Geografia e Economia dos Estados Unidos

2.080 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.080
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
139
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia e Economia dos Estados Unidos

  1. 1. Geografia e Economia dos Estados Unidos: a Formação de uma Superpotência
  2. 2. Pais Peregrinos e as Treze Colônias • Os Chamados "Pais Peregrinos" (Separatistas ingleses que viajaram para os EUA em busca de liberdade religiosa), estão na origem dos pioneiros norte-americanos. • Em 1620 um grupo de puritanos deixou a Inglaterra a bordo do navio Mayflower, onde escreveram o “Mayflower Compact”, um pacto entre os imigrantes se comprometendo a estabelecer uma nova nação com leis igualitárias e justas quando chegassem no Novo Mundo, tendo como base o Protestantismo cristão.
  3. 3. As Treze Colônias • A colonização dos Estados Unidos desenvolveu-se durante o século XVII, quase um século depois da colonização portuguesa e espanhola na América. • A procura de liberdade religiosa, os conflitos políticos na Europa, a procura de melhores condições devida e o crescimento do comércio, foram as principais razões que motivaram a vinda de grandes levas de colonos, principalmente ingleses, para a América do Norte, fixando-se na costa do Oceano Atlântico, fazendo surgir as Treze Colônias Inglesas.
  4. 4. COLÔNIA DE POVOAMENTO • As colônias de povoamento são, geralmente, terras utilizadas para moradia e subsistências dos colonizadores. • São, basicamente, nações descobertas e desenvolvidas com o povoamento e o aprimoramento de suas estruturas básicas. Este modelo de colonização foi aplicado no Norte e Centro das Treze Colônias Britânicas e em outros países como Canadá, Nova Zelândia e Austrália. A colonização de povoamento possuía características bem particulares: Devido a uma colonização de minifúndios, os colonos trabalhavam, gerando prosperidade econômica. Tudo que era feito servia a colônia, a produção agrícola dominava a economia. Liberdade para o trabalho assalariado Autonomia comercial, não sendo dependente da metrópole. Independência política e atitude libertadora de seus membros Política que atraía mais e mais trabalhadores. Eram colônias atípicas – não ajudavam na balança comercial e não interessavam tanto à metrópole; Faziam a prática da policultura Os seus produtos eram semelhantes aos da metrópole Coexistência de comércio e manufaturas Comércio produzia para mercados internos e externos Pacto Colonial mais fraco Fixação do homem ao solo – necessidade de criar escolas, igrejas, fábricas, etc.
  5. 5. I n d e p e n d ê n c i a P r e c o c e A Guerra da Independência dos Estados Unidos da América (1775–1783), também conhecida como Guerra Revolucionária Americana, começou após a assinatura do Tratado de Paris que, em 1763, pôs fim à Guerra dos Sete Anos. Ao final do conflito, o território do Canadá foi incorporado pela Inglaterra. Neste contexto, as treze colônias começaram a ter seguidos e crescentes conflitos com a Coroa britânica, pois devido aos enormes gastos com a guerra, a Coroa inicia uma maior exploração sobre essas áreas, constituiu-se de batalhas desfechadas contra o domínio inglês, durante a Revolução Americana de 1776. Movimento de ampla base popular, teve como principal motor a burguesia colonial e levou à independência das Treze Colônias - os Estados Unidos da América - (proclamada em 4 de Julho de 1776), o primeiro país a dotar-se de uma constituição política escrita.
  6. 6. Guerra da Secessão Após a consolidação de sua Independência, os Estados Unidos viveram um próspero período marcado pelo crescimento de seus níveis econômicos e o alargamento de suas fronteiras. No entanto, os projetos de desenvolvimento que nortearam a nação norte-americana estabeleceram, paulatinamente, uma grave rixa entre os estados do Norte e do Sul. Os nortistas apoiavam a expansão da pequena propriedade, a utilização do trabalho livre e a diversificação econômica. Já os sulistas, defendiam o uso do latifúndio monocultor sustentado pelo uso da mão-de- obra escrava.
