisdições atribuídas anteriormente a Vasco Fernandes Coutinho. Posteriormente, Azeredo participou da expulsão dos invasores franceses da baía de Guanabara, no comando de uma das naus da esquadra de Cristóvão de Barros, sendo recompensado com a doação de uma vasta sesmaria, onde se fixou com seus familiares. • Vítima de ataques esporádicos de ingleses e de franceses, foi atacada pelo corsário inglês Thomas Cavendish em 8 de fevereiro de1592, ocasião em que foi derrotado com a perda de oitenta homens de sua tripulação.Não apenas na invasão, mas também foi derrotado por índios ( homens da terra ).
  • 6.
  • 7. Fundação da ilha de vitoria • A fundação do Espírito Santo (e de Vitória) começa 34 anos depois de o Brasil ter sido descoberto, em 1500. O então Rei de Portugal, D. João III, dividiu as terras do Brasil em capitanias hereditárias, cabendo a capitania do Espírito Santo ao fidalgo Vasco Fernandes Coutinho, que tomou posse em 23 de maio de 1535, instalando-se no sopé do morro da Penha, em Vila Velha. • Explorando a região, os portugueses buscaram um local mais seguro para se guardarem dos ataques dos índios e de estrangeiros (holandeses e franceses). Eles seguiram, então, pela baía de Vitória e, contornando a ilha, aportaram em Santo Antônio. • Nos 300 anos iniciais de sua história, Vitória foi uma vila-porto, tendo enfrentado franceses e ingleses atrás de açúcar e de pau- brasil.
  • 8. A serra das esmeraldas • No governo do novo donatário, o comércio e a lavoura se desenvolveram, mas foi totalmente frustrado o motivo principal da compra da capitania: o descobrimento das "pedras verdes" — as esmeraldas. Essa busca começara por iniciativa do governo-geral. As expedições iniciais, denominadas por alguns historiadores "ciclo espírito-santense", incluem-se na categoria das entradas.[9] Na verdade, o ciclo limitou-se a poucas expedições relevantes, cuja importância está menos nos resultados obtidos, do que na dinamização do interesse pela área e em um maior conhecimento do interior. Entre as mais destacadas, contam-se as de Diogo Martins Cão (1596), Marcos de Azeredo (1611) e Agostinho Barbalho de Bezerra (1664), que vasculharam as imediações do rio Doce. Francisco Gil de Araújo fundou a vila de Nossa Senhora de Guarapari e construiu os fortes do Monte do Carmo e de São Francisco Xavier; o de São João, encontrado em ruínas, foi reconstruído.[9] • Gil de Araújo promoveu 14 entradas através do rio Doce, dirigidas à serra das Esmeraldas, as quais podem ter travado contato com os paulistas de Fernão Dias Pais. Da grande atividade e do vultoso emprego de capital realizados por Francisco Gil não tesourou qualquer descoberta metalífera, embora se tenham produzido alguns frutos na valorização das terras, pelo estabelecimento de povoadores e criação de novos engenhos.[9] Os lucros, de qualquer modo, não compensaram o investimento feito. Seu filho e herdeiro, talvez por esse motivo, preferiu conservar-se ausente do senhorio e, por morte deste, a capitania tornou-se devoluta, sendo vendida à coroa por Cosme Rolim de Moura, primo do último donatário. Em conseqüência, ficou o Espírito Santo submetido à jurisdição da Bahia, e seu governo sempre a cargo de displicentes capitães-mores.[9]
  • 9. O comercio de farinha com o norte • São Mateus o estado do desenvolvimento da mandioca a mandioca começou a ser produzida de forma acelerada a produção de farinha de mandioca deu tao certo que ela se tornou famosa em todo o brasil passando a ser vendida para todas as regiões com a melhor e a mais saborosa farinha brasileira os navios chegavam carregados de produtos trazido de outras regiões do Brasil e de outros paises e partiam com os porões carregados de farinha de mandioca a farinha de mandioca de são Mateus foi muito usada na região de minas gerais no rio de janeiro salvador e ate exportadas para outros países do mundo
  • 10. O papel de são Mateus • As pesquisas mais atuais, ao lidar com contextos regionais específicos, apresentam • nuanças diferenciadas para as diversas situações envolvendo os imigrantes portugueses na • epopéia da colonização brasileira. Nesta perspectiva, no decorrer deste texto, procurar-se-á • desvendar os meandros deste processo no evolver da ocupação territorial de São Mateus-ES, • abarcando desde a fase inicial da capitania até os fins do século XIX, período que compreende • uma “longa duração”, mas na qual daremos destaque a certos momentos representativos da • história de São Mateus, a saber: a criação oficial da Vila em 1764 (no contexto das reformas • pombalinas) e os meados do século XIX (marcado pela turbulenta conjuntura advinda da • proibição do tráfico externo de escravos africanos para o Brasil e a concomitante decretação • da Lei de Terras, ambas no ano de 1850). • Ressaltamos que o interesse pela abordagem do tema se relaciona à pesquisa realizada • recentemente, na qual procuramos investigar a história agrária de São Mateus nos oitocentos,