  7. 7. Destino Manifesto e o Expansionismo No início do século XIX, a população dos Estados Unidos era de aproximadamente 5 milhões de habitantes, ocupando a região da costa Atlântica (leste). Nessa época, o governo começou a incentivar a “conquista do oeste” isto é, a expansão territorial em direção ao Oceano Pacífico, com o objetivo de fazer dos Estados Unidos um “grande país”. 
  8. 8. A necessidade de aumentar a produção agrícola e a área destinada a produção de rebanhos fizeram o governo americano lançar o “Destino Manifesto” que apresentava os norte-americanos com destinados por Deus a ocupar a área entre os Oceanos Atlântico e Pacífico.
  9. 9. Consequências •  As  maiores  vítimas  da  marcha  para  o  Oeste  foram  os  indígenas.  Estes  se  encontravam  em  estágios  de  pouco  desenvolvimento  se  comparados  aos  astecas,  maias  e  incas,  daí  sua  dificuldade  para  resistir  ao  domínio  e  força dos brancos europeus.  • Os  norte-americanos  acreditavam  que,  além  de  serem  os  predestinados  por  Deus  a  ocuparem  todo  o  território,  deveriam  cumprir  a  missão  de  civilizar  outros  povos.  Nesse  sentido,  contribuíram  decisivamente  para  o  extermínio da cultura e da pessoa física  do indígena. • As tribos do Sul, mais desenvolvidas, proporcionam uma resistência maior à ocupação do branco.  No entanto, a única opção das tribos indígenas foi a ocupação de terras inférteis em direção ao  Pacífico, até o seu extermínio. • De acordo com o "herói" americano, o general Armstrong Custer, considerado como o "grande  matador de índios", "o único índio bom é um índio morto". 
  10. 10. EXPANSIONISMO ESTADUNIDENSE SÉCULO XIX
  11. 11. Geografia Física dos USA A geografia dos Estados Unidos é extremamente diversificada, em parte, por causa  da grande extensão territorial do país, que é o quarto maior do mundo. Os Estados Unidos  compreendem grande parte da América do Norte, limitando a norte com o Canadá, a leste  com o oceano Atlântico, a sul com o golfo do México e com o próprio México, e a oeste com o  oceano Pacífico. Devido à grande extensão territorial (quarto maior país) dos Estados Unidos, o clima do país varia muito. A Florida possui um clima tropical, enquanto o Alaska possui um clima polar. Vastas porções do país têm um clima continental, com verões áridos e invernos frios. Algumas partes dos Estados Unidos, em particular partes da Califórnia, têm um clima Mediterrâneo. No geral, porém, a maior parte dos Estados Unidos possui um clima temperado ou subtropical, marcado por quatro distintas estações, com mudanças regulares de temperatura e precipitação.
  12. 12. O país possui grandes florestas temperadas na costa leste, e no noroeste, pantanais na Flórida, grandes planícies e o sistema fluvial do Mississippi-Missouri na região central, as Montanhas Rochosas a oeste das planícies, desertos e zonas costeiras a oeste das Montanhas Rochosas, e florestas húmidas temperadas no noroeste da costa do Pacífico. As regiões árticas ao norte do Alasca e as ilhas vulcânicas do Havaí aumentam ainda a diversidade geográfica e climática do país.
  13. 13. DOUTRINA MOUROE Em meio aos tumultos que explodiam por toda a América Latina a partir de 1810 - ocasionados pelas insurreições nativistas que buscavam a independência das suas regiões do domínio do império espanhol e do português - , surgiu um documento, aprovado pelo Congresso norte- americano em 1823, que fez história - a Doutrina Monroe. Ela tornou-se o pilar das relações dos Estados Unidos para com o mundo daquela época e para com os seus vizinhos. Mas, com o passar do tempo, a mesma serviu como pretexto para os mais variados intervencionismos norte-americanos no continente Americano e áreas contíguas: “A américa para os americanos”
  14. 14. POLÍTICA BIG STICK O Big Stick ( "Grande Porrete") foi o slogan usado pelo presidente Theodore Rouseveld para descrever o estilo de diplomacia empregada como cotinuação da Doutrina Mouroe , a qual especificava que os Estados Unidos deveriam assumir o papel de polícia internacional no Ocidente. Roosevelt tomou o termo emprestado de um proverbio americano, "fale com suavidade e tenha à mão um grande porrete", implicando que o poder para retaliar estava disponível, caso fosse necessário. Roosevelt utilizou pela primeira vez esse slogam na Feira Estadual de Minnesota. As intenções desta diplomacia eram proteger os interesses econômicos dos Estados Unidos na América latina. Estas ideias levaram à expansão da USA e a um maior envolvimento nas questões internacionais.
  15. 15. Um objetivo do cinema americano é a propaganda do sistema capitalista, especialmente o papel relevante que a nação teve e tem no seu estágio mais avançado, o imperialismo. Embutido na propaganda do "American Way Of Life" (Modo de vida americano) ou na crítica contundente aos seus adversários no mundo como as ditaduras fascistas da Europa e a Guerra Fria contra a União Soviética. Foi o cinema que tentou defender o mundo interiorano, a família, a religião e a educação. Neste cinema se vêm discussões sobre hábitos e estilos de vida, sobre ameaças externas ao indivíduo. Como um cinema do American Way of Life, o indivíduo bom contra o mal, contra os poderosos que o ameaçam, contra organizações criminosas, o indivíduo como glória heroica de uma realidade sempre melhor. No presente alguns símbolos temáticos se destacam. A necessidade de controlar o tempo da produção, por exemplo. O cinema americano viaja no tempo, busca no passado e no futuro a cura para os males de hoje. A INDUSTRIA CULTURAL NORTE-AMERICANA
  16. 16. ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO ECONÔMICO DOS ESTADO UNIDOS Manufacturing Belt • O cinturão da ferrugem, conhecido como cinturão da manufatura, é uma área no nordeste dos Estados Unidos da América, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque. • Economia baseada principalmente na indústria pesada e de manufatura. • É a área de industrialização mais antiga e mais extensa dos Estados Unidos da América; • Nela encontram-se quase todos os tipos de indústrias; Predomínio de indústria siderúrgica, mecânica, metalúrgica (automobilística), petroquímica, alimentícia e têxtil • A concentração industrial se deu pela abundância de matéria prima encontrada no local • Essa área forma a maior concentração urbano-industrial do mundo, tendo como características a megalópole BOSWASH (formada pelas áreas metropolitanas do eixo Boston-Washington). • Dentre os fatores de desenvolvimento de indústrias nessa região, destacam-se: • A existência de recursos naturais, a jazida de minério de ferro, atraiu o desenvolvimento de indústrias siderúrgicas, automobilísticas e ferroviárias - e as jazidas de carvão mineral dos Montes Apalaches, localizadas mais ao sul e de fácil exploração. • As condições favoráveis à navegação dos Grandes Lagos, com saída para o Oceano Atlântico pelo rio São Lourenço, bem como os portos da costa leste, possibilitaram a chegada dos recursos e das matérias-primas de que a região não dispunha. • O Manufacturing belt chegou a concentrar, mais de 75% da produção industrial dos Estados Unidos • Nos últimos anos, com o processo da globalização e o aumento da concorrência têm levado a dispersão das indústrias a deixar essa região em busca de outras áreas, que proporcionam
  17. 17. S U N B E L T "Cinturão do sol"- corresponde a um nova região industrial dos EUA que se localiza a SUL e OESTE. Trata-se de uma Dispersão industrial, motivada principalmente por mão de obra barata, principalmente advindas dos migrantes dos países latinos. O Vale do Silício, na California, é uma região na qual está situado um conjunto de empresas implantadas a partir da década de 1960, com o objetivo de gerar inovações científicas e tecnológicas, destacando-se na produção de Chips, na eletrônica e informática. O Vale do Silício abrange várias cidades do estado da California, ao sul de São Francisco, e estendendo-se até os subúrbios de San José. A industrialização de fato teve início nos anos 90, mas o impulso para o seu desenvolvimento se deu com Guerra Fria, Muitas empresas que hoje estão entre as maiores do mundo foram gestadas na região: Apple., Google, Facebock, Symantec,Yahoo, HP, Intel, Microsoft, entre muitas outras. O Vale do Silício recebeu esse nome por causa que o silício é a principal matéria-prima dos processadores fabricados por empresas como a Fairchild Semiconductor e a Intel, que surgiram na região.
  18. 18. cinturão agrícola dos estados unidos Os Green belts do Nordeste A região abriga uma grande população, calculada em mais de 100 milhões de pessoas. Para atender a toda essa população, a agricultura é responsável por produzir hortifrutigranjeiros (hortas, granjas e pomares) nos Green belts ("cinturões verdes"), compostos de pequenas propriedades localizadas no entorno das áreas urbanas. Saliente-se que os Green belts não se limitam à região Nordeste, mas também são encontrados no entorno de outras grandes cidades norte-americanas, principalmente as localizadas na costa oeste, como São Francisco e Los Angeles. Na região Nordeste, também se destaca um espaço agrícola regional que recebe o nome de Dairy belt ("cinturão de leiterias"), onde ocorre a criação intensiva de gado leiteiro, sendo considerada a maior indústria de laticínios do mundo.
  19. 19. GEOPOLÍTICA NORTE-AMERICANA “Doutrina Truman” é uma expressão que designa um conjunto de medidas políticas e econômicas assumidas depois de março 1947, data em que o então presidente dos EUA, Harry Truman, profere um violento discurso contra a “ameaça comunista”, onde diz que os EUA assumem o compromisso de defender o mundo dos soviéticos. Plano Marshall foi parte da "Doutrina Truman", anunciada em 1947 pelo presidente Harry Truman. Tratou-se de um projeto de recuperação econômica dos países envolvidos na Segunda Guerra Mundial. Anunciado também no ano de 1947, em 5 de junho, este plano deve seu nome ao seu criador, George Catlett Marshall, secretário-de-estado do governo Truman. Por ele, os Estados Unidos decidem abandonar a colaboração com a URSS e investir maciçamente na Europa ocidental, a fim barrar a expansão comunista e assegurar sua própria hegemonia política na região.
  20. 20. A Conferência de Bretton Woods Foi o ápice de dois anos de planejamento da reconstrução pós- guerra pelos Tesouros dos EUA e Reino Unido. Representantes estadunidenses estudaram a reconstituição do entre as duas guerras mundiais: um sistema internacional de pagamentos. As negociações para o estabelecimento de um Sistema Monetário Internacional (SMI) começaram, entre os Estados Unidos da América e o Reino Unido. Os países estabeleceram um padrão comum, perante o qual seriam definidos os valores das moedas nacionais. Chegados a um acordo, definiram o ouro-dólar como esse padrão. O ouro era um metal precioso cujo valor não sofria grandes flutuações e o dólar foi escolhido porque, no final da guerra, a economia norte-americana era considerada a mais estável. O acordo de Bretton Woods teve como objetivos contribuir para a instituição multilateral de pagamentos em função da reconstrução via FMI.
  21. 21. DOUTRINA BUSH x EIXO DO MAL A Doutrina Bush é a Estratégia de Segurança Nacional dos Estados Unidos, encaminhada pelo presidente George W. Bush ao Congresso estadunidense, sob o impacto dos atentados de 11 de setembro de 2001. Tem três pilares: As guerras preventivas, como maneira de evitar atentados terroristas, já que terroristas não declaram guerra antes de atacar; E a democratização, especialmente do Oriente Médio, para que a oposição política seja eliminada, lançando mão de recurso de violência ao “terrorismo”, de modo a isolar os extremistas. Classificar todos os líderes internacionais e seus respectivos povos de “o Eixo do Mal”, referindo-se a todos que contrariarem os interesses e as orientações geopolíticas estadunidenses, com explícitas possibilidades de intervenção militar e ou ataque “preventivo” estabelecendo portanto a PAX AMERICANA. Contudo demonstrou-se ser impossível construir uma ordem internacional fundamentada no Direito a uma doutrina de guerras preventivas. O uso da força só é admissível em legítima defesa. Nas relações

